SóProvas



Questões de Fonologia


ID
11257
Banca
FCC
Órgão
TRF - 3ª REGIÃO
Ano
2007
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Instruções: As questões de números 1 a 10 referem-se ao texto
apresentado abaixo.

1. Coerente com a noção de que o pecado marca
fundamentalmente a condição humana, como estigma
degradante, e que este mundo material é apenas lugar de
perdição ou, na melhor das hipóteses, lugar de penas re-
5. generadoras, o pensamento católico medieval insistiu no
tema da miséria e da indignidade do homem. Indignidade
resultante da Queda, indignidade tornada visceral e que,
sozinho, apenas por si mesmo, apenas com suas parcas
forças o homem não conseguiria superar, necessitando da
10. ação mediadora da Igreja, de seus clérigos, seus sacramentos.
É bem verdade que essa visão pessimista em
relação ao homem e à natureza, que lhe propicia ocasiões
de pecado ou de esquecimento da necessidade de
salvação, encontra seu reverso, na própria Idade Média,
15. no cristianismo de São Francisco de Assis, baseado em
pobreza, alegria e amor à natureza enquanto obra
belíssima de Deus. Essa é justamente uma das
contradições mais fecundas apresentadas pelo universo
religioso medieval (contradição muito bem exposta, em for-
20 ma romanceada, por Umberto Eco, em O nome da rosa).
(...) Mas, franciscanismo à parte, a tese que prevalece na
Idade Média como concepção "oficial" da Igreja é aquela
da degradação do homem em decorrência do pecado
original e da natureza como reino da perigosa e tentadora
25. materialidade.

(PESSANHA, José Américo Motta. Humanismo e pintura.
Artepensamento. Org. Adauto Novaes. São Paulo:
Companhia das Letras, 1994, p. 30-31)

Considerada a norma culta da Língua Portuguesa, é correto afirmar que

Alternativas
Comentários
  • O correto seria:

    a) coerência

    b) es-tig-ma

    c) docente

    d) papeizinhos
  • nao entendi a alternativa E, alguem pode me explicar?
  • A letra E está correta!Pois "pequenez" é a qualidade de algo pequeno. "Pequeno" é adjetivo, "pequenez" é substantivo abstrato. Portanto, com "z". A raça do cachorro chama-se "pequinês" porque é originária da cidade de Pequim, na China.
  • Significado de Pequenez
    s.f. Estado do que tem pouca extensão, pouco volume.
    Modicidade.
    Fig. Mesquinharia, estreiteza, baixeza.
     
    Significado de Indignidade
    s.f. Ação indigna, vil.
    Baixeza, vileza: cometer uma indignidade.
    Injúria, afronta.
  • Apenas uma simples observação:

    Se, na letra (C), a banca tivesse colocado a palavra DISCENTE (referente a aluno), no lugar de DOCENTE (referente a professor). Teríamos, sim, um encontro consonantal imperfeito, como ocorre com o vocábulo VISCERAL.

    VISCERAL - VIS - CE - RAL;
    DISCENTE - DIS - CEN - TE.

    :-)
  • Questão safadinha, só consegui entender com os comentários.
  • Não sei se meu raciocínio está correto, porém pelo que entendi, a alternativa E) é a correta, porém a questão não consiste em ortografia, ou seja, a banca não quer saber se a palavra está grafada corretamente (apesar de estar), mas sim trata-se de uma questão de "carga semântica", ou seja, quando a flexão em grau de uma palavra apresenta carga semântica (sentido) diverso do que está grafado, em função do contexto da oração. Desta forma, ao pé da letra, PEQUENEZ significa "algo pequeno", porém, de acordo com o contexto, tem valor semântico de "indignidade, pessoa indigna".... bom, foi o que entendi, me desculpem se meu raciocínio estiver errado..... 

  • EDUARDO CARVALHO entendi justamente como vc! O.o

  • Foi perfeita a explicação do Eduardo Hara. Parabéns!

  • Eu errei por que entendi que papeizinhos se escreve com "z", mas a questão C) indica que se escreve com “s”. (ou entendi errado? Se alguém puder me ajudar...). 1. Papeizinhos  - PorDicionário inFormal (SP) em 22-10-2013

    Diminutivo do substantivo papel. Papéis pequenos.

    Os papeizinhos espelhados serão explodidos na festa de aniversário, na hora do parabéns.

  • Suedilson, não entendi sua dúvida. A questão quer a alternativa CORRETA.
    O diminutivo no plural de papéis é "papeizinhos", por quê? Quando ficar em dúvida, primeiro passe a palavra para o plural:

    Papel > Papéis ( lembrando que por regra, substantivos terminados em EL, no plural tira o EL e coloca IS. E a acentuação ali é devido a regra dos ditongos abertos no final da palavra,correto?) 

    Adiante, passemos para o diminutivo....

    Papéis > Aqui, você retira apenas o -S e coloca o sufixo -ZINHO (Sim, não é o sufixo -INHO é -ZINHO, com Z, esse sufixo existe,por isso não é com -S. Lembre-se que o -S do plural ele sai para dar lugar ao sufixo.)

    Logo, temos papeizinhos. A alternativa grafa o termo com -s e está errada, assim como podemos constatar com a explicação acima.

    Espero ter ajudado,se não era essa a dúvida, me envie uma mensagem,bons estudos!

  • Sinônimos de Indignidade

    Indignidade é sinônimo de: rebaixamento, infâmia, abjeção, aviltamento, baixeza, vileza

     

    Sinônimos de Pequenez

    Pequenez é sinônimo de: exiguidade, parvidade, mesquinhez, infantilidade, baixeza, miséria,servilismo, meninice

     

    Fonte: http://www.dicio.com.br/

  • Essa aqui foi por eliminação.

    a) Coerência.

    b) es-tig-ma.

    c) docente.

    d) papeizinhos.

    e) não tinha a menor idéia, essa foi pelo critério de exclusão.

  • pequenez - pequeno / pequinês = que veio de Pequim ou raça de cachorro

  • Questão ótima! 

  • Reescrevendo a oração e ao mesmo tempo aplicando as explicações:

     

    o vocábulo sozinho está convenientemente (corretamente) grafado com a letra "-z-"mas (só que ao contrário do vocábulo sozinhoessa letra ("z") não ocorre na grafia adequada (correta) de "papeisinhos".

     

    A proposição está querendo dizer o seguinte:
    a) Que a palavra sozinho está escrita corretamente (com a letra "z").
    — Certo.


    b) E que ao contrário da palavra sozinho, a palavra papeisinhos está escrita com a letra "s".
    — Certo também. 


    c) E que mesmo escrita com a letra "s", papeisinhos está correta.
    — Não está certo.

     

    Logo, a opção "d" está INCORRETA. 

     

    Eis uma questão multitemática abrangendo interpretação, ortografia, sinonímia, cenectivos e oração subordinada em apenas uma única proposição.

  • Pequei no "doscente"... falta de atenção.

  • a) o substantivo correspondente ao adjetivo coerente está grafado adequadamente assim: "coerênsia".  (coerência)

     

    b) o vocábulo estigma está adequadamente separado em sílabas assim: "es- ti- gma". (es-tig-ma)

     

    c) o encontro destacado em visceral está também presente no vocábulo adequadamente grafado assim: "doscente". (DOCENTE)

     

     

    d) o vocábulo sozinho está convenientemente grafado com a letra "-z-", mas essa letra não ocorre na grafia adequada de "papeisinhos". (papeizinhos)

     

    e) um sinônimo de indignidade está adequadamente grafado assim: "pequenez".  (desdouro, fealdade rebaixamento, infâmia, abjeção, aviltamento, baixeza, vileza)

  • As palavras pequenez e pequinês existem na língua portuguesa e estão corretas. Porém, seus significados são diferentes e devem ser usadas em situações diferentes. Pequinês se refere a algo ou alguém natural de Pequim. Significa também uma raça de cães. Pequenez é a qualidade de alguém pequeno. Significa também infância. 

    A palavra pequinês indica alguém ou alguma coisa que pertence, é proveniente ou natural de Pequim, capital da China. Refere-se ao seu habitante e à sua língua. Também se refere a uma raça de cães de pequeno porte com nariz achatado provenientes da China. 

    Pequinês é uma palavra formada a partir de derivação sufixal, ou seja, é acrescentado um sufixo a uma palavra já existente, alterando o sentido da mesma. Neste caso temos a palavra Pequim mais o sufixo -ês. Este sufixo nominal indica proveniência, origem, relação. 

    Exemplos: 
    O cão de infância de minha mãe foi um pequinês. 
    Quando você estiver em Pequim, prove a receita tradicional do pato pequinês. 
    Este amigo que conheci na China é pequinês e agora mora no Brasil. 

    Pequenez se refere à qualidade de alguma coisa ou de alguém que é pequeno. Significa também a infância, meninice. Esta palavra pode ser utilizada com sentido de baixeza, mesquinhez, humildade e acanhamento. 

    Pequenez é também uma palavra formada a partir de derivação sufixal. Neste caso temos a palavra pequeno mais o sufixo -ez. Este sufixo nominal indica qualidade, estado, modo de ser. 

    Exemplos: 
    Ele não gosta que se comente sua pequenez. 
    A pequenez deste espaço está me deixando claustrofóbica. 
    Por mais que tente, não consigo combater sua desagradável pequenez. 

    As palavras pequinês e pequenez apresentam a mesma fonética, ou seja, são pronunciadas de forma igual, mas seus significados e escritas são diferentes. A este tipo de palavras chamamos palavras homófonas. 

    Na língua portuguesa, existem diversas palavras homófonas: pequinês/pequenez, tachar/taxar, acento/assento, conserto/concerto, cela/sela, sinto/cinto, cozer/coser,…

    Palavras relacionadas: pequenez, pequinês.

     

    https://duvidas.dicio.com.br/pequines-ou-pequenez/

  • Fui mais por eliminação mesmo,pois as demais quetões 

    não tem coerência nenhuma ....

  • POSTEM  O GABARITO, NAMORAL! 

  • Para os não assinantes...

    Gab.: E

  • Muito boa a explicação do Eduardo Carvalho! 

       

      Eu errei a questão por não me atentar a grafia da palavra "docente". Perceba que, como já citado nos comentários anteriores, a banca escolheu a palavra "docente" pela semelhança com a palavra "discente", induzindo o candidato ao erro. Fiquei em dúvida na semparação da palavra "estigma". Assim, é preciso prestar muita atenção quando vamos separar as silabas de uma palavra, pois, nem sempre o modo como falamos corresponde a separação correta da escrita. Por exemplo, a palavra "advogado" se tentarmos separar com base no modo como falamos, muitos de nós a separaremos como "A - D - VO - GA- DO" ou ainda "A - DE- VO - GA- DO", quando a forma correta é "AD - VO - GA- DO". Essa separação incorreta geralmente se dá porque pronuniamos acrescentando um "e" ou "i".

     

    gabarito "e"

     

    Fonte: http://gramaticasimples.blogspot.com/2008/11/separao-silbica.html

     

    Espero ter ajudado de alguma forma ; )   

  • Aí é por eliminação... mais do que ser por eliminação é acreditar que você eliminou outras erradas, porque marcar uma que você não faz a mínima ideia é ir contra o psicológico que fica falando '' vai estar errada, vai estar errada''... kkkkkkkkkkkk

  • Esse professor hilário kkkkkkk top!

  • Gabarito letra E

    -> A palavra CoerênCia é grafada com C;

    -> A separação silábica de Estigma é es- tig - ma;

    -> Não existe S na palavra docente. Obs.: Cuidado com a palavra DISCENTE. Professor é docente; aluno, discente;

    -> Grafia correta do diminutivo: papeizinhos;

    -> Por fim, a palavra PEQUENEZ pode ser entendida como sinônimo de indignidade e é grafada com Z.

    x

    Educação transforma vidas,

    transformou a minha,

    pode transformar a sua.

    Bons estudos. :)


ID
86665
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
Instituto Rio Branco
Ano
2003
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

PODER
Etimologia. Sobre as formas verbais latinas potes,
'pode', potui, "pude", poteìram, "pudera", poteìro, 'poderei',
potens, potentis, 'aquele que pode' etc. (todos do verbo lat.
posse, 'poder, ter o poder de, ser capaz de'), forma-se o
infinitivo lat. vulg. poteìre, 'poder, ter o poder de, ser capaz
de', que conviveu com o lat. cláss. posse até suplantá-lo por
volta do séc. VIII d.C. Poteìre é a origem do port. esp.
poder, do século XII-XIII, it. potere, fr. pouvoir, ambos do
séc. XII, ing. power, de 1297-1325, que já se registram
como substantivo nessas datas. O vocábulo al. Macht traduz
o port. esp. poder e demais vernacularizações.

Enciclopédia Mirador Internacional. São Paulo - Rio de Janeiro: Encyclopaedia
Britannica do Brasil. Publicações Ltda. 1977, p. 9.001 (com adaptações).

Julgue os itens subseqüentes, relativos ao sentido e às
estruturas morfossintática, semântica e discursiva do texto I.

"Potere" e "poder" têm descrição fonética muito semelhante, destacando-se as seguintes mudanças: a consoante surda /t/ do primeiro vocábulo se sonoriza no segundo; a vogal final do primeiro sofre queda.

Alternativas
Comentários
  • Resposta: CERTO
    Inicialmente, convém ressaltar que houve um erro de digitação: a palavra "poteire", que aparece no quesito, deve ser escrita como "potere". Caso o "webmaster" tenha corrigido o enunciado, favor desconsiderar esse aviso.
    Os vocábulos "potere" e "poder" têm descrição fonética semelhante: "potere" transforma-se em "poder" por meio da substituição da consoante "t" por "d" e da supressão da vogal "e". Desse modo:
    potere > podere > poder
    Em fonética, as consoantes /t/ e /d/ são classificadas como oclusivas linguodentais e diferenciam-se quanto ao papel das cordas vocais na pronúncia delas. A consoante /t/ é um  fonema surdo, ou seja, não apresenta vibração das cordas vocais; e a consoante /d/ é um fonema sonoro, porquanto há vibração das cordas vocais. Os fonemas /t/ e /d/ são consoantes que só se distinguem em relação ao papel das cordas vocais, por isso são denominadas de homorgânicas.
  • Diplomata né pai? Olha o conteúdo do edital de português deles. ANimal mesmo

  • Questão que seleciona o mais preparado...

  • Derivacao do verbo " poder" antes potere... fala sobre a forma com que a língua sofre as transformacoes, pode notar uma queda de son. PODER E POTERE. A consoante " T" sofre uma queda sonora.

  • Resposta: CERTO

    A questão afirma que houve queda na vogal do primeiro vocabulo e não na consoante.

    POTERE - POTER

  • Jesus!

  • Consoantes Surdas e Consoantes Sonoras

    Surdas - Quando são produzidas sem vibração das cordas vocais.

    P - T - K - Q - C (antes de a, o, u) - F - S - X

    Sonoras - Quando são produzidas por vibração das cordas vocais.

    B - D - G - V - Z - J - L - LH - R - RR - M - N - NH

  • O que me conforta é que além da questão ser de 2003, é pra Diplomata. rsrsr

  • Análise: Os vocábulos "potere" e "poder" têm descrição fonética semelhante:

    I - a consoante surda /t/ do primeiro vocábulo se sonoriza no segundo;

    II - a vogal final do primeiro sofre queda;

    O vocábulo "potere" transforma-se em "poder" por meio da substituição da consoante "t" por "d" e da supressão da vogal "e". Desse modo: potere > podere > poder

    "Em fonética, as consoantes /t/ e /d/ são classificadas como oclusivas linguodentais e diferenciam-se quanto ao papel das cordas vocais na pronúncia delas. A consoante /t/ é um fonema surdo, ou seja, não apresenta vibração das cordas vocais; e a consoante /d/ é um fonema sonoro, porquanto há vibração das cordas vocais. Os fonemas /t/ e /d/ são consoantes que só se distinguem em relação ao papel das cordas vocais, por isso são denominadas de homorgânicas."

  • Essa questão é específica para o pessoal de letras e da fono. Não há necessidade de cobrar algo assim para outros cargos.

  • Só depois da leitura dos comentários dos colegas que entendi o enunciado.

  • se pronunciarmos ela na fala fica mais facil de resolver
  • que diacho que questão é essa

  • Se eu entendi, eu queira!

  • se eu entendi essa questão eu segue!!!!!!!!!!!!!


ID
335560
Banca
IESES
Órgão
CRA-AC
Ano
2010
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Assinale a alternativa adequada quanto à opção por uma ou outra forma no uso das palavras homófonas.

Alternativas
Comentários
  • A questão trata de palavras homófonas.

    Homófono é o que ocorre quando um vocábulo tem o mesmo som de outro, com grafia e sentido diferentes. (ex.: cela e sela, apesar de terem sons semelhantes, a primeira se trata de um lugar onde se fica retirado, a segunda se trata de um objeto que se coloca no animal para poder andar sobre ele).

    A pegadinha da questão é entender que a análise feita entre palavras parecidas não erá feita dentro da mesma sentença, mas sim dentre as sentenças, "quanto à opção, por uma ou por outra". Uma vez que se entendeu do que se trata e como está sendo cobrado, resta agora compararmos as palavras homófonas que são:

    A BAIXO = trata-se aqui de uma preposição + um substantivo que são utilizados para indicar ideia de movimento, deslocamento de um local para o outro, geralmente usado em contraposição de palavras como "de cima" ou "de alto". Pode ser substituído por "para baixo" ou "até embaixo". Utilizado na primeira opção (A), não se encontra empregado conforme a gramática estabelece, uma vez que não possui a ideia de deslocamento. Porém, a opção (C), onde foi grafado junto, possui a ideia de movimento e está em contraponto à expressão "de alto", opção esta que deveria estar grafada da forma separada, encontrando-se também errada.

    ABAIXO = é um advérbio (podendo modificar um verbo, um substantivo, um adjetivo ou um outro advérbio). possui a ideia de posicionamento, uma posição inferior ou de menor importância. Pode ser substituído por "embaixo", "sob" ou "debaixo". Deveria ter sido utilizado na letra (A) e não deveria ter sido usado na letra (C).

    A FIM = é uma locução prepositiva com significado de "com objetivo de" e "com a finalidade de". Fora utilizada na letra (B), onde não possui o sentido acima mencionado, pois alí está qualificando 'ideias'. E também foi utilizada na letra (D), possuindo o significado de finalidade, o porquê que se esforçou, o objetivo, estando grafada da forma correta.

    AFIM = é um adjetivo (qualificando algo ou alguém). Possui o sentido afinidade, proximidade e semelhança. Deveria ter sido utilizado na letra (B), onde qualificaria a palavra 'ideia' dando o sentido de as pessoas do discurso possuem ideias semelhantes, próximas.

    Gabarito, letra D.

  • Muito boa a explicação Willian! Parabens

  • O aperfeiçoamento é constante.


ID
347680
Banca
FUNRIO
Órgão
SEBRAE-PA
Ano
2010
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

As alternativas abaixo transcrevem notícias publicadas na coluna de Ancelmo Gois, do jornal O Globo, em 21/04/2010. Assinale a única que contém um engano ortográfico decorrente de confusão entre letra e fonema.

Alternativas
Comentários
  • No texto, entende-se que "BRAZUCA" se refere a brasileiro. Tendo em vista que essa palavra é escrita com "S", sendo uma derivação de Brasil, temos a inclinação de pensar que o certo seria "BRASUCA", devido a isso temos um engano, uma confusão, devido as   letras   serem  diferentes  (S e Z), e  por fonema,  devido as duas possuírem o  mesmo SOM na frase acima exposta.
  • examinador com espírito de sogra só pode!!
  • A grafia correta é BRASUCA, e não brazuca. A confusão decorre do fato de terem o mesmo fonema (som). 

    O Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (Volp), da Academia Brasileira de Letras, registra apenas brasuca, com s. Lembrem-se: a palavra é derivada de Brasil, brasileiro.

    p.s.: cuidado, pois no Google e no uso informal, prevalece a grafia brazuca, que é incorreta. 

  • Essa prova foi de 2010. 

    Coloquem agora a palavra braSuca no Google e vejam os resultados....

  • pois é, o pior é que eu acho que a gíria surgiu pra falar dos brasileiros que moram fora e, por isso, que falam "Brazil", com "z"... daí escrevermos brazuca... mas deixa pra lá...

  • http://veja.abril.com.br/blog/sobre-palavras/curiosidades-etimologicas/brazuca-e-um-nome-triste-mas-nao-por-ser-com-z/

  • de acordo com o link do Almir  é Brazuca

  • Letra c . tustão e não tostão.  Fez confusão com letra e fonema.


  • Taí uma coisa que eu não sabia! :D

  • Amiga Daiane, 

    o certo é TOSTÃO mesmo. A questão pede um erro ortográfico e esta palavra apresentou-se de forma correta.

    O equívoco está em BRAZUCA que, por ser uma gíria originária de BraSil, deveria ser escrita com S.

  • Uma pergunta que não quer calar:
    "Sem Um"  está correto, o correto não seria "SEM NENHUM"?
    Pare o mundo que eu quero descer ...
  • c) Em Londres, muito brazuca ficou retido nos aeroportos sem um tostão no bolso.

  • Hoje (2016) tanto faz Brasuca ou Brazuca = Brasileiro nascido no Brasil

  • - BRAZUCA (TEM SOM DE Z MAS VEM DE BRASIL E É COM S)

  • Na LETRA D, por conta do sujeito estar no plural, não deveria ser "Têm"?

  • Creio que o verbo esteja concordando com a palavra '' grupo ".

  • Pelo Volp só existe BraSuca
  • A letra D não deve ser a alternativa correta. Pois o verbo concorda com o núcleo do sujeito (grupo) que na sentença se encontra no singular. " de brasileiros" não pode ser o núcleo do sujeito porque o núcleo do sujeito não pode se preposicionado.

  • Muito Bom.

  • @Catarina cechin, o verbo concorda com o núcleo do sujeito (grupo), logo o verbo está sendo empregado de forma correta.

  • Brazuca e com s "brasuca ".

    Resposta dessa pergunta está equivocada.


ID
347683
Banca
FUNRIO
Órgão
SEBRAE-PA
Ano
2010
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Lagarto de duas cabeças é encontrado na Austrália, diz o jornal. Bicho tem seis patas e consegue comer com as duas bocas. O problema é que a cabeça maior tende a atacar a menor.

(Fonte: globo.com de 23/04/2010)

Analisando-se as palavras PATAS, TENDE e ATACAR e comparando-as com as palavras TAPAS, DENTE e ACATAR, pode-se afirmar que a realidade fonológica dos dois grupos comprova que, no Português,

Alternativas
Comentários
  • Questão típica de interpretação textual.


    A) ERRADO. A posição das consoantes é relevante tanto no aspecto gráfico como no aspecto fonético. Caso não fosse PATAS e TAPAS teriam a mesma pronúncia.
     
    B) ERRADO. Mesma justificativa da alternativa anterior.
     
    C) ERRADO. Invertendo as consoantes internas dos monossílabos é muito comum o aparecimento de vocábulos já existentes na língua portuguesa. Ex: mala, lama, tara, rata, casa, saca. Mas isso nem sempre ocorre. Veja os exemplos: tela, leta (não existe), cone, noce (não existe).
     
    D) ERRADO. Nem sempre a mudança de posição origina outras palavras.
     
    E) CORRETO. Raciocínio análogo ao da alternativa C.
     
    Alternativa correta: “E”.

  • Questão típica de interpretação textual.


    A) ERRADO. A posição das consoantes é relevante tanto no aspecto gráfico como no aspecto fonético. Caso não fosse PATAS e TAPAS teriam a mesma pronúncia.
     
    B) ERRADO. Mesma justificativa da alternativa anterior.
     
    C) ERRADO. Invertendo as consoantes internas dos monossílabos é muito comum o aparecimento de vocábulos já existentes na língua portuguesa. Ex: mala, lama, tara, rata, casa, saca. Mas isso nem sempre ocorre. Veja os exemplos: tela, leta (não existe), cone, noce (não existe).
     
    D) ERRADO. Nem sempre a mudança de posição origina outras palavras.
     
    E) CORRETO. Raciocínio análogo ao da alternativa C.
     
    Alternativa correta: “E”.
     
  • Dica: Sempre tem pegadinhas com advérbios.

    sempre
  • Aff... fico puta com a FUNRIO... não entendi, no exemplo não muda não é só as consoantes iniciais... então isso não se aplica, é claro que isso é fato, mas a letra "a" também se aplica, pois fonética é os "SONS",sendo assim a posição das consoantes muda os sentidos (e grafíco, pois ao mudar o sentido muda a gráfia, casa x casar)

  • Kezy, eu não entendi o que você quis dizer, mas a letra a está errada, porque a troca das consoantes é relevante tanto no aspecto gráfico quanto no fonético. Afinal, PATAS tem grafia e pronúncia diferentes de TAPASTENDE tem grafia e pronúncia diferentes de DENTE e ATACAR tem grafia e pronúncia diferentes de ACATAR

  • Ai  funrio, funrio....♫..♫♪♪♫..como é grande o meu amor por você...♫♪♪♪

  • A pegadinha tá no "PODE" revelar novos vocábulos.

  • A notícia é verídica ????

  • Foi um bom método de trabalhar o assunto. Gostei!

  • comentário do professor kkkkkkkkkk 

  • Professor foi dar uma cagada e esqueceu de tirar o microfone 

    kkkkkkk

  • A combinação de diferentes fonemas permite a formação de novas palavras com diferentes sentidos. Portanto, os fonemas de uma língua têm duas funções bem importantes: formar palavras e distinguir uma palavra da outra.
    Ex.: cal / Gal / mal / sal / tal...
    moço / moça / maço / maça / maçã...

    Porém esse processo não ocorre sempre.

    GABARITO: "E"

  • e) a inversão das consoantes iniciais de sílaba pode revelar outros vocábulos da língua.

  • O professor não foi nada sutil no comentário kkkkkkkk, crises, morrendo de rir, kkkk

     

     

    Gente, Funrio é uma banca horrível, to sofrendo tentando me "adequar" a essa mal polida elaboração de questões.

  • A combinação de diferentes fonemas permite a formação de novas palavras com diferentes sentidos, Portanto, os fonemas de uma língua tem duas funções bem importantes: formar palavras e distinguir uma palavra da outra. INVERSÃO: Consiste na mudança da ordem dos termos. LOGO, GABARITO (E) A gramática para concursos públicos Professor: Fernando Pestana

ID
347806
Banca
FUNRIO
Órgão
SEBRAE-PA
Ano
2010
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Quando é verdadeira, quando nasce da necessidade de dizer, a voz humana não encontra quem a detenha. Se lhe negam a boca, ela fala pelas mãos, ou pelos olhos, ou pelos poros, ou por onde for. Porque todos, todos, temos algo a dizer aos outros, alguma coisa, alguma palavra que merece ser celebrada ou perdoada pelos demais.

Galeano, E. Celebração da voz humana/2. In: ___. O livro dos abraços. L & PM, 1991. p. 23 (fragmento) 

No termo “necessidade”, destacado do trecho “quando nasce da necessidade de dizer”, temos um dígrafo. Assinale a opção que apresenta as palavras nela citadas contendo dígrafos.

Alternativas
Comentários
  • Qual o erro da A?

    Pois "um" é um dígrafo vocálico e "lh" é um dígrafo consonantal.

    Foco e fé!


  • um na palavra humana não é dígrafo. A letra U fica na primeira sílaba e o M na segunda sílaba. HU-MA-NA.
  • Realmente... rsrs! 
    Grato pela resposta Roberta. ;)
  • oi, porque o HU da palavra humano não seria um digrafo ?
  • Em nosso alfabeto existem letras que se conservam apenas por razão etimológica, pois não representam nenhum som, é o caso do H.

    Etimologia: É a parte da gramática que trata da origem das palavras.
  • Continuo sem entendeu porque em HUMANA não há dígrafo no HU :/
    Alguém pode me explicar?
  • Pelo que pesquisei humano é dígrafo. alguém saberia explicar, fundamentadamente, o porquê da alternativa (A) não ser considerada correta??
  • Pessoal... A palavra "humana" não é considerada um dígrafo ("hu") por um motivo essencialmente sutil: O "h", de acordo com a Nomencatura Gramatical Brasileira, não é considerada uma letra propriamente dita, não é vogal e nem consoante. Se não há som, não há pronúncia e, consequentemente, não se pode tratar de Dígrafo. "H" é uma letra diacrítica, formando dígrafos somente  nos casos "nh, lh..." e assim por diante.

    Bons estudos a todos!

    Karine

  • Em português é mudo o grafema h quando inicia palavra. Quando interno à palavra esse grafema compõe os dígrafos ch, nh e lh. Exemplos: harpa, hera, hino, homem e humilde.

    Exceções:

    Há vários casos especiais na ortografia portuguesa em que a palavra vem de outro idioma e preserva traços da fonologia e da ortografia original. Vejamos alguns exemplos:

    • Alichi. Os grafemas ch representam /tx/. Mais um caso em que se manteve a ortografia de origem.

    • Hardware. Nessa palavra, o grafema h não é mudo. Temos aqui uma palavra originária do inglês que manteve o h aspirado, fonema só usado na língua portuguesa em  estrangeirismos recentemente incorporados ao idioma.

  • Gente obrigada pelos esclarecimentos!! Tenho muito para estudar ainda, essas resoluções são essenciais; sem tempo para estudar teoria!!!!
  • O "H" é uma letra sim, mas não representa fonema algum.
    No caso do vocábulo "Humano", apenas pronunciamos o som do "U".
    Como o encontro "HU" não forma novo SOM, não pode ser considerado dígrafo (digrama).
    Já nas formas NH, LH e CH o "H" modifica o som do N, L e C, respectivamente, formando assim dígrafo.
  • Entendi a confusão de alguns, ora se digrafo é quando duas letras que emitem um único som, o  "H" é uma letra, NÃO é fonema, mas
    H + U é a soma de duas letras com a pronuncia de um fonema. Entendo ser a palavra "HUmana" sim um digrafo.
  • A alternativa correta é mesmo aletra D:

    Detenha= de-te-nha

    O nh tem som de "i". Ou seja, duas letras se juntaram pra formar um único som, que é o conceito de dígrafo.
     
    Quem = Nesse caso o "u" nao é pronunciado. ocorre a junção do q + u formando o som de Q. ou seja, a palavra  Quem possui 4 letras e 3 fonemas e um dígrafo consonantal.

    Obs: A palavra HUMANA não possui dígrafo pelo fato da letra h ser muda. Ela não produz nenhum som. É como a palavra HOJE, 4 letras e 3 fonemas sendo que o h não é digrafo. O h é uma letra muda, sem som.
  • Não sei se aprendi errado, mas creio que "humano" tem dígrafo sim. muito embora seja chamado de d´grafo vocálico, não deixa de ser um dígrafo.  

  • ....................................................

  • A letra H é chamada de letra etimológica, pois se manteve do latim até o português atual. Não representa fonema algum. A gramática para concursos públicos - Fernando Pestana.


  • Gabarito D

     

    Encontros Consonantais - duas ou mais consoantes, sem vogal intermediária. Pode estar na mesma sílaba (perfeito) ou sílaba separada (imperfeito).

    Dígrafos - duas letras são usadas para representar um único fonema (di = dois + grafo = letra). Pode ser consonantais e vocálicos (vogal nasal).

     

     

    a) olhos (dígrafo consonantal), humana (dígrafo vocálico).

     b) celebrada (encontro consonantal perfeito), lhe (dígrafo consonantal).

     c) nasce (dígrafo consonantal), palavra (encontro consonantal perfeito).

     d) detenha (dígrafo consonantal), quem (dígrafo consonantal).

     e) porque (dígrafo consonantal), perdoada (encontro consonantal imperfeito).

     

     

    http://www.soportugues.com.br/secoes/fono/fono4.php

  • achei que essa prova fosse para professor de português

  • Letra D

    DETENHA - QUEM > DE-TE-NHA, QUEM (dígrafos - NH, QU)

  • Olhos (dígrafo)

    humana (dígrafo)

    celebrada (encontro consonantal)

    lhe (dígrafo)

    nasce (dígrafo)

    palavra (encontro consonantal)

    detenha (dígrafo)

    quem (2 dígrafos)

    porque (dígrafo)

    perdoada (encontro consonantal)


ID
354181
Banca
CONSULPLAN
Órgão
Prefeitura de Campo Verde - MT
Ano
2010
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

TEXTO:
Era assim...
Quando eu fazia Jornalismo na PUC era assim: se eu quisesse saber das novidades, das festas, dos encontros, das viagens, eu tinha que encontrar o pessoal ali perto de uma enorme cabeça do Kennedy, em frente aos elevadores. Às vezes, rodávamos a PUC inteira atrás de alguém que estivesse com a tabela do nosso campeonato de futebol. Não havia celular ou internet, e a sala de computadores ainda era a sala das máquinas de escrever. Isso tem 20 anos. O resultado é que nos encontrávamos mais. Estar com as pessoas era o ponto de partida para... estar com as pessoas.
Aí inventaram o celular, a internet e, com ela, uma série de ferramentas para aproximar mais as pessoas. Aproximar?
Hoje, as pessoas já se acostumaram a viver nos seus miniescritórios individuais, com telefone, caixa de correio e música ambiente — o MP3 no ouvido. Ninguém precisa mais encontrar ninguém para saber de nada: as informações vão chegar. Sabemos muito da vida de todos os nossos amigos, sem precisar estar com eles.
Quando uma grande amiga foi morar em Madri, lá no início dos anos 90, semanalmente nos correspondíamos. Por carta. Eu mandava as novidades à mão. E recebia dela — também à mão — as novidades. Esperar pela carta era parte da brincadeira. Dava quase para imaginar as viagens que nossas cartas faziam para levar um pouco de um amigo ao outro. E quando chegava tinha aquela letra dela, com o primeiro sentimento que as palavras deitavam no papel — uma era pré-delete e pré-backspace.
Hoje, se uma amiga que mora a dez minutos daqui dá à luz um filho, recebemos a foto da criança por email, mandamos um SMS com “parabéns” e esperamos o aniversário de um ano, quando receberemos aquele cartão virtual convidando para a festa. Se não pudermos ir, basta entrar na internet e enviar um presente. Incrível que o que foi inventado para encurtar distâncias tenha criado abismos.
Os que ainda não desistiram e me leem agora devem estar meio enjoados com meu saudosismo. Óbvio que toda essa modernidade trouxe milhões de coisas boas. Essas nós sabemos quais são. Mas não deixo de sentir saudade da época em que a vida tinha — ao menos para mim — um outra velocidade. Uma época em que as respostas podiam demorar. Em que o destino agia mais sobre os encontros e desencontros. Uma época em que eu decidia mais com quem eu ia me corresponder.
Sempre alguém pode dizer: “Mas você tem controle sobre isso. Desligue o celular, não olhe seus emails, não entre em redes sociais...”É verdade, é possível fazer tudo isso. Mas hoje em dia equivale quase a investir num retiro tibetano. A impressão é de que estaríamos desistindo da vida em sociedade.
Aí você deve estar pensando: “Mas nem você, que tá aí reclamando disso tudo, teria a força de vontade de abdicar dessas ferramentas do demônio?”
Acho que não. Afinal, enquanto escrevia esta coluna, chegaram cinco emails (que res pondi), consultei o Twitter duas vezes, atendi minha mulher no rádio, um colega de trabalho no celular e mandei dois SMS. Isso em 52 minutos. Tem jeito, não.
(Marcius Melhem / Revista O Globo – 13/06/2010)

Quando eu fazia Jornalismo na PUC era assim: ...” As palavras destacadas no trecho anterior, apresentam, respectivamente:

Alternativas
Comentários
  • Quando --- QUAN - DO --- (U) SEMIVOGAL (A) VOGAL NA MESMA SÍLABA --- DITONGO CRESCENTE 

    fazia ---- FA - ZI - A ---- ( I ) SEMIVOGAL (A) VOGAL EM SÍLABAS SEPARADAS --- HIATO 

    assim  ---- AS - SIM --- SS ENCONTRO CONSONANTAL --- DÍGRAFO 

    ALTERNATIVA C) 

  • Questão :


    Quando eu fazia Jornalismo na PUC era assim: ...” As palavras destacadas no trecho anterior, apresentam, respectivamente :


    Quan - do : di/tongo (2 vogais juntas )


    Fa - zi -a : hiato ( 2 vogais que se separam)


    As - sim : dígrafo ( 2 consoantes : SS QUE SE SEPARAM) que parece ter 1 som único) :EX :

    AS/SIM som : ACIM ;

    TER/RA = ( RR )

    PÁS/SA/ RO = ( SS )

    NAS/CER = ( SC)

    EX/CE/ÇÃO = ( XC )

    DES/CER = ( SC)



    Ou 2 letras QUE NÃO SE SEPARAM : EX :

    FO - LHA = ( LH ) ;

    CHU - VA = ( CH ) ;

    I - GUAL = ( GU ) ;

    QUEI - JO = ( QU ).


    GABARITO :


    C ) :


    QUANDO = DITONGO ;


    FAZIA = HIATO ;


    ASSIM = DÍGRAFO .

  • QuAN- do porque não é digrafo ? AN

  • QU nem sempre é dígrafo!

    Observe:

    Quando ---> C.u.ã.d.o

    Paquera ---> P.a.qu.e.r.a

    No primeiro exemplo, o Q virou C, e por isso não aglutinou a sílaba.

  • Na palavra "assim" existem 2 dígrafos?

    SS = /ç/ - Dígrafo Consonantal

    IM = /î/- Dígrafo Vocálico

  • É exorbitantemente arbitrário. Como que QUAN- é ditongo, mas não é dígrafo?

    Cada uma. Deve ser pela ordem.


ID
355357
Banca
CONSULPLAN
Órgão
Prefeitura de Campo Verde - MT
Ano
2010
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Grandes e pequenas mulheres

Há mulheres de todos os gêneros. Histéricas, batalhadoras, frescas, profissionais, chatas, inteligentes, gostosas, parasitas, sensacionais. Mulheres de origens diversas, de idades várias, mulheres de posses ou de grana curta. Mulheres de tudo quanto é jeito. Mas se eu fosse homem prestaria atenção apenas num quesito: se a mulher é do tipo que puxa pra cima ou se é do tipo que empurra pra baixo.
Dizem que por trás de todo grande homem existe uma grande mulher. Meia-verdade. Ele pode ser grande estando sozinho também. Mas com uma mulher xarope ele não vai chegar a lugar algum.
Mulher que puxa pra cima é mulher que aposta nas decisões do cara, que não fica telefonando pro escritório toda hora, que tem a profissão dela, que apoia quando ele diz que vai pedir demissão por questões éticas e que confia que vai dar tudo certo.
Mulher que empurra pra baixo é a que põe minhoca na cabeça dele sobre os seus colegas, a que tem acessos de carência bem na hora que ele tem que entrar numa reunião, a que não avaliza nenhuma mudança que ele propõe, a que quer manter tudo como está.
Mulher que puxa pra cima é a que dá uns toques na hora de ele se vestir, a que não perturba com questões menores, a que incentiva o marido a procurar os amigos, a que separa matérias de revista que possam interessá-lo, a que indica livros, a que faz amor com vontade.
Mulher que empurra pra baixo é a que reclama do salário dele, a que não acredita que ele tenha taco para assumir uma promoção, a que acha que viajar é despesa e não investimento, a que tem ciúmes da secretária.
Mulher que puxa pra cima é a que dá conselhos e não palpite, a que acompanha nas festas e nas roubadas, a que tem bom humor.
Mulher que empurra pra baixo é a que debocha dos defeitos dele em rodinhas de amigos e que não acredita que ele vá mais longe do que já foi.
Se por trás de todo grande homem existe uma grande mulher, então vale o inverso também: por trás de um pequeno homem talvez exista uma mulherzinha de nada.
(Martha Medeiros)

Por trás de um pequeno homem talvez exista uma mulherzinha de nada.” As palavras destacadas apresentam, respectivamente:

Alternativas
Comentários
  • LETRA C - CORRETA

    palavra dígrafo é formada pelos elementos gregos di, "dois", e grafo, "escrever". O dígrafo ocorre quando duas letras são usadas para representar um único fonema. Também se pode usar a palavra digrama (di, "dois"; grama, "letra") para designar essas ocorrências. Isto posto, não se pode dizer que há encontro consonantal nos dígrafos consonantais, pois as letras presentes neles representam apenas uma consoante. Da mesma forma que não se pode dizer que há encontro consonantal nas palavras campo e ponto, pois o "m" e o "n" funcionam essencialmente como sinais de nasalidade da vogal anterior, com o valor de um "til".
  • Deve haver algum erro nesta questão.
    trás - encontro consonantal
    pequeno - dígrafo
    mulherzinha - dígrafos
  • QU e GU são dígrafos eventuais. Só formam ditongos junto com a vogais A ou O. No caso da palavravra pequeno QU é dígrafo. Não há alternativa correta para questão.
  • Acho que a questão deve ser anulada. rsrs
  • Aonde tem ditongo em "pequeno"?

  • Trás _ Encontro consonantal
    Pequeno _ Dígrafo
    Mulherzinha _ Dígrafo

    Acredito que há algum erro na questão.
  • Sem sombra de dúvidas há erro nessa questão... .



    Trás - Encontro consonantal



    Pequeno - Dígrafo eventual



    Mulherzinha - Dígrafos



    Não há presença de hiato tão pouco ditongo nas palavras grifadas, logo não existe alternativa que corresponda a resposta adequada.
  • Na palavras trás ocorre um encontro consonantal.

    Em "pequeno", o que temos é um dígrafo. QU é representado foneticamente pelo / k /. Duas letras representando um único fonema, temos então um dígrafo. Caso tIvéssemos a letra U pronuncianda como na palavra QUATRO ou em CINQUENTA, teríamos um ditongo crescente.

    Agora na palavra mulherzinha, temos dois dígrafos (LH e NH) e um encontro consonantal (RZ).

    Assim, pode-se notar que não há alternativa que responda corretamento o que se pede.
  • Com certeza há erro nessa questão, os grupos GU e QU eventuamente não representam dígrafo, mas, para que isso aconteça é necessário que o som do U seja pronunciado, como em: tranquilo, aguentar, sagui... O que não é o caso da palavra PEQUENO.
  • Resposta :  Letra C 

    Encontros Vocálicos :  É o agrupamento de vogais e semivogais. Há três tipos de encontros vocálicos:

    Hiato
    = É o agrupamento de duas vogais, cada uma em uma sílaba diferente.

    Lu-a-na, a-fi-a-do, pi-a-da

    Ditongo = É o agrupamento de uma vogal e uma semivogal, em uma mesma sílaba. Quando a vogal estiver antes da semivogal, chamaremos de Ditongo Decrescente, e, quando a vogal estiver depois da semivogal, de Ditongo Crescente. Chamaremos ainda de oral e nasal, conforme ocorrer a saída do ar pelas narinas ou pela boca.

    Cai-xa = Ditongo decrescente oral.
    Cin-qüen-ta = Ditongo crescente nasal, com a ocorrência do Ressôo Nasal.


    Tritongo = É o agrupamento de uma vogal e duas semivogais. Também pode ser oral ou nasal.

    A-güei = Tritongo oral.
    Á-güem = Tritongo nasal, com a ocorrência da semivogal m.

    Além desse três (hiato, ditongo e tritongo), há dois outros encontros vocálicos importantes:

    Iode = É o agrupamento de uma semivogal entre duas vogais. São aia, eia, oia, uia, aie, eie, oie, uie, aio, eio, oio, uio, uiu, em qualquer lugar da palavra - começo, meio ou fim. Foneticamente, ocorre duplo ditongo ou tritongo + ditongo, conforme o número de semivogais. A Iode será representada com duplo Y: ay-ya, ey-ya, representando o "y" um fonema apenas, e não dois como possa parecer. A palavra vaia, então, tem quatro letras (v - a - i - a) e quatro fonemas (v - a - y - a), sendo que o "y" pertence a duas sílabas, não havendo, no entanto, "silêncio" entre as duas no momento de pronunciar a palavra.

    Vau = O mesmo que a Iode, porém com a semivogal W.

    Pi-au-í = Vau, com a representação fonética Pi-aw-wi. Com o "w" ocorre o mesmo que ocorreu com o "y", ou seja, representa um fonema apenas.

    Ocorrem, também, na Língua Portuguesa, encontros vocálicos que ora são pronunciados como ditongo, ora como hiato. São eles:

    Sinérese = São os agrupamentos ae, ao, ea, eo, ia, ie, io, oa, oe, ua, ue, uo.

    Ca-e-ta-no, Cae-ta-no; ge-a-da, gea-da; Na-tá-li-a, Na-tá-lia; du-e-lo, due-lo.

    Diérese = São os agrupamentos ai, au, ei, eu, iu, oi, ui.

    re-in-te-grar, rein-te-grar; re-u-nir, reu-nir; di-u-tur-no, diu-tur-no.

     


     

  • Continuação:

    Encontros Consonantais

    É o agrupamento de consoantes. Há três tipos de encontros consonantais:

    Encontro Consonantal Puro = É o agrupamento de consoantes, lado a lado, na mesma sílaba.

    Bra-sil, pla-ne-ta, a-dre-na-li-na

    Encontro Consonantal Disjunto = É o agrupamento de consoantes, lado a lado, em sílabas diferentes.

    ap-to, cac-to, as-pec-to

    Encontro Consonantal Fonético = É a letra x com som de ks.

    Maxi, nexo, axila = maksi, nekso, aksila.



    Dígrafos : É o agrupamento de duas letras com apenas um fonema. Os principais dígrafos são rr, ss, sc, sç, xc, xs, lh, nh, ch, qu, gu. Representam-se os dígrafos por letras maiores que as demais, exatamente para estabelecer a diferença entre uma letra e um dígrafo. Qu e gu só serão dígrafos, quando estiverem seguidos de e ou i, sem trema. Os dígrafos rr, ss, sc, sç, xc e xs têm suas letras separadas silabicamente; lh, nh, ch, qu, gu, não.

    arroz = ar-roz - aRos;
    assar = as-sar - aSar;
    nascer = nas-cer - naSer;
    desço = des-ço - deSo;
    exceção = ex-ce-ção - eSesãw;
    exsudar = ex-su-dar - eSudar;
    alho = a-lho - a?o;
    banho = ba-nho - baÑo;
    cacho = ca-cho - kaXo;
    querida = que-ri-da - Kerida;
    sangue = san-gue - sãGe.

    Dígrafo Vocálico = É o outro nome que se dá ao Ressôo Nasal, pelo fato de serem duas letras com um fonema vocálico.

    sangue = san-gue - sãGe

     

  • Contiunação:       M / N

    As letras M e N devem ser analisadas com muito cuidado. Elas podem ser:


    Consoantes = Quando estiverem no início da sílaba.

    Semivogais = Quando formarem os grupos AM, EM e EN, em final de palavra - somente em final de palavra - sendo representadas foneticamente por Y ou W.

    Ressôo Nasal = Quando estiverem após vogal, na mesma sílaba que ela, excetuando os três grupos acima. Indica que o M e o N não são pronunciados, apenas tornam a vogal nasal, portanto haverá duas letras (a vogal + M ou N) com um fonema só (a vogal nasal).

    exemplo:
    na palavra manchem, terceira pessoa do plural do presente do subjuntivo do verbo manchar, teremos o seguinte: man-chem, 2 vogais = a, e; 2 consoantes = o 1º m, x(ch); 1 semivogal = y (o 2º m); 1 ressôo nasal = an (ã). mãx?y.

    Bom Estudo!




     

  • Trás - encontro consonantal perfeito , pois o encontro que ocorre entre as consoates 't' e 'r' , se encontra na mesma sílaba .
    Pequeno - dígrafo , pois nesse caso as duas letras 'q' e 'u' representam apenas um único fonema , /k/ , que se juntam à letra 'e' para formar a sílaba 'que' , /ke/ , não formando o ditongo /ue/ .
    Mulherzinha - nessa palavra não existem hiatos , e sim dígrafos : 'lh' e 'nh' ...
    Logo , a questão não nos traz a alternativa correta , pois a alternativa 'c' indica que na palavra 'pequeno' existe um ditongo , e desse modo a questão seria nula ...
  • É uam boa questão busca confundir o candidato pois este tem que analizar diversas regras em um único exercicío prendendo-o e induzindo-o ao erro, é´de fato uma questão muito bem preparada. A alternativa correta de fato é a letra "C".
  • Boa tarde!
    Acho que está havendo algum equívoco com relação a palavra "pequeno" - "qu" seguido de "e" sem pronunciar a letra "u" É DÍGRAFO - o som é K.
  • Não há resposta certa para esta questão, visto que:

    Ts: encontro consonantal

    Pequeno: Dígrafo (qu, seguidos de e, emitem apenas 1 fonema)

    Mulherzinhas: Dígrafos

    A resposta correta seria, respectivamente: encontro consonantal / dígrafo / dígrafos
  • encontro consonantal, digrafo e digrafos
  • Pequeno não pode conter um ditongo. Mesmo que existe e encontro de duas vogais em Pe-queno, não pode ser ditongo por a letra U não é pronunciada.

    Só existem encontros vocálicos quando todas as letras (vogais) são pronunciadas, ou seja, corresponde a um fonema.
  • DÍGRAFOS VOCÁLICOS

     
       O tempo vai passando, os conteúdos estudados para os vestibulares vão se acumulando e muita gente deixa de lado a revisão de conteúdos mais básicos, como a FONOLOGIA.

     
       Nesse campo de estudos, os dígrafos vocálicos compreendem o estudo mais confuso, que, portanto, ocasionam mais erros em provas. Vamos relembrá-los!


       Dígrafos vocálicos ocorrem sempre que houver encontro das cinco letras que representam as vogais (A, E, I, O, U) somados às letras "M" e "N", na mesma sílaba. Nesses casos, as letras "M" e "N" não são consoantes, são apenas nasalizadores das vogais, com o mesmo papel que tem o til(~).

       Sendo assim, os dígrafos vocálicos são apenas dez: AM, EM, IM, OM, UM, AN, EN, IN, ON, UN. No entanto, destaca-se que existe um pequeno (mas não pouco importante) porém a ser destacado. Quando os encontrosAM, EM e EN estiverem na última sílaba de uma palavra, não serão considerados dígrafos, mas ditongos decrescentes nasais. Diante disso, a palavra "tempo", por exemplo, tem dígrafo vocálico EM, mas a palavra "comem", tem ditongo decrescente nasal EM, por estar no final da palavra (última sílaba).

    FIZERAM --> AM = DITONGO DECRESCENTE (ÚLTIMA SÍLABA)
     
    COM --> OM = DÍGRAFO VOCÁLICO
     
    VENDERAM --> EN = DÍGRAFO VOCÁLICO / AM = DITONGO DECRESCENTE
     
    TAMBÉM --> AM = DÍGRAFO VOCÁLICO / EM = DITONGO DECRESCENTE
     
    ARRANCARAM --> AN = DÍGRAFO VOCÁLICO / AM = DITONGO DECRESCENTE
     
    ABALAM --> AM = DITONGO DECRESCENTE
     
    MANDE --> AN = DÍGRAFO VOCÁLICO
     
    INFERNO --> IN = DÍGRAFO VOCÁLICO
     
       É importante destacar que os encontros "OM", "AN" e "IN" não serão ditongos nunca, mesmo que estejam em final de palavra. Somente os encontros AM, EM EN podem ser dígrafos ou ditongos, os demais são sempre dígrafos.

    fonte: http://lauroportugues.blogspot.com.br/2012/06/digrafos-vocalicos.html
     
     
  • Deveria ser anulada mesmo.

    -qu e -gu antes de -e ou -i deve ser classificado como dígrafo e não como ditongo.
  • a alternativa mais correta é a alternativa C, contudo verifica-se que na alternativa existem duas possibilidades com relação a palavra pequeno, vejamos:

    pequeno - dígrafo (que)
    pequeno - ditongo (pe - que - no)



  • Olá, pessoal.

    Acredito que tenho uma resposta em relação ao que ocorreu com a questão. Acho que no momento da digitação da prova, sublinharam a palavra pequeno ao invés de homem, que por sua vez tem um ditongo nasal (EM). Analisem a questão após a substituição. A letra C passa a ser a única certa realmente. Contudo, ao verificar o gabarito oficial da prova no site da banca, não anularam a questão. Não é possível que nenhum dos concursandos não tenha verificado este erro. Ou estou errado?
  • EU ERREI A QUESTÃO, MAS DEPOIS ENTENDI A QUESTÃO CORRETA, POR QUÊ?

    PORQUE :
    ENCONTRO CONSONATAL - DUAS OU MAIS CONSOANTE NA MESMA SÍLABA
    TRÁS  OBS: NÃO SE SEPARA O ENCONTRO CONSONATAL

    DITONGO - PODEM SER CRESCENTE (CRESCENTE OU DECRESCENTE)
    PEQUENO - qu -  É DÍGRAFO, MAS NÃO BATE COM AS QUESTÓES, POR ISSO, TEMOS DITONGO CRESCENTE ( SEMIVOGAL( U) + VOGAL( E ),

    DÍGRAFOS - PODEM SER: CONSONATAIS, VOCÁLICO E ENCONTRO CONSONATAIS.
    MULHERZINHA - TEMOS LH, NH ( CONSONATAL) E TAMBÉM VOCÁLICO IN - 

    A QUESTÃO FOI UM POUCO MAUDOSA, MAS TEMOS QUE ESTÁ ATENTO A ESSAS PEGADINHAS.

    NADA É IMPOSSIVEL PARA QUEM TEM DETERMINAÇÃO E PERSISTÊNCIA!



  • Se a letra /q/ vem seguida das vogais /e/ e /i/, a letra /u/ não é pronunciada, portanto, trata-se de um dígrafo consonantal.
  • Galera, a questão foi anulada!! O correto seria:
    encontro consonantal- dígrafo- dígrafos
  • Essa questão deveria conter as seguinte opção de resposta:
    Encontro Consonantal / digrafo / digrafos 
    Uma vez que:
    Trás - Encontro Consonantal entre "TR".
    Pequeno - Digrafo, já que em "QU" seguido de  E, acaba por não pronunciar o U, emitindo assim um som de K, ou seja, "pekeno" formando assim um Digrafo Consonantal. 
    Mulherzinha - "lh" e "nh" são os Digrafos 
  • A Banca não teve  capacidade de revisar a prova antes de imprimi-la...

    A resposta seria, sem dúvidas : encontro consonantal / dígrafo / dígrafo
  • Realmente concordo que a questão deve ser anulada. 
  • Pessoal, acredito que a questão tenha sido anulada pela polêmica, pois a palavra pequeno pode ser tanto digrafo quanto ditongo.
    Nos grupos do que, qui, gue e gui, apesar de o "u" não ser pronunciado, ele será sempre uma semi vogal, pois terá um som semi-vocálico.
    O fato de ele não ser pronunciado é uma REGRA APENAS PARA CARACTERIZÁ-LO COMO DIGRAFO. ISSO NÃO RETIRA DELE A CLASSIFICAÇÃO, NESSE CASO, COMO SEMI-VOGAL, FORMANDO UM DITONGO CRESCENTE COM "E".
  • " Por trás" => encontro consonantal

    " Um pequeno" => dígrafo

    " uma mulherzinha" => dois dígrafos


    Mas a reposta é letra C e alguém colocou essa resposta errada e deve colocar a resposta direitinho é encontro consonantal / dígrafo / dígrafos .


  • também achei esquisita essa questão está errada tem que ser revista .

  • Não sou ignorante ao ponte de achar o contrário,pois as palavras citadas são ao meu ver.

    Trás:Encontro consonantal

    Pequeno:não escutamos o som do u,ao pronunciar portanto é dígrafo.

    Mulherzinha:tem dois dígrafos. lh e nh,favor responsável do site verificar as questões mostradas para que possamos dar mais credibilidade ao site,ainda bem que estudamos o certo.

  • "qu" é dígrafo

  • Não entendi porque ditongo.

  • Pequeno não tem dígrafo? pq a resposta é ditongo? :x

  • Trás: encontro consonatal

    Pequeno: Dígrafo (pe -qe - no) ou no caso, ditongo aparente.
    Mulherzinhas: Dígrafos. 
    Logo, quem soubesse as regras  marcaria a resposta certa, mesmo sabendo que se trata de um dígrafo na palavra pequena. É assim que cai... Fazer o que né. 
    •  c) encontro consonantal / ditongo / dígrafos

  • No caso de PEQUENO ser ditongo, é porque o U não é pronunciado. QU será dígrafo ex: QUANDO

  • Os "cabra" têm tempo para fazer uma questão e não têm tempo para olhar para ela e ver se tem realmente item correto... "Comé" q pode? Aí o candidato fica confuso, relê a questão, perde tempo e possivelmente não resolverá uma questão elaborada corretamente.

    Os caras ganham dinheiro pra fazer algo que qualquer um pode fazer... nada... Essas provas não são revisadas antes do dia de realização do concurso?

  • Alguém poderia me explicar porque pequeno é ditongo

  • Questão mal elaborada! 

    Pequeno = Dígrafo

  • Encontros Consonantais

    O agrupamento de duas ou mais consoantes, sem vogal intermediária, recebe o nome de encontro consonantal. Existem basicamente dois tipos:

      - os que resultam do contato consoante + l ou r e ocorrem numa mesma sílaba, como em: pe-dra, pla-no, a-tle-ta, cri-se... 

      - os que resultam do contato de duas consoantes pertencentes a sílabas diferentes: por-ta, rit-mo, lis-ta...

    Há ainda grupos consonantais que surgem no início dos vocábulos; são, por isso, inseparáveis: pneu, gno-mo,psi-có-lo-go...

    Dígrafos

    De maneira geral, cada fonema é representado, na escrita, por apenas uma letra. 
    Por Exemplo:

      lixo - Possui quatro fonemas e quatro letras.

    Há, no entanto, fonemas que são representados, na escrita, por duas letras. 

    Por Exemplo:

      bicho - Possui quatro fonemas e cinco letras.

    Na palavra acima, para representar o fonema | xe| foram utilizadas duas letras: o c e o h.

    Assim, o dígrafo ocorre quando duas letras são usadas para representar um único fonema (di = dois + grafo = letra). Em nossa língua, há um número razoável de dígrafos que convém conhecer. Podemos agrupá-los em dois tipos: consonantais e vocálicos.

    Dígrafos Consonantais

    LetrasFonemasExemplos
    lhlhetelhado
    nhnhemarinheiro
    chxechave
    rrRe (no interior da palavra)carro
    ssse (no interior da palavra)passo
    quque (seguido de e e i)queijo, quiabo
    gugue (seguido de e e i)guerra, guia
    scsecrescer
    sedeo
    xcseexceção

    Dígrafos Vocálicos: registram-se na representação das vogais nasais.

    FonemasLetrasExemplos
    ã  am  tampa
     ancanto
     etilll.gif (126 bytes)emtemplo
     en  lenda  
     itil.gif (111 bytes)imlimpo
     inlindo
    õomtombo  
     on  tonto  
     util.gif (118 bytes)umchumbo
     uncorcunda

  • A questão (olha um dígrafo) está claramente equivocada. Pequeno não tem ditongo, e sim, dígrafo. No entanto, é a questão mais passiva de estar correta, por exclusão. 

  • Olá, pessoal!

    Essa questão não foi alterada pela Banca. Alternativa correta Letra C, conforme publicado no edital de Gabaritos no site da banca.

    Bons estudos!
    Equipe Qconcursos.com

  • Kkkkkk!!!! Engraçado um monte de gente comentar uma questão que foi anulada. Se foi anulada é porque tinha problema na construção! Bora estudar!!!!!

  • TRÁS = ENCONTRO CONSONANTAL

    PEQUENO = DIGRAFO

    MULHERZINHA = 2 DIGRAFOS

  • c) Encontro consonantal / ditongo / dígrafos.

     

     

    Encontro consonantal - Quando duas ou mais consoantes aparecem juntas num mesmo vocábulo. Exemplo: Trás.

     

     

    Ditongo - Quando aparece em sequência vogal + semivogal ou vice-versa. Exemplo: Pequeno.

     

     

    Dígrafo - Quando a língua recorre a duas letras para representar um só fonema (som). Exemplo: Mulherzinha.

  • Pessoal é ditongo do caso reto. O u nesse caso representa frango do Nepal

  • Questão mal elaborada..

  • TRás e um encontro consonantal por conta do TR. Pequeno e um ditongo crescente (semivogal (u)+vogal(e) ) Mulherzinha e um Dígrafo (lhe e nha) porém existe duas responde para a questão. más nesse gabarito só há uma, e oque faz com que todo mundo ache que está errada a questão..... acredito que seja por conta do Ditongo crescente.
  • qu = dígrafo .... msm assim deu pra acertar a questão.


ID
357178
Banca
INSTITUTO CIDADES
Órgão
AGECOM
Ano
2010
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

A Internet alterou profundamente a forma de fazer
jornalismo. Criou novas possibilidades de captar,
armazenar e distribuir informações, constituindo um
veículo de comunicação novo, capaz de compartilhar
diferentes formatos e permitir um nível de interatividade
até então desconhecido. Diante desta nova realidade
profissional, formar novos jornalistas tornou-se um
desafio. O mundo contemporâneo e muito mais o do
futuro próximo produz uma quantidade cada vez maior de
informação, interpretação e opinião.

Isto pode significar, de um lado, um alargamento das
possibilidades de atuação para os profissionais da
imprensa. Pode, de outro, implicar em um verdadeiro
aniquilamento do espaço de atuação. Às instituições que
preparam estes profissionais, cabe o papel de apresentar
este novo contexto, evidenciar a importância estratégica
do domínio das tecnologias da informação e, além disso,
continuar formando bons repórteres, redatores e editores.
Paulo Roberto Botão


Fonte: http://www.eca.usp.br/pjbr/arquivos/especial5_b.htm

Estão separadas corretamente as palavras:

Alternativas
Comentários
  • Para não assinantes!

    Gabarito: D

  • Caso alguém tenha a mesma dúvida que eu

    Até = A-té

  • Para mim todas estão erradas

  • a-tu-a-ção

  • Captar = cap-tar

  • Quem marcou a letra B e errou, não se preocupe pois isso demonstra que você está estudando verdadeiramente e viu que a separação de profissional da letra D está incorreta.

  • Não aceito o gabarito pois a separação silábica de profissional, está errada!! É pro-fis-si-o-nal !!!!

  • letra D esta certo ,pôquer os ss se ,separam!

    a letra E estão junto os ss!


ID
357187
Banca
INSTITUTO CIDADES
Órgão
AGECOM
Ano
2010
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

A Internet alterou profundamente a forma de fazer
jornalismo. Criou novas possibilidades de captar,
armazenar e distribuir informações, constituindo um
veículo de comunicação novo, capaz de compartilhar
diferentes formatos e permitir um nível de interatividade
até então desconhecido. Diante desta nova realidade
profissional, formar novos jornalistas tornou-se um
desafio. O mundo contemporâneo e muito mais o do
futuro próximo produz uma quantidade cada vez maior de
informação, interpretação e opinião.

Isto pode significar, de um lado, um alargamento das
possibilidades de atuação para os profissionais da
imprensa. Pode, de outro, implicar em um verdadeiro
aniquilamento do espaço de atuação. Às instituições que
preparam estes profissionais, cabe o papel de apresentar
este novo contexto, evidenciar a importância estratégica
do domínio das tecnologias da informação e, além disso,
continuar formando bons repórteres, redatores e editores.
Paulo Roberto Botão


Fonte: http://www.eca.usp.br/pjbr/arquivos/especial5_b.htm

A relação está correta em:

( 1 ) hiato
( 2 ) dígrafo vocálico
( 3 ) dígrafo consonantal
( 4 ) ditongo
( ) imprensa
( ) possibilidades
( ) nível
( ) tecnologias

Alternativas
Comentários
  • GABARITO = E
    [Im]
    prensa = dígrafo vocálico
    po[ss]ibilidades = dígrafo consonantal  
    Nível [el = eu] = ditongo fonético
    Tecnolog[i-a]s = hiato 

    shmyt : )

  • O Dígrafo vocálico em IMPRENSA não seria "EN"... som de "Ẽ"?

  • é o QUEEEEEEEEEEEEE?

  • Não sabia que "nível" se enquadrava em dígrafo vocálico, estranho pra mim

  • No caso "Nível" é um ditongo, porque o "L" tem som de "U" funcionando como uma semivogal. As semivogais são "i" ou "u" escrito ou FALADO, nesse caso o "u" foi na forma falada, ou seja, como a gente pronúncia (níveU), aí no caso é um ditongo decrescente.

ID
368248
Banca
FUNRIO
Órgão
ELETROBRAS-FURNAS
Ano
2009
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Qual dos provérbios abaixo está acompanhado da correta identificação de dígrafos e encontros consonantais?

Alternativas
Comentários
  • Dígrafo é o encontro de 2 letras com um único som. Podem ser dígrafos consonantais ou dígrafos vocálicos, como:

    - ch, sc, rr, ss, qu, sc, nh, mp.
    - on, in, om, en.

    Encontro consonantal é o encontro de 2 consoantes, as quais são pronunciadas, estando ou não separadas por sílabas. 
    Encontro vocálico é o encontro de vogais.

    No exercício, temos 4 dígrafos, quais sejam: um, ss, qu,an. 
    E não temos nenhum encontro consonantal.

  • Só complementando:

    No encontro consonantal pronunciam-se as duas letras, enquanto que no dígrafo só se pronuncia uma, embora haja duas letras: ex.: prato (pr - encontro consonantal), anta (an - ã - dígrafo vocálico), passo (ss - com som de apenas um s - dígrafo) etc.

    Na letra B o que pode causar confusão é a palavra "vo-an-do". Quem a ver pensa que o n e o d são encontros consonantais, porém, a letra "n" sequer é pronunciada. A sua presença é apenas para conferir nasalização à vogal "a", por isso  se trata de um dígrafo e não de encontro consonantal.
  • Há dúvida na palavra voaNDdo

    Em minha anáilise pode ser um encontro consonantal Imperfeito.

     

    http://www.brasilescola.com/gramatica/encontro-consonantal.htm

  • nao entendi, na letra B,a palavra isolada ´´um`` formou um digrafo? 

  • Mais vale umssaro na mão do que dois voando – quatro dígrafos (grifados) e nenhum encontro consonantal.

    Para formar dígrafos basta haver uma palavra com número de letras maior que o número de fonemas - independente do tamanho. Detalhe, quando a palavra terminar em am, em e en o m e o n são semivogais.  decoram = dekorãw

  • concordo com o colega Herrique! na palavra "voando" há um encontro consonantal imperfeito! em silaba diferente! questão passível de anulação.

  • Na palavra "voando" não há encontro consonantal imperfeito, pois é necessário analisar antes a existência de dígrafo e só depois a de encontro consonantal. Constatado que "an" é dígrafo, "nd" não é encontro consonantal, pois uma das consoantes (n) não possui som independente, é uma letra diacrítica, ou seja, nasaliza a vogal anterior.

    O site citado pelo Henrique está errado.

  • Buenas, Estimados!!!


    Utilizei a seguinte lógica para esse exercício e assinalei a alternativa correta, LETRA B. 

    Por gentileza, se alguém encontrou alguma divergência, me avise. Note que apenas alterei as sílabas com as marcações indicadas no enunciado, não me preocupando em alterar toda e qualquer palavra.

    PS: não consegui colocar o (~) em cima das letras - está imediatamente ao lado direito!


    a) 4 Dígrafos + 1 Encontro Consonantal

    Kem(DG “QU”)  semeia  vE~to(DG “EM”)  coL~e(DG “LH”) tE~ peSTade(DG “EM”) + (EC “ST”)


    b) 4 Dígrafos

    Mais  vale  U~(DG “UM”)  paÇaro(DG “SS”)  na  mão  do  Ke(DG “QU”)  dois  voA~do(DG “AN”)


    c) 2 Dígrafos + 2 Encontros Consonantais

    Em  teRa(Dg “RR”) de  sapo,  moSKito(EC “SK”) + (Dg “QU”)  não  dá  rasaNTe(E.C. “NT”)


    d) 1 Dígrafo + 1 Encontro Consonantal
    FariN~a(Dg “NH”)  pouca,  meu  pirão  PRimeiro(E.C. “PR”)


    e) 2 Dígrafos + 1 Encontro Consonantal
    Quanto  mais  rezo,  mais  aÇ O~ BRação(Dg “SS”)+ (Dg “OM”)+ (EC “BR”)  me  aparece


    Abraços e sejam nomeados o quanto antes!

    A fila tem que andar...quero a minha vez!!!!!!!!!!!!!!!!!!!


  • Rspedros @, fizeste um comentário fantástico; mas, na última alternativa - na palavra ''Quanto'' -, acredito que esqueceste de citar o dígrafo vocálico ''an''. Mesmo assim, muito obrigado por contribuir com tanta excelência!

  • letra B, segundo a gramática, no final das palavras, am e em não são dígrafos, e sim ditongos nasais, porém nada é mencionado a respeito de um, sendo, portanto, um dígrafo. 


  • A) Quem semeia vento colhe tempestade – quatro dígrafos e dois encontros consonantais.

    B) Mais vale umssaro na mão do que dois voando – quatro dígrafos e nenhum encontro consonantal.

    C) Em terra de sapo, mosquito não dá rasante – três dígrafos e dois encontros consonantais.

    D) Farinha pouca, meu pirão primeiro – dois dígrafos e um encontro consonantal.

    E) Quanto mais eu rezo, mais assombração me aparece – quatro dígrafos e dois encontros consonantais.

  • Se "um" é considerado dígrafo vocálico, por que "Em" não é?


ID
380854
Banca
EJEF
Órgão
TJ-MG
Ano
2009
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Na seqüência de palavras: açoitar, ambrosia, triunfo, fortuito, autora, têm-se

Alternativas
Comentários
  • a-çoi-tar

    am-bro-si-a

    tri-un-fo

    for-tui-to

    au-to-ra

    Ditongo é o encontro de uma vogal com uma semivogal ou de uma semivogal com uma vogal; em ambos os casos, vogal e semivogal pertencem obviamente a uma mesma sílaba. O encontro vogal + semivogal é chamado de ditongo decrescente (como em moi -ta, cai, mói). O encontro semivogal + vogal forma o ditongo crescente (como em qual, pá-tria, sé-rio). Os ditongos podem ser classificados ainda em orais (todos apresentados até agora) e nasais (como mãe ou pão).


     Hiato
    Hiato é o encontro de duas vogais tônicas num vocábulo, como em saída (sa-í-da). Os hiatos são sempre separados quando da divisão silábica: mô-o, ru-im, pa-ís. 



    Pessoal....só conseguir encontrar 1(um) Hiato, quem encontrar o outro me deixe um recado!

    até mais!

    ;)
  • Ajuste no comentário do Diêgo, pois a divisão silábica de triunfo está incorreta:
    • a.çoi.tar DITONGO
    • am.bro.si.a HIATO
    • tri.un.fo HIATO
    • for.tui.to DITONGO
    • au.to.ra DITONGO
  • Correta letra B

    A - çoi - tar = DITONGO
    Am - bro - si - a = HIATO
    Tri - un - fo = HIATO
    For - tui - to = DITONGO
    Au - to - ra = DITONGO

    Contando, veremos que tem 3 ditongos e 2 hiatos.

    Espero ter ajudado...
    Bons Estudos !!

    Pedro.
  • O mais difícil nesta questão foi a palavra ambrosia. O "si" de ambrosia é sílaba tônica, portanto é hiato, separando-se o "si" do "a".
  • Também fiquei muito em dúvida quanto à palavra "ambrosia". Porém, basta observar a falto do acento agudo pra descobrir a sílaba tônica.

  • Colegas está questão é dubia uma fez que a palavra ambrosia pode ser tanto ditongo como hiato . Os denominados  instaveis são sempre localizados no final  da palavra  e terminados em ia, ie, io, ao, eu, uo.
  • O que pode ocorrer ( segundo alguns gramáticos) é o fenômeno da sinérise e diérise na palavra AMBROSIA. Isso acontece quando determinadas palavras podem ser HIATO ou DITONGO:

    a) AM-BRO-SI-A

    b) AM-BRO-SIA

    OBS: O entendimento recorrente de acordo com alguns livros é a preferência pela divisão silábica que acarrete em HIATO, porém , certas questões assim, ainda são plausíveis de anulação. ( a não ser quando a banca sugere livros para estudos, o que é pouco provável)

    Resumindo:

    Fiquem atento quanto às questões que tratam de divisão silábica, pois depende muito da gramática que a banca irá cobrar.

  • Prezados,

    Segue abaixo uma pequena explicação em relação à palavra ambrosia:

    "Embora os encontros "IA, IE, IO, UA, UE, UO" de finais átonos, seguidos ou não de "S", possam ser analisados tanto como ditongos quanto como hiatos, a tendência hoje é considerá-los apenas como ditongos. Por isso, tais grupos vocálicos devem - preferencialmente - permanecer numa mesma sílaba. Ex.: lírio > lí-rio."

    BEZERRA, Rodrigo. Nova gramática da língua portuguesa para concursos - 5ª ed. / São Paulo : MÉTODO, 2011.

    Reparem que "ambrosia" não tem final átono. Ou seja, não se encaixa na regra acima. Portanto, não é facultaiva a separação do "-SIA", é obrigatória. 

    Espero ter ajudado.

    Grande abraço.
  •  Aquestão  é: AmBROsia ( com acentuação tônica na sílaba BRO) ou AmbroSia( com acentuação no SI)?
    Se for  amBROsia, a palavra seria acentuada graficamente. Lembre-se que toda palavra paroxítona terminada em ditongo crescente ou decrescente é acentuada.
    Se for ambroSIa, a palavra não recebe acento. Lembre-se que toda palavra paroxítona terminada em A, AS, E, ES, O, OS, EM, ENS, e AM, não são acentuadas.
    Como não recebe acento, presume-se ser uma paroxítona. A pronúncia correta seria então: am-bro-si-a. Paroxítona, sem acento. Ou, seja, possui um hiato. 
  • A-ÇOI-TAR (ÇOI FICOU JUNTO, POR ISSO É DITONGO).
    AM-BRO-SI-A (HIATO)
    TRI-UN-FO (HIATO)
    FOR-TUI-TO (DITONGO)
    AU-TO-RA (AU JUNTO = DITONGO).

  • Ambrosia 

    IA - IE - IO - UA - UE - UO 

    Quando 'i' e 'u' forem tônicos no fim da palavra é hiato

  • DITONGO: ENCONTRO DE UMA VOGAL E UMA SEMIVOGAL NUMA MESMA SÍLABA). 

    açoitar ( A-ÇOI-TAR) OI - VOGAL (O) SEMIVOGAL (I) --- DITONGO 

    ambrosia ( AM - BRO- SI - A ) ( I ) SEMIVOGAL  E (A) VOGAL ---- HIATO 

    triunfo ( TRI - UN- FO) ( I ) SEMIVOLGAL ( U ) SEMIVOLGAL ----- HIATO 

    fortuito ( FOR- TUI- TO ) ( U ) SEMIVOLGAL (I) SEMIVOLGAL ------ DITONGO 

    autora ( AU -TO-RA)  (A) VOGAL (U) SEMIVOGAL ----- DITONGO 

     

  • a-ç[oi]-tar (ditongo), am-bro-s[i-a] (hiato), tr[i-u]n-fo (hiato), for-t[ui]-to (ditongo), [au]-to-ra (ditongo).

    shmyt :)

  • b) 3 ditongos e 2 hiatos.

    "Açoitar, ambrosia, triunfo, fortuito, autora."

    Ditongo - É o encontro de uma vogal e de uma semivogal, ou vice�versa, na mesma silaba:

    Exemplos:

    A- çoi- tar.

    For- tui- to.

    Au- to- ra.

    Hiato - É o encontro de duas vogais em sílabas diferentes por guardarem sua individualidade fonética.

    Exemplos:

    Am- bro- si- a.

    Tri- un- fo.


ID
392080
Banca
Aeronáutica
Órgão
CIAAR
Ano
2009
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Relacione as colunas de acordo com o número de dígrafos encontrados nas palavras. Em seguida, assinale a alternativa que apresenta a sequência correta. Alguns números poderão ser utilizados mais de uma vez e outros poderão não ser utilizados.

1 dígrafo
2 dígrafos
3 dígrafos

( ) excrescência
( ) encaixasse
( ) inhame
( ) corrompido
( ) extensão
( ) pouquinho
( ) correspondência

Alternativas
Comentários
  • Letra D

    Fiz apenas as duas palavras 

    inhame          1 dígrafo   nh

    corrompido     2 dígrafos   rr    om

  • inhame 1 dígrafo nh - consonantal

    corrompido 2 dígrafos rr- consonantal om- vocálico/nasal

  • Dígrafo é quando duas letras emitem um único som! Teste os dígrafos dessas palavras: assar, banho, arroz, querido.

    Então, quando isso ocorre, chamamos de dígrafo, o qual compreende o seguinte grupo de letras: lh, nh, ch, rr, ss, qu e gu (seguidos de e ou i), sc, , xc, xs.

    Além desses, há os chamados dígrafos vocálicos, os quais são formados pelas vogais nasais seguidas de “m” ou “n” (am, an, em, en, im, in, om, on, um e un): amparar, antigo, lembrar, encontrar, importar, indicar, ombro, onda, umbigo, fundo.

    Atenção:

    a) os dígrafos vocálicos só são considerados quando ambas as letras estiverem na mesma sílaba

    campo - > cam - po: am é dígrafo, o m apenas nasaliza o a. -> /k/ ã/ /p/ /o/

    cama -> ca - ma: am não é dígrafo, cada letra representa um fonema. -> /ã/ e /m/

    b) os grupos am, em e en não serão dígrafos se estiverem representando ditongos, isto é, quando vierem no final de vocábulos ou em derivados deles:

    partam

    porém

    hífen

    benzinho

    fonte: brasilescola.uol.com.br


ID
392083
Banca
Aeronáutica
Órgão
CIAAR
Ano
2009
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Relacione as colunas de acordo com o número de letras e o respectivo número de fonemas encontrados nas palavras. Em seguida, assinale a alternativa que apresenta a sequência correta. Alguns números poderão ser utilizados mais de uma vez e outros poderão não ser usados.

1. 4 letras e 5 fonemas
2. 6 letras e 5 fonemas
3. 7 letras e 6 fonemas
4. 7 letras e 6 fonemas
5. 8 letras e 6 fonemas
6. 8 letras e 7 fonemas
7. 9 letras e 7 fonemas
8. 9 letras e 8 fonemas
9. mesmo número de letras e de fonemas

( ) isento
( ) fixo
( ) pesquisa
( ) conquista
( ) primeiros
( ) ambiente
( ) portanto

Alternativas
Comentários
  • c) 2 – 1 – 6 – 7 – 9 – 5 – 6. 


    isento em portugues brasileiro é constiuído de 5 fonemas: /i'ze~tu/. O encontro vogal + n produz uma vogal anasalada, nao sendo possível isolar o som de /n/ como em outras línguas. A 2° opção tem 5 fonemas porque o 'x' em fixo tem som de /ks/.


  • Fixo- Fonema> Fikso

  • Dígrafo

    [No português são dígrafos: chlhnhrrssscxc ; incluem-se tb. amanemeniminomonumun (que representam vogais nasais), gu e qu antes de "E" e "I" .           

     

     E também:  hahehihohu .       

     

    E em palavras estrangeiras, thphnnddckoo etc.].

  • Isento = I/se~/to Fixo = Fi/ks/o (presença de um dífono)

  • Isento 6 Letras Ise~to 5 fonemas Perceba, o M e o N usados após (depois) as vogais, nasalizando-as, não são fonemas nem consoantes. O M e o N são apenas marcas de nazalização da vogal como se fossem um til (~). Para facilitar a sua compreensão você pode substituir o N por um ~ ao transcrever a palavra. Fixo 4 Letras Fikso 5 fonemas Obs: A letra X está representado dois fonemas K e S = KS A letra é um símbolo que representa um som, é a representação gráfica dos fonemas da fala. É bom saber dois aspectos da letra: pode representar mais de um fonema ou pode simplesmente ajudar na pronúncia de um fonema. Como assim? Por exemplo, a letra X pode representar os sons X (enxame) Z (exame) S (têxtil) e KS (sexo) neste caso a letra X representa dois fonemas - K e S = KS). Ou seja, uma letra pode representar mais de um fonema. Pesquisa 8 letras Peskiza 7 fonemas Perceba que a Letra U na palavra PesqUisa não é pronunciado e o Q tem som de K. Nessa palavra o U é uma letra Diacrítica. Como assim? Diacrítica e o nome que damos para uma uma letra que vem à direita de outra para representar um fonema só! Conquista 9 Letras Co~kista 7 fonemas Perceba, O M e o N usados após (depois) as vogais, nasalizando-as, não são fonemas nem consoantes. O M e o N são apenas marcas de nazalização da vogal como se fossem um til (~). Perceba que a Letra U na palavra CONQUISTA não é pronunciada e o Q tem som de K. Nessa palavra o U é uma letra Diacrítica. Como assim? Diacrítica e o nome que damos para uma uma letra que vem à direita de outra para representar um fonema só! Primeiros 8 letras Primeiros 8 fonemas Perceba, todos os fonemas são pronunciados. Não esqueça que quando falamos de fonemas estamos falando de SOM e não de  Letra.
  • (2) isento = 6 letras e 5 fonemas = i z en t o

    (1) fixo = 4 letras e 5 fonemas = f i c s o

    (6) pesquisa = 8 letras e 7 fonemas = p e s k i z a

    (7) conquista = 9 letras e 7 fonemas = c on k i s t a

    (9) primeiros = mesmo número de letras e de fonemas = p r i m e i r o s

    (5) ambiente = 8 letras e 6 fonemas = am b i en t e

    (6) portanto = 8 letras e 7 fonemas = p o r t an t o


ID
515941
Banca
Exército
Órgão
EsPCEx
Ano
2008
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Assinale a alternativa em que todas as palavras apresentam encontros consonantais.

Alternativas
Comentários
  • d) clima – czar – torno – pacto – tcheco – constar

     

    Duas ou mais consoantes podem aparecer juntas num mesmo vocábulo; quando isso ocorre, elas recebem o nome de encontro consonantal. Em português existem dois tipos de encontros consonantais: o próprio (ou perfeito) quando o encontro ocorre na mesma sílaba e o impróprio (ou imperfeito) quando o encontro ocorre entre sílabas. Exemplos:

     

    Trama (Tra- ma) encontro próprio (ou perfeito).

     

    Teste (Tes- te) encontro  impróprio (ou imperfeito).

     

     

    FONTE: SACCONI

  • Guerrear também possui encontro consonaltal? Os dois R (erres) contam como encontro consonantal? 

  • É importante  observar a diferença entre dígrafo consonantal e encontro consonantal.

  • Qual palavra da letra E esta errada?

  • Henrique Souza Sales O erro da letra E esta na palavra "crea", pois o representa um só fonema(som). Logo, a palavra CRESÇA apresenta dígrafo consonantal.

  • Henrique Souza Sales: A palavra Excitar, XC é Dígrafo consonantal

  • qual erro da A?

  • Luka Leony, o erro da letra A é na palavra "piscina". O SC é classificado como um dígrafo consonantal.

  • M e N em final de sílaba não gera encontro consonantal.

    Sendo assim, apenas a letra D não possui palavras com M e N no final de alguma sílaba.

  • kauê Souza para SC ser dígrafo as duas letras deveriam estar na mesma sílaba, e elas não estão , piscina se divide assim: pis- ci-na e não assim: pisci- na

  • A) SOMBRA = DÍGRAFO

    B) ENCHENTE = DÍGRAFOS

    C) MONTANHA = DÍGRAFO

    E) ADVENTO = DIGRAFO

  • Discordo, Julia Carolina. A regra que afirma que as letras que compõem um dígrafo precisam estar na mesma sílaba só aplica-se aos dígrafos consonantais  "gu", "qu", "lh", "nh" e "ch". Os dígrafos “rr”, “ss”, “sc”, “sç”, “xs” e “xc” devem ser separados em sílabas diferentes. Afinal, as palavras descendência, descer, crescer seguem a mesma regra da palavra piscina quanto à divisão silábica, tem seus dígrafos separados e, mesmo assim, são classificados como dígrafos. Logo, a regra que você citou não é preponderante nessa situação.

  • O bizu da questão é eliminar aquelas que são Dígrafos, ou seja, aqueles assertivas que possuem duas letras com o mesmo som : ss, rr, ch, nh,sc, etc..

    Logo, sobrará a alternativa D, onde se encontra somente aquelas que possuem duas consoantes pronunciáveis na mesma sílaba ( perfeito ) ou em sílabas diferente ( imperfeito ).

    GABARITO : D

  • Gab D

    advento é encontro conson

    Crea é digrafo

  • Dígrafo: encontro de duas letras numa mesma sílaba, resultando em apenas um fonema.

    Encontro consonantal: encontro de duas consoantes, cada qual, com seu respectivo fonema.

    A) atrás – clima – duplo – clave – sombra – piscina

    B) enchente – exceção – correio – psiquiatra – guerrear

    C) carrossel – montanha – cachorro – pneu – digno.

    D) clima – czar – torno – pacto – tcheco – constar.

    E) carta – letra – advento – obstáculo – crea – excitar.

  • TMNC,"ch" é dígrafo.Sendo assim,como que tcheco tem encontro consonantal?Sei que não é a letra A por causa do "sc" ,mas não pode ser a D tbm.Pra mim,essa questão foi mal feita.


ID
517441
Banca
Exército
Órgão
EsFCEx
Ano
2009
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Assinale a proposição em que estão presentes nos vocábulos somente dígrafos.

Alternativas
Comentários
  • Letra A


    Dígrafo

    RR

    NH

    LH

  • Letra A (porém eu achei um encontro consonantal também: irresponsável

  • GABARITO: LETRA A

    → Irresponsável – Manhã – Palha → dígrafos consonantais.

    FORÇA, GUERREIROS(AS)!!

  • na letra a há também um ditongo vocálico

    irresponsável> i- res- põ- sá- veu

    eu> ditongo crescente


ID
518458
Banca
Exército
Órgão
EsFCEx
Ano
2009
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Analise as afirmativas abaixo e, a seguir, assinale a alternativa correta.

I. Os vocábulos “deságuam”, “saguão” e “mínguam” encerram ditongos nasais.

II. Em “cárie”, “quatro” e “água” os ditongos são decrescentes.

III. Há encontros consonantais em “objeto”, “planeta” e “frango”.

IV. Em “porque”, “assalto” e “manhã” há dígrafos.

Alternativas
Comentários
  • D

  • I. Os vocábulos “deságuam”, “saguão” e “mínguam” encerram ditongos (x) nasais

    _________________________________________________________________________________________________

    Os tritongos são classificados em orais e nasais. Nos tritongos orais o som passa apenas pela boca. Nos tritongos nasais o som passa pela boca e pelo nariz.

    Tritongo oral: Uruguai, Paraguai, iguais, quaisquer, enxaguei, aguei,…

    Tritongo nasal: quão, saguão, saguões, enxáguem, enxáguam, águem

  • Tipos e exemplos de dígrafos

    • LH: agasalho, baralho, espelho.
    • CH: machado, chuva, chocolate.
    • NH: carinho, ganho, estranho.
    • RR: carro, torre, morro.
    • SS: massa, pêssego, pássaro.
    • QU: aquilo, máquina, querosene, toque.
    • GU: guitarra, águia, guerra, dengue.
    • SC: nascer, descer, piscina.


ID
580987
Banca
Aeronáutica
Órgão
CIAAR
Ano
2010
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Leia o trecho abaixo e, em seguida, assinale a alternativa que completa a lacuna corretamente, tendo em vista como exemplo as palavras destacadas.

A potência da queima dos gases sobre o pistão é calculada através de aparelhos chamados indicadores, medindo diretamente as pressões dentro do cilindro.

O (A) _________ existe quando duas letras representam o mesmo fonema.

Alternativas
Comentários
  • b) dígrafo



    Sempre que a língua recorre a duas letras para representar um só fonema, formam- se um dígrafo ou digrama. Os principais são: 



    nh: unha;     rr: carro;      sç: naa;     ch: chave;     ss: massa;   xc: exceção;    qu: quilo;     lh: palha;     sc: nascer; gu: guidão.



    O conjunto de dois fonemas representados por uma única letra recebe o nome de dífono. É o caso de táxi, em que o x representa o fonema dúplice /ks/.

ID
581005
Banca
Aeronáutica
Órgão
CIAAR
Ano
2010
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Leia o trecho abaixo e marque, nas assertivas, V para verdadeiro ou F para falso. Em seguida, assinale a alternativa que apresenta a sequência correta.

Erupção vulcânica na Islândia impede o tráfego aéreo. Uma nuvem de cinzas vulcânicas cobriu parte da Europa e provocou o cancelamento de voos causando enormes transtornos a muitos setores. Havia muitas pessoas aguardando a possibilidade de abertura dos aeroportos, entretanto, o geofísico islandês Magnus Tumi Gudmundsson afirmou que o processo ainda está em fase ascendente, e não há previsão para que o fenômeno acabe. “Realmente não existe possibilidade de dizer quando a erupção vai parar.”


( ) Pode-se trocar o verbo “haver” no período: “Havia muitas pessoas aguardando a possibilidade de abertura dos aeroportos” por “existir”, como em “Existia muitas pessoas aguardando a possibilidade de abertura dos aeroportos” sem que haja nenhum problema com relação à norma culta.

( ) No período: “o geofísico islandês Magnus Tumi Gudmundsson afirmou que o processo ainda está em fase ascendente”, existe uma oração subordinada substantiva objetiva direta.

( ) No período: “Realmente não existe possibilidade de dizer quando a erupção vai parar.”, não há nenhum dígrafo.

( ) No período: “é possível dizer que a erupção não vai parar”, tem-se uma oração subordinada substantiva subjetiva. 

Alternativas

ID
608014
Banca
CONSULPLAN
Órgão
Prefeitura de Congonhas - MG
Ano
2010
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Onde fica o gol?

   Em função da mobilização com a Copa do Mundo, andei me lembrando de uma conversa que tive com um amigo, anos atrás. Ele liderava uma equipe numa agência de publicidade e trabalhava em ritmo alucinado. No decorrer do papo, ele desabafou dizendo que era difícil conviver com colegas que não sabiam para que lado ir, o que fazer, como agir, e que, por causa dessas incertezas, perdiam tempo e faziam os outros perderem também. E exemplificou:
   − Sabe por que eu sempre gostei do Pelé? Porque o Pelé pegava a bola em qualquer lugar do gramado e ia com ela reto para o gol. Ele sabia exatamente para onde tinha que chutar. Isso que você nem é muito fã do esporte. − Comentei.
   − Pois é, não jogo futebol, mas tenho alma de artilheiro: entro em campo e já saio perguntando onde é que é o gol. É pra lá? Então é pra lá que eu vou, sem desperdiçar meu tempo, sem ficar enfeitando.
    Taí o que a gente precisa se perguntar todo dia quando acorda: onde é que é o gol?
   Muitas pessoas vivem suas vidas como se dopadas, chutando para todos os lados, sem nenhuma estratégia, contando apenas com a sorte. Elas acreditam que, uma hora dessas, de repente, quem sabe, a bola entrará. E até que isso aconteça, esbanjam energia à toa.
   Goal, em inglês significa objetivo. Você deve ter um. Conquistar um cliente, ser o padeiro mais conceituado do bairro, melhorar a aparência, sair de uma depressão, ganhar mais dinheiro, se aproximar dos seus pais. Pode até ser algo mais simples: comprar as entradas para um show, visitar um amigo doente, trocar o óleo do carro, levar flores para sua mulher. Ou você faz sua parte para colocar a bola dentro da rede ou seguirá chutando para as laterais, catimbando, sem atingir nenhum resultado.
   Quase invejo quem tem tempo a perder: sinal de que é alguém irritantemente jovem, que ainda não se deu conta da ligeireza da vida. Já os veteranos não podem se dar ao luxo de acordar tarde, e, no caso, “acordar tarde” não significa dormir até meio-dia: significa dormir no ponto, comer mosca. Não dá. Depois de uma certa idade, é preciso ser mais atento e proativo.
   Parece um jogo estafante, nervoso, mas não precisa ser. O gol que você quer marcar talvez seja justamente aprender a ter um dia a dia mais calmo, mais focado em seus reais prazeres e afetos, sem estresse. É uma meta tão valiosa quanto qualquer outra. Só que não pode ser um “quem sabe”, tem que ser um gol feito.
   Esta é a diferença entre aqueles que realizam as coisas e os que ficam só empatando.
(Revista O Globo, 04 de julho de 2010, Martha Medeiros)  

É uma meta tão valiosa quanto qualquer outra.” As palavras destacadas apresentam, respectivamente:

Alternativas
Comentários
  • “É uma meta tão valiosa quanto qualquer outra.” 

    va-li-o-sa  -> hiato, pois cada  vogal fica em uma sílaba.

    Ou-tra ->  Ditongo (decrescente)pois temos uma vogal e uma semi vogal na mesma sílaba e encontro consonatal.
  • mas no item b! vejamos: encontro vocãlico ( valiosa)/dígrafo (outra) e encontro vocálico (outra)? pois bem, alguém consegue desvendar essa questão?
  • David,
    Não ocorre dígrafo na palavra outra, ocorre encontro consonantal.
  • Na palavra outra não ocorre dígrafo, pois dígrafo é a ocorrência de duas letras representando um único fonema.
    Ocorre encontro consonantal perfeito (inseparável, pois as consoantes pertencem a mesma sílaba)  ou - tra
  • Ditongo é um encontro vocálico, e como tal se traduz na presença de dois fonemas vocálicos na mesma sílaba, o que não ocorre com a palavra PEQUENO, pois, QUE forma um dígrafo KE. Por isso, considero a questão errada.

  • Valiosa:  va-li-o-sa  > hiato
    outra: Ou (v+sv) Ditongos decrescente + tra Encontro consonatal
  • Gabarito: C

    va-li-o-sa  -> hiato, pois cada  vogal fica em uma sílaba.

    Ou-tra ->  Ditongo na primeira sílaba encontro consonatal na segunda.

    Questão bem fácil!

  • Bueno! 

  • va-li-o-sa - Hiato, pois existem duas vogais pronunciadas em sílabas diferentes.


    Ou-tra - Ditongo oral descrescente "ou"/ Econtro consonantal perfeito "tr".

  • valiosa (Hiato)
    outra (Ditongo decrescente + encontro consonantal) 

  • porque VALIOSA é hiato? hiato é o encontro de duas vogais. o I não seria uma semivogal?

  • Gabarito C

    Comentários

    va-li-o-sa: hiato

    ou-tra: ditongo e encontro consonantal: 

  • Q495050       Q785517

    Hiato: quando duas vogais estão juntas na mesma palavra, mas  em sílabas DEFERENTES.

     

    Po - é - ti - ca

    CRI-AN-ÇA

  • Va - lI - O - so = HIATO ( 2 VOGAIS SE SEPARARAM : I/O ) ;


    OU - TRa = DITONGO = OU : DUAS VOGAIS JUNTAS


    e TR = ENCONTRO CONSONANTAL.


    GABARITO : C =


    HIATO ;

    DITONGO ;

    ENCONTRO CONSONANTAL.

  • c)

    digrafo - 2 letras,1 fonema

    hiato - vogal isolada na silaba formando silaba tonica.

    ditongo - vogal + semivogal

    encontro consonantal - 2 consonates na mesma silaba.

  • VALIOSA -

    VA - LI - O - SA (hiato)

    OUTRA -

    OU - TRA (ditongo e

    encontro consonantal perfeito)

  • GABARITO: LETRA C

    COMPLEMENTANDO:

    Ocorre hiato quando há o encontro de duas vogais, que acabam ficando em sílabas separadas (V – V), porque só pode haver uma vogal por sílaba.
    sa-í-da, ra-i-nha, ba-ús, ca-ís-te, tu-cu-mã-í, su-cu-u-ba, ru-im, jú-ni-or…

    Ditongo:
    Existem dois tipos: crescente ou decrescente (oral ou nasal).
    Crescente (SV + V, na mesma sílaba):
    magistério (oral), série (oral), várzea (oral), quota (oral), quatorze (oral), enquanto (nasal), cinquenta (nasal), quinquênio (nasal)…
    Decrescente (V + SV, na mesma sílaba):
    item (nasal), amam (nasal), sêmen (nasal), cãibra (nasal), caule (oral), ouro (oral), veia (oral), fluido (oral), vaidade (oral)…
     

    Encontros Consonantais:
    É a sequência de consoantes numa palavra. Existem os perfeitos (inseparáveis, pois ficam na mesma sílaba) e os imperfeitos (separáveis, pois não ficam na mesma sílaba).
    Geralmente, os encontros consonantais perfeitos apresentam consoante + l ou r.
    Flamengo (perfeito) > Fla-men-go
    Vasco (imperfeito) > Vas-co
    OBS: Não confunda encontro consonantal com dígrafo vocálico! Exemplo: campo (o M nasaliza a vogal anterior; não é consoante, é só uma marca de nasalização; não forma encontro consonantal com P!).

    O dígrafo constitui-se de duas letras representando um só fonema. A segunda letra é diacrítica, isto é, existe apenas para ajudar numa determinada pronúncia. Por exemplo, se dissermos caro, o R terá um som diferente de RR, em carro. Este segundo R, em carro, é uma letra diacrítica.
    Há dois tipos:
    • consonantais: gu, qu, ch, lh, nh, rr, ss, sc, sç, xc, xs.
    Ex.: guerreiro, queda, chave, lhama, nhoque, arrastão, assado, descendente, crea, excitado, exsudar.
    • vocálicos ou nasais: a, e, i, o, u seguidos de m ou n na mesma sílaba (!)
    Ex.: campo, anta/empresa, entrada/imbatível, caindo/ombro, onda/umbigo, untar.

    FONTE: A gramática para concursos públicos / Fernando Pestana. – 3. ed. – Rio de Janeiro :Método, 2017 .


ID
612289
Banca
TJ-SC
Órgão
TJ-SC
Ano
2011
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

O vocábulo cujo número de letras é igual ao número de fonemas está na alternativa:

Alternativas
Comentários
  • Essa questão foi anulada pela banca, uma vez que a palavra assexuado também está correta.
    assexuado - a/c/e/k/s/u/a/d/o = 9 letras e 9 fonemas
  • Questão anulada. C e D Corretas.
  • Fique na dúvida entre as duas mesmos, pois a palavra assexuado apesar de apresentar o digráfo (ss) contém também a letra X que fonéticamente de o valor das letras 'ks' compensando assim o digráfo.

  • Numa palavra, nem sempre há o mesmo número de letras e fonemas.

    A palavra táxi, por exemplo, possui:

    - quatro letras (t-á-x-i)
    - cinco fonemas (t-á-k-s-i)

    A palavra hora possui:

    - quatro letras (h-o-r-a)
    - três fonemas (o-r-a)

    Na palavra canta temos:

    -cinco letras (c-a-n-t-a)
    -quatro fonemas (c-ã-t-a)
  • Essa questão deveria ser anulada.

     
  • Pelo o que disseram os colegas acima, a questão foi anulada. Com toda a razão de ser, pois a alternativa "D" está correta.
  • Ou foi anulada ou deveria ser, isto em razão, de como os colegas relataram, haver duas respostas corretas, letras "c" e "d".
    Abraços.
  • SÓ pode ser a letra "C" pois a palavra ressabiado sao 10 letras e 9 fonemas ( o SS é um dígrafo)
  • Olá, pessoal!
    Essa questão foi anulada pela organizadora.

    Bons estudos!
  • anulada pois a assertiva "C e D" estão corretas, pois:

    GRITOS = 6 fonemas e 6 letras
    e
    ASSEXUADO = 9 letras e 9 fonemas (notem que possui um dígrafo=ss e um X com som de KS, para tanto asseksuado)
  • ALTERNATIVA C) GRITOS = 6 LETRAS E 6 FONEMAS
    ALTERNATIVA D) ASSEXUADO= A/C/E/K/S/U/A/D/O = 9 LETRAS E 9 FONEMAS.
    OBS: UMA LETRA (X) COM SOM DE DUAS (KS) SÃO CHAMADAS DIFONOS.

    OK.
  • C (Na alternativa C número de letras é igual ao número de fonemas. Mas não se desespere, é, eu sei, na letra D tem um dígrafo SS, mas possui um dífono X (ks), que aumenta novamente deixando número de letras igual ao número de fonemas 9 letras, menos um som de SS, 8 fonemas, + um fonema do KS, 9 fonemas...A questão foi ANULADA)


ID
640690
Banca
CONSULPLAN
Órgão
Prefeitura de Poço Redondo - SE
Ano
2010
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

A fita métrica do amor

Como se mede uma pessoa? Os tamanhos variam conforme o grau de envolvimento. Ela é enorme pra você quando
fala do que leu e viveu, quando trata você com carinho e respeito, quando olha nos olhos e sorri destravado. É pequena
pra você quando só pensa em si mesmo, quando se comporta de uma maneira pouco gentil, quando fracassa justamente
no momento em que teria que demonstrar o que há de mais importante entre duas pessoas: a amizade.
Uma pessoa é gigante pra você quando se interessa pela sua vida, quando busca alternativas para o seu crescimento,
quando sonha junto. É pequena quando desvia do assunto.
Uma pessoa é grande quando perdoa, quando compreende, quando se coloca no lugar do outro, quando age não de
acordo com o que esperam dela, mas de acordo com o que espera de si mesma. Uma pessoa é pequena quando se deixa
reger por comportamentos clichês.
Uma mesma pessoa pode aparentar grandeza ou miudeza dentro de um relacionamento, pode crescer ou decrescer
num espaço de poucas semanas: será ela que mudou ou será que o amor é traiçoeiro nas suas medições? Uma decepção
pode diminuir o tamanho de um amor que parecia ser grande. Uma ausência pode aumentar o tamanho de um amor que
parecia ser ínfimo.
É difícil conviver com esta elasticidade: as pessoas se agigantam e se encolhem aos nossos olhos. Nosso julgamento
é feito não através de centímetros e metros, mas de ações e reações, de expectativas e frustrações. Uma pessoa é única ao
estender a mão, e ao recolhê-la inesperadamente, se torna mais uma. O egoísmo unifica os insignificantes.
Não é a altura, nem o peso, nem os músculos que tornam uma pessoa grande. É a sua sensibilidade sem tamanho.
(Martha Medeiros)

Uma pessoa é pequena quando se deixa reger por comportamentos clichês”. A palavra destacada apresenta:

Alternativas
Comentários
  • cl=encontro consonatal

    ch=dígrafo

  • Lembrar que este grupo é sempre dígrafo:  RR, SS, NH, LH, CH

  • Encontro consonantal é o encontro de duas consoantes (não necessariamente na mesma sílaba) produzindo dois sons diferentes.

    Exemplo: diSCo.


    Dígrafo ocorre quando duas letras são utilizadas para representar um único fonema.

    Exemplo: assunto, crea, exceção, guitarra, questão. 


    Na questão acima, a palavra CLICHÊS apresenta encontro consonantal (cl) e dígrafo (ch).


  • Clichês ===>Cli-chês

    Cl = encontro consonantal perfeito

    Ch = Dígrafo (repare que ele representa o fonema "x") ===> Clixês


    Deus é fiel! =)

  • GABARITO: D

    CLICHES

    CLI(ENCONTRO CONSONANTAL) CHES (DIGRAFO)

  • CLICHÊS -

    CLICHÊS - DÍGRAFO CH

    encontro consonantal PERFEITO (NÃO SE SEPARAM)

    CLI - CHÊS

  • GABARITO: LETRA D

    COMPLEMENTANDO:

    Encontros Consonantais:
    É a sequência de consoantes numa palavra. Existem os perfeitos (inseparáveis, pois ficam na mesma sílaba) e os imperfeitos (separáveis, pois não ficam na mesma sílaba).
    Geralmente, os encontros consonantais perfeitos apresentam consoante + l ou r.
    Flamengo (perfeito) > Fla-men-go
    Vasco (imperfeito) > Vas-co
    OBS: Não confunda encontro consonantal com dígrafo vocálico! Exemplo: campo (o M nasaliza a vogal anterior; não é consoante, é só uma marca de nasalização; não forma encontro consonantal com P!).

    O dígrafo constitui-se de duas letras representando um só fonema. A segunda letra é diacrítica, isto é, existe apenas para ajudar numa determinada pronúncia. Por exemplo, se dissermos caro, o R terá um som diferente de RR, em carro. Este segundo R, em carro, é uma letra diacrítica.
    Há dois tipos:
    • consonantais: gu, qu, ch, lh, nh, rr, ss, sc, sç, xc, xs.
    Ex.: guerreiro, queda, chave, lhama, nhoque, arrastão, assado, descendente, crea, excitado, exsudar.
    • vocálicos ou nasais: a, e, i, o, u seguidos de m ou n na mesma sílaba (!)
    Ex.: campo, anta/empresa, entrada/imbatível, caindo/ombro, onda/umbigo, untar.

    FONTE: A gramática para concursos públicos / Fernando Pestana. – 3. ed. – Rio de Janeiro :Método, 2017 .

  • clichês:

    cli: encontro consonantal

    chês: dígrafo.


ID
646300
Banca
VUNESP
Órgão
UNIFESP
Ano
2010
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Instrução: Leia o texto para responder às questões de números 28 a 30.

 De tudo que é nego torto
Do mangue e do cais do porto
Ela já foi namorada
O seu corpo é dos errantes
Dos cegos, dos retirantes
É de quem não tem mais nada
Dá-se assim desde menina
Na garagem, na cantina
Atrás do tanque, no mato
É a rainha dos detentos
Das loucas, dos lazarentos
Dos moleques do internato
E também vai amiúde
Co’os velhinhos sem saúde
E as viúvas sem porvir
Ela é um poço de bondade
E é por isso que a cidade
Vive sempre a repetir
Joga pedra na Geni
Joga pedra na Geni
Ela é feita pra apanhar
Ela é boa de cuspir
Ela dá pra qualquer um
Maldita Geni

(Chico Buarque. Geni e o zepelim.)

Indique a alternativa que identifica corretamente, de modo respectivo, a métrica e a natureza predominante das rimas.

Alternativas

ID
646384
Banca
PaqTcPB
Órgão
IPSEM
Ano
2010
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Assinale o grupo de palavras em que não houve erro na divisão silábica:

Alternativas
Comentários
  • I-nap-to, De-sor-dem, Tungs-tê-nio, Néc-tar, Fi-a-do, Cri-an-ça, De-su-nhar, As-je-ti-va, Ve-e-mên-cia, Ân-si-a, Cir-cui-to, A-çoi-te
  • Por que a letra E está errada?

  • Ânsia tem apenas duas sílabas, pelo ao menos aqui no Brasil. Em Portugal, três.

  • Porque a vogal anterior é acentuada.

  • Dália tem 3 sílabas. Dá-li-a.


ID
648751
Banca
PaqTcPB
Órgão
Prefeitura de Patos - PB
Ano
2010
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

No trecho:

E falou longe: “Eu passei a teu lado, mas ias tão perdido em teu sonho dourado, meu pobre sonhador, que nem sequer me viste!”

Temos:

I – um dígrafo na ( L1).

II- o verbo ir (L 2) está na 2ª pess.pl. do pretérito perfeito do indicativo.

III – um pronome pessoal reto de 1ª pessoa (L 1).

Está (ão) correta(s) a(s) afirmação(ões):

Alternativas

ID
648766
Banca
PaqTcPB
Órgão
Prefeitura de Patos - PB
Ano
2010
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Em qual grupo de palavras abaixo ocorre ERRO na partição de sílabas?

Alternativas
Comentários
  • Gab. E

    a-blu-ção, sub-lin-gual, a-do-les-cen-te, bi-sa-vô

  • ultima consoante do prefixo seguida de vogal, ocorre separação silábica Prefixo BIS - SEGUIDA DE VOGAL A. bi-sa- vô

  • ** ablução

    ** substantivo feminino

    1. lavagem do corpo ou de parte dele.
    2. ação ou efeito de abluir(-se); lavagem.

  • A questão é de fonologia e quer que identifiquemos a alternativa abaixo em que há erro na separação silábica. Vejamos:

     . 

    A) i – da – de , co- o – pe- rar , es- tô- ma – go, ré - g u a

    Certo. Soletramos "i-da-de", "co-o-pe-rar", "es-tô-ma-go", "ré-g u a".

     . 

    B) a- bra – sar, sub – ju – gar , a- con – che – gar , fi – lho.

    Certo. Soletramos "a-bra-sar", "sub-ju-gar", "a-con-che-gar", "fi-lho".

     . 

    C) des – cen – der , pos- so , a - tra - vés , on – tem.

    Certo. Soletramos "des-cen-der", "pos-so", "a-tra-vés", "on-tem".

     . 

    D) pré- des- ti – nar , ex- tra , pres- cin- dir, pers – pi – caz.

    Certo. Soletramos "pre-des-ti-nar", "ex-tra", "pres-cin-dir", "pers-pi-caz".

     . 

    E) ab – lu – ção , sub – lin – gu – al , a- do – lês – cen – te, bis- a – vô.

    Errado. Soletramos "a-blu-ção", "sub-lin-gual", "a-do-les-cen-te", "bi-sa-vô".

     . 

    Para complementar:

     . 

    Divisão silábica

     . 

    A divisão silábica faz-se pela silabação (soletração), isto é, pronunciando as palavras por sílabas. Na escrita, separam-se as sílabas por meio do hífen: te-sou-ro, di-nhei-ro, con-te-ú-do, ad-mi-tir, guai-ta-cá, sub-le-var.

    Regra geral:

    • Na escrita, não se separam letras representativas da mesma sílaba.

    Regras práticas:

    Não se separam letras que representam:

    • a)   ditongos: cau-le, trei-no, ân-sia, ré-guas, so-cie-da-de, gai-o-la, ba-lei-a, des-mai-a-do, im-bui-a, etc.
    • b)   tritongos: Pa-ra-guai, quais-quer, sa-guão, sa-guões, a-ve-ri-guou, de-lin-quiu, ra-diou-vin-te, U-ru-guai-a-na, etc.
    • c)    os dígrafos ch, lh, nh, gu e qu: fa-cha-da, co-lhei-ta, fro-nha, pe-guei, quei-jo, etc.
    • d)   encontros consonantais inseparáveis: re-cla-mar, re-ple-to, pa-trão, gno-mo, mne-mô-ni-co, a-mné-sia, pneu-mo-ni-a, pseu-dô-ni-mo, psi-có-lo-go, bí-ceps, etc.

    Separam-se as letras que representam os hiatos: sa-ú-de, Sa-a-ra, sa-í-da, ca-o-lho, fe-é-ri-co, pre-en-cher, te-a-tro, co-e-lho, zo-o-ló-gi-co, du-e-lo, ví-a-mos, etc.

    Contrariamente à regra geral, separam-se, por tradição, na escrita, as letras dos dígrafos rr, ss, sc, sç e xc: guer-ra, sos-se-go, pis-ci-na, des-çam, cres-ço, ex-ce-ção, etc.

    Separam-se, obviamente, os encontros consonantais separáveis, obedecendo-se ao princípio da silabação: ab-do-me, ad-je-ti-vo, de-cep-ção, Is-ra-el, sub-ma-ri-no, ad-mi-rar, ap-ti-dão, felds-pa-to, sub-lin-gual, af-ta, e-clip-se, trans-tor-no...

    Na divisão silábica, não se levam em conta os elementos mórficos das palavras (prefixos, radicais, sufixos): de-sa-ten-to, di-sen-te-ri-a, tran-sa-tlân-ti-co, su-ben-ten-di-do, su-bes-ti-mar, in-te-rur-ba-no, su-bur-ba-no, bi-sa-vó, hi-dre-lé-tri-ca, etc.

     . 

    Referência: CEGALLA, Domingos Pascoal. Novíssima Gramática da Língua Portuguesa, 48.ª edição, São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2008, página 36.

     . 

    Gabarito: Letra E 


ID
649051
Banca
PaqTcPB
Órgão
Prefeitura de Patos - PB
Ano
2010
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Considere a seguinte frase escrita por um aluno do ensino fundamental: Não deixi matar os passarinhos. A forma “deixi”, em lugar de “deixe”, ilustra um caso de inadequação

Alternativas
Comentários
  • apresenta tanto erros de fonética como de ortografia. gabarito: c


     

  • Apresenta erro fonológico e ortográfico pelo fato de ter sido escrita tal como foi ouvida.

  • Nosso amigo "Nady" está errado, pois a questão não apresenta um erro de pronúncia. Pronunciar "deixi" é a mesma coisa de pronunciar "deixe", porém o fonema está errado, onde seria "e" tem um "i".

    Vejamos os tipos de fonemas:

    -vogais;

    -consoantes;

    -semivogais.

    Como ele trocou um dos fonemas da palavra "deixe" o erro é FONOLÓGICO E ORTOGRÁFICO como bem colocado por nossa colega "Elisângela".

    Não podemos esquecer das variações Diastráticas e Diatópicas, ou seja, se o colega "Nandy" for sulista ele puxará mais para o "ê".

    Bons estudos!

  • A fonética não engloba os fonemas, a ortofonia e a ortografia? Então por que a letra d não está correta?

  • gabarito: c - apresenta tanto erros de fonética como de ortografia.

  • Colegas, fiquei em dúvida quanto ao ponto levantado pelo Ítalo: escrito como "deixi", a palavra não seria oxítona, ao invés da paroxitona "deixe"? E isto justificaria a resposta correta (c)?

    Se há alguma regra que fira o que disse, alguém poderia, por gentileza, esclarecê-la? Agradeço desde já!

  • Erro de fonética porque a criança escreveu da forma como a palavra soa ao pronunciarmos, e lógico que de ortografia também porque escreveu de maneira errada.

  •  além do fono ainda tem a questão de ortografia! 

  • gabarito: c - fono-ortográfica.
    apresenta erros de fonética como de ortografia.

  • Caso de ortoépia, de "boa pronúncia", como o (a) amigo(a) Nady comentou e caso de erro ortográfico, portanto c).

  • Esse (fono) é de fonologia e não de fonética.


  • fonética estuda os sons como entidades físico-articulatórias isoladas (aparelho fonador). Cabe a ela descrever os sons da linguagem e analisar suas particularidades acústicas e perceptivas. Ela fundamenta-se em estudar os sons da voz humana, examinando suas propriedades físicas independentemente do seu “papel lingüístico de construir as formas da língua”. Sua unidade mínima de estudo é o som da fala, ou seja, o fone.

    À fonologia cabe estudar as diferenças fônicas intencionais, distintivas, isto é, que se unem a diferenças de significação; estabelecer a relação entre os elementos de diferenciação e quais as condições em que se combinam uns com os outros para formar morfemas, palavras e frases. Sua unidade mínima de estudo é o som da língua, ou seja, o fonema.

    A Fonética se diferencia da Fonologia 

    Portanto letra C          -     (fono) é de fonologia        

    fono-ortográfica

  • - MORFOLÓGICA = é o estudo da estrutura, da formação e da classificação das palavras.
    - FONOLÓGICA = Fonologia é o ramo da Linguística que estuda o sistema sonoro de um idioma.
    - FONO-ORTOGRÁFICA = FONO + Ortografia é a parte da gramática normativa que ensina a escrever corretamente as palavras de uma língua.
    - FONÉTICA = parte da linguística que estuda e classifica os elementos mínimos da linguagem articulada (fones, sons da fala) em sua realização concreta.
    - MORFOSSINTÁTICA = Morfossintaxe é a apreciação conjunta da classificação morfológica e da função sintática das palavras nas orações.

  • Análise: A forma “deixi”, em lugar de “deixe”, ilustra um caso de inadequação:

    a)     Morfológica - Estuda a formação e classificação das palavras.

    b)     Fonológica - Estuda o sistema sonoro de uma língua.

    c)     Fono-ortográfica - Estuda a fonética e a ortografia, ou seja, a maneira como escreve corretamente uma palavra.

    d)    Fonética - Estuda os elementos mínimos da linguagem articulada (sons).

    e)     Morfossintática - Estuda a sintaxe das palavras em suas orações.

  • Não entendi.Se ele escreveu como se fala, ele errou apenas a ortografia e não a  FONO + ORTOGRÁFICA;

    A pronuncia não é deixi? A escrita que é deixe?

  • ACABEI ACERTANDO A QUESTÃO, MAS TENHO CÁ MINHAS DUVIDAS. ACHO E SO ACHO QUE A FORMA QUE SE FALA PALAVRA DEIXE É DEIXI COM i. ACREDITO QUE EM ALGUMAS REGIÕES DO PAÍS SE DIZ DEIXEEE COM O E DESTACADO, NO PARANÁ TALVEZ. ENTÃO A DEPENDER DA REGIÃO MUDA-SE RADICALMENTE O MODO DA PRONUNCIA. QUAL ESTARIA CERTO?


ID
739246
Banca
Exército
Órgão
EsFCEx
Ano
2010
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Sobre fonética e fonologia, assinale a afirmativa correta.

Alternativas
Comentários
  • Por exemplo o x, pode apresentar o som de ks

  • D) Do ponto de vista ortográfico, um fonema pode corresponder a letras diferentes.

    Exemplo:

    A palavra "QUERO" corresponde a letras diferentes como "KERO".


ID
739321
Banca
Exército
Órgão
EsFCEx
Ano
2010
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Assinale a alternativa na qual todas as palavras possuem ao menos uma consoante com realização fonética velar.

Alternativas
Comentários
  • Quanto mais sei, mais sei que não sei tudo.

  • CONSOANTES COM VALOR FÓNETICO "VELAR" SÃO OS SONS EM QUEM A LINGUA BATE NO CÉU DA BOCA, SÃO ELAS ( K / G / R ) = KÁ / GUÊ / RRÊ

  • pq caçamba????
  • de acordo com a novíssima gramática do Cegalla: consoantes velares são aquelas cujo obstáculo é formado pelo contato da língua com o palato mole. OU SEJA: c com som de "k", g de "guê" e q


ID
739882
Banca
CEPERJ
Órgão
PROCON-RJ
Ano
2012
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

TEXTO 1:

                                      O LENDÁRIO PAÍS DO RECALL

                                                                                                         Moacyr Scliar

     “MINHA QUERIDA DONA: quem lhe escreve sou eu, a sua fiel e querida boneca, que você não vê há três meses. Sei que você sente muitas saudades, porque eu também sinto saudades de você. Lembro de você me pegando no colo, me chamando de filhinha, me dando papinha... Você era, e é, minha mãezinha querida, e é por isso que estou lhe mandando esta carta, por meio do cara que assina esta coluna e que, sendo escritor, acredita nas coisas da imaginação.

      Posso lhe dizer, querida, que vivi uma tremenda aventura, uma aventura que em vários momentos me deixou apavorada. Porque tive de viajar para o distante país do recall.

      Aposto que você nem sabia da existência desse lugar; eu, pelo menos, não sabia. Para lá fui enviada. Não só eu: bonecas defeituosas, ursinhos idem, eletrodomésticos que não funcionavam e peças de automóvel quebradas. Nós todos ali, na traseira de um gigantesco caminhão que andava, andava sem parar.

      Finalmente chegamos, e ali estávamos, no misterioso e, para mim, assustador país do recall. Um homem nos recebeu e anunciou, muito secamente, que o nosso destino em breve seria traçado: as bonecas (e os ursinhos, e outros brinquedos, e objetos vários) que tivessem conserto seriam consertados e mandados de volta para os donos; quanto tempo isso levaria era imprevisível, mas três meses era o mínimo. Uma boneca que estava do meu lado, a Liloca, perguntou, com os olhos arregalados, o que aconteceria a quem não tivesse conserto. O homem não disse nada, mas seu sorriso sinistro falava por si.

      Passamos a noite num enorme pavilhão destinado especialmente às bonecas. Éramos centenas ali, algumas com probleminhas pequenos (um braço fora do lugar, por exemplo), outras já num estado lamentável. Estava muito claro que para várias de nós não haveria volta.

      Naquela noite conversei muito com minha amiga Liloca -sim, querida dona, àquela altura já éramos amigas. O infortúnio tinha nos unido. Outras bonecas juntaram-se a nós e logo formamos um grande grupo. Estávamos preocupadas com o que poderia nos suceder.

      De repente a Liloca gritou: “Mas, gente, nós não somos obrigados a aceitar isso! Vamos fazer alguma coisa!”. Nós a olhamos, espantadas: fazer alguma coisa? Mas fazer o quê?

      Liloca tinha uma resposta: vamos tomar o poder. Vamos nos apossar do país do recall.

      No começo, aquilo nos pareceu absurdo. Mas Liloca sabia do que estava falando. A mãe da dona dela tinha sido uma militante revolucionária e sempre falava nisso, na necessidade de mudar o mundo, de dar o poder aos mais fracos.

      Ora, dizia Liloca, ninguém mais fraco do que nós, pobres, desamparados e defeituosos brinquedos. Não deveríamos aguardar resignadamente que decidissem o que fazer com a gente.

      De modo, querida dona, que estamos aqui preparando a revolução. Breve estaremos governando o país do recall. Mas não se preocupe, eu a convidarei para uma visita. Você poderá vir a qualquer hora. E não precisará de recall para isso.”

                                                                                                              Folha de S. Paulo (SP) 25/2/2008



Alguns vocábulos sofrem alteração de timbre da vogal tônica ao serem flexionados, como ocorre em olho – olhos.

O mesmo fenômeno pode ser verificado na seguinte palavra do texto:

Alternativas
Comentários
  • alternativa: e

    Substantivos com plurais metafônicos Certos substantivos, ao serem flexionados em plural, apresentam variação  no timbre da vogal tônica “o” de fechada para aberta. abrolho; antolho; aposto; caroço; choco; corcovo; coro; despojo;  destroço;defeituoso; escolho; corvo; esforço; estorvo; fogo; forno; foro; fosso;  imposto; jogo; miolo; mirolho; olho; osso; ovo; poço; porco; porto;  posto; povo; reforço; renovo; rogo; sobrolho; socorro; tijolo; toco; tojo;  tordo; torto; tremoço; troco; troço.
    Não apresentam metafonia: acordo; adorno; algoz; almoço; alvoroço; arroto; boda; bojo; bolso;boneca;  cachorro; caolho; coco; esboço; esposo; estojo; engodo; ferrolho; fofo;  forro; gafanhoto; globo; golfo; gorro; gosto; gozo; horto; jorro; lobo;  logro; moço; molho; morro; mosto; namoro; pescoço; piloto; piolho;  poldro; polvo; potro; reboco; rebojo; repolho; restolho; rolo; rosto;  sogro; sopro; soro, suborno, toldo; topo; torno; transtorno
  • Pessoal,

                De-fei-tu-o-so (ô) - Singular.
                De-fei-tu-o-sos (ó) - Plural.
                Portanto, assertiva E correta.

    Conhecimento + dedicação + equilíbrio = sucesso.

  • Alguns substantivos, além de receberem a desinência -s na formação do plural, trocam o o tônico fechado(ô) pelo o tônico aberto (ó). Chamado de plural metafônico:
    Singular (ô): aposto, coroço, corpo, despojo e destroço.
    Plural (ó): apostos, caroços, corpos, despojos e destroço

    Graça e Paz
  • a) bonéca - bonécas

    b) consêrto - consêrtos

    c) lamentável - lamentáveis

    d) infortúnio - infortúnios

    e) defeituÔso - defeituÓsos

    A acentuação está incorreta, é somente para demosntrar a tonicidade da palavra.

    Bons estudos

     

  • RESPOSTA:

    E) DEFEITUOSOS

    POIS EM DEFEITUOSO O "O" SOA FECHADO

    JÁ EM DEFEITUOSOS O "O" SOA ABERTO

  • E) DEFEITUOSOS

    EXPLICAÇÃO DA QUESTÃO BEM SIMPLES,

    NA VERDADE O QUE OCORRE É NASALIZAÇÃO DAS PALAVRAS QUANDO FLEXIONADA ,

    OLHO - SOM NASAL -- OLHOS - SOM ORAL

    MESMO OCORRE EM DEFEITUOSO - SOM ORAL  -- DEFEITUOSOS - SOM NASAL

  • Tomar cuidado com o plural metafônico, que é aquele que se passa de uma vogal fechada para uma vogal aberta.
    Corpo -> Corpos
    Olho -> Olhos

    letra: "e"

  • Letra E

    defeituÔso - defeituÓsos

    outros exemplos:

    Singular (ô): aposto, caroço, corpo, despojo e destroço.
    Plural (ó): apostos, caroços, corpos, despojos e destroço

  • Defeituôso - Defeituósos

  • O "famoso" plural metafônico.

    Quem assistiu "Os Melhores do Mundo" irá lembrar...rsrsrs 

  • Análise:

    Vogal tônica - O timbre pode sofrer alteração ao ser pronunciado da forma singular para o pural.

    a)     Bonecas - Tanto "Boneca" e "Bonecas" possuem a mesma vogal tônica: "A"

    b)     Conserto - Tanto "Conserto" e "Consertos" possuem a mesma vogal tônica "O"

    c)     Lamentável - Tanto "Lamentável" e "Lamentáveis" possuem a mesma vogal tônica "Á"

    d)    Infortúnio - Tanto "Infortúnio" e "Infortúnios" possuem a mesma vogal tônica "Ú"

    e)     Defeituosos - A palavra no singular apresenta vogal tônica "Ô" e no plural apresenta vogal tônica "Ó"

  • Resumindo:

    defeituoso = timbre fechado

    defeituosos(ex: to timbre ao se pronunciar no plural "seria" "defeituósos") = timbre aberto

  • São chamados de plurais metafônicos, o timbre da vogal tônica altera de O para Ó.

  • A metafonia é manifestada por meio do plural dos substantivos, na qual ocorre a alternância de timbre da vogal, ou seja, no singular a vogal é pronunciada com um som mais fechado, e no plural, com um som aberto. Fechado: ô Aberto: ó Fonte: Mundo Educação

ID
801997
Banca
Exército
Órgão
EsFCEx
Ano
2011
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Assinale a afirmativa correta:

Alternativas
Comentários
  •  

     É a forma pela qual as consoantes são articuladas. Quanto ao modo de articulação, as consoantes podem ser oclusivas ou constritivas.

          a- Nas oclusivas existe um bloqueio total do ar.

           b- Nas constritivas existe um bloqueio parcial do ar.

  • 1- Quanto à zona de articulação:

    A zona de articulação está relacionada com a região da boca onde as vogais são articuladas. 

    a- média - é articulada com a língua abaixada, quase em repouso. Ex.: a (pasta).
    b- anteriores - são articuladas com a língua elevada em direção ao palato duro, próximo ao dentes. Ex.: é (pé), ê (dedo), i (botina).
    c- posteriores - são articuladas quando a língua se dirige ao palato mole. Ex.: ó (pó), ô (lobo), u (resumo).


    4- Quanto ao timbre: O timbre está relacionado com a abertura da boca.

    a- abertas: (sapo), (neve), (bola).
    b- fechadas: ê (mesa), ô (domador), i (bico), u (útero) e todas as nasais.

    c- reduzidas: são as vogais reduzidas no timbre, já que são vogais átonas (orais ou nasais, finais ou internas). Exemplos: (cara, cantei).

    Fonte:http://www.portugues.com.br/gramatica/classificacao-das-vogais-consoantes.html


    Letra  c:

     A fonética descreve os aspectos articulatórios e as propriedades físicas de todos os sons que ocorrem na produção linguística (o nível de superfície, a “face exposta” de uma língua). A fonologia estuda os sons que têm uma função na língua e que permitem aos falantes distinguir significados.

    Fonte:http://cvc.instituto-camoes.pt/cpp/acessibilidade/capitulo3_1.html


  • As consoantes são oclusivas e constritivas quanto ao modo de articulação.

  • Fonema é a menor unidade sonora do sistema fonológico de uma língua. Cada fonema tem a função de estabelecer uma diferença de significado entre uma palavra e outra.  Os alofones ou variantes alofônicas s são sons da fala que constituem uma variante ou realização fonética de um mesmo fonema.Como exemplos de alofones temos o fonema /s/, que, dependendo do contexto em que ocorre, pode ter quatro realizações fonéticas:

    [ʃ]       de[ʃ]cer

    [ʒ]      ra[ʒ]gar

    [s]      [s]altar

    [z]      olho[z]

    http://www.significados.com.br/fonema/ 

    https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/exemplos-de-variacao-alofonica/24201

  • Nas oclusivas existe um bloqueio total do ar.

         Ex - p, t, c, q, b, d, g...

    Nas constritivas existe um bloqueio parcial do ar.

         Ex - f, s, c, ç, ch, v, z, j, r, rr, l, lh...


ID
802003
Banca
Exército
Órgão
EsFCEx
Ano
2011
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

As palavras abaixo se diferenciam apenas por um único fonema. Assinale a alternativa que destaca adequadamente o traço distintivo de cada par:

Alternativas
Comentários
  • Existem dois papéis das cordas vocais, produzir som vozeado e produzir som surdo. No caso a palavras bastava produz som vozeado e pastava produz som surdo, a distinção se dá apenas nesse sentido, já que as duas palavras classificam-se como oclusivas.

  • Consoantes

    Consoantes são fonemas assilábicos que se produzem após ultrapassar um obstáculo que se opõe à corrente de ar no aparelho fonador. Estes obstáculos incluem os lábios, os dentes, a língua, o palato, o véu palatino e a úvula.

    Quanto ao papel das cordas vocais

    • Consoantes surdas (ou desvozeadas): São as consoantes pronunciadas sem que as cordas vocais sejam postas em vibração. São surdas as seguintes consoantes em português: f, k, p, c, s, t, x, ch.
    • Consoantes sonoras (ou vozeadas): São as consoantes pronunciadas com a vibração das cordas vocais. São sonoras as seguintes consoantes em português: b, d, g, j, l, lh, m, n, nh, r, v, z

    Fonte:http://pt.wikipedia.org/wiki/Fonema


  • NAUM TEN AMBISSAUM


ID
905239
Banca
TJ-SC
Órgão
TJ-SC
Ano
2011
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

                                                Texto: “ARTE COM CHICLETES”

                                    Pinturas em miniatura nas calçadas de Londres

      Conhecido por suas esculturas complexas, postas em lugares inesperados, nos últimos tempos Ben Wilson se tornou uma figura familiar nas calçadas de Londres. Depois de ter visto vários de seus trabalhos vandalizados e destruídos, ele saiu do mato e foi para as ruas a explorar uma nova mídia, num cenário diferente - pinturas em miniatura em chicletes jogados no chão.

      Ao longo dos anos, Wilson ficou cada vez mais irritado com o lixo, os carros e resíduos industriais que se tornaram parte integrante da sociedade urbana. Mesmo se refugiando no interior, ainda tinha que enfrentar a sujeira. Começou a trabalhar com o lixo que encontrava, catando bitucas de cigarro e pacotes de batata frita para incorporá-los a suas colagens. Trabalhar com chiclete mascado, in situ, foi uma evolução natural.

      Wilson começou a fazer pinturas em chiclete em 1998, mas só em outubro de 2004 decidiu trabalhar com esse meio em tempo integral. Há anos, vem tentando melhorar o ambiente urbano pintando em cima de outdoors e anúncios, mas a atividade ilegal o levou a conflitos com a lei. O uso de chiclete o libertou e lhe permitiu trabalhar de forma espontânea, sem ter de pedir permissão. "Nosso ambiente é muito controlado e o que mais precisamos é de diversidade", afirmou ele. "Mesmo galerias, museus e editoras são muito controlados."

      Saindo da Barnet High Street, Wilson começou a deixar um rastro de imagens do norte da cidade até o centro. Quase dois anos depois, no entanto, ele ainda permanece a maior parte do tempo na Barnet, a rua onde cresceu, e em Muswell Hill, onde mora com a mulher, Lily, e os três filhos. Como várias pessoas encomendaram retratos, ele se envolveu com os moradores da área. E explica: "Conheço ali muitos lojistas, varredores de rua e policiais. Quando ando pelas ruas, a cada passo penso em uma pintura que preciso fazer para alguém. Está tudo na minha cabeça, e isso faz com que me sinta mais próximo do lugar e do povo." Ele espera que seu trabalho aumente a percepção que os moradores têm do bairro, e que dê às crianças uma ligação maior com o ambiente.

      Wilson tem agora um livro de pedidos que inclui mensagens de amor e amizade, grafites, animais de estimação, anúncios de nascimento e morte. "Cada imagem que faço tem uma história diferente", explicou. "As pinturas refletem as pessoas que passam pela rua." Ele adora o relacionamento direto com as pessoas, os encontros que lhe dão o tema e a inspiração para seu trabalho. As pessoas lhe dizem do que gostam e o que querem, e ele interpreta cada assunto com base na intuição. O desafio de condensar a história de vida de uma família inteira em um único pedaço de chiclete o anima e a intimidade do meio o inspira.

      Cada peça começa da mesma maneira. Wilson seleciona um chiclete velho, derrete-o com um maçarico para endurecer a superfície, cobre-o com uma camada de esmalte acrílico branco e inicia a pintura. Com joelheiras amarradas na calça manchada de tinta e um descanso para apoiar o cotovelo, ele é capaz de passar várias horas debruçado sobre suas obras. Quando a pintura está pronta, Wilson usa a chama de um isqueiro para secá-la, aumentar a clareza das linhas e evitar o pó. Aí passa mais uma camada de esmalte, ou spray automotivo, para lhe dar um acabamento resistente. O método faz com que a obra dure seis meses ou mais.

      Wilson fotografa as pinturas para ter um registro. "As fotos têm vida própria depois que as tiro", observa. Nenhuma das obras em miniatura mede mais do que 5 centímetros de diâmetro. As pinturas em chicletes que ele fez para si mesmo guardam uma semelhança com seus desenhos em pastel, pinturas e obras de colagem tridimensionais, que, por sua vez, refletem as figuras, formas e símbolos de suas esculturas e os ambientes nos quais foram criadas.

      Os padrões de círculos, listras, rabiscos e contornos fortes destacam as imagens do fundo cinza. Padrões abstratos em forma de amebas, em cores deslumbrantes, contêm iniciais, nomes e datas celebrando encontros, amizades e outros relacionamentos. Como antigas placas de lojas, de cores vivas e letras claras, muitas das pinturas no chiclete representam pequenas empresas locais ou retratam personagens familiares em seus afazeres diários - uma escova e um pente na frente do cabeleireiro, o leiteiro fazendo entregas, o cachorro do dono da loja de ferragens. Uma pintura pequena e delicada relembra um pássaro que morreu lá perto. Apelidos, grafites e pedidos de torcedores de rúgbi e futebol aparecem nas imagens de calçada de Wilson.

      Enquanto trabalhava numa imagem pedida por uma policial, em memória dos que morreram nos ataques terroristas de Londres, de julho de 2005, Wilson foi abordado por um guarda de trânsito. Ele lhe contou uma história pessoal de morte e bravura altruísta. A seu pedido, Wilson pintou um chiclete para homenagear os trabalhadores envolvidos no resgate das vítimas dos atentados.

       Wilson admite que, enquanto muitas pessoas estão conscientes do que ele faz, outras podem andar sobre suas obras durante um ano e nem mesmo percebê-las. Mas ele espera que aqueles que notam sua arte tenham uma consciência maior do efeito que as pessoas exercem sobre o ambiente.

      O artista acredita que, em vez de apenas multar e deter, as autoridades devem lidar com as causas do comportamento antissocial, e incentivar os jovens a descobrir sua criatividade. Em junho de 2005, ele foi preso em Trafalgar Square por pintar um retrato do Almirante Nelson em um chiclete. Ele havia sido convidado pelo Conselho de Artes a participar do lançamento da Semana de Arquitetura, mas mais tarde foi informado de que não haviam conseguido obter autorização da prefeitura. "O evento procurava fazer pessoas criativas trabalharem de forma subversiva", explica, "mas parece que não conseguem suportar nada fora dos padrões: eles têm de saber quem, o que, quando e por quê."

      Ao tentar defender sua arte no palco temporário da Trafalgar Square, Wilson foi perseguido por policiais e levado sob custódia. Após ter suas impressões digitais colhidas, foi fotografado e interrogado. Seu punho foi ferido quando a polícia o deteve. Precisou usar uma tipoia, mas foi capaz de ver o humor da situação, observando as semelhanças entre ele e seu tema: "Fiquei parecido com Nelson, com o braço sangrando."

           ELMORE, Julia. Arte com chicletes. Piauí, São Paulo, n. 59, p. 39 – 43, ago. 2011. (adaptado)

Assinale a alternativa que contém o número correto de ocorrências de encontros consonantais perfeitos no período a seguir: “Como várias pessoas encomendaram retratos, ele se envolveu com os moradores da área.”

Alternativas
Comentários
  • Encontro consonantal é a sequencia de consoantes num mesmo vocábulo, ou seja, a contiguidade de duas ou três consoantes efetivamente pronunciadas. Quando duas consoantes se encontram na mesma sílaba, diz-se que o encontro consonantal é próprio ou perfeito. No presente caso, aparece apenas um encontro consonantal perfeito na palavra re-tra-tos. 

    Portando resposta correta é a letra a

  • ENVOLVEU = E(N)-VOL-VEU = ENCONTRO CONSONANTAL IMPERFEITO!!!

    Bons estudos a todos!!!

  • Prezados, vou compartilhar minha ignorancia, talvez alguem me ajude, pois apesar de acertar a questao num baita chute preciso aprender mais, pois marquei um achando que o encontro perfeito estaria na palavra PESSOAS devido ao ss, porem o colega ilustrou a palavra retrato ( que deve estar correto ), os encontros de SS sao chamados como ?

  • nh, lh, ch, ss e rr = digrafo

  • O encontro de SS é chamado de dígrafo, pois são duas letras que foneticamente é representada por uma (S). Ex.: pessoa = /pesoa/ (6 letras e 5 fonemas)

  • Letra a,

    Antes de corrigir só uma coisa:

    Encontro consonantal perfeito -> 2 consoantes juntas na palavra e na mesma sílaba. ex.: tra-ve, a-tle-ta

    Encontro consonantal imperfeito -> 2 consoantes juntas na palavra,mas em sílabas diferentes. EX: en-vol-veu


    “Como várias pessoas(dígrafo) encomendaram(todos dígrafos: ~e,õ,~e,ã) retratos(encontro cons. perfeito), ele se envolveu(encontro cons. imperfeito) com os moradores da área.”,  as demais palavras não possuem encontro consonantal.

  • Acredito que a palavra envolveu não tenha encontro consonantal, pelo seguinte:

    A letra L dessa frase esta desenvolvendo o som de U, e por isso, acho eu que se trata de um ditongo, senão vejamos:

    en - voL (u) - veu.

    Dessa forma, na minha visão, não se trata essa palavra de encontro consonantal imperfeito como alguns aqui disseram.

    Se estiver errado, por favor me corrijam.


    Bons estudos!

  • concordo com Fernando Henrique

  • Encontro Consonantal Perfeito: 2 consoantes - ambas sonoras - na mesma sílaba.

    RESPOSTA CORRETA: a) Um. (re.TRa.tos)

  • Encontro Consonantal Perfeito: 2 consoantes - ambas sonoras - na mesma sílaba.

    RESPOSTA CORRETA: a) Um. (re.TRa.tos)

  • Então quer  dizer que quando separa ex: ENVOLVEU = E(N)-VOL-VEU = ENCONTRO CONSONANTAL IMPERFEITO

    e quando não separa ex: RETRATO=RE-TRA-TO =ENCONTRO CONSONANTAL PERFEITO

  • Também fui por essa perspectiva Fernando Henrique

  • No período ocorre apenas um encontro consonantal perfeito.

    RE.TRA.TOS
  • EN-VOL-VEU     LV é encontro consonantal Imperfeito e não ditongo.

  • ENCONTRO CONSONANTAL PERFEITO É AQUELE QUE FICA NA MESMA SÍLABA.
    - reTRatos = 1 encontros consonantais (RESPOSTA A)
    - envoLVeu = NÃO ESTÃO NA MESMA SÍLABA

  • “Como várias pessoas encomendaram retratos, ele se envolveu com os moradores da área.”

  • Quando as consoantes ficam em sílabas diferentes= Encontro Consonantal Imperfeito

    Quando as consoantes ficam na mesma sílaba= Encontro Consonantal Perfeito


ID
905242
Banca
TJ-SC
Órgão
TJ-SC
Ano
2011
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

                                                Texto: “ARTE COM CHICLETES”

                                    Pinturas em miniatura nas calçadas de Londres

      Conhecido por suas esculturas complexas, postas em lugares inesperados, nos últimos tempos Ben Wilson se tornou uma figura familiar nas calçadas de Londres. Depois de ter visto vários de seus trabalhos vandalizados e destruídos, ele saiu do mato e foi para as ruas a explorar uma nova mídia, num cenário diferente - pinturas em miniatura em chicletes jogados no chão.

      Ao longo dos anos, Wilson ficou cada vez mais irritado com o lixo, os carros e resíduos industriais que se tornaram parte integrante da sociedade urbana. Mesmo se refugiando no interior, ainda tinha que enfrentar a sujeira. Começou a trabalhar com o lixo que encontrava, catando bitucas de cigarro e pacotes de batata frita para incorporá-los a suas colagens. Trabalhar com chiclete mascado, in situ, foi uma evolução natural.

      Wilson começou a fazer pinturas em chiclete em 1998, mas só em outubro de 2004 decidiu trabalhar com esse meio em tempo integral. Há anos, vem tentando melhorar o ambiente urbano pintando em cima de outdoors e anúncios, mas a atividade ilegal o levou a conflitos com a lei. O uso de chiclete o libertou e lhe permitiu trabalhar de forma espontânea, sem ter de pedir permissão. "Nosso ambiente é muito controlado e o que mais precisamos é de diversidade", afirmou ele. "Mesmo galerias, museus e editoras são muito controlados."

      Saindo da Barnet High Street, Wilson começou a deixar um rastro de imagens do norte da cidade até o centro. Quase dois anos depois, no entanto, ele ainda permanece a maior parte do tempo na Barnet, a rua onde cresceu, e em Muswell Hill, onde mora com a mulher, Lily, e os três filhos. Como várias pessoas encomendaram retratos, ele se envolveu com os moradores da área. E explica: "Conheço ali muitos lojistas, varredores de rua e policiais. Quando ando pelas ruas, a cada passo penso em uma pintura que preciso fazer para alguém. Está tudo na minha cabeça, e isso faz com que me sinta mais próximo do lugar e do povo." Ele espera que seu trabalho aumente a percepção que os moradores têm do bairro, e que dê às crianças uma ligação maior com o ambiente.

      Wilson tem agora um livro de pedidos que inclui mensagens de amor e amizade, grafites, animais de estimação, anúncios de nascimento e morte. "Cada imagem que faço tem uma história diferente", explicou. "As pinturas refletem as pessoas que passam pela rua." Ele adora o relacionamento direto com as pessoas, os encontros que lhe dão o tema e a inspiração para seu trabalho. As pessoas lhe dizem do que gostam e o que querem, e ele interpreta cada assunto com base na intuição. O desafio de condensar a história de vida de uma família inteira em um único pedaço de chiclete o anima e a intimidade do meio o inspira.

      Cada peça começa da mesma maneira. Wilson seleciona um chiclete velho, derrete-o com um maçarico para endurecer a superfície, cobre-o com uma camada de esmalte acrílico branco e inicia a pintura. Com joelheiras amarradas na calça manchada de tinta e um descanso para apoiar o cotovelo, ele é capaz de passar várias horas debruçado sobre suas obras. Quando a pintura está pronta, Wilson usa a chama de um isqueiro para secá-la, aumentar a clareza das linhas e evitar o pó. Aí passa mais uma camada de esmalte, ou spray automotivo, para lhe dar um acabamento resistente. O método faz com que a obra dure seis meses ou mais.

      Wilson fotografa as pinturas para ter um registro. "As fotos têm vida própria depois que as tiro", observa. Nenhuma das obras em miniatura mede mais do que 5 centímetros de diâmetro. As pinturas em chicletes que ele fez para si mesmo guardam uma semelhança com seus desenhos em pastel, pinturas e obras de colagem tridimensionais, que, por sua vez, refletem as figuras, formas e símbolos de suas esculturas e os ambientes nos quais foram criadas.

      Os padrões de círculos, listras, rabiscos e contornos fortes destacam as imagens do fundo cinza. Padrões abstratos em forma de amebas, em cores deslumbrantes, contêm iniciais, nomes e datas celebrando encontros, amizades e outros relacionamentos. Como antigas placas de lojas, de cores vivas e letras claras, muitas das pinturas no chiclete representam pequenas empresas locais ou retratam personagens familiares em seus afazeres diários - uma escova e um pente na frente do cabeleireiro, o leiteiro fazendo entregas, o cachorro do dono da loja de ferragens. Uma pintura pequena e delicada relembra um pássaro que morreu lá perto. Apelidos, grafites e pedidos de torcedores de rúgbi e futebol aparecem nas imagens de calçada de Wilson.

      Enquanto trabalhava numa imagem pedida por uma policial, em memória dos que morreram nos ataques terroristas de Londres, de julho de 2005, Wilson foi abordado por um guarda de trânsito. Ele lhe contou uma história pessoal de morte e bravura altruísta. A seu pedido, Wilson pintou um chiclete para homenagear os trabalhadores envolvidos no resgate das vítimas dos atentados.

       Wilson admite que, enquanto muitas pessoas estão conscientes do que ele faz, outras podem andar sobre suas obras durante um ano e nem mesmo percebê-las. Mas ele espera que aqueles que notam sua arte tenham uma consciência maior do efeito que as pessoas exercem sobre o ambiente.

      O artista acredita que, em vez de apenas multar e deter, as autoridades devem lidar com as causas do comportamento antissocial, e incentivar os jovens a descobrir sua criatividade. Em junho de 2005, ele foi preso em Trafalgar Square por pintar um retrato do Almirante Nelson em um chiclete. Ele havia sido convidado pelo Conselho de Artes a participar do lançamento da Semana de Arquitetura, mas mais tarde foi informado de que não haviam conseguido obter autorização da prefeitura. "O evento procurava fazer pessoas criativas trabalharem de forma subversiva", explica, "mas parece que não conseguem suportar nada fora dos padrões: eles têm de saber quem, o que, quando e por quê."

      Ao tentar defender sua arte no palco temporário da Trafalgar Square, Wilson foi perseguido por policiais e levado sob custódia. Após ter suas impressões digitais colhidas, foi fotografado e interrogado. Seu punho foi ferido quando a polícia o deteve. Precisou usar uma tipoia, mas foi capaz de ver o humor da situação, observando as semelhanças entre ele e seu tema: "Fiquei parecido com Nelson, com o braço sangrando."

           ELMORE, Julia. Arte com chicletes. Piauí, São Paulo, n. 59, p. 39 – 43, ago. 2011. (adaptado)

Na palavra “manchada”, encontramos:

Alternativas
Comentários
  • Resposta: letra b. 

    M AN CH A D A: existem dois dígrafos na palavra, por isso apresenta penas 6 fonemas.

  • MANCHADA = Mãxada

  • Letra B, uma vez que existe um dígrafo vocálico (an = ã) e um dígrafo consonantal (ch = x). Por isso, a palavra manchada tem 8 letras e 6 fonemas: | mãxada |.

  • Resposta: letra b.

    M-A-N-C-H-A-D-A = 8 Letras

    M Ã(AN) x(CH) A D A: existem dois dígrafos na palavra, por isso apresenta penas 6 fonemas.

  • Letra B

    Manchada = Mãxada

  • Manchada = 8 Letras. // MÃNXADA// 6 FONEMAS

  • Gabarito: Letra E

    m/an/ch/a/d/a

    an - dígrafo vocálico

    ch - dígrafo consonantal

    Dígrafo: quando duas letras representam o mesmo fonema.

    Portanto, 6 fonemas.

     

  • Paroxítona com seis fonemas.

  • Use a equação:

    1 dígrafo = -1 fonema!

    assim:

    M-A-N-C-H-A-D-A 

    = -2 fonemas..

    sucesso, nãodesista!

  • O M e o N usado após as vogais, nasalizando-as, não são fonemas nem consoantes. Logo se o homem da banca quiser dá uma "pernada" em você, ele vai dizer que ocorre o encontro de duas consoantes em MENTA, por exemplo, não caia nessa! O M e o N são apenas marcas de nasalização da vogal como se fosse um til (~). Se vierem, porém, antes da vogal (Na-ta-ção)  ou em outra sílaba (Fa-bi-a-na), aí sim são fonemas, são, de fato, consoantes. Dígrafo constitui-se de duas letras representando um só fonema a segunda letra é DIACRÍTICA. Sempre que uma palavra tiver dígrafos, o número de letras será maior que o número de fonemas. Na palavra MANCHADA/MÃXADA, há 8 letras e 6 fonemas. Prof: Fernando Pestana
  • M-ÃN-X-A-D-A

    Letra E

  • b) 8 letras e 6 fonemas.

    Fonemas - São as menores unidades sonoras da fala. São os sons elementares e distintivos que, articulados e combinados, formam as sílabas, os vocábulos e a teia da frase, na comunicação oral.

    É importante não confundir letra com fonema. Fonema é som, letra é o sinal gráfico que representa o som. Para falar, usamos fonemas; para escrever, usamos letras.

    Manchada - M-Ã-X-A-D-A

    8 letras e 6 fonemas.

    FONTE:CEGALLA.

  • quem marcou a assertiva C ou D não está sabendo nem contar.


ID
905314
Banca
TJ-SC
Órgão
TJ-SC
Ano
2011
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Questão: “XS” é um dígrafo; a alternativa que contém uma palavra que NÃO deveria ser escrita com esse dígrafo é:

Alternativas
Comentários
  • A) Exsicar: Secar bem. Fazer secar drogas para que se conservem. 3 Secar(-se) muito; ressicar(-se), ressequir(-se).

    B) Exsudar: Suar, transpirar. Segregar em forma de gotas: a resina exsudava do tronco dos pinheiros. C) ExCeler: Sobrelevar-se, distinguir-se em seu gênero: por sua inteligência, excele entre os irmãos. D) Exsuar: V. exsudar. E) Exsolver: Dissolver(-se), solver(-se). Pagar, solver.
    •  c) Exseler.

  • chutei e marquei o gol rs

  • Que pergunta sem noção  aff

  • Questão estranha é essa?

  • Não acertaria essa! Nem se fosse para salvar a minha vida....

  • por estas e outras que bom estudar com o pai dos burros, o famoso dicionário!


  • AFF! Essa é para não fechar as questões de Português é? kkkkkk... Nossa! Situação viu, uma falta de criatividade que vou te contar.

  • Que relevância tem essa questão? É pra tirar candidato mesmo, não sabia o significado de nenhuma...

  • Nem o cara q fez a prova sabia dessas palavras antes de consultar o dicionário...

  • Fui no chuto  e deu certo.kkkkkk...aí, ai

  • Com certeza eu não EXCELEI nessa..

  • Nunca ouvi nenhuma dessas :(

  • Não sei quem é mais babaca: a questão em si ou o examinador que a criou.

    Não examina conhecimento gramatical, nem mnemônico, nem a percepção do candidato, nada.

    Só examina a sorte de algum candidato que deve a felicidade de ter lido alguma dessas palavras alguma vez na vida.

  • É o fresco, é?

  • A resposta certa é a letra C, acertei no chuteKS.

  • Me senti uma anta lendo essas palavras. Nunca sequer tinha visto alguma delas.



  • b) exsudar: segregar, ou  sair, em formas de gotas ou de suor;


    O resto nem tem no Aurélio


  • Questão muito estranha. 


  • Que questão é essa, meu Odin ?

  • Parecem até palavras de dialetos de países africanos.

  • Questão trazida das profundezas do tinhoso! hahahaha

  • questão madafaca

  • EXSICAR = RESSECAR
    EXSUDAR = SUAR
    EXSELER = ERRADO . É EXCELER = DESTACAR-SE
    EXSUAR = SINÔNIMO DE SUAR
    EXSOLVER = DISSOLVER

  • na dúvida, Chute C.

  • O que dizer de um examinador desses?

  • Podemos levar o dicionário para fazer os testes?

  • Só Jesus na causa..

  • Boa tarde, caros Sr (a).

    que questao é essa? abri os comentarios pra ve se alguem explicava algum macete pra acertar. kkkkk ou vê se geral sabia os significados das palavras dessa questao horrorosa.

  • mano quem usa essas palavras? eu nunca ouvi na vida, é o tipo de questão vc responde por último no chutômetro e se acertar amém se não..

    Daí na explicação da resposta o professor falou falou e não disse nada, ou seja se vc souber parabéns se não, chute meu filho!

  • Oi gente!

    a palavra da alternativa correta (EXSELER) de fato existe, porém em sua escrita com C, OU SEJA : EXCELER, que nos remota ao termo EXCELENTE, aquele que é excelente.

    a banca sempre cobrará novidade, e o diferencial da aprovação no português é conhecer o nosso vacabulário.

  • se for pra gravar essas palavras eu nunca irei passar em nada

  • Que questão é essa minha gnt? Socorrooo

  • Acertei no chute... questão d FDP!!!

  • Isso é fonologia ou ortografia? Questaozinha nd v....

  • Eu fui na tora aí, questão sem lógica kkkkkkkkk

  • A pessoa que botou uma questão deve ter levado um belo chifre na noite anterior. Credo! kkkk Nunca tinha visto essas palavras.

  • Fecha o olho e CHUTA sem dó! Na moral examinador, tá pistola?!


ID
905317
Banca
TJ-SC
Órgão
TJ-SC
Ano
2011
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Assinale a alternativa que contém uma palavra com separação silábica ERRADA.

Alternativas
Comentários
  •  e) su – bli – nhar

    Definição de Sublinhar

    Classe gramatical: Verbo transitivo
    Tipo do verbo sublinhar: regular
    Separação das sílabas: sub-li-nhar

  • De acordo com o Houaiss,  a separação silábica do verbo sublinhar pode ser feita das seguintes formas: su-bli-nhar ou sub-li-nhar.

  • Nossa! ótima  explicação da colega Elisabete.


    Achei que meus estudos fossem por água abaixo

  • bom de mais esse exercicio

  • ???? sublinhar 

    su.bli.nhar 
    (sublinha+ar2vtd 1 Passar uma linha ou traço por baixo de (palavra ou frase), a fim de chamar a atenção do leitor para o sentido especial ali expresso.2 Acentuar bem, tornar sensível: O orador sublinhava as palavras mais importantes. 3 Pôr em destaque; realçar, salientar: Os comentaristas sublinharam a notícia.

    http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php?lingua=portugues-portugues&palavra=sublinhar



  • Por gentileza, qual a posição oficial do curso? bagunçou minha cabeça!

  • quando o prefixo termina com consoante e o sufixo começa também com consoante, não formará sílaba! EX.: Sub-lin-ar

    foi assim que aprendi! ;)

  • Questão passível de anulação, pois todas as palavras estão corretamente divididas. 

    Su-bo-fi-ci-al = nunca uma sílaba terminará em consoante se for seguida por uma que comece com vogal. Por isso junta-se o B com o O nesse caso.

    Ci-san-di-no = correto! segue a regra geral de divisão silábica.

    Ab-rup-to = mesma explicação da primeira palavra, porém nesse caso separa-se o B do R e o P do T.

    Ob-ses-são = idem ao anterior

    Su-bli-nhar ou sub-li-nhar = esse verbo é especial, aceita as duas divisões silábicas.

  • Sublinhar - Este verbo admite duas separações silábicas: sub-li-nhar e su-bli-nhar

  • Sublinhar há duas maneiras de divisão silábica.

    Sub-li-nhar e ou Su-bli-nhar, pode estar certo como não.

    A questão me gerou dúvidas !!

  • Sublinhar - Este verbo admite duas separações silábicas: sub-li-nhar e su-bli-nhar

  • O que devo considerar como certo?

  • Su - bo - fi - ci - al_____no interior do vocábulo, sempre se conserva na sílaba anterior a consoante não seguida de vogal. Como esta palavra não obedece esta regra o "b" do "sub" fica separado.

    Os encontros "bl" e "br" nem sempre formam grupos articulados perfeitos, isto é, nem sempre permanecem na mesma sílaba. isto se dá porque em alguns casos o "l" e o "r" são pronunciados separadamente. Ex:

    sublingual-> sub - lin - gual

    sub-rogar-> sub - ro - gar

    sublocar-> sub - lo - car

    sub-reitor-> sub - rei -tor

  • De fato a banca 'pisou  na bola' e sendo ela mesma a organizadora do concurso, considerou  correta a alternativa "e". Todavia, em vários dicionários é possível encontrar as duas formas de separação:

    sub-li-nhar ou su-bli-nhar. Portanto,  seria justo e correto anular a questão. 


  • A última consoante do prefixo -SUB, se seguida de consoante, não formará nova sílaba com ela:  Sub-li-nhar.  Bis-ne-to.

    Porém, se a última consoante do prefixo -SUB, se seguida de vogal, junta-se a ela: bi-sa-vó.

  • Aprendi muito com essa questão, valeu galera!

  • O motivo é porque "sub" é prefixo como: ab, ob, ex, bis, trans, sob, sub, ...

    - Quando seguidos de vogais formarão sílaba (junto): suben-ten-der, transa-tlân-ti-co, bisá-vo;

    - Quando seguidos de consoantes não formarão sílaba (separado): sub-lin-gu-al, sub-li-nhar.

  • Quais caio da pegadinha do Suboficial...ufa!!

  • No Volp a questão esta certa. Sublinhar (sub-li ou su-bli). Infelizmente temos que conviver com falhas de algumas bancas. Bola pra frente. 

  • sub-li-nhar
    http://www.separarensilabas.com/index-pt.php

  • No VOLP (http://www.academia.org.br/nossa-lingua/busca-no-vocabulario) admite-se a separação de sublinhar tanto como sub-li-nhar como su-bli-nhar. Apesar da banca indicar como correta a letra E, todas as alternativas estão corretas. Esta questão deveria ter sido anulada.

  • -A tendência da língua é juntar esses casos com prefixo e depois separar (ex: su-bo-fi-ci-al).
    - Por arbitráriedade o ab-rup-to o abrup ainda não é junto.
    - O su-bli-nhar de acordo com o novo acordo são aceitos as duas formas, ou seja, sub-li-nhar.
    ESTA QUESTÃO PODE SER ANULADA.

  •  su – bli – nhar deve ser sub-li-nha-do. Depois de sub, se vier vogal, nao separa, se consoante, separa

  • então quer dizer que as questões difíceis pro qconcurso são as anuláveis???? entendi....

  • Questão passível de anulação

    Tanto Abrupto quanto Sublinhar incorretas

    Sub-li-nhar

    Quando o prefixo antecede uma sílaba que começa com consoante, mantem-se o prefixo junto. (sub)

    Questão com duas respostas.

    Examinador louco.


ID
909571
Banca
ACAFE
Órgão
PC-SC
Ano
2008
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

TEXTO 1 - POLÍCIA E SEGURANÇA

A chance de você ou alguém da sua família ser assaltado, sua filha estuprada ou um parente sofrer um seqüestro relâmpago no Brasil é de aproximadamente 97% no decorrer da vida. Poucas famílias irão escapar. Um amigo meu se orgulha de ter se safado oito vezes de levar um tiro na testa. Todas as ideologias políticas, do socialismo ao neoliberalismo, acreditam que cabe ao Estado a proteção do indivíduo. O socialismo e o comunismo sempre investiram pesado em policiamento e segurança. A China comunista executa criminosos diariamente e entrega o cartucho à família.

Liberais, que tendem a confiar no indivíduo e não no Estado, são contra fazer justiça e segurança pelas próprias mãos. Neoliberais, que preferem um Estado fraco, pregam um Estado forte na área de segurança pública.

Nossos governos têm sido uma certa exceção. Fazem praticamente "tudo pelo social", mas negligenciam a segurança, função primordial do Estado em todas as ideologias. Acrescentaram aposentadorias grátis, cultura grátis, terras grátis, creches grátis, mestrados grátis, investimentos em energia grátis, a ponto de levar as finanças do Estado à ruína. De nada adianta ter saúde ou um mestrado e levar um tiro num assalto.

Quatrocentos anos atrás, Hobbes já escrevia: "Quando não existe poder capaz de manter os homens em respeito, temos a condição que se denomina guerra civil; uma guerra de todos os homens contra todos."

Nossos policiais reclamam por aumentos salariais com absoluta justiça. Alguns têm de viver em favelas, onde temem que alguém descubra sua profissão. O policial de Nova York ganha cinco vezes mais que um policial brasileiro, que por sua vez tem de enfrentar uma criminalidade cinco vezes maior. Quando um policial prende bandidos arriscando a vida, sabe que eles logo estarão livres novamente por falta de prisões. Um policial, normalmente pouco treinado pelo Estado, se no cumprimento do dever errar um tiro, será trucidado e execrado pela opinião pública. Quem se candidata a um emprego desses que exige a rapidez de um executivo, a coragem de um herói, o discernimento de um juiz, o tato de um psicólogo e um salário vi?

Nossos policiais deveriam ser pagos num nível salarial que os fizesse temer a perda do emprego, em vez de sentir vergonha dele. Como, apesar das estatísticas, ninguém acredita que um dia será uma vítima, e vítimas fatais não votam, nunca elegemos prefeitos e governadores que priorizam suas secretarias de Segurança nem seus policiais. Preferimos eleger quem nos promete um benefício imediato a aqueles que prometem eliminar um risco incerto.

A maioria dos brasileiros está profundamente insatisfeita com o que está aí, e quer "começar tudo de novo". Apesar de os contribuintes pagarem 35% do PIB em impostos, hoje temos um Estado fraco na maioria das áreas de atuação: saúde pública com falta de recursos, educação com problemas, um rombo na previdência e um policiamento sem os equipamentos necessários.

Vamos começar de novo, criando um Estado que cumpra no mínimo a primeira e única função sobre a qual todas as ideologias concordam. Vamos reduzir um pouco as inúmeras outras funções sociais, em digamos 5% cada uma, para poder aumentar em 100% as verbas para policiamento, Justiça e segurança.

Sou a favor de o Estado promover políticas de inclusão e agregação social com nosso dinheiro, contanto que o faça com competência. Se o Estado conseguir devolver ao povo a segurança de ser brasileiro, conquistará credibilidade para assumir outras funções sociais, todas em que souber demonstrar competência.
Em resumo, nosso Estado social-democrata está fazendo coisas demais e mal feitas. Vamos fazer um pouco menos, e bem feito.

Levando em conta as normas sobre o uso de letra inicial maiúscula, a frase correta é:

Alternativas
Comentários
  • Seguem as alterações:

    a) Excelentíssimo;

    b) brasileiros, argentinos e europeus;

    c) carnaval (por ser uma festa pagã e não cristã) fevereiro e março;

    d) CORRETA

  • letra d correta? reside com letra maiúscula ?? hummm

  • Vitor Ferreira, lembre-se que início de frase é sempre com letra maiúscula. 
  • Aloísio Bordin, apenas uma correção em sua explicação. 

    A regra que determinava apenas 'festas religiosas' com iniciais maiúsculas está obsoleta. Veja:

    "O novo acordo ortográfico, na base 19, item 2, letra “d”, determina: “A letra maiúscula inicial é usada: (...) d) Nos nomes de festas e festividades"

     Neste caso, Carnaval será sim, escrito com inicial maiúscula. O erro da letra C fica por conta de fevereiro e março. ;)

  • Josy Cabral, gostaria de saber de fato qual o erro da letra a).

    discordo do amigo Aloísio Bordin...
    No Acordo ortografico em "BASE XIX DAS MINÚSCULAS E MAIÚSCULAS"
    temos que:
    1º) A letra minúscula inicial é usada:
    ...
    "Nos axiónimos/axiônimos e hagiónimos/hagiônimos (opcionalmente, neste caso, também com maiúscula): senhor doutor Joaquim da Silva, bacharel Mário Abrantes, o Cardeal Bembo; santa Filomena (ou Santa Filomena)."
    Assim nos pronomes de tratamento o uso de maiúscula é facultativo, sendo no caso admitidas as formas: excelentíssimo Ministro da Agricultura ou Excelentíssimo Ministro da Agricultura ou ainda excelentíssimo ministro da Agricultura.
    Você poderia me ajudar? qual seria então o erro da assertiva a)?
  • Gabarito D

    a - Excelentíssimo = grafam-se expressões de tratamento com letra maiúscula; 
    b - brasileiros, argentinos e europeus = grafam-se nomes gentílicos com letra minúscula; 
    c - carnaval, fevereiro, março = grafam-se nomes de festas pagãs ou populares e nomes de meses com letra minúscula; 
    d - Praça das Amendoeiras 437 – ap. 603 = grafa-se opcionalmente com letra inicial maiúscula ou minúscula nomes designados a logradouros públicos, edifícios e templos.

  • Viver em Balneário Camboriú é tudo de bom :)

  • Além da palavra "Excelentíssimo" na alternativa A, tem-se também a palavra "Estado", por tratar-se de um Estado da Federação.


ID
953677
Banca
IOBV
Órgão
PM-SC
Ano
2013
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Observe as palavras destacadas no texto de Oswald de Andrade:

Vício na fala

1 Para dizerem milho dizem mio.
2 Para melhor dizem mió.
3 Para pior dizem pió.
4 Para telha dizem teia.
5 Para telhado dizem teiado.
6 E vão fazendo telhados.


De acordo com a palavra destacada, assinale a incorreta:

Alternativas
Comentários
  • FAZENDO(no zen, en faz dígrafo vocálico,ou seja 2 grafias para o som de um fonema vocálico).

  • pior não é hiato, pois os hiatos são palavras tônicas acentuadas graficamente. Saí (hiato), Sai (ditongo) 

  • Provavelmente anulada por possuir duas alternativas C e D

    C) FAZENDO ( EN possui uma pronuncia, logo é dígrafo vocálico)

    D) VÃO ( É ditongo decrescente nasal)

  • juliete meu amor, hiato são "encontros vocálicos" os quais se separaram
  • DIGRAFO VOCÁLICO

    Encontro de uma vogal seguida das letras m ou n, que resulta num fonema vocálico. Eles são: am, an; em, en; im, in; om, on e um, un.

    Vale lembrar que nessa situação, as letras m e n não são consoantes; elas servem para nasalizar as vogais.

    Exemplos:

    • amplo, anta
    • temperatura, semente
    • empecilho, tinta
    • ombro, conto
    • umbanda, fundo
  • DÍGRAFO CONSONANTAL

    Encontro de duas letras que representam um fonema consonantal. Os principais são: ch, lh, nh, rr, ss, sc, sç, xc, gu e qu.

    Exemplos:

    • chave, chefe
    • olho, ilha
    • unha, dinheiro
    • arranhar, arrumação

    Dígrafo e Encontro Consonantal são encontros de letras, mas como vimos, no dígrafo essas letras são pronunciadas uma única vez, ao contrário do encontro consonantal. Essa é a diferença!

    Exemplos de Encontros Consonantais:

    brinde, claridade, flor, sopro, refrão.


ID
955612
Banca
FUNRIO
Órgão
DEPEN
Ano
2009
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Qual a única série de palavras que contém dígrafos consonantais?

Alternativas
Comentários
  • De acordo com o livro da minha filha (2º ano do ensino fundamental, mais conhecido entre nós como 1ª série, rs), dígrafo é o encontro de duas letras para representar um único som.
    Dessa forma, são exemplos de dígrafos: ch-gu-nh-qu-sç-lh-xc-rr-sc-ss.

  • O dígrafo é um fenômeno gramatical e fonético que ocorre quando duas letras estão juntas na mesma palavra, e formam um único fonema (som). A palavra dígrafo vem do grego e é formada por di (dois) + grafo (escrever).

    Os dígrafos da língua portuguesa são classificados em:

    Dígrafos Consonantais

    O encontro de duas letras que formam apenas um som, sendo este um som consonantal.

    Exemplos:

    • lh: alho, milho
    • nh: ninho, sonho, venho, banho
    • ch: chuva, China
    • rr: carro, barro, birra, burro, arroz
    • ss: assistir, assunto, assento, isso, assar
    • qu e gu (seguidos de e ou i): aquilo, guerra, águia, questão, quilo, querido
    • sc: descer, nascer, ascensão, descendente
    • sç: nasço, cresça
    • xc: exceção, excesso
    • xs: exsurgir, exsudar, exsuar

    Dígrafos Vocálicos

    O encontro de duas letras que formam um som apenas, sendo este um som vocálico.

    Exemplos:

    • am: amparar, campo, pampa
    • an: antigo, sangue, antes
    • em: lembrar, sempre, empatar
    • en: encontrar, tento, vento
    • im: importar, limpo, símbolo
    • in: indicar, tingir, lindo
    • om: ombro, rombo, ponpa
    • on: ontem, tonto, onda
    • um: umbigo, bumbo, algum
    • un: fundo, tonto, mundo

  • não entendi a resposta. Não seria a letra "A"? qual seria o dígrafo consonantal de "aquecido"? para mim "u" não seria uma vogal??
    vlw gente!
  • Olá Ludmila, Dígrafo nada mais é que dois diagramas(letras) que representam um só fonema apenas um som).

    Na palavra AQUECIDO - o "QU" é um dígrafo pois tem o som de "Q" .

    Experimenta pronunciar a palavra.
    Ao invés de pronunciarmos  "aqUecido", pronunciamos "AQECIDO", entendeu?

    Esse assunto está diretamente ligado a Fonética/ Fonologia.

    Espero ter te ajudado, bom estudo!
  • Oi Ludmilla,

    A letra "a" na verdade contém ENCONTROS CONSONANTAIS, e o que o examinador solicitou na questão foi DÍGRAFOS CONSONANTAIS, sendo a letra "C" a alternativa que continha apenas o requerido, como bem exposto e fundamentado pelos demais colegas.

  • segundo o professor Prof. Hugo Magalhães
    A questão aborda FONOLOGIA, isto é, o estudo dos fonemas de uma língua.
    “Dígrafos consonantais”...hummmm...vejamos.
    Dígrafo é um grupo de duas letras que representa único som ou articulação.
    Podemos dividir os dígrafos da língua portuguesa em dois grupos: os consonantais e
    os vocálicos.
    Dígrafos consonantais
    Dígrafo Exemplos
    ch chuva, China
    lh alho, milho
    nh sonho, venho
    rr (usado unicamente entre vogais) barro, birra, burro
    ss (usado unicamente entre
    vogais) assunto, assento, isso
    sc ascensão, descendente
    sç nasço, cresça
    xc exceção, excesso
    gu guelra, águia
    qu questão, quilo
    O que significa é: gu e qu nem sempre representam dígrafos. Isso ocorre apenas
    quando, seguidos de e ou i, representam os fonemas /g/ e /k/: guerra, quilo. Nesses
    casos, a letra u não corresponde a nenhum fonema. Em algumas palavras, no entanto,
    o u representa uma semivogal ou uma vogal: aguentar1, linguiça1, frequente1,
    tranquilo1, averigúe, argúi - o que significa que gu e qu não são dígrafos. Também
    não há dígrafo quando são seguidos de a ou o: quando, aquoso, averiguo.
    No Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, que já está valendo desde de 1 de
    janeiro de 2009, não mais existirá o trema, mas não mudará de maneira alguma a
    pronuncia de gu e qu.
    Dígrafos vocálicos
    Quando m e n aparecem no final da sílaba.
    DígrafoExemplos
    am/an campo, sangue
    em/en sempre, tento
    im/in limpo, tingir
    om/on rombo, tonto
    um/un bumbo, sunga
    LETRA A- ATRAVÉS – PROBLEMAS – CRATERAS – CABLOCOS (Neste item, temos, na verdade, ENCONTROS CONSONANTAIS PERFEITOS, pois os
    fonemas consonantais fazem parte de uma mesma sílaba. Veja em destaque)

    LETRA B- TERNURA – CASPA – RESULTADO – ÊXTASE (Aqui, já temos ENCONTROS CONSONANTAIS IMPERFEITOS, pois os fonemas consonantais estão em sílabas diferentes.)

    LETRA C – item a marcar -FARRISTA – AQUECIDO – EXCETO – MILHARAL
    Agora temos, de fato, verdadeiros DÍGRAFOS CONSONANTAIS. Veja em destaque.

    LETRA D- TAMPAS – VENTANIA – SINTOMA – FUNDAÇÃO (Neste item, temos DÍGRAFOS VOCÁLICOS, pois as duas letras destacadas, na verdade, têm um único som, isto é, representam um único fonema, no caso,VOCÁLICO.)

    LETRA E -HÁLITO – HÉLICE – HINO – HUMILDE -Neste caso, não temos nada! Hahaha! Nem dígrafo nem encontro consonantal! 
  • Dígrafos: são grupos de letras (vogais e/ou consoantes) que representam um único fonema (unidade sonora mínima). Classificam-se em :
    • Consonantais: ch, lh, nh, ss, rr, sc, sç, xs, xc, gu, qu.
    • Vocálicos: am ( som de ã), an(ã), em, en, im, in, om, on, um, un, desde que as letras m e n não estejam seguidas de vogal.
  • Todas as palavras da alternativa C apresentam digrafos consonantais: farrista – aquecido – exceto – milharal.
  • affff....  rapaz, depois de milhares de questões cespe,fcc...     voltar pro primário é  ......................................   brincadeira viu... que banca é essa
  • Dicas de um colega professor de Português no segundo grau.

    Decorar a tabela: ch, lh, nh, ss, rr, sc, sç, xs, xc, gu, qu 

    e depois 

    "Correr (que tem dígrafo no RR, eis a tabela) pro abraço"! (que não tem dígrafo no br,dado a ocorrência de dois sons)
    Espero ter diminuído a dúvida!
  • Os dígrafos são: ch, lh, nh, ss, rr, sc, sç, xs, xc, gu, qu
    Força e Fé!
  • Dígrafos ou digramas: são grupos de letras que representam um único fonema. Classificam-se em:

    a) Consonantais: ch, lh, nh, ss, rr, sc, , xs, xc, gu, qu.

    b) Vocálicos: am, an, em, en, im, in, om, on, um, un, desde que as letras m e n não estejam seguidas de vogal.


    (Gramática da Língua Portuguesa para Concursos - Nilson Teixeira de Almeida).

  • c) faRRista - aQUecido - eXCeto - miLHaral

    DÍGRAFOS CONSONANTAIS

  • Gabarito C

     

     a) através – problemas – crateras – caboclos (encontro consonantal perfeito)

     b) ternura – caspa – resultado – êxtase (encontro consonantal imperfeito)

     c) farrista – aquecido – exceto – milharal (dígrafo consonantal)

     d) tampas – ventania – sintoma – fundação (dígrafo vocálico)

     e) hálito (proparoxítona) – hélice (proparoxítona) – hino (paroxítona) – humilde (paroxítona)

  • Na letra C temos a resposta certa, mas atentem para o enunciado que pediu a letra que contém digrafos consonantais e não a que apresentava APENAS dígrafos consonantais.

     

    Claro que se tivesse algum dígrafos consonantal em outra alternativa a questão não seria anulada e nem aceitariam recurso. Só não sabemos se foi proposital.

  • Darbio Rubem de Macedo Filho, fazemos questões para acertar e passar e não reclamar, quem está aqui respondendo essa questão tem motivos para isso. E só um adendo... QUESTÕES que falam de dígrafo consonantal e etc geralmente são para concursos de nível médio, e se está no edital então temos que estudar e pronto. DUVIDO acertar essas questões na hora da prova sem tê-las estudado.

  • na alternativa D temos dígrafos VOCALICOS/NASAL

  • GABARITO C

    Os Dígrafos Consonantais São : CH LH NH RR SS SC SÇ XC XS QU GU


ID
976360
Banca
Exército
Órgão
EsSA
Ano
2012
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

01  Eu que nasci na Era da Fumaça: - trenzinho
      vagaroso com vagarosas
      paradas
      em cada estaçãozinha pobre
05  para comprar
      pastéis
      pés-de-moleque
      sonhos
      - principalmente sonhos!
10  porque as moças da cidade vinham olhar o trem passar;
      elas suspirando maravilhosas viagens
      e a gente com um desejo súbito de ali ficar morando
      sempre...Nisto,
      o apito da locomotiva
15  e o trem se afastando
      e o trem arquejando é preciso partir
      é preciso chegar
      é preciso partir é preciso chegar... Ah, como esta vida é urgente!
20   ...no entanto
      eu gostava era mesmo de partir...
      e - até hoje - quando acaso embarco
      para alguma parte
      acomodo-me no meu lugar
25  fecho os olhos e sonho:
      viajar, viajar
      mas para parte nenhuma...
      viajar indefinidamente...
      como uma nave espacial perdida entre as estrelas.

(QUINTANA, Mário. Baú de Espantos. in: MARÇAL, Iguami Antônio T. Antologia Escolar, Vol.1; BIBLIEX; p. 169.)

Qual das alternativas abaixo é formada por ditongos decrescentes?


Alternativas
Comentários
  • É a letra "b"

    b) inquietação, pouco, aumenta, grau.

    ão   "a" é a vogal e o "o" é a semivogal com som de "U", então ditongo decrescente.

    ou   "o" é a vogal e o "u" é a semivogalentão ditongo decrescente.

    au   "a" é a vogal e o "u" é a semivogal, então ditongo decrescente.

    DICA: o "a" será sempre  VOGAL.


  • E a palavra compreensível? é ditongo crescente ou decrescente???

  • Qual das alternativas abaixo é formada por ditongos decrescentes?

    Simplificando a questão:

    a) estratégia é ditongo crescente 
    b) CERTA
    c) compreensível é hiato
    d) psicologia é ditongo crescente
    d) história é ditongo crescente

  • inquietação não é não é ditongo nasal ?

  • Inquietação é ditongo nasal e também é decrescente. O é vogal e o a semi vogal.

  • inquietação, pouco, aumenta, grau.

  • Ditongo decrescente é aquele em que a vogal vem antes das semivogais "i" e "u"

    inq"ui"etação - A vogal "u" vem antes da semivogal "i"

    p"ou"co - A vogal "o" vem antes da semivogal "u"

    "au"menta - A vogal "a" vem antes da semivogal "u"

    gr"au"- A vogal "a" vem antes da semivogal "u"

    Gabarito letra B

  • O é semivogal?? Aprendi que somente U e I são semivogais.

  • Só observar que a letra B é a única forma com V+SV

  • Bizu:

    A- 4

    E - 3

    O - 2

    E/U - 1

  • B) inquietação, pouco, aumenta, grau.


ID
976390
Banca
Exército
Órgão
EsSA
Ano
2012
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

01  Eu que nasci na Era da Fumaça: - trenzinho
      vagaroso com vagarosas
      paradas
      em cada estaçãozinha pobre
05  para comprar
      pastéis
      pés-de-moleque
      sonhos
      - principalmente sonhos!
10  porque as moças da cidade vinham olhar o trem passar;
      elas suspirando maravilhosas viagens
      e a gente com um desejo súbito de ali ficar morando
      sempre...Nisto,
      o apito da locomotiva
15  e o trem se afastando
      e o trem arquejando é preciso partir
      é preciso chegar
      é preciso partir é preciso chegar... Ah, como esta vida é urgente!
20   ...no entanto
      eu gostava era mesmo de partir...
      e - até hoje - quando acaso embarco
      para alguma parte
      acomodo-me no meu lugar
25  fecho os olhos e sonho:
      viajar, viajar
      mas para parte nenhuma...
      viajar indefinidamente...
      como uma nave espacial perdida entre as estrelas.

(QUINTANA, Mário. Baú de Espantos. in: MARÇAL, Iguami Antônio T. Antologia Escolar, Vol.1; BIBLIEX; p. 169.)

Assinale a opção em que o vocábulo difere dos demais pelo número de sílabas.

Alternativas
Comentários
  • Índios = Ín-dios  ->> Dissílabo

    Demais ->> Trissílabos

  • VA DI OS

    ÍN DIOS

    MA TÉ RIA

    EU RO PEUS 

    BA HI A


  • Não consegui entender a separação de vadios.

  • Eu fiquei confusa entre vadios e índios, a separação parece ser muito parecida.

  • Essa questão suscita dúvida. índios pode ser separado das duas maneiras: Ín-dios e ín-di-os. termina em ditongo crescente que pode ser separado.

  • Essa questão deveria ser anulada. Hoje em dia não há posicionamento sustentado sobre ín-di-os, ou ín-dios.

  • EsSa vai ser sempre uma das piores.

  • No caso de MATÉRIA o RI-A não seria separado? Ditongo, não?

  • ■ Exceções: Palavras terminadas em hiato 'i-o'; com a sílaba anterior acentuada são indivisíveis. Exemplos: ar-má-rio, bal-dio, ca-ná-rio, con-do-mí-nio, Má-rio.

    Fonte:https://www.separaremsilabas.com/index.php?lang=index.php&p=%C3%ADndios&button=Separa%C3%A7%C3%A3o+das+s%C3%ADlabas

  • Justificativa da solução da questão (B). Trata-se de um vocábulo dissílabo (2 sílabas) 

    Justificativas das alternativas que não respondem à questão. A) Vocábulo trissílabo (3 sílabas). C) Vocábulo trissílabo (3 sílabas). D) Vocábulo trissílabo (3 sílabas). E) Vocábulo trissílabo (3 sílabas).

  • QUESTÃO DEVERIA SER ANULADA!

  • PAREM DE FALAR DE ANULAÇÃO E ESTUDEM PELA GRAMÁTICA DO EDITAL.

  • VA-DI-OS

    ÍN-DIOS

    MA-TÉ-RIA

    EU-RO-PEUS

    BA-HI-A

    Espero ter ajudado.

  • Quando o acento tônico está na semivogal do encontro vocálico, deve haver a separação dessas vogais...

    Foneticamente, temos:

    ÍN-DIOS

    MA- - RIA

    EU-RO-PEUS ("E" recebe acento tônico mas é vogal, então, não separa).

    BA-HI-A ("I" recebe acento tônico e é semivogal, logo, separa).

    A=4

    O=3

    E=2

    U/I=1

    QUANDO TEMOS "U" E "I" (QUE POSSUEM MESMO VALOR), O QUE VEM PRIMEIRO POSSUI VALOR MAIOR. EXCETO EM PALAVRAS QUE NO ANTIGO ACORDO ORTOGRÁFICO POSSUÍAM TREMA NO "U", NESSA SITUAÇÃO, O "U" É SEMIVOGAL.


ID
977557
Banca
FUNRIO
Órgão
MPOG
Ano
2013
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

As questões 01 a 04 tomarão por base o seguinte texto:


      Uma negociação bem-sucedida se concretiza quando duas partes com interesses distintos cedem um pouco em favor da conquista de um objetivo comum maior. Sob essa ótica, democratas e republicanos não têm muito a comemorar no acordo da semana passada que tentou pôr em ordem as contas do governo. É verdade que o presidente eleito Barack Obama conseguiu afastar o risco imediato do “abismo fiscal” cavado por anos a fio de gastos acima das receitas. Os dois lados conseguiram evitar que aumentos abrangentes de impostos entrassem em vigor imediatamente, o que poria em perigo a retomada ainda titubeante da economia americana. Obama e a oposição concordaram em não punir mais a classe média, por enquanto. O imposto de renda será reajustado apenas para o 1% mais rico da população.

                                                         (Revista Veja, edição 2.303, ano 46, nº 4, 09 de janeiro de 2013.)

Sobre a identificação de encontros consonantais, encontros vocálicos e dígrafos é CORRETO afirmar que

Alternativas
Comentários
  • Gabarito: A

    Dígrafo é quando duas letras emitem um único som! Teste os dígrafos dessas palavras: assar, banho, arroz, querido.

    Percebe que ao pronunciar ss em assar, nh em banho,rr em arroz e qu em querido, emitimos apenas um fonema?

    Então, quando isso ocorre, chamamos de dígrafo, o qual compreende o seguinte grupo de letras: lhnhch,rrssqu e gu (seguidos de e ou i), scxcxs.

    Observe as palavras: quente e sequência. A primeira possui o dígrafo “qu”. No entanto, a segunda não compreende um dígrafo, uma vez que a vogal “u” é pronunciada.
    Da mesma forma ocorre com a dupla “cegueira” e “aguentar”. O “u” no primeiro termo não é pronunciado e, portanto, trata-se de um dígrafo, ao contrário do que acontece no segundo termo.

    Portanto, fique atento aos dígrafos “gu” e “qu” seguidos de e ou i!

    Vejamos alguns exemplos de palavras com dígrafos:

    alho = lh
    chuva = ch
    ninho = nh
    carro = rr
    assistir = ss
    águia = gu
    aquilo = qu
    nascer = sc
    descer = sc
    cresça = sç
    exceção = xc
    exsurgir = xs


    Além desses, há os chamados dígrafos vocálicos, os quais são formados pelas vogais nasais seguidas de “m” ou “n” (am, an, em, en, im, in, om, on, um e un): amparar, antigo, lembrar, encontrar, importar, indicar, ombro, onda, umbigo, fundo.

    Interessante: Uma observação que podemos fazer é que toda segunda letra do dígrafo não compreende um fonema, mas sim uma letra diacrítica, ou seja, ela constata que tipo de som deverá ser emitido. Lembre-se também que o “h” não é um fonema, mas uma letra, considerada etimológica, ou seja, que permanece em nosso idioma por uma questão de origem.

    IMPORTANTE: Jamais confunda encontro consonantal com dígrafo, pois no primeiro há o encontro de duas consoantes com sons distintos (cartela = rt) e no segundo, como vimos, há a pronúncia de apenas um som (massa).

    Fonte:http://www.brasilescola.com/gramatica/digrafo.htm
  • Por que a Letra D está errada?
    não consegui identificar o erro...
  • Na letra D temos a seguinte situação:
    CONQUISTA = con - quiS - Ta = encontro consonantal
    OBJETIVO = oB - Je - ti - vo = encontro consonantal
    AUMENTO = au - mEN - to = DÍGRAFO VOCÁLICO

    espero ter ajudado
  • LETRA A

    Porque a letra A esta correta?


    O grupo de letras am, em, im, om, um, an, en, in, on, un estando em palavras que ao serem separadas permanecem juntas, formam os famosos DÍGRAFOS VOCÁLICOS. Vejamos:

    DIS - TIN - TOS
    PRE - SI - DEN - TE
    IM - POS - TO

    Caso fiquem em sílabas separadas, serão Encontros Consonantais!

    Foco, força e fé!  ;)


  • Comentário:
    A assertiva (A), resposta da questão, pegou muitos candidatos. Nessa opção, todas as palavras contêm dígrafos vocálicos nas sílabas destacadas: distintos – encontros – imposto.             Nas demais opções:
     
    b) apenas a palavra oposição contém ditongo. Em quando, há dígrafo, e em duas, ocorre hiato.
    c) a palavra muito apresenta ditongo.
    d) o vocábulo aumentos não contém encontro consonantal, mas sim um ditongo e um dígrafo vocálico, respectivamente: aumentos.
    e) não há tritongo em qualquer dos vocábulos.
     
    Gabarito: A.
    fonte:https://www.estrategiaconcursos.com.br/blog/mpog-prova-comentada-de-lingua-portuguesa-3/
  • Dígrafo

    O nome já explica do que se trata: dupla grafia, formando, contudo, apenas

    um fonema. Os casos são: RR, SS, CH, LH, NH, GU, QU, SC, XC, SÇ e as

    NASALIZAÇÕES representadas pelas letras M e N.

    Ex.: carro, osso, enchova, molho, unha, jogue, querido, oscilação, exceder,

    nasço, campo, tonto.

    Obs.: As letras ocorrentes nos dígrafos RR, SS, SC, XC, SÇ não podem ficar na

    mesma sílaba.

    Ex.: EX-CE-LEN-TE; GUER-RA; AS-SAS-SI-NO; NAS-CER.

    Obs.: “AM” e ”EM”, em fim de palavra, não formam dígrafos, mas sim ditongos.

    Ex.: COMPRAVAM (VÃU), TAMBÉM (BEIM).

    Obs.: Os dígrafos consonantais são aqueles em que a consoante se pronuncia:

    RR, SS, CH, LH, NH, SC, XC, SÇ, GU e QU – repare que, nesses dois

    últimos casos, pronunciam-se as consoantes G (GUE) e Q (QUE).

    Todos os casos de nasalização formam os dígrafos v ocálicos, pois são as v ogais

    nasalizadas que são pronunciadas.


  • Gabarito A.

    A) Certo. Caso de Dígrafo em que a sílaba é terminada em M ou N. Considera-se um som apenas. Ex: Dis-tin-to, pre-si-den-de.

    B) Errado. "Duas" tem hiato. Hiato é formado por duas vogais, separadas em sílabas vizinhas. Du-as. As demais palvras estão corretas.

    C)  Errado. "Muito" tem ditongo. Ditongo é formado por uma vogal e uma semivogal na mesma sílaba. Mui-to. As demais palvras estão corretas

    D)  Errado. "Aumento" tem dígrafo, portanto, não há encontro consonantal. Dígrafo ocorre em duas letras com um som apenas. (SS, RR) ou sílabas terminadas em M e N. No item, há dígrafo em aumento, em que EN é considerado como um único fonema. Por isso, au-men-to não tem encontro consonantal. 

    E)  Errado. Não há tritongo em nenhuma das palavras. Tritongo é o encontro de uma semivogal, vogal e semivogal. Ex: saguão

  • Gabarito A.

    A) Certo. Caso de Dígrafo em que a sílaba é terminada em M ou N. Considera-se um som apenas. Ex: Dis-tin-to, pre-si-den-de.

    B) Duas tem hiato. Hiato é formado por duas vogais, separadas em sílabas vizinhas. Du-as. As demais palvras estão corretas.

    C) Muito tem ditongo. Ditongo é formado por uma vogal e uma semivogal na mesma sílaba. Mui-to. As demais palvras estão corretas

    D) Aumento tem dígrafo, portanto, não há encontro consonantal. Dígrafo ocorre em duas letras com um som apenas. (SS, RR) ou sílabas terminadas em M e N. No item, há dígrafo em aumento, em que EN é considerado como um único fonema. Por isso, au-men-to não tem encontro consonantal. 

    E) não há tritongo em nenhuma das palavras. Tritongo é o encontro de uma semivogal, vogal e semivogal. Ex: saguão. 

  • Por que a palavra " Oposição" é ditongo * "o" é semivogal ?? *- Semivogais não são somente "i" ,"u". 

  • Dígrafos ou digramas: são grupos de letras que representam um único fonema. Classificam-se em:

    a) consonantais: ch, lh, nh, ss, rr, sc, sç,xs, xc, gu, qu. Ex: Malha, cheque.

    b) vocálicos: am, an, em, en, im, in, om, on, um, un, desde que as letras m e n, não estejam seguidas de vogal. Ex: interior, ontológico.


  • Sinceramente... não entendi o "por quê da resposta" à questão ser o item "a": "há dígrafo nas seguintes palavras: distintos, presidente e imposto."

  • questão ; A

     Sim foneticamente temos: dis-t~i-to

                                                pre-si-d~e-te

                                                 ~i-pos-to  , "tin, den, im", ~termos nasalizados, duas letras com apenas um som.

  •  c)há hiato nas seguintes palavras: negociação, muito e imediato


    não entendi por que estão dizendo que negociação e imediato tem hiato?

    pois  a sílaba mais forte é ção, e na palavra imediato o "a" é mais forte então não seria um ditongo "i" semi-vogal  e "a" vogal?

    ??Alguém explique!

  • é simples gabriel:

    ne-go-ci-a-ção; i-me-di-a-to

  • ola pessoal por que os videos de portugues esta travando

  • Negociação e imediato são ditongos decrescentes. 

  • Gabarito A

    todas as palavras contêm dígrafos vocálicos nas sílabas destacadas: distintos – encontros – imposto.          

    Nas demais opções:
     
    b) ERRADA - apenas a palavra oposição contém ditongo. Em quando, há dígrafo, e em duas, ocorre hiato.

  • M ou N depois de vogal forma dígrafo vocálico, pois acabam nasalizando a letra anterior, ex. importado = i~portado. Ou seja, duas letras formando um só som. 


    Att. ja errei algumas questões por não me ater à ideia de que existem dígrafos formados por vogais!!

  • olha a casca de banana aí, minha gente!

    não esqueçam dos dígrafos vocálicos.

    o M ou N dos dígrafos vocálicos não são consoantes. 

  • Errei presidente "marvado"

    Se fosse presidenta eu ficaria mais conformado, considerando a atual situação na qual estamos todos lascados mesmo. kkkk

  •  a)distintos, presidente e imposto dígrafo

    b)quando:ditongo crescente e dígrafo, duas:hiato, oposição:ditongo decrescente

    c)negociação:hiato e ditongo decrescente, muito:hiato, imediato:hiato

    d) conquista e objetivo encontro consonantal, aumento:dígrafo

    e) imediatamente e  titubeante:hiato, população:ditongo decrescente

  • Dígrafos  VOCÁLICOS, rs não ensinam isso a gente.


    Vai uma lista com dígrafos vocálicos galera

    campo

    encampar 

    lembar 

    tonto

    canto

    importar 

    ontem 

    fundo 


  • Professor maravilhoso. explica muito bemm

  • DIGRAFOS VOCALICOS ( se cair na sua prova, 90% vão errar)  :A,E,I,O,U + M ou N . ( am, an, em,en, im, in, om,on, um,un).

     

    GABARITO ''A''

     a) há dígrafo nas seguintes palavras: distintos, presidente e imposto. 

     

  • Digrafos VOCÁLICOS

  • Compreender a fonologia é essencial, não adianta ir direto para a sintaxe, sem antes saber a sonorização da palavra.


ID
1002925
Banca
AOCP
Órgão
Colégio Pedro II
Ano
2010
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Em 6 anos, 21.240 armas de guardas privados foram para mãos de bandidos

Das 97.549 armas de fogo que foram registradas em nome de empresas de segurança e de  transportes de valores em São Paulo desde 2004, 21.240 (22%) foram furtadas ou roubadas. Ou seja, uma em cada cinco armas do arsenal das empresas de segurança foi parar nas mãos de bandidos. Os dados foram divulgados ontem pelo Instituto Sou da Paz, como parte da pesquisa Implementação do Estatuto do Desarmamento: do Papel para a Prática. As informações têm por base o Sistema de Segurança e Vigilância Privada (Sisvip) da Polícia Federal e a pesquisa traz um balanço de seis anos do Estatuto do Desarmamento. "O dado permite diferentes leituras. Uma delas é a de que o porte de armas não parece inibir a abordagem dos ladrões. Outra sugere que os seguranças podem estar sendo procurados porque diminuiu a quantidade de armas nas mãos dos civis", afirma o diretor do Sou da Paz, Denis Mizne. "Mas esses números também revelam que existem problemas no setor que devem ser investigados pela PF." Segundo os  pesquisadores, há brechas na fiscalização por parte da PF. Números da CPI do Tráfico de Armas já apontavam para a gravidade do problema. Conforme dados da Polícia Civil do Rio, das 10 mil armas apreendidas com criminosos entre 1998 e 2003 no Estado, 17% pertenciam a empresas de segurança privada. Clandestinidade. Existem hoje no Brasil 1,1 milhão de vigilantes - e 350 mil trabalham em empresas de segurança. Só em São Paulo, de acordo com o sindicato patronal (Sesvesp), há 128 mil vigilantes. "Podemos dizer ainda que, para cada funcionário de empresa regularizada, existem dois em empresas irregulares", afirma o empresário Vitor Saeta, diretor do Sesvesp. "As empresas que atuam com segurança externa costumam ser as mais visadas.
Em cada ação dos ladrões, podem ser roubadas até cinco armas de uma vez", diz. Em julho, uma viatura de escolta armada da empresa Pentágono, que Saeta dirige, foi abordada por um desses grupos. A quadrilha estava em dois carros e usava armas longas e fuzis. Os vigilantes acompanhavam um caminhão que transportava um insumo industrial na Grande São Paulo. A carga foi desviada e a viatura, com os vigilantes, abandonada em Pirituba, na zona norte de São Paulo. "As armas mais usadas pelos vigilantes são os revólveres calibre 38. Quando roubadas, são usadas em crimes comuns. Escoltas externas são as que usam armas longas, que  interessam ao crime organizado."


Disponível em: http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20100429/not_imp5 44488,0.php.

Acesso em 28 1abr 2010.

Assinale a alternativa que NÃO apresenta um encontro consonantal.

Alternativas
Comentários
  • Gabarito A

     

    Carros - rr - dígrafo

     

    Dígrafo é quando duas letras emitem um único som! Teste os dígrafos dessas palavras: assar, banho, arroz, querido.



    Percebe que ao pronunciar ss em assar, nh em banho, rr em arroz e qu em querido, emitimos apenas um fonema?

     


    Então, quando isso ocorre, chamamos de dígrafo, o qual compreende o seguinte grupo de letras: lhnhchrrssqugu (seguidos de e ou i), scxcxs.

     


    Observe as palavras: quente e sequência. A primeira possui o dígrafo “qu”. No entanto, a segunda não compreende um dígrafo, uma vez que a vogal “u” é pronunciada.

     


    Da mesma forma ocorre com a dupla “cegueira” e “aguentar”. O “u” no primeiro termo não é pronunciado e, portanto, trata-se de um dígrafo, ao contrário do que acontece no segundo termo.

     


    Portanto, fique atento aos dígrafos “gu” e “qu” seguidos de e ou i!

     

    HEY HO LET'S GO!

  • carro=digrafo=2 letras=1 som

  • a) Carros

     

     

    Encontro Consonantal - Quando duas ou mais consoantes aparecem juntas num mesmo vocábulo. (ambas são pronunciadas).

    Exemplos: Trama (Tra - ma) na mesma sílaba próprio ou perfeito. Teste (Tes - te) em sílabas separadas impróprio ou imperfeito.

     

     

    Dígrafo ou Digrama - Quando a língua recorre a duas letras para representar um só fonema (som).

    Exemplos: Carro, naa, chave, massa, exceção.

  • CARROS

    São dígrafos sempre: CH,NH,LH,RR,SS,QU, GU,SC,SÇ, XC,XS.

  • [GABARITO: LETRA A]

    ENCONTRO CONSONANTAIS: Agrupamento de consoantes. Há três tipos: Perfeito, Imperfeito (Disjunto) e fonético (Dífono).

    PERFEITO: Lado a lado, mesma sílaba. Ex: BRa – sil.

    IMPERFEITO: Lado a lado, más sílabas diferentes. Ex: CaCTo.

    FONÉTICO: Letra X com som de KS. Ex: Táxi – TaKSi.

    OBS: M e N pós-vocálicas não são consoantes, e sim semivogais ou simples sinais de sinalização.

  • DÍGRAFOS: quando duas letras são usadas para representar um único fonema. Os dígrafos podem ser:

    Consonantais: LH, NH, CH, RR, SS, QU, GU, SC, SÇ, XC. Exemplos: palha, escaninho, chuveiro, torrone, passado, querosene, quilo, gueixa, seguinte, descer, cresço, exceção.

    Vocálicos: AM, AN, EM, EN, IM, IN, OM, ON,UM, UN. Exemplos: campo, manto, tempo, venda, limpo, cinto, quilombo, ponto, macumba, rotunda.

  • Dígrafo = 2 consoantes com um único som.

    Encontro consonantal = 2 consoantes com sons distintos.

  • A questão é de fonologia e quer que assinalemos a alternativa que NÃO apresenta um encontro consonantal. Vejamos:

     .

    Encontro consonantal é a sequência de dois ou mais fonemas consonânticos numa palavra. Ou seja, é o encontro de duas ou mais consoantes numa palavra, sem existir uma vogal no meio delas. Ex.: brado, creme, plano, regra, ciclo, atleta, atrás, transtorno, psíquico...

    O encontro consonantal pode ocorrer:

    • na mesma sílaba: cli-ma, flo-res, du-plo, bra-do, re-pre-sa, le-tra, czar, pseu-dô-ni-mo... (São encontros consonantais inseparáveis, mais frequentemente formados de consoante + ou r)
    • em sílabas diferentes: ad-ven-to, ob-tu-so, ap-to, pac-to, suc-ção, naf-ta, sub-lo-car...(São encontros consonantais separáveis. Ocorrem sempre no interior das palavras e geralmente são formados de duas consoantes)

     .

    A) Carros

    Certo. Em "car-ros" não há encontro consonantal. O que há é o dígrafo consonantal "rr".

    Dígrafo é o grupo de duas letras representando um só fonema (som). Na palavra "chave", por exemplo, que se pronuncia "xávi", ocorre o dígrafo "ch". 

    Dígrafos consonantais: (dígrafos que representam consoantes) lh, ch, nh, rr, ss, qu, gu, sc, sç, xc, xs. 

    Dígrafos vocálicos: (dígrafos que representam vogais nasais) am, em, im, om, um, an, en, in, on, un.

     .

    B) Parte

    Errado. Em "par-te" há o encontro consonantal "rt".

     .

    C) Porte

    Errado. Em "por-te" há o encontro consonantal "rt".

     .

    D) Armas

    Errado. Em "ar-mas" há o encontro consonantal "rm".

     .

    E) Carga

    Errado. Em "car-ga" há o encontro consonantal "rg".

     .

    Gabarito: Letra A

  • ENCONTRO CONSONANTAL NÃO É A MESMA COISA QUE DÍGRAFOS

    GAB A


ID
1002928
Banca
AOCP
Órgão
Colégio Pedro II
Ano
2010
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Em 6 anos, 21.240 armas de guardas privados foram para mãos de bandidos

Das 97.549 armas de fogo que foram registradas em nome de empresas de segurança e de  transportes de valores em São Paulo desde 2004, 21.240 (22%) foram furtadas ou roubadas. Ou seja, uma em cada cinco armas do arsenal das empresas de segurança foi parar nas mãos de bandidos. Os dados foram divulgados ontem pelo Instituto Sou da Paz, como parte da pesquisa Implementação do Estatuto do Desarmamento: do Papel para a Prática. As informações têm por base o Sistema de Segurança e Vigilância Privada (Sisvip) da Polícia Federal e a pesquisa traz um balanço de seis anos do Estatuto do Desarmamento. "O dado permite diferentes leituras. Uma delas é a de que o porte de armas não parece inibir a abordagem dos ladrões. Outra sugere que os seguranças podem estar sendo procurados porque diminuiu a quantidade de armas nas mãos dos civis", afirma o diretor do Sou da Paz, Denis Mizne. "Mas esses números também revelam que existem problemas no setor que devem ser investigados pela PF." Segundo os  pesquisadores, há brechas na fiscalização por parte da PF. Números da CPI do Tráfico de Armas já apontavam para a gravidade do problema. Conforme dados da Polícia Civil do Rio, das 10 mil armas apreendidas com criminosos entre 1998 e 2003 no Estado, 17% pertenciam a empresas de segurança privada. Clandestinidade. Existem hoje no Brasil 1,1 milhão de vigilantes - e 350 mil trabalham em empresas de segurança. Só em São Paulo, de acordo com o sindicato patronal (Sesvesp), há 128 mil vigilantes. "Podemos dizer ainda que, para cada funcionário de empresa regularizada, existem dois em empresas irregulares", afirma o empresário Vitor Saeta, diretor do Sesvesp. "As empresas que atuam com segurança externa costumam ser as mais visadas.
Em cada ação dos ladrões, podem ser roubadas até cinco armas de uma vez", diz. Em julho, uma viatura de escolta armada da empresa Pentágono, que Saeta dirige, foi abordada por um desses grupos. A quadrilha estava em dois carros e usava armas longas e fuzis. Os vigilantes acompanhavam um caminhão que transportava um insumo industrial na Grande São Paulo. A carga foi desviada e a viatura, com os vigilantes, abandonada em Pirituba, na zona norte de São Paulo. "As armas mais usadas pelos vigilantes são os revólveres calibre 38. Quando roubadas, são usadas em crimes comuns. Escoltas externas são as que usam armas longas, que  interessam ao crime organizado."


Disponível em: http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20100429/not_imp5 44488,0.php.

Acesso em 28 1abr 2010.

Todas as alternativas abaixo apresentam um dígrafo, EXCETO

Alternativas
Comentários
  • cinco-digrafo nasal

    pesquisa=pesqisa

    brechas=brexas

    julho=julo

  • Gab. B - escolta.

  • [GABARITO: LETRA B]

    DÍGRAFO: Agrupamento de duas letras com apenas um fonema. E podem ser CONSONANTAIS ou VOCÁLICOS.

    CONSONANTAL: RR, SS, SC, SÇ, XC, XS, LH, NH, CH, QU, GU.

    QU e GUSó serão dígrafos se estiverem seguidos de ou I.

    VOCÁLICO: É o encontro de uma vogal com M ou N na mesma sílaba: AM, AN, EM EN, IM, IN, OM, ON, UM, UN.

    A função do N é indicar a vogal nasal. Não representam outro som.

    FONTE: MEUS RESUMOS.

  • ES-COL-TA ----Aparenta ser dígrafo por ter SC. porém, dígrafo são 2 letras que representam o som de 1!!!

    em escolta, você ouve todas as letras.

  • dígrafos: quando 2 letras representam 1 fonema

    Os dígrafos podem ser:

    Consonantais: CH, LH, NH, RR, SS, SC, SÇ, XC, GU, QU

    Ex: guerreiro, queda, chave, lhama, nhoque, arrastão, assado, descendente;

    Vocálicos: am/an, em/en, im/in, on/om/ um/un.

    Ex.: campo, anta/empresa, entrada/imbatível, caindo/ombro, onda/umbigo, untar.

  • a) Cin-co - dígrafo nasal (ou vocálico)

    b) Escolta - não possui dígrafo, logo é a correta.

    c) Pesquisa. - dígrafo consonantal.

    d) Brechas - dígrafo consonantal.

    e) Julho. - dígrafo consonantal.

  • A questão é de fonologia e quer saber qual das alternativas abaixo NÃO apresenta um dígrafo. Vejamos:

     .

    Dígrafo é o grupo de duas letras representando um só fonema (som). Na palavra "chave", por exemplo, que se pronuncia "xávi", ocorre o dígrafo "ch". 

    Dígrafos consonantais: (dígrafos que representam consoantes) lh, ch, nh, rr, ss, qu, gu, sc, sç, xc, xs. 

    Dígrafos vocálicos: (dígrafos que representam vogais nasais) am, em, im, om, um, an, en, in, on, un.

     .

    A) cinco.

    Errado. Em "cin-co" há o dígrafo vocálico "in".

     .

    B) escolta.

    Certo. Em "es-col-ta" não há dígrafo. "Sc", nesse caso, não é dígrafo, mas, sim, um encontro consonantal, já que representa dois sons distintos. "Sc" só é dígrafo quando seguido das vogais "e" ou "i", representando um único som e assumindo o valor fonético /s/, como, por exemplo, em "nascer, piscina, descida".

     .

    C) pesquisa.

    Errado. Em "pes-qui-sa" há o dígrafo vocálico "qu".

    Obs.: "gu" e "qu" só são dígrafos quando seguidos das vogais "e" ou "i", representando os fonemas /g/ e /k/: guitarra, quilo; nesse caso, a letra 'u' não representa nenhum fonema. NÃO há dígrafos quando são seguidos de "a" ou "o": quase, averiguo.

     .

    D) brechas.

    Errado. Em "bre-chas" há o dígrafo consonantal "ch".

     .

    E) julho.

    Errado. Em "ju-nho" há o dígrafo consonantal "nh".

     .

    Gabarito: Letra B


ID
1002931
Banca
AOCP
Órgão
Colégio Pedro II
Ano
2010
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Em 6 anos, 21.240 armas de guardas privados foram para mãos de bandidos

Das 97.549 armas de fogo que foram registradas em nome de empresas de segurança e de  transportes de valores em São Paulo desde 2004, 21.240 (22%) foram furtadas ou roubadas. Ou seja, uma em cada cinco armas do arsenal das empresas de segurança foi parar nas mãos de bandidos. Os dados foram divulgados ontem pelo Instituto Sou da Paz, como parte da pesquisa Implementação do Estatuto do Desarmamento: do Papel para a Prática. As informações têm por base o Sistema de Segurança e Vigilância Privada (Sisvip) da Polícia Federal e a pesquisa traz um balanço de seis anos do Estatuto do Desarmamento. "O dado permite diferentes leituras. Uma delas é a de que o porte de armas não parece inibir a abordagem dos ladrões. Outra sugere que os seguranças podem estar sendo procurados porque diminuiu a quantidade de armas nas mãos dos civis", afirma o diretor do Sou da Paz, Denis Mizne. "Mas esses números também revelam que existem problemas no setor que devem ser investigados pela PF." Segundo os  pesquisadores, há brechas na fiscalização por parte da PF. Números da CPI do Tráfico de Armas já apontavam para a gravidade do problema. Conforme dados da Polícia Civil do Rio, das 10 mil armas apreendidas com criminosos entre 1998 e 2003 no Estado, 17% pertenciam a empresas de segurança privada. Clandestinidade. Existem hoje no Brasil 1,1 milhão de vigilantes - e 350 mil trabalham em empresas de segurança. Só em São Paulo, de acordo com o sindicato patronal (Sesvesp), há 128 mil vigilantes. "Podemos dizer ainda que, para cada funcionário de empresa regularizada, existem dois em empresas irregulares", afirma o empresário Vitor Saeta, diretor do Sesvesp. "As empresas que atuam com segurança externa costumam ser as mais visadas.
Em cada ação dos ladrões, podem ser roubadas até cinco armas de uma vez", diz. Em julho, uma viatura de escolta armada da empresa Pentágono, que Saeta dirige, foi abordada por um desses grupos. A quadrilha estava em dois carros e usava armas longas e fuzis. Os vigilantes acompanhavam um caminhão que transportava um insumo industrial na Grande São Paulo. A carga foi desviada e a viatura, com os vigilantes, abandonada em Pirituba, na zona norte de São Paulo. "As armas mais usadas pelos vigilantes são os revólveres calibre 38. Quando roubadas, são usadas em crimes comuns. Escoltas externas são as que usam armas longas, que  interessam ao crime organizado."


Disponível em: http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20100429/not_imp5 44488,0.php.

Acesso em 28 1abr 2010.

Assinale a alternativa que apresenta uma palavra separada corretamente.

Alternativas
Comentários
  • nenhuma está correta...

    Confira em separaemsilabas.com

  • interessante eu estava eliminado alternativas daí cheguei no i com todas as alternativas eliminadas kkkkkkkk


ID
1003471
Banca
AOCP
Órgão
Colégio Pedro II
Ano
2010
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Em 6 anos, 21.240 armas de guardas privados foram para mãos de bandidos

Das 97.549 armas de fogo que foram registradas em nome de empresas de segurança e de  transportes de valores em São Paulo desde 2004, 21.240 (22%) foram furtadas ou roubadas. Ou seja, uma em cada cinco armas do arsenal das empresas de segurança foi parar nas mãos de bandidos. Os dados foram divulgados ontem pelo Instituto Sou da Paz, como parte da pesquisa Implementação do Estatuto do Desarmamento: do Papel para a Prática. As informações têm por base o Sistema de Segurança e Vigilância Privada (Sisvip) da Polícia Federal e a pesquisa traz um balanço de seis anos do Estatuto do Desarmamento. "O dado permite diferentes leituras. Uma delas é a de que o porte de armas não parece inibir a abordagem dos ladrões. Outra sugere que os seguranças podem estar sendo procurados porque diminuiu a quantidade de armas nas mãos dos civis", afirma o diretor do Sou da Paz, Denis Mizne. "Mas esses números também revelam que existem problemas no setor que devem ser investigados pela PF." Segundo os  pesquisadores, há brechas na fiscalização por parte da PF. Números da CPI do Tráfico de Armas já apontavam para a gravidade do problema. Conforme dados da Polícia Civil do Rio, das 10 mil armas apreendidas com criminosos entre 1998 e 2003 no Estado, 17% pertenciam a empresas de segurança privada. Clandestinidade. Existem hoje no Brasil 1,1 milhão de vigilantes - e 350 mil trabalham em empresas de segurança. Só em São Paulo, de acordo com o sindicato patronal (Sesvesp), há 128 mil vigilantes. "Podemos dizer ainda que, para cada funcionário de empresa regularizada, existem dois em empresas irregulares", afirma o empresário Vitor Saeta, diretor do Sesvesp. "As empresas que atuam com segurança externa costumam ser as mais visadas.
Em cada ação dos ladrões, podem ser roubadas até cinco armas de uma vez", diz. Em julho, uma viatura de escolta armada da empresa Pentágono, que Saeta dirige, foi abordada por um desses grupos. A quadrilha estava em dois carros e usava armas longas e fuzis. Os vigilantes acompanhavam um caminhão que transportava um insumo industrial na Grande São Paulo. A carga foi desviada e a viatura, com os vigilantes, abandonada em Pirituba, na zona norte de São Paulo. "As armas mais usadas pelos vigilantes são os revólveres calibre 38. Quando roubadas, são usadas em crimes comuns. Escoltas externas são as que usam armas longas, que  interessam ao crime organizado."

Disponível em: http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20100429/not_imp5 44488,0.php. Acesso em 28 1abr 2010.


Todas as palavras abaixo apresentam 4 letras e 4 fonemas, EXCETO .

Alternativas
Comentários
  • P-A-R-A  4L 4F

    F-O-G-O  4L  4F

    C-A-D-A  4L  4F

    H-O-J-E  4L  3F ( OJE)

    Z-O-N-A  4L  4F

  • Para reforçar:

    PARA = |P|A|RA|

    FOGO = |F|O|G|O|

    CADA = |K|A|D|A|

    HOJE = |O|J|E|

    ZONA = |Z|O|N|A|

    •  d) hoje. 

  • Fonema é a menor unidade sonora do sistema fonológico de uma língua por essa razão é a resposta (d) com o som de 3 fonemas

     

    Abraços !

  • Gabarito - d

    h o j e= 4 letras;

    o j e= 3 fonemas

  • Alternativa correta: letra D

    5 letras (h-o-r-a-s) e 4 fonemas (o-ras)

  • Essa é dada, vamos combinar.

  •  A letra h, ao iniciar uma palavra, não representa fonema.

    Exemplo: hoje       fonemas: ho / j / e = 3    letras: h o j e = 4

  • H não representa um Fonema no inicio da palavra.

  • Gabarito D

    4  letras e  3  fonemas


    Hoje - oje

  • HOJE = OJE 3 FONEMAS

  • A letra "H" não representa fonema algum, sendo chamada de letra etmológica...

  • GABARITO D

     

    Fonema é a menor unidade sonora do sistema fonológico de uma língua.

    a) para = | p | a | r | a

     

    b) fogo = | f | o | g | o |

     

    c) cada = | k | a | d | a |

     

    d) hoje = | o | j | e | --- 4 letras e 3 fonemas

     

    e) zona = | z | o | n | a |

  • Essa errou quem apertou sem querer, ou nem leu a questão.

  • A letra H nunca representa fonema.

  • H anão representa fonema!!!!!!!
  • Análise:

    a)     Para - Apresenta 4 letras e 4 fonemas (P-A-R-A).

    b)     Fogo - Apresenta 4 letras e 4 fonemas (F-O-G-O).

    c)     Cada - Apresenta 4 letras e 4 fonemas (C-A-D-A).

    d)    Hoje - Apresenta 4 letras e 3 fonemas (O-J-E), pois a letra "H" não possuí som.

    e)     Zona - Apresenta 4 letras e 4 fonemas (Z-O-N-A).

  • Fiquei em dúvida agora com "ZONA" não tem digrafo aí?

  • A letra H é chamada de letra etimológica, pois se manteve do latim até o português atual. Não representa o fonema algum. Perceba, o M e o N usados após (depois) as vogais, nasalizando-as, não são fonemas nem consoantes. O M e o N são apenas marcas de nazalização da vogal como se fossem um til (~). Para facilitar a sua compreensão você pode substituir o N por um ~ ao transcrever a palavra. O N e o M serão classificadoa como fonemas se vierem antes da vogal ou em outra sílaba Fonte: Gramática do Fernando Pestana
  • Hoje possui 3 fonemas.

  • Hoje possui 3 fonemas.

  • [GABARITO: LETRA D]

    DÍGRAFO: Agrupamento de duas letras com apenas um fonema. E podem ser CONSONANTAIS ou VOCÁLICOS.

    CONSONANTAL: RR, SS, SC, SÇ, XC, XS, LH, NH, CH, QU, GU.

    QU e GUSó serão dígrafos se estiverem seguidos de ou I.

    VOCÁLICO: É o encontro de uma vogal com M ou N na mesma sílaba: AM, AN, EM EN, IM, IN, OM, ON, UM, UN.

    A função do N é indicar a vogal nasal. Não representam outro som.

    FONTE: MEUS RESUMOS.

  • Mais fácil, impossível.

  • Hoje --> o/j/e

    Três fonemas

  • Se eu erro essa eu ia ter que comer o livro

  • Quase noventa e três por cento de acertos nas estatísticas, aí aparece professores pra comentar, assim é muito fácil, quero ver comentar as difíceis


ID
1003474
Banca
AOCP
Órgão
Colégio Pedro II
Ano
2010
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Em 6 anos, 21.240 armas de guardas privados foram para mãos de bandidos

Das 97.549 armas de fogo que foram registradas em nome de empresas de segurança e de  transportes de valores em São Paulo desde 2004, 21.240 (22%) foram furtadas ou roubadas. Ou seja, uma em cada cinco armas do arsenal das empresas de segurança foi parar nas mãos de bandidos. Os dados foram divulgados ontem pelo Instituto Sou da Paz, como parte da pesquisa Implementação do Estatuto do Desarmamento: do Papel para a Prática. As informações têm por base o Sistema de Segurança e Vigilância Privada (Sisvip) da Polícia Federal e a pesquisa traz um balanço de seis anos do Estatuto do Desarmamento. "O dado permite diferentes leituras. Uma delas é a de que o porte de armas não parece inibir a abordagem dos ladrões. Outra sugere que os seguranças podem estar sendo procurados porque diminuiu a quantidade de armas nas mãos dos civis", afirma o diretor do Sou da Paz, Denis Mizne. "Mas esses números também revelam que existem problemas no setor que devem ser investigados pela PF." Segundo os  pesquisadores, há brechas na fiscalização por parte da PF. Números da CPI do Tráfico de Armas já apontavam para a gravidade do problema. Conforme dados da Polícia Civil do Rio, das 10 mil armas apreendidas com criminosos entre 1998 e 2003 no Estado, 17% pertenciam a empresas de segurança privada. Clandestinidade. Existem hoje no Brasil 1,1 milhão de vigilantes - e 350 mil trabalham em empresas de segurança. Só em São Paulo, de acordo com o sindicato patronal (Sesvesp), há 128 mil vigilantes. "Podemos dizer ainda que, para cada funcionário de empresa regularizada, existem dois em empresas irregulares", afirma o empresário Vitor Saeta, diretor do Sesvesp. "As empresas que atuam com segurança externa costumam ser as mais visadas.
Em cada ação dos ladrões, podem ser roubadas até cinco armas de uma vez", diz. Em julho, uma viatura de escolta armada da empresa Pentágono, que Saeta dirige, foi abordada por um desses grupos. A quadrilha estava em dois carros e usava armas longas e fuzis. Os vigilantes acompanhavam um caminhão que transportava um insumo industrial na Grande São Paulo. A carga foi desviada e a viatura, com os vigilantes, abandonada em Pirituba, na zona norte de São Paulo. "As armas mais usadas pelos vigilantes são os revólveres calibre 38. Quando roubadas, são usadas em crimes comuns. Escoltas externas são as que usam armas longas, que  interessam ao crime organizado."

Disponível em: http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20100429/not_imp5 44488,0.php. Acesso em 28 1abr 2010.


Assinale a alternativa que NÃO apresenta um ditongo.

Alternativas
Comentários
  • esta questão de ditongo + hiato é tão controversa, o que pensar? Já achei várias posições, alguns dizem ditongo + hiato, alguns falam em iode, já achei também que é só hiato. O que fazer???

  • a) SEIS- não separa- (ditongo)

    b) ATUAM -   A-TU-AM separa (hiato)

    c) AÇÃO-  A-ÇÃO (ditongo)

    d) MAIS- não separa (ditongo)

    e) OUTRA- OU-TRA (ditongo)

  • alguém mais não conseguiu responder?


ID
1021240
Banca
IDECAN
Órgão
COREN-MA
Ano
2013
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Texto

                               Muito além de impressões digitais

      Um passado sem rosto e sem rastro transformou a figura da mãe numa pálida lembrança. E levou consigo a imagem da menina Camila, ex-moradora de rua, sem deixar na adulta a certeza de como era quando criança. Com a morte da mãe no parto do oitavo irmão, há nove anos, depois de peregrinar com os sete irmãos pelas ruas de diversos bairros, ela ganhou uma casa. Foi morar com a tia e cada irmão seguiu para viver com um parente.

      A história da família Gomes, até a geração de Camila Cláudia, hoje com 21 anos, é apenas oral. Não há um único registro fotográfico dessa vida nômade. Nem fotos, nem documentos. Camila não tem certidão de nascimento, o que impede o acesso aos direitos mais elementares. E não se lembra de ter visto fotos da mãe.

      Uma aflição latente ficou de herança. Os nascimentos de Camille, de 2 anos, e Sofia, de 5 meses, trouxeram um novo desejo à vida da menina sem foto. Há pouco menos de dois anos, ela comprou um celular com câmera, exclusivamente para fotografar a primeira filha.

      Camila tem a chance agora de deixar impressa sua passagem pelo mundo. Ela ilustra a farta variedade de estatísticas que apontam para o consumo crescente de celulares e câmeras digitais no país, instrumentos também de inclusão. Nos últimos três anos, o item de consumo que mais cresceu no Brasil foi a câmera digital (de 20% para 35%), indicam os dados da consultoria Kantar WorldPanel, divulgados em setembro. Um estudo da Fecomércio do ano passado mostra que, de 2003 a 2009, o gasto com celular já havia aumentado 63,6% em todas as classes sociais. Na E, chegou a 312%. Soma-se a estes um outro dado, e a equação se completa: cerca de 66% dos brasileiros usam o celular para tirar fotografias, segundo pesquisa do Instituto Data Popular colhida este ano.

      A democratização do acesso se consolidou. Estamos diante de novos tempos, moldados pela democratização do acesso ao registro de imagens. As classes populares deixaram de ser apenas o objeto fotografado e tornaram-se também agentes desse universo pictórico: são produtores em escala crescente, de imagens de seu cotidiano.

                                                                                                  (Revista O globo, novembro de 2012.)

Assinale a alternativa na qual nenhuma das palavras contém dígrafo.

Alternativas
Comentários
  • ígrafo é o agrupamento de duas letras com apenas um fonema. Osdígrafos são rr, ss, sc, sç, xc, xs, ch, lh, nh, qu, gu
  • Desde quando GASTO é dífrago??


  • A questão pede a alternativa em que nenhuma das palavras contém dígrafo.

  • palavradígrafo é formada pelos elementos gregosdi, "dois", e grafo, "escrever". O dígrafo ocorre quando duas letras são usadas para representar um único fonema. Também se pode usar a palavra digrama (di, "dois"; grama, "letra") para descrever essas ocorrências. Isto posto, não se pode dizer que há encontro consonantal nos dígrafos consonantais, pois as letras presentes neles representam apenas uma consoante. Da mesma forma que não se pode dizer que há encontro consonantal nas palavras campo e ponto, pois o "m" e o "n" funcionam essencialmente como sinais de nasalidade da vogal anterior, com o valor de um "til".1 .

    http://pt.wikipedia.org/wiki/D%C3%ADgrafo


  • RESPOSTA B: gasto(ST encontro consonantal imperfeito) – peregrinar(GR encontro consonantal perfeito) – ilustra(S-TR encontro consonantal misto)

    Veja porque estas palavras não possuem dígrafo:

    b) Tipos de Dígrafos

    Os Dígrafos classificam-se em:

    b.1 Dígrafos consonantais
    DÍGRAFO
    EXEMPLO
    LH OLHO, FILHO. NH SONHO, MANHÃ. CH CHAVE, CHAPÉU. RR CARRO, SERRA. SS OSSO, MASSA. QU QUEIJO, QUEBRAR. GU SANGUE, GUERRA. SC NASCER, NASCIMENTO. DESÇO, NASÇO. XC EXCEÇÃO
    lembrando que dígrafo é a representação de duas letras por um único som

  • exceto ("xc") / colhida ("lh") / detalhes ("lh") / pesquisa ("qu" seguido de "i") / impossível ("ss") / narrativa ("rr")

    B

  • b) gasto – peregrinar – ilustra


    Dígrafo é o grupo de duas letras representando um só fonema. Na palavra chave, por exemplo, que se pronuncia xávi, ocorre o dígrafo ch.


    º Dígrafos que representam consoantes:

    ch: chapéu, cheio                               gu (antes de e ou i): guerra, seguinte

    lh: pilha, galho                                     qu (antes de e ou i): leque, aquilo

    nh: banho, ganhar                               sc (antes de e ou i): descer, piscina

    rr: barro, erro                                       (antes de a ou o): desça, cresço

    ss: asseio, passo                                xc (antes de e ou i):  exceção, excitar


    Observação: 

    Em palavras em que as duas letras se pronunciam, os grupos gu, qu, sc e xc não são dígrafos, como nos exemplos: agudo, aguentar, aquático, frequente, escada, exclamar. 


    Fonte: CEGALLA, Domingos Paschoal. Novíssima Gramática da Língua Portuguesa. 48 ed. São Paulo: Nacional, 2008. páginas 30 e 31.

  • Correta Letra-B.

    Nas outras alternativas Há dígrafos: a) exceto(xc) – prova – colhida(lh); c) detalhes(lh) – quando(an) – morte; d) pesquisa(qu) – impossível(ss) – abrir;e) narrativa(rr) – fotografias – história .Só uma observação(A letra H, em início ou fim de palavras, não tem valor fonético; conservou-se apenas o símbolo, por força da etimologia e da tradição escrita).

  • Vermelho = encontro consonantal perfeito (inseparáveis)

     

    Verde = encontro consonantal imperfeito (separáveis) 

     

     Negrito = dígrafo consonantal

     

    Azul = dígrafo vocálico

     

     a) exceto – prova – colhida

     

     b) gasto – peregrinar – ilustra CORRETA

     

     c) detalhes – quando – morte

     

    d) pesquisa – impossível – abrir

     

     e) narrativa – fotografias – história

  • Questão Anulada!!! ( IN da palavra: Peregrinar) é Dígrafo vocálico.

    B

    gasto – peregrinar – ilustra


ID
1058881
Banca
FAURGS
Órgão
TJ-RS
Ano
2013
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

          Devo educar meus filhos para serem éticos?

01          Quando eu tinha uns 8 ou 9 anos, saí de casa para
02   a escola numa manhã fria de inverno. Chegando ___
03   portaria, meu pai interfonou, perguntando se eu estava
04   levando um agasalho. Disse que sim. Ele me perguntou
05   qual. “O moletom amarelo”, respondi. Era mentira.
06   Não estava levando agasalho nenhum, mas estava
07   com pressa, não queria me atrasar.
08          Voltei do colégio e fui ao armário procurar o tal
09   moletom. Não estava lá, nem em nenhum lugar da
10   casa, e eu imaginava _ _ _ _. Gelei. À noite, meu pai
11   chegou de cara amarrada. Ao me ver, tirou de sua
12   pasta o moletom e me disse: “Eu não me importo que
13   tu não te agasalhes. Mas, nesta casa, nesta família,
14   ninguém mente. Tá claro?”. Sim, claríssimo. Esse foi
15   apenas um episódio memorável de algo que foi o
16   leitmotiv da minha formação familiar. Meu pai era um
17   obcecado por retidão, palavra, ética, pontualidade,
18   honestidade, código de conduta, escala de valores,
19   menschkeit (firmeza de caráter, decência fundamental,
20   em iídiche) e outros termos que eram repetitiva e
21   exaustivamente martelados na minha cabeça. Deu
22   certo. Quer dizer, não sei. No Brasil atual, eu me sinto
23   deslocado.
24         Até hoje chego pontualmente aos meus compro-
25   missos e, na maioria das vezes, fico esperando por
26   interlocutores que se atrasam e nem se desculpam
27   (quinze minutos parece constituir uma “margem de
28   erro” tolerável). Até hoje acredito quando um prestador
29   de serviço promete entregar o trabalho em uma data,
30   apenas para ficar exasperado pelo seu atraso. Fico
31   revoltado sempre que pego um táxi em uma cidade
32   que não conheço e o motorista tenta me roubar.
33   Detesto os colegas de trabalho que fazem corpo mole,
34   que arranjam um jeitinho de fazer menos que o devido.
35   Isso sem falar nas quase úlceras que me surgem ao
36   ler o noticiário e saber que, entre os governantes,
37   viceja um grupo de imorais que roubam com criativi-
38   dade e desfaçatez.
39         Sócrates, via Platão, defende que o homem que
40   pratica o mal é o mais infeliz e escravizado de todos,
41   pois está em conflito interno, em desarmonia consigo
42   mesmo, perenemente acossado e paralisado por
43   medos, remorsos e apetites incontroláveis, tendo uma
44   existência desprezível, para sempre amarrado ___
45   algo (sua própria consciência!) onisciente que o
46   condena. Com o devido respeito ao filósofo de Atenas,
47   nesse caso acredito que ele foi excessivamente
48   otimista. Hannah Arendt me parece ter chegado mais
49   perto da compreensão da perversidade humana ao
50   notar que esse desconforto interior do “pecador”
51   pressupõe um diálogo interno, de cada pessoa com a
52   sua consciência, que na verdade não ocorre com a
53   frequência desejada por Sócrates. Para aqueles que
54   cometem o mal em uma escala menor e o confrontam,
55   Arendt relembra Kant, que sabia que “o desprezo por
56   si próprio, ou melhor, o medo de ter de desprezar a si
57   próprio, muitas vezes não funcionava, e a sua explicação
58   era que o homem pode mentir para si mesmo”. Todo
59   corrupto ou sonegador tem uma explicação, uma lógica
60   para os seus atos, algo que justifique o _ _ _ _ de uma
61   determinada lei dever se aplicar a todos, sempre, mas
62   não a ele, pelo menos não naquele momento em que
63   está cometendo o seu delito.
64          Cai por terra, assim, um dos poucos consolos das
65   pessoas honestas: “Ah, mas pelo menos eu durmo
66   tranquilo”. Os escroques também! Se eles tivessem
67   dramas de consciência, se travassem um diálogo
68   verdadeiro consigo e seu travesseiro, ou não teriam
69   optado por sua “carreira” ou já teriam se suicidado.
70   Esse diálogo consigo mesmo é fruto do que Freud
71   chamou de superego: seguimos um comportamento
72   moral _ _ _ _ ele nos foi inculcado por nossos pais, e
73   renegá-lo seria correr o risco da perda do amor paterno.
74          Na minha visão, só existem, assim, dois cenários
75   em que é objetivamente melhor ser ético do que não.
76   O primeiro é se você é uma pessoa religiosa e acredita
77   que os pecados deste mundo serão punidos no próximo.
78   Não é o meu caso. O segundo é se você vive em uma
79   sociedade ética em que os desvios de comportamento
80   são punidos pela coletividade, quer na forma de sanções
81   penais, quer na forma de ostracismo social. O que
82   não é o caso do Brasil. Não se sabe se De Gaulle disse
83   ou não a frase, mas ela é verdadeira: o Brasil não é
84   um país sério.
85          Assim é que, criando filhos brasileiros morando no
86   Brasil, estou ___ voltas com um deprimente dilema:
87   acredito que o papel de um pai é preparar o seu filho
88   para a vida. Esta é a nossa responsabilidade: dar a
89   nossos filhos os instrumentos para que naveguem,
90   com segurança e destreza, pelas dificuldades do mundo
91   real. E acredito que a ética e a honestidade são valores
92   axiomáticos. Eis aí o dilema: será que o melhor que
93   poderia fazer para preparar meus filhos para viver no
94   Brasil seria não os aprisionar na cela da consciência,
95   do diálogo consigo mesmos, da preocupação com a
96   integridade? Tenho certeza de que nunca chegaria a
97   ponto de incentivá-los a serem escroques, mas poderia,
98   como pai, simplesmente ser mais omisso quanto a essas
99   questões. Tolerar algumas mentiras, não me importar
100  com atrasos, não insistir para que não colem na escola,
101  não instruir para que devolvam o troco recebido a
102  mais...
103         O fato de pensar ___ respeito do assunto e de viver
104  em um país em que existe um dilema entre o ensino
105  da ética e o bom exercício da paternidade já é causa
106  para tristeza. Em última análise, decidi dar a meus
107  filhos a mesma educação que recebi de meu pai. Não
108  porque ache que eles serão mais felizes assim – pelo
109  contrário –, nem porque acredite que, no fim, o bem
110  compensa. Mas _ _ _ _, em primeiro lugar, não conse-
111  guiria conviver comigo mesmo – e com a memória de
112  meu pai – se criasse meus filhos para serem pessoas
113  do tipo que ele me ensinou a desprezar. Além disso,
114  porque acredito que sociedades e culturas mudam.
115  Muitos dos países hoje desenvolvidos e honestos eram
116  antros de corrupção e sordidez 100 anos atrás. Um
117  dia o Brasil há de seguir o mesmo caminho, e aí a
118  retidão que espero inculcar em meus filhos há de ser
119  uma vantagem (não um fardo). Oxalá.

Adaptado de: Devo educar meus filhos para serem éticos?
http://veja.abril.com.br/noticia/educacao/gustavo-ioschpe-devo-educar-meus-filhos-para-serem-eticos
Acessado em 21/10/2013.

As palavras abaixo foram retiradas do texto. Assinale a alternativa que contém apenas palavras com dígrafos.

Alternativas
Comentários
  • Questão que não exige muito esforço. Dígrafos: duas letras que significam um fonema. No caso da resposta estamos diante de dígrafos consonantais, ou seja, peSSoa, iídiCHe, QUeria, claríSSimo. 

    A) OXALÁ - ERRADA

    B) QUANDO - ERRADA

    C) FREQUÊNCIA - ERRADA

    D) CERTA

    E) QUASE, OXÁLA - ERRADAS

    Espero ter ajudado.

  • Em palavras como quatro, guaraná e escola, não encontramos dígrafos, porque qu, gu e sc representam dois sons. 

    Nos grupos am, an, em em, im, etc., em palavras como bambu, linda, monte, etc., o m ou o n não são pronunciados, apenas nasalizam a vogal anterior, por isso são considerados dígrafos vocálicos. (Fonte: Português para concursos, Flávia Rita Sarmento)

    Espero ter ajudado!

  • "qu" e "gu" são dígrafos apenas quando acompanhados das vogais "e" e "i".

    portanto a palavra "quando" não tem dígrafo.


  • Gente, que questão ridícula!!
    Têm 3 alternativas corretas: "b", "c" e "d".
    Em "quando" e "frequência" temos dígrafos sim, são dígrafos vocálicos.

  • Não caros amigos...

    Os grupos GU e QU, quando trazem o U pronunciado, não representam

    dígrafos, pois nesse caso G e Q têm um som e U tem outro: aguentar; sagui; tranquilo; aquoso.


  • Entendo que a letra "b" também está correta... a palavra "QUANDO" também tem um dígrafo na nasalização "AN"! A letra "C" realmente está correta também.. vejamos os dígrafos nas palavras: oniSCiENte( dois dígrafos), peSSoa, frequÊNcia, claríSSimo... Por fim, a letra "d" também está correta...

  • A palavra "Quando" não apresenta um dígrafo vocálico "AN" ????

  • Gente, essa questão será anulada pela banca por possuir 3 questões corretas!

  • Questão deve ser anulada, os vocábulos "qu" e "gu" formam dígrafo consonantais. Além dos ss,sc,xc,(...)


  • QU E GU só são dígrafos quando o "u" não for pronunciado, diante das vogais E e I

    ex.:Língua (não é dígrafo)    /   Guia ( é dígrafo) 

  • A questão já  foi anulada !

  • - QUANDO possui dígrafo nasal "AN". A palavra pode confundir, pois o "QU", neste caso, não representa dígrafo oral, já que tanto o Q quanto o U são pronunciados.


    - FREQUÊNCIA apresenta dígrafo nasal "ÊN". Mesma questão da palavra anterior, QU nesta palavra não representa dígrafo, mas ÊN sim. 


    Por isto, tanto as alternativas B, C e D contém apenas palavras com dígrafos. 


    RESSALVO QUE ESTÁ QUESTÃO FOI ANULADA PELA BANCA: http://www.faurgsconcursos.ufrgs.br/2013/TJRS1301/Quest%C3%A3o%20ANULADA%2018%20SEGUNDO%20PARECER%20DO%20TJ.%20doc.pdf

  • Olá, pessoal!

    Acredito que a questão foi anulada por apresentar três opções corretas: B C e D.

    Na letra B, há os seguintes dígrafos:          compromissos ( SS) –          quando ( AN (/k/u/ã/d/o/)     – iídiche ( CH) – acossado (SS)

    Na letra C, há os seguintes dígrafos:         onisciente (sc) - pessoa (ss) - frequência (en) - claríssimo (ss)  

    Na letra D, há os seguintes dígrafos:         pessoa (SS) – iídiche (CH) – queria (QU) – claríssimo (SS)

    *Só para lembrar, na palavra "quando", o dígrafo vocálico "-an" serve para representar a vogal nasal "ã", como em campo.  

    *Fonte: Evanildo Bechara - Moderna Gramática Portuguesa Edição Revista e Ampliada Editora Lucerna 37ª ed. p. 72 e 73


    Bons estudos.


                                       

  • O ERRO ESTÁ NO ENUNCIADO. "As palavras abaixo foram retiradas do texto. Assinale a alternativa que contém apenas palavras com dígrafos." DEVERIAM TER PEDIDO A ALTERNATIVA QUE CONTESSE SOMENTE DÍGRAFOS CONSONANTAIS. 

  • Dígrafo é o agrupamento de duas letras com apenas um fonema.

    Os dígrafos são rr, ss, sc, sç, xc, xs, ch, lh, nh, qu, gu.

    Os encontros qu e gu só serão dígrafos, quando estiverem seguidos de e ou i, sem que o u seja pronunciado.

    Dígrafo Vocálico= É o encontro de uma vogal com m ou n, na mesma sílaba: am, an, em, en, im, in, om, on, um, un. A única função do m e do n é indicar que a vogal é nasal. Não representam, portanto, outro som.

  • oxalá não possui nem digrafo nem encontro consonantal

  • Afinal, a questão foi anulada?


ID
1074184
Banca
CAIP-IMES
Órgão
UNIFESP
Ano
2013
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

A divisão silábica das palavras retiradas do texto estão corretas em todas as alternativas, exceto em:

Alternativas
Comentários
  • pa-ra-dig-ma

    re-a-li-da-de

  • Podia jurar que socialização tem um ditongo e não se separa.

  • Dalila você pode ter se confundido no ditongo.

    As vogais consecutivas são separáveis, exceto quando em ditongo decrescente, mesmo que sejam iguais (se a primeira delas não for a letra «u» precedida de «g» ou «q»)

  • cons-ci-én-cia  está correto? A grafia correta não é cons-ci-ên-cia?

  • Olá, pessoal!


    Essa questão foi alterada. Os erros encontrados foram corrigidos. 


    Bons estudos!
    Equipe Qconcursos.com

  • Fácil essa. É isso. 

  • Questão está bugada = pa.ra.di.gma = correto pa·ra·dig·ma

  • Acertei a questão, mas essa banca é sinistra mesmo. Essa banca cobra uns assuntos meio idiotas, difíceis de serem cobrados pelas bancas mais tradicionais.

  • Consciência está separado corretamente ?

  • Tive as mesmas dúvidas....acertei porque fui pela "menos errada"....Banca caipimes é ruizinha mesmo, costumo prestar por ela e váaaaarias são canceladas por recurso.

    Tem um site que ajuda em questões como esta. Segue para quem quiser. Abs!

    http://www.separarensilabas.com/index-pt.php

    Separação normal

    Digite palavras, rimas, poesia, etc.:

    consciencia

    cons-ci-en-ci-a (5 sílabas)

  • Refletindo com a Altina que escreveu que a palavra cons-ci-ên-ci-a tem 5 sílabas em 18/05/2016.

    Alguns autores consideram:
    ditongos e paroxítonos:
    cons-ci-ên-cia

    Outros consideram:

    hiato e proparoxítonos:
    cons-ci-ên-ci-a
     

    Assim, poderemos fazer o mesmo para outros exemplos como glória, série, tênue e etc.

    Em provas de concursos, é bom considerar as duas opções e ir eliminando outras questões.

    Nota: Minha fonte foi a gramática da língua portuguesa para concursos, vestibulares do Nilson Teixeira de Almeida (Editora Saraiva).

    Abraços,
    Renata Leite.

  • P A - R A - D I G - M A - Conforme fala a Profª Flávia Rita: iguais se SEPARAM (consoante + consoante).

  •  

    paradigma= pa-ra-dig-ma

    realidade= re-a-li-da-de.


ID
1095607
Banca
BIO-RIO
Órgão
CBM-RJ
Ano
2013
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Assinale a alternativa que contém somente associações corretas do alfabeto fonético internacional.

Alternativas
Comentários
  • E) I: INDIA / R: ROMEU.

  • ALPHA-BRAVO-CHARLIE-FOXTROT-DELTA-HOTEL E ASSIM POR DIANTE, ISSO AÍ É MUITO CALL OF DUTY

  • EÇA QUESTAUM NAUM FAS U MINOR ÇENTIDU


ID
1096090
Banca
INSTITUTO AOCP
Órgão
UFGD
Ano
2014
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

                        Pensando livremente sobre o livre arbítrio 

                                                                                                Marcelo Gleiser

      Todo mundo quer ser livre; ou, ao menos, ter alguma liberdade de escolha na vida. Não há dúvida de que todos temos nossos compromissos, nossos vínculos familiares, sociais e profissionais. Por outro lado, a maioria das pessoas imagina ter também a liberdade de escolher o que fazer, do mais simples ao mais complexo: tomo café com açúcar ou adoçante? Ponho dinheiro na poupança ou gasto tudo? Em quem vou votar na próxima eleição? Caso com a Maria ou não?
      A questão do livre arbítrio, ligada na sua essência ao controle que temos sobre nossas vidas, é tradicionalmente debatida por filósofos e teólogos. Mas avanços nas neurociências estão mudando isso de forma radical, questionando a própria existência de nossa liberdade de escolha. Muitos neurocientistas consideram o livre arbítrio uma ilusão. Nos últimos anos, uma série de experimentos detectou algo surpreendente: nossos cérebros tomam decisões antes de termos consciência delas. Aparentemente, a atividade neuronal relacionada com alguma escolha (em geral, apertar um botão) ocorre antes de estarmos cientes dela. Em outras palavras, o cérebro escolhe antes de a mente se dar conta disso.
      Se este for mesmo o caso, as escolhas que achamos fazer, expressões da nossa liberdade, são feitas inconscientemente, sem nosso controle explícito.
      A situação é complicada por várias razões. Uma delas é que não existe uma definição universalmente aceita de livre arbítrio. Alguns filósofos definem livre arbítrio como sendo a habilidade de tomar decisões racionais na ausência de coerção. Outros consideram que o livre arbítrio não é exatamente livre, sendo condicionado por uma série de fatores, desde a genética do indivíduo até sua história pessoal, situação pessoal, afinidade política etc.
      Existe uma óbvia barreira disciplinar, já que filósofos e neurocientistas tendem a pensar de forma bem diferente sobre a questão. O cerne do problema parece estar ligado com o que significa estar ciente ou ter consciência de um estado mental. Filósofos que criticam as conclusões que os neurocientistas estão tirando de seus resultados afirmam que a atividade neuronal medida por eletroencefalogramas, ressonância magnética funcional ou mesmo com o implante de eletrodos em neurônios não mede a complexidade do que é uma escolha, apenas o início do processo mental que leva a ela.
      Por outro lado, é possível que algumas de nossas decisões sejam tomadas a um nível profundo de consciência que antecede o estado mental que associamos com estarmos cientes do que escolhemos. Por exemplo, se, num futuro distante, cientistas puderem mapear a atividade cerebral com tal precisão a ponto de prever o que uma pessoa decidirá antes de ela ter consciência da sua decisão, a questão do livre arbítrio terá que ser repensada pelos filósofos.
      Mesmo assim, me parece que existem níveis diferentes de complexidade relacionados com decisões diferentes, e que, ao aumentar a complexidade da escolha, fica muito difícil atribuí-la a um processo totalmente inconsciente. Casar com alguém, cometer um crime e escolher uma profissão são ponderações longas, que envolvem muitas escolhas parciais no caminho que requerem um diálogo com nós mesmos. Talvez a confusão sobre o livre arbítrio seja, no fundo, uma confusão sobre o que é a consciência humana. 

                        http://www1.folha.uol.com.br/colunas/marcelogleiser/2014/01/ 1396284-pensando-livremente-sobre-o-livre-arbitrio.shtml.


A palavra que NÃO está separada corretamente é

Alternativas
Comentários
  •  d) ne – u – ro – nal.  Neu-ro-nal.

  • neuronal é ditongo decrescente, logo, o certo seria   neu-ro-nal.

  • so separa i ou u se forem acentuados.

  • D - NEU-RO-NAL (ditongo decrescente)
    Jamais se separam ditongos e tritongos.


  • neuronal é um ditongo, portanto, não se separa.

    neu-ro-nal

  • Só separamos duas vogais na ocorrência de hiato como é o caso da palavra sa-ú-de. Gabarito letra: D

  • Consegui errar essa porque no meu monitor eu estou lendo dentes na letra C ¬¬

  • Letra D. Ditongos decrescentes não têm divisão silábica. Cha-péu, Neu-ro-nal.
    Já Ditongos crescentes podem ter. His-tó-ri-a/ His-tó-ria

  • como disse a assinante abaixo , ditongos crescentes podem ter duas divisões silabicas His-to-ria / his-to-ri-a. Não está totalmente correto, pois do ponto de vista gráfico não se divide, se não haveria acente pois e paroxítona terminada em ditongo crescente. Ela se divide do ponto de vista fonologico, pois são chamadas de paroxitonas instaveis, cabendo duas divisoes fonologicas.

  • Não se separa Ditongos e Tritongos


    Foco, Força e Determinação.

  • Ditongos não são separáveis. Neuronal --> Neu - ro - nal

  • Alternativa correta a letra-D.Por quê?Pois nunca se separam ditongos,encontro de uma vogal e uma semivogal pelo fato de uma semivogal sozinha não poder construir sílaba.

  • Significado de Neuronal: relativo a neurona.

  • O correto seria: neu-ro-nal

  • Pessoal, alguém pode explicar como sei quando é um ditongo ou um hiato, para saber se separo ou não?? Estou com dificuldade de entender essa parte.

    Obrigada, bons estudos!!
  • Amanda Kuster

    Hiato= 2 vogais uma ao lado da outra em sílabas diferentes

    Ditongo= 2 vogais uma ao lado da outra na mesma sílaba

  • Anaila Oliveira, acho que seu argumento de que 

    "so separa i ou u se forem acentuados." NÃO CONDIZ..

    Separe "criançada 

    cri·an·ça·da 
    (criança + -ada)

    substantivo feminino

    1. Criancice.

    2. Quantidade de crianças.


    "criançada", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, http://www.priberam.pt/dlpo/crian%C3%A7ada [consultado em 22-07-2015].


  • Amanda Küster, uma dica para você saber se separa ou não, faça como a minha professora do ensino fundamental dizia, chama a palavra como se você tivesse falando com alguém e verifique qual letra o som fica mais forte. Exemplos:


    SA-Ú-DE (se você chamar essa palavra, irá verificar que os sons do A e do U são mais fortes, logo se separam - hiato)

    NEU-RO-NAL (se você chamar essa palavra, irá verificar que o som do E é mais forte, e o U fraco, logo a sílaba fica junta -  ditongo)


    Resposta: D


    Espero ter ajudado :)

  • lembre, os mais fortes ficam sozinho, os mais fracos acompanhado.


ID
1102291
Banca
UFCG
Órgão
TJ-PB
Ano
2008
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

TCU identifica pagamentos irregulares a servidores do TJ do Maranhão
Sílvia Freire
Folha On Line (27 de junho de 2008)


Uma auditoria do TCU (Tribunal de Contas da União) identificou pagamentos irregulares a servidores do Tribunal de Justiça do Maranhão no valor total de R$ 90,5 milhões, ocorridos entre janeiro de 2005 e dezembro de 2006, além de um excesso de funcionários comissionados.
A auditoria na folha de pagamento do TJ-MA foi realizada em abril de 2007, a pedido do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), a partir de denúncias de irregularidade apresentadas pela Amma (Associação dos Magistrados do Maranhão) sobre contratação de servidores comissionados.
Entre as irregularidades encontradas pelos técnicos do TCU está a permanência de 224 servidores na folha de pagamento mesmo depois de exonerados. Alguns deles eram parentes de magistrados e de diretores do tribunal que deixaram os cargos com base na resolução do CNJ, que proibiu o nepotismo no Judiciário. Foram detectados também gratificações irregulares, duplicidade em remunerações, pagamento de adicional de insalubridade a servidores inativos e inclusão de 15 servidores fantasmas na folha.
O PCA (Processo de Controle Administrativo) instaurado no CNJ para investigar a denúncia foi analisado pelos conselheiros na última terça-feira. Segundo o acórdão do relator, conselheiro Felipe Locke Cavalcanti, aprovado pelos demais conselheiros, os desembargadores que presidiam o TJ no período no qual foram encontradas as irregularidades já estão aposentados e não podem ser punidos pelo CNJ.
O acórdão, no entanto, determinou que o relatório do TCU seja encaminhado ao Ministério Público do Estado para apuração de possíveis crimes contra a administração pública. "São graves as denúncias e claro prejuízo ao erário causado. Há também inúmeros vestígios que sugerem a participação dos então presidentes do Tribunal de Justiça", diz um trecho do acórdão.
Para o juiz Gervásio Protásio, presidente da Amma, o dinheiro pago irregularmente a servidores poderia ter sido usado para reduzir as carências estruturais do Judiciário maranhense. "Todos os desvios administrativos têm reflexo na prestação de serviço jurisdicional. O Maranhão tem muita dificuldade para executar um serviço de excelência por falta de estrutura. Temos comarcas sem internet, com dificuldade de transporte e com falta de material de expediente", disse o juiz.
Segundo a assessoria de imprensa do TJ-MA, o desembargador Raimundo Cutrim, atual presidente do tribunal, deverá se manifestar hoje sobre o acórdão do CNJ.


(Adaptado de http://www.jusbrasil.com.noticias/38373, acessado em 22 de julho de 2008


Analise as proposições como verdadeira (V) ou Falsa (F):

I– O grupo de palavras /técnicos/vestígios/denúncias/servidores/ é representativo de encontros consonantais que se separam.

II- Os termos /folha/Maranhão/reflexo/tribunal/ identificam-se como dígrafos que não se separam.

III– Os termos /inclusão/presidente/duplicidade/público/ ilustram a presença de encontros consonantais que não se separam.

IV– A seqüência de termos excesso/pagamento/irregularidades/excelência é constituída de dígrafos que se separam.

A alternativa correta é:

Alternativas
Comentários
  • galera, nao entendo a razao pela qual a III está errada...

    in-clu-sao

    pre-si-den-te 


    eles sao imperfeitos nao sao? se separam!

  • in - CLu - são

    PRe - si - den - te

  • Não entendi pq o item I está falso.

  • Também não entendi o pq dos erros da I e da III. Marquei a letra C :(

     

  • A Banca divulgou como resposta para essa questão aalternativa b, considerando verdadeira a proposição IV.

    Ocorre que, na palavra “pagamento”, os componentes do dígrafovocálico “en” não podem se separar. Certamente consideraram que o “n” e o “t” estão em sílabas diferentes (pagamen-to), no entanto o “n” aí não é consoantemas apenas um símbolo de nasalização.

    Ademais, caso o “n” tivesse valor de consoante, constituiria em relação ao “t” um encontro consonantal não-real (separável) e deixaria de compor dígrafocom a vogal que o antecedente. Isso também tornaria errado o conteúdo da referida proposição.

    Diante disso, a questão não tem mesmo resposta.

  • Não entendi pq a questão A está errada.

  • Questão mal construída.

    Pagamento possui um dígrafo q não pode ser separado: en.

    FFVF.

  • I– O grupo de palavras /técnicos/vestígios/denúncias/servidores/ é representativo de encontros consonantais que se separam.

    denúncias - não há encontro consonantal, visto que "un" representa dígrafo nasal.

    Diante disso, item I - FALSO

  • I– O grupo de palavras /técnicos/vestígios/denúncias/servidores/ é representativo de encontros consonantais que se separam. Em denúncia não há nem encontro consonantal, temos um dígrafo, uma vogal nasal

    II- Os termos /folha/Maranhão/reflexo/tribunal/ identificam-se como dígrafos que não se separam. As duas primeiras sim, mas o restante há encontro consonantal e dífono. A letra X era o dífono, som de ks -> ( R,E,F,L,E,K,S,O )

    III– Os termos /inclusão/presidente/duplicidade/público/ ilustram a presença de encontros consonantais que não se separam. Sim, esses encontros consonantais não se separam, são encontros perfeitos

    IV– A seqüência de termos excesso/pagamento/irregularidades/excelência é constituída de dígrafos que se separam.

    A palavra pagamentos invalidou a alternativa. Aquele dígrafo de pagamento permanece junto após a separação silábica. Em excelência temos um dígrafo separável e um dígrafo em que as letras permanecem juntas

    Gabarito letra C

  • I– O grupo de palavras /téc-ni-cos/ves-tí-gios/de-nún-cias/ser-vi-do-res/ é representativo de encontros consonantais que se separam. O erro tá na palavra DENÚNCIAS que é um dígrafo;

    II- Os termos /fo-lha/Ma-ra-nhão/re-fle-xo/tri-bu-nal/ identificam-se como dígrafos que não se separam. Não existe dígrafo nas ultimas 2 palavras;

    III– Os termos /in-clu-são/pre-si-den-te/du-pli-ci-da-de/pú-bli-co/ ilustram a presença de encontros consonantais que não se separam. De fato, são encontros consonantais perfeitos;

    IV– A seqüência de termos ex-ces-so/pa-ga-men-to/ir-re-gu-la-ri-da-des/ex-ce-lên-cia é constituída de dígrafos que se separam. Pagamento é um dígrafo, MAS dígrafos vocálicos ou nasais: a,e,i,o,u devem ser seguidos de M ou N na MESMA sílaba. Portanto, alternativa incorreta;

    O correto seria: F/F/V/F

  • A última é falsa (F)

  • I)FALSO – nem todas as palavras apresentadas na afirmação são encontros consonantais (EC), temos também dígrafos vocálicos(DV).

    ”Técnicos – EC” – “vestígios- EC” -  “denúncias – DV” -  “servidores - EC

    II) FALSO – Nem todas as palavras possuem dígrafos:

    folha–Dígrafo /Maranhão – Dígrafo /reflexo- EC/tribunal-EC

    III) VERDADEIRO /inclusão/presidente/duplicidade/público/ todas as palavras possuem encontros consonantais que não se separam.

    IV) VERDADEIRO –todas possuem dígrafos que não se separam,  ex-ces-so (SS)/pa-ga-men-to(EN )/ir-re-gu-la-ri-da-des(RR)/ex-ce-lên-ci-a (XC)

     

    Atentamos para a questão dos dígrafos vocálicos: a, e, i, o, u seguidos de m ou n na mesma sílaba.

     

     

    F,F,V,Vletra B

  • Questão bem tendenciosa.

    Pra ter um Dígrafo Vocálico é necessário que a vogal+n/m estejam na mesma sílaba.

    Então, em " pa - ga - men - to " a alternativa IV deveria ser considerada como errada.

  • Galera, no item I a palavra denúncia não poderia considerar que há o encontro consonantal entre o "NC" DENÚNCIA e esse se separam o que tornaria o item certo.

    Alguem sabe explicar ?


ID
1103305
Banca
UFCG
Órgão
TJ-PB
Ano
2008
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Considerando os encontros consonantais e vocálicos, dígrafos e divisão silábica, marque a(s) afirmativa(s) correta(s).

I) Os termos do texto I “repugnância” (3º§) e “estigma” (4º§) apresentam encontro consonantal, cuja separação silábica é “re-pug- nân-cia” e “es-tig-ma”
II) A palavra “sessão” do texto II (1º§) apresenta um dígrafo e pode ser escrita “sesção”, mantendo-se o mesmo sentido no texto.
III) A palavra “cláusula” (4º §) do texto II apresenta um ditongo decrescente e “ministério” do texto II (1º§) apresenta um ditongo crescente.

Está(ão) correta(s):

Alternativas
Comentários
    •  b) I e III.

  • Encontro consonantal não é quando o vocábulo está na mesma sílaba? como em "blu-sa"? 

    Não entendi.

  • O encontro consonantal pode ser Perfeito(na mesma sílaba) ou Imperfeito(sílabas diferentes).

    Letra B.

  • O encontro consonantal ocorre quando 2 duas ou mais consoantes estão em sequência, sem uma vogal entre elas.


    Há dois tipos de encontros consonantais:

    São puros ou perfeitos ou próprios - quando ocorrem em uma mesma sílaba: prato (PRa-to), palavra (pa-la-VRa), psicologia (PSi-co-lo-gia), pneumático (PNeu-má-ti-co), encontrar (en-con-TRar), blusa (BLu-sa), atleta (a- TLe-ta), bíblia (bí-BLia).


    São disjuntos ou imperfeitos ou impróprios - quando estão em sílabas diferentes, ou seja, quando na divisão de sílabas ficam separados: alcançar (aL-Can-çar), subsolo (suB-So-lo), advogado (aD-Vo-ga-do), aspecto (aS -Pec-to), apto (aP-To), costa (coS-Ta).

  • Então quando a banca não especifica que é perfeito ou imperfeito, supõe-se que são os dois se houver.


  • II) A palavra “sessão” do texto II (1º§) apresenta um dígrafo e pode ser escrita “sesção”, mantendo-se o mesmo sentido no texto. 

    esta errada por que se eu mudar sessão para sesção , o ss é digrafo e o sç é encontro consonantal? Alguem pode me explicar se isso esta certo? ou se eu estou muito enganada?

  • II) A palavra “sessão” do texto II (1º§) apresenta um dígrafo e pode ser escrita “sesção”, mantendo-se o mesmo sentido no texto. errado 
    sessão: reunião
    sesção: nao existe no nosso português 

  • Apesar de sç ser dígrafo não se usa na palavra para reescrever sessão. Existem na língua Portuguesa três tipos de se escrever esta palavra, mas o sentido é totalmente diferente um do outro, qual sejam:

    Cessão: significa conceder algo (Houve cessão de crédito);Seção: significa departamento (órgão), e;Sessão: significa reunião (sessão legislativa, sessão de cinema).
  • Gabarito B

    O encontro consonantal pode ser Perfeito(na mesma sílaba) ou Imperfeito(sílabas diferentes).

    separação silábica é “re-pug- nân-cia” e “es-tig-ma” 


  • - REPUGNÂNCIA E ESTIGMA - ENCONTRO CONSONANTAL É O ENCONTRO DE SUAS CONSOANTES PRONUNCIÁVEIS, TEM A VER COM FONEMA. NÃO PRECISAM ESTAR NECESSARIAMENTE NA MESMA SÍLABA. JÁ CH É UM DÍGRAFO POIS SÓ PRONUNCIA UM FONEMA.
    - NÃO EXISTE SESÇÃO.

  • - REPUGNÂNCIA E ESTIGMA - ENCONTRO CONSONANTAL É O ENCONTRO DE SUAS CONSOANTES PRONUNCIÁVEIS, TEM A VER COM FONEMA. NÃO PRECISAM ESTAR NECESSARIAMENTE NA MESMA SÍLABA. JÁ CH É UM DÍGRAFO POIS SÓ PRONUNCIA UM FONEMA.
    - NÃO EXISTE SESÇÃO.

  • Encontro Consonantal em REPUGNÂNCIA ? AONDE DEUS DO CEU

    encontro consonantal = encontro de duas consoantes que, apesar de juntas na mesma sílaba, produzem sons diferentes.

    Ex: BR, BL ; CR, CL; DR; FR, FL; ETC.....

  • Matheus Ferreira: EXISTEM DOIS TIPOS DE ENCONTROS CONSONANTAIS: Puro ou Proprio: na mesma silaba Impuro ou Improprio: em silabas separadas. Nesse caso o encontro e o GN de Repugnancia.

ID
1132612
Banca
Prefeitura do Rio de Janeiro - RJ
Órgão
Prefeitura de Rio de Janeiro - RJ
Ano
2013
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

        TEXTO: Letal é o crack


        O debate sobre a presença das chamadas armas de choque no programa “Crack, é possível vencer”, do Ministério da Justiça, precisa ser mais bem compreendido. Essa droga devastadora provoca um drama que assusta e comove a todos, e traz à tona uma triste realidade. Está ali a prova de que a família, a sociedade e a educação como um todo falharam. Hoje, além de uma questão de saúde pública, o crack virou problema de segurança pública.
        Em uma ponta, estão os dependentes que precisam urgentemente de ajuda. Na outra a população que se depara diariamente com os ameaçadores zumbis nas ruas da cidade e os profissionais que vão a campo fazer o trabalho de acolhimento para encaminhá-los a tratamento.
        Acontece que, muitas vezes, esses indivíduos se encontram extremamente agressivos. Como agir numa situação assim? Não fazer nada? Conter a fúria por arma de fogo? A resposta passa pelo uso proporcional da força, defendido pela ONU, no qual as tecnologias não letais têm papel central - entre elas estão as armas de choque, o spray de pimenta e a munição de borracha, entre outros.
        A adoção de armas de choque nessas operações tem como objetivo dar ao agente da lei, devidamente treinado, uma ferramenta para controlar uma possível reação agressiva, reduzindo ao máximo seu risco de vida e preservando a integridade dos profissionais envolvidos na operação e dos próprios viciados.
        A ideia não é distribuir choques indiscriminadamente, mas somente quando todas as etapas anteriores do uso progressivo da força, tal qual defendido pela ONU (conversa, advertência, spray de pimenta, técnicas corporais de imobilização - quando viáveis), não forem suficientes. O choque é o último grau a ser usado antes da arma de fogo.
        O problema das drogas, problema no mundo todo, se agravou com o crack, que precisa ser contido de forma contundente, em nome da recuperação de uma geração de jovens que estão perdendo a luta para a droga - esta sim, letal.

                Ricardo Balestreri (ex-secretário nacional de Segurança Pública)
                        O Globo, 02 de dezembro de 2012, 1º caderno, página 15.

Dá-se o nome de dígrafos a grupos de letras que representam apenas um som da fala; podem ser vocálicos ou consonantais. Há dois dígrafos consonantais na seguinte palavra:

Alternativas
Comentários
  • Letra A

    Choque - fonética :Xoke

    2letras que representam um unico som


  • No meu ver essa questão está errada. Pois choque possui um dígrafo consonantal em "ch" e um dígrafo vocálico em "qu". A única opção que tem 2 dígrafos do mesmo tipo é a C, onde encontramos 2 dígrafos vocálicos. Acho que houve um erro no enunciado da questão.

  • A- CHoQUe. Dois dígrafos consonantais. (Obs: QU e GU serão sempre dígrafos) CERTA.

    B- ProfiSSionais. Um dígrafo consonantal. A questão pede dois dígrafos consonantais, não um. Portanto, ERRADA.

    C- DepENdENtes. Dois dígrafos vocálicos. A questão pede dígrafo consonantal não vocálico, portanto, ERRADA.

    D- AcoLHimento. um dígrafo consonantal. A questão pede dois dígrafos consonantais, não um. Portanto, ERRADA.


    Ao amigo Gilberto, dígrafos vocálicos serão as vogais: A, E, I, O, U seguidas de M ou N. Não qualquer letra seguida de uma vogal. Ex: Também, atualmente, dependentes.

  • QUESTÃO CORRETA LETRA A - 
    Dígrafo consonantal é o encontro de duas palavras que emitem o mesmo som, neste caso o de consoante, pois a questão pede dígrafo consonantal. - Sempre nos casos de NH, LH, CH, RR e SS.- Ocasionalmente nos casos de SC, XC, GU e QU. Na questão acima a palavra "CHOQUE" apresenta 2 dígrafos consonantais, a separação de sílabas da palavra "CHO-QE" mostra perfeitamente que a vogal "U" não emite nenhum som. A vogal "U" é nula, portanto se é NULA é um dígrafo, mas nem sempre o "QU" e o "GU" será dígrafo, pois quando a palavra emitir som, ela não será NULA, como por exemplo "CINQUENTA" --> CIN - QUEN - TA, o dígrafo aqui será no IN e o EN, e a vogal "U" emite som, por isso não é nula, e não é dígrafo.
  • 1) Dígrafos consonantais: rr, ss, sc, sç, xc, xs, ch, lh, nh, qu, gu.

    2) Dígrafo Vocálico= É o encontro de uma vogal com m ou n, na mesma sílaba: am, an, em, en, im, in, om, on, um, un. A única função do m e do n é indicar que a vogal é nasal.

  • CHOQUE há dois dígrafos consonantais - CH e QU

    Em ACOLHIMENTO também possui dois digráfos, porém um CONSONANTAL (LH) e outro vocálico (EN).
  • a) choque: há dois dígrafos consonantais (ch e qu). EIS A RESPOSTA.

    b) profissionais: há um dígrafo consonantal (ss).

    c) dependentes: há dois dígrafos vocálicos (en e en).

    d) acolhimento: há dois dígrafos, um consonantal (lh) e um vocálico (em).

  • Realmente meu material e professora estavam errados! Fiz o cursinho 2 vezes e nas 2 ela ensinou errado :(

  • DICA:  QU, GU + e, i = digrafo consonatal

     

    digrafo consonatal: SS,RR,CH,NH,SC,LH..

    digrafo vocalico: (A,E,E,I,O,U )+ M,N

     

    GABARITO ''A''

  • Digrafos - 

    CHoQUe - 2 digrafos consonantais

    profiSSionais - 1 digrafo consonantal

    depENdENtes - 2 digrafos vocalicos

    acoLHimENto - 1 digrafo consonantal 1 digrafo vocalico

    VAMOS ESTUDAR! VAI VALER A PENA!

  • Digrafos -

    tENdo - digrafo vocalico

    pesQUisa - digrafo consonantal

    peSSoa - digrafo consonantal 

    risco - Sem digrafo

    trabaLHo - digrafo consonantal 

    BORA ESTUDAR! VAI VALER A PENA!

  • Lembrando que: QU e GU serão dígrafos apenas quando forem seguidos de E ou I,ou quando não se pronuncia o som da letra U.


ID
1137190
Banca
Prefeitura do Rio de Janeiro - RJ
Órgão
SMA-RJ
Ano
2013
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

            TEXTO: Estado laico e liberdade religiosa

                        Em 12 de novembro último, o Ministério Público Federal ajuizou ação objetivando à retirada da expressão religiosa “Deus seja louvado” das cédulas do real. O argumento é a ofensa ao princípio do Estado laico, além da exclusão de minorias, ao promover uma religião em detrimento de outras. Outros instigantes debates a respeito do alcance da laicidade estatal e da liberdade religiosa têm chegado à Justiça, como o questionamento acerca do uso de símbolos religiosos (como crucifixos) em espaços públicos; de leis que autorizam excepcionalmente o sacrifício de animais em religiões de matriz africana; da realização de exames (como o Enem) em datas alternativas ao Shabat (dia sagrado para o judaísmo); da natureza do ensino religioso em escolas da rede pública, entre outros.

                        Ainda que a Constituição, em seu preâmbulo, faça expressa alusão a Deus (a Carta é promulgada “sob a proteção de Deus”), o mesmo texto constitucional veda à União, aos estados, ao Distrito Federal e aos municípios “estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencioná-los, embaraçar-lhes o funcionamento ou manter com eles ou seus representantes relações de dependência ou aliança (...)” (artigo 19, I da Constituição). É daí que se extrai o princípio do Estado laico: a necessária e desejável separação entre Estado e religião no marco do estado democrático de direito.

                        De um lado, o princípio do Estado laico proíbe a fusão entre Estado e religião (como ocorrem nas teocracias), de modo a proteger a liberdade religiosa. Por outro, requer a atuação positiva do Estado no sentido de assegurar uma arena livre, pluralista e democrática em que toda e qualquer religião mereça igual consideração e respeito. A laicidade estatal demanda tanto a liberdade religiosa, como a igualdade no tratamento conferido pelo Estado às mais diversas religiões.

                        Isto porque confundir Estado com religião implica a adoção oficial de dogmas incontestáveis, que, ao impor uma moral única, inviabiliza qualquer projeto de sociedade aberta, pluralista e democrática. A ordem jurídica em um estado democrático de direito não pode se converter na voz exclusiva da moral de qualquer religião. Os grupos religiosos têm o direito de constituir suas identidades em torno de seus princípios e valores, pois são parte de uma sociedade democrática. Mas não têm o direito a pretender hegemonizar a cultura de um Estado constitucionalmente laico.

                        [...] O Brasil é considerado o maior país católico do mundo em números absolutos. Em 2000, os católicos representavam 74% da população (IBGE, Censo 2000). Em 2009, o universo de católicos correspondia a 68,5% da população brasileira (FGV, Novo Mapa das Religiões, 2011).

                        Neste contexto, iniciativas como a do Ministério Público Federal constituem uma importante estratégia para consolidar o princípio do Estado laico, endossando o dever do Estado de garantir condições de igual liberdade religiosa. Inspirado pela razão pública e secular, o estado democrático de direito não pode ser refém de dogmas religiosos do sagrado, mas deve garantir a diversidade de doutrinas religiosas, filosóficas e morais como condição da própria cultura pública democrática.

                        Flávia Piovesan [professora da PUC/SP e procuradora do estado] - fragmento Publicado em 29/11/12 - disponível em: http:// oglobo.globo.com/opiniao/estado-laico-liberdade-religiosa


Sabendo-se que dígrafos são grupos de letras que representam apenas um som da fala, constata-se que na palavra questionamento há dois dígrafos, um consonantal e outro vocálico. Verifica-se o mesmo tipo de ocorrência na seguinte palavra:

Alternativas
Comentários
  • excepcionalmente         as letras destacadas representam respectivamente dígrafo consonantal e dígrafo vocálico.

    boa luta!

  • Cuidado, MUITO CUIDADO  com a leitura do texto:

    " [...] há dois dígrafos, um consonantal e outro vocálico [...] "
    Noutros termos:
    procure 1 DÍGRAFO CONSONANTAL e 1 DÍGRAFO VOCÁLICO:
    dígrafo consonantal: eXCepcionalmente 
    dígrafo vocálico: excepcionalmENte

  • NÃO confundir dígrafo com encontro consonantal!!!!!

  • Em questionamento, qu equivale ao dígrafo consonantal e en ao vocálico. Observa-se que o qu produz um fonema apenas, não sendo pronunciado o u, enquanto o en produz um único fonema anasalado.

    Em excepcionalmente, xc equivale ao dígrafo consonantal e en, ao dígrafo vocálico, conforme já foi dito.
    O xc produz um fonema semelhante a /c/.

  • Para fins de curiosidade, na existência de dígrafo vocálico, não ocorre encontro consonantal quando as letras m e n assumem o papel de uma semivogal, produzindo um som vocálico. Não são consideradas consoantes, dado apenas prolongarem a nasalização da vogal anterior. Caso da questão D, que existe um dígrafo vocálico em excepcionalmENte, portanto não é encontro consonantal. Veja outros exemplos:

    campo, ponto, tambor, limpo e lenda.

     

  • Digrafos - detrimENto - 1 digrafo vocalico

    representANtes - 1 digrafo vocalico

    cONstitucional - 1 digrafo vocalico

    Resposta Certa - eXCepcionalmENte - 1 digrafo vocalico ( EN ) 1 digrafo consonantal (XC)

    VAI VALER A PENA!

  • O TR de DETRIMENTO é encontro consonantal.


ID
1137529
Banca
Prefeitura do Rio de Janeiro - RJ
Órgão
SMA-RJ
Ano
2013
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

            Livro, um alvará de soltura

            Costumo brincar que, para conseguir ler todos os livros que me enviam, só se eu pegasse uma prisão perpétua. Pois é de estranhar que, habituada a fazer essa conexão entre isolamento e livros, tenha me passado despercebida a matéria que saiu recentemente nos jornais (da qual fui gentilmente alertada por uma leitora) de que os detentos de penitenciárias federais que se dedicarem à leitura de obras literárias, clássicas, científicas ou filosóficas poderão ter suas penas reduzidas.
            A cada publicação lida, a pena será diminuída em quatro dias, de acordo com a Portaria 276 do Departamento Penitenciário Nacional (Depen). No total, a redução poderá chegar a 48 dias em um ano, com a leitura de até 12 livros. Para provar que leu mesmo, o detento terá que elaborar uma resenha que será analisada por uma comissão de especialistas em assistência penitenciária.
            A ideia é muito boa, então, por favor , não compliquem. Não exijam resenha (eles lá sabem o que é resenha?) nem nada assim inibidor. Peçam apenas que o sujeito, em poucas linhas, descreva o que sentiu ao ler o livro, se houve identificação com algum personagem, algo simples, só para confirmar a leitura. Não ameacem o pobre coitado com palavras difíceis, ou ele preferirá ficar encarcerado para sempre.
            Há presos dentro e fora das cadeias. Muitos adolescentes estão presos a maquininhas tecnológicas que facilitam sua conexão com os amigos, mas não consigo mesmo. Adultos estão presos às telenovelas e aos reality shows, quando poderiam estar investindo seu tempo em algo muito mais libertador. Milhares de pessoas acreditam que ler é difícil, ler é chato, ler dá sono, e com isso atrasam seu desenvolvimento, atrofiam suas ideias, dão de comer a seus preconceitos, sem imaginar o quanto a leitura as libertaria dessa vida estreita.
            Ler civiliza.
            Essa boa notícia sobre atenuação de pena é praticamente uma metáfora. Leitura = liberdade. Não é preciso ser um criminoso para estar preso. O que não falta é gente confinada na ignorância, sem saber como escrever corretamente as palavras, como se vive em outras culturas, como deixar o pensamento voar. O livro é um passaporte para um universo irrestrito. O livro é a vista panorâmica que o presídio não tem, a viagem pelo mundo que o presídio impede. O livro transporta, transcende, tira você de onde você está.
            Por receber uma quantidade inquietante de livros, e sem ter onde guardá-los todos, costumo fazer doações com frequência para escolas e bibliotecas. Poucos meses atrás, doei alguns exemplares para um presídio do Rio de Janeiro, e sugiro que todas as pessoas que tenham livros servindo de enfeite em casa façam o mesmo. Que se cumpram as penas, mas que se deixe a imaginação solta.

            (Martha Medeiros - publicado na revista de O Globo, em 8 de julho de 2012, página 24.)


Dígrafos são grupos de letras que representam apenas um som da fala. Na palavra adolescentes há dois dígrafos, um consonantal e outro vocálico. Verifica-se o mesmo tipo de ocorrência na seguinte palavra:

Alternativas
Comentários
  • Língua - Dígrafos Vocálicos e Consonantais:

    Continuando a série revisão para a prova,heheheheh...vamos aos dígrafos( assunto fácil,mas se tu perguntares por aí o que é muitos nem fazem ideia - lembrando que ideia agora é sem acento).

    Dígrafo refere a som e grafia, isto é, duas letras que formam um único som. Assim, temos o dígrafo vocálico e o consonantal.

    Dígrafo Consonantal: Ocorre quando temos duas consoantes que formam um som: nh, ss,rr, sc,sç,xc,lh...

    Ex.: Milho, palhaço, naa, nascer, exceção, assado, carro...observe que quando pronunciamos esses termos as consoantes grifadas apresentam apenas um som, estejam ou não na mesma sílaba.

    Dígrafo Vocálico: O dígrafo vocálico não se dá por duas vogais,mas uma vogal seguida de M ou N, desde que a sílaba inicie pela vogal.Assim, pode aparecer no início de um termo ou não.

    Ex.: Ontem, antes, entrega,empresa, índio, umbú. ciência...quando uma vogal é seguida de M ou N é possível notar que a consoante apenas dá o efeito de esticar o som da vogal, tanto que não é possível saber se é M ou N , notamos apenas pelas regras( antes de P e B usa-se M e talz...).


  • Discordo completamente da resposta correta ser a letra a. A letra u em  "frequência" é pronunciada com clareza, diferente de, por exemplo: queijo.

  • A resposta correta é sim a letra A. Veja pela própria divisão silábica e sua pronúncia: FRE-QUEN-CIA OU CI-A.

    E dentre os dígrafos consonantais estão os grupos qu e gu. Não há o quê questionar...
  • QUESTÃO PASSÍVEL DE ANULAÇÃO

    Nenhuma das alternativas há dois dígrafos, um consonantal e um vocálico. Pois a palavra FREQUÊNCIA, o U não é NULO, portando é pronunciado e não é um dígrafo, sim um ditongo crescente (Semivogal e Vogal). O dígrafo vocálico da palavra está no EN com som de ~ (TIL)..

  • Para os que não lembram de dígrafos vocálicos(como eu rsrs):

    https://www.youtube.com/watch?v=0jfiDqSqQF4
  • Daniel, segundo Fernando Pestana, no livro Gramática para Concursos, os dígrafos GU e QU só são dígrafos se seguidos da letra E ou I. Não faz nenhuma menção a outras particularidades.

  • Não há alternativa com dígrafo CONSONANTAL dentre as opções aqui apresentadas. Todas apresentam palavras com um dígrafo vocálico (am, an, em, en, im, in, om, on, um, un). Dígrafo é, explicando bem simplesmente, um grupo de duas letras que são pronunciadas como se fossem apenas uma (2 letras e apenas 1 som). Exemplos: bOMba /õ/, cONde /õ/, CHeiro /x/, GUeRRa /g/ e /r/, aSSaSSino /s/, sAN GUe /ã/ e /g/, QUeijo /k/, cOMpra /õ/, pENte /ê/ etc. Há dois grupos de dígrafos: VOCÁLICOS e CONSONANTAIS. Quando 'QU' e 'GU' forem dígrafos, serão do grupo dos dígrafos consonantais, como RR, SS, XC e outros. Embora haja a dupla 'QU' na opção "a", ela NÃO forma um dígrafo. E é bem simples provar: falamos "frequência" da mesma forma que falamos "queijo" ou "aqueduto"? Claro que não! Em "frequência" (/freKUêçia/) o 'q' e o 'u' têm fonemas distintos /k/ e /u/! Já em "queijo" (/Keiju/) e em "aqueduto" (/aKedutu/) , o 'q' e o 'u' têm o mesmo fonema, o mesmo som /k/. Então, colegas de estudos, NÃO há nenhum caso aqui de dígrafo consonantal! Assim como há 1 dígrafo vocálico (EN) na opção "a", há também 1 dígrafo vocálico nas demais opções: AN em "b", EN em "c" e "EM" na opção "d". Essa questão não é só passível de anulação, mas nula desde sua formação. 

    Quanto ao que disse o colega Leandro Vieira sobre "GU e QU só são dígrafos se seguidos da letra E ou I", cuidado! Não é bem assim! E por dois motivos: um motivo de ordem fonológica (para "gu" e "qu" serem dígrafos não basta virem antes de "e" ou "i", mas têm que ser pronunciados como se fossem apenas uma letra) e outro motivo de ordem prática, usual mesmo (existem palavras como "quota", que não têm "qu" seguidos de "e" ou "i", mas que formam sim um dígrafo). Estudemos, companheiros! Estudemos! Abraços.

  • Essa questão deveria ser anulada. Acertei, mas chutei do meio-campo. 

  • Escreva seuhttps://www.youtube.com/watch?v=aRbMolV5YqY comentário...

  • Pessoal sou inciante  mas,(FR encontro consonantal) e UÊ semi vogal +vogal,porêm,ditongo crescente e (CIA separado por ser semi-vogal+vogal sem acentuação.


  • Com certeza deveria ser ANULADA!

  • A letra "A" não deveria ser a resposta, pois, a palavra frequência não tem dígrafo consonantal. FRE (FR= Encontro consonantal perfeito "R"na mesma sílaba).

    QUÊN (o possível dígrafo consonantal não existe nesta, o QU soa e não deve ser considerado dígrafo, pois dígrafo é duas letras com um único som e nesta ocasião não ocorre isso (no QU) e ÊN= ocorre dígrafo vocálico).

    Com certeza deveria ser anulada!

     

     

    Gabarito "A" de acordo com a banca!

  • Ninguém diz freQEntar. A regra "qu seguido de e ou i é dígrafo" só é válida quando em harmonia com o conceito de dígrafo: "Duas letras com um único som" Neste caso QU de "frequentar" não formam um único som/dígrafo consonantal. Questão deveria ser anulada.

  • Frequência - /frecuÊcia/  [não ocorreu dígrafo no "qu" pois é possível ouvir o som de cada letra] assim como em: enquanto, aguento.

     

    Queijo - /keijo/  [ocorreu dígafro no "qu", duas letras emitindo um único som] assim como em: queria, mangueira, questão.

     

    Olha o nome da banca..... o sobrinho do parente comissionado deve ter elaborado a prova.

     

    E para o povo que adora babar ovo de banca... eu mostro a fonte...

     

    "Qu e gu: São dígrafos apenas quando seguidos de e ou i e quando não se pronuncia a vogal u: queda, guerra, quitanda, guito,… Qu e gu não são dígrafos quando seguidos de a e o (quase, quadro, aquoso,…) ou quando a vogal u é pronunciada (cinquenta, frequente, tranquilo, linguiça, aguentar,…)." FONTE: normaculta.com.br/digrafo/

     

  • Acredito que esta questão deve ser anulada. Nenhuma das alternativa possui dois dígrafos. Na palávra Frequência, a letra "u" é pronunciada.

  • Não ocorre digrafo na palavra frequência, pois a letra U é pronunciada

     

  • QUESTÃO SEM RESPOSTA:

     

    - Em palavras como quatro, guaraná e escola, não encontramos dígrafos, porque qugu e sc representam dois sons. 

     

    FONTE: CURSO FLÁVIA RITA

  • GABARITO A - FREQUÊNCIA (ÊN = EI COM TIO NO "E")

    Acredito que o dígrafo consonantal refere-se ao encontro do "n + c", (da palavra frequência), já que "ên" é um dígrafo vocálico nasal (ein), podendo o "N" ser retirado da palavra na representação fonética, pela nasalidade da vogal "E".
    Ou seja, na mesma sílaba há o dígrafo consonantal + dígrafo vocálico nasal.


ID
1158202
Banca
CONSULPLAN
Órgão
MAPA
Ano
2014
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

E se o Brasil ainda fosse uma monarquia?


Dom Luiz de Orleans e Bragança estrelaria os desfiles de Sete de Setembro, data que teria muito mais pompa, já que não haveria o Quinze de Novembro para rivalizar como dia mais importante da nação. E, sem a Proclamação da República em 1889, o governo Getúlio, a ditadura militar e a redemocratização do País, as seis constituições que tivemos em cem anos não existiriam ou seriam diferentes. Nosso rei de hoje, então, seguraria as rédeas do governo com o Poder Moderador, herança da Constituição de 1824 que o coloca acima dos três poderes. “Se um partido fosse contra o que o rei queria, ele colocava a oposição no lugar”, diz Eduardo Afonso, professor de história da Unesp.

A capital seria Brasília do mesmo jeito, por se tratar de um plano da monarquia. Em 1823, o patriarca da independência, José Bonifácio de Andrada e Silva, apresentou o projeto de levar a capital ao Centro-Oeste, distante de ataques de corsários no litoral. E seria nessa região que o governo teria seu maior apoio. Os produtores de soja e outros grãos seriam a base da política imperial, assim como os cafeicultores foram no século 19. “O império nunca formulou uma política econômica, só seguiu o projeto de uma colônia que sobrevive de seu reservatório”, explica Estevão Martins, professor de história da UnB. Assim, agricultura, mineração e petróleo seriam ainda mais importantes para a economia do que são hoje

Nos anos 60, para combater a “ameaça comunista” dos movimentos da época, o imperador D. Pedro Henrique diminuiria o poder do Parlamento. Nessa ditadura, a MPB faria barulho com letras cheias de metáforas contra o império, driblando a censura.


Essa não seria a única ameaça, já que houve um racha na linhagem real em 1908, quando D. Pedro de Alcântara renunciou ao direito dinástico ao se casar com uma reles condessa (e não uma princesa), passando a coroa ao irmão Luis Maria. A situação não ficou tensa porque, bem, já não havia um trono a disputar. Mas, se ainda fôssemos um reino, as relações familiares ficariam ruins. Os descendentes de D. Luis Maria, do chamado ramo de Vassouras, teriam de lidar com a oposição dos primos do ramo de Petrópolis. Isso ficaria claro em 2013. Durante as manifestações de junho, D. Luiz (neto de Luis Maria) recomendou a seus seguidores que não fossem às ruas, temendo “envolvimento em atos de anarquismo”. Se fosse rei, a declaração o deixaria no alvo dos protestos. E o nome do liberal D. João, do ramo de Petrópolis, ganharia força. Empresário, fotógrafo e surfista, ele defende as monarquias parlamentaristas e representaria um sopro de mudança - pelo menos até que a república fosse declarada.

(Nathan Fernandes. Disponível em: http://super.abril.com.br/historia/se-brasil-ainda-fosse-monarquia-769935.shtml.)

Analise as seguintes afirmativas.

I. Na palavra “quinze”, “qu” configura-se como um dígrafo.

II. Em “redemocratização”, há uma dígrafo na quarta sílaba.

III. No termo “cafeicultores”, há um ditongo na segunda sílaba.

IV. Há em “monarquia” um ditongo na sílaba final.

Estão corretas apenas as afirmativas :

Alternativas
Comentários
  • Muito estranho essa questão pois se formos seguir a regra da separação silábica vamos verificar que "ca-fe-i-cul-to-res" possui um hiato e não uma semivogal. Uso a regra da separação silábica pq assim fica mais fácil de identificar as vogais e semivogais. De acordo com o ensinamento de vários gramáticos na língua portuguesa não existe silaba sem vogal. Já solicitei a revisão do professor mas continuo achando que a questão deveria ser anulada.

  • Letra A                                       O dígrafo ocorre quando duas letras são usadas para representar um único fonema, como ocorreu na letra A , com a palavra quinze.  Letra B                        Redemocratização não ocorre dígrafo pois não há um único fonema!                  LETRA C CA-FE-I-CUL-TO-RESA banca considera a III correta, porém, em \\\"cafeicultores\\\" não há ditongo, e sim hiato (encontro de dois sons vocálicos cujas vogais são separadas na divisão de sílabas), já que a separação silábica é ca-fe-i-cul-to-res Portanto, somente a afirmativa I é correta, e não há nas alternativas esta opção; assim, considero que a referida questão deve ser anulada. LETRA D      MO-NAR-QUI-A
    Na sílaba final há um hiato.Ditongo é o nome que se dá à combinação de um som vocálico com um som semivocálico emitidos num só esforço de voz. O ditongo diferencia-se do hiato pelo fato de este último ser constituído por duas vogais e ser pronunciado em sílabas diferentes.
  • Na minha época de escola, aprendi que a separação de sílabas da palavra cafeicultor é "ca·fei·cul·tor".

  • Gente, a divisão silábica de cafeicultores é ca-fei-cul-to-res.

  • Não, cada vogal = 1 sílaba.  Questão anulada.

  • Nem lembrava mais o que era dígrafo. Acostumado com o cespe já viu kkk

    dígrafo consonantal: gu, qu, ch, lh, nh, rr, ss, sc, sç, xc, xs

    ex de dígrafo: gu erreiro, qu eda, ch ave, lh ama, nh oque, arra stao,  ass ado

    ca fei cul tor = ditongo cresente Semivogal + Vogal na mesma frase série)


    GAB LETRA B

  • Mylena Velasco, 
    Em "cafeicultor" a divisão silábica é   ca·fei·cul·tor. "i" é uma SV e não uma V.
    Fonte: Dicionário de divisão silábica http://www.portaldalinguaportuguesa.org/index.php?action=syllables&act=list&letter=c&start=1000

    Resposta letra "B". A questão não foi anulada.

  • Questão polêmica! Consultei no dicionário e cafeicultor é separado ca-fe-i-cul-tor e eu achava que era ca-fei-cul-tor. 

  • Na verdade a palavra cafeicultor há um ditongo sim! se fosse duas vogais seria hiato. o 'ei' você lê junto, não separado. aqui fonema pessoal! precisa-se pronunciar a palavra para saber seu verdadeiro sentido.

  • Definição de Cafeicultor

    Classe gramatical: adjetivo e substantivo masculino
    Separação das sílabas: ca-fe-i-cul-tor
    Plural: cafeicultores


    Ou seja, a letra b não está correta, pois se trata de um hiato e não ditongo.

  • Carma ai pessoinhas, a questão está ,ccorretissimamente, correta.Cafeicultores apenas seria hiato caso fosse acentuada a letra i.

  • Pessoal tbem não sabia como se separava a palavra cafeicultores, porém, por eliminação,  dava p responder,  pois eu sabia que a II e IV estavam erradas....só sobrava a letra b) para responder. 

  • Significado de Cafeicultor

    sm (cafei+cultor) Aquele que se dedica à cultura do café.

    Definição de Cafeicultor

    Classe gramatical: adjetivo e substantivo masculino
    Separação das sílabas: ca-fe-i-cul-tor
    Plural: cafeicultores

    http://www.dicio.com.br/cafeicultor/

  • Se fosse : Ca-fe-i-cul-to-res, o I deveria ser acentuado.
    Conforme o acordo ortográfico.
    B

  • Pessoal, pelo amor de Deus. Estão dizendo que se houvesse hiato em "cafeicultores" o "i" deveria estar acentuado, assim: ca-fe-í-cul-to-res. Vocês acabaram de acentuar a quarta sílaba, o que não existe na língua portuguesa.

    Hiato é a sequência de duas vogais que pertencem a sílabas diferentes. Nada a ver com a regra de acentuação, na qual o i teria de estar acentuado se fosse sílaba tônica, transformando-o em uma vogal, e não permanecendo como semivogal, o que é por definição.

    Há hiato sim. Vejam a separação silábica do Michaelis (http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php?lingua=portugues-portugues&palavra=cafeicultor):

    cafeicultor 
    ca.fe.i.cul.tor 
    sm (cafei+cultor) Aquele que se dedica à cultura do café

    A questão deveria ter sido anulada.

  • Pessoal, no site que eu pesquisei a separação é assim: CA-FEI-CUL-TO-RES.


  • Gabarito B

    Comentário


    Dígrafo: quando duas letras apresentam um único som

    I – Quinze (certo)

    Dígrafo, QU apresenta apenas som de “Q” a vogal “U” não é pronunciada.


    II – Re-de-mo-cra-ti-za-ção.

    4ª sílaba não possui dígrafo, mas sim, um encontro consonantal perfeito.


    Ditongo: é o encontro de uma vogal e uma semivogal (ou vice e versa) numa mesma sílaba.

    III – ca-fei-cul-to-res (certo)

    2ª sílaba com ditongo “ei” presente: “e” é uma vogal; “i” é uma semivogal.


    IV – Mo-nar-qui-a

    Na sílaba final não tem ditongo, mas, um hiato.
  • cafeicultor 
    ca.fe.i.cul.tor 
    sm (cafei+cultor) Aquele que se dedica à cultura do café.


    http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php?lingua=portugues-portugues&palavra=cafeicultor

  • DESCOMPLICA:     GAB.   B

     

    ca-fei-cul-to-res =      PAROXITONA !       

     

    Q368620     Q107389

    Para fugir da REGRA DO HIATO (I - U), MACETE: CHAMA A PALAVRA EM VOZ ALTA !!!

    Justifica-se com base na mesma regra de acentuação gráfica o emprego do acento gráfico nos vocábulos “sabíamos” e “procurávamos”.

    Todas as proparoxítonas são acentuadas. Esta regra prevalece sobre as outras. Por exemplo, caso a banca diga que a palavra friíssimo é acentuada pela regra dos hiatos (I e U), isso estará errado, pois a palavra é proparoxítona; devido a isso, dizemos que ela é acentuada por ser proparoxítona.

    Q398018      O emprego do acento gráfico em “remédios" pode ser justificado com base em duas regras distintas de acentuação   (paroxítona  e paproparoxítonas  aparentes  ou EVENTUAL)

    REMÉDIO, SÉRIE, EMPRESÁRIO, HISTÓRIA...

     

     

     

     

    Hiato: quando duas vogais estão juntas na mesma palavra, mas  em sílabas DEFERENTES.

     

    Po - é - ti - ca

    CRI-AN-ÇA

     

     

    DÍGRAFOS    =        DUAS LETRAS PARA UM SOM

    CORRUPÇÃO, CAMINHO, DISCUSSÃO

     

    CH-UVA

    GUE-RRA

    ASSAR

    CAMPO

    EMPRESA

     

     

     

     

    Ditongo crescente

    É quando há na sílaba a junção de semivogal + vogal

    Ex: qua-dra-do (u=SV, a=V)

    Ditongo Decrescente

    É quando, na mesma sílaba, junta-se vogal + semivogal

    Ex: noi-te (o=V, i=SV)

    Para compreendermos o que é um ditongo oral ou um ditongo nasal, precisamos entender que há vogais que são pronunciadas somente pela boca, chamadas de vogais orais (a, é, ê, i, ó, ô, u), e há vogais que são pronunciadas também pelo nariz, chamadas de vogais nasais.

    Ditongo oral

    É quando há uma junção de duas vogais orais na mesma sílaba.

    Ex: cai-xa

    Ditongo nasal

    É quando há uma junção de duas vogais nasais ou de uma vogal nasal e uma oral na mesma sílaba.

    Ex: sa-bão

  • I -> "qu" configura-se como um dígrafo (CORRETA)
    II -> "cr" não se configura como um dígrafo (ERRADA)
    III -> ca-fei-cul-to-res, há um ditongo (CORRETA)
    IV -> mo-nar-qui-a (ERRADA, há um hiato)

    GABARITO -> [B]

  • II. Em “redemocratização”, há uma dígrafo na quarta sílaba.

    ERRADO

    DÍGRAFOS: DÍGRAFO : 2 GRAFIAS = 1 SOM

    CH = /X/

    NH = /NH/

    LH = /LH/

    RR = /R/

    SS = /S/

    SC= /S/

    XC = /S/

    QU = /K/

    GU = /G/

    RE - DE - MO - CRA - TI - ZA - ÇÃO

    IV. Há em “monarquia” um ditongo na sílaba final.

    ERRADO

    MO - NAR - QUI - A (HIATO)


ID
1184236
Banca
Noroeste Concursos
Órgão
CPOS
Ano
2014
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Assinale a alternativa em que todas as palavras apresentem nove fonemas.

Alternativas
Comentários
  • Não entendi porque flexível tem 9 fonemas se tem apenas 8 letras.

  • Flexível-7 letras. F/l/e/k/s/i/v/e/u

  • Não entendi!


  • Há letras que quando estão juntas formam apenas um fonema.

    ex: ss = /s/ ssociação>; en = /ẽ/ entado>
    Mas também há fonemas que juntos são representados por uma única letra.ex: /ks/ = x xível>
  • Flexível tem 9 fonemas porque a letra x conta como ks. 

  • GABARITO  B

  • Eu acho que e letra E.

    • Flexível: oito letras e nove fonemas /f/l/e/k/s/i/v/e/u/


ID
1190944
Banca
FUNRIO
Órgão
IF-PI
Ano
2014
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

A Tribuna do Piauí de 18/01/2014 publicou a seguinte nota: “Adotado no PSIU 2010 da Universidade Estadual do Piauí, a obra Um Manicaca, de Abdias Neves, foi composta com a intenção de documentar Teresina no apagar das luzes do século XIX e combater as práticas e a fé religiosa da coletividade e ainda algumas doutrinas do Catolicismo. No fim do século registrou: os animados festejos da igreja de N. S. do Amparo, de foguetório e namoricos. As festas de aniversário nas residências, quando os amigos chegam de surpresa, sem aviso: forma-se o baile, dança-se, bebe-se e fala-se da vida alheia.”

Nesse texto encontramos palavras com dígrafos, entre as quais estas:

Alternativas
Comentários
  • É interessante entender que:

    A palavra dígrafo é formada pelos elementos gregos di, "dois", e grafo, "escrever".

    O dígrafo ocorre quando duas letras são usadas para representar um único fonema.

    Dígrafos consonantais

    Exemplos

    ss (usado unicamente entre vogais)  assunto, assento, isso

    sc  ascensão, descendente

    sç  nasço, cresça

    xc  exceção, excesso

    gu (quando não pronunciamos o "u")  guitarra, águia

    qu (quando não pronunciamos o "u")  questão, quilo

    lh  alho, milho

    nh  ninho, sonho

    ch  chuva, China

    rr  carro, bairro

    xs  exsurgir, exsudar

    Dígrafos vocálicos

    Quandom en aparecem no final da sílaba.

    Exemplos

    am ou an  campo, sangue.

    em ou en  sempre, tento

    im ou in  limpo, tingir

    om ou on  rombo, tonto

    um ou un  bumbo, sunga


  • Estou gostando muito de resolver questões,pois cada vez que revolvo descubro que não sei quase nada.

  • por que não é letra B?

  • essa tá estranha;ficou uma ? no ar!

  • Não é a letra B porque só se caracteriza digrafo vocalico quando temos uma vogal seguida de "m" antes de "P" e "B" ou uma vogal seguida de "N" antes de qualquer outra consoante. Vejamos que na letra b apenas a palavra QUANDO se aplica a esta regra.

  • Dígrafo Vocálico  É o encontro de uma vogal com m ou n, na mesma sílaba: am, an, em, en, im, in, om, on, um, un. A única função do m e do n é indicar que a vogal é nasal. Não representam, portanto, outro som. Há, então, um dígrafo, pois existem duas letras com um som só. 

    Composta: (Fonemas: Õ) - (Letras: OM)

    Residências: (Fonemas: Ê) - (Letras: ÊN)

    Dígrafos Consonantais. Os encontrosqu  egu só serão dígrafos quando estiverem seguidos dee ou i, sem que o u seja pronunciado.

    Foguetório: (Fonemas: GE) - (Letras: GUE), ou seja, GU  seguido de e e i.


  • Acho que a questão está com o gabarito equivocado

  • Composta --> "Côposta"

    Foguetório --> "Fogetório"

    Residências --> "Residêcias"

    Nas primeira e terceira palavras temos dígrafos vocálicos. Na do meio um dígrafo clássico e inseparável, o GU. 

  • Pensei que fosse a letra b) porque gu, qu e ch tbm são dígrafos. Não entendi!

  • Marquei letra B, e estou em dúvida com estas explicações sobre dígrafo vocálico. A questão só fala DÍGRAFO, não especificando o tipo.

  • Gente qu e gu da letra b não é dígrafo pois os mesmo só são dígrafos quando seguidos de i ou e.

    ""gu" e "qu" nem sempre representam dígrafos. Isso ocorre apenas quando, seguidos de "e" ou "i", representam os fonemas /g/ e /k/: guerra, quilo. Nesses casos, a letra "u" não corresponde a nenhum fonema. Em algumas palavras, no entanto, o "u" representa uma semivogal ou uma vogal (antes de 2009, no Brasil, representado pelo trema no "u": "ü"): aguentar, linguiça, frequente, tranquilo, averie, ari - o que significa que, nestes casos, "gu" e "qu" não são dígrafos. Também não há dígrafo quando são seguidos de "a" ou "o": quando, aquoso, averiguo."

  • Qu,qu,sc e xc quando soam não são dígrafos. Eu acho que esta explicação!!!!

  • A alternativa b) está errada porque a palavra "alguma" tanto o g quanto o u são pronunciados e o dígrafo são duas letras com apenas um som. Exemplo: guerra (o u não é pronunciado). Não basta ter apenas as letras "gu".

  • kkkk cai na  b também.

  • eu to com duvida nessa questao alguem poderia tirar duvida pra mim, eu marquei a E bom que acertei

  • Letra A = Apenas a palavra INTENÇÃO tem dígrafo (IN e EN)

    Letra B = Apenas a palavra QUANDO tem dígrafo (AN) 
    Letra C = Apenas a palavra ALHEIA tem dígrafo (LH)
    Letra D = Nenhuma palavra tem dígrafo
    Letra E = Todas as palavras têm dígrafo. COMPOSTA (OM); FOGUETÓRIO (GU); RESIDÊNCIAS (EN).

    "Algumas" não tem dígrafo. Para que o "GU" seja considerado dígrafo é preciso que seja seguido de "e" ou "i" e que o "u" não seja pronunciado (EX: guerra). 

    A mesma regra se aplica para o "QU"."CHEGAM" não tem dígrafo. "AM" e "EM" em final de palavra não representam dígrafo vocálico, mas sim ditongo nasal. Na pronúncia a letra "M" tem som de "AO" - /xegao/. 

  • Depois de estudar muito para o Cespe e acertar muitas, esta banca está me dando a entender que não sei nem as letras do alfabeto !! 

  •  

    O que é Dígrafo:

    Dígrafo é o encontro de duas letras que ao serem pronunciadas emitem um único fonema. São exemplos de dígrafos: nascer, morrer, chorar, isso, aquilo.

    A palavra "dígrafo" tem origem grega, sendo formada pela junção dos termos di (dois) + grafo (escrever). Em outras línguas, podem existir trígrafos (três letras) ou quadrígrafos (quatro letras). Por exemplo, na Língua Alemã, "tsch(Deutschland) representa apenas um som.

    Na Língua Portuguesa, os dígrafos são classificados em Vocálicos (encontro de duas letras que formam um som de vogal) e Consonantais (encontro de duas letras que formam um som de consoante).

    Exemplos de Dígrafos Vocálicos

    • am: ambíguo, campeão 
    • an: antítese, manto 
    • em: lembrança, tempo 
    • en: vento, senta 
    • im: impureza, símbolo 
    • in: interior, síntese 
    • om: sombra, pompa 
    • on: ontem, conto 
    • um: tumba, cumprimento 
    • un: fundo, tonto, mundo

     

    Exemplos de Dígrafos Consonantais

    • lh: soalho, migalha 
    • nh: tenho, vinho 
    • ch: chegar, achatado 
    • rr: jarro, corrimão 
    • ss: massa, passeio 
    • qu e gu (seguidos de e ou i): quente, quiromancia 
    • sc: ascender, crescer 
    • : cresço, desço 
    • xc: excelente, excessivo 
    • xs: exsudar, exsicar

    Fonte:https://www.significados.com.br/digrafo/

  • ATENÇÃO!!

    GU e QU só são dígrafos se forem seguidos de E ou I.


ID
1235650
Banca
FUNCAB
Órgão
PRODAM-AM
Ano
2014
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

                           A outra noite

      Outro dia fui a São Paulo e resolvi voltar à noite, uma noite de vento sul e chuva, tanto lá como aqui. Quando vinha para casa de táxi, encontrei um amigo e o trouxe até Copacabana; e contei a ele que lá em cima, além das nuvens, estava um luar lindo, de lua cheia; e que as nuvens feias que cobriam a cidade eram, vistas de cima, enluaradas, colchões de sonho, alvas, uma paisagem irreal.
      Depois que o meu amigo desceu do carro, o chofer aproveitou um sinal fechado para voltar-se para mim:
      - O senhor vai desculpar, eu estava aqui a ouvir sua conversa. Mas, tem mesmo luar lá em cima?
      Confirmei: sim, acima da nossa noite preta e enlamaçada e torpe havia uma outra - pura, perfeita e linda.
      -Mas que coisa...
      Ele chegou a pôr a cabeça fora do carro para olhar o céu fechado de chuva. Depois continuou guiando mais lentamente. Não sei se sonhava em ser aviador ou pensava em outra coisa.
      -Ora, sim senhor...
      E, quando saltei e paguei a corrida, ele me disse um“boa noite” e um“muito obrigado ao senhor” tão sinceros, tão veementes, como se eu lhe tivesse feito um presente de rei.

             (BRAGA, Rubem. Para gostar de ler, vol. 2, crônicas. São Paulo, Ática.) Para gostar de le


Assinale a palavra do texto que apresenta dígrafo.

Alternativas
Comentários
  • Dígrafo é quando duas letras emitem um único som! Teste os dígrafos dessas palavras: assar, banho, arroz, querido.

    Percebe que ao pronunciar ss em assar, nh em banho, rr em arroz e qu em querido, emitimos apenas um fonema?

    Então, quando isso ocorre, chamamos de dígrafo, o qual compreende o seguinte grupo de letras: lhnh,chrrssqu e gu (seguidos de e ou i), scxcxs.

  • então é aqui o gabarito?

  •  Resposta: B

  • Dígrafos: quando duas letras emitem um único som.

    Os dígrafos podem ser consonantais ou vocálicos:

    1) Dígrafos consonantais: rr, ss, sc, sç, xc, xs, ch, lh, nh, qu, gu.

    exemplos:

    alho = lh

    chuva = ch

    ninho = nh

    carro = rr

    assistir = ss

    águia = gu

    aquilo = qu

    nascer = sc

    descer = sc

    cresça = sç

    exceção = xc

    exsurgir = xs

    obs: QU, gu, sc,xc quando escuta o som das duas letras nao são digrafos, pois so é digrafo quando escuta o som de uma só letra.

    Dígrafos vocálicos: os quais são formados pelas vogais nasais seguidas de “m” ou “n” (am, an, em, en, im, in, om, on, um e un)

    exemplos:

    amparar, antigo, lembrar, encontrar, importar, indicar, ombro, onda, umbigo, fundo, ontem, baton, tronco

    obs.: cantaram e falarão não são dígrafos, pois soa som de 2 letras.

    Homem e hífen não são dígrafos pois soa i no final.

  • A questão é de fonologia e quer que assinalemos a palavra do texto que apresenta dígrafo. Vejamos:

     .

    Dígrafo é o grupo de duas letras representando um só fonema (som). Na palavra "chave", por exemplo, que se pronuncia "xávi", ocorre o dígrafo "ch". 

    Dígrafos consonantais: (dígrafos que representam consoantes) lh, ch, nh, rr, ss, qu, gu, sc, sç, xc, xs. 

    Dígrafos vocálicos: (dígrafos que representam vogais nasais) am, em, im, om, um, an, en, in, on, un.

     .

    Encontro consonantal é a sequência de dois ou mais fonemas consonânticos numa palavra. Ou seja, é o encontro de duas ou mais consoantes numa palavra, sem existir uma vogal no meio delas. Ex.: brado, creme, plano, regra, ciclo, atleta, atrás, transtorno, psíquico...

    O encontro consonantal pode ocorrer:

    • na mesma sílaba: cli-ma, flo-res, du-plo, bra-do, re-pre-sa, le-tra, czar, pseu-dô-ni-mo... (São encontros consonantais inseparáveis, mais frequentemente formados de consoante + ou r)
    • em sílabas diferentes: ad-ven-to, ob-tu-so, ap-to, pac-to, suc-ção, naf-ta, sub-lo-car...(São encontros consonantais separáveis. Ocorrem sempre no interior das palavras e geralmente são formados de duas consoantes)

     .

    A) Outro

    Errado. Em "ou-tro" não há dígrafo. O que há é o encontro consonantal "tr".

     .

    B) aqui

    Certo. Em "a-qui" há o dígrafo "qu".

    Obs.: "gu" e "qu" só são dígrafos quando seguidos das vogais "e" ou "i", representando os fonemas /g/ e /k/: guitarra, quilo; nesse caso, a letra 'u' não representa nenhum fonema. NÃO há dígrafos quando são seguidos de "a" ou "o": quase, averiguo.

     .

    C) luar

    Errado. Em "lu-ar" não há dígrafo. Há apenas o hiato "u-a".

     .

    D) alvas

    Errado. Em "al-vas" não há dígrafo. O que há é o encontro consonantal "lv".

     .

    E) torpe

    Errado. Em "tor-pe" não há dígrafo. O que há é o encontro consonantal "rp".

     .

    Referência: CEGALLA, Domingos Pascoal. Novíssima Gramática da Língua Portuguesa, 48.ª edição, São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2008.

     .

    Gabarito: Letra B


ID
1235656
Banca
FUNCAB
Órgão
PRODAM-AM
Ano
2014
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

                           A outra noite

      Outro dia fui a São Paulo e resolvi voltar à noite, uma noite de vento sul e chuva, tanto lá como aqui. Quando vinha para casa de táxi, encontrei um amigo e o trouxe até Copacabana; e contei a ele que lá em cima, além das nuvens, estava um luar lindo, de lua cheia; e que as nuvens feias que cobriam a cidade eram, vistas de cima, enluaradas, colchões de sonho, alvas, uma paisagem irreal.
      Depois que o meu amigo desceu do carro, o chofer aproveitou um sinal fechado para voltar-se para mim:
      - O senhor vai desculpar, eu estava aqui a ouvir sua conversa. Mas, tem mesmo luar lá em cima?
      Confirmei: sim, acima da nossa noite preta e enlamaçada e torpe havia uma outra - pura, perfeita e linda.
      -Mas que coisa...
      Ele chegou a pôr a cabeça fora do carro para olhar o céu fechado de chuva. Depois continuou guiando mais lentamente. Não sei se sonhava em ser aviador ou pensava em outra coisa.
      -Ora, sim senhor...
      E, quando saltei e paguei a corrida, ele me disse um“boa noite” e um“muito obrigado ao senhor” tão sinceros, tão veementes, como se eu lhe tivesse feito um presente de rei.

             (BRAGA, Rubem. Para gostar de ler, vol. 2, crônicas. São Paulo, Ática.) Para gostar de le


Assinale a opção em que a palavra do texto foi corretamente separada em sílabas.

Alternativas
Comentários
  • a) en·lu·a·ra·das  b) col - chões  c)des-ceu  d)a·vi·a·dor  e) ve-e-men-tes 






  • LETRA E - CORRETA:

     

     

    en-lu-a-ra-das

     

    Quantas sílabas tem enluaradas? 5 sílabas

     É uma palavra grave ou também chamado paroxítona (acento tônico na penúltima sílaba).

     

    col-chões

     

    Quantas sílabas tem colchões? 2 sílabas

     É uma palavra grave ou também chamado paroxítona (acento tônico na penúltima sílaba).

     

    des-ceu

     

    Quantas sílabas tem desceu? 2 sílabas

    É uma palavra aguda ou também chamado oxítona (acento tônico na última sílaba).

     

    a-vi-a-dor

     

    Quantas sílabas tem aviador? 4 sílabas

    É uma palavra aguda ou também chamado oxítona (acento tônico na última sílaba).

     

    ve-e-men-tes

    Quantas sílabas tem veementes? 4 sílabas

    É uma palavra grave ou também chamado paroxítona (acento tônico na penúltima sílaba).

    Vogais idênticas e-e separam-se.

     

    Fonte: www.silabas.net

  • A pessoa coloca como resposta o gabarito. Ué, grande coisa hein? Quero uma explicação de "veementes".

  • VEEMENTES esta correta porque letras iguais sempre se separam.

  • A questão é sobre divisão silábica e quer que marquemos a alternativa correta. Vejamos:

     . 

    A) en-lua-ra-das

    Errado. Soletramos "en-lu-a-ra-das".

     . 

    B) col-chõ-es

    Errado. Soletramos "col-chões".

     . 

    C) de-sceu

    Errado. Soletramos "des-ceu".

     . 

    D) a-via-dor

    Errado. Soletramos "a-vi-a-dor".

     . 

    E) ve-e-men-tes

    Certo. Soletramos "ve-e-men-tes".

     . 

    Para complementar:

     . 

    Divisão silábica

     . 

    A divisão silábica faz-se pela silabação (soletração), isto é, pronunciando as palavras por sílabas. Na escrita, separam-se as sílabas por meio do hífen: te-sou-ro, di-nhei-ro, con-te-ú-do, ad-mi-tir, guai-ta-cá, sub-le-var.

    Regra geral:

    • Na escrita, não se separam letras representativas da mesma sílaba.

    Regras práticas:

    Não se separam letras que representam:

    • a)   ditongos: cau-le, trei-no, ân-sia, ré-guas, so-cie-da-de, gai-o-la, ba-lei-a, des-mai-a-do, im-bui-a, etc.
    • b)   tritongos: Pa-ra-guai, quais-quer, sa-guão, sa-guões, a-ve-ri-guou, de-lin-quiu, ra-diou-vin-te, U-ru-guai-a-na, etc.
    • c)    os dígrafos ch, lh, nh, gu e qu: fa-cha-da, co-lhei-ta, fro-nha, pe-guei, quei-jo, etc.
    • d)   encontros consonantais inseparáveis: re-cla-mar, re-ple-to, pa-trão, gno-mo, mne-mô-ni-co, a-mné-sia, pneu-mo-ni-a, pseu-dô-ni-mo, psi-có-lo-go, bí-ceps, etc.

    Separam-se as letras que representam os hiatos: sa-ú-de, Sa-a-ra, sa-í-da, ca-o-lho, fe-é-ri-co, pre-en-cher, te-a-tro, co-e-lho, zo-o-ló-gi-co, du-e-lo, ví-a-mos, etc.

    Contrariamente à regra geral, separam-se, por tradição, na escrita, as letras dos dígrafos rr, ss, sc, sç e xc: guer-ra, sos-se-go, pis-ci-na, des-çam, cres-ço, ex-ce-ção, etc.

    Separam-se, obviamente, os encontros consonantais separáveis, obedecendo-se ao princípio da silabação: ab-do-me, ad-je-ti-vo, de-cep-ção, Is-ra-el, sub-ma-ri-no, ad-mi-rar, ap-ti-dão, felds-pa-to, sub-lin-gual, af-ta, e-clip-se, trans-tor-no...

    Na divisão silábica, não se levam em conta os elementos mórficos das palavras (prefixos, radicais, sufixos): de-sa-ten-to, di-sen-te-ri-a, tran-sa-tlân-ti-co, su-ben-ten-di-do, su-bes-ti-mar, in-te-rur-ba-no, su-bur-ba-no, bi-sa-vó, hi-dre-lé-tri-ca, etc.

     . 

    Referência: CEGALLA, Domingos Pascoal. Novíssima Gramática da Língua Portuguesa, 48.ª edição, São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2008, página 36.

     . 

    Gabarito: Letra E


ID
1256617
Banca
FUNRIO
Órgão
IF-PI
Ano
2014
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

A Tribuna do Piauí de 18/01/2014 publicou a seguinte nota: “Educar através da poesia, estimular a leitura, divulgar a cultura nordestina, estimular os valores morais, divulgar a preservação do meio ambiente. Eis os ingredientes para a receita de sucesso do livro “Aprendendo com a Poesia”, da jornalista e escritora Manoela Gomes dos Santos.”

Nesse texto encontramos palavras com encontros consonantais, entre as quais estas:

Alternativas
Comentários
  • Encontro consonantalé o nome que se dá à reunião de duas ou mais consoantes, sem vogal entre elas.Há dois tipos básicos de encontros consonantais:

    1º caso: Consoante + l ou r são encontros na mesma sílaba, chamados de perfeitos

    2º caso: Duas consoantes em sílabas diferentes, chamados deimperfeitos.

    a) a-tra-vés / li-vro / es-cri-to-ra.(As 3 palavras têm consoante perfeito por isso que é a letra A)

     b) cul-tu-ra /nor-des-ti-na / su-ces-so.

     c) va-lo-res /  re-cei-ta /  jor-na-lis-ta.

     d) es-ti-mu-lar /  di-vul-gar /  am-bi-en-te.

     e) po-e-sia /  lei-tu-ra /  mo-ra-is.


  • Usa-se diante de palavra iniciada por h.

    Usa-se o hífen quando o segundo elemento começar com a mesma vogal que termina o primeiro.

    Além de outros

  • São os encontros de duas consoantes ou mais.

  • Gabarito A

     

    a) através / livro / escritora (encontro consonantal perfeito)

     

    b) cultura (encontro consonantal imperfeito) / nordestina (encontro consonantal imperfeito) / sucesso (dígrafo consonantal)

    c) valores / receita (ditongo) / jornalista (encontro consonantal imperfeito)

    d) estimular (encontro consonantal imperfeito) / divulgar (encontro consonantal imperfeito) / ambiente (dígrafo vocálico)

    e) poesia (hiato) / leitura (ditongo) / morais (hiato)

     

     

    http://www.soportugues.com.br/secoes/fono/fono4.php

    Se estiver equivocada, por favor, corrijam-me.

  • Luana RJ a palavra "morais"tem um Ditongo Decrescente e não hiato... Pois ela é separa assim "mo-rais"


ID
1263211
Banca
IDECAN
Órgão
Colégio Pedro II
Ano
2014
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

                              A complicada arte de ver


      Ela entrou, deitou-se no divã e disse: “Acho que estou ficando louca”. Eu fiquei em silêncio aguardando que ela me revelasse os sinais da sua loucura. “Um dos meus prazeres é cozinhar. Vou para a cozinha, corto as cebolas, os tomates, os pimentões - é uma alegria! Entretanto, faz uns dias, eu fui para a cozinha para fazer aquilo que já fizera centenas de vezes: cortar cebolas. Ato banal sem surpresas. Mas, cortada a cebola, eu olhei para ela e tive um susto. Percebi que nunca havia visto uma cebola. Aqueles anéis perfeitamente ajustados, a luz se refletindo neles: tive a impressão de estar vendo a rosácea de um vitral de catedral gótica. De repente, a cebola, de objeto a ser comido, se transformou em obra de arte para ser vista! E o pior é que o mesmo aconteceu quando cortei os tomates, os pimentões... Agora, tudo o que vejo me causa espanto.”
      Ela se calou, esperando o meu diagnóstico. Eu me levantei, fui à estante de livros e de lá retirei as “Odes Elementales”, de Pablo Neruda. Procurei a “Ode à Cebola” e lhe disse: “Essa perturbação ocular que a acometeu é comum entre os poetas. Veja o que Neruda disse de uma cebola igual àquela que lhe causou assombro: ‘Rosa de água com escamas de cristal’. Não, você não está louca. Você ganhou olhos de poeta... Os poetas ensinam a ver”.
      William Blake sabia disso e afirmou: “A árvore que o sábio vê não é a mesma árvore que o tolo vê”. Sei disso por experiência própria. Quando vejo os ipês floridos, sinto-me como Moisés diante da sarça ardente: ali está uma epifania do sagrado. Mas uma mulher que vivia perto da minha casa decretou a morte de um ipê que florescia à frente de sua casa porque ele sujava o chão, dava muito trabalho para a sua vassoura. Seus olhos não viam a beleza. Só viam o lixo.

                               (Rubem Alves. Disponível em: http://www.releituras.com/i_airon_rubemalves.asp. Acesso em: 05/2014.)


Considerando apenas os termos destacados em “Mas uma mulher que vivia perto da minha casa decretou a morte de um ipê que florescia à frente de sua casa porque ele sujava o chão, dava muito trabalho para a sua vassoura.” (3º§), é correto afirmar que há

Alternativas
Comentários
  • Encontros consonantais temos dois: Perfeitos- duas consoantes juntas na palavra e na mesma sílaba. EX : florescía.
                                                                 Imperfeitos- duas consoantes juntas na palavra mas em sílabas diferentes. EX:história  

  • Quais são os encontros consonantais? a Banca contou mulher e trabalho como um só??

  • Mulher = Dígrafo
    Minha = Dígrafo
    Decretou = Encontro Consonantal
    Florescia = Encontro Consonantal + Dígrafo
    Trabalho = Encontro Consonantal + Dígrafo

    4 Dígrafos e 3 Encontros Consonantais

  • Dígrafo é o encontro de duas letras que ao serem pronunciadas emitem um único fonema. São exemplos de dígrafos: nascer, morrer, chorar, isso, aquilo.

    Encontro consonantal é a sequência de duas ou mais consoantes numa palavra, sem a existência de uma vogal intermediária.

    Existem dois tipos principais de encontros consonantais: o encontro consonantal puro, próprio ou perfeito e o encontro consonantal disjunto, impróprio ou imperfeito. Alguns autores defendem ainda a existência de um terceiro tipo de encontro consonantal, o encontro consonantal misto.

    O encontro consonantal puro, próprio ou perfeito quando, na divisão silábica, as consoantes se mantêm inseparáveis, permanecendo dentro da mesma sílaba.

    ExemplosBrasil (Bra-sil); claro (cla-ro); flores (flo-res); fritadeira (fri-ta-dei-ra); palavra (pa-la-vra); prateleira (pra-te-lei-ra);

    Há encontro consonantal disjunto, impróprio ou imperfeito quando, na divisão silábica, as consoantes se separam, ficando em sílabas diferentes.

    Exemplosadvogado (ad-vo-ga-do); aftas (af-tas); almoço (al-mo-ço); costas (cos-tas); forte (for-te); magnético (mag-né-ti-co);

  • Mulher --> Dígrafo Inseparável

    Minha --> Dígrafo inseparável

    Decretou --> CR - Encontro Consonantal / OU --> Ditongo Decrescente (Vogal + Semivogal)

    Florescia --> FL - Encontro Consonantal / IA --> Ditongo Crescente (Semivogal + Vogal)

    Trabalho --> TR - Encontro Consonantal / LH --> Dígrafo inseparável

    Resp. Letra D


  • Não concordo com a resposta! Vamos lá...

    Mulher >> LH - Dígrafo

    Minha >> NH - Dígrafo

    Decretou >> CR - Encontro Consonantal

    Florescia >> FL - Encontro Consonantal

    Trabalho >> TR - Encontro Consonantal / LH - Dígrafo.

    Então são 3 Dígrafos e 3 Encontros Consonantais.

  • Errei por bobeira, não dei muita bola para encontro consonantal pois é muito bobinho de fácil. Mas na hora a gente acaba esquecendo.

  • Mulher >> LH - Dígrafo

    Minha >> NH - Dígrafo

    Decretou >> CR - Encontro Consonantal

    Florescia >> FL - Encontro Consonantal / SC - Dígrafo

    Trabalho >> TR - Encontro Consonantal / LH - Dígrafo.

    Então são 4 Dígrafos e 3 Encontros Consonantai

  • Só para saber. Decretou, o "ou" seria ditongo decrescente ? Acho que sim, certo ?

  • essa palavra FLORESCIA me fez errar.

  • Maurílio, sim, ditongo decrescente e fechado.

  • Encontro consonantais é o encontro de sons consonantais simultâneos dentro da palavras. Cada consoante tem um som distinto. Podendo ser:

    a) Encontros consonantais PERFEITOS: Sons consonantais que pertencem à mesma sílaba. Ex.: PRo-BLe-ma, PSi-co-lo-gi-a

    b) Encontros consonantais IMPERFEITOS: Sons consonantais que pertencem a sílabas diferentes. Ex.: diG-No, peR-Fei-to


    Fonte: Português esquematizado, Agnaldo Martino 



  • também errei por achar ter muita certeza já fui clicando

  • ha errei porque não avalie as que tinha dígrafo.

  •  Letra D: 4 Dígrafos e 3 Encontros Consonantais

    Mulher >> LH - Dígrafo

    Minha >> NH - Dígrafo

    Decretou >> CR - Encontro Consonantal

    Florescia >> FL - Encontro Consonantal / SC - Dígrafo

    Trabalho >> TR - Encontro Consonantal / LH - Dígrafo.


  • sinceramente ....é  emuita valia um concurso ter uma questão dessa....enquanto no dia a dia nunca que ele vai utilizar isso em nada. Organizadoras ,melhores! Pois, os funcionários vão utilizar depois tudo,menos isso.

  • 4 Dígrafos e 3 Encontros Consonantais...

    “Acredite na sua voz interior, quando ela lhe disser que você vai conseguir, se tentar.” 


  • RALEI MEU BICO NESSA QUESTÃO MAS RESOLVI CERTO.

    CREIO QUE NUMA PROVA EU ACERTARIA. 

    SÓ PRA COMPENSAR MEU COMENTÁRIO

    DÍGRAFOS DA QUESTÃO; NH LH SC

    ENCONTROS CONSONANTAIS  TR, FL CR


  • Letra D: 

    4 Dígrafos e 3 Encontros Consonantais

    Mulher >> LH - Dígrafo

    Minha >> NH - Dígrafo

    Decretou >> CR - Encontro Consonantal

    Florescia >> FL - Encontro Consonantal / SC - Dígrafo

    Trabalho >> TR - Encontro Consonantal / LH - Dígrafo.

  • - muLHer= lhe = 1 som = dígrafo (igual a ch, nh)
    - miNHa = nha = dígrafo
    - deCRetou=cr = ENCONTRO CONSONANTAL
    - FLoreSCia= sc = 1 som = dígrafo / FL = ENCONTRO CONSONANTAL
    - TRabaLHo= lh = dígrafo / TR = ENCONTRO CONSONANTAL

  •  mulher  - 1 fon 0 enc.cons

     minha - 1 fon 0 enc.cons

     decretou - 0 fon 1 enc.cons

     florescia - 1 fon 1 enc.cons

     trabalho - 1 fon 1 enc.cons

  • gabarito (D)

    digrafo é um unico som ex. chapeu, nascer, telhado

    encontro cons tem 2 sons ex: atleta, escada, vidro

    muLHer: digrafo

    miNHa: digrafo

    deCRetou: encontro cons.

    FLoreSCia:encontro cons e digrafo

    TRabaLHO:encontro cons e digrafo

  • Basta você perceber na hora de separar as sílabas, se caso as consoantes fiquem na mesma sílaba é encontro consonantal, caso contrário é dígrafo.

     

  • Errado Rudson

    encontro consonantal tem perfeito e imperfeito

  • mulher = DÍGRAFO 

    minha = DÍGRAFO 

    decretou = ENCONTRO CONSONANTAL 

    florescia = ENCONTRO CONSONANTAL E DÍGRAFO RESPECTIVAMENTE

    trabalho ENCONTRO CONSONANTAL E DÍGRAFO RESPECTIVAMENTE 

    4 DÍGRAFOS E 3 ENCONSTROS CONSONANTAIS 

  • Galera quando existe digrafo não é encontro consonantal ex  mu lh er o lh é         digrafo.

  • DÍGRAFO

    ENCONTRO CONSONANTAL

    fonte: Professor Pestana

  • Errei por tentar responder rápido


ID
1263496
Banca
INSTITUTO AOCP
Órgão
UFGD
Ano
2014
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

A palavra que NÃO está separada corretamente é

Alternativas
Comentários
  • neu·ro·nal

    adj m+f

    Relativo a neurônio; neuronial, neurônico.

  • GABARITO: E

     

    Atenção ao fato de que, na separação silábica, toda sílaba deve conter uma vogal.

    Sabendo-se que "i" e "u" são semivogais, já achamos a incorreção em NEU-RO-NAL.

  • Retificado somente quanto a alternativa do gabarito: D

    JESUS abençoe! Bons estudos!

  • A questão é de fonologia e quer que marquemos a palavra que NÃO está separada corretamente. Vejamos:

     .

    A) bar – rei – ra.

    Certo. Soletramos "bar-rei-ra" (lembrando que devemos separar o dígrafo "rr").

     .

    B) pes – so – as.

    Certo. Soletramos "pes-so-as" (lembrando que devemos separar o dígrafo "ss").

     .

    C) ci – en – tes.

    Certo. Soletramos "ci-en-tes".

     .

    D) ne – u – ro – nal.

    Errado. O certo é "neu-ro-nal", pois não devemos separar o ditongo "eu".

     .

    E) fi – ló – so – fos.

    Certo. Soletramos "fi-ló-so-fos".

     .

    Para complementar:

      .. 

    Divisão silábica

     .  .

    A divisão silábica faz-se pela silabação (soletração), isto é, pronunciando as palavras por sílabas. Na escrita, separam-se as sílabas por meio do hífen: te-sou-ro, di-nhei-ro, con-te-ú-do, ad-mi-tir, guai-ta-cá, sub-le-var.

    Regra geral:

    • Na escrita, não se separam letras representativas da mesma sílaba.

    Regras práticas:

    Não se separam letras que representam:

    • a)   ditongos: cau-le, trei-no, ân-sia, ré-guas, so-cie-da-de, gai-o-la, ba-lei-a, des-mai-a-do, im-bui-a, etc.
    • b)   tritongos: Pa-ra-guai, quais-quer, sa-guão, sa-guões, a-ve-ri-guou, de-lin-quiu, ra-diou-vin-te, U-ru-guai-a-na, etc.
    • c)    os dígrafos ch, lh, nh, gu e qu: fa-cha-da, co-lhei-ta, fro-nha, pe-guei, quei-jo, etc.
    • d)   encontros consonantais inseparáveis: re-cla-mar, re-ple-to, pa-trão, gno-mo, mne-mô-ni-co, a-mné-sia, pneu-mo-ni-a, pseu-dô-ni-mo, psi-có-lo-go, bí-ceps, etc.

    Separam-se as letras que representam os hiatos: sa-ú-de, Sa-a-ra, sa-í-da, ca-o-lho, fe-é-ri-co, pre-en-cher, te-a-tro, co-e-lho, zo-o-ló-gi-co, du-e-lo, ví-a-mos, etc.

    Contrariamente à regra geral, separam-se, por tradição, na escrita, as letras dos dígrafos rr, ss, sc, sç e xc: guer-ra, sos-se-go, pis-ci-na, des-çam, cres-ço, ex-ce-ção, etc.

    Separam-se, obviamente, os encontros consonantais separáveis, obedecendo-se ao princípio da silabação: ab-do-me, ad-je-ti-vo, de-cep-ção, Is-ra-el, sub-ma-ri-no, ad-mi-rar, ap-ti-dão, felds-pa-to, sub-lin-gual, af-ta, e-clip-se, trans-tor-no...

    Na divisão silábica, não se levam em conta os elementos mórficos das palavras (prefixos, radicais, sufixos): de-sa-ten-to, di-sen-te-ri-a, tran-sa-tlân-ti-co, su-ben-ten-di-do, su-bes-ti-mar, in-te-rur-ba-no, su-bur-ba-no, bi-sa-vó, hi-dre-lé-tri-ca, etc.

     . 

    Referência: CEGALLA, Domingos Pascoal. Novíssima Gramática da Língua Portuguesa, 48.ª edição, São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2008, página 36.

     . 

    Gabarito: Letra D 


ID
1265200
Banca
INSTITUTO AOCP
Órgão
UFGD
Ano
2014
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

                        Pensando livremente sobre o livre arbítrio 

                                                                                                Marcelo Gleiser

      Todo mundo quer ser livre; ou, ao menos, ter alguma liberdade de escolha na vida. Não há dúvida de que todos temos nossos compromissos, nossos vínculos familiares, sociais e profissionais. Por outro lado, a maioria das pessoas imagina ter também a liberdade de escolher o que fazer, do mais simples ao mais complexo: tomo café com açúcar ou adoçante? Ponho dinheiro na poupança ou gasto tudo? Em quem vou votar na próxima eleição? Caso com a Maria ou não?
      A questão do livre arbítrio, ligada na sua essência ao controle que temos sobre nossas vidas, é tradicionalmente debatida por filósofos e teólogos. Mas avanços nas neurociências estão mudando isso de forma radical, questionando a própria existência de nossa liberdade de escolha. Muitos neurocientistas consideram o livre arbítrio uma ilusão. Nos últimos anos, uma série de experimentos detectou algo surpreendente: nossos cérebros tomam decisões antes de termos consciência delas. Aparentemente, a atividade neuronal relacionada com alguma escolha (em geral, apertar um botão) ocorre antes de estarmos cientes dela. Em outras palavras, o cérebro escolhe antes de a mente se dar conta disso.
      Se este for mesmo o caso, as escolhas que achamos fazer, expressões da nossa liberdade, são feitas inconscientemente, sem nosso controle explícito.
      A situação é complicada por várias razões. Uma delas é que não existe uma definição universalmente aceita de livre arbítrio. Alguns filósofos definem livre arbítrio como sendo a habilidade de tomar decisões racionais na ausência de coerção. Outros consideram que o livre arbítrio não é exatamente livre, sendo condicionado por uma série de fatores, desde a genética do indivíduo até sua história pessoal, situação pessoal, afinidade política etc.
      Existe uma óbvia barreira disciplinar, já que filósofos e neurocientistas tendem a pensar de forma bem diferente sobre a questão. O cerne do problema parece estar ligado com o que significa estar ciente ou ter consciência de um estado mental. Filósofos que criticam as conclusões que os neurocientistas estão tirando de seus resultados afirmam que a atividade neuronal medida por eletroencefalogramas, ressonância magnética funcional ou mesmo com o implante de eletrodos em neurônios não mede a complexidade do que é uma escolha, apenas o início do processo mental que leva a ela.
      Por outro lado, é possível que algumas de nossas decisões sejam tomadas a um nível profundo de consciência que antecede o estado mental que associamos com estarmos cientes do que escolhemos. Por exemplo, se, num futuro distante, cientistas puderem mapear a atividade cerebral com tal precisão a ponto de prever o que uma pessoa decidirá antes de ela ter consciência da sua decisão, a questão do livre arbítrio terá que ser repensada pelos filósofos.
      Mesmo assim, me parece que existem níveis diferentes de complexidade relacionados com decisões diferentes, e que, ao aumentar a complexidade da escolha, fica muito difícil atribuí-la a um processo totalmente inconsciente. Casar com alguém, cometer um crime e escolher uma profissão são ponderações longas, que envolvem muitas escolhas parciais no caminho que requerem um diálogo com nós mesmos. Talvez a confusão sobre o livre arbítrio seja, no fundo, uma confusão sobre o que é a consciência humana. 

                        http://www1.folha.uol.com.br/colunas/marcelogleiser/2014/01/ 1396284-pensando-livremente-sobre-o-livre-arbitrio.shtml.


A palavra que NÃO está separada corretamente é

Alternativas
Comentários
  • Gabarito D

    Ditongo (vogal + semivogal não se separa)

    Bar-rei-ra

    Neu-ro-nal

  • a)bar – rei – ra.  (CORRETO)

    b)pes – so – as. (CORRETO)

    c)ci – en – tes. (CORRETO)

     

    d)ne – u – ro – nal. (ERRADA)  OBS. Não pode separa ditongos aberto, neu-ro-nal

     

    e)fi – ló – so – fos.  (CORRETO)

  • GABARITO D


ID
1279408
Banca
INSTITUTO AOCP
Órgão
UFPB
Ano
2014
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

    Dinheiro lidera os motivos de brigas entre casais no País


Quando o orçamento está curto, conversar com frequência sobre o assunto é uma boa saída para você sentir que está no controle da situação


      Mesmo quando as finanças vão bem, dinheiro é o principal motivo de briga entre casais. Se as contas andam
apertadas, então, o terreno é propício para que ambos descontem suas ansiedades um no outro. Mas, com um pouquinho de esforço, dá pra lidar com essa parte chata da vida a dois e barrar as brigas antes mesmo que elas comecem. Em primeiro lugar, é importante que o casal fale a mesma língua quando se trata de dinheiro (na próxima página, montamos um teste para vocês avaliarem se estão mesmo alinhados). Pesquisa mundial feita recentemente mostrou que 72% dos casais se preocupam com os gastos do parceiro. Se um se sacrifca para economizar, e o outro torra a grana, problemas à vista.
      Quando o orçamento está curto, conversar com frequência sobre o assunto é uma boa saída para você sentir
que está no controle da situação. Só fique esperto para bater este papo no momento certo. “Nunca tente conversar se você estiver muito estressado com suas contas”, sugere o consultor fnanceiro Jill Gianola. Em vez disso, procure uma hora em que os dois estejam calmos e sem distração.
      É importante que o casal esteja alinhado nas decisões de com o quê gastar, como economizar e quanto investir. Se apenas um exerce controle sobre as finanças, o outro pode acabar se sentindo excluído e impotente. É bacana que vocês decidam juntos quem paga o quê – e como. A renda de vocês é unifcada ou cada um tem sua conta separada no banco? Vocês consultam um ao outro antes de fazer uma aquisição que comprometa o orçamento da casa? Quem é o responsável pelas contas? Se vocês estão se entendendo do jeito que está, ótimo. Mas, de qualquer forma, a regra de ouro pra não rolar estresse é não esconder do parceiro nenhum tipo de gasto.
      Brigas sobre dinheiro são um dos principais motivos que levam um casal ao divórcio. Se você e seu companheiro não conseguem falar sobre o assunto sem que isso vire um pé de guerra, e isso está colocando seu relacionamento em risco, pense em procurar ajuda. Um consultor financeiro pode dar dicas de como administrar as finanças, enquanto uma terapia de casal pode ajudar os dois a resolverem certas diferenças. O segredo é conversar, ter comprometimento e não culpar o outro por fatores que estão fora de seu controle. Pensamento positivo: se vocês souberem lidar com problemas financeiros, isso significa que terão jogo de cintura para enfrentar outras situações difíceis – e sairão dessa fortalecidos.

Texto adaptado – Fonte: http://www.meionorte.com/noticias/jor-nais-e-revistas/dinheiro-lidera-os-motivos-de-brigas-entre-casais-no-pais-86284.html

Assinale a alternativa em que NÃO há dígrafo na palavra.

Alternativas
Comentários
  • Terreno.   dígrafo: rr

    Pouquinho.   dígrafo: qu e nh

    Estresse.  dígrafo: ss

    Cumprimento.  dígrafo: um  e en

    Briga.                dígrafo: não contém.  Encontro vocálico: Br


  • O vocábulo "briga" apresenta encontro consonantal, qual seja, "br" e náo dígrafo. O dígrafo é a reunião de duas letras representando mesmo fonema, náo sendo o caso. Logo, alternativa correta letra e)

  • RESPOSTA LETRA "E"

    BRIGA -> NÃO É DÍGRAFO É ENCONTRO CONSONANTAL...EX: BR,BL,PL,PN...

    ESPERO TER AJUDADO. 

    BONS ESTUDOS A TODOS E QUE DEUS ESTEJA CONOSCO !

  • Briga ▶️ ao realizar a pronúncia você pode perceber todos os "fonemas" o que não ocorre na palavra "pouquinho" ➡️ P o u q i nh  o (nh) -> dígrafo (ui) --> dígrafo por exemplo !!!!

  • dígrafo - grupo de duas letras que representa um único som ou articulação;. Ex.: lh, nh, rr, ss, ue (em guerra, p. ex.), etc.

  • A dúvida fica entre Cumprimento e Briga, no entanto, nota-se que a palavra cumprimento possui, na verdade, um dígrafo nasal (UM),  por isso a alternativa a ser marcada é a E

  • Dígrafo vocálico : VOGAL + M ou N . ( Emite o som de vogal)

    Cumprimento. 

    "Um" e "En"

  • Gabarito E

    Terreno.  dígrafo: rr

    Pouquinho.  dígrafo: qu e nh

    Estresse.  dígrafo: ss

    Cumprimento.  dígrafo: um  e en

    Briga.  dígrafo: não contém.  Encontro vocálico: Br


  • lsleila no caso de Briga: É um encontro consonantal. BR

  • Atente para o fato de que encontro consonantal é diferente de dígrafo consonantal.

    Dígrafo consonantal - Encontro de duas letras que correspondem a um só som, e tal som é consonantal.

    Encontro consonantal - É a reunião de duas consoantes pronunciáveis e descritas foneticamente.

    Resposta : Letra E (Briga)

  • Gente, que questão bobinha, mas me pegou por falta de atenção...obrigada por compartilharem e melhorarem os estudos..

     

  • Adoro essas questões,pois traz à tona minhas deficiências!!!valeu pelos comentários, eles ajudam muito!!!!

  • a) Dígrafos vocálicos = ocorrem quando, no fim de sílaba, tivermos VOGAL + “M” ou “N”, formando os sons: ã, ~e, ~i, õ, ~u. Ex.: campo,   sempre,   limpo,   tonto,   sunga,   canto,   nenhum. No caso da letra D.


  • Dígrafo: constitui-se de 2 letras representando um só fonema. Há dois tipos:

    - Consonantais: gu, qu, ch, lh, nh, rr, ss, sc, sç, xc, xs. Ex: guerreiro, queda, arrastão, terreno, estresse, pouquinho.

    - Vocálicos ou nasais: a, e, i, o, u seguidos de m ou n na mesma sílaba. Ex: campo, anta, empresa, caindo, cumprimento, umbigo.

    Dífono: quando o som de KS é representando pela letra X.

    Ex: tóxico (tóksico); complexo (complekso); tórax (toraks)...

    Fonte: A Gramática para Concursos Públicos - Fernando Pestana.

  • Explicando a que fiquei na duvida:
    Cumprimento - Ocorre dígrafo vocálico!

    UM - vagal + M ou N antecedendo uma consoanteEN - vogal + M ou N antecedendo uma consoante.
    Show! De começo fiquei na duvida, mas quando vi o dígrafo vocálico, foi moleza!

    Logo, resposta letra E :D

  • Digrafo: rr,ss,sc,sç,ch,lh,nh etc

    Encontro Consonantal= R ou L

     

    a) Terreno= Digrafo Consonantal

     

    b)Pouquinho= Digrafo Consonantal

     

    c)Estresse = Digrafo Consonantal

     

    d)Cumprimento= = Digrafos Vocálicos

     

    e)Briga= Encontro Consonantal (CORRETO)

  • No portugues brasileiro, existe o dígrafo nasal o qual é encontro de voagl + n ou m. Logo, Cumprimento consiste dígrafo.

     e)Briga.

     

  • Dígrafo: é o agrupamento de duas letras com apenas um fonema.

    A)Terreno.

    Palavra foneticamente: teReno

    RR : dígrafo

    ----------------------------------------------------------------------------------------

    B)Pouquinho.

    Palavra foneticamente: powKiÑo

    qu e nh: dígrafo

    ----------------------------------------------------------------------------------------

    C)Estresse.

    Palavra foneticamente: estreSe

    ss : dígrafo

    tr: encontro consonantal puro

    ----------------------------------------------------------------------------------------

    D)Cumprimento.

    Palavra foneticamente: Cũprimẽto

    um,en: dígrafo vocálico

    pr: encontro consonantal puro

    ----------------------------------------------------------------------------------------

    E)Briga.

    Palavra foneticamente: Briga

    br : encontro consonantal puro

    Alternativa: letra E.


ID
1303651
Banca
FGV
Órgão
SEDUC-AM
Ano
2014
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

                                                                            Os benefícios da merenda escolar

    A alimentação é uma necessidade básica ao desenvolvimento do ser humano. Nas fases da infância e da adolescência, alimentos de qualidade favorecem o crescimento tanto do aspecto físico, como do intelectual, do emocional e do social.
    Nesse sentido, a merenda escolar é fundamental, pois ela pode influenciar bastante no desempenho do aluno. Por isso, o Estatuto da Criança e o Adolescente (ECA) estabelece como função do Estado assegurar a alimentação de qualidade na escola.
    A merenda escolar é um direito de meninos e meninas. Não pode ser pensada como “auxílio aos carentes", nem como instrumento de combate à fome ou à desnutrição.
    O período em que o aluno permanece na escola deve ser de bem-estar para facilitar o aprendizado. Uma boa alimentação contribui, portanto, para um melhor desempenho escolar e, consequentemente, diminui a repetência. A merenda pode contribuir, também, para formação de bons hábitos alimentares.

  (Agência Unama)

Marque a opção que indica a palavra que tem o mesmo número de vogais e consoantes.

Alternativas
Comentários
  • Letra E

    Caramba, essas questões para Merendeira esta dada. 

  • Volta pra gente!!!!! Aprendemos e passamos juntos, tem vaga pra todos...
  • Ohhhh pessoal! Muito obrigada! Vou melhorar. Vou ver o vídeo Murilo.
  •  Vogais

     

       As vogais são os fonemas sonoros produzidos por uma corrente de ar que passa livrementepela boca. Em nossa língua, desempenham  o papel de núcleo das sílabas. Assim, isso significa que em toda sílaba há necessariamente uma única vogal.

       Na produção de vogais, a boca fica aberta ou entreaberta. As vogais podem ser:

    a) Orais: quando o ar sai apenas pela boca.

     

    b) Nasais: quando o ar sai pela boca e pelas fossas nasais.

    c) Átonas: pronunciadas com menor intensidade.

     

    d)Tônicas: pronunciadas com maior intensidade.

     

    Por Exemplo:

    /a/, /e/, /i/, /o/, /u/.

    Por Exemplo:

    /ã/:  fã, canto, tampa 
    //: dente, tempero
    //: lindo, mim
    /õ/ bonde, tombo
    // nunca, algum

     

    Por Exemplo:

    até, bola

    Por Exemplo:

    até, bola

    Quanto ao timbre, as vogais podem ser:

    Abertas

    Exemplos:

     

    Fechadas

    Exemplos:

     

    Reduzidas - Aparecem quase sempre no final das palavras.

    Exemplos:

     

    pé, lata, pó

    mês, luta, amor

    dedo, ave, gente

    Quanto à zona de articulação:

    Anteriores ou Palatais - A língua eleva-se em direção ao palato duro (céu da boca).

    Exemplos:

     

    Posteriores ou Velares - A língua eleva-se em direção ao palato mole (véu palatino).

    Exemplos:

     

    Médias - A língua fica baixa, quase em repouso.

    Por Exemplo:

    é, ê, i

    ó, ô, u

    a

     

     

    Consoantes

     

    Para a produção das consoantes, a corrente de ar expirada pelos pulmões encontra obstáculos ao passar pela cavidade bucal. Isso faz com que as consoantes sejam verdadeiros "ruídos", incapazes de atuar como núcleos silábicos. Seu nome provém justamente desse fato, pois, em português, sempre consoam ("soam com") as vogais.

    Exemplos:

    /b/, /t/, /d/, /v/, /l/, /m/, etc.

     

    http://www.soportugues.com.br/secoes/fono/fono2.php

     

     

  • Acertei a questão mas ficou uma dúvida:

    No caso da palavra " ESTAR" não é mesmo número de fomemas e letras?

  • e a letra E pq se vc for ver tem 3 vogais e 3 consoate e uma pergunta que envolve pegadinha 

  • Achei que era pegadinha! rsrs ainda bem que fui na certa.

  • questão pra não tirar zero na prova rs!

  • QUESTÃO PARA MERENDEIRA GENTE

  • Questão dada de graça

  • Caetano Rodrigues, a questão não citou o termo fonema.

  • E) Menino --> GABARITO

    3 vogais e 3 consoantes


ID
1303660
Banca
FGV
Órgão
SEDUC-AM
Ano
2014
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

                                                                            Os benefícios da merenda escolar

    A alimentação é uma necessidade básica ao desenvolvimento do ser humano. Nas fases da infância e da adolescência, alimentos de qualidade favorecem o crescimento tanto do aspecto físico, como do intelectual, do emocional e do social.
    Nesse sentido, a merenda escolar é fundamental, pois ela pode influenciar bastante no desempenho do aluno. Por isso, o Estatuto da Criança e o Adolescente (ECA) estabelece como função do Estado assegurar a alimentação de qualidade na escola.
    A merenda escolar é um direito de meninos e meninas. Não pode ser pensada como “auxílio aos carentes", nem como instrumento de combate à fome ou à desnutrição.
    O período em que o aluno permanece na escola deve ser de bem-estar para facilitar o aprendizado. Uma boa alimentação contribui, portanto, para um melhor desempenho escolar e, consequentemente, diminui a repetência. A merenda pode contribuir, também, para formação de bons hábitos alimentares.

  (Agência Unama)

Marque e opção que apresenta uma palavra classificada como trissílaba.

Alternativas
Comentários
  • Letra B 

    Ca-ren-tes

  • Alimentação: Polissílaba;

    Carentes: TRISSÍLABA;

    Instrumento: Polissílaba;

    Fome: Dissílaba;

    Repetência: Polissílaba.

  • Ca - ren - tes
  • Ahhh se as questões de hoje em dia fossem assim também!! rsrsrs

  • As palavras se classificam quanto ao número de sílabas em:

    Monossílabas - uma sílaba

    Dissílabas - duas sílabas

    Trissílabas - três silabas

    Polissílabas - mais de três sílabas

  • Monossílabas ----> uma sílaba

    Dissílabas ---------> duas sílabas

    Trissílabas --------> três silabas

    Polissílabas ------> mais de três sílabas

  • A) Alimentação: a-li-men-ta-ção(polissílaba)

    B) Carentes: ca-ren-tes(trissílaba) --> GABARITO

    C) Instrumento: ins-tru-men-to(polissílaba)

    D) Fome: fo-me(dissílaba)

    E) Repetência: re-pe-tên-cia(polissílaba)


ID
1303684
Banca
FGV
Órgão
SEDUC-AM
Ano
2014
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

                                                                            Os benefícios da merenda escolar

    A alimentação é uma necessidade básica ao desenvolvimento do ser humano. Nas fases da infância e da adolescência, alimentos de qualidade favorecem o crescimento tanto do aspecto físico, como do intelectual, do emocional e do social.
    Nesse sentido, a merenda escolar é fundamental, pois ela pode influenciar bastante no desempenho do aluno. Por isso, o Estatuto da Criança e o Adolescente (ECA) estabelece como função do Estado assegurar a alimentação de qualidade na escola.
    A merenda escolar é um direito de meninos e meninas. Não pode ser pensada como “auxílio aos carentes", nem como instrumento de combate à fome ou à desnutrição.
    O período em que o aluno permanece na escola deve ser de bem-estar para facilitar o aprendizado. Uma boa alimentação contribui, portanto, para um melhor desempenho escolar e, consequentemente, diminui a repetência. A merenda pode contribuir, também, para formação de bons hábitos alimentares.

  (Agência Unama)

Marque a opção que indica a palavra cujas sílabas estão separadas corretamente.

Alternativas
Comentários
  • Letra correta é a letra A

    B) Fun-ção

    C) As-se-gu-rar

    D) Cri-an-ça

    E) Me-ren-da

  • Regra geral: Toda sílaba, obrigatoriamente, possui uma vogal.

    a) a - li - men - ta - ção

  • As-se-gu-rar

  • QUAIS OS PRÉ-REQUISITOS PARA FORMAR SÍLABA???

    a) precisa haver vogal (não existe sílaba apenas com consoante);

    b) a separação silábica é resultado direto da pronúncia;

    c) somente há espaço para 1(UMA) vogal na sílaba (outra será semivogal).

  • A) a - li - men - ta - ção--> GABARITO

    B) fu - nção

    CORREÇÃO: fun-ção

    C) a - sse - gu - rar

    CORREÇÃO: as-se-gu-rar

    D) crian - ça

    CORREÇÃO: cri-an-ça

    E) me - re - nda

    CORREÇÃO: me-ren-da


ID
1320934
Banca
Quadrix
Órgão
DATAPREV
Ano
2012
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Pedro Pedreiro (Chico Buarque)

Pedro pedreiro penseiro esperando o trem
Manhã parece, carece de esperar também
Para o bem de quem tem bem de quem não tem vintém
Pedro pedreiro fica assim pensando

Assim pensando o tempo passa e a gente vai ficando pra trás
Esperando, esperando, esperando
Esperando o sol, esperando o trem
Esperando aumento desde o ano passado para o mês que vem

Pedro pedreiro penseiro esperando o trem
Manhã parece, carece de esperar também
Para o bem de quem tem bem de quem não tem vintém
Pedro pedreiro espera o carnaval

E a sorte grande do bilhete pela federal todo mês
Esperando, esperando, esperando, esperando o sol
Esperando o trem, esperando aumento para o mês que vem
Esperando a festa, esperando a sorte
E a mulher de Pedro, esperando um filho pra esperar também

Pedro pedreiro penseiro esperando o trem
Manhã parece, carece de esperar também
Para o bem de quem tem bem de quem não tem vintém

Pedro pedreiro tá esperando a morte
Ou esperando o dia de voltar pro Norte
Pedro não sabe, mas talvez no fundo
Espere alguma coisa mais linda que o mundo

(...)

Esperando a festa, esperando a sorte
Esperando a morte, esperando o Norte
Esperando o dia de esperar ninguém
Esperando enfim, nada mais além 

Da esperança aflita, bendita, infinita do apito de um trem

Pedro pedreiro pedreiro esperando
Pedro pedreiro pedreiro esperando
Pedro pedreiro pedreiro esperando o trem

Que já vem
Que já vem

(Disponível em http://letras.mus.br/)

Sobre a letra da canção, analise as afirmações a seguir

I.Os sons de consoantes como "p" e "d" são utilizados para dar ritmo aos versos.

II. Pode-se imaginar que Pedro Pedreiro seja alguém que migrou em busca de uma vida melhor.

III., Pode-se deduzir que Pedro Pedreiro pertence a uma classe abastada da população.

Pode-se afirmar que:

Alternativas
Comentários
  • Significado de Abastado

    adj. Que possui vários bens; que tem dinheiro em excesso; rico ou endinheirado.
    Que contém os mantimentos suficientes à subsistência; em que há fartura; farto.
    s.m. Indivíduo que é abastado; quem é rico.
    (Etm. Part. de abastar)


ID
1325641
Banca
Quadrix
Órgão
DATAPREV
Ano
2012
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Para responder à questão, considere a letra da cançao a seguir.

Oração Ao Tempo (Caetano Veloso)

És um senhor tão bonito
Quanto a cara do meu filho
Tempo tempo tempo tempo
Vou te fazer um pedido
Tempo tempo tempo tempo...

Compositor de destinos
Tambor de todos os ritmos
Tempo tempo tempo tempo
Entro num acordo contigo
Tempo tempo tempo tempo...

Por seres tão inventivo
E pareceres contínuo
Tempo tempo tempo tempo
És um dos deuses mais lindos
Tempo tempo tempo tempo...

Que sejas ainda mais vivo
No som do meu estribilho
Tempo tempo tempo tempo
Ouve bem o que te digo
Tempo tempo tempo tempo...

Peço-te o prazer legítimo
E o movimento preciso
Tempo tempo tempo tempo
Quando o tempo for propício
Tempo tempo tempo tempo...

De modo que o meu espírito
Ganhe um brilho definido
Tempo tempo tempo tempo
E eu espalhe benefícios
Tempo tempo tempo tempo...

O que usaremos pra isso
Fica guardado em sigilo
Tempo tempo tempo tempo
Apenas contigo e comigo
Tempo tempo tempo tempo...
E quando eu tiver saído
Para fora do teu círculo
Tempo tempo tempo tempo

Não serei nem terás sido
Tempo tempo tempo tempo...

Ainda assim acredito
Ser possível reunirmo-nos
Tempo tempo tempo tempo
Num outro nível de vínculo
Tempo tempo tempo tempo...

Portanto peço-te aquilo
E te ofereço elogios
Tempo tempo tempo tempo
Nas rimas do meu estilo
Tempo tempo tempo tempo...

(Disponível em http://letras.mus.br)

A palavra "tempo" apresenta um dígrafo vocálico. O mesmo acontece em:

Alternativas
Comentários
  • Dígrafo Vocálico

    O encontro de duas letras que formam um som apenas, sendo este um som vocálico.

    Exemplos:

    am: amparar, campo, pampa
    an: antigo, sangue, antes
    em: lembrar, sempre, empatar
    en: encontrar, tento, vento
    im: importar, limpo, símbolo
    in: indicar, tingir, lindo
    om: ombro, rombo, pompa
    on: ontem, tonto, onda
    um: umbigo, bumbo, algum
    un:  fundo, tonto, mundo

    FONTE: http://www.infoescola.com/portugues/digrafos/

    RESPOSTA: D

  • Complementando a resposta da colega Fátima Souza:

    tempo   e contigo

  • tem-po - > t'em'-po
    con- ti-go - > c'on'-ti-go
    bo-ni-to - > bo-ni-to 

  • Dígrafo constitui-se de duas letras representando um só fonema. O dígrafo do tipo vocálico ou nasais é composto por vogal (a,e,i.o.u) seguidos de "m" ou "n" na mesma sílaba.

    portanto não pode ser a alternativa B = bo-ni-to

    A alternativa correta é a "D" = con-ti-go

     

    Fonte: A Gramática para concursos públicos - Fernando Pestana

  • CÕ tigo = a letra N e M para nasalzar a vogal

  • digrafos -

    és - sem digrafo

    bonito - sem digrafo

    cara - sem digrafo

    cONtigo - digrafo vocalico

    sejas - sem digrafo

     BORA ESTUDAR! VAI VALER A PENA

  • GABARITO: LETRA D

    ACRESCENTANDO:

    O dígrafo constitui-se de duas letras representando um só fonema. A segunda letra é diacrítica, isto é, existe apenas para ajudar numa determinada pronúncia. Por exemplo, se dissermos caro, o R terá um som diferente de RR, em carro. Este segundo R, em carro, é uma letra diacrítica.
    Há dois tipos:
    • consonantais: gu, qu, ch, lh, nh, rr, ss, sc, sç, xc, xs.
    Ex.: guerreiro, queda, chave, lhama, nhoque, arrastão, assado, descendente, crea, excitado, exsudar.
    • vocálicos ou nasais: a, e, i, o, u seguidos de m ou n na mesma sílaba (!)
    Ex.: campo, anta/empresa, entrada/imbatível, caindo/ombro, onda/umbigo, untar.

    FONTE: A gramática para concursos públicos / Fernando Pestana. – 3. ed. – Rio de Janeiro :Método, 2017 .


ID
1342210
Banca
COPEVE-UFAL
Órgão
UFAL
Ano
2014
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Assinale a alternativa cujas palavras, na sequência, apresentam dígrafos consonantais.

Alternativas
Comentários
  • Gabarito E

    Os dígrafos são:

    Quilo (K = Qu); sc ; ss; nh e xc.

  • Na letra D, alguém sabe dizer qual a palavra que não é digráfo?

  • São dígrafos:

    1- ch, lh, nh: chapéu, malha,ninho

    2-rr,ss: carro, passado

    3-gu, qu: guerra, equipamento

    4-sc, sç, xc: fascinar, desça, excelência.

    5-Dígrafos vocálicos: am, an, em, en, im, in, om, on, un, um

  • na letra D acho que criança. veja que o c + r foram dois sons diferentes e não um único som.

  • Na D criança é um encontro consonantal, CR.


ID
1343236
Banca
CETRO
Órgão
IF-PR
Ano
2014
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

De acordo com a norma-padrão da Língua Portuguesa e quanto à divisão silábica, assinale a alternativa correta.

Alternativas
Comentários
  • Vejam como fica a separação correta:

    a) Pa-ra-gu-ai (errado)  / Pa-ra-guai (certo)

    b) Ra-inha. (errado) / Ra-i - nha (certo)

    c)  Oxi-gê-ni-o (errado) / O-xi-gê-nio (certo)

    d) Pers-pi-caz  (certo)

    e)  Pa-i-sa-gem  (errado)/ Pai-sa-gem(certo)


  • Regra número 1 da divisão silábica.

    Não se separam as vogais dos ditongos - crescentes e decrescentes - nem as dos tritongos. Ex:

    aurora-> au - ro - ra

    animais-> a - ni - mais

    Paraguai -> Pa - ra -guai

    coisa-> coi - sa

    guaiar-> guai - ar

    cruéis-> cru - éis


  • poxa na minha cabeça o som ficava melhor pa-i-sa-gem. rsrs

  • engraçado PAI-SA-GEM ficou estranho... penso que na pronúncia temos um leve erro.

  • também confundi e marquei pa-i-sa-gem kkkk acho q muitas letras juntas na separação silábica confunde a nossa cabeça. =)

  • Paisagem : paroxítona terminada e em. 

  • Pa-i-sa-gem kkkkkkkk ditongo nunca se separar

  • Que merda meu olha enxergou o-xi-gê-ni-o toda atenção é pouca!


  • Regras práticas: 
    Não se separam ditongos e tritongos.
    Exemplos: mau, averiguei.

    Separam-se as letras que representam os hiatos. 
    Exemplos: sa-í-da, vo-o... 

    Separam-se somente os dígrafos rr, ss, sc, sç, xc.
    Exemplos: pas-se-a-ta, car-ro, ex-ce-to... 

    Separam-se os encontros consonantais pronunciados separadamente. 
    Exemplo: car-ta. 

    Os elementos mórficos das palavras (prefixos, radicais, sufixos), quando incorporados à palavra, obedecem às regras gerais. 
    Exemplos: de-sa-ten-to, bi-sa-vô, tran-sa-tlân-ti-co... 

    Consoante não seguida de vogal permanece na sílaba anterior. Quando isso ocorrer em início de palavra, a consoante será anexa à sílaba seguinte. 
    Exemplos: ad-je-ti-vo, tungs-tê-nio, psi-có-lo-go, gno-mo...

  • Nada de separar os "tongos" da vida....

  • Duas corretas: o-xi-gê-ni-o ( segundo o Caldas Aulete) e pers-pi-caz.

  • Uma boa dica da professora Flávia Rita sempre quando existir acento na sílaba anterior a próxima sílaba ficará na mesma

    Ex: prêmio-prê-mio diferente em melancia: me-lan-ci-a

        

  • Essa foi tranquila

  • certa D

     

  • Geraldo Bicalho,

     

    Otima dica!!!! Aprendi depois que vi ela dando essa dica incrivel, agora já nao erro mais

  • "Não se separa as vogais de um ditongo"

     

    Lógico, até pq dessa forma seria hiato né!!! Rs

  • se a separação de paisagem fosse: PA-I-SA-GEM deveria ter acento no "i", pois seria uma proparoxitona. PA-Í-SA-GEM ai mataria a pronúncia.

  • pai-sa-gem temos um encontro vocálico ditongo da família decrescente.


ID
1362715
Banca
Quadrix
Órgão
CRN - 1ª Região (GO)
Ano
2014
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

"Vivemos hoje um terrorismo nutricional. As pessoas não sabem mais o que comer", diz Sophie Deram

Emagrecer sem dieta, sem cortar grupos alimentares e "celebrando a comida sem medo e sem culpa". Parece sonho, mas é o que defende a nutricionista. Para Sophie Deram, dietas só engordam a longo prazo

Sophie Deram não é uma nutricionista convencional. Para começar, ela é contra dietas. Para essa francesa e brasileira, doutora em Endocrinologia pela Faculdade de Medicina da USP, dietas restritivas só estressam o corpo e fazem o cérebro alterar o metabolismo e o apetite, fazendo você engordar ainda mais a longo prazo. Especialista em obesidade infantil e transtornos alimentares, Sophie, que também é chefe de cozinha, estuda neurociência e nutrigenômica - a ciência que mostra como os alimentos "conversam" com nossos genes. Ela defende uma forma libertadora de lidar com a comida: o "comer consciente", que permite ter saúde e peso estável tendo prazer à mesa e comendo de tudo - até mesmo doces e fast food!

A senhora é uma nutricionista contra dietas?
Eu sou muito contra dieta (risos). E quanto mais eu estudo, mais fico contra. Uma das coisas que mais assusta e estressa o cérebro é fazer uma dieta muito restritiva. O cérebro a percebe como um grande perigo e vai desenvolver mecanismos de adaptação. Ele vai aumentar o seu apetite, diminuir seu metabolismo e deixar você mais obcecado por alimento.
[...]

Então, qual a solução?
Primeiro, não enxergar o peso como a causa do problema, para não trabalhar só sobre a conseqüência. É preciso entender porque você engordou. Pode ser emocional, por fazer dieta, por comer de maneira não muito saudável, pode ser um medicamento que você está tomando ou uma fase de vida - a menopausa e pré-menopausa, por exemplo, são momentos muito sensíveis para a mulher.

O que é o "terrorismo nutricional" que a senhora afirma que vivemos?
Hoje estamos focando no alimento de um jeito muito simplificado: ou o alimento é bom ou é ruim. Esse engorda e aquele emagrece. Não existe isso. Nenhum alimento por si só vai fazer engordar ou emagrecer. Quando você só foca nas calorias e nos alimentos, você esquece de escutar o seu corpo. Você não responde mais à fome ou à saciedade. Você só responde com terrorismo ao que você está comendo. Comer vira uma coisa estressante. E uma culpa.

[...]

Hoje, muita gente se diz viciada em doces e fast food. Como elas podem comer de forma mais saudável?
Primeiro, se conscientizar de que esse vício é real. Esses alimentos focam no nosso cérebro e podem viciar mesmo. Mas é possível mudar. Não fazendo dieta restritiva. O que eu aconselho é incluir, cada vez mais, alimentos verdadeiros. Eu nunca retiro alimentos de ninguém porque isso é muito frustrante. O que trabalho é uma atitude positiva. Pode comer de tudo, mas inclua mais legumes, mais arroz, mais feijão. Tome mais água, evite o excesso de bebidas doces, tanto refrigerantes quanto sucos. E aí a pessoa, sozinha, consegue se livrar desse vício. Tenho pacientes adolescentes que saíram da obesidade sem deixar de ir ao Mc Donald's com os amigos. Isso faz parte da vida do adolescente. É um erro tirar isso dele. Mas quando você inclui os alimentos verdadeiros, automaticamente, você vai comer menos dos outros.

(http://gazetaonline.globo.com/)

Sobre a palavra "excesso", que aparece em destaque no texto, assinale a alternativa correta.

Alternativas
Comentários
  • Gabarito letra E
    Fonema são os sons das letras. EXCESSO possui cinco fonemas.

    E - XC (tem som de ss) - E - SS (são dois mas só se conta um) - O

    Já os dígrafos são os encontros consonantais que ocorrem na palavra, no caso, em "XC" e "SS"

  • EXCESSO: 7 letras, 5 fonemas e 2 dígrafos: XC e SS. Os dígrafos nas palavras têm um único fonema.

  • Fonema: e/c/e/s/o - 5 fonemas

    Dígrafo: xc e ss - 2 dígrafos
  • Lembrando: 

    Dígrafo = 2 letras produzem UM SOM. No caso, "xc" e "ss" (outros exemplos: nh, ch, qu, gu)

    Encontro consonantal = encontro de 2 consoantes, mas AMBAS SONORAS (enconTRo, diSTância) - não presente na palavra "excesso". 


  • ex-ces-so (3 sílabas)

  • ALTERNATIVA E

  • E XC E SS O . 5 FONEMAS Excesso . 7 letras Ex cess so. Trissílabo
  • Leitura tão prazerosa que viajei no texto. 

  • GABARITO: LETRA E

    O fonema é a menor unidade sonora da palavra e exerce duas funções: formar palavras e distinguir uma palavra da outra.

    É mais simples do que parece: quando os fonemas se combinam, formam palavras, ou seja, C + A + S + A = CASA. Percebeu? Quatro fonemas (sons) se combinaram e formaram uma palavra. Se substituirmos agora o som S por P, haverá uma nova palavra, certo? CAPA.

    A combinação de diferentes fonemas permite a formação de novas palavras com diferentes sentidos. Portanto, os fonemas de uma língua têm duas funções bem importantes: formar palavras e distinguir uma palavra da outra.

    Ex.: cal / Gal / mal / sal / tal...

    moço / moça / maço / maça / maçã...

    FONTE: A Gramática Para Concursos Públicos – Pestana,Fernando.  


ID
1391878
Banca
COSEAC
Órgão
CLIN
Ano
2015
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Leia o texto abaixo e responda ao que se pede.

Existe no Oceano Pacífico uma ilha feita de duas montanhas. É como se alguém tivesse colado dois grandes montes de terra no meio do mar. A maior chama-se Tristeza e a menor, Alegria.

Dizem que há muitos anos atrás a Alegria era maior e mais alta que a Tristeza. Dizem também que, por causa de um terremoto, parte da Alegria caiu no mar e afundou, deixando a montanha do jeito que está hoje.

Ninguém sabe se isso é mesmo verdade. Verdade é que ao pé desses dois cumes, exatamente onde eles se encontram, moram uma menina chamada Aleteia e sua avó.

Aleteia e a avó são como as montanhas: duas pessoas que estão sempre juntas.

Hoje Aleteia é menor, mais baixa que sua avó; acontece que daqui a algum tempo, ninguém sabe quando, Aleteia vai acordar e estará mais alta que a avó. Aleteia vai crescer e eu acho que, quando esse dia chegar, elas ainda estarão juntas. Igual às montanhas da ilha.

Um dia Aleteia perguntou: “Vovó, quem fez o mundo?”, e sua avó respondeu: “Deus”.

- Todo ele?
- Sim, todo.
- Sozinho?
- Sim, sozinho.

Aleteia saiu da sala com aquela conversa na cabeça. Não estava convencida. Pensou muito a respeito do assunto. Para raciocinar melhor, saiu para caminhar e caminhou muito pela ilha. Pensava sozinha, pensava em voz alta e começou a dividir seus pensamentos com as coisas que lhe apareciam pelo caminho: folhas, árvores, pedras, formigas, grilos, etc. Deus tinha criado o mundo sozinho?

(KOMATSU, Henrique. A menina que viu Deus. p.3-6, formato eletrônico, fragmento.)

Dentre as palavras abaixo, a que NÃO apresenta dígrafo é:

Alternativas
Comentários
  • Letra D

    são dígrafos: chlhnhrrssscxc ; incluem-se tb. amanem,eniminomonumun (que representam vogais nasais), gu e qu antes de e de , e tb. hahehihohu e, em palavras estrangeiras, thphnnddckoo etc.

    ou seja, tristeza não é digrafo

  • DÍGRAFO ===>>> Grupo de duas letras, representando um só fonema. São dígrafos em língua portuguesa: lh, nh, ch, rr, ss, qu (+e ou i), gu (+e ou i), sc, sç, xc, além das vogais nasais (V+m ou n - chamados dígrafos vocálicos).

  • Letra D: tristeza

    Dígrafo é uma sequência de duas letras que forma um único som. Nos dígrafos, cada letra perde sua unidade sonora, uma vez que a sequência de duas letras representa apenas um fonema.

    Grupos: lh, nh, sc, rr, ss, ch, sc, sç, xc, qu (+e ou +i),gu (+e ou +i), também: am, an, em, en, im, in, om, on, um, un

  • GABARITO: LETRA D

    O dígrafo constitui-se de duas letras representando um só fonema. A segunda letra é diacrítica, isto é, existe apenas para ajudar numa determinada pronúncia. Por exemplo, se dissermos caro, o R terá um som diferente de RR, em carro. Este segundo R, em carro, é uma letra diacrítica.
    Há dois tipos:
    • consonantais: gu, qu, ch, lh, nh, rr, ss, sc, sç, xc, xs.
    Ex.: guerreiro, queda, chave, lhama, nhoque, arrastão, assado, descendente, crea, excitado, exsudar.
    • vocálicos ou nasais: a, e, i, o, u seguidos de m ou n na mesma sílaba (!)
    Ex.: campo, anta/empresa, entrada/imbatível, caindo/ombro, onda/umbigo, untar.

    FONTE: A gramática para concursos públicos / Fernando Pestana. – 3. ed. – Rio de Janeiro :Método, 2017 .

  • A questão é de fonologia e quer que identifiquemos a alternativa que NÃO apresenta dígrafo. Vejamos:

     .

    Dígrafo é o grupo de duas letras representando um só fonema (som). Na palavra "chave", por exemplo, que se pronuncia "xávi", ocorre o dígrafo "ch". 

    Dígrafos consonantais: (dígrafos que representam consoantes) lh, ch, nh, rr, ss, qu, gu, sc, sç, xc, xs. 

    Dígrafos vocálicos: (dígrafos que representam vogais nasais) am, em, im, om, um, an, en, in, on, un.

     .

    A) terremoto.

    Errado. Em "ter-re-mo-to" há o dígrafo consonantal "rr".

     .

    B) montanha.

    Errado. Em "mon-ta-nha" há o dígrafo vocálico "on" e o dígrafo consonantal "nh.

     .

    C) pessoas.

    Errado. Em "pes-so-as" há o dígrafo consonantal "ss".

     .

    D) tristeza.

    Certo. Em "tris-te-za" não há dígrafo; há os encontros consonantais "tr" e "st".

    Encontro consonantal é a sequência de dois ou mais fonemas consonânticos numa palavra. Ou seja, é o encontro de duas ou mais consoantes numa palavra, sem existir uma vogal no meio delas. Ex.: brado, creme, plano, regra, ciclo, atleta, atrás, transtorno, psíquico...

    O encontro consonantal pode ocorrer:

    • na mesma sílaba: cli-ma, flo-res, du-plo, bra-do, re-pre-sa, le-tra, czar, pseu-dô-ni-mo... (São encontros consonantais inseparáveis, mais frequentemente formados de consoante + ou r)
    • em sílabas diferentes: ad-ven-to, ob-tu-so, ap-to, pac-to, suc-ção, naf-ta, sub-lo-car...(São encontros consonantais separáveis. Ocorrem sempre no interior das palavras e geralmente são formados de duas consoantes)

     .

    Referência: CEGALLA, Domingos Pascoal. Novíssima Gramática da Língua Portuguesa, 48.ª edição, São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2008.

     .

    Gabarito: Letra D


ID
1395556
Banca
OBJETIVA
Órgão
Prefeitura de Chapecó - SC
Ano
2008
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Amor Moderno Dispensa Idealizações



O amor romântico não vive só nas telas de cinema. A publicidade também prega o resgate do romantismo. A atmosfera da ________ com vinho, namorados se beijando na chuva e até mesmo a paquera por telefone ditam o comportamento neo-romântico e ajudam a vender produtos.
De acordo com o diretor de marketing da agência de propagando DPZ, a publicidade ________ o conceito de romantismo ___ modernidade. Para que uma idéia seja aceita pelo público, é necessário que a situação seja pertinente ao seu estilo de vida.
Machado explica que, se a mídia ignorar esse aspecto, vai facilmente despencar para o brega. “Impossível conceber, por exemplo, um comercial onde duas pessoas, de poder aquisitivo alto e residentes em uma metrópole, ficam em casa escrevendo cartas de amor." Na sua opinião, a dose exata de romantismo é aquela que melhor corresponde à modernidade: de forma objetiva, sem cenários idealizados.



(Karin Dauch - O Estado de São Paulo)



Não há tritongo em:

Alternativas
Comentários
  • gabarito: B

    boi-a-da

  • Não há tritongo quando o "i" está entre duas vogais

    gabarito: b

  • esse site e horrivel

     

  • Essa é fácil 

    bo i a da

     

  • Não há tritongo na palavra 'boiada', pois apenas duas vogais se encontram na mesma sibala. 

    Tritongo é quando há três vogais ou mais na mesma sílaba. Por exemplo: Pa=ra-guai-o. Repare o 'uai' na mesma sílaba. Agora, separe boiada: Boi-a-da. Não tem três vogais na mesma sílaba. 

    Gabarito Letra C 

  • Gabarito Letra B

    Antes é importante saber o que é um tritongo.

    -> Encontros vocálicos podem ser de três tipos: ditongo, tritongo e hiato.

    -> Ditongo é a junção de uma vogal (v) + uma semivogal (sv) ou vice-versa em uma mesma sílaba. Exemplo: a palavra DEGRAU se separa da seguinte forma: de-grau, e não de-gra-u.

    -> Tritongo é a junção de sv + v + sv em uma mesma sílaba. Exemplo: uruguai

    -> Hiato é a junção de v + v pronunciadas em sílabas diferentes. Exemplo: saúde se lê sa-ú-de e não sau-de.

    -> Na palavra BOIADA não temos um tritongo (sv+v+sv), pois O e A são vogais e não semivogais. Assim, a letra A fica isolada compondo uma sílaba.

    Obs.: em toda sílaba no português deve haver pelo menos uma vogal, ou seja, a vogal é elemento necessário e suficiente para formar uma sílaba, uma vez que pode haver sílaba formada por somente uma vogal. Percebeu o ponto?

    x

    Espero ter ajudado :)

    Educação transforma vidas,

    transformou a minha,

    pode transformar a sua.

    Bons estudos!

  • Tritongo será sempre: S.V + V + S.V


ID
1404556
Banca
FAFIPA
Órgão
Prefeitura de Maria Helena - PR
Ano
2014
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

                                                                                                                 "Vovô" ICQ quer enfrentar WhatsApp

   O ICQ, programa de mensagens instantâneas que foi o mais popular do País no fim dos anos 90, está se reinventando para entrar na briga dos aplicativos de mensagem para smartphones. Com novo design, o ICQ quer usar seu velho charme para disputar espaço com WhatsApp, Viber, KakaoTalk, Line e WeChat, os líderes atuais de mercado.
   Para isso, o grupo Mail.Ru, responsável pelo ICQ, divulgou ontem o lançamento de uma série de novos recursos tanto para a versão na web quanto para seu aplicativo para dispositivos móveis, que equiparam o ICQ aos sistemas mais usados.
   Além de permitir o acesso ao app a partir do número de telefone, sem a necessidade de cadastro para obter um código de acesso, o app do ICQ agora suporta o envio de vídeos e conversas em grupo, recurso que ajudou a popularizar o rival Whats App Também é possível realizar chamadas de voz gratuitas e compartilhar arquivos ou a localização. O usuário também poderá enviar mensagens a quem não usa o aplicativo, via SMS, gratuitamente. Já na nova versão para desktop será possível fazer chamadas de vídeo e ligações para telefones fixos ou celulares comprando créditos do ICQ, como nos sistemas Skype e Viber. No País, o curso da ligação por minuto varia de 0,03 euro a 0,09 euro.
   O novo aplicativo para dispositivos móveis do ICQ tem versões para os sistemas iOS (iPhone, iPad e iPod), Android, Windows Mobile e para aparelhos Blackberry.
   O ICQ é uma sigla que se refere à expressão americana "I Seek You" ("Eu procuro você") e foi criado em 1996 pela startup israelense Mirabilis. Em 1998, no auge do seu sucesso, o ICQ foi comprado pela America Online (AOL) por US$ 400 milhões, mas caiu em desuso no Brasil no início dos anos 2000, quando perdeu espaço para o MSN Messenger, da Microsoft – descontinuado no ano passado e integrado ao Skype. A empresa russa Mail.Ru – que na época se chamava Digital Sky Technologies Limited – comprou o ICQ por US$ 187 milhões em 2010. Após a aquisição, o programa de mensagens ganhou nova versão para dispositivos móveis, que chegou ao Brasil em 2012. Na época, a empresa apostou na integração com Twitter, Facebook, YouTube e Flickr. Segundo a consultoria Flurry Analytics, o uso de apps de mensagens cresceu 203% no ano passado e triplica a cada ano. Esse crescimento já teve impacto no lucro das operadoras, que perderam renda com o SMS.

Disponível em: http://www.odiario.com/economia/noticia


Releia: “Após a aquisição, o programa de mensagens ganhou nova versão para dispositivos móveis, que chegou ao Brasil em 2012”. Quanto aos fonemas da palavra em destaque, é CORRETO afirmar:

Alternativas
Comentários
  • Q e U, representam apenas um Fonema, Do Grupo K, a correta é a C.

  • Fonema - SOM
    Letra x - fonema /s/ = texto;
                - fonema /z/ = exibir;
                - fonema /ch/ = enxame;
                - fonema /ks/ = táxi. Quantidade de fonemas pode ser diferente da quantidade de letras - ex: /t/ó/k/s/i/c/o (7 fonemas) t ó x i co (6 letras).

    Dígrafos - 2 letras = 1 fonema;
                   - ex: ch = c + h = /xê/ - bicho = 4 fonemas e 5 letras;
                   - lh (telhado), nh (marinheiro), ch (chuva), rr (carro), ss (passeio), sc (crescer), qu (queijo), xc (exceção), etc.
                   - ã (an, am: tampa), ~e (en, em: templo), ~i (in, im limpo),õ (on, om tombo), ~u (un, um chumbo).
  •  c)

     

    Há dígrafo, pois as letras “q” e “u”, juntas, formam o fonema /k/.

     

     


ID
1406806
Banca
ADVISE
Órgão
Prefeitura de Exu - PE
Ano
2013
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Leia o texto 2 e responda a questão que se segue:

Texto 2

                              VISITA

      Sobre a minha mesa, na redação do jornal, encontrei-o, numa tarde quente de verão. É um inseto que parece um aeroplano de quatro asas translúcidas e gosta de sobrevoar os açudes, os córregos e as poças de água. É um bicho do mato e não da cidade. Mas que fazia ali, sobre a minha mesa, em pleno coração da metrópole?
      Parecia morto, mas notei que movia nervosamente as estranhas e minúsculas mandíbulas. Estava morrendo de sede, talvez pudesse salvá-lo. Peguei-o pelas asas e levei-o até o banheiro. Depois de acomodá-lo a um canto da pia, molhei a mão e deixei que a água pingasse sobre a sua cabeça e suas asas. Permaneceu imóvel. É, não tem mais jeito — pensei comigo. Mas eis que ele se estremece todo e move a boca molhada. A água tinha escorrido toda, era preciso arranjar um meio de mantê-la ao seu alcance sem, contudo afogá-lo. A outra pia talvez desse mais jeito. Transferi-o para lá, acomodei-o e voltei para a redação.
      Mas a memória tomara outro rumo. Lá na minha terra, nosso grupo de meninos chamava esse bicho de macaquinho voador e era diversão nossa caçá-los, amarrá-los com uma linha e deixá-los voar acima de nossa cabeça. Lembrava também do açude, na fazenda, onde eles apareciam em formação de esquadrilha e pousavam na água escura. Mas que diabo fazia na avenida Rio Branco esse macaquinho voador? Teria ele voado do Coroatá até aqui, só para me encontrar? Seria ele uma estranha mensagem da natureza a este desertor?
      Voltei ao banheiro e em tempo de evitar que o servente o matasse. “Não faça isso com o coitado!” “Coitado nada, esse bicho deve causar doença.” Tomei-o da mão do homem e o pus de novo na pia. O homem ficou espantado e saiu, sem saber que laços de afeição e história me ligavam àquele estranho ser. Ajeitei-o, dei-lhe água e voltei ao trabalho. Mas o tempo urgia, textos, notícias, telefonemas, fui para casa sem me lembrar mais dele.

                              GULLAR, Ferreira. O menino e o arco-íris e outras crônicas. Para gostar de ler, 31. São Paulo: Ática, 2001. p. 88-89

Marque a opção INCORRETA em relação ao número de letras e fonemas.

Alternativas
Comentários
  • seria a correta pois as outras todas tem algum erro.

    letra A correta.

  • A letra A também tem erros. "Estranho" não tem 7 letras e "lembrar" não tem 6.


ID
1407235
Banca
CEC
Órgão
Prefeitura de Piraquara - PR
Ano
2014
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

O texto abaixo serve de referência para a questão.

                       Homem passa 20 dias perdido
                                       no parque


                                                                                  Luiz Carlos da Cruz, correspondente em Cascavel


      Um homem que estava desaparecido havia 25 dias dentro do Parque Nacional do Iguaçu, no  Oeste do Paraná, foi encontrado na manhã de ontem por policiais ambientais. Ele estava com uma  perna quebrada havia 20 dias e foi localizado oito  quilômetros mata adentro, em um local de difícil  acesso. O homem teria se arrastado por cerca de  quatro quilômetros, mesmo com a perna fraturada.
      Segundo o tenente Nilson Figueiredo, da Polícia Ambiental, a corporação foi avisada do sumiço  do homem, que seria um caçador, por familiares dele. O homem tinha o hábito de acampar no parque,  mas nunca havia ficado tantos dias fora. Policiais localizaram o homem, cuja identidade não foi  revelada ainda, por volta das 11 horas de ontem.  Ele estava bastante debilitado.
      Um helicóptero chegou a decolar de Foz do  Iguaçu para tentar fazer o resgate, mas não houve    condições de pouso por ser um local de mata  fechada. Mas uma maca, medicamentos, água,  comida e materiais para imobilizar a fratura foram  deixados no local. A tentativa de resgate será retomada   hoje. Durante a noite, uma equipe de resgate composta por 20 pessoas pousaria com a vítima,   moradora de Capitão Leônidas Marques. “É  uma área de difícil acesso, com morros íngremes",   explica Figueiredo. Para o policial, a localização  rápida da vítima “foi como encontrar agulha no palheiro".

                                                                                                            (Gazeta do Povo, 17/09/14, p. 11)

Faça de conta que as palavras das alternativas estejam em final de linha. Assinale a alternativa que apresenta divisão silábica INCORRETA:

Alternativas
Comentários
  • Forma correta de divisão silábica: Aces-so

  • Corrigindo meu amigo Breno: A-ces-so

  • Na verdade a divisão do  nosso amigo Breno, está correta, pois considera-se, no final da linha, como o enunciado da questão, e não p/ dividir as sílabas.

  • nossa não entendi nada da pergunta: Faça de conta que as palavras das alternativas estejam em final de linha. ???? 

    acertei, pois os SS da palavra acesso são separados, mas só por isso kkkkkkkkkkkkkk, se não iria ficar boiando

  • Acredito eu que a palavra precise ser acentuada como se estivesse no final da linha e de forma certa.

  • Letra D: Acesso - Para passar para outra linha, não é possível ter consoantes juntas na mesma sílaba.

  • Só entendi a pergunta quando li o comentário da Ester Rúbia....

  • Separação correta : Aces-so. A questão tenta complicar, mas é simples! Quase errei.

  • Separação das sílabas: a-ces-so (correto)

    ace-sso (errado)

     

     

  • _____________________________________________________________________________________________ A)_ar-

    rastado_______________________________________________________________________________________B)_helicóp-
    tero__________________________________________________________________________________________C)__pa-
    lheiro_________________________________________________________________________________________D)_ace-
    sso_(ERRADO)_______________________________________________________________________________ E)_agu-
    lha__________________________________________________________________________________________________

    Espero ter ajudado:)
  • que lixo de pergunta

  • CEC faz de conta que você é a CESPE...


ID
1429426
Banca
FGV
Órgão
SEDUC-AM
Ano
2014
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

                                                                                                            Caso de Chá

   A casa da velha senhora fica na encosta do morro, tão bem situada que dali se aprecia o bairro inteiro, e o mar é uma de suas riquezas visuais. Mas o terreno em volta da casa vive ao abandono. O jardineiro despediu-se há tempos; hortelão, não se encontra nem por um milagre. A velha moradora resigna-se a ver crescer a tiririca na propriedade que antes era um brinco. Até cobra começou a passear entre a folhagem, com indolência; é uma cobrinha de nada, mas sempre assusta.
   O verdureiro que faz ponto na rua lá embaixo ofereceu-se para matá-la. A boa senhora reluta, mas não pode viver com uma cobra tomando banho de sol junto ao portão, e a bicha é liquidada a pau. Bom rapaz, o verdureiro, cheio de atenções para com os fregueses. Na ocasião, um problema o preocupa: não tem onde guardar à noite a carrocinha de verduras.
   — Ora, o senhor pode guardar aqui em casa. Lugar não falta.
   — Muito agradecido, mas vai incomodar a madame.
   — Incomoda não, meu filho.
   A carrocinha passa a ser recolhida nos fundos do terreno. Todas as manhãs o dono vem retirá-la, trazendo legumes frescos para a gentil senhora. Cobra-lhe menos e até não cobra nada. Bons amigos.
   — Madame gosta de chá?
   — Não posso tomar, me dá dispepsia, me põe nervosa.
   — Pois eu sou doido por chá. Mas está tão caro que nem tenho coragem de comprar. Posso fazer um pedido? Quem sabe se a madame, com este terreno todo sem aproveitar, não me deixa plantar uns pés, pouquinha coisa, só para o meu consumo?
   Claro que deixa. Em poucas horas o quintal é capinado, tudo ganha outro aspecto. Mão boa é a desse moço: o que ele planta é viço de imediato. A pequenina cultura de chá torna alegre outra vez a terra abandonada. Não faz mal que a plantação se vá estendendo por toda a área. A velha senhora sente prazer em ajudar o bom lavrador. Alegando que precisa fazer exercício, caminhando com cautela pois enxerga mal, ela rega as plantinhas, que lhe agradecem a atenção prosperando rapidamente.
   — Madame sabe: minha intenção era colher só uma pequena quantidade. Mas o chá saiu tão bom que os parentes vivem me pedindo um pouco e eu não vou negar a eles. É pena madame não experimentar. Mas não aconselho: se faz mal, não deve mesmo tocar neste chá.
   O filho da velha senhora chegou da Europa esta noite. Lá ficou anos estudando. Achou a mãe lépida, bem disposta.
   — E eu trabalho, sabe, meu querido? Todos os dias rego a plantação de chá que um moço me pediu licença para fazer no quintal. Amanhã de manhã você vai ver que beleza que está.
   O verdureiro já havia saído com a carrocinha. A senhora estende o braço, mostra com orgulho a lavoura que, pelo esforço em comum, é também um pouco sua.
   O filho quase cai duro:
   — A senhora está maluca? Isso nunca foi chá, nem aqui nem na Índia. Isso é maconha, mamãe!

(ANDRADE, Carlos Drummond de. “Caso de Chá”. In: Cadeira de Balanço: crônica. 8.ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1976, p. 7-8.)

Assinale a opção que traz a correta classe gramatical da palavra destacada e a adequada divisão silábica.

Alternativas
Comentários
  • a) substantivo ----- jar-di-nei-ro

    b) substantivo ------ car-ro-ci-nha 

    c) correta

    d) substantivo ----- ver-du-rei-ro

    e) substantivo ---- la-vou-ra

  • PALAVRAS TERMINADAS EM 2 SONS VOCÁLICOS CRESCENTES, OLHAR A SÍLABA ANTERIOR,
    SE FOR COM ACENTO PERMANECE JUNTO, SE FOR SEM ACENTO, SEPARADO.

     

    NO CASO TEMOS:
    '''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''

    dis pep si a - TERMINADA EM 2 SONS VOCÁLICOS CRESCENTES, A SÍLABA
                          ANTERIOR NÃO É ACENTUADA, LOGO, FICA SEPARADO 

     

     

    COM ACENTO > JUNTO

    SEM ACENTO> SEPARADO

    OBS: SOM CRESCENTE = CONDIÇÃO PARA APLICAR A PREMISSA

  • michelli gonçalves: 

    Alguns ditongos crescentes finais (história, mágoa, importância, prêmio,...) admitem a separação das duas formas. O que chamam de hiato de palavras proparoxítonas eventuais.

    Ex: his - tó - ria ----> ditongo crescente/paroxítona

     his - tó - ri - a -------> hiato eventual/ proparoxítona

               

  • Para quem ficou com dúvida, em jardineiro ser adjetivo, ainda sim ele seria substantivo basta lembrar que ele é precedido de artigo, que substantivaria ele da mesma forma (O + Jardineiro) = substantivo (supondo, lógico) assim cessa a dúvida.

  • Lucas, precisa usar a tela toda pra escrever? Bom comentário, mas mal formatado.

  • C. “Não posso tomar, me dá dispepsia” / substantivo / dis-pep- si-a correta

  • putz..nem olhei a parte de adjetivo/substantivo ...

  • Fiquei na dúvida entre a A e C mas como jardineiro não é adjetivo, a resposta é C

  • O jardineiro despediu-se há tempos” / adjetivo errado / jar-di-nei-ro - correçao substantivo

    A carrocinha passa a ser recolhida nos fundos do terreno” / substantivo / ca-rro-cin-ha errado. substantivo (car-ro-ci-nha) correçao

    Não posso tomar, me dá dispepsia” / substantivo / dis-pep- si-a. de acordo

    verdureiro já havia saído com a carrocinha” / adjetivo errado / ver-du-re-i-ro correçao substantivo - ver-du-rei-ro

    A senhora estende o braço, mostra com orgulho a lavoura” / advérbio errado / la-vo-u-ra correçao substantivo - la-vou-ra

  • Questão boa, fiquei na dúvida entre C e D, acabei errando.

  • O examinador foi bondoso na questão, porque mesmo colocando uma palavra pouco usada no nosso vocabulário (nao faço a mínima ideia do que significa), ele vinculou a resposta também a classe gramatical correta.

    A maioria dos itens possuem algum artigo antes da palavra em questão, transformando-os em substantivos. E mesmo quando a classe gramatical estava corretamente descrita, eles cometiam erros grosseiros na separação silábica.

    No fim, só sobrou o item C

  • Bizu rápido pra quem já tá full nas revisões: O artigo na frente caracteriza o substantivo.

  • A) “O jardineiro despediu-se há tempos” / adjetivo / jar-di-nei-ro

    CORREÇÃO: substantivo

    B) “A carrocinha passa a ser recolhida nos fundos do terreno” / substantivo / ca-rro-cin-ha

    CORREÇÃO: car-ro-ci-nha

    C) “Não posso tomar, me dá dispepsia” / substantivo / dis-pep- si-a--> GABARITO

    D) “verdureiro já havia saído com a carrocinha” / adjetivo / ver-du-re-i-ro

    CORREÇÃO: substantivo/ ver-du-rei-ro

    E) “A senhora estende o braço, mostra com orgulho a lavoura” / advérbio / la-vo-u-ra

    CORREÇÃO: substantivo/ la-vou-ra


ID
1432249
Banca
COPEVE-UFAL
Órgão
UFAL
Ano
2012
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Assinale o item em que a sequência abaixo apresenta todas as palavras com erros na divisão silábica.

Alternativas
Comentários
  • LETRA A

    a) Ma-naus; a-bai-xa-do; felds-pa-to; ta-i-nha

  • Alguem sabe me informar em qual regra é que Manaus fica junto ali na ultima silaba????

  • Ma- naus - Não se separa ditongo (V + SV)

  • Alguém poderia me explicar pq Tainha se separa desta forma (Ta-i-nha), se i é semivogal e não se separa..tem outra regra??

  • Boa tarde Amanda Nascimento!!!

    tainha= ta.i.nha

    porque na palavra temos duas vogais i, se você pronunciar a palavra, verá que a sílaba tônica é o i.

     o i não receberá acento devido a regra de acentuação do u, não se acentuam quando vier seguida de nh.

    ex: tainha, bainha,rainha.

     Acentuam-se as letras i e u dos hiatos quando essas letras formarem sílabas sozinhas ou seguidas de S.

     ex: saída - sa.í.da/ saíste - sa.ís.te

    Espero ter ajudado.

     

  • "Feldspato (do alemão feld, campo; e spat, uma rocha que não contém minério) é o nome de uma importante família de minerais, do grupo dos tectossilicatos, constituintes de rochas que formam cerca de 60% da crosta terrestre."

     

     

  • felds-pa-to

  • Feldsputa kkkkkkkk( humor adolescente)
  • Qual o problema com a letra D?

     

    Pra mim estão corretas as separações até que me provem o contrário.

  • Walkiria, é pra encontrar a questão onde todas as divisões estão erradas e não corretas.

  • Amanda Nascimento .

    a divisão correspondente , TAI-NHA ,está em desacordo com a regra gramatical , pois o correto seria TA-I-NHA, devido a letra ´'' i'' , está como Prosódia da palavra , ou seja, sílaba forte. Então nesse caso a letra ''i '' está como vogal , afirmando que duas vogais não podem permanecer num mesmo espaço , numa mesma sílaba. espero que tenho ajudado.abraços 

  • Gab: A

     

    Ma- naus

    a-bai-xa-do

    felds-pa-to

    ta-i-nha


ID
1435219
Banca
FUMARC
Órgão
TJM-MG
Ano
2013
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

A divisão silábica (indicada por pontos) e a grafia de todas as palavras estão CORRETAS em

Alternativas
Comentários
  • Não entendo o gabarito. Pensei que fosse letra C . Pois, a palavra subitens se divide assim. SUB_ I _ TENS. ALGUEM ?
  • Também gostaria de uma explicação. Pensei que fosse a letra C também Ariany.

  • Alguem poderia explicar essa questão? Para mim a resposta correta é a C

  • Os prefixos trans, sub, por exemplo, quando antecedem vogais, na separação as vogais puxam a última consoante assim:

     

    TRANSAMAZÔNICA - TRAN-SA-MA-ZÔ-NI-CA     

    SUBITENS -> SU-BI-TENS   

    DIFERENTE DE SUBTETENTE... SUB-TE-NEN-TE

    VEJA TBM SUBOFICIAL... SU-BO-FI-CI-AL

  • O erro da C está na separação da palavra interregionais.

  • GABARITO B

     

    ERRADA -  biópsia (nome feminino) - bi·óp·si·a // pneumonia (nome feminino) - pneu·mo·ni·a

     

    CORRETA - su.pe.ra.que.cer – pôr (verbo) – su.bi.tens – cãi.bras

     

    ERRADA - in.ter.re.gi.o.na.is 

     

    ERRADA - gra.tui.to 

     

    Fonte: http://www.portaldalinguaportuguesa.org

  • A)psi-co-lo-gi-a    bi-o-psi-a    e-clip-se     pneu-mo-ni-a
     

    B)su.pe.ra.que.cer – pôr (verbo) – su.bi.tens – cãi.bras

     

    C)con.tra-che.que – hi.fens – co-au.to.ri.a –in.ter-re.gi-o-nais

     

    D)ex.tra-ter.res.tre – in.ter.se.ção – gra.tui.to – só.cio-lin.guis-tas

  • Erros da alternativa "C":

    INTERREGIONAIS: IN-TER-RE-GI-O-NAIS

    CONTRACHEQUE é escrito junto, sem hífen.

  • so-ci-o-lin-guis-tas

  • O Prefixo 'Sub' é complicado, tem gramáticas que divergem quanto a ele.
    A Classificação usada na questão foi que se depois do Prefixo vier uma Vogal, a última consoante do prefixo pula pra frente e forma sílaba com a vogal da frente. Ficando: Su-bi-tens.
    Se fosse um consoante na frente do prefixo, ai o prefixo manteria. Ex: Cisplatino - Cis-pla-ti-no
     

  • prefixo monossilabos terminados em consoante + vogal -  junta-  su-bi-tens.

    prefixo monossilabos terminados em consoante + consoante-separa- sub-li-nhar

  • Ariana silva quando a consoante sub vier acompanhada de vogais a consoante acompanha.

     

  • Erros:

    a) pneumonia => pneu.mo.ni.a

    b) correta

    c) inter-regional => in.ter-re.gi.o.nal

    d) sociolinguista => so.ci.o.lin.guis.ta

  • A) psi.co.lo.gia – bi.ó.psi.a – e.clip.se – pneu.mo.nia

    psi.co.logi.a  **  bi.ó.psi.a ** pneu.mo.ni.a

     

    C) con.tra-che.que – hi.fens – co-au.to.ri.a – in.ter-re.gio.nais

    con.tra.che.que ** co.au.to.ri.a ** in.ter-re.gi.o.na.is

     

    D) ex.tra-ter.res.tre – in.ter.se.ção – gra.tu.i.to – só.cio-lin.guis-tas

     ex.tra.ter.res.tre ** gra.tui.to ** so.cio.lin.guis-tas

     

    Importante observar que algumas palavras além da separação das sílabras erradas, também apresentam o uso do hífen incorretamente.

    FONTE: http://www.portaldalinguaportuguesa.org

     

     

     

     

  • O erro da C é apenas o hífen que separa a palavra contracheque. Maldade da banca rsrsrs

  • Corrigindo os erros:

    a) psi-co-lo-gi-a e pneu-mo-ni-a

    b) todas estão corretas

    c) in-ter-re-gi-o-nais

    d) gra-tui-to e so-ci-o-lin-guis-tas

  • Por que não se separa assim: cã.i.bras? Alguém poderia me ajudar?

  • Bruno, porque não falamos cã-i-bra, e sim cãi-bra (som de ã com i mesma sílaba). Ditongo decrescente.

  • Erros:

    psi/co/lo/gi/a

    bi/óp/sia

    ec/lip/se

    pneu/mo/ni/a

    in/ter/re/gi/o/nais

    gra/tui/to

  • CUIDADO!

    ERRO DA C UM HIFEN E IN/TER/RE/GI/O/NAIS

  • Pq a b?

  • Bruno Luiz, cãibras não se separa assim cã - i - bras, porque todo hiato de vogais "i" ou "u" é acentuado, ressalvado aqueles seguidos de "nh".


ID
1436611
Banca
FGV
Órgão
SUSAM
Ano
2014
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Marque a opção que apresenta a separação de sílabas correta.

Alternativas
Comentários
  • a) cadeira----> ca-dei-ra --->Regra: não podemos seprarar ditongo (dei) 

    b) carreta---> car-re-ta ---> Regra: consoantes duplicadas devem ficar em sílabas separadas (rr) 

    c) pássaro ---> pás-sa-ro ---> mesma regra da alternativa letra b

    d) camisa ---> ca- mi-sa ---> a alternativa apresentou uma separação absurda. 

    e) caminho---> ca-mi-nho ---> Regra: o dígrafo "nh" ficará sempre junto na sílaba. 

    gabarito: E

  • E. caminho: ca-mi-nho. correta

  • Gabarito: E

  • GABARITO: LETRA E

    Não se separa ditongo crescente, ca-dei-ra.

  • A) cadeira: ca-de-i-ra.

    CORREÇÃO: ca-dei-ra

    B) carreta: ca-rre-ta.

    CORREÇÃO: car-re-ta

    C) pássaro: pá-ssa-ro.

    CORREÇÃO: pás-sa-ro

    D) camisa: ca-mis-a.

    CORREÇÃO: ca-mi-sa

    E) caminho: ca-mi-nho.--> GABARITO


ID
1439929
Banca
UPENET/IAUPE
Órgão
Prefeitura de Olinda - PE
Ano
2011
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

                                         Seja um Líder

    O novo líder do século XXI deve ser diferente de tudo o que possa vincular a sua posição a um status de poder autoritário. Ao contrário, precisa desenvolver uma perfeita habilidade para conduzir sua autoridade, influenciando e motivando seus liderados, estimulando-os a contribuir para a realização do objetivo ou do projeto em execução. Deve socializar as responsabilidades de maneira sutil, vinculando o sucesso de cada membro ao sucesso do grupo. Obviamente, sempre será necessário exercer alguma forma de poder para liderar uma equipe. No entanto, o autoritarismo deve ser descartado e substituído por preceitos mais eficientes, embasados em relações mais humanas.
    O líder do século XXI alcançará status pela sua capacidade em lidar com as diferenças, respeitando-as e utilizando-as como fator decisivo para o progresso do projeto e para o bem comum, ao mesmo tempo. O líder do futuro é aquele que respeita os seus liderados, permitindo e até estimulando o desenvolvimento das competências e habilidades da equipe, exercendo seu "poder" de uma forma mais humana. Só assim, poderá ser respeitado, de fato, pelo seu modo de ser embasado em preceitos de ética, justiça, equilíbrio e por um entusiasmo que contagia todo o grupo. Em outras palavras, o novo líder é aquele que suprime o exercício do poder para exercitar a autoridade motivadora. Ao invés de controlar pelo medo, contagia a equipe, encorajando as pessoas a se sentirem mais seguras, dignas e necessárias ao bom desempenho das tarefas que lhes são confiadas.


                                                                                 Disponível em: http://www.acasadoaprendiz.com.br

Em apenas uma das alternativas abaixo, a tonicidade dos dois termos grifados recai na penúltima sílaba. Assinale-a.

Alternativas
Comentários
  • der= uma paroxítona terminada em "R'' então recai a acentuação na penúltima sílaba.

    Exercio = uma paroxítona terimada em "Ditongo" então recai a acentuação na penúltima sílaba.

    Letra:C

  • Gabarito: Letra C

     

    a) “O novo líder do século XXI deve ser diferente de tudo...” -> Paroxítona e Proparoxítona

    b) “Obviamente, sempre será necessário exercer...” -> Oxítona e Paroxítona

    c) “...o novo líder é aquele que suprime o exercício do poder para exercitar a autoridade ...”  -> Paroxítona e Paroxítona

    d) “...em preceitos de ética, justiça, equilíbrio e por um entusiasmo que contagia todo o grupo ...” -> Proparoxítona e Paroxítona

    e) “...e até estimulando o desenvolvimento das competências e habilidades da equipe...” -> Oxítona e Paroxítona

     

    Explicação de Tonicidade:

    Oxítona: A Última Sílaba é a mais forte

    Paroxítona: A Penúltima Sílaba é a mais forte

    Proparoxítona: A Antepenúltima Sílaba é a mais forte

     

  • Quem fez essa prova deve ter ficado muito feliz de ver uma questão dessas?

  • GABARITO: LETRA C

    ACRESCENTANDO:

    Regra de Acentuação para Monossílabas Tônicas:

    Acentuam-se as terminadas em -a(s), -e(s), -o(s).

    Ex.: má(s), trás, pé(s), mês, só(s), pôs…

    Regra de Acentuação para Oxítonas:

    Acentuam-se as terminadas em -a(s), -e(s), -o(s), -em(-ens).

    Ex.: sofá(s), axé(s), bongô(s), vintém(éns)...

     Regra de Acentuação para Paroxítonas:

    Acentuam-se as terminadas em ditongo crescente ou decrescente (seguido ou não de s), -ão(s) e -ã(s), tritongo e qualquer outra terminação (l, n, um, r, ns, x, i, is, us, ps), exceto as terminadas em -a(s), -e(s), -o(s), -em(-ens).

    Ex.: história, cáries, jóquei(s); órgão(s), órfã, ímãs; águam; fácil, glúten, fórum, caráter, prótons, tórax, júri, lápis, vírus, fórceps.

     Regra de Acentuação para Proparoxítonas:

    Todas são acentuadas .Ex.: álcool, réquiem, máscara, zênite, álibi, plêiade, náufrago, duúnviro, seriíssimo...

    Regra de Acentuação para os Hiatos Tônicos (I e U):

    Acentuam-se com acento agudo as vogais I e U tônicas (segunda vogal do hiato!), isoladas ou seguidas de S na mesma sílaba, quando formam hiatos.

    Ex.: sa-ú-de, sa-í-da, ba-la-ús-tre, fa-ís-ca, ba-ú(s), a-ça-í(s)...

    FONTE: A GRAMÁTICA PARA CONCURSOS PÚBLICOS 3ª EDIÇÃO FERNANDO PESTANA.

  • GABARITO: C

    c) “...o novo líder é aquele que suprime o exercício do poder para exercitar a autoridade ...”

    -> "LÍDER" = "- der"

    -> "EXERCÍCIO" = "e - xer - - cio

    Em ambas as palavras, a tonicidade recai na penúltima sílaba.

  • o novo líder é aquele que suprime o exercício do poder para exercitar a autoridade ---> paroxítona, paroxítona.

    portanto alternativa c está correta.


ID
1446040
Banca
MS CONCURSOS
Órgão
UFAC
Ano
2014
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Na palavra “anoitecer”, temos três partes com significados próprios, chamados de elementos mórficos ou morfemas: “a”, “noite” e “cer”. Assinale a alternativa em que todos os elementos separados constituem partes significativas da palavra “imoralidades”:

Alternativas
Comentários
  • Gabarito: A

    JESUS abençoe! Bons estudos!

  • questão besta

  • Se a questão é besta guarde essa opinião estupida pra você! Quanto maior o orgulho,maior o tombo.

  • Vixi, tá rolando o fight aqui. Kkkjjjkk É tão besta que errei hueheueue
  • desgraça errei uma besteira dessa ....

     

  • Desculpa a ignorância, mas não entendi o porquê da A ser o gabarito. Acho que na verdade não compreendi o enunciado. Se alguem puder me explicar agradeço imensamente.

  • se estiver errada me corrijam....

    i-vogal temática

    moral-rad

    idade-suf

    s-desinencia de número

  • i - Sentido contrario, negação;

    moral - radical da palavra;

    idade (dade) - idéia de estado, situação ou quantidade;

    s - palavra no plural.

  • Não entendi essa questão, alguém?

  • IMORALIDADES = I - prefixo de negação, moral - radical, dade - ideia de estado e S como desinência de número.


ID
1449253
Banca
INAZ do Pará
Órgão
BANPARÁ
Ano
2014
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Vocações
Luís Fernando Veríssimo.
Todos diziam que a Leninha, quando crescesse, ia ser médica. Passava horas brincando de médico com as
bonecas. Só que, ao contrário de outras crianças, quando largou as bonecas, não perdeu a mania. A primeira
vez que tocou no rosto do namorado foi para ver se estava com febre. Só na segunda é que foi com carinho.
Ia porque ia ser médica. Só tinha uma coisa. Não podia ver sangue.
“Mas, Leninha, como é que...”
“Deixa que eu me arranjo.”
Não é que ela tivesse nojo de sangue. Desmaiava. Não podia ver carne malpassada. Ou ketchup. Um
arranhãozinho era o bastante para derrubá-la. Se o arranhão fosse em outra pessoa ela corria para socorrê-la
– era o instinto médico – , mas botava o curativo com o rosto virado.
“Acertei? Acertei?”
“Acertou o joelho. Só que é na outra perna!”
Mas fez o vestibular para medicina, passou e preparou-se para começar o curso.
“E as aulas de Anatomia, Leninha? Os cadáveres?”
“Deixa que eu me arranjo.”
Fez um trato com a Olga, colega desde o secundário. Quando abrissem um cadáver, fecharia os olhos. A
Olga descreveria tudo para ela.
“Agora estão no fígado. Tem uma cor meio...”
“Por favor. Sem detalhes.”
Conseguiu fazer todo o curso de medicina sem ver uma gota de sangue. Houve momentos em que precisou
explicar os olhos fechados.
“É concentração, professor.”
Mas se formou. Hoje é médica, de sucesso. Não na cirurgia, claro. Se bem que chegou a pensar em convidar
a Olga para fazerem uma dupla cirúrgica, ela operando com o rosto virado e a Olga dando as coordenadas.
“Mais para a esquerda... Aí. Agora corta!”
Está feliz. Inclusive se casou, pois encontrou uma alma gêmea. Foi num aeroporto. No bar onde foi tomar um
cafezinho enquanto esperava a chamada para o embarque puxou conversa com um homem que parecia
muito nervoso.
“Algum problema?” – perguntou, pronta para medicá-lo.
“Não” – tentou sorrir o homem. “É o avião...”
“Você tem medo de voar?”
“Pavor. Sempre tive.”
“Então por que voa?”
“Na minha profissão é preciso.”
“Qual é a sua profissão?”
“Piloto.”
Casaram-se uma semana depois.

Sob a análise acústica do vocábulo arranhãozinho, temos:

Alternativas
Comentários
  • ARRANHÃOZINHO

    /ARAÑAOZIÑO/  10 FONEMAS, 3 dígrafos, e não possui encontro vocálico !
  • A resposta correta é a letra A, pois arranhãozinho = aranãozino, pois rr é um digrafo e nh é um digrafo.

  • LETRA A

    a-râ-não-zi-nõ

    10 FONEMAS

     

  • Resposta, letra - A

    arranhãozinho -  Separção silábica - ar - ra - nhão - zi - nho 

    Separação fonética - /a//Ra//ñão//zi//ño/

  • "RR" e "NH" são dígrafos, entretanto são dígrafos consonantais. Diferente do que pede na questão - apenas Dígrafos Vocálicos( análise acústica do vocábulo), caso que não há nenhum na palavra apresentada.

  • ARRANHÃOZINHO = 13 Letras         

    RR + NH + NH = 3 Dígrafos Consonantais

    13 - 3=   10 Fonemas 

  • Dígrafo é quando duas letras emitem um único som! Teste os dígrafos dessas palavras: assar, banho, arroz, querido.


    Percebe que ao pronunciar ss em assar, nh em banho, rr em arroz e qu em querido, emitimos apenas um fonema?


    Então, quando isso ocorre, chamamos de dígrafo, o qual compreende o seguinte grupo de letras: lhnhchrrssqugu (seguidos de e ou i), scxcxs.<