SóProvas



Questões de Ortografia


ID
757
Banca
FCC
Órgão
TRT - 23ª REGIÃO (MT)
Ano
2007
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Atenção: As questões de números 1 a 20 referem-se ao texto
que segue.

Da ação dos justos

Em recente entrevista na TV, uma conhecida e combativa
juíza brasileira citou esta frase de Disraeli*: “É preciso que
os homens de bem tenham a audácia dos canalhas”. Para a
juíza, o sentido da frase é atualíssimo: diz respeito à freqüente
omissão das pessoas justas e honestas diante das manifestações
de violência e de corrupção que se multiplicam em
nossos dias e que, felizmente, têm chegado ao conhecimento
público e vêm sendo investigadas e punidas. A frase propõe
uma ética atuante, cujos valores se materializem em reação
efetiva, em gestos de repúdio e medidas de combate à barbárie
moral. Em outras palavras: que a desesperança e o silêncio não
tomem conta daqueles que pautam sua vida por princípios de
dignidade.

Como não concordar com a oportunidade da frase?
Normalmente, a indignação se reduz a conversas privadas, a
comentários pessoais, não indo além de um mero discurso
ético. Se não transpõe o limite da queixa, a indignação é
impotente, e seu efeito é nenhum; mas se ela se converte em
gesto público, objetivamente dirigido contra a arrogância
acanalhada, alcança a dimensão da prática social e política, e
gera conseqüências.

A frase lembra-nos que não costuma haver qualquer
hesitação entre aqueles que se decidem pela desonestidade e
pelo egoísmo. Seus atos revelam iniciativa e astúcia, facilitadas
pela total ausência de compromisso com o interesse público.
Realmente, a falta de escrúpulo aplaina o caminho de quem não
confronta o justo e o injusto; por outro lado, muitas vezes faltam
coragem e iniciativa aos homens que conhecem e mantêm viva
a diferença entre um e outro. Pois que estes a deixem clara, e
não abram mão de reagir contra quem a ignore.

A inação dos justos é tudo o que os contraventores e
criminosos precisam para continuar operando. A cada vez que
se propagam frases como “Os políticos são todos iguais”,
“Brasileiro é assim mesmo” ou “Este país não tem jeito”,
promove-se a resignação diante dos descalabros. Quem vê a
barbárie como uma fatalidade torna-se, ainda que não o queira,
seu cúmplice silencioso.


* Benjamin Disraeli, escritor e político britânico do século XIX.
(Aristides Villamar)

Estão corretos o emprego e a grafia de todas as palavras da frase:

Alternativas
Comentários
  • (A) temos duas palavras: diminui e prevaleçam que estão erradas na alternativa.
    (C)o certo é: canalhas audaciosos
    (D)inextricável (que não se pode deslindar,delimitar)
    (E)depreende-se
  • Grafias: INcorretas + (Corretas):

    a) diminuE (diminuI), prevaleSçam (prevalEÇam);

    c) audaSes (audaZes);

    d) ineStricável (ineXtricável);

    e) depre_nde-se (depreEnde-se)
  • Significado de Inextricável adj. Que não se pode desenredar ou desemaranhar: meada inextricável.De que não é possível desembaraçar: labirinto inextricável.Sinônimos de InextricávelInextricável: emaranhado e enredadoDefinição de InextricávelClasse gramatical de inextricável: AdjetivoPlural de inextricável: inextricáveisFrase na imprensa com inextricávelFOLHA - Como ela alterou a sensibilidade e o estilo da narração cinematográfica e ajudou a definir o gênero do terror? SKERRY - Pela inextricável mistura de sexo e violência e pela sua combinação com temas tabus, como necrofilia e incesto. "Psicose" transgrediu tabus e, ao mesmo tempo, fez disso algo excitante.
  • a) A corrupção só se extingue ou diminue quando os justos intervêm para que as boas causas prevalesçam. (E) "... quando os justos INTERVINHEREM para que ...";

    b) Os homens que usufruem de vantagens a que não fazem jus cultivam a hipocrisia de propalar discursos moralizantes. (C);

    c) Contra tantos canalhas audases há que haver a reação dos que têm a probidade como um valor inerente ao exercício da cidadania. (E) AUDAZES, vem de AUDAZ;

    d) Há uma inestricável correlação entre a apatia dos bons cidadãos e a desenvoltura com que agem os foras-da-lei. (E), inextricavel - um nó que não dá para desatar;

     e) Deprende-se que houve êxito das iniciativas dos homens de bem quando os prevaricadores sentiram cerceada sua área de atuação. (E), quando SENTIREM

  • Comentado por Fernandes Marinho Jr" há aproximadamente 1 mês.
    a) A corrupção só se extingue ou diminue quando os justos intervêm para que as boas causas prevalesçam. (E) "... quando os justos INTERVINHEREM para que ...";
    e) Deprende-se que houve êxito das iniciativas dos homens de bem quando os prevaricadores sentiram cerceada sua área de atuação. (E), quando SENTIREM

    intervinherem ????? isso não existe...
    a palavra INTERVÊM está correta...
    o erro está em DIMINUE... correto é diminui e em PREVALESÇAM... correto é prevaleçam

    sentirem ??? sentirem está no futuro e a frase claramente está no passado (... houve êxito ...)
    a conjugação sentiram está correta... [pretérito perfeito]
    o erro está na palavra deprende-se... o correto é depreende-se

  • a) prevaleÇam

    b) CORRETO

    c) audaZes

    d) ineXtricável (adj. Que não se desemaranha)

    e) depreEnde-se (Depreender: v.t.d. Obter entendimento intelectual acerca de; perceber claramente alguma coisa; compreender: depreender um sentido metafórico. v.t.d. e v.bit. Alcançar a resposta; chegar à compreensão ou à conclusão de; deduzir: ela depreendeu das circunstâncias que a filha poderia estar com problemas.)

  • a) A corrupção só se extingue ou "diminue" (diminui) quando os justos intervêm para que as boas causas "prevalesçam" (prevaleçam).

    b) Os homens que usufruem de vantagens a que não fazem jus cultivam a hipocrisia de propalar discursos moralizantes.

    c) Contra tantos canalhas "audases" (audazes) há que haver a reação dos que têm a probidade como um valor inerente ao exercício da cidadania.

    d) Há uma "inestricável" (inextricável) correlação entre a apatia dos bons cidadãos e a desenvoltura com que agem os foras-da-lei.

    e) "Deprende-se" (Depreende-se) que houve êxito das iniciativas dos homens de bem quando os prevaricadores sentiram cerceada sua área de atuação.

    GABARITO: LETRA B

  • a)A corrupção só se extingue ou diminue quando os justos intervêm para que as boas causas prevalesçam. Errado, diminUI e prevaleÇAM

     b)Os homens que usufruem de vantagens a que não fazem jus cultivam a hipocrisia de propalar discursos moralizantes.Correta.

     c)Contra tantos canalhas audases há que haver a reação dos que têm a probidade como um valor inerente ao exercício da cidadania.Errado, audaZes

     d)Há uma inestricável correlação entre a apatia dos bons cidadãos e a desenvoltura com que agem os foras-da-lei.Errado, iNEXtricável.

     e)Deprende-se que houve êxito das iniciativas dos homens de bem quando os prevaricadores sentiram cerceada sua área de atuação. Errado, DEPREENDE.

  • Pessoal, segundo o professor Zambeli, o verbo USUFRUIR é VTD, sendo que usufrui-se algo, e não DE algo. Como fica essa questão? Quem puder sanar a dúvida, obrigado.

  • O verbo USUFRUIR pode ser VTD ou VTI, ou seja, tanto pode falar "usurfrui algo" como "usurfruir de algo"

  • GABARITO: LETRA B

    ACRESCENTANDO:

    Significado de Inextricável

    adj. Que se não póde desembaraçar; enredado; emmaranhado. (Lat. inextricabilis)

    FONTE: https://www.lexico.pt/inextricavel/

  • Essa letra b não teria uma vírgula após jus?

  • PROPALAR

    verbo

    transitivo direto e pronominal

    tornar(-se) público; divulgar(-se), espalhar(-se).

    "p. fatos íntimos"

    2.

    transitivo direto e pronominal

    espalhar(-se), propagar(-se).

    "p. um vírus"

  • a) prevalesçam. --> prevaleçam.

    b) Correta.

    c) audases --> audazes.

    d) (os) foras-da-lei. --> (os) fora-da-lei.

    e) Deprende-se --> depreende-se.


ID
2050
Banca
FCC
Órgão
TRT - 24ª REGIÃO (MS)
Ano
2006
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Amazônia (1989)

Roberto Carlos - Erasmo Carlos
Tanto amor perdido no mundo
Verdadeira selva de enganos
A visão cruel e deserta
De um futuro de poucos anos
Sangue verde derramado
O solo manchado;
Feridas na selva
A lei do machado
Avalanches de desatinos
Numa ambição desmedida
Absurdos contra os destinos
De tantas fontes de vida
Quanta falta de juízo
Tolices fatais;
Quem desmata, mata
Não sabe o que faz [...]
Desde os anos 70, muito antes de o tema "ecologia" entrar
na moda por aqui, Roberto Carlos já abordava o assunto, em
canções como O Progresso. Na década de 80 foi a vez de As
Baleias
e Amazônia, ambas em torno da preservação ambiental.
Nesta canção, ele chama a atenção para a destruição
da maior reserva natural da Terra, que cobre grande parte do
território brasileiro.

(Adaptado de Roberto Carlos Braga II, Na poltrona, Revista de
bordo do Grupo Itapemirim, ano 6, no 67, janeiro 2005, p. 60)

Há palavras escritas de maneira INCORRETA na frase:

Alternativas
Comentários
  • Pessoal! Será possível que esta questão caiu mesmo em prova! Moleza...
  • FAVORECER: FAVORECE( DERIVAÇÃO REGRESSIVA) E INTERESSANTE NESTE TIPO DE RESOLUÇÃO.
  • Favoresce é a palavra errada da letra b, o certo seria sem o 's'

    Resposta letra B

    Bons Estudos !!

     

    Paulo. 

  •  b) A manutensão MANUTENÇÃO de florestas favoresce FAVORECE a qualidade de vida em todo o planeta.

  • Letra B

    A manutensão de florestas favoresce a qualidade de vida em todo o planeta. - ERRADO, o serto seria :
    MANUTENÇÃO de florestas FAVORECE a qualidade de vida em todo o planeta.

    Bons Estudos !!
    Pedro Henrique.

  • MANUTENÇÃO de florestas FAVORECE a qualidade ...letra B

  • palavra derivada de TER: ManTER= manuTENÇÃO.

  • GABARITO: LETRA B

    A MANUTENÇÃO DE FLORESTAS FAVORECE A QUALIDADE DE VIDA EM TODO O PLANETA.

  • A manutenÇão de florestas favorece a qualidade de vida em todo o planeta.

  • poderia cair pelo menos umas 05 questões dessa na minha prova de português. KKKKK

  • B

  • Espero que não caia questões como essa nas minhas provas.

  • Gabarito letra B.

    A grafia correta das palavras seria: "Manutenção" e "Favorece"

  • A MANUTENÇÃO de florestas FAVORECE a qualidade de vida em todo planeta.

    LETRA B

    Nunca desista daquilo que você não passa um dia sem pensar

    @_renanbarreira


ID
2053
Banca
FCC
Órgão
TRT - 24ª REGIÃO (MS)
Ano
2006
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Amazônia (1989)

Roberto Carlos - Erasmo Carlos
Tanto amor perdido no mundo
Verdadeira selva de enganos
A visão cruel e deserta
De um futuro de poucos anos
Sangue verde derramado
O solo manchado;
Feridas na selva
A lei do machado
Avalanches de desatinos
Numa ambição desmedida
Absurdos contra os destinos
De tantas fontes de vida
Quanta falta de juízo
Tolices fatais;
Quem desmata, mata
Não sabe o que faz [...]
Desde os anos 70, muito antes de o tema "ecologia" entrar
na moda por aqui, Roberto Carlos já abordava o assunto, em
canções como O Progresso. Na década de 80 foi a vez de As
Baleias
e Amazônia, ambas em torno da preservação ambiental.
Nesta canção, ele chama a atenção para a destruição
da maior reserva natural da Terra, que cobre grande parte do
território brasileiro.

(Adaptado de Roberto Carlos Braga II, Na poltrona, Revista de
bordo do Grupo Itapemirim, ano 6, no 67, janeiro 2005, p. 60)

A norma gramatical que justifica o acento gráfico na palavra década é:

Alternativas
Comentários
  • DÉCADA é uma palavra proparoxítona. E, todas as palavras proparoxítonas são acentuadas.
  • Todas as palavras proparoxítonas pertencentes à Língua Portuguesa são acentuadas.

    Existem, porém, algumas palavras estrangeiras bastante usadas no Brasil que, por não pertencerem ao nosso idioma, não recebem acento.

    Ex.: Habitat: (Pronuncia-se hábita) Palavra latina, cujo significado é conjunto de circunstâncias físicas e geográficas que oferece condições favoráveis à vida e ao desenvolvimento de determinada espécie animal ou vegetal ou local onde algo é geralmente encontrado ou onde alguém se sente em seu ambiente ideal.

    Performance: Palavra de origem inglesa, cujo significado é exercício de atuar, de desempenhar; atuação, desempenho.

    Per capita: Expressão latina, cujo significado é por cabeça.
  • TODAS AS PALAVRAS -------PROPAROXÍTONAS------ SÃO ACENTUADAS.
  • Essa é fácil

    Todas palavras proparoxítonas são acentuadas

    Ex: Paralelepípedo,década, e etc

    Reposta letra E

     

    Bons Estudos !!

    Paulo.

  • TODAS AS PALAVRAS PROPAROXÍTONAS SÃO ACENTUADAS. letra E
  • Gente,

    Ainda não entendi, dá pra repetir??????????????????
  • Muiro Fácil.
    De 0 a 10, nota 0,00000000001
  • ..o pessoal quer ganhar ponto....
  • Década = Proparoxitona.


    Todas as proparoxitonas são acentuadas.
  • Performance não é acentuada.
  • Ficaria muito feliz se colocassem mais palavras proparoxítonas nas provas!
  • 102 pessoas tiraram sarro

  • LETRA ----- E

    TODAS AS PROPAROXÍTINAS SAO ACENTUADAS

  • Prova de 2006. Gente, hoje nem concurso que exige só ensino fundamental tem este tipo de pergunta. Concorrência astronômica... 

  • TODAS AS PROPAROXÍTONAS SÃO ACENTUADAS!!!!!!!!!!!

  • GABARITO: LETRA E

    ACRESCENTANDO:

    Regra de Acentuação para Monossílabas Tônicas:

    Acentuam-se as terminadas em -a(s), -e(s), -o(s).

    Ex.: má(s), trás, pé(s), mês, só(s), pôs…

    Regra de Acentuação para Oxítonas:

    Acentuam-se as terminadas em -a(s), -e(s), -o(s), -em(-ens).

    Ex.: sofá(s), axé(s), bongô(s), vintém(éns)...

    Regra de Acentuação para Paroxítonas:

    Acentuam-se as terminadas em ditongo crescente ou decrescente (seguido ou não de s), -ão(s) e -ã(s), tritongo e qualquer outra terminação (l, n, um, r, ns, x, i, is, us, ps), exceto as terminadas em -a(s), -e(s), -o(s), -em(-ens).

    Ex.: história, cáries, jóquei(s); órgão(s), órfã, ímãs; águam; fácil, glúten, fórum, caráter, prótons, tórax, júri, lápis, vírus, fórceps.

    Regra de Acentuação para Proparoxítonas:

    Todas são acentuadas .Ex.: álcool, réquiem, máscara, zênite, álibi, plêiade, náufrago, duúnviro, seriíssimo...

    FONTE: A GRAMÁTICA PARA CONCURSOS PÚBLICOS 3ª EDIÇÃO FERNANDO PESTANA.

  • e) São acentuadas todas as palavras proparoxítonas.

    Proparoxítonos (ou esdrúxulos) - O acento tônico recai na antepenúltima sílaba. Levam acento agudo ou circunflexo todos os proparoxítonos.

    Exemplos:

    cada,lido, pido, tedra, lido, límpido, modo,lida, felicíssimo.

    Fonte: Bechara.

  • E.

    As proparoxítonas são palavras que têm a antepenúltima sílaba como sílaba tônica. Todas as proparoxítonas devem ser acentuadas.

  • Resumo Acentuação e Ortografia:

    Monossílabos:

    Terminados em A(s),E(s),O(s) : pá, três, pós;

    Terminadas em Ditongo Aberto: éu, éi, ói: céu, réis, dói;

    Oxítonas:

    Terminadas em A(s),E(s),O(s),Em(s). sofá, café,

    Terminadas em Ditongo Aberto: éu, éi, ói: chapéu, anéis, herói;

    Paroxítonas:

    • Todas, exceto terminadas em A(s),E(s),O(s),Em(s). Ex: fácil, hífen, álbum,

    cadáver, álbuns, tórax, júri, lápis, vírus, bíceps, órfão

    • Terminadas em ditongo (Regra cobradíssima) Ex: Indivíduos, precárias,

    série, história, imóveis, água, distância, primário, indústria, rádio

    • Se tiver Ditongo Aberto: não acentua mais!Ex: boia, jiboia, proteico, heroico

    Proparoxítonas:

    • Todas. Sempre. Ex: líquida, pública, episódica, anencéfalo, período.

    Regra do Hiato:

    Acentuam-se o “i” ou “u” tônico sozinho na sílaba (ou com s): baú,

    juízes, balaústre, país, reúnem, saúde, egoísmo. Caso contrário, não acentue: juiz,

    raiz, ruim, cair.

    Não se acentuam também hiatos com vogais repetidas: voo, enjoo, creem, leem, saara,

    xiita, semeemos.

    Exceção1: “i” seguido de NH: rainha, bainha, tainha,

    Exceção2: “i” ou “u” antecedido de ditongo, se a palavra não for oxítona: bocaiuva,

    feiura, sauipe, Piauí, tuiuiú. Decore: Guaíba e Guaíra são acentuados.

    FONTE: Professor Filipe Luccas - Estratégia concursos.


ID
2059
Banca
FCC
Órgão
TRT - 24ª REGIÃO (MS)
Ano
2006
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Atenção: Para responder às questões de números 5 a 9, assinale,
na folha de respostas, a letra da alternativa
que preenche corretamente as lacunas da frase
apresentada.

O município de Bonito é exemplo de preservação de suas belezas naturais, com ...... de visão magnífica, verdadeiros ...... .

Alternativas
Comentários
  • QUEDAS DE ÁGUA( SOMENTE O PRIMEIRO ELEMENTO VARIA( PREPOSIÇÃO ABREVIADA).cartões-postais; VARIA SUBSTANTIVOS.
  • Resposta Letra B

    quedas d'água - cartões-postais é o certo

    Bons Estudos !!

     

    Paulo.

  • Desenho Industrial não é Design. Por definição, design é projetar buscando a melhoria dos aspectos funcionais, ergonômicos e visuais do produto, de modo a atender às necessidades do consumidor, melhorando o conforto, a segurança e a satisfação dos usuários.

  • Voce esqueceu de falar da marca tridimensional. ;)


  • Letra B. Quando o substantivo composto for formado por substantivo + preposição + substantivo, só o primeiro elemento variará, logo quedas d’água é a forma certa.Já quando um substantivo composto é formado por um substantivo + um adjetivo,ambos variam, logo cartões-postais.

    Espero ter ajudado , abraços !

  • Uma dúvida! 

    Cartões-postais é um substantivo + adjetivo ou substantivo + substantivo ?

    No caso de ser um substantivo + substantivo pode-se colocar os dois no plural ou apenas o primeiro correto ?

    Felicidades a todos.

  • Augusto César¹ 

    cartão-postal = substantivo + adjetivo

    Quando as duas palavras forem substantivos, pode-se optar por colocar apenas o primeiro elemento ou ambos no plural:

          palavra-chave = palavras-chave ou palavras-chaves
          couve-flor = couves-flor ou couves-flores
          bomba-relógio = bombas-relógio ou bombas-relógios

    Fonte: https://www.soportugues.com.br/secoes/morf/morf28.php


ID
2236
Banca
NCE-UFRJ
Órgão
TRE-RJ
Ano
2001
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

TEXTO . OS COITADINHOS
Clóvis Rossi . Folha de São Paulo, 25/02/01

SÃO PAULO . Anestesiada e derrotada, a sociedade
nem está percebendo a enorme inversão de valores em
curso. Parece aceitar como normal que um grupo de
criminosos estenda faixas pela cidade e nelas fale de paz.
Que paz? Não foram esses mesmos adoráveis
senhores que decapitaram ou mandaram decapitar seus
próprios companheiros de comunidade durante as
recentes rebeliões?
A sociedade ouve em silêncio o juiz titular da Vara
de Execuções Penais, Otávio Augusto Barros Filho,
dizer que não vai resolver nada a transferência e
isolamento dos líderes do PCC (Primeiro Comando da
Capital ou Partido do Crime).
Digamos que não resolva. Qual é a alternativa
oferecida pelo juiz? Libertá-los todos? Devolvê-los aos
presídios dos quais gerenciam livremente seus negócios
e determinam quem deve viver e quem deve morrer?
Vamos, por um momento que seja, cair na real:
os presos, por mais hediondos que tenham sido seus
crimes, merecem, sim, tratamento digno e humano. Mas
não merecem um micrograma que seja de privilégios,
entre eles o de determinar onde cada um deles fica preso.
Há um coro, embora surdo, que tenta retratar
criminosos como coitadinhos, vítimas do sistema.
Calma lá. Coitadinhos e vítimas do sistema, aqui, são
os milhões de brasileiros que sobrevivem com salários
obscenamente baixos (ou sem salário algum) e, não
obstante, mantêm-se teimosamente honestos.
Coitadinhos e vítimas de um sistema ineficiente,
aqui, são os parentes dos abatidos pela violência,
condenados à prisão perpétua que é a dor pela perda
de alguém querido, ao passo que o criminoso não fica
mais que 30 anos na cadeia.

Parafraseando Millôr Fernandes: ou restaure-se
a dignidade para todos, principalmente para os coitadinhos
de verdade, ou nos rendamos de uma vez à Crime
Incorporation.

Como se pode ver no texto, obscenamente é um vocábulo grafado com SC; o item abaixo em que um dos vocábulos está erroneamente grafado é:

Alternativas
Comentários
  • A palavra "indescente" esta errada, o correto é: "indecente" sem o 's'.
    Letra B.
  • INDECENTE: NÃO DECENTE.IN- DECENTE
  • Lerta B

    Não existe uma regra que defina exatamente quais palavras são escritas com SC. Uma boa ortografia, nesse caso, deve vir de boas leituras e familiarização com a escrita.
  • É exatamente o que eu acho marcosvalerio!
    Leitura de livros, jornais, revistas e o que quer que seja enriquece o vocabulário...
  • Significado de Piscicultura

    s.f. Arte de criar e de multiplicar peixes.

    http://www.dicio.com.br/piscicultura/
    P
    ara mim esta palavra é nova, achei que era PSIcultura, igual a PSIcologia

  • Eu até li por cima as outras, porém, quando bati o olho em piscicultura, marquei sem pestanejar.

  • Pra mim não existe nada pior do que errar questão por falta de atenção

  • caramba! Questao de 2001!

  • Gabarito: Letra B.

    INDECENTE é a única palavra das alternativas que não é escrito com SC, mas apenas com C.


ID
2623
Banca
FCC
Órgão
TRT - 24ª REGIÃO (MS)
Ano
2006
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Atenção: As questões de números 1 a 8 apóiam-se no texto
apresentado abaixo.

Rios caudalosos e lagos deslumbrantes, cachoeiras e
corredeiras, cavernas, grutas e paredões. Onças, jacarés, tamanduás,
capivaras, cervos, pintados e tucunarés, emas e
tuiuiús. As maravilhas da geologia, fauna e flora do Brasil Central
reunidas em três ecossistemas únicos no mundo - Pantanal,
Cerrado e Floresta Amazônica
?, poderiam ser uma abundante
fonte de receitas turísticas. Mas não são, e os Estados da
região agradecem.
Para preservar seus delicados santuários ecológicos, o
Centro-Oeste mantém rigorosas políticas de controle do turismo,
com roteiros demarcados e visitação limitada. Assim é feito
em Bonito, município situado na Serra da Bodoquena, cujas
belezas naturais despertaram os fazendeiros para as oportunidades
do turismo.

(Adaptado de O Estado de S. Paulo, Novo mapa do Brasil,
H16, 20 de novembro de 2005)

Há palavras escritas de forma INCORRETA na frase:

Alternativas
Comentários
  • Outro erro:
    Os empreEndimentos (+ um "E")
  • Gente, mais mole do que essa é impossível, pena que NUNCA é assim...
  • Gabarito: LETRA B

    São dois os erros de grafia nessa alternativa: "emprendimentos" onde o correto seria "empreEndimentos" e "divercificados", onde o correto seria "diverSificados".
  • Colegas....Procurem a prova da FCC. Lá está "Adaptar-se".

    Deve ter ocorrido um erro na passagem para esse site.

     

  • Diersificar se escreve com " e não com "S" e não com "C", conforme consta na letra b.
  • EmprEEndimentos!!!

  • EMPREENDIMENTO

    Sinônimos de Empreendimento

    Empreendimento é sinônimo de: cometimento, empresa, firma, projeto, tentame

    Definição de Empreendimento

    Classe gramatical: substantivo masculino
    Separação das sílabas: em-pre-en-di-men-to
    Plural: empreendimentos

    ---

    DIVERSIFICADO

    Sinônimos de Diversificado

    Diversificado é sinônimo de: transformado, alterado, variado

    Definição de Diversificado

    Classe gramatical: adjetivo
    Flexão do verbo diversificar no: Particípio.
    Separação das sílabas: di-ver-si-fi-ca-do
    Plural: diversificados
    Feminino: diversificada

  • Os emprendimentos turísticos da região Centro-Oeste são divercificados, desde atividades culturais até a prática de esportes náuticos e radicais. EMPREENDIMENTOS

  • Gabarito letra b).

     

    b) Os emprendimentos (EMPREENDIMENTOS)  turísticos da região Centro-Oeste são divercificados (DIVERSIFICADOS), desde atividades culturais até a prática de esportes náuticos e radicais.

     

     

     

    => Meu Instagram para concursos: https://www.instagram.com/qdconcursos/

  • Alternativa B apresenta erros.

    Os emprendimentos turísticos da região Centro-Oeste são divercificados, desde atividades culturais até a prática de esportes náuticos e radicais.

    Empreendimentos e Diversificados.

  • GABARITO: LETRA B

    O CORRETO: Os empreendimentos turísticos da região Centro-Oeste são diversificados, desde atividades culturais até a prática de esportes náuticos e radicais.

  • Os empreEndimentos turísticos da região Centro-Oeste são diverSificados, desde atividades culturais até a prática de esportes náuticos e radicais.

  • Gabarito: letra B.

    A grafia correta das palavras seria:

    Empreendimento (faltou um "E").

    Diversificar


ID
2632
Banca
FCC
Órgão
TRT - 24ª REGIÃO (MS)
Ano
2006
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Atenção: As questões de números 1 a 8 apóiam-se no texto
apresentado abaixo.

Rios caudalosos e lagos deslumbrantes, cachoeiras e
corredeiras, cavernas, grutas e paredões. Onças, jacarés, tamanduás,
capivaras, cervos, pintados e tucunarés, emas e
tuiuiús. As maravilhas da geologia, fauna e flora do Brasil Central
reunidas em três ecossistemas únicos no mundo - Pantanal,
Cerrado e Floresta Amazônica
?, poderiam ser uma abundante
fonte de receitas turísticas. Mas não são, e os Estados da
região agradecem.
Para preservar seus delicados santuários ecológicos, o
Centro-Oeste mantém rigorosas políticas de controle do turismo,
com roteiros demarcados e visitação limitada. Assim é feito
em Bonito, município situado na Serra da Bodoquena, cujas
belezas naturais despertaram os fazendeiros para as oportunidades
do turismo.

(Adaptado de O Estado de S. Paulo, Novo mapa do Brasil,
H16, 20 de novembro de 2005)

Palavras do texto que recebem acento gráfico pela mesma razão que o justifica na palavra jacarés estão reproduzidas em:

Alternativas
Comentários
  • Acentuação gráfica:
    Acentuam-se as OXÍTONAS terminadas em: a(s), e(s), o(s), em(ens). Exemplo: sofá, porém, paletó, parabéns e etc.
  • JA-CA-RÉS = Oxítona terminada em (es)Acentuam-se as oxítonas terminadas em: a(s), e(s), o(s) em(ens)Portanto, letra CMAN-TÉM E TA-MAN-DU-ÁS
  • esse tidpo de questao se mata com os olhos, para evitar duvidas
    a paravra é oxitona entao so procurar uma com a regra de oxitona
  • DICA MNEMÔNICA : OXÍTONAS - OEA ( ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS ) + EM, ENS


    ESPERO TER AJUDADO !
  • Regras de acentuação para as palavras oxítonas. 
    Acentuar as palavras oxítonas terminadas em "a", "e" , "o" seguidas ou não de s
    Acentuar as palavras oxítonas terminadas em "em, "ens"

    Jacarés - palavra oxítona terminada em "e" seguida de s
    mantém - palavra oxítona terminada em "em"
    tamanduás - palavra oxítona terminada em "a", seguida de s

    resposta alternativa c

  • Última página sobre acentuação gráfica! Up.

    Veja a classificação das palavras:


    Paroxítona terminada em ditongo -> a) negócios
    Proparoxítona->  únicos.


    Paroxítona terminada em ditongo>  b) município
    Proparoxítona- amazônica.


    Oxítonas-> c) mantém e tamanduás.

    Oxítona-> d) tucunarés
    Paroxítona terminada em ditongo-> santuários.


    Proparoxítona-->  e) ecológicos
  • Jacarés = Oxitona terminada em ES.

    _________________________________________

    Negócios (Paroxitona terminada em ditongo) e únicos (Proparoxitona)
    Município (Paroxitona terminada em ditongo) e amazônica (Proparoxitona)
    Mantém (Oxitona terminada em EM) e Tamanduás (Oxitona terminada em AS)
    Tucunarés (Oxitona terminada em ES) e Santuários (Paroxitona terminada em ditongo)
    Ecológicos (Proparoxitona) e Tuiuiús (Hiato U, seguido de S, Oxitona)

    Portanto, a alternativa correta é a letra C.

  • "negócio" é acentuada por ser paroxítona terminada em ditongo oral seguido de "s"; "únicos" é acentuada por ser proparoxítona; "município" é acentuada por ser paroxítona terminada em ditongo oral; "amazônica" é acentuada por ser proparoxítona; "mantém" e "tamanduás" são oxítonas terminadas em "em" e "a", esta seguida de "s"; "tucunarés" é oxítona terminada em "e", seguida de "s"; "santuários" é paroxítona terminada em ditongo oral seguido de "s"; "ecológicos" é proparoxítona e "tuiuiús" é acentuada por haver hiato de ditongo seguido de vogal na oxítona. Assim, a alternativa (C) é a correta.
    Sucesso a todos!!!
  • Na verdade, aceita-se essa resposta por exclusão e conveniência, mas "mantém" é acentuado por motivo diferente, trata-se de acento diferencial. O verbo conjugado no singular fica nesta forma, mantém, no plural fica na forma mantêm. Prestar atenção na prova, é costume da fcc dar como certa a "menos errada".

    Abraços e bom estudo a todos!
  • Lembrando que "tuiuiús" é uma exceção à regra que veda a acentuação do U tônico quando for antecedido de ditongo. Quando aparecer o U tônico no final da frase, poderemos acentuá-lo, mesmo que antes exista uma ditongo.

  • Cuidado colegas! Acento diferencial são apenas cinco casos:

    -> pôr (v.) x por (preposição)

    -> pôde (passado) x pode (presente)

    -> vêm (plural) 

    -> têm (plural) 

    -> fôrma (subst.) 

     "Mantém" está na 3ª pessoa do singular e "mantêm" está na 3ª pessoa do plural. 

  • Em tempo, acrescentando o que o colego a baixo mencionou: 

    o uso do acento circunflexo no vocábulo ''fôrma'', de acordo com a nova regra ortográfica, passou-se a ser facultativo. 

  • Acertei por exclusão, mas não concordo.

    Jacarés é acentuada por ser uma OXÍTONA TERMINADA EM E (S).

    Mantém é acentuada por ser uma OXÍTONA TERMINADA EM EM.

    Tamanduás é acentuada por ser uma OXÍTONA TERMINADA EM A (S).

    Isso pra mim não é exatamente a "mesma regra", pois a única semelhança está no fato de as três serem oxítonas e, para que uma palavra oxítona seja acentuada, não basta sua mera classificação como tal.

    Outra coisa seria se fossem palavras proparoxítonas, pois, nesse caso, não há nenhuma especificidade: se é proparoxítona, tem acento. Isso não ocorre com as oxítonas.


  • GABARITO: LETRA C


    Regra: Acentuam-se as oxítonas terminadas em: A / E / O (seguidas ou não de S), EM, ENS


    JACARÉS = Oxítona terminada em E (seguida de S) 


    Estão na mesma regrinha as palavras:


    MANTÉM = Oxítona terminada em EM


    TAMANDUÁS = Oxítona terminada em A (seguida de S)

  • Regras para resolução

    Jacarés - Toda palavra oxítona terminada em a, as, e, es, o, os, em e ens é acentuada.

    Letra A - Toda palavra paroxítona terminada em ditongo é acentuada. / Toda palavra proparoxítona é acentuada.

    Letra B - Toda palavra paroxítona terminada em ditongo é acentuada. / Toda palavra proparoxítona é acentuada.

    Letra C - Toda palavra oxítona terminada em a, as, e, es, o, os, em e ens é acentuada.

    Letra D - Toda palavra oxítona terminada em a, as, e, es, o, os, em e ens é acentuada. / Toda palavra paroxítona terminada em ditongo é acentuada.

    Letra E - Toda palavra proparoxítona é acentuada. / O "i" e o "u" tônicos seguidos ou não de "s" em palavras oxítonas e paroxítonas são acentuados quando formam um hiato tendo uma vogal ou ditongo anterior.

    Fonte: http://www.umexerciciotododia.com.br/2014/01/questao-02012014-portugues.html

  • a)único( PROPAROXITONA) e história(PAROXITONA TERMINA EM DITONGO) .

     

     b)salários( PAROXITONA TERMINA EM DITONGO) e Níger.( PAROXITONA TERMINA EM "R")

     

     c)inteligências( PAROXITONA TERMINADA EM DITONGO) e notável( PAROXITONA TERMINADA EM "L")

     

     d)período e memória( PAROXITONA TREIMADA EM DITONGO)

     

     e)agência( PAROXITONA TERMINADA EM DITONGO) e heróicas.

  • Jacarés - regra da terminação, são acentuadas oxítonas que terminarem em  A/E/O/EM/ENS.

    Alternativa correta C

  • REGRA : Acentuam-se as OXÍTO​NAS terminadas em A(S) , E(S) , O(S) , EM , ENS.

  • Acentuam-se as oxítonas terminadas em: A, E, O, EM, ENS.

     

    GAB.: C

  • Oxítonas terminadas em : a(s), e(s), o(s), em/ens 
    são acentuadas

  • As oxítonas serão acentuadas quando terminadas em: A(S), O(S), E(S), EM(ENS)

  • mantém é acentuado pelo fato de ser derivado do verbo ter, e também por ser oxítona

  • GABARITO: LETRA C

    ACRESCENTANDO:

    Regra de Acentuação para Monossílabas Tônicas:

    Acentuam-se as terminadas em -a(s), -e(s), -o(s).

    Ex.: má(s), trás, pé(s), mês, só(s), pôs…

    Regra de Acentuação para Oxítonas:

    Acentuam-se as terminadas em -a(s), -e(s), -o(s), -em(-ens).

    Ex.: sofá(s), axé(s), bongô(s), vintém(éns)...

    Regra de Acentuação para Paroxítonas:

    Acentuam-se as terminadas em ditongo crescente ou decrescente (seguido ou não de s), -ão(s) e -ã(s), tritongo e qualquer outra terminação (l, n, um, r, ns, x, i, is, us, ps), exceto as terminadas em -a(s), -e(s), -o(s), -em(-ens).

    Ex.: história, cáries, jóquei(s); órgão(s), órfã, ímãs; águam; fácil, glúten, fórum, caráter, prótons, tórax, júri, lápis, vírus, fórceps.

    Regra de Acentuação para Proparoxítonas:

    Todas são acentuadas .Ex.: álcool, réquiem, máscara, zênite, álibi, plêiade, náufrago, duúnviro, seriíssimo...

    FONTE: A GRAMÁTICA PARA CONCURSOS PÚBLICOS 3ª EDIÇÃO FERNANDO PESTANA.

  • c) mantém e tamanduás.

    Oxítonos (ou agudos) - O acento tônico recai na última sílaba.

    Levam acento agudo ou circunflexo os oxítonos terminados em:

    a) – a, – as: cajás, vatapá, ananás, carajás.

    b) – e, – es: você, café, pontapés.

    c) – o, – os: cipó, jiló, avô, carijós.

    d) – em, – ens: também, ninguém, vinténs, armazéns.

    Daí sem acento: aqui, caqui, poti, caju, urubus.

    Fonte: Bechara.

  • Resumo Acentuação e Ortografia:

    Monossílabos:

    Terminados em A(s),E(s),O(s) : pá, três, pós;

    Terminadas em Ditongo Aberto: éu, éi, ói: céu, réis, dói;

    Oxítonas:

    Terminadas em A(s),E(s),O(s),Em(s). sofá, café,

    Terminadas em Ditongo Aberto: éu, éi, ói: chapéu, anéis, herói;

    Paroxítonas:

    • Todas, exceto terminadas em A(s),E(s),O(s),Em(s). Ex: fácil, hífen, álbum,

    cadáver, álbuns, tórax, júri, lápis, vírus, bíceps, órfão

    • Terminadas em ditongo (Regra cobradíssima) Ex: Indivíduos, precárias,

    série, história, imóveis, água, distância, primário, indústria, rádio

    • Se tiver Ditongo Aberto: não acentua mais!Ex: boia, jiboia, proteico, heroico

    Proparoxítonas:

    • Todas. Sempre. Ex: líquida, pública, episódica, anencéfalo, período.

    Regra do Hiato:

    Acentuam-se o “i” ou “u” tônico sozinho na sílaba (ou com s): baú,

    juízes, balaústre, país, reúnem, saúde, egoísmo. Caso contrário, não acentue: juiz,

    raiz, ruim, cair.

    Não se acentuam também hiatos com vogais repetidas: voo, enjoo, creem, leem, saara,

    xiita, semeemos.

    Exceção1: “i” seguido de NH: rainha, bainha, tainha,

    Exceção2: “i” ou “u” antecedido de ditongo, se a palavra não for oxítona: bocaiuva,

    feiura, sauipe, Piauí, tuiuiú. Decore: Guaíba e Guaíra são acentuados.

    FONTE: Professor Filipe Luccas - Estratégia concursos.


ID
4027
Banca
FCC
Órgão
TRT - 20ª REGIÃO (SE)
Ano
2006
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Atenção: As questões de números 16 a 20 baseiam-se no
texto apresentado abaixo.

Em todo o mundo, há 175 milhões de pessoas vivendo e
trabalhando fora do país em que nasceram. A maior parte desse
contingente é de imigrantes de países pobres em busca de
melhores empregos no Primeiro Mundo. Outro êxodo, mais
discreto mas igualmente intenso, percorre um caminho diferente.
É formado por cidadãos do mundo próspero que vão viver
em outros países. Emprego e qualidade de vida estão no topo
dessa migração.
Uma semelhança entre os dois fluxos é a de que ambos
se dirigem sobretudo aos países ricos. O número de americanos
que vivem fora dos Estados Unidos cresceu; a cada ano
aumenta o número de franceses que moram no exterior; Inglaterra
e Alemanha, que nas últimas décadas foram inundadas
por levas de imigrantes, bateram recentemente o recorde histórico
em emigração. Desde a II Guerra não se viam tantos
alemães de mudança para o exterior. No ano passado, a
quantidade foi equivalente à que saía do país no fim do século
XIX
? época das grandes migrações, quando 44 milhões de
pessoas fugiram da pobreza na Europa, em busca de oportunidades
no Novo Mundo.
Um dos tipos que caracteriza os novos migrantes, que
saem de países ricos, é o de profissionais que encontram no
exterior oportunidade de investir na carreira, se possível
conciliando trabalho com qualidade de vida. A globalização da
economia é o principal catalisador dessa tendência.

(Adaptado de José Eduardo Barella, Veja, 14 de setembro de
2005, p. 100)

Há palavras escritas do modo INCORRETO na frase:

Alternativas
Comentários
  • A palvra errada na letra "c" é previlégio, pois o correto é privilégio.
  • Na verdade além de previlégio- privilégio temos também na LETRA C dados rescentes - deveria ser RECENTES.
  • Exatamente Julius, existem dois erros na alternativa C, que são:

    Previlégio==Privilégio

    Rescentes==Recentes
  • PRIVILÉGIO

    Sinônimos de Privilégio

    Privilégio é sinônimo de: posse, prerrogativa, regalia, cartel, monopólio

    Definição de Privilégio

    Classe gramatical: substantivo masculino
    Separação das sílabas: pri-vi-lé-gio
    Plural: privilégios
    Feminino: privilégia

    ---

    RECENTE

    Sinônimos de Recente

    Recente é sinônimo de: hodierno, moderno, novo, atual

    Antônimos de Recente

    Recente é o contrário de: antigo

    Definição de Recente

    Classe gramatical: adjetivo de dois gêneros e advérbio
    Separação das sílabas: re-cen-te
    Plural: recentes

  • Gabarito C

    Produção científica está deixando de ser previlégio dos países mais ricos, pois dados rescentes apontam salto qualitativo em ciência e tecnologia na Ásia.

    Privilégio e Recentes.

  • PRIVILÉGIO

  • GABARITO: LETRA C

    Produção científica está deixando de ser previlégio-(PRIVILÉGIO) dos países mais ricos, pois dados rescentes-(RECENTES) apontam salto qualitativo em ciência e tecnologia na Ásia.

  • Produção científica está deixando de ser privilégio dos países mais ricos, pois dados recentes apontam salto qualitativo em ciência e tecnologia na Ásia.

  • Cuidado:

    Prevenir

    Privilégio

  • Etimologia da palavra: "privilégio" vem do latim "privilegium" e nela se identificam as raízes "privus" (privado) e "lex" (lei). A etimologia não poderia ser mais clara para definir as aposentadorias especiais dos políticos: legislação em causa própria.

    Ou seja, conforme o latim, o significado repousa em algo próximo como "lei privada, lei própria, lei individual", já que ela privilegia poucos em detrimento de tantos outros. Em contraste com as leis mais "modernas" que, teoricamente, deveriam almejar o bem comum, das coletividades e das sociedades humanas.

    Somos todos os dias bombardeados por milhares de informações e palavras, muitas sabemos a grafia tanto pela sonoridade, que nem sempre é confiável (rsrs), como pelo uso e pela memorização. Por conseguinte, é comum você errar a escrita de algumas palavras menos utilizadas em seu dia a dia. Um forma de tornar esse aprendizado/ memorização mais interessante é compreender as raízes e origens latinas ou gregas dessas palavras. Assim, perceberemos que algo comum ou raro possui um passado longíquo e deverás interessante.

  • Errei a questão, grande pegadinha na letra A hesitam confundi com exitar ou êxito ! fica a dica.

  • Gabarito: letra C.

    A grafia correta das palavras seria: Privilégio (trocou o "i" por "e")

    Recente (apenas com C, não SC).

  • Opção correta: C

    ReSCentes = ReCentes


ID
4489
Banca
FCC
Órgão
TRE-MS
Ano
2007
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Atenção: As questões de números 10 a 15 baseiam-se no
texto apresentado abaixo.

Um fator até pouco tempo negligenciado deve entrar na
conta do desmatamento da Amazônia dentro de alguns anos.
As chamadas florestas secundárias, produto da regeneração da
mata após a derrubada, devem começar a ser contabilizadas
pelo Programa de Cálculo do Desflorestamento da Amazônia
(Prodes).

O rebrotamento de florestas não reconstitui toda a
biodiversidade, mas pode ser relevante no longo prazo. Sabese,
por exemplo, que florestas secundárias podem reabsorver
até 15% do carbono emitido pela perda da mata primária - o
que ajuda a reduzir o efeito estufa. Só que esse dado não entra
na conta dos milhões de toneladas de carbono que a destruição
da Amazônia lança no ar por ano, porque ainda não se mediu a
capacidade de "ressurreição" da floresta.

Estudos mostram que alguns proprietários de terras
abandonam certas áreas ao longo do tempo e nelas a vegetação
pode começar a regenerar-se. Não se sabe ainda com
que intensidade esse fenômeno acontece na Amazônia.
Entender o que ocorre nas florestas secundárias também é
importante, porque elas podem ser cortadas novamente para
suprir parte da demanda por madeira e voltar a receber pasto.

Os fatores que influenciam o grau de regeneração das
matas, porém, são inúmeros, e não é tão simples prever como
uma área desmatada e depois abandonada se comportará.
Tudo isso depende, por exemplo, do tipo de uso que a terra
teve antes. Um terreno desgastado por pastagens durante muito
tempo pode se recuperar mais lentamente do que outro,
submetido à agricultura com rotação de culturas. A proximidade
do trecho desmatado com áreas de floresta primária também
conta. Terras muito isoladas não estão sujeitas a processos de
polinização e semeadura naturais. "Se houver um banco de
sementes próximo, em uma área florestal ainda grande, com
pássaros, ou algum vetor que possa trazer sementes, ela pode
recuperar parte da biodiversidade", explica um pesquisador do
Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais).

(Adaptado de Rafael Garcia. Folha de S. Paulo, Mais!, 11 de junho de
2006, p. 10)

A forma verbal que, além de corretamente flexionada, indica fato passado anterior a outro, também passado, está grifada na frase:

Alternativas
Comentários
  • Me expliquem: Fato passado anterior a outro, também passado:

    O especialista ativera-se à análise dos dados obtidos, para defender o programa de responsabilidade ambiental.

    Então ao meu ver o especialista analisou primeiro e só depois obteve os dados!?
    O forma verbal grifada refere-se á análise, posterior a outro fato, a obtenção dos dados!
  • O que está grifado na questão é simplesmente a definição do PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO.
  • Gabarito letra C.

    fato passado anterior a outro, também passado = PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO.

    http://www.conjuga-me.net/verbo-ater

  • Vamos ao tempo verbal de cada letra:

    Procuramos o pretérito mais-que-perfeito do indicativo

    a) precavissem = precavir = imperfeito do subjuntivo;

    b) sobreviram = sobrever = pode ser o pretérito perfeito ou é o mais-que-perfeito do indicativo;
    CUIDADO:
    Sobreviram pode ser tanto pretérito perfeito quanto mais-que-perfeito, faz-se necessário analisar a frase:
    Após a derrubada da mata, sobreviram alterações ...
    Vejamos que o termo "Após" já demonstra que não se trata de mais-que-perfeito, pois não é um fato passado anterir a outro, também no passado; mas sim um fato que aconteceu após outro: 1º derrubaram, depois (após) 2º é que sobreviram, logo é um pretérito perfeito.

    c) ativera-se = ater = pretérito mais-que-perfeito do indicativo;

    d) proporam-se = NÃO EXISTE ESTA FORMA E SIM PROPUSERAM, QUE É O PERFEITO DO INDICATIVO;

    e) transformar-se-ia = transformar = futuro do pretérito
  • a) Precavessem 
    b) Sobrevieram
    c) Ok
    d) Propuseram-se
    e) ... a região se transformaria (é isso?)
  • a) precaver - não deriva do verbo ver , sua base é PRECAVE, dessa forma será: precaveu, PRECAVESSEM, precaver...ERRADO

    b) sobrevir - deriva do verbo vir - SOBREVIERAM - ERRADO 

    c) ater- deriva do verbo ter - TIVERA- ATIVERA - CORRETO (PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO = fato passado anterior a outra também passado)

    d) propor - deriva de por- puseram - PROPUSERAM  -ERRADO

    e) transformar-se-ia futuro do pretérito não é a resposta 




  • GABARITO: LETRA C

    ACRESCENTANDO:

    pretérito mais-que-perfeito do indicativo é usado para indicar uma ação que ocorreu antes de outra ação passada. Pode indicar também um acontecimento situado de forma incerta no passado. 

    Este tempo verbal tem uma utilização muito limitada, sendo maioritariamente utilizado em exclamações, em linguagem poética ou na sua forma composta.

    Frases com verbos no pretérito mais-que-perfeito do indicativo:

    -Quando notei, a água já transbordara da banheira.

    -Com o olhar triste, explicou a todos por que regressara a casa.

    -Apenas de noite admitiu que esperara por ele ansiosamente durante todo o dia.

    -Quem me dera que isso acontecesse!

    -Tomara que eu seja o escolhido!

    FONTE: https://www.conjugacao.com.br/preterito-mais-que-perfeito-do-indicativo/


ID
4669
Banca
FCC
Órgão
TRE-MS
Ano
2007
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Atenção: As questões de números 1 a 15 referem-se ao texto
abaixo.

Ensino que ensine

Jogar com as ambigüidades, cultivar o improviso, juntar
o que se pretende irreconciliável e dividir o que se supõe
unitário, usar falta de método como método, tratar enigmas
como soluções e o inesperado como caminho
? são traços da
cultura do povo brasileiro. Estratégias de sobrevivência? Por
que não também manancial de grandes feitos, tanto na prática
como no pensamento? A orientação de nosso ensino costuma
ser o oposto dessa fecundidade indisciplinada: dogmas
confundidos com idéias, informações sobrepostas a
capacitações, insistência em métodos "corretos" e em respostas
"certas", ditadura da falta de imaginação. Nega-se voz aos
talentos, difusos e frustrados, da nação. Essa contradição
nunca foi tema do nosso debate nacional.

Entre nós, educação é assunto para economistas e
engenheiros, não para educadores, como se o alvo fosse
construir escolas, não construir pessoas. Preconizo revolução
na orientação do ensino brasileiro. Nada tem a ver com falta de
rigor ou com modismo pedagógico. E exige professorado
formado, equipado e remunerado para cumprir essa tarefa
libertadora.

Em matemática, por exemplo, em vez de enfoque nas
soluções únicas, atenção para as formulações alternativas, as
soluções múltiplas ou inexistentes e a descoberta de problemas,
tão importante quanto o encontro de soluções. Em leitura e
escrita, análise de textos com a preocupação de aprofundar,
não de suprimir possibilidades de interpretação; defesa, crítica e
revisão de idéias; obrigação de escrever todos os dias,
formulando e reformulando sem fim. Em ciência, o despertar
para a dialética entre explicações e experimentos e para os
mistérios da relação entre os nexos de causa e efeito e sua
representação matemática. Em história, e em todas as
disciplinas, as transformações analisadas de pontos de vista
contrastantes.

Isso é educação. O resto é perda de tempo. (...) Quem
lutará para que a educação no Brasil se eduque?

(Roberto Mangabeira Unger, Folha de S. Paulo, 09/01/2007)

Quanto à acentuação, grafia das palavras e ocorrência do sinal de crase, a frase inteiramente correta é:

Alternativas
Comentários
  • Comentário atualizado, de acordo com o novo Acordo Ortográfico e com os comentários dos nossos colegas. Obrigado a todos vocês!

    a) Uma revolução no ensino não se faz de modo fortuíto, mas voltada à uma transformação real e motivada das formas de pensamento.
    FORTUITO (não possui acento agudo)
     ...voltada A uma transformação real... (sem crase)

     b) Educação não é simples tarefa para filântropos, mas um emprendimento cultural que cabe à sociedade elevar à níveis de excelência.
    Correto: a níveis de (sem crase).
    Correto; FILANTROPO (ô), sem acento.
    ['emprendimento' está incorreto. Valeu dilson!]

    c) a letra "C" era a resposta correta. Porém, com o novo Acordo Ortográfico a questão ficou ERRADA, pois não usamos mais o TREMA. 
    Ou seja, o verbete CONSEQUENTE \qü\, perdeu o sinal diacrítico (¨). 

    d) O autor recorreu a varias formas verbais no infinitivo para enfatisar o valor de cada ação que julga imprecindível à uma revolução no ensino.
    o correto é ENFATIZAR e IMPRESCINDÍVEL.

    Só complementando o comentário de Aurélio Macedo:
    na alternativa "D" também está errado o emprego da crase em "à uma", pois não se usa crase antes de artigo indefinido. (por Kémmelly Castro

    VÁRIAS tem acento (Muito bem lembrado, Alencar)

     e) Não será à partir de tímidas reformas que se provirá a educação dos meios para, de fato, construir pessoas e desenvolver idéias.
    Sem crase, não se usa crase antes de verbo:
    Não será  a partir de tímidas reformas
    que se PROVERÁ a educação dos meios... 
  • complementando...letra B 'emprendimento' está incorreto usa-se"ee"
  • Eu não marquei a C por que apareceu o trema ¨ . Mas depois que vi que a questão era de 2007
  • a) o correto é FORTUITO (não possui acento agudo)o correto é "A UMA" sem craseb) o correto é FILANTROPO sem acentoo correto é A NÍVEIS sem crasec) QUESTÃO CORRETAd)o correto é VÁRIAS com acentoo correto é ENFATIZAR e IMPRESCINDÍVELo correto é A UMA sem crasee)o correto é A PARTIR sem crase, não se usa crase antes de verboo correto é PROVERÁBoa sorte a todos!
  • a) Uma revolução no ensino não se faz de modo fortuíto, mas voltada à uma transformação real e motivada das formas de pensamento. INCORRETA, a crase no período está equivicada, pois não usa-se esse sinal antes de UMA;

    b) Educação não é simples tarefa para filântropos, mas um emprendimento cultural que cabe à sociedade elevar à níveis de excelência. INCORRETA, dois erros que pude observar: a palavra FILANTROPO não possui acento e rambém não existe crase no enunciado "elevar A níveis de excelência."

    c) Uma reforma não é o mesmo que uma revolução do ensino: falta àquela o teor de radicalismo necessário e conseqüente que é inerente a esta. CORRETA, pelo menos não identifiquei nenhum erro nessa preposição;

    d) O autor recorreu a varias formas verbais no infinitivo para enfatisar o valor de cada ação que julga imprecindível à uma revolução no ensino. INCORRETA, dois erros identificados: ENFATIZAR e com Z (palavras com ISAR com S, que eu sei, paraliSar, cataliSar, analiSar e pesquiSar); não tem crase a preposição "imprecindível A uma revolução no ensino.";

    e) Não será à partir de tímidas reformas que se provirá a educação dos meios para, de fato, construir pessoas e desenvolver idéias.INCORRETO, não tem crase a preposição A parti DE.

     

     

  • Por que nesta oração o   "ÀQUELA"   está acentuada ?

     falta àquela o teor de radicalismo necessário e conseqüente que é inerente a esta.

    Aguardo respostas!!!



    letra "c" da questao relacionada.




  • Eu entendo sua dúvida. Você deve estar se perguntando: se faltar é verbo intransitivo, por que a preposição. Contudo pode observar que neste caso o verbo faltar encontra-se como verbo transitivo indireto, assim como em: "Faltar à prova não é uma opção." Veja que a necessidade de uma preposição é bem visível, "faltar a algo"; diferente de quando temos: "Faltou estudar."
    Bom, acho que ficou claro agora: "falta a aquela(reforma)..." [a+aquela = àquela]. Espero ter ajudado.
  • Questão desatualizada. Atualmente, não haveria resposta correta para esta questão, pois com o novo acordo ortográfico não se usa mais trema.
    Portanto, é incorreta a palavra "conseqüente".
  • Lembrando que, apesar da vigência do novo acordo ortográfico, as regras antigas continuam valendo ATÉ 31 de dezembro de 2012.

  • Resposta correta letra "C"

    a) Fortuito (sem acento agudo) mas voltada A (Sem crase) uma transformação real...
    b) Filantropo (paroxitona terminada em O). cabe à (com crase) sociedade elevar A níveis
    c) Correta
    d) Enfatizar e Imprescindível (paroxitona terminada em L)
    e) Não será A (sem crase) partir de tímidas reformas que se PROVERÁ (oxitona termnina em A) a educação dos meios...

ID
4846
Banca
CESGRANRIO
Órgão
TCE-RO
Ano
2007
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

É preciso voltar a gostar do Brasil


Muitos motivos se somaram, ao longo da nossa história,
para dificultar a tarefa de decifrar, mesmo imperfeitamente,
o enigma brasileiro. Já independentes, continuamos
a ser um animal muito estranho no zoológico das nações:
sociedade recente, produto da expansão européia, concebida
desde o início para servir ao mercado mundial, organizada
em torno de um escravismo prolongado e tardio, única
monarquia em um continente republicano, assentada
em uma extensa base territorial situada nos trópicos, com
um povo em processo de formação, sem um passado profundo
onde pudesse ancorar sua identidade. Que futuro
estaria reservado para uma nação assim?
Durante muito tempo, as tentativas feitas para compreender
esse enigma e constituir uma teoria do Brasil foram,
em larga medida, infrutíferas. Não sabíamos fazer
outra coisa senão copiar saberes da Europa (...) Enquanto
o Brasil se olhou no espelho europeu só pôde construir
uma imagem negativa e pessimista de si mesmo, ao constatar
sua óbvia condição não-européia.
Houve muitos esforços meritórios para superar esse
impasse. Porém, só na década de 1930, depois de mais
de cem anos de vida independente, começamos a puxar
consistentemente o fio da nossa própria meada. Devemos
ao conservador Gilberto Freyre, em 1934, com Casa-grande
& Senzala, uma revolucionária releitura do Brasil, visto
a partir do complexo do açúcar e à luz da moderna antropologia
cultural, disciplina que então apenas engatinhava.
(...) Freyre revirou tudo de ponta-cabeça, realizando um
tremendo resgate do papel civilizatório de negros e índios
dentro da formação social brasileira. (...)
A colonização do Brasil, ele diz, não foi obra do Estado
ou das demais instituições formais, todas aqui muito fracas.
Foi obra da família patriarcal, em torno da qual se
constituiu um modo de vida completo e específico. (...)
Nada escapa ao abrangente olhar investigativo do antropólogo:
comidas, lendas, roupas, cores, odores, festas,
canções, arquitetura, sexualidade, superstições, costumes,
ferramentas e técnicas, palavras e expressões de
linguagem. (...) Ela (a singularidade da experiência brasileira)
não se encontrava na política nem na economia, muito
menos nos feitos dos grandes homens. Encontrava-se na
cultura, obra coletiva de gerações anônimas. (...)
Devemos a Sérgio Buarque, apenas dois anos depois,
com Raízes do Brasil, um instigante ensaio - "clássico de
nascença", nas palavras de Antônio Cândido - que tentava
compreender como uma sociedade rural, de raízes ibéricas,
experimentaria o inevitável trânsito para a
modernidade urbana e "americana" do século 20. Ao contrário
do pernambucano Gilberto Freyre, o paulista Sérgio
Buarque não sentia nostalgia pelo Brasil agrário que estava
se desfazendo, mas tampouco acreditava na eficácia
das vias autoritárias, em voga na década de 1930, que
prometiam acelerar a modernização pelo alto. Observa o
tempo secular da história. Considera a modernização um
processo. Também busca a singularidade do processo
brasileiro, mas com olhar sociológico: somos uma sociedade
transplantada, mas nacional, com características
próprias. (...)
Anuncia que "a nossa revolução" está em marcha, com
a dissolução do complexo ibérico de base rural e a emergência
de um novo ator decisivo, as massas urbanas.
Crescentemente numerosas, libertadas da tutela dos senhores
locais, elas não mais seriam demandantes de favores,
mas de direitos. No lugar da comunidade doméstica,
patriarcal e privada, seríamos enfim levados a fundar a
comunidade política, de modo a transformar, ao nosso
modo, o homem cordial em cidadão.
O esforço desses pensadores deixou pontos de partida
muito valiosos, mesmo que tenham descrito um país
que, em parte, deixou de existir. O Brasil de Gilberto Freyre
girava em torno da família extensa da casa-grande, um
espaço integrador dentro da monumental desigualdade; o
de Sérgio Buarque apenas iniciava a aventura de uma urbanização
que prometia associar-se a modernidade e cidadania.


BENJAMIN, César. Revista Caros Amigos.
Ano X, no 111. jun. 2006. (adaptado)

Em qual das palavras apresentadas a seguir as lacunas NÃO podem ser preenchidas com os mesmos sinais gráficos destacados no vocábulo expansão?

Alternativas
Comentários
  • EX; PREFIXO GREGO( SIG; PARA FORA).
  • EXCLUSÃO
    EXPOSIÇÃO
    EXTERILIZAÇÃO
    EXPANSIVO
    EXCURSÃO
  • O correto na letra C seria Esterilização, com S e com Z.
  • EXTERILIZAÇÃO

  • O correto é a letra C > ESTERELIZAÇÃO

    Esterilização = Ação de esterilizar, de exterminar germes ou microorganismos presentes em quaisquer objetos, alimentos, ambientes.

  • GABARITO LETRA C.

    Em qual das palavras apresentadas a seguir as lacunas NÃO podem ser preenchidas com os mesmos sinais gráficos destacados no vocábulo expansão?

    A) EXCLUSÃO

    B) EXPOSIÇÃO

    GABARITO / C) ESTERILIZAÇÃO

    D) EXPANSIVO

    E) EXCURSSÃO

  • Gabarito: letra C.

    Expansão, Exclusão, Exposição, Expansivo e Excursão são grafados com X e depois S.

    Porém, "Esterilização" é grafado com S, depois Z.

    Portanto, "Esterilização" é a resposta, pois é diferente das demais alternativas.


ID
4849
Banca
CESGRANRIO
Órgão
TCE-RO
Ano
2007
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

É preciso voltar a gostar do Brasil


Muitos motivos se somaram, ao longo da nossa história,
para dificultar a tarefa de decifrar, mesmo imperfeitamente,
o enigma brasileiro. Já independentes, continuamos
a ser um animal muito estranho no zoológico das nações:
sociedade recente, produto da expansão européia, concebida
desde o início para servir ao mercado mundial, organizada
em torno de um escravismo prolongado e tardio, única
monarquia em um continente republicano, assentada
em uma extensa base territorial situada nos trópicos, com
um povo em processo de formação, sem um passado profundo
onde pudesse ancorar sua identidade. Que futuro
estaria reservado para uma nação assim?
Durante muito tempo, as tentativas feitas para compreender
esse enigma e constituir uma teoria do Brasil foram,
em larga medida, infrutíferas. Não sabíamos fazer
outra coisa senão copiar saberes da Europa (...) Enquanto
o Brasil se olhou no espelho europeu só pôde construir
uma imagem negativa e pessimista de si mesmo, ao constatar
sua óbvia condição não-européia.
Houve muitos esforços meritórios para superar esse
impasse. Porém, só na década de 1930, depois de mais
de cem anos de vida independente, começamos a puxar
consistentemente o fio da nossa própria meada. Devemos
ao conservador Gilberto Freyre, em 1934, com Casa-grande
& Senzala, uma revolucionária releitura do Brasil, visto
a partir do complexo do açúcar e à luz da moderna antropologia
cultural, disciplina que então apenas engatinhava.
(...) Freyre revirou tudo de ponta-cabeça, realizando um
tremendo resgate do papel civilizatório de negros e índios
dentro da formação social brasileira. (...)
A colonização do Brasil, ele diz, não foi obra do Estado
ou das demais instituições formais, todas aqui muito fracas.
Foi obra da família patriarcal, em torno da qual se
constituiu um modo de vida completo e específico. (...)
Nada escapa ao abrangente olhar investigativo do antropólogo:
comidas, lendas, roupas, cores, odores, festas,
canções, arquitetura, sexualidade, superstições, costumes,
ferramentas e técnicas, palavras e expressões de
linguagem. (...) Ela (a singularidade da experiência brasileira)
não se encontrava na política nem na economia, muito
menos nos feitos dos grandes homens. Encontrava-se na
cultura, obra coletiva de gerações anônimas. (...)
Devemos a Sérgio Buarque, apenas dois anos depois,
com Raízes do Brasil, um instigante ensaio - "clássico de
nascença", nas palavras de Antônio Cândido - que tentava
compreender como uma sociedade rural, de raízes ibéricas,
experimentaria o inevitável trânsito para a
modernidade urbana e "americana" do século 20. Ao contrário
do pernambucano Gilberto Freyre, o paulista Sérgio
Buarque não sentia nostalgia pelo Brasil agrário que estava
se desfazendo, mas tampouco acreditava na eficácia
das vias autoritárias, em voga na década de 1930, que
prometiam acelerar a modernização pelo alto. Observa o
tempo secular da história. Considera a modernização um
processo. Também busca a singularidade do processo
brasileiro, mas com olhar sociológico: somos uma sociedade
transplantada, mas nacional, com características
próprias. (...)
Anuncia que "a nossa revolução" está em marcha, com
a dissolução do complexo ibérico de base rural e a emergência
de um novo ator decisivo, as massas urbanas.
Crescentemente numerosas, libertadas da tutela dos senhores
locais, elas não mais seriam demandantes de favores,
mas de direitos. No lugar da comunidade doméstica,
patriarcal e privada, seríamos enfim levados a fundar a
comunidade política, de modo a transformar, ao nosso
modo, o homem cordial em cidadão.
O esforço desses pensadores deixou pontos de partida
muito valiosos, mesmo que tenham descrito um país
que, em parte, deixou de existir. O Brasil de Gilberto Freyre
girava em torno da família extensa da casa-grande, um
espaço integrador dentro da monumental desigualdade; o
de Sérgio Buarque apenas iniciava a aventura de uma urbanização
que prometia associar-se a modernidade e cidadania.


BENJAMIN, César. Revista Caros Amigos.
Ano X, no 111. jun. 2006. (adaptado)

A ausência do sinal gráfico de acentuação cria outro sentido para a palavra:

Alternativas
Comentários
  • Olá pessoal,

    A palavra que ao ser escrita sem acento sofre mudança de sentido é a palavra "trânsito", pois acentuada é um substantivo, já sem o acento passa a ser um verbo (eu transito, do verbo transitar), ou seja, passa a ter um sentido de locomoção.

  • TRÂNSITO - Substantivo.Transito - Presente do verbo TRANSITAR.
  • Embora seja classificada como fácil, essa questão serve para "pegar uma dica":

    Quando a questão cobra uma palavra cujo sentido muda sem o acento, esta (a palavra) tem grande chance de ser um verbo.

    Como acontece nesta questão:


    A retirada do acento traz uma palavra de sentido diferente em

     

    •  a) árido
    •  b) reúne
    •  c) árvore
    •  d) técnico
    •  e) pássaro
    • A resposta correta é letra C, pois, ao retirar o acento, passamos a ter a palavra  arvore do verbo arvorar, que quer significa plantar, içar, desfraldar, hastear.
  • TRÂNSITO... A regra de acentuação explica que TODA PROPAROXÍTONA DEVE SER ACENTUADA... Agora se você estiver transitando pela rua, não tem acento como explica a frase abaixo:

    Eu transito pela rua da cidade.

    Neste caso o verbo é TRANSITAR.

  • No trânsito

    Eu transito por aquela rua

  • A alternativa correta é a letra a).

    - trânsito - SUBSTANTIVO;

    - transito - VERBO.

  • Nesse tipo de questão, basta procurar o verbo, visto que, foi apresentado substantivo em todas às alternativas

  • GABARITO: LETRA A

    ACRESCENTANDO:

    As duas formas – transito e trânsito – existem na Língua Portuguesa.

    Ou seja, ambas as expressões estão corretas, devendo, no entanto, serem usadas em diferentes situações.

    Transito é uma forma verbal do verbo transitar; nomeadamente a primeira pessoa do singular do presente do indicativo do verbo. Obs: transitar significa fazer caminho, passar, mudar de lugar ou de estado.

    eu [ transito ]

    Como eu transito todos os dias por aqui não me perco.

    Estás a perguntar quais os lugares por onde eu mais transito?

    Trânsito, com acento circunflexo na vogal “a”, significa tráfego; movimento de veículos motorizados ou não e pedestres numa via; mudança de um local para outro.

    Hoje, o trânsito está impossível!

    Madrid vai revolucionar o trânsito no centro da cidade com a proibição de circulação de veículos poluentes.

    FONTE: https://portuguesaletra.com/duvidas/transito-ou-transito/

  • SIMPLES E COMPLICADA, OBRIGADA ANDRESA PELA DICA

  • Resumo Acentuação e Ortografia:

    Monossílabos:

    Terminados em A(s),E(s),O(s) : pá, três, pós;

    Terminadas em Ditongo Aberto: éu, éi, ói: céu, réis, dói;

    Oxítonas:

    Terminadas em A(s),E(s),O(s),Em(s). sofá, café,

    Terminadas em Ditongo Aberto: éu, éi, ói: chapéu, anéis, herói;

    Paroxítonas:

    • Todas, exceto terminadas em A(s),E(s),O(s),Em(s). Ex: fácil, hífen, álbum,

    cadáver, álbuns, tórax, júri, lápis, vírus, bíceps, órfão

    • Terminadas em ditongo (Regra cobradíssima) Ex: Indivíduos, precárias,

    série, história, imóveis, água, distância, primário, indústria, rádio

    • Se tiver Ditongo Aberto: não acentua mais!Ex: boia, jiboia, proteico, heroico

    Proparoxítonas:

    • Todas. Sempre. Ex: líquida, pública, episódica, anencéfalo, período.

    Regra do Hiato:

    Acentuam-se o “i” ou “u” tônico sozinho na sílaba (ou com s): baú,

    juízes, balaústre, país, reúnem, saúde, egoísmo. Caso contrário, não acentue: juiz,

    raiz, ruim, cair.

    Não se acentuam também hiatos com vogais repetidas: voo, enjoo, creem, leem, saara,

    xiita, semeemos.

    Exceção1: “i” seguido de NH: rainha, bainha, tainha,

    Exceção2: “i” ou “u” antecedido de ditongo, se a palavra não for oxítona: bocaiuva,

    feiura, sauipe, Piauí, tuiuiú. Decore: Guaíba e Guaíra são acentuados.

    FONTE: Professor Filipe Luccas - Estratégia concursos.


ID
5035
Banca
CESGRANRIO
Órgão
EPE
Ano
2007
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

RECOMEÇAR!

"Começar de novo, e contar "comigo", vai valer a pena, ter
amanhecido..."

*Ivan Lins*

Ter coragem de recomeçar a cada vez...fácil de
dizer, difícil de fazer.
Todas as manhãs pelo mundo afora, pessoas
acordam com essa meta, esse desejo de recomeço,
enfrentando o dilema: Por onde e como encontrar
forças pra recomeçar.
É preciso enlaçar as tristezas, num laço apertado,
e jogá-las no desfiladeiro, que só tem o eco como
companheiro.
É preciso enfrentar o inimigo maior, nosso eu
interior, e torná-lo nosso cúmplice.
É preciso que nos tornemos perdoadores de nós
mesmos. Nosso eu é nosso carrasco maior, na maioria
das vezes.
Ninguém nos poderá ajudar nessa tarefa! É uma
incumbência que só podemos delegar a nós mesmos.
É preciso achar o trilho perdido, nesta nossa
vidinha de cada dia, de estradas nem sempre tão
planas, nem sempre bem sinalizadas, que se repartem
em múltiplos caminhos sem setas de chegada.
É necessário, muitas vezes, juntar os cacos
partidos de um coração que de alguma forma foi
estraçalhado.
Abrir a janela e perceber que o sol brilha a cada
manhã, não apenas por nossa causa, mas apesar de
nós. Saber que a vida continua, quer queiramos ou não!
estejamos alegres, ou estejamos tristes...
A vida caminha, esteja nossa alma leve ou
pesada!
Estamos vivos e enquanto houver vida dentro de
nós...temos de ter coragem e esperança de...
começar de novo, ainda que comigo, vai valer a pena,
ter amanhecido!!...

POLLICE, Ercilia de Arruda(adaptado).

Os substantivos dicção e junção, derivados de "dizer" (l. 2) e "juntar" (l. 21), são grafados com ç. Assinale a opção em que o vocábulo é grafado com essa mesma letra.

Alternativas
Comentários
  • DISCUSSÃOPRETENSÃOCONEXÃOPERMISSÃO(PROSPECÇÃO).
  • a) prospecção --> GABARITO

    b) discussão

    c) pretensão

    d) conexão

    e) permissão

  • GABARITO: LETRA A

    Significado de Prospecção:

    substantivo feminino

    Sondagem; método ou processo que busca descobrir ou investigar algo numa determinada área: prospecção de clientes, de negócios.

    [Geologia] Análise minuciosa que, feita através de técnicas especializadas, avalia um terreno, buscando encontrar jazidas minerais, petrolíferas ou gasosas: prospecção de petróleo.

    [Figurado] Investigação dos sentimentos, dos pensamentos ou das sensações de alguém: prospecção afetiva, emocional, física.

    Ação ou efeito de prospectar, de analisar ou de avaliar algo.

    FONTE: https://www.dicio.com.br/prospeccao/

  • GABARITO LETRA A.

    Os substantivos dicção e junção, derivados de "dizer" (l. 2) e "juntar" (l. 21), são grafados com ç. Assinale a opção em que o vocábulo é grafado com essa mesma letra.

    A) PROSPECÇÃO

    B) DISCURSSÃO

    C) PRETENSSÃO

    D) CONEXÃO

    E) PERMISSÃO

  • Gabarito: letra A.

    Prospecção é a alternativa que é grafada com Ç.

    • Discussão é com dois "S".

    • Pretensão é com "S".

    • Conexão é com "X".

    • Permissão é com dois "S".

ID
5680
Banca
CESGRANRIO
Órgão
EPE
Ano
2006
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Memória
Potencial para o futuro


Treinar a memória equivale a treinar os músculos
do corpo ? é preciso usá-la ou ela atrofia. Há duas boas
maneiras para fazer isso: a primeira é a leitura, porque,
no instante em que se lê algo, ativam-se as memórias
visual, auditiva, verbal e lingüística. "A qualidade do que
se lê importa mais que a quantidade, porque gostar do
assunto gera interesse", diz o médico e pesquisador
Iván Izquierdo, diretor do Centro de Memória da Pontifícia
Universidade Católica do Rio Grande do Sul. A memória
sofre influência do humor e da atenção, despertada
quando existe interesse em determinado assunto ou
trabalho ? o desinteresse, ao contrário, é uma espécie
de "sedativo", que faz a pessoa memorizar mal. A outra
forma de deixar a memória viva é o convívio com
familiares e amigos, com quem se podem trocar idéias
e experiências. "Palavras cruzadas são inferiores à
leitura, mas também ajudam. Da mesma forma que ouvir
uma música e tentar lembrar a letra ou visitar uma cidade
para onde já se viajou e relembrar os pontos mais
importantes", afirma Izquierdo.
É preciso corrigir o estilo de vida para manter a
memória funcionando bem. "Uma pessoa de 40 anos
só sofre de esquecimento se viver estressada e tiver
um suprimento de informações acima do que é capaz
de processar. Não dá para esperar o mesmo nível de
retenção de informação quando se lê um e-mail enquanto
se conversa ao telefone e é interrompido pela secretária.
É preciso dar tempo para o cérebro", explica o psiquiatra
Orestes Forlenza, da USP.
Segundo Barry Gordon, professor da Johns Hopkins
Medical Institution, a memória "comum" focaliza coisas
específicas, requer grande quantidade de energia mental
e tem capacidade limitada, deteriorando-se com a idade.
Já a "inteligente" é um processo que conecta pedaços
de memória e conhecimentos a fim de gerar novas
idéias. É a que ajuda a tomar decisões diárias, aquela
"luz" que se acende quando se encontra a solução de
um problema. Por exemplo: a comum esquece o
aniversário da mulher; a inteligente lembra o que poderia
ser um presente especial para ela. A comum esquece
o nome de um conhecido encontrado na rua; a
inteligente lembra o nome da mulher dele e onde ele
trabalha, pistas que acabam levando ao nome da
pessoa.

CLEMENTE, Ana Tereza; VEIGA, Aida. Receitas para a inteligência.
Revista Época. 31 out.2005. p.77-78.

Em relação ao comentário gramatical, assinale o item INCORRETO.

Alternativas
Comentários
  • Vamos lá...

    Letra "A" está correta porque o primeiro "a" é um artigo, caracterizando a memória e o segundo "a" é uma preposição, já que coisas equivalentes são equivalentes "A" alguma coisa.

    Letra "B"... bom, ninguém errou essa, não tem o que falar também.

    Letra "C", este porque junto é explicativo, portanto, qualquer palavra ou locução com sentido explicativo ali não mudaria a semântica.

    Letra "D" - Idéias acentua-se por ser um ditongo aberto (os famosos éi, éu, ói), e já dá pra ver que experiência não é. Aliás, ideia e ideias perderão os acentos a partir das provas em 2010, já que segundo o acordo ortográfico, ditongos abertos terminados em vogais baixas (a e o) não se acentuam mais.

    Letra "E" - Correto, quem é inferior é inferior A alguma coisa ou alguém - portanto, rege-se pela preposição a.
  • A ORAÇÃO REFERIDA NA LINHA 6-7, CONFORME A INDICAÇÃO NA LETRA "C" É UMA ORAÇÃO SUBORDINADA CAUSAL, PORTANTO TODA CONJUNÇÃO CAUSAL NÃO MUDARIA A SEMÂNTICA! NÃO VISUALIZEI NO MOMENTO DO MEU ERRO. NOSSO COLEGA INFORMOU QUE É UMA CONJUNÇÃO EXPLICATIVA, O MESMO ESTÁ TOTALMENTE EQUIVOCADO, POIS EXPLICATIVA É DE UMA ORAÇÃO COORDENATIVA E NÃO EXISTE EM SUA LISTA O "JÁ QUE". DE FATO O ERRO ESTÁ NA LETRA D, CONFORME A EXPLICAÇÃO DO NOSSO NOBRE COLEGA.

  • Deixa de existir o acento agudo nos ditongos abertos ei e oi das palavras paroxítonas, de acordo com o novo acordo artografico. 
    A questão encontra-se desatualizada.
  • O novo acordo ortográfico será cobrado APENAS a partir de 2013. Portanto, não está desatualizada a questão.
  •  a) Os vocábulos destacados em "Treinar a memória equivale a treinar os músculos do corpo ? " (l. 1-2) pertencem a classes gramaticais diferentes. CORRETO. No primeiro o "a" é artigo e no segundo é preposição.
     
     
     b) Em "é preciso usá-la..." (l. 2), o pronome oblíquo faz referência semântica à "memória" (l. 1). CORRETO
     
     
     c) Na passagem "porque gostar do assunto gera interesse'," (l. 6-7), a palavra destacada não sofre alteração de sentido se for substituída por já que. Correto. A idéia permanece conclusiva.
     
     
     d) Os vocábulos "idéias" e "experiências" (l. 15-16) acentuam-se pela mesma regra. ERRADA . NA REGRA ANTIGA (QUE AINDA PODE SER COBRADA EM CONCURSOS, ATÉ O FINAL DE 2012), PAROXíTONAS COM DITONGO ABERTO -ÉI SÃO ACENTUADAS. NA SEGUNDA, a PALAVRA É PAROXíTONA TERMINADA EM DITONGO CRESCENTE.
     
     
     e) Em "Palavras cruzadas são inferiores à leitura," (l. 16-17), o emprego da preposição constitui caso de regência. CORRETO
  • Nossa! Errei a questão pq juro que li na letra E "constitui erro de regência" rsssss
  • So para saber....
    BRASÍLIA e RIO — A presidente Dilma Roussef decidiu prorrogar por mais três anos a entrada em vigor, em caráter definitivo, do novo Acordo Ortográfico da língua portuguesa. Em decreto publicado ontem no “Diário Oficial”, a presidente determina que o período de transição para implementação das novas regras vai até 31 de dezembro de 2015. O prazo original ia até 31 de dezembro de 2012.

    Com o novo decreto, as determinações do novo acordo deverão ser seguidas, obrigatoriamente, a partir de 2016. Durante a transição, valem as duas normas ortográficas


    fonte: http://oglobo.globo.com/educacao/acordo-ortografico-so-entrara-em-vigor-em-2016-7150751#ixzz2LYDQ0hPs
    .

ID
6166
Banca
CESGRANRIO
Órgão
AL-TO
Ano
2005
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Texto I

Conta-se que, certa vez, ligaram para Brasília
uns cientistas americanos intrigados com o que viram
em algumas fotos de satélite. Eles queriam saber o
que havia na região ao norte do Distrito Federal, porque
as imagens mostravam um brilho intenso naquelas
coordenadas, algo muito incomum. Bem, esse
telefonema pode nem ter ocorrido, mas o certo é que a
Chapada dos Veadeiros, a 230 quilômetros de Brasília,
está sobre uma das mais generosas jazidas de cristal
de que se tem notícia.
Os tais cientistas americanos, caso tenham
ligado mesmo, não estavam descobrindo nenhuma
América, pois durante longo tempo a garimpagem do
cristal movimentou a Chapada e seus arredores. Esse
minério translúcido servia como matéria-prima para
fabricação de componentes eletrônicos e de
computador, em vista de sua altíssima condutividade.
Com o tempo, os pesquisadores desenvolveram outros
materiais em laboratório e o cava-cava acabou.
Os místicos falam que há uma gigantesca placa
de cristal sob toda a região. E sobre ela, como você
pode imaginar, uma gigantesca massa de místicos.
Atraídos pela inegável atmosfera divinal da Chapada,
que é um manancial de água e luz (a solar, ok?) e com
visuais que chamam à contemplação, milhares de
terapeutas, psicólogos, massagistas e líderes
espirituais se mudaram para lá, o que faz de Alto
Paraíso e da vizinha vila de São Jorge um "território
alto-astral" de fama internacional.

RODRIGUES, Otávio. Viagem, Edição Especial (Ecoturismo)
Ed. Abril - Edição 108-A.

Marque a opção em que a palavra é escrita com s.

Alternativas
Comentários
  • a) Avare___a. Z b) Apra___ível. Z c) Ra___ão. Z d) De___ertas. S e) Cafe___al. Z
  • AVAREZAAPRAZÍVELRAZÃOCAFEZAL(DESERTAS)
  • Avareza
    Aprazível
    Razão
    Cafezal
  • Areias desertas.

  • GABARITO: LETRA D

    LETRA A Avareza.

    LETRA B: Aprazível.

    LETRA C: Razão.

    LETRA D: Desertas.

    LETRA E: Cafezal.

  • Gabarito: letra D.

    A única opção que a palavra é escrita com "S" é na letra D: "Desertas", apesar de ter som de "Z" é grafado com "S".

    As demais alternativas são grafadas com "Z":

    Avareza

    Aprazível

    Razão

    Cafezal


ID
7123
Banca
ESAF
Órgão
CGU
Ano
2004
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Nas questões 14 e 15 assinale a opção que corresponde
a palavra ou expressão do texto que contraria
a prescrição gramatical.

No século XX, a arte cinematográfica introduziu um novo conceito de tempo. Não mais o conceito linear, histórico, que perspassa(1) a Bíblia e, também, as pinturas de Fra Angelico ou o Dom Quixote, de Miguel de Cervantes. No filme, predomina a simultaneidade( 2). Suprimem-se(3) as barreiras entre tempo e espaço. O tempo adquire caráter espacial, e o espaço, caráter temporal. No filme, o olhar da câmara e do espectador(4) passa, com toda a liberdade, do presente para o passado e, desse, para o futuro. Não há continuidade ininterrupta(5).

(Adaptado de Frei Betto)

Alternativas
Comentários
  • A grafia correta é perpassa.
  • Espectador - espetáculo
    Expectador - expectativa
  • perpassa.

  • Item 1 errado, como falado pelos outros companheiros, a grafia correta é perpassa.

    Item 2 correto, grafia certa.

    Item 3 correto, Suprimem-se = VTD ou VTDI, nesse caso, suprime-se algo, VTD, se é VTD então temos uma partícula apassivadora. Quando é partícula apassivadora verbo concorda com o sujeito, nesse caso (as barreiras entre tempo e espaço) plural, então ====> SUPRIMEM-SE.

    Item 4 correto, como explicado no comentário da colega Erica Neves, Espectador - espetáculo, Expectador - expectativa.

    Item 5 correto, grafia correta.

  • GABARITO: ALTERNATIVA ''A''

    A grafia correta é perpassa, que vem do verbo ''perpassar'', cujo significado é o mesmo que decorre, passa e etc.


ID
7126
Banca
ESAF
Órgão
CGU
Ano
2004
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Nas questões 14 e 15 assinale a opção que corresponde
a palavra ou expressão do texto que contraria
a prescrição gramatical.

Aos poucos, o horizonte histórico apaga-se(1), como as luzes de um palco após o espetáculo. A utopia sai de cena, o que(2) permite a Fukuyama vatiscinar( 3): "A história acabou". Ao contrário do que(4) adverte Coélet, no Eclesiastes, não há mais tempo para construir e tempo para destruir; tempo para amar e tempo para odiar; tempo para fazer a guerra e tempo para estabelecer a paz. O tempo é agora. E nele se sobrepõem(5) construção e destruição, amor e ódio, guerra e paz.

(Adaptado de Frei Betto)

Alternativas
Comentários
  • Essa é de matar um concurseiro de raiva!

    Vaticinar ( e não vatiscinar) que significa advinhar, prever...
  • essas questoes é pra passar o filho da amiga do chefe da banca que vai ficar saberndo dessa palavra, quem vai saber isso...
  • Vá ti lascar!!! Acho que inserir palavras como esta não mede conhecimento...
    Se bem que a questão tem que ser resolvida por exclusão.. Não é mole não...

    vaticinar
    [Do lat. tard. vaticinare.]
    Verbo transitivo direto.
    Verbo transitivo direto e indireto.
    1.Profetizar, predizer, prognosticar, prever; prenunciar:
    Vaticinou a vitória dos aliados;
    “enquanto através do seu curso brilhante, lentes e condiscípulos vaticinavam-lhe o mais brilhante futuro, pensava em criar uma família” (João do Rio, Dentro da Noite, p. 79).

    Fonte - Aurélio.
  • Essa questão é feita para aqueles que sabem que:

    (A) "apaga-se" concorda com "horizonte histórico"

    (B) "o que" está corretamente empregado

    (C) "vaticinar" se escreve com C e não SC

    (D) "do que" está empregado pois "algo é ao contrário DE algo"

    (E) "sobrepõem" concorda com "construção e destruição, amor e ódio, guerra e paz"

ID
8602
Banca
ESAF
Órgão
Receita Federal
Ano
2005
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Os fragmentos abaixo foram adaptados do texto O
sentido do som, de Leonardo Sá, para compor três
itens. Julgue-os quanto ao respeito às regras gramaticais
do padrão culto da língua portuguesa para assinalar a
opção correta a seguir.

I. A ausência de discurso é silêncio. O silêncio enquanto
formador do discurso expressivo e entendido em
sua forma dinâmica, em contraposição aquele que
corresponde à ausência de discurso, ganha amplitude a
gravidade quando passa a ser o perfi l de comportamento,
isto é, quando passa a ser uma atitude assumida por (e
imposta a) segmentos sociais que não “discursam”, mas
que apenas silenciam, que exercem a expressão em
dimensão mínima e deixam projetarem-se no discurso
de outrem como sendo o seu discurso.


II. Em um contexto como o do Brasil, no qual há uma
perversa concentração de privilégios, e no qual o acesso
aos meios disponíveis é restrito, outra vez coloca-se a
questão que abordamos ao falar dos silêncios: apenas
alguns segmentos sociais “emitem”, enquanto amplas
maiorias tornam-se “silenciosas”, resultando daí que as
imagens acústicas encontram suporte em meios que,
por razões tecnológicas e culturais, são inacessíveis às
massas.

III. Por conseguinte, esse monólogo passa a gerar imagens
sobre si mesmo, imagens de imagens, sem diálogo,
produtos fortuitos que a indústria da cultura massifi ca,
difunde, impõe, substitui, esquece, retoma, redimensiona,
rejeita e reinventa.... As razões do “silêncio”, portanto, são
também razões sociais e econômicas. Neste silêncio, o
que se absorve não são apenas imagens, mas também
o imaginário em seu conjunto pré-delimitado, um
imaginário que não identifi ca as fontes de suas imagens,
que nem sequer se preocupa em identifi cá-las, que aos
poucos as esquece.

Estão respeitadas as regras gramaticais apenas

Alternativas
Comentários
  • No item I: "em contraposição aquele que corresponde à ausência de discurso". Em contraposição a (preposição) algo... Em contraposição a + aquele.

    Correto: "em contraposição ÀQUELE que corresponde à ausência de discurso"
  • Na última assertiva, não estaria errado utilizar "nem sequer"??? Acredito que sim.
  • No Item II, "amplas maiorias tornam-se silenciosas"... Esta palavra, maiorias, existe? Procurei e não encontrei.

  • Prof Claudia Kozlowski - Português
    http://cursos.pontodosconcursos.com.br/artigos3.asp?prof=100&art=2534&idpag=15

    Não há dúvidas de que o item I desrespeita as regras gramaticais. Os diversos problemas observados são:
    - erro de regência nominal: o vocábulo “contraposição” exige a preposição a, que, associada ao pronome demonstrativo subseqüente, forma àquele (“em contraposição aquele que corresponde à ausência de discurso”);
    - incoerência textual: a expressão “a gravidade” não apresenta nexo em relação ao restante da estrutura oracional, cujo sujeito é silêncio (“O silêncio enquanto formador do discurso expressivo e entendido em sua forma dinâmica, em contraposição aquele que corresponde à ausência de discurso, ganha amplitude...”).
    - pontuação: a estrutura adverbial que vai de “enquanto formador” até “ausência de discurso” deveria estar isolada por um par de vírgulas, mas apresenta apenas uma, antes de “ganha”, pontuação essa inadequada por separar o núcleo do sujeito de seu verbo correspondente;
    - construção verbal: em “deixam projetarem-se”, a forma verbal apropriada seria “se deixam projetar”, ocorrendo a próclise por força da forma oracional subordinada, ou “deixam projetar-se”, com a ênclise no infinitivo, que está sempre certa, todas elas com o verbo projetar no singular.

    O gabarito apontou para a letra d – estão respeitadas as regras gramaticais apenas nos itens II e III.

    Ocorre que o item III apresenta, à linha 5, o emprego de quatro pontos, em vez de três (reticências) e isso suscitou muitas dúvidas sobre o emprego correto da pontuação, inclusive com pedidos de elaboração de recurso.
    Pode ser que isso tenha sido um mero erro de digitação (o que, por si só, ensejaria a troca do gabarito de D para C - somente estaria correto o item II). Mas existe, na Gramática, respaldo para o emprego de quatro pontinhos. Celso Cunha, em Nova Gramática do Português Contemporâneo, indica a possibilidade do uso de reticências como modo de demonstrar a supressão de alguma(s) palavra(s), no meio ou no fim de uma citação. Afirma, na seqüência, que:
    "Modernamente, para evitar qualquer dúvida, tende a generalizar-se o uso de quatro pontos para marcar tais supressões, ficando os três pontos como sinal exclusivo de reticências."
    Sinceramente, não acredito que o examinador possa ter sido tão detalhista. Dado o contexto, acreditamos que essa não seria uma boa justificativa para o emprego de quatro pontos, por não se tratar de citação, mas de uma enumeração (“produtos fortuitos que a indústria da cultura massifica, difunde, impõe, substitui, esquece, retoma, redimensiona, rejeita e reinventa....”).
  • No item II, a oração" outra vez coloca-se a questão que abordamos ao falar dos silêncios" não possui erro de colocação pronominal, já que o termo "outra vez" é locução adverbial e exigiria próclise?

  • Concordo com o Luan. Neste caso, seria obrigatória a próclise: equivale a advérbio que é palavra atrativa.

  • Na III "sobre si mesmo" não é pleonasmo ?

  • texto massa

  • No item III, há o trecho "Neste silêncio" que faz referência a algo que já foi dito. O correto, nesse caso, não seria utilizar a expressão "Nesse silêncio"? Anáfora em vez de catáfora?

    Se algum colega puder me explicar, eu agradeço. 


ID
8605
Banca
ESAF
Órgão
Receita Federal
Ano
2005
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Assinale a opção que preenche corretamente a seqüência
de lacunas do texto, mantendo sua coerência textual e sua
correção gramatical.

Tendo _____ unidade de análise o gênero humano no
tempo, Morgan dispõe ______ sociedades humanas
na história segundo graus de complexidade crescente
_________ se aproximam da civilização. Diferentes
organizações sociais sucedem-se porque se superam
______ desenvolvimento de sua capacidade de ______ e
de dominar a natureza, identifi cando vantagens biológicas
e econômicas em certas formas de comportamento que
são, então, instituídas ________ modos de organização
social.

(Sylvia G. Garcia, Antropologia, modernidade, identidade. In:
Tempo Social, vol. 5, no. 1 – 2, com adaptações)

Alternativas
Comentários
  • É pelo fato de estar no infinitivo, assim com o verbo "dominar". Não sei muito bem as regras dos verbos infinitivos, mas deve haver alguma faculdade de concordância com o sujeito da frase nesse caso.
  • Teríamos, portanto, caso optássemos pela concordância do verbo "adaptar" com o sujeito da frase (ficando "adaptarem-se"), também modificar o verbo "dominar" para "dominarem", o que não se pode fazer. Pelo princípio da simetria, ficaria mesmo "adaptar-se".
  • Regras de Concordância.
    Casos de NÃO flexão do INFINITIVO:

    4) Quando complemento de adjetivo ou substantivo, precedidos, respectivamente, de preposição DE ou PARA.
    Exemplos:
    Eles têm aptidão PARA APRENDER línguas estrangeiras.

    São casos difíceis DE SOLUCIONAR.

    Gramática para concursos - Fernando Pestana

  • Tendo (POR, COMO) unidade de análise o gênero humano no tempo, Morgan dispõe (AS) sociedades humanas na história segundo graus de complexidade crescente (CONFORME, À MEDIDA QUE) se aproximam da civilização.

    Diferentes organizações sociais sucedem-se porque se superam (PELO, NO) desenvolvimento de sua capacidade de (ADAPTAR-SE) e de dominar a natureza, identificando vantagens biológicas e econômicas em certas formas de comportamento que são, então, instituídas (COMO) modos de organização social.

    Dica: comece eliminando as mais fáceis: 2, 3 ou 5. Mas explicando em ordem:

    1) Para dar coerência pode-se usar por ou como. (a, b, c, d)

    2) DISPOR: (TI) 1. resolver, decidir: preposição “a”; 2. possuir; ter disponível; utilizar: preposição “de”; (TD) colocar em ordem (a, c).

    3) Conforme: conformativa. Pode ser (a, d).

    À medida que: locução proporcional (à proporção que). Pode ser (b, e).

    Na medida em que: locução causal (tendo em vista que, porque). Não pode ser.

    4) O verbo superar pode ser empregado como transitivo direto (sem preposição) ou transitivo indireto, regendo as preposição “em” e “por”. Assim, seriam possíveis as opções: pelo e no (a, b).

    5) O verbo fica no singular pois completa o sentido de capacidade. Confirma-se pelo verbo dominar no singular. (a, c, e)

    6) O termo “instituídas” pode ser acompanhado pelas preposições “por”, “como” e “em”, dependendo do sentido da frase. Nesse caso, os “modos de organização social” são a forma como essas “formas de comportamento” são instituídas. Podemos perceber que a preposição “como” é a correta (a, d).


ID
9469
Banca
ESAF
Órgão
MRE
Ano
2004
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Indique a opção em que todas as expressões estão corretas quanto à ortografia.

Alternativas
Comentários
  • O correto seria:

    a) aterriSSagem

    b)cabeçalho

    c) beneficente; Empecilho

    d) meteorologia; heterogeneidade

  • OS ERROS DE ORTOGRAFIAS NAS QUESTÕES:
    a)aterrisagem - Errado ; correto = aterriSSagem
    b)cabeçário - Errado ; correto = cabeçaLHo
    c)beneficiente - Errado ; correto = beneficENte
    d)heterogeinidade - Errado ; correto = heterogENIdade
    Um Abraço e Bons Estudos.
  • O nosso amigo acima se equivocou quanto à heterogeneidade (e). A forma correta é como foi escrita no primeiro comentário.
    Bons estudos!
  • Heterogeneidade*

  • EMPECILHO OU IMPECILHO?

  • a) aterrisagem = errado; Aterrissagem = correto

    b) cabeçário = errado; cabeçalho = correto

    c) beneficiente= errado; beneficente = correto

    d) metereologia; heterogeineidade= errados; meteorologia, heterogeneidade = corretos

    e) correto.

  • Letra A incorreta, a grafia certa seria "Aterrissagem" (com dois "S").

    Letra B incorreta, a grafia correta seria "Cabeçalho".

    Letra C incorreta, a grafia correta seria "beneficente" e "Empecilho".

    Letra D incorreta, a grafia correta seria "meteorologia" e "heterogeneidade" 

    Letra E correta.

    Gabarito: letra E.


ID
10621
Banca
ESAF
Órgão
ANEEL
Ano
2004
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Leia o texto para responder às questões 01 e 02.

As hidrelétricas podem ser uma boa opção de
energia barata e renovável, desde que não inundem
florestas primárias e nações indígenas nem desalojem
compulsoriamente milhares de agricultores. Pequenas e
médias hidrelétricas e também algumas muito grandes,
como a Xingó, no Nordeste, têm um impacto
socioambiental positivo. A combinação dos princípios de
reciclagem, descentralização e conservação de energia
com os mecanismos de democratização, avaliação dos
impactos ambientais e opções energéticas menos
agressivas promoverá mudanças substanciais na matriz
energética e na economia global. Em decorrência,
haverá amplo acesso de energia às populações e
menor impacto nas florestas e no efeito estufa, bem
como maior benefício na redução do lixo atômico e na
conservação dos recursos hídricos.

(Carlos Minc, Ecologia e Cidadania, Rio de Janeiro, Editora
Moderna, p.120)

Em relação ao texto, assinale a opção incorreta.

Alternativas
Comentários
  • Esta questão tava de graça.
  • Poderiam por gentileza incluir o texto da questão ? Está faltando...

  • Eu não consegui perceber o erro, alguém pode me ajudar por favor?

  • O erro está na alternativa dizer que só as usinas pequenas têm impacto positivo, sendo que o texto diz:

    "Pequenas e médias hidrelétricas e também algumas muito grandes,
    como a Xingó, no Nordeste, têm um impacto
    socioambiental positivo."


    Força!
  • Acho que o erro está em afirmar que as usinas pequenas ao contrário das médias e grandes tem impacto positivo no meio ambiente.

    Pois na realidade ambas têm, um impacto socioambiental positivo, tal como diz o texto:

    " Pequenas e
    médias hidrelétricas e também algumas muito grandes,
    como a Xingó, no Nordeste, têm um impacto
    socioambiental positivo.

  • essa questão está equivocada pois na alternativa (E) a um erro quanto ao novo acordo ortográfico pois a expressão (consequentemente) na questão está com o sinal de trema que foi abolido da nossa língua portuguesa com exceção de nomes próprios e palavras estrangeiras

ID
10666
Banca
ESAF
Órgão
ANEEL
Ano
2004
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Assinale a opção que corresponde a rro gramatical.

Uma das formas de combustível renovável é a utilização do biodiesel, que é produzido com o óleo vegetal e até(1) com o(2) animal. Mais comumente(3) o biodiesel vem sendo feito à partir de(4) óleos vegetais, utilizando-se a mamona, a soja e o feijão. Nessa época de racionamento de energia, nada mais importante do que(5) encontrar combustíveis renováveis para a geração de energia, principalmente para o pequeno e médio consumidor.

(Adaptado de http://www.aultimaarcadenoe.com/energia.htm)

Alternativas
Comentários
  • Observa-se erro quando do emprego do sinal de crase no trecho "à partir de"
  • Regra básica: não existe crase antes de verbo.
  • Ponto dos Concursos, professora Cláudia:

    Resolvemos comentá-la
    também nesse encontro para que você observe uma ocorrência muito comum de erro: acento grave antes de verbo no infinitivo. Isso pode ser observado, também, em expressões como a partir de, locução prepositiva cujo elemento principal é um verbo. Nesse caso, não se coloca acento
    grave. As locuções prepositivas que recebem acento, independentemente da verificação desse esquema TERMO REGENTE X TERMO REGIDO, são as locuções FEMININAS.
  • ...a partir de não tem crase no artigo a, mas onde estão os outros erros e por que?
    Alguém pode explicar?
  • Ao colega Luz Chim,

    Não entendi sua pergunta...
    A questão não pede para assinalar o único erro?
  • Não existe crase antes de verbo no infinitivo! Não existe crase antes de verbo no infinitivo! Não existe crase antes de verbo no infinitivo! Não existe crase antes de verbo no infinitivo! Não existe crase antes de verbo no infinitivo! Não existe crase antes de verbo no infinitivo! Não existe crase antes de verbo no infinitivo! Não existe crase antes de verbo no infinitivo! Não existe crase antes de verbo no infinitivo!

  • A partir de


ID
10954
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
ANATEL
Ano
2006
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Texto para os itens de 1 a 8

Como não usar o telefone celular

1 É fácil ironizar os possuidores de telefones celulares.
Mas é necessário descobrir a qual das cinco categorias eles
pertencem. Primeiro, vêm as pessoas fisicamente incapacitadas,
4 ainda que sua deficiência não seja visível, obrigadas a um
contato constante com o médico ou com o pronto-socorro.
Depois, vêm aqueles que, devido a graves deveres profissionais,
7 são obrigados a correr em qualquer emergência (capitães do
corpo de bombeiros, médicos, transplantadores de órgãos). Em
terceiro lugar, vêm os adúlteros. Só agora eles têm a
10 possibilidade de receber ligações de seu parceiro secreto sem
que membros da família, secretárias ou colegas malintencionados
possam interceptar o telefonema.
13 Todas as três categorias enumeradas até agora
merecem o nosso respeito: no caso das duas primeiras, não nos
importamos de ser perturbados em restaurantes ou durante uma
16 cerimônia fúnebre, e os adúlteros tendem a ser muito discretos.
Seguem-se duas outras categorias que, ao contrário,
representam um risco. A primeira é composta de pessoas
19 incapazes de ir a qualquer lugar se não tiverem a possibilidade
de conversar fiado acerca de frivolidades com amigos e
parentes de que acabaram de se separar. Elas nos incomodam,
22 mas precisamos compreender sua terrível aridez interior,
agradecer por não estarmos em sua pele e, finalmente, perdoar.
A última categoria é composta de pessoas preocupadas
25 em mostrar em público o quanto são solicitadas, especialmente
para complexas consultas a respeito dos negócios: as conversas
que somos obrigados a escutar em aeroportos ou restaurantes
28 tratam de transações monetárias, atrasos na entrega de perfis
metálicos e outras coisas que, no entendimento de quem fala,
dão a impressão de que se trata de um verdadeiro Rockfeller.
31 O que eles não sabem é que Rockfeller não precisa de
telefone celular, porque conta com um plantel de secretários tão
vasto e eficiente que, no máximo, se seu avô estiver morrendo,
34 por exemplo, alguém chega e lhe sussurra alguma coisa no
ouvido. O homem poderoso é justamente aquele que não é
obrigado a atender todas as ligações, muito pelo contrário:
37 nunca está para ninguém, como se diz.
Portanto, todo aquele que ostenta o celular como
símbolo de poder, na verdade, está declarando de público sua
40 condição irreparável de subordinado, obrigado que é a pôr-se
em posição de sentido, mesmo quando está empenhado em um
abraço, a qualquer momento em que o chefe o chamar.

Umberto Eco. O segundo diário mínimo. Sergio Flaksman (Trad.).
Rio de Janeiro: Record, 1993, p. 194-6 (com adaptações).

Com base nas idéias e estruturas do texto de Umberto Eco, julgue os itens a seguir.

Nas formas verbais "vêm" e "têm", ambas na linha 9, foi aplicada a mesma regra de acentuação gráfica.

Alternativas
Comentários
  • Os verbos vir e ter na terceira pessoa do plural são acentuadas graficamente. Ele tem, Ele vem, Eles têm, Eles vêm.
  • Regras de acentuação:
    Ocorre acento circunflexo para diferenciar as 3 pessoas dos verbos ter, vir, e derivados: tem/têm; vem/vêm; contém/contêm; retém/retêm; advém/advêm; intervém/intervêm
  • Leva acento circunflexo a terceira pessoa do plural do presente do indicativo dos verbos TER e VIR e seus derivados. O singular segue as regras gerais.

    Ex.: eles têm, eles vêm, eles detêm, eles convêm

    Mas: ele tem, ele detém, ele vem, ele convém

  • Cabe lembrar, que com o Novo Acordo Otográfico, os verbos CRER, DAR, LER e VER, quando na 3ª pessoa do plural duplicam a letra "E" e não se emprega o acento circonflexo.

    No entanto, os verbos TER e VIR, QUANDO na 3ª pessoa do plural emprega-se o acento circunflexo (presente do indicativo), e ainda, esses verbos no singular e os derivados no singular, são acentuados conforme regra geral da acentuação gráfica.

    Bons estudos!!


  • Os verbos ter e vir na terceira pessoa do plural recebem acento circunflexo. 

    Os seus derivados, no singular levam acento agudo; no plural, circunflexo. (ex.: a caixa contém / as caixas contêm)

  • São oxítonas terminados em Ê / Ô


    crê, dendê, vê

    freguês, inglês

    bisavô, metrô

    "São acentuadas as sílabas tônicas da 3ª pessoa do plural do presente do indicativo dos verbos ter, vir e seus compostos 

    eles têm, eles contêm, elas entretêm, eles vêm, elas advêm, convêm (eles) etc."

    Fonte: http://www.lpeu.com.br/q/g574h

  • Questão desatualizada.

  • Gab: Certo 

     

    A questão está atualizada.

     

    Continuam válidas as regras de acentos diferenciais para os verbos vir e ter (e seus derivados) para a terceira pessoa do plural. 

  • Acento diferencial utilizado para diferenciar palavras de grafia semelhante, nesse caso para marcar o plural.

    Ele tem = Eles têm

    Ele vem = Eles vêm

     

    Fonte: Estratégia Concursos

     

  • è utilizado o acento diferencial para coloca a palavra em terceira pessoa do plural.

  • ACENTO DIFERENCIAL:

    Os verbos TER e VIR assim como seus derivados (Manter, entreter, reter, conter, convir, intervir, advir etc) RECEBEM acento diferencial quando for em 3° pessoal do plural!

    Exs: Eles entretêm.

    Eles obtêm.

    Escola da Magistratura do Paraná (EMAP).

    Bons estudos!

  • As formas verbais "vêm" e "têm" estão na 3ª pessoa do plural, portanto emprega-se o acento circunflexo.

  • ACENTO DIFERENCIAL:

    Ele tem = Eles têm

    Ele vem = Eles vêm

  • Acento diferencial.

  • CERTO

  • GAB.: CERTO

    Os acentos diferenciais foram abolidos em sua maioria. Nas palavras vêm e têm foram mantidos para indicar a 3ª pessoa do plural.

  • VIR - ACENTO CIRCUNFLEXO

    VER - DUPLICA O "E"

    Comentário válido para 3ª pessoa do plural do presente do indicativo

  • Caramba errei por não presta atenção na 3º pessoal do plural.

  • GAB: C

    O acento diferencial faz a distinção entre formas, mas não se encaixa nas regras de acentuação vigentes.

    Ex.: ele tem - eles têm / ele vem - eles vêm

    OBS.: ele mantém – eles mantêm

    ele intervém – eles intervêm

    (regra das oxítonas terminadas em em, ens com mais de uma sílaba)

    PROF.ª ISABEL VEGA - QC

  • Os verbos vir e ter na terceira pessoa do plural são acentuadas graficamente. Ele tem, Ele vem, Eles têm, Eles vêm.

  • Singular-tem,vem

    plural-têm,vêm

    PMAL 2022

    PMPB 2022

    PMPE 2022


ID
11257
Banca
FCC
Órgão
TRF - 3ª REGIÃO
Ano
2007
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Instruções: As questões de números 1 a 10 referem-se ao texto
apresentado abaixo.

1. Coerente com a noção de que o pecado marca
fundamentalmente a condição humana, como estigma
degradante, e que este mundo material é apenas lugar de
perdição ou, na melhor das hipóteses, lugar de penas re-
5. generadoras, o pensamento católico medieval insistiu no
tema da miséria e da indignidade do homem. Indignidade
resultante da Queda, indignidade tornada visceral e que,
sozinho, apenas por si mesmo, apenas com suas parcas
forças o homem não conseguiria superar, necessitando da
10. ação mediadora da Igreja, de seus clérigos, seus sacramentos.
É bem verdade que essa visão pessimista em
relação ao homem e à natureza, que lhe propicia ocasiões
de pecado ou de esquecimento da necessidade de
salvação, encontra seu reverso, na própria Idade Média,
15. no cristianismo de São Francisco de Assis, baseado em
pobreza, alegria e amor à natureza enquanto obra
belíssima de Deus. Essa é justamente uma das
contradições mais fecundas apresentadas pelo universo
religioso medieval (contradição muito bem exposta, em for-
20 ma romanceada, por Umberto Eco, em O nome da rosa).
(...) Mas, franciscanismo à parte, a tese que prevalece na
Idade Média como concepção "oficial" da Igreja é aquela
da degradação do homem em decorrência do pecado
original e da natureza como reino da perigosa e tentadora
25. materialidade.

(PESSANHA, José Américo Motta. Humanismo e pintura.
Artepensamento. Org. Adauto Novaes. São Paulo:
Companhia das Letras, 1994, p. 30-31)

Considerada a norma culta da Língua Portuguesa, é correto afirmar que

Alternativas
Comentários
  • O correto seria:

    a) coerência

    b) es-tig-ma

    c) docente

    d) papeizinhos
  • nao entendi a alternativa E, alguem pode me explicar?
  • A letra E está correta!Pois "pequenez" é a qualidade de algo pequeno. "Pequeno" é adjetivo, "pequenez" é substantivo abstrato. Portanto, com "z". A raça do cachorro chama-se "pequinês" porque é originária da cidade de Pequim, na China.
  • Significado de Pequenez
    s.f. Estado do que tem pouca extensão, pouco volume.
    Modicidade.
    Fig. Mesquinharia, estreiteza, baixeza.
     
    Significado de Indignidade
    s.f. Ação indigna, vil.
    Baixeza, vileza: cometer uma indignidade.
    Injúria, afronta.
  • Apenas uma simples observação:

    Se, na letra (C), a banca tivesse colocado a palavra DISCENTE (referente a aluno), no lugar de DOCENTE (referente a professor). Teríamos, sim, um encontro consonantal imperfeito, como ocorre com o vocábulo VISCERAL.

    VISCERAL - VIS - CE - RAL;
    DISCENTE - DIS - CEN - TE.

    :-)
  • Questão safadinha, só consegui entender com os comentários.
  • Não sei se meu raciocínio está correto, porém pelo que entendi, a alternativa E) é a correta, porém a questão não consiste em ortografia, ou seja, a banca não quer saber se a palavra está grafada corretamente (apesar de estar), mas sim trata-se de uma questão de "carga semântica", ou seja, quando a flexão em grau de uma palavra apresenta carga semântica (sentido) diverso do que está grafado, em função do contexto da oração. Desta forma, ao pé da letra, PEQUENEZ significa "algo pequeno", porém, de acordo com o contexto, tem valor semântico de "indignidade, pessoa indigna".... bom, foi o que entendi, me desculpem se meu raciocínio estiver errado..... 

  • EDUARDO CARVALHO entendi justamente como vc! O.o

  • Foi perfeita a explicação do Eduardo Hara. Parabéns!

  • Eu errei por que entendi que papeizinhos se escreve com "z", mas a questão C) indica que se escreve com “s”. (ou entendi errado? Se alguém puder me ajudar...). 1. Papeizinhos  - PorDicionário inFormal (SP) em 22-10-2013

    Diminutivo do substantivo papel. Papéis pequenos.

    Os papeizinhos espelhados serão explodidos na festa de aniversário, na hora do parabéns.

  • Suedilson, não entendi sua dúvida. A questão quer a alternativa CORRETA.
    O diminutivo no plural de papéis é "papeizinhos", por quê? Quando ficar em dúvida, primeiro passe a palavra para o plural:

    Papel > Papéis ( lembrando que por regra, substantivos terminados em EL, no plural tira o EL e coloca IS. E a acentuação ali é devido a regra dos ditongos abertos no final da palavra,correto?) 

    Adiante, passemos para o diminutivo....

    Papéis > Aqui, você retira apenas o -S e coloca o sufixo -ZINHO (Sim, não é o sufixo -INHO é -ZINHO, com Z, esse sufixo existe,por isso não é com -S. Lembre-se que o -S do plural ele sai para dar lugar ao sufixo.)

    Logo, temos papeizinhos. A alternativa grafa o termo com -s e está errada, assim como podemos constatar com a explicação acima.

    Espero ter ajudado,se não era essa a dúvida, me envie uma mensagem,bons estudos!

  • Sinônimos de Indignidade

    Indignidade é sinônimo de: rebaixamento, infâmia, abjeção, aviltamento, baixeza, vileza

     

    Sinônimos de Pequenez

    Pequenez é sinônimo de: exiguidade, parvidade, mesquinhez, infantilidade, baixeza, miséria,servilismo, meninice

     

    Fonte: http://www.dicio.com.br/

  • Essa aqui foi por eliminação.

    a) Coerência.

    b) es-tig-ma.

    c) docente.

    d) papeizinhos.

    e) não tinha a menor idéia, essa foi pelo critério de exclusão.

  • pequenez - pequeno / pequinês = que veio de Pequim ou raça de cachorro

  • Questão ótima! 

  • Reescrevendo a oração e ao mesmo tempo aplicando as explicações:

     

    o vocábulo sozinho está convenientemente (corretamente) grafado com a letra "-z-"mas (só que ao contrário do vocábulo sozinhoessa letra ("z") não ocorre na grafia adequada (correta) de "papeisinhos".

     

    A proposição está querendo dizer o seguinte:
    a) Que a palavra sozinho está escrita corretamente (com a letra "z").
    — Certo.


    b) E que ao contrário da palavra sozinho, a palavra papeisinhos está escrita com a letra "s".
    — Certo também. 


    c) E que mesmo escrita com a letra "s", papeisinhos está correta.
    — Não está certo.

     

    Logo, a opção "d" está INCORRETA. 

     

    Eis uma questão multitemática abrangendo interpretação, ortografia, sinonímia, cenectivos e oração subordinada em apenas uma única proposição.

  • Pequei no "doscente"... falta de atenção.

  • a) o substantivo correspondente ao adjetivo coerente está grafado adequadamente assim: "coerênsia".  (coerência)

     

    b) o vocábulo estigma está adequadamente separado em sílabas assim: "es- ti- gma". (es-tig-ma)

     

    c) o encontro destacado em visceral está também presente no vocábulo adequadamente grafado assim: "doscente". (DOCENTE)

     

     

    d) o vocábulo sozinho está convenientemente grafado com a letra "-z-", mas essa letra não ocorre na grafia adequada de "papeisinhos". (papeizinhos)

     

    e) um sinônimo de indignidade está adequadamente grafado assim: "pequenez".  (desdouro, fealdade rebaixamento, infâmia, abjeção, aviltamento, baixeza, vileza)

  • As palavras pequenez e pequinês existem na língua portuguesa e estão corretas. Porém, seus significados são diferentes e devem ser usadas em situações diferentes. Pequinês se refere a algo ou alguém natural de Pequim. Significa também uma raça de cães. Pequenez é a qualidade de alguém pequeno. Significa também infância. 

    A palavra pequinês indica alguém ou alguma coisa que pertence, é proveniente ou natural de Pequim, capital da China. Refere-se ao seu habitante e à sua língua. Também se refere a uma raça de cães de pequeno porte com nariz achatado provenientes da China. 

    Pequinês é uma palavra formada a partir de derivação sufixal, ou seja, é acrescentado um sufixo a uma palavra já existente, alterando o sentido da mesma. Neste caso temos a palavra Pequim mais o sufixo -ês. Este sufixo nominal indica proveniência, origem, relação. 

    Exemplos: 
    O cão de infância de minha mãe foi um pequinês. 
    Quando você estiver em Pequim, prove a receita tradicional do pato pequinês. 
    Este amigo que conheci na China é pequinês e agora mora no Brasil. 

    Pequenez se refere à qualidade de alguma coisa ou de alguém que é pequeno. Significa também a infância, meninice. Esta palavra pode ser utilizada com sentido de baixeza, mesquinhez, humildade e acanhamento. 

    Pequenez é também uma palavra formada a partir de derivação sufixal. Neste caso temos a palavra pequeno mais o sufixo -ez. Este sufixo nominal indica qualidade, estado, modo de ser. 

    Exemplos: 
    Ele não gosta que se comente sua pequenez. 
    A pequenez deste espaço está me deixando claustrofóbica. 
    Por mais que tente, não consigo combater sua desagradável pequenez. 

    As palavras pequinês e pequenez apresentam a mesma fonética, ou seja, são pronunciadas de forma igual, mas seus significados e escritas são diferentes. A este tipo de palavras chamamos palavras homófonas. 

    Na língua portuguesa, existem diversas palavras homófonas: pequinês/pequenez, tachar/taxar, acento/assento, conserto/concerto, cela/sela, sinto/cinto, cozer/coser,…

    Palavras relacionadas: pequenez, pequinês.

     

    https://duvidas.dicio.com.br/pequines-ou-pequenez/

  • Fui mais por eliminação mesmo,pois as demais quetões 

    não tem coerência nenhuma ....

  • POSTEM  O GABARITO, NAMORAL! 

  • Para os não assinantes...

    Gab.: E

  • Muito boa a explicação do Eduardo Carvalho! 

       

      Eu errei a questão por não me atentar a grafia da palavra "docente". Perceba que, como já citado nos comentários anteriores, a banca escolheu a palavra "docente" pela semelhança com a palavra "discente", induzindo o candidato ao erro. Fiquei em dúvida na semparação da palavra "estigma". Assim, é preciso prestar muita atenção quando vamos separar as silabas de uma palavra, pois, nem sempre o modo como falamos corresponde a separação correta da escrita. Por exemplo, a palavra "advogado" se tentarmos separar com base no modo como falamos, muitos de nós a separaremos como "A - D - VO - GA- DO" ou ainda "A - DE- VO - GA- DO", quando a forma correta é "AD - VO - GA- DO". Essa separação incorreta geralmente se dá porque pronuniamos acrescentando um "e" ou "i".

     

    gabarito "e"

     

    Fonte: http://gramaticasimples.blogspot.com/2008/11/separao-silbica.html

     

    Espero ter ajudado de alguma forma ; )   

  • Aí é por eliminação... mais do que ser por eliminação é acreditar que você eliminou outras erradas, porque marcar uma que você não faz a mínima ideia é ir contra o psicológico que fica falando '' vai estar errada, vai estar errada''... kkkkkkkkkkkk

  • Esse professor hilário kkkkkkk top!

  • Gabarito letra E

    -> A palavra CoerênCia é grafada com C;

    -> A separação silábica de Estigma é es- tig - ma;

    -> Não existe S na palavra docente. Obs.: Cuidado com a palavra DISCENTE. Professor é docente; aluno, discente;

    -> Grafia correta do diminutivo: papeizinhos;

    -> Por fim, a palavra PEQUENEZ pode ser entendida como sinônimo de indignidade e é grafada com Z.

    x

    Educação transforma vidas,

    transformou a minha,

    pode transformar a sua.

    Bons estudos. :)


ID
11284
Banca
FCC
Órgão
TRF - 3ª REGIÃO
Ano
2007
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

A frase que está totalmente em conformidade com a norma padrão da Língua Portuguesa é:

Alternativas
Comentários
  • Leonilda, a C está incorreta porque o verbo "pode" não está no passado. Para concordar com a frase ele deveria levar acento circunflexo: pôde.
  • Maicon, além disso, na alternativa C, deve haver crase em "posta à prova",não é mesmo?
  • a) se estaráSb) "trabalhos de quem?" ambiguidadec) não pôde - pretérito.d) quiSe) CORRETA
  • Advinha é o pretérito imperfeito do verbo ADVIR = acontecer, sobrevir.
    Adivinha é referente a adivinhações ou o presente do indicativo do verbo ADIVINHAR = decifrar, descobrir.
  • A) Pronome de tratamento Vossa Excelência, o verbo ficará na 3ª pessoa do singular. "...em vosso gabinete..." (E). O certo seria: "...em seu gabinete...".
  • Na alternativa B o que está errado é a grafia da da palavra Reivindicação, escrita erroneamente como Reinvidicações.

  • a) seu gabinete
    b) reivindicações / nada a ver com ....
    c) posta à prova / pôde
    d) quis
  • a) Gostaria de saber de Vossa Excelência, Senhor Ministro, se estará amanhã em vosso gabinete para que possamos marcar a prometida entrevista com a imprensa.( SEU gabinete [...] );

    b) O assessor não para de reclamar das reinvindicações daqueles três artistas, pois entende que seus trabalhos não têm nada haver com o projeto anunciado. ( REIVIDICAÇÕES) ( NADA A VER ). Obs.:   termo "nada haver" está errado, NÂO pela falta do "a", mas sim pelo emprego errôneo da palavra HAVER. O correto é: "nada a ver". Quando quiser dizer que algo não tem relação a outro usa-se " a ver ";  Use " nada a haver" quando alguém precisa receber dinheiro, por exemplo, de alguém;

    c) Sua eficiência para coordenar grupos de trabalho era conhecida e já tinha sido posta a prova muitas vezes, mas na semana passada não pode ser ratificada: não houve reunião. ( POSTA Á PROVA ) ( PÔDE )

    d) Sempre disponível em ajudar a quem precisa, começou a levantar fundos de auxílio aos flagelados, mas sua intensão não bastou: quase ninguém quiz colaborar. ( INTENÇÃO, POIS INTENSÃO VEM DE INTENSIDADE ) ( QUIS )

    e) Ninguém poderia adivinhar que aquele adolescente conhecido por sua timidez, e por vezes mal entendido, fosse capaz de atingir aquele nível de compreensão da pesquisa.   \O/
  • acrescento mais um item que faz da alternativa d errada, a regência do verbo ajudar.
    Correto seria mencionar, ajudar quem precisa, e não a quem precisa, pois ajudar é VTD.

  • Giovanii 

    Na letra b o correto seria: reivindicações.
  • a) Gostaria de saber de Vossa Excelência, Senhor Ministro, se estará amanhã em "vosso" (seu) gabinete para que possamos marcar a prometida entrevista com a imprensa.

    b) O assessor não para de reclamar das "reinvindicações" (reivindicações) daqueles três artistas, pois entende que seus trabalhos não têm nada haver com o projeto anunciado.

    c) Sua eficiência para coordenar grupos de trabalho era conhecida e já tinha sido posta "a" (à) prova muitas vezes, mas na semana passada não "pode" (pôde) ser ratificada: não houve reunião.

    d) Sempre disponível em ajudar a quem precisa, começou a levantar fundos de auxílio aos flagelados, mas sua intensão não bastou: quase ninguém "quiz" (quis) colaborar.

    e) Ninguém poderia adivinhar que aquele adolescente conhecido por sua timidez, e por vezes mal entendido, fosse capaz de atingir aquele nível de compreensão da pesquisa.

    GABARITO: LETRA E

  • O verbo querer é sempre escrito com S: quis, quisesse, quisessem, quiseram, quisera, quiser...

  • a) Gostaria de saber de Vossa Excelência, Senhor Ministro, se estará amanhã em seu gabinete para que possamos marcar a prometida entrevista com a imprensa.

    b) O assessor não para de reclamar das reivindicações daqueles três artistas, pois entende que seus trabalhos não têm nada a ver com o projeto anunciado.

    c) Sua eficiência para coordenar grupos de trabalho era conhecida e já tinha sido posta à prova muitas vezes, mas na semana passada não pôde ser ratificada: não houve reunião.

    d) Sempre disponível em ajudar a quem precisa, começou a levantar fundos de auxílio aos flagelados, mas sua intenção não bastou: quase ninguém quis colaborar.

    e) Ninguém poderia adivinhar que aquele adolescente conhecido por sua timidez, e por vezes mal entendido, fosse capaz de atingir aquele nível de compreensão da pesquisa. (A partir de 2016 é obrigatória a utilização de hífen quando o advérbio MAL constituir um termo composto em que o segundo termo começa por H, L ou por uma vogal. Nesse caso, escrever-se-ia mal-entendido. No entanto a obrigatoriedade é só a partir de 2016, sendo utilizado optativamente nos anos de 2009 a 2015). 

  • Sobre a letra A:

     

    Do ponto de vista da concordância verbal, importa lembrar que todos os pronomes de tratamento pertencem à terceira pessoa gramatical, do singular ou do plural ("Vossa Senhoria fez boa viagem?", "Vossas Senhorias fizeram boa viagem?"). Consequentemente, os pronomes que se relacionam com essas formas também serão de terceira pessoa: "Vossa Excelência, tenho muito apreço pelo seu país!". Os pronomes possessivos "vosso" e "vossa" são da segunda pessoa do plural (vós), portanto não se empregam com as formas de tratamento em nenhuma situação.

    Para facilitar o raciocínio, convém lembrar que o pronome "você" também é uma forma de tratamento (que um dia foi Vossa Mercê). Certamente ninguém emprega os pronomes "vosso" ou "vos" para se referir a "você": "Você trouxe seu casaco?". Todos os pronomes de tratamento podem mentalmente ser substituídos por "você", o que facilita o raciocínio na hora de escolher os pronomes e de conjugar os verbos.

     

    Sobre a letra B:

     

    O acento da forma de passado do verbo “poder” (“ontem ele pôde”), que a diferencia da forma do presente (“hoje ele pode”).

    Então: “pôde” no passado e “pode” no presente. 

     

    Fonte: http://educacao.uol.com.br/dicas-portugues/pronomes-de-tratamento-sao-de-terceira-pessoa.jhtm

  • a)Gostaria de saber de Vossa Excelência, Senhor Ministro, se estará amanhã em vosso gabinete para que possamos marcar a prometida entrevista com a imprensa.Errado, o correto seria no SEU gabinete.

     b)O assessor não para de reclamar das reinvindicações daqueles três artistas, pois entende que seus trabalhos não têm nada haver com o projeto anunciado.Errado, reIvindicações.

     c)Sua eficiência para coordenar grupos de trabalho era conhecida e já tinha sido posta a prova muitas vezes, mas na semana passada não pode ser ratificada: não houve reunião.Errado, pÔde.

     d)Sempre disponível em ajudar a quem precisa, começou a levantar fundos de auxílio aos flagelados, mas sua intensão não bastou: quase ninguém quiz colaborar.Errado, quiS

     e)

    Ninguém poderia adivinhar que aquele adolescente conhecido por sua timidez, e por vezes mal entendido, fosse capaz de atingir aquele nível de compreensão da pesquisa.

  •  a) Gostaria de saber de Vossa Excelência, Senhor Ministro, se ESTARÁS amanhã em vosso gabinete para que possamos marcar a prometida entrevista com a imprensa.
      b) O assessor não para de reclamar das REIVINDICAÇÕES daqueles três artistas, pois entende que seus trabalhos não têm nada haver com o projeto anunciado.
      c) Sua eficiência para coordenar grupos de trabalho era conhecida e já tinha sido posta a prova muitas vezes, mas na semana passada não PÔDE ser ratificada: não houve reunião.
      d) Sempre disponível em ajudar a quem precisa, começou a levantar fundos de auxílio aos flagelados, mas sua INTENÇÃO não bastou: quase ninguém QUIS colaborar.
      e) Ninguém poderia adivinhar que aquele adolescente conhecido por sua timidez, e por vezes mal entendido, fosse capaz de atingir aquele nível de compreensão da pesquisa.

  • Sobre a alternativa A:

    "Vossa Excelência (você), ..., se (você) estará em seu gabinete,..."

    Lembrando que você e os pronomes de tratamento do singular ( e vocês = pron tratam no plural) conjugam-se como se fosse DA TERCEIRA PESSOAL (SING OU PLURAL). NADA DE CONJUGAR COMO TU!!

  • Pós-reforma:

    O verbo “pôr” continua com acento para diferenciá-lo da preposição “por” (de “por isso”, “por aí”, “por mim”).

    Já “pôde”, no passado, continua a ter acento, para diferenciá-lo do presente do mesmo verbo: “ele não pode” (pronunciado “póde”: presente); “ele não pôde” (passado).

    Além desses dois verbos (em que o acento diferencial é obrigatório), o novo Acordo Ortográfico também estabeleceu que é permitido usar, opcionalmente, o acento diferencial no substantivo “fôrma” (uma “fôrma” de pão, de bolo), para diferenciá-lo do substantivo “forma” (“forma de dizer”, “forma de pensar”, “fora de forma”, “bela forma”, etc).


ID
11440
Banca
FCC
Órgão
TRF - 3ª REGIÃO
Ano
2007
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Atenção: As questões de números 16 a 20 referem-se ao
texto seguinte.

Página de História

De uma História Universal editada no século XXXIII: "Os
homens do século XX, talvez por motivos que só a miséria
explicaria, costumavam aglomerar-se desconfortavelmente em
enormes cortiços de cimento. Alguns atribuem o fato a não se
sabe que misterioso pânico ao simples contato com a natureza;
mas isso é matéria de ficcionistas, místicos e poetas... O
historiador sabe apenas que chegou a haver, em certas grandes
áreas, conjuntos de cortiços erguidos lado a lado sem o
suficiente espaço e arejamento, que poderiam alojar vários
milhões de indivíduos. Era, por assim dizer, uma vida de insetos
- mas sem a segurança que apresentam as habitações
construídas por estes."

(Mário Quintana ? Caderno H. Porto Alegre: Globo, 1973, p. 14)

Está correta a grafia de todas as palavras na frase:

Alternativas
Comentários
  • b) depreende-se
    c)destila-se
    d)apreensão
    e)obsolescência
  • a)CORRETAb) DESPREENDE-SE do texto que, no futuro, as civilizações adotarão paradigmas que substituirão com VANTAGEM aqueles que regeram a vida do século XX.c) DESTILA-SE nesse texto o humor sutil de Mário Quintana, um autor gaúcho para quem a poesia e a vida CONVERGEM de modo inelutável.d) A APREENSÃO humana diante das forças da natureza deriva de épocas PRÉ-HISTÓRICAS, quando o homem não dispunha de recursos técnicos para enfrentá-las.e) As OBCESSÕES humanas pelo progresso parecem ignorar que as leis da natureza não sofrem nenhum processo de obsolecência, e custam caro para quem as transgrida.
  • O colega abaixo de equivocou,porque não existe essa palavra OBCESSÕES existe OBCECAÇÕES. O erro da questão está na palavra obsolecência.

  • b) DEPREENDE-SE e VANTAGEM
    c) DESTILA-SE e CONVERGEM
    d) APREENSÃO
    e) OBSOLESCÊNCIA
  • Além dos erros acima já comentados, na alternativa d) a palavra PRÉ-HISTÓRICAS deve ser separada por hífen por dois motivos: o prefixo pré exige o hífen e a palavra histórica também, devido ao fato de começar com a letra H.

    Fonte> Nova gramática da língua portuguesa para concursos. Rodrigo Bezerra. Pg 31 e 32.
    • a) A presunção de verossimilhança é inerente aos escritos ficcionais, mesmo aos que exploram as rotas e as sendas mais fantasiosas da imaginação.
    •  b) Deprende-se do texto que, no futuro, as civilizações adotarão paradigmas que substituirão com vantajem aqueles que regeram a vida do século XX. FALSO. 1°) DEPREENDER (transitivo direto e bitransitivo)  tirar por conclusão, chegar à conclusão de; inferir, deduzir. Ex.: ele depreendeu (do acontecimento) que a situação era grave. 2°) VANTAGEM (substantivo terminado em '-GEM'). Exceções pajem, lajem e lambujem.
    •  c) Distila-se nesse texto o humor sutil de Mário Quintana, um autor gaúcho para quem a poesia e a vida converjem de modo inelutável. FALSO. 1°) DESTILA (transitivo direto) Derivação: sentido figurado. Deixar perceber; insinuar, instilar. Ex.: seu olhar destilava ódio. 2°) CONVERGEM (substantivo terminado em '-GEM').
       d) A apreenção humana diante das forças da natureza deriva de épocas préhistóricas, quando o homem não dispunha de recursos técnicos para enfrentá-las. FALSO. 1°) APRENSÃO (dica! ND p/ NS ex. asceNDer p/ asceNSão; pretender p/ pretensão). 2°) PRÉ-HISTÓRICA (o novo acordo ortográfico prescreve o uso obrigatório do hífem em vocábulos prefixais cuja segunda palavra comece por 'H'. Ex. anti-higiênico).
       e) As obsessões humanas pelo progresso parecem ignorar que as leis da natureza não sofrem nenhum processo de obsolecência, e custam caro para quem as transgrida. FALSO. 1°)  OBSOLESCÊNCIA (substantivo feminino processo de tornar-se obsoleto). 
       
  • Gostaria de ter acesso as provas do TJ-GO  cargo analista pedagogo. de qualquer época e banca.

  • Gostaria de saber se o curso de gestão em segurança serve para alguma área dessas para prestar o concurso

  • Interessante 136 VAGAS para apoio judiciário e administrativo (EXIGE QUALQUER FORMAÇÃO COM NÍVEL SUPERIOR) acaba compensando mais que as poucas vagas para PEDAGOGO E PSICOLOGO uma vez que estes são apenas 21 VAGAS as chances reais são maiores com 136 VAGAS =)

  • Alguém de fora do estado participará? Sou de Cuiabá e irei com uma amiga. 
    Estamos com dificuldade para encontrar hotel.

  • Já encontrou? Uma amiga me indicou um kitnet show! Num setor bão, por R$ 60,00 a diária, com 2 quartos e 2 camas.
  • a) A presunção de verossimilhança é inerente aos escritos ficcionais, mesmo aos que exploram as rotas e as sendas mais fantasiosas da imaginação.

    b) "Deprende-se" (Depreende-se) do texto que, no futuro, as civilizações adotarão paradigmas que substituirão com vantajem aqueles que regeram a vida do século XX.

    c) "Distila-se" (Destila-se) nesse texto o humor sutil de Mário Quintana, um autor gaúcho para quem a poesia e a vida "converjem" (convergem) de modo inelutável.

    d) A "apreenção" (apreensão) humana diante das forças da natureza deriva de épocas "préhistóricas" (pré-históricas), quando o homem não dispunha de recursos técnicos para enfrentá-las.

    e) As obsessões humanas pelo progresso parecem ignorar que as leis da natureza não sofrem nenhum processo de "obsolecência" (obsolescência), e custam caro para quem as transgrida.

    GABARITO: LETRA A

  • a)A presunção de verossimilhança é inerente aos escritos ficcionais, mesmo aos que exploram as rotas e as sendas mais fantasiosas da imaginação.

     

     b)Deprende-se do texto que, no futuro, as civilizações adotarão paradigmas que substituirão com vantajem aqueles que regeram a vida do século XX. DEPREENDE, VATAGEM

     

     c)Distila-se nesse texto o humor sutil de Mário Quintana, um autor gaúcho para quem a poesia e a vida converjem de modo inelutável. DESTILA, CONVERGEM

     

     d)A apreenção humana diante das forças da natureza deriva de épocas préhistóricas, quando o homem não dispunha de recursos técnicos para enfrentá-las. APREENSÃO, PRÉ-HISTORIA.

     

     e)As obsessões humanas pelo progresso parecem ignorar que as leis da natureza não sofrem nenhum processo de obsolecência, e custam caro para quem as transgrida. OBSOLESCÊNCIA

  • ALTERNATIVA CORRETA: Letra "A".

     

    Verossimilhança: qualidade do que é verossímil; VEROSSIMILITUDE; VEROSSIMILIDADE.*

     

    * Dicionário Digital Aulete.

     

    Fonte: Duda Nogueira.

  • Alternativa "a": correta- Verossimilhança: qualidade do que é verossímil; VEROSSIMILITUDE; VEROSSÍMILIDADE*. 

    Alternativa "b"- Depreende-se e vantagem. 

    Alternativa "c"- Destila-se e convergem. 

    Alternativa "d"- Apreensão e pré-históricas. 

    Alternativa "e"- Obsolescência 

    (*) Fonte: Dicionário Digital Aulete. 

  • Letra A) Todas palavras corretas. 

    Letra B) Com a correção ficaria: Depreende-se / vantagem / 

    Letra C) Com a correção ficaria: Destila-se / convergem

    Letra D) Com a correção ficaria: Apreensão / pré-históricas

    Letra E) Com a correção ficaria: obsolescência

    Portanto, gabarito letra A.

  • Verossimilhança ou verosimilhança, em linguagem coerente ao atributo daquilo que parece intuitivamente verdadeiro.


ID
12463
Banca
FCC
Órgão
TRF - 2ª REGIÃO
Ano
2007
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Instruções: As questões de números 1 a 15 referem-se ao texto
seguinte.

A eterna juventude

Conforme a lenda, haveria em algum lugar a Fonte da
Juventude, cujas águas garantiriam pleno rejuvenescimento a
quem delas bebesse. A tal fonte nunca foi encontrada, mas os
homens estão dando um jeito de promover a expansão dos
anos de "juventude" para limites jamais vistos. A adolescência
começa mais cedo - veja-se o comportamento de "mocinhos" e
"mocinhas" de dez ou onze anos - e promete não terminar
nunca. Num comercial de TV, uma vovó fala com desenvoltura
a gíria de um surfista. As academias e as clínicas de cirurgia
plástica nunca fizeram tanto sucesso. Muitos velhos fazem
questão de se proclamar jovens, e uma tintura de cabelo é
indicada aos homens encanecidos como um meio de fazer
voltar a "cor natural".
Esse obsessivo culto da juventude não se explica por
uma razão única, mas tem nas leis do mercado um sólido
esteio. Tornou-se um produto rentável, que se multiplica
incalculavelmente e vai da moda à indústria química, dos
hábitos de consumo à cultura de entretenimento, dos salões de
beleza à lipoaspiração, das editoras às farmácias. Resulta daí
uma espécie de código comportamental, uma ética subliminar,
um jeito novo de viver. O mercado, sempre oportunista, torna-se
extraordinariamente amplo, quando os consumidores das mais
diferentes idades são abrangidos pelo denominador comum do
"ser jovem". A juventude não é mais uma fase da vida: é um
tempo que se imagina poder prolongar indefinidamente.
São várias as conseqüências dessa idolatria: a
decantada "experiência dos mais velhos" vai para o baú de
inutilidades, os que se recusam a aderir ao padrão triunfante da
mocidade são estigmatizados e excluídos, a velhice se torna
sinônimo de improdutividade e objeto de caricatura. Prefere-se
a máscara grotesca do botox às rugas que os anos trouxeram, o
motociclista sessentão se faz passar por jovem, metido no
capacete espetacular e na roupa de couro com tachas de metal.
É natural que se tenha medo de envelhecer, de adoecer,
de definhar, de morrer. Mas não é natural que reajamos à lei da
natureza com tamanha carga de artifícios. Diziam os antigos
gregos que uma forma sábia de vida está na permanente preparação
para a morte, pois só assim se valoriza de fato o presente
que se vive. Pode-se perguntar se, vivendo nesta ilusão da
eterna juventude, os homens não estão se esquecendo de
experimentar a plenitude própria de cada momento de sua
existência, a dinâmica natural de sua vida interior.

(Bráulio Canuto)

Quanto ao emprego e à forma ortográfica das palavras, a frase inteiramente correta é:

Alternativas
Comentários
  • O correto seria:

    a) obCecado

    b)anseia

    c) propiciam

    d) extemporânEo, usufRuir

  • Corrigindo...

    A) obcecado, constitui
    B) atribui, anseia
    C) propiciam
    D) extemporâneo, usufruir
  • A palavra extemporâneo não está errada, como citado pelos colegas.

    extemporâneo | adj.

    extemporâneo (eis)
    1. Que vem fora de tempo; inoportuno.
    2. Inesperado.
  • Amilton. O erro é a forma como a palavra está escrita no item. Observa que contém a letra I (extemporânIo).
  • DICAPalavras terminadas em EO, IOUsa-se a terminação:EO – adjetivos. Ex: idôneo, extemporâneoIO – substantivos. Ex: ozônio
  • Uma dica para a palavra "OBCECADO" se escreve com C é porque deriva da palavra "CEGO".
  • Por curiosidade...

    Significado de Apraz

    v.i. Causar prazer, ser aprazível. Agradar. Deleitar. Convir.
    v. Apreciar, contentar-se com, gostar de.
    (Da palavra aprazer)

  • ACHO QUE A ALTERNATIVA E) TB ESTÁ ERRADA.
    O SURFISTA (ELE) SE APRAZ DE VALER-SE DA LINGUAGEM...... (PRESENTE DO INDICATIVO)
    APRAZA A UM SURFISTA VALER-SE  DA LINGUAGEM... (PRESENTE DO SUBJUNTIVO)                                 
     
    NÃO SEI SE ESTOU CERTO.
    DÊEM UMA OLHADA NO SITE CONJUGA-ME.NET
  • a) "Obsecado" (Obcecado) pelo mito da eterna juventude, o homem contemporâneo não deixaria de viver as experiências de que cada fase da vida se "constitue" (constitui) naturalmente?

    b) Na expressão sólido esteio indica-se o papel que se "atribue" (atribui) o mercado junto a quem "ansia" (anseia) pelo desfrute eterno da juventude.

    c) Quem idolatriza a juventude acaba por não viver plenamente os encantos que nos "propisciam" (propiciam) as outras fases da nossa vida.

    d) Quando se vive o que é extemporânio (extemporâneo) em relação às experiências determinadas pela natureza, deixa-se de "usufluir" (usufruir) os encantos de cada idade.

    e) Se apraz a um surfista valer-se da linguagem que compartilha com outros jovens, por que haveriam as velhinhas de dissimular a que lhes é própria?
    GABARITO: LETRA E
  • Aprazer 


    v.t.i. v.i. e v.pron. Provocar ou sentir contentamento e prazer; causar deleite; tornar-se aprazível; agradar-se: apraz-me seu carinho; muitas críticas não aprazem; apraz-se em permanecer o dia inteiro na Internet.



    Fonte: Dicio online. 

  • c) Quem idolatriza a juventude acaba por não viver plenamente os encantos que nos "propisciam" (propiciam) as outras fases da nossa vida.

    Olá,

    Apesar de paracer claro o sentido não encontrei definição para a palavra IDOLATRIZA na questão acima. 

    O correto não seria : Quem idolatra a juventude acaba por não ...

  • a)Obsecado pelo mito da eterna juventude, o homem contemporâneo não deixaria de viver as experiências de que cada fase da vida seconstitue naturalmente? OBCECADO, CONSTITUI

     

     b)Na expressão sólido esteio indica-se o papel que se atribue o mercado junto a quem ansia pelo desfrute eterno da juventude. ATRIBUI

     

     c)Quem idolatriza a juventude acaba por não viver plenamente os encantos que nos propisciam as outras fases da nossa vida. PROPOCIAM

     

     d)Quando se vive o que é extemporânio em relação às experiências determinadas pela natureza, deixa-se de usufluir os encantos de cada idade. USUFRUIR, EXTEMPORÂNEO

     

     e)Se apraz a um surfista valer-se da linguagem que compartilha com outros jovens, por que haveriam as velhinhas de dissimular a que lhes é própria?

  • A colega inverteu os conceitos da 2FN e 3FN

    2FN:

    não possuir dependências funcionais parciais (Só ocorre com chaves primárias compostas), ou seja, todos os atributos não-chave devem depender somente de toda a chave primária

    3FN:

    não possuir dependências transitivas (quando um atributo não-chave depende de outro que não é chave primária) entre os atributos


ID
12475
Banca
FCC
Órgão
TRF - 2ª REGIÃO
Ano
2007
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Instruções: As questões de números 1 a 15 referem-se ao texto
seguinte.

A eterna juventude

Conforme a lenda, haveria em algum lugar a Fonte da
Juventude, cujas águas garantiriam pleno rejuvenescimento a
quem delas bebesse. A tal fonte nunca foi encontrada, mas os
homens estão dando um jeito de promover a expansão dos
anos de "juventude" para limites jamais vistos. A adolescência
começa mais cedo - veja-se o comportamento de "mocinhos" e
"mocinhas" de dez ou onze anos - e promete não terminar
nunca. Num comercial de TV, uma vovó fala com desenvoltura
a gíria de um surfista. As academias e as clínicas de cirurgia
plástica nunca fizeram tanto sucesso. Muitos velhos fazem
questão de se proclamar jovens, e uma tintura de cabelo é
indicada aos homens encanecidos como um meio de fazer
voltar a "cor natural".
Esse obsessivo culto da juventude não se explica por
uma razão única, mas tem nas leis do mercado um sólido
esteio. Tornou-se um produto rentável, que se multiplica
incalculavelmente e vai da moda à indústria química, dos
hábitos de consumo à cultura de entretenimento, dos salões de
beleza à lipoaspiração, das editoras às farmácias. Resulta daí
uma espécie de código comportamental, uma ética subliminar,
um jeito novo de viver. O mercado, sempre oportunista, torna-se
extraordinariamente amplo, quando os consumidores das mais
diferentes idades são abrangidos pelo denominador comum do
"ser jovem". A juventude não é mais uma fase da vida: é um
tempo que se imagina poder prolongar indefinidamente.
São várias as conseqüências dessa idolatria: a
decantada "experiência dos mais velhos" vai para o baú de
inutilidades, os que se recusam a aderir ao padrão triunfante da
mocidade são estigmatizados e excluídos, a velhice se torna
sinônimo de improdutividade e objeto de caricatura. Prefere-se
a máscara grotesca do botox às rugas que os anos trouxeram, o
motociclista sessentão se faz passar por jovem, metido no
capacete espetacular e na roupa de couro com tachas de metal.
É natural que se tenha medo de envelhecer, de adoecer,
de definhar, de morrer. Mas não é natural que reajamos à lei da
natureza com tamanha carga de artifícios. Diziam os antigos
gregos que uma forma sábia de vida está na permanente preparação
para a morte, pois só assim se valoriza de fato o presente
que se vive. Pode-se perguntar se, vivendo nesta ilusão da
eterna juventude, os homens não estão se esquecendo de
experimentar a plenitude própria de cada momento de sua
existência, a dinâmica natural de sua vida interior.

(Bráulio Canuto)

Está correto o emprego do elemento sublinhado em:

Alternativas
Comentários
  • POR QUÊ - usado no final da frase.
    PORQUE - usado em respostas, em frases afirmativas.
    POR QUE - USADO PARA INICIAR PERGUNTAS.
    PORQUÊ - usado sempre que houver o artigo "o" antes dele, tem função de substantivo.
  • POR QUÊ - usado no final da frases interogativas.
  • Por que o uso do porquê é complicado? Por quê? Porque não faz sentido algum!
  • Diferenças entre:
    1) Por que (= por que razão, por qual razão, por que motivo, pelo qual)

    Ex:  Este é o ideal por que luto. (= pelo qual)
    2) Por quê (fim de frase recebe o acento, e quando expressa dúvida mais a pontuação)
    Ex: Não sei por quê, mas já o vi antes.
    Ex: Você não veio à aula ontem por quê?
    3) Porque (=conjunção). Trocar por outra conjunção explicativa, causal ou final equivalente: pois, já que, visto que, para que, como.
    Ex: Não fui à escola porque estava doente. (=pois)
    Ex: Orai, porque não entreis em tentação. (= para que)
    4) Porquê (= funciona como substantivo) Trocar pela palavra razão ou motivo. Geralmente antes do porquê vem um artigo, pronome, numeral, adjetivo que são determinantes.
    Ex: Não aceito mais os seus falsos porquês.
    Ex: Diga-me qual o porquê (=razão) de tanta dúvida.
    Ex: Dê-me alguns porquês para tal atitude.
    Comentário de cada alternativa:
    a) Não há uma razão única porque se explique essa idolatria. (ERRADO)
    Não há uma razão única por que se explique essa idolatria. Confesso que fiquei em dúvida nessa na substituição pela conjunção para que, mas qdo vi a letra c) tive certeza.
    b) Muitos se perguntam porquê ocorre esse culto obsessivo. (ERRADO)
    Muitos se perguntam por que ocorre esse culto obsessivo.
    c) E esse culto obsessivo da juventude, ocorre por quê? (CORRETO) Está no final da frase.
    d) Diga-me porque ocorre tamanha idolatria dos jovens. (ERRADO)
    Diga-me por que ocorre tamanha idolatria dos jovens.
    e) O por que desse culto obstinado deve ser buscado nas leis do mercado. (ERRADO)
    O porquê desse culto obstinado deve ser buscado nas leis do mercado.
    Pessoal é isso! Se não estiver correto alguém me corrige ai por favor. Espero ter ajudado.

    • a) Não há uma razão única porque se explique essa idolatria. (por que)-na qual
    •  
    • b) Muitos se perguntam porquê ocorre esse culto obsessivo.(por que)- por qual motivo
    •  
    • c) E esse culto obsessivo da juventude, ocorre por quê? CORRETA -final de frase, separado com acento 
    •  
    • d) Diga-me porque ocorre tamanha idolatria dos jovens. (por que)- por qual motivo


    • e) O por que desse culto obstinado deve ser buscado nas leis do mercado. (porquê)-acompanhado de artigo "O", usa o acento "^" e é junto
  • Uso de porque, por que, porquê e por quê sem falha

    Porque - use sempre que puder substi-lo por pois

    Por que - use sempre que puder substi-lo por  por qual, pelo(s) qual(is), por qual razão, por qual motivo

    Porquê - Sempre representa um substantivo e é seguido sempre de artigo definido o ou indefinido um - o porquê / um porquê

    Por quê - Sempre aparece no final da frase.

    01. Quero saber por que estou assim. (por qual motivo - pergunta indireta)
    02. Foi reprovado e não sabe por quê. (por qual motivo)
    03. Por que você está tão aborrecida? (por qual motivo - pergunta direta)
    04. Não vais à aula por quê? (final da frase - pergunta direta)
    05. Reagi à ofensa porque (pois) não sou covarde.
    06. Ignora-se porquê (substantivo) da sua renúncia.
    07. São ásperos os caminhos por que (pelo quais) passei.
    08. Não saí de casa, porque (pois) estava doente.
    09. Quero saber por que não me disse a verdade. (por que motivo - pergunta indireta)
    10. Não sei por que (por qual) motivo ele deixou o emprego.

    Tire todas as dúvidas respondendo 65 questões com gabarito no site: http://www.recantodasletras.com.br/gramatica/1059997

     
  • a) por que.
    b) por que.
    c) CORRETO.
    d) por que.
    e) porquê.

  • Porque = conjunção explicativa (usa-se quando se quer introduzir uma explicação, óbvio, rsrs). 

    Ex: Por que devemos estudar muito para concurso? Porque a concorrência está cada vez maior. 



    Por que = usa-se para iniciar uma oração interrogativa, bem como quando se tratar de pergunta indireta. 
    Ex: Por que estudar vale a pena? / Não sei por que, até agora, não fui nomeado.




    Ex: Porquê = usa-se como sinônimo de motivo.
    Ex: É preciso saber o porquê de tantas pessoas quererem o mesmo cargo.




    Por quê = usa-se ao final de uma oração interrogativa (última expressão antes do sinal de interrogação).
    Ex: Estudar todo o edital, por quê?
  • Garanto,nunca mais irão errar o uso correto do porque!!

    https://www.youtube.com/watch?v=w3Zd5NSDT6w

  • POR QUÊ  usa em final de frase.

  • a) Não há uma razão única porque se explique essa idolatria.

        Não há uma razão única por que (em pergunta indireta ou no início) se explique essa idolatria.

     

    b) Muitos se perguntam porquê ocorre esse culto obsessivo.

        Muitos se perguntam por que (em pergunta indireta ou no início) ocorre esse culto obsessivo

     

     

    c) E esse culto obsessivo da juventude, ocorre por quê?

     

     

    d) Diga-me porque ocorre tamanha idolatria dos jovens.

        Diga-me por que (em pergunta indireta ou no início) ocorre tamanha idolatria dos jovens.

     

    e) O por que desse culto obstinado deve ser buscado nas leis do mercado.

        O motivo desse culto obstinado deve ser buscado nas leis do mercado  (Porquê - motivo, razão)

     

    "Por que é separado?

    Porque não é junto!

    Mas por quê?

    O porquê eu não sei!"

  • https://www.youtube.com/watch?v=AQfHQP-JLcA

    Assista e nunca mais erre! rs

  • GABARITO: LETRA C

    PORQUE - Já que, visto que, uma vez que

    PORQUÊ - substantivo, o motivo, a razão.

    POR QUÊ - seguido de pontuação.

    POR QUE - por que motivo/razão, pelos quais, pela qual

    FONTE: QC

  • Li em outros comentários: O "pq" resolve tudo, menos em provas...kkkk


ID
13507
Banca
FCC
Órgão
TRT - 4ª REGIÃO (RS)
Ano
2006
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Instruções: As questões de números 1 a 12 referem-se ao
texto seguinte.

A família na Copa do Mundo

A rotina de uma família costuma ser duramente atingida
numa Copa do Mundo de futebol. O homem da casa passa a ter
novos hábitos, prolonga seu tempo diante da televisão, disputaa
com as crianças; a mulher passa a olhar melancolicamente
para o vazio de uma janela ou de um espelho. E se, coisa rara,
nem o homem nem a mulher se deixam tocar pela sucessão
interminável de jogos, as bandeiras, os rojões e os alaridos da
vizinhança não os deixarão esquecer de que a honra da pátria
está em jogo nos gramados estrangeiros.
É preciso também reconhecer que são muito distintas as
atuações dos membros da família, nessa época de gols. Cabe
aos homens personificar em grau máximo as paixões
envolvidas: comemorar o alto prazer de uma vitória, recolher o
drama de uma derrota, exaltar a glória máxima da conquista da
Copa, amargar em luto a tragédia de perdê-la. Quando
solidárias, as mulheres resignam-se a espelhar, com
intensidade muito menor, essas alegrias ou dores dos homens.
Entre as crianças menores, a modificação de comportamento é
mínima, ou nenhuma: continuam a se interessar por seus
próprios jogos e brinquedos. Já os meninos e as meninas
maiores tendem a reproduzir, respectivamente, algo da atuação
do pai ou da mãe.
Claro, está-se falando aqui de uma "família brasileira
padrão", seja lá o que isso signifique. O que indiscutivelmente
ocorre é que, sobretudo nos centros urbanos, uma Copa do
Mundo põe à prova a solidez dos laços familiares. Algumas
pessoas não resistem à alteração dos horários de refeição, à
alternância entre ruas congestionadas e ruas desertas, às
tensas expectativas, às súbitas mudanças de humor coletivo
? e
disseminam pela casa uma insatisfação, um rancor, uma
vingança que afetam o companheiro, a companheira ou os
filhos. Como toda exaltação de paixões, uma Copa do Mundo
pode abrir feridas que demoram a fechar. Sim, costumam
cicatrizar esses ressentimentos que por vezes se abrem, por
força dos diferentes papéis que os familiares desempenham
durante os jogos. Cicatrizam, volta a rotina, retornam os papéis
tradicionais
? até que chegue uma outra Copa.
(Itamar Rodrigo de Valença)

Está correto o emprego de ambas as formas sublinhadas na frase:

Alternativas
Comentários
  • A questão lida com o conhecimento do candidato sobre o uso dos "porquês" e o uso e colocação dos pronomes pessoais oblíquos. A letra C é a correta, por apresentar a forma "porquê", que é substantivo (o que se prova pelo uso do artigo definido "o"), e por usar o pronome oblíquo "os" após a forma verbal "ignora" (pois trata-se de verbo transitivo direto, tendo o pronome a função de objeto direto, retomando o termo "jogos da Copa do Mundo". Por isso, é o único pronome oblíquo adequado).
  • correta letra c.Vou apontar alguns erros que nos ajudam a solucionar a questão.a) Assisti ao jogo, mas não o dei toda a atenção que queria, pois a correria das crianças não me permitiu concentrar-lhe.o verbo dar é transitivo direto e indireto. O objeto direto é o termo "toda a atenção" e o indireto teria que ser o pronome lhe ou um termo apropriado para esse caso.Porém, foi utilizado o pronome "o" que nunca pode ser utilizado para substituir objeto indireto.b) Queria saber porque algumas pessoas torcem contra seu país, contra a seleção que, afinal de contas, lhes representa numa Copa do Mundo.Temos uma interrogação indireta nesse caso. O certo seria utilizar o porquê separado.c) Sem explicar o porquê de tanta indiferença, muita gente, enquanto transcorrem os jogos da Copa do Mundo, ignora-os por completo.Totalmente correta.Esse porquê da questão é substantivo e o verbo ignorar pede como complemento um objeto direto, sendo perfeita a substituição pelo pronome "os".d) Os laços familiares são importantes, não há porque relegar-lhes a um segundo plano, por mais intensas que sejam as emoções de uma Copa. Esse porquê tem que ser separado.e) Os homens ligam a televisão, mantêm-lhe o olhar nela sem piscar, nada lhes afasta de seu posto, durante uma Copa.verbo afastar é transitivo direto.o uso do pronome lhes esta incorreto.
  • aPENAS FORMATANDO O COMENTÁRIO DO COLEGA:correta letra c.Vou apontar alguns erros que nos ajudam a solucionar a questão.a) Assisti ao jogo, mas não o dei toda a atenção que queria, pois a correria das crianças não me permitiu concentrar-lhe.o verbo dar é transitivo direto e indireto. O objeto direto é o termo "toda a atenção" e o indireto teria que ser o pronome lhe ou um termo apropriado para esse caso.Porém, foi utilizado o pronome "o" que nunca pode ser utilizado para substituir objeto indireto.b) Queria saber porque algumas pessoas torcem contra seu país, contra a seleção que, afinal de contas, lhes representa numa Copa do Mundo. Temos uma interrogação indireta nesse caso. O certo seria utilizar o porquê separado.c) Sem explicar o porquê de tanta indiferença, muita gente, enquanto transcorrem os jogos da Copa do Mundo, ignora-os por completo.Totalmente correta. Esse porquê da questão é substantivo e o verbo ignorar pede como complemento um objeto direto, sendo perfeita a substituição pelo pronome "os".d) Os laços familiares são importantes, não há porque relegar-lhes a um segundo plano, por mais intensas que sejam as emoções de uma Copa. Esse porquê tem que ser separado.e) Os homens ligam a televisão, mantêm-lhe o olhar nela sem piscar, nada lhes afasta de seu posto, durante uma Copa. verbo afastar é transitivo direto.o uso do pronome lhes esta incorreto.
  • GABARITO: LETRA "C".

    a) Assisti ao jogo, mas não o dei toda a atenção que queria, pois a correria das crianças não me permitiu concentrar-lhe. INCORRETO.

    "Ao jogo" é o objeto indireto, que não pode ser substituído pelo pronome "o". Já o erro em concentrar, acredito que dispensa comentários.

     b) Queria saber porque algumas pessoas torcem contra seu país, contra a seleção que, afinal de contas, lhes representa numa Copa do Mundo. INCORRETO.

    Quando há uma interrogação indireta, o correto é utilizar o "porquê" separado.

    c) Sem explicar o porquê de tanta indiferença, muita gente, enquanto transcorrem os jogos da Copa do Mundo, ignora-os por completo.CORRETO.

    PORQUÊ: É substantivo e tem significado de “o motivo”, “a razão”. Vem acompanhado de artigo, pronome, adjetivo ou numeral. O pronome "os" substitui o objeto direto: "os jogos". 

    d) Os laços familiares são importantes, não há porque relegar-lhes a um segundo plano, por mais intensas que sejam as emoções de uma Copa. INCORRETO.

    POR QUE: Quando for a junção da preposição por + pronome interrogativo ou indefinido que, possuirá o significado de “por qual razão” ou “por qual motivo”. Relegar, que significa: afastar, banir etc, é VTD e não pode ser complementado com o pronome "lhe". 

    e) Os homens ligam a televisão, mantêm-lhe o olhar nela sem piscar, nada lhes afasta de seu posto, durante uma Copa. INCORRETO.  Manter, no sentido aqui empregado, é VTD. Da mesma forma o verbo Afastar: VTD , significando: 
    Tirar de perto, impedir, arredar, desviar (Michaelis)


  • _FB_ O COMENTÁRIO DA LETRA B ESTÁ EQUIVOCADO

     b) Queria saber porque algumas pessoas torcem contra seu país, contra a seleção que, afinal de contas, lhes representa numa Copa do Mundo. INCORRETO.

    O porque da oração deve ser separado e sem acento pois significa por que motivo, por quê separado e com acento é usado no final de orações

  • O correto não seria na letra C : ignora-los. ?????

  • Gabarito: C


    Caro Julio Aguiar, não há razão para ser "ignorá-los", tendo em vista que o verbo "ignorar", na assertiva, foi empregado no presente do indicativo, de sorte que a sua terminação em vogal (ignorA) não permite a utilização da ênclise acompanhado de "L", mas tão somente a vogal correspondente ao termo que quer fazer referência em anáfase (ignora-a), que, no presente caso, é a expressão "jogos da Copa".


    Por outro lado, se a alternativa tivesse trazido algo no sentido "Devemos ignoraR esse fato"; nesse caso, poderíamos substituir por "Devemos ignorá-LO" pois, quando o verbo termina em R, S ou Z, o  pronome "o" ou "a" deverá vir acompanhado de "L". 



    Outras regras importantes:

    - Verbos cujas terminações sejam em ditongo nasal, usa-se o pronome "o" ou "a" acompanhado de "N". 

    Ex: Compraram os ingressos. => Compraram-no.  

    - Verbos que terminem em vogal, usa-se apenas a vogal "a" ou "o" na colocação pronominal (no singular ou no plural, conforme o caso).

    Ex: Estudei todo o conteúdo da prova. => Estudei-o



    OBS: faz-se necessário, antes de tudo, observar a transitividade do verbo, pois de nada adianta saber dessas informações acima, e o verbo não ser transitivo direto. 




    Bons estudos! 



  • Mesma dúvida do Julio Aguiar...ser alguém puder nos ajudar

  • Usos do porquê


    Há quatro maneiras de se escrever o porquê: porquê, porque, por que e por quê. Vejamo-las:


    Porquê

    É um substantivo, por isso somente poderá ser utilizado, quando for precedido de artigo (o, os), pronome adjetivo (meu(s), este(s), esse(s), aquele(s), quantos(s)...) ou numeral (um, dois, três, quatro)
    Ex.

    • Ninguém entende o porquê de tanta confusão.

    • Este porquê é um substantivo.

    • Quantos porquês existem na Língua Portuguesa?

    • Existem quatro porquês.

     

    Por quê

    Sempre que a palavra que estiver em final de frase, deverá receber acento, não importando qual seja o elemento que surja antes dela.
    Ex.

    • Ela não me ligou e nem disse por quê.

    • Você está rindo de quê?

    • Você veio aqui para quê?

     

    Por que

    Usa-se por que, quando houver a junção da preposição por com o pronome interrogativo que ou com o pronome relativo que. Para facilitar, dizemos que se pode substituí- lo por por qual razão, pelo qual, pela qual, pelos quais, pelas quais, por qual.
    Ex.

    • Por que não me disse a verdade? = por qual razão

    • Gostaria de saber por que não me disse a verdade. = por qual razão

    • As causas por que discuti com ele são particulares. = pelas quais

    • Ester é a mulher por que vivo. = pela qual

     

    Porque

    É uma conjunção subordinativa causal ou conjunção subordinativa final ou conjunção coordenativa explicativa, portanto estará ligando duas orações, indicando causa, explicação ou finalidade. Para facilitar, dizemos que se pode substituí-lo por já que, pois ou a fim de que.
    Ex.

    • Não saí de casa, porque estava doente. = já que

    • É uma conjunção, porque liga duas orações. = pois

    • Estudem, porque aprendam. = a fim de que

     

  • Pronomes pessoais oblíquos átonos

     

    Os pronomes pessoais oblíquos átonos não são precedidos de uma preposição. Podem ser usados quando, na frase, o substantivo que substituem tem função de objeto direto (o, a, os, as) ou de objeto indireto (lhe, lhes).

    Exemplos de pronomes pessoais oblíquos átonos:
    1.ª pessoa do singular - me
    2.ª pessoa do singular - te
    3.ª pessoa do singular - o, a, se, lhe
    1.ª pessoa do plural - nos
    2.ª pessoa do plural - vos
    3.ª pessoa do plural - os, as, se, lhes

    Exemplos:

    Eu comprei-o numa loja no centro da cidade. (objeto direto)

    O diretor ligou-lhe, mas ele não atendeu o telefone. (objeto indireto)

    A ligação dos pronomes pessoais oblíquos átonos aos verbos pode ser feita através de próclise (antes do verbo), mesóclise (intercalado no meio do verbo) ou ênclise (depois do verbo).

    Exemplos:

    não me deram (próclise);

    oferecer-nos-ão (mesóclise);

    ofereceram-me (ênclise).

    Além disso, conforme o verbo a que estão ligados, os pronomes pessoais oblíquos átonos sofrem alterações para: no, na, nos, nas, lo, la, los, las.

    Exemplos:

    Fizeram-nos esperar muito!

    Ela vai seduzi-lo rapidamente.

     

    Fonte: http://www.normaculta.com.br/pronomes-pessoais-obliquos/

  • a) Assisti ao jogo, mas não o dei toda a atenção que queria, pois a correria das crianças não me permitiu concentrar-lhe. INCORRETA AO JOGO = OBJETO INDIRETO, LOGO NÃO PODE SER SUBSTITUÍDO POR "O"

     b) Queria saber porque algumas pessoas torcem contra seu país, contra a seleção que, afinal de contas, lhesrepresenta numa Copa do Mundo.  INCORRETA POR QUE = POR QUE 

     c) Sem explicar o(DETERMINANTE) porquê de tanta indiferença, muita gente, enquanto transcorrem os jogos da Copa do Mundo, ignora-os (VTD)por completo.

     d) Os laços familiares são importantes, não há porque relegar-lhes a um segundo plano, por mais intensas que sejam as emoções de uma Copa. REGAR = VTD 

     e)Os homens ligam a televisão, mantêm-lhe o olhar nela sem piscar, nada lhes afasta de seu posto, durante uma Copa.  MANTÊM= VTD; 

  • Primeiro gostaria de destacar algumas regras sobre colocação pronominal:

    1) Se o verbo termina  em  R , S ou  Z , retiram-se essas letras e usam-se LO , LA , LOS , LAS. 

    2) Se o verbo termina em ditongo nasal AM , EM , ÃO , ÕE(m), usam-se as formas NO(S) , NA(S) 

    3) PARTICÍPIO  NÃO ACEITA  ÊNCLISE! 

    4) objeto direto (o, a, os, as) ou de objeto indireto (lhe, lhes).

     

    Já com relação ao uso dos porquês:

    1) porquê: deve vir acompanhado de um artigo, pois é substantivo

    2) por que: significa "motivo"

    3) por quê: também significa "motivo", porém é usado perto de pontuação (incluindo vírgula)

    4) porque: significa "pois"

     

    Agora, analisando as alternativas: 

    a) Assisti ao jogo, mas não o dei toda a atenção que queria, pois a correria das crianças não me permitiu concentrar-lhe.

    O correto seria: Assisti ao jogo, mas não lhe dei toda a atenção que queria, pois a correria das crianças não me permitiu concentrar.

    O verbo DAR é VTDI, logo: dei a atenção ao jogo. O lhe está substituindo jogo que é objeto indireto.

    O NÃO é particula atrativa. Logo atrai o ME da locução "permitiu concentrar". 

    b) Queria saber porque algumas pessoas torcem contra seu país, contra a seleção que, afinal de contas, lhes representa numa Copa do Mundo.

    O correto seria: Queria saber por que (motivo) pessoas torcem contra seu país, contra a seleção que, afinal de contas, os representa em uma Copa do Mundo.

    O porque é "pois" e por que é "motivo", sendo que a frase pede aquele com o sentido de motivo.

    O verbo representar é VTD, logo pessoas é objeto direto e deve-se usar OS e não LHES.

    c) Sem explicar o porquê de tanta indiferença, muita gente, enquanto transcorrem os jogos da Copa do Mundo, ignora-os por completo.

    A frase está correta!

    O porquê está com artigo, portanto é substantivo e deve ser usado porquê.

    O verbo ignorar é VTD no caso (pois quem ignora, ignora alguma coisa ou alguém). Portanto, jogos é objeto direto e deve ser usado o OS.

    d) Os laços familiares são importantes, não há porque relegar-lhes a um segundo plano, por mais intensas que sejam as emoções de uma Copa.

    A frase correta seria: Os laços familiares são importantes, não há por que (motivo) relegá-los a um segundo plano, por mais intensas que sejam as emoções de uma Copa.

    e) Os homens ligam a televisão, mantêm-lhe o olhar nela sem piscar, nada lhes afasta de seu posto, durante uma Copa.

    A frase correta seria: Os homens ligam a televisão, mantêm o olhar nela sem piscar, nada os afasta de seu posto, durante uma Copa.

  • POR QUE= PELO QUAL MOTIVO, POR QUAL RAZÃO , PELO QUAL E PELA QUAL

    PORQUE= POIS (EXPLICAÇÃO)

    POR QUÊ= SEMPRE NO FINAL DE FRASE

    PORQUÊ= SEMPRE ANTECEDIDO DE ARTIGO


ID
14752
Banca
FCC
Órgão
TRF - 2ª REGIÃO
Ano
2007
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

A frase em que a grafia e a acentuação estão em conformidade com as prescrições da norma padrão da Língua Portuguesa é:

Alternativas
Comentários

  • Que eu identifiquei numa primeira análise:

    a) viés / a perder

    b) pretensão / em torno

    c) ultraje / iminentemente

    d) dispensasse / ali

    Perdão se falta algo...

  • quanto a última opção:

    INSIPIENTE: adjetivo de dois gêneros
    1 não sapiente; ignorante
    Ex.: os empregados que conseguiu eram todos i., sem qualificação
    2 tolo, néscio
    3 sem juízo; insensato, imprudente

    INCIPIENTE- adjetivo de dois gêneros
    que inicia, que está no começo; inicial, iniciante, principiante

    Ou seja inSipiente (lembrem-se do S de Sapiente = NÃO SAPIENTE : INSIPIENTE.

    inCipiente: Lembrem-se do C de começo - iniciante, começando - INCIPIENTE.
  • a)ERRADA. Ortografia incorreta em “viez” (correto: viés) e a utilização inadequada da crase diante de um verbo no infinitivo.b)ERRADA. Ortografia incorreta em “pretenção” (correta: pretensão) e utilização inadequada da crase diante de palavra masculina.c)ERRADA. Ortografia incorreta em “ultrage” (correta: ultraje) e “advinhando” (correta: adivinhando).d)ERRADA. Um erro de ortografia: em “despensasse” (correta: dispensasse) e “alí” (correta: ali).e)CORRETA. Cobrou um bom vocabulário do candidato. Veja: INSIPIENTE com S é não sapiente, leigo, ignorante e INCIPIENTE com C é iniciante, principiante. Já NÉSCIO significa tolo, insensato, sem juízo.
  • Comentário objetivo:

    a) Ao se estender esse viez vi'es interpretativo, correm o risco de por tudo à perder a perder, na medida em que será alterada a estratégia da pesquisa previamente adotada. ERRADA.
    b) Sua pretenção pretensão ao consenso esvaiu-se quase que de repente, quando notou que entorno de si as pessoas mais pareciam descansar que dispostas à debates aos debates. ERRADA.
    c) Tomou como ultrage ultraje a displicência com que foi recebido, advinhando adivinhando que o mal-estar que impregnava o ambiente era mais que uma questão eminentemente pessoal. ERRADA.
    d) Estava atrás de um acessório que o despensasse dispensasse de promover a limpeza do aparelho e sua conseqüente manutenção depois de cada utilização, mas não pôde achá-lo por alí ali. ERRADA.
    e) Quando se considera a par do tema, ajuíza sem medo, mas, ao se compreender insipiente, pára tudo e pede aos especialistas que o catequizem no assunto para não passar por néscio. CORRETA.
     

  • Questão desatualizada, visto que não existe mais o acento diferencial entre: para (preposição) e para (verbo)
  • (A) ERRADA.   

    • VIEZ  (VIÉS)

    • POR sem acento é preposição, o verbo é PÔR (leva aceento diferencial de intensidade)

    • À PERDER -  crase antes de verbo no infinitivo é proibido!


    (B)ERRADA.

    • PRETENÇÃO (pretensão) 

    • À DEBATES - Crase antes de palavra masculina é proibido!

      Obs.: Note ainda que a palavra está no plural. Mesmo que fosse uma palavra feminina, como DISCUSSÕES, por exemplo, haveria duas opções: A DISCUSSÕES ou ÀS DISCUSSÕES , pois o artigo implícito deve concordar com o substantivo.

    (C)ERRADA.

    • ULTRAGE (ultraje)

    •  ADVINHANDO (adivinhando).


    (D)ERRADA.

    • DESPENSASSE (dispensasse)

    •  ALÍ - Regra geral, somente as oxítonas terminadas em A(s), E(s), O(s) e EM(ens) são acentuadas. 


    (E)CORRETA.  

    Obs.: De acordo com o Novo Acordo Ortográfico, o acento para diferenciar PÁRA (verbo) de PARA (preposição) não é mais usado! O único ACENTO DIFERENCIAL DE INTENSIDADE mantido foi o do verbo PÔR, que o diferencia da preposição POR. 


  • A questão está desatualizada. E, além do acento diferencial do por (pôr), manteve-se o acento diferencial em pode (pôde). 
  • a) Ao se estender esse viez vi'es interpretativo, correm o risco de por tudo à perder a perder, na medida em que será alterada a estratégia da pesquisa previamente adotada. ERRADA.
    b) Sua pretenção pretensão ao consenso esvaiu-se quase que de repente, quando notou que entorno de si as pessoas mais pareciam descansar que dispostas à debates aos debates. ERRADA.
    c) Tomou como ultrage ultraje a displicência com que foi recebido, advinhando adivinhando que o mal-estar que impregnava o ambiente era mais que uma questão eminentemente pessoal. ERRADA.
    d) Estava atrás de um acessório que o despensasse dispensasse de promover a limpeza do aparelho e sua conseqüente consequente manutenção depois de cada utilização, mas não pôde achá-lo por alí ali. ERRADA.
    e) Quando se considera a par do tema, ajuíza sem medo, mas, ao se compreender insipiente, pára tudo e pede aos especialistas que o catequizem no assunto para não passar por néscio. CORRETA.
  • Tenho que acrescentar aqui que essa questão ficaria sem resposta certa considerando-se o novo acordo ortográfico. Isso porque "para" verbo e "para" preposição não estão mais diferenciados pelo acento gráfico.
  • verbos com ND ----------------------------  S

    logo, pretender ----------------------------pretensão






    INCIPIENTE ----- INICIANTE

    INSIPIENTE -----INSANO (ignorante)

  • Só para complementar e evitar comentários repetitivos.

    Alternativa B) entorno, sendo o certo em torno de si...
  • Só pra lembrar, na letra "e" considerada correta o verbo "pára" está com acento diferencial, quando o novo acordo ortográfico já não o prevê. 
  • ALGUÉM PODE ME EXPLICAR PORQUE NA LETRA E, A PALAVA A JUÍZA ESTA ESCRITO JUNTO? ACHO QUE ESTÁ ERRADO TAMBÉM. DEVERIA SER SEPARADO.
  • Daniela, não se trata do artigo "a" + o substantivo "juíza", como em "A juíza é bonita".
    Trata-se do verbo "ajuizar" na terceira pessoa do singular do presente do indicativo: "eu ajuízo, tu ajuízas, ele ajuíza".

    ...

    Outra coisa: não creio que a questão esteja desatualizada, visto que a antiga regra e a nova regra valem, ao mesmo tempo, até o fim deste ano (2012). Até essa data, é preciso saber as duas.
  • Eminentemente é um advérbio que significa «no mais alto grau; muito; sobremaneira». Significando principalmente «especialmente; sobretudo», é muito possível que haja contextos em que ambos os termos se equivalham.

    O edifício em que moramos é eminentemente residencial.
    Eminente 

  • não existe mais pára
  • Questão desatualizada em relação aos acentos diferenciais .......

  • QUESTÃO  ATUALIZADA. O USO DAS REGRAS PREVISTAS PELA REFORMA ORTOGRÁFICA AINDA NÃO SÃO OBRIGATÓRIAS...

  • A partir do início da aplicação das novas regras do acordo ortográfico, esta questão passa a ser desatualizada. 


ID
17686
Banca
CESGRANRIO
Órgão
BNDES
Ano
2008
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

TEXTO I
MANDE SEU FUNCIONÁRIO PARA O MAR
     Tudo que o aventureiro americano Yvon Chouinard
     faz contraria dez entre dez livros de negócios. Dono de
     fábrica de roupas e artigos esportivos, ele pergunta a
     seus clientes, numa etiqueta estampada em cada roupa:
5   você realmente precisa disto? Alpinista de renome,
     surfista e ativista ecológico, ele se levanta de sua mesa
     e incita os 350 funcionários da sede da empresa, na
     cidade de Ventura, na Califórnia, a deixar seus postos
     e pegar suas pranchas de surfe tão logo as ondas
10 sobem. Aos 67 anos de idade, ele vai junto. Resultado:
     a empresa, que faturou US$ 270 milhões em 2006, foi
     considerada pela revista Fortune a mais cool do mundo,
     em uma reportagem de capa.
     Isso não quer dizer que seus funcionários sejam
15  preguiçosos, apesar do ambiente maneiro. A equipe é
     motivada e gabaritada, como o perfeccionismo do dono
     exige. Para cada vaga que abre, a companhia recebe
     cerca de 900 currículos - como o do jovem Scott
     Robinson, de 26 anos, que, com dois MBAs no bolso e
20  passagens por outras empresas, implorou para ser
     aceito como estoquista de uma das lojas (ganhou o
     posto). Robinson justificou: "Queria trabalhar numa
     companhia conduzida por valores". Que valores são
     esses? "Negócios podem ser lucrativos sem perder a
25  alma", diz Chouinard.
     Essa alma está no parque de Yosemite, onde, nos
     anos 60, Chouinard se reunia com a elite do alpinismo
     para escalar paredões de granito. Foi quando começou
     a fabricar pinos de escalada de alumínio, reutilizáveis,
30 uma novidade. Vendia-os a US$ 1,50. Em 1972, nascia
     a empresa, com o objetivo de criar roupas para esportes
     mais duráveis e de pouco impacto ao meio ambiente.
     A filosofia do alpinismo - não importa só aonde você
     chega, mas como você chega - foi adotada nos
35  negócios. O lucro não seria uma meta, mas a
     conseqüência do trabalho bem-feito. A empresa foi
     pioneira no uso de algodão orgânico (depois adotado
     por outras marcas), fabricou jaquetas com garrafas
     plásticas usadas e passou a utilizar poliéster reciclado.
40  Hoje, o filho de Chouinard, Fletcher, de 31 anos,
     desenvolve pranchas de surfe sem materiais tóxicos
     que diz serem mais leves e resistentes que as atuais.
     Chouinard, que se define como um antiempresário, virou
     tema de estudo em escolas de negócios. Quando dá
45  palestras em Stanford ou Harvard, não sobra lugar.
     Nem de pé.

Revista Época Negócios. jun. 2007. (Adaptado)

Assinale a opção em que a palavra é grafada com hífen do mesmo modo que "bem-feito" (l. 36).

Alternativas
Comentários
  • COM A NOVA REGRA ESTA QUESTÃO FICA OBSOLETA!!:-)EX: ATÉ 2008 ERA ULTRA-SOM....AGORA É ULTRASSOM !!!
  • Hífen com Prefixos (regra antiga). a) Inter-regional - CORRETACom prefixos: SUPER, INTER: Emprega-se hífen se a palavra seguinte começar com H ou R. Ex: Super-Humano, super-realidade, inter-helênico, inter-relacionamento. c) Semi-círculo. INCORRETACom prefixos: AUTO, CONTRA, EXTRA, INFRA, INTRA, NEO, PROTO, PSEUDO, SEMI, SUPRA, ULTRA: Emprega-se hífen se a palavra seguinte começar por VOGAL, H, R ou S. Ex: Semi-reta, intra-uterino... d) Pan-continental. INCORRETACom prefixos: PAN, MAL, CIRCUM: Emprega-se hífen se a palavra seguinte começar por VOGAL ou H. Ex: Pan-americano, mal-habituado, pan-helênico... e) Auto-controle. INCORRETA (regra citada anteriormente).Hífen (nova regra)a) O hífen não será mais utilizado em prefixos terminados em vogal seguida de palavras iniciadas com "r" ou "s". Nesse caso, essas letras deverão ser duplicadas;b) O hífen será utilizado quando o prefixo terminar com uma vogal e a segunda palavra começar com a mesma vogal; c) O hífen não será utilizado quando o prefixo terminar em vogal diferente da que inicia a segunda palavra. Exceto quando a palavra seguinte iniciar por H como anti-herói, anti-higiênico e etc...
  • Pessoal, alguém sabe porque a letra A é apontada como correta???
  • COM PREFIXOS OU FALSOS PREFIXOS
    PREFIXOS
    OU FALSOS
    PREFIXOS
    REGRAS EXEMPLOS OBSERVAÇÕES;
    SAIBA MAIS
    Vogais iguais 1.Usa-se o hífen quando o prefixo e o segundo elemento juntam-se com amesma vogal. anti-ibérico,
    auto-organização,
    contra-almirante,
    infra-axilar,
    micro-ondas,
    neo-ortodoxo,
    sobre-elevação,
    anti-inflamatório.
    Mas os prefixos co, pro, pre, re se juntam ao segundo elemento, ainda que este inicie pelas vogais o ou e: coocupar, coorganizar, coautor, coirmão, cooperar, preenchimento, preexistir, preestabelecer, proeminente, propor reeducação, reeleição, reescrita.
    Vogais diferentes 2.Não se usa o hífen quando os elementos se unem com vogais diferentes. autoescola, autoajuda, autoafirmação, semiaberto, semiárido, semiobscuridade, contraordem, contraindicação, extraoficial, neoexpressionista, intraocular, semiaberto, semiárido.  
    Consoantes iguais 3.Usa-se o hífen se a consoante do final do prefixo for igual à do início do segundo elemento. inter-racial,
    super-revista,
    hiper-raquítico,
    sub-brigadeiro.
     
    Se o segundo elemento começa com s, r. 4. Não há hífen quando o segundo elemento começa com s ou r; nesse caso, duplicam-se as consoantes. antirreligioso, minissaia, ultrassecreto, ultrassom. Porém, coforme a regra anterior, com prefixos hiper, inter, super, deve-se manter o hífen:
    hiper-realista,
    inter-racial,
    super-racional,
    super-resistente
  • No período de transição entre 1º de janeiro de 2009 e 31 de dezembro de 2012 haverá a convivência da norma ortográfica atualmente em vigor com a nova norma estabelecida pelo Acordo, e ambas serão aceitas como corretas nos exames escolares, provas de vestibulares e concursos públicos, bem como nos meios escritos em geral. [grifo meu]

    Portanto minha gente, com a reforma ortográfica os Concursos Públicos ficam simplesmente mais fáceis até 2012. Ambas as formas poderão ser usadas e serão aceitas.

  • Um comentário em relação ao bem e ao mal;

    após esses elementos,usa-se o hífen quando forem seguidos de elemento que se inicie por vogal ou h.
    Mas, há uma ressalva;

    bem pode não se aglutinar com a elementos que se iniciem por consoante.
  • A questão não está obsoleta. A regra do novo acordo é que palavras iniciadas por inter, hiper ou super sejam separadas por hífen quando a segunda palavra começar com r ou h, com a exceção de interregno.
  • Separa com hífen prefixos como super, inter, hiper, etc, quando a segunda palavra começar com a letra H, vogal igual ou consoante igual.
  • bem feito nesse caso o bem é um adverbio que almenta o valor de feito.

    e Inter almenta o valor de regional

    e a pergunta é pelo mesmo modo de bem-feito


ID
24862
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
TSE
Ano
2007
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Nas opções abaixo, em que os trechos constituem um texto, assinale a opção que apresenta erro gramatical.

Alternativas
Comentários
  • letra b

    "Na equipe, iam o arquiteto Luís Saia"

    "câmara fotográfica"

    Nunca vi uma câmara fotográfica, mas já vi uma CÂMERA.

    E ainda faltou o acento do "iam"

    Mesmo assim a resposta certa é a D??
    Não encontrei erro nenhum na letra D =/
  • Rapaz, concordo parcialmente com o seu comentário, no que vc fala da vírgula.

    Mas se tratando de erro gramatical, acho que o erro de concordância da letra D é um erro "gramatical" especificamente. Seria correto se fosse "coletou e organizou todo o material" na alternativa D.
  • O erro está em "Mas Oneyda Alvarenga .... , coletaram ..."

    "...coletaram..." não concorda com "Oneyda ... ex-aluna de Mario"
  • CAMARA FOTOGRÁFICA foi o fim e aind colocaram a D como errada... Aff!
  • Toda câmera fotográfica é fundamentalmente uma câmara.

    Mas ao meu ver a letra C e D não estam corretas! A C fica estranha até mesmo se retirarmos a parte entre vírgulas: Na equipe munidos de... não se compara a nada!
    E a D é gritante o erro de concordância!
  • Ratificando o que o amigo abaixo falou, segundo o Dicionário Eletrônico Houaiss Câmara é, em uma de suas acepções, "qualquer aparelho ou dispositivo constituído basicamente de uma espécie de caixa ou compartimento fechado, ou quase fechado, com uma abertura pela qual raios luminosos provenientes de objetos exteriores são captados (e, muitas vezes, devidamente refratados e refletidos), de modo a formarem ou serem utilizados para produzir uma imagem ao incidirem sobre anteparo ou superfície esp. preparada", ou seja, o que se lê na letra B é realmente o que se é... uma CÂMARA FOTOGRÁFICA.
  • Prezado Jonathan Galvão, o signo Câmara existe. Porque uma fotografia é produzida dentro de uma CÂMARA escura. O problemas somos nós que dizemos errado, mas é certo dizer câmara, por causa desse conceito.

    Grande abraço..
  • Particularmente concordo com o Wesley: O erro da letra "D" está exatamente no uso do termo "coletaram" que é um coletivo, sendo que neste caso deveria ter sido usado em primeira pessoa para que haja concordância com o substantivo "Oneyda Alvarenga". Sem falar na vírgula que deveria ter sido usada após "mas" no início da frase:
    (Mas, Oneyda Alvarenga, diretora da Discoteca Pública Municipal de São Paulo, e ex-aluna de Mário, "coletou e organizou" todo o material.)
    comentem... abraços
  • De acordo com o dicionário, câmara significa, dentre outras coisas aparelho óptico, ou seja, correta a alternativa realmente.
  • temos que ter cuidado com o que parece óbvio por ser usual. As bancas exploram esse tipo de coisa.Além das fundamentações exaustivas e procedentes sobre o significado de câmara, coincidendemente, ontem e durante aula de português, o professor havia esclarecido que câmara e câmera são formas sinônimas.O erro está na letra D (concordância verbal).
  • d) Dois erros: "Mas, Oneyda Alvarenga, ..." - faltou a vírgula após "mas".E a concordância, o correto é "coletou e organizou", para concordar com o sujeito Oneyda Alvarenga, conforme explicado pelos colegas abaixo.Recomendado também que se retire a vírgula no trecho "diretora da Discoteca Pública Municipal de São Paulo, e ex-aluna de Mário".
  • Se a alternativa B está correta ,então estou estudando grego.
  • Oi Gente, peço licença  para postar uma dúvida sobre o site.
    Estou fazendo a prova do TSE e vi que essa e outras questões vieram repetidas. Vocês têm se deparado com isso quando resolvem provas por aqui? Detalhe, estou resolvendo pelo link: questões online, desconfio que deve ser isso...

    Sobre essa questão também errei, por ter ido com toda certeza marcar Câmara!!!  Aprendi mais uma!

    Bons estudos

  • nem eu tb encontrei esse erro
  • Na verdade, para mim o que deixou dúvida na letra b foi no final da frase.

    "...filmadora, discos e muitas fichas e cadernetas para anotação." essa repetição de "e" seria correto?

  • Olá, pessoal!

    Ao meu ver os erros da letra D são: "A Missão chegou ao fim antes do previsto. Com o Estado Novo, por questões políticas, Mário foi afastado da direção do Departamento. Mas Oneyda Alvarenga, diretora da Discoteca Pública Municipal de São Paulo,(1) e ex-aluna de Mário, coletaram e organizaram (2) todo o material. 

    (1) Não existe essa vírgula por dois motivos:  1º, "diretora da Discoteca Pública Municipal de São Paulo e ex-aluna de Mário" já está entre vírgulas porque está isolando um aposto (explicação de quem é Oneyda Alvarenga). 2º, Aquele "e" está encerrando a enumeração, pois ela é DIRETORA E EX-ALUNA, mas ela poderia ser, por exemplo, Diretora, prefessora E ex-aluna. Ou seja, esse "e" encerra a enumeração, por isso não pode haver a vírgula.

    (2) Erro na concordância verbal, porque o sujeito é Oneyda Alvarenga, desta forma, o correto seria "Oneyda Alvarenga coletou e organizou todo material."

    Gente, tentei ser o mais clara possível, mas é difícil explicar isso escrevendo!

  • Mas Oneyda Alvarenga, diretora da Discoteca Pública Municipal de São Paulo,(1) e ex-aluna de Mário, coletaram e organizaram (2) todo o material. 

    Coletou e organizou! 

  • GABARITO LETRA D.

     

     

    Além disso em:

    A Missão chegou ao fim antes do previsto. Com o Estado Novo, por questões políticas, Mário foi afastado da direção do Departamento. Mas Oneyda Alvarenga, diretora da Discoteca Pública Municipal de São Paulo, e ex-aluna de Mário, coletaram e organizaram todo o material. Errado note que tem uma vígula separando os sujeitos dos verbos.

  • d) A Missão chegou ao fim antes do previsto. Com o Estado Novo, por questões políticas, Mário foi afastado da direção do Departamento. Mas Oneyda Alvarenga, diretora da Discoteca Pública Municipal de São Paulo, e ex-aluna de Mário, coletaram [coletou] e organizaram [organizou] todo o material. 

  • Amigos a concordância verbal estaria preservada se ao invés de "iam" estivesse escrito "ia"?

    Na equipe, ia o arquiteto Luís Saia, o maestro Martin...?

  • Sobre o suposto erro da Letra B)

    Tirei da revista Veja:

    Em outras palavras: “câmara” é a forma clássica, lusitanamente correta, válida para todas as acepções da palavra, enquanto “câmera” é  um brasileirismo influenciado pelo inglês camera e que tem o sentido especializado de aparelho ótico (para tirar fotografias ou captar imagens em movimento no cinema ou na TV).

  • "câmara fotográfica" rsrsrsrsrsrsrsrs

  • “Câmara” é a forma clássica, lusitanamente correta, válida para todas as acepções da palavra, enquanto “câmera” é só um brasileirismo influenciado pelo inglês camera e que tem o sentido especializado de aparelho ótico (para tirar fotografias ou captar imagens em movimento no cinema ou na TV).

  • Carol V o verbo ir tem que concordar com os sujeitos que estão no plural
  • sabia que a letra d estava errada pq está no plural sobre oneyda, mas e essa Câmara fotográfica? aprendi câmera, Câmara, conheço a de vereadores....
  • Gente pesquisei e vi que as duas formas são corretas, Câmara e câmera fotográfica, Câmara é a forma clássica lusitanamente correta e a câmera é brasileirismo, mas a duas estão corretas.... coisas da cespe
  • Gente, tendo em vista que o texto obviamente é alguma adaptação de algo escrito na década de 20 ou 30 (vide contexto histórico), certos tipos de grafias eram usuais na época. A respeito da palavra "CÂMARA", achei esse texto:

    As duas formas são empregadas no português brasileiro, Mario. A maioria dos nossos dicionários faz como o Caldas Aulete que você consultou: registra ambas, com ‘câmera’ remetendo a ‘câmara’. Isso não quer dizer que uma das formas esteja errada e sim que ambas são admitidas, com a segunda (“câmara”) ocupando, segundo os lexicógrafos, posição preferencial. 

    Em outras palavras: “câmara” é a forma clássica, lusitanamente correta, válida para todas as acepções da palavra, enquanto “câmera” é só um brasileirismo influenciado pelo inglês camera e que tem o sentido especializado de aparelho ótico (para tirar fotografias ou captar imagens em movimento no cinema ou na TV). Tudo bem. Ocorre que, na acepção que está em jogo aqui, a forma “câmera” é hoje mais corrente no Brasil do que “câmara”. E quando, numa metonímia, a palavra designa o profissional – “o câmera” – o que opera a câmera, a versão com e chega a ser exclusiva ou quase isso. Nunca vi um deles ser chamado de “o câmara”. 

    Agora a respeito da opção D, tem um erro crasso de concordância verbal.

    ;

    Essa não valeu errar hein? Boa sorte!

    No CESPE todo buraco é trincheira e quando a questão tá fácil demais,

    pode ter certeza que ta errada. :)

  • Ok. Mas e a vírgula separando a conjunção na A?


ID
25180
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
TSE
Ano
2007
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Assinale a opção em que o fragmento de texto apresenta erro gramatical.

Alternativas
Comentários
  • ... de um trabalho de sistematização das experiências anteriores de gestão, que COMEÇOU a ser DELINEADO em 2005.
  • O diretor-geral do TSE salientou a importância de um trabalho de sistematização das experiências anteriores de gestão, que começaram (começou) a ser delineados (delineado) em 2005. "É um trabalho que enobrece o serviço público", segundo ele.

     

  • Na minha humilde visão, além do erro crasso de grafia, apontado pelos colegas, no item A, encontra-se outro erro na separação do sujeito "Athayde Fontoura Filho" do predicado "fez a palestra de lançamento..." por uma vírgula.

    Se eu estiver equivocado, peço que me corrijam

    Espero ter contribuído
  • Está separado por vírgulas por se tratar de aposto.
  • No item B não deveria ser "de serviços e de compras"?

  • "...experiências...delineadas...". 

  • Marcio Mendezs, tbm pensei a mesma coisa. Por se tratar de paralelismo?

  • "...experiências...delineadas...". 

  • O que foram delineadas? As experiências....


ID
25195
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
TSE
Ano
2007
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Assinale a opção em que fragmento de texto apresenta erro gramatical.

Alternativas
Comentários
  • A questão deve ter sido anulada porque há dois itens errados: o a e b. Em "O resultado das eleições demonstraram clara independência com as populações locais." o núcleo do sujeito é resultado, logo o verbo deve ficar no singular. Na letra B, o objeto indireto está separado por vírgulas: "Elas não entregam mais seus ouvidos e, com eles, os seus votos, aos chefetes locais".
  • QUESTÃO 15  – anulada por haver duas respostas possíveis. Há uma vírgula incorreta separando o 
    sujeito e o objeto direto do objeto indireto.

ID
25861
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
TRE-PA
Ano
2007
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

O plural da palavra eleição é formado pela mesma regra que rege a formação do plural de

Alternativas
Comentários
  • Na palavra eleição só pode ir para o plural desta forma ( ELEIÇÕES- TERMINADAS , e se verificarmos as outras veremos que algumas palavras sao formadas por OES E AES.
    ABRAÇOS E SUCESSO
    saroberio@hotmail.com
  • ACRECIMO DE (ÕES).ELEIÇÕESLADRÕESREUNIÕESLIÇÕES
  • ELEIÇÕES

    A - Capitões, Sacristães, Tabeliães
    B - Pães, Espertalhões, Pobretões
    C - Cidadãos, Fogões, Anciões
    D - Mãos, Corrimãos, Irmãos
    E - Ladrões, Reuniões, Lições = igual ao plural de eleição

    Bons Estudos !!!
    Pedro.

  • lembrando que para "Ancião", aceitam-se as três formas: ões, ães, ãos.

    e "Sacristão" pode ser: ãos ou ães.
  • Plural de capitão é capitães!

  • Corrimão também admite duas formas:

    corrimãos e corrimões

  • Cuidado Pedro Silva.

    .

    Capitão

    Feminino: capitã ou capitoa. Plural: capitães.

    .
    "capitães", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, https://www.priberam.pt/dlpo/capit%C3%A3es [consultado em 05-01-2018].

  • Atenção:

    Ancião pode ser pluralizado corretamente de três maneiras: Anciãos, anciães, anciões.

  • Ainda bem que o CESPE deu uma parada com esse tipo de questão 

  • ELEIÇÕES

    A- CAPITÃES, SACRISTÃES, TABELIÃES;

    B- PÃES, ESPERTALHÕES, POBRETÕES;

    C- CIDADÃOS, FOGÕES, ANCIÃOS (ANCIÕES, ANCIÃES);

    D- MÃOS, CORRIMÃOS (CORRIMÕES), IRMÃOS;

    E - LADRÕES, REUNIÕES, LIÇÕES;

    (CUNHA, Celso & CINTRA, Luís F. Lindley. Nova Gramática do Português Contemporâneo. Rio de Janeiro: Lexikon, 7ª ed, 2017. Pgs. 195-197)

  • Plural de capitão = Capitães

  • .CIDADÕES

    .CIDADÕES

    .CIDADÕES

    .CIDADÕES

  • ATENÇÃO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    REUNIÃO admite REUNIÕES e REUNIÃOS

  • Gabarito letra E.

    Veja que Eleições combina com ladrão=ladrões, logo você já sabe que está correto e nas eleições acontece bastante reuniões, aonde cada cagada dos políticos o povo aprende grandes lições.

  • Só pegando o comentario do amigo Pedro Henrique e fazer uma observação:

    Na duvida façam a pronuncia das palavras em voz alta. Dessa forma vc vai conseguir entender melhor.

    ELEIÇÕES

    A - Capitões, Sacristães, Tabeliães

    B - Pães, Espertalhões, Pobretões

    C - Cidadãos, Fogões, Anciões

    D - Mãos, Corrimãos, Irmãos

    E - Ladrões, Reuniões, Lições = igual ao plural de eleição


ID
26143
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
TJ-RR
Ano
2006
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Assinale a opção em que o fragmento contém erro de grafia.

Alternativas
Comentários
  • a palavra errada em questão é frizou, cuja grafia correta é frisou
  • Frisar - Encrespar, ondear, ratinar, tornar saliente, Andar, estar perto, ser semelhante, análogo, ou muito parecido.
    Frizar - Essa palavra não existe.

    Bons Estudos !!!
    Pedro.

  • Frisar - Encrespar, ondear, ratinar, tornar saliente, Andar, estar perto, ser semelhante, análogo, ou muito parecido.
    Frizar - Essa palavra não existe.

    Resposta Letra C

    Bons Estudos Pessoal !!

    Paulo

  • I Got it :) Frisar

  • Frisar

    Frisar

    Frisar

    Frisar

    Frisar

    Frisar

    Frisar

    Frisar

    Frisar

    ....

  • Contém erro de grafia:

    C) frizou (x) - a forma correta seria: Frisou.

  • Frisar

  • FRISAR!

  • Frisar

  • eu sei q a questão pedia erro de grafia, mas a expressão "enfoque de" não estaria incorreta? O certo não seria "enfoque em"?
  • Acertei a questão , mas nao foi na grafia frisar , achei que esta quebrando , deveria ser estão quebrando . Para concordar com paradigmas que está no plural . Agora nao sei se está correto .rs


ID
26149
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
TJ-RR
Ano
2006
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

        A reunião preparatória de Lisboa para a Cúpula Judicial Ibero-Americana debateu a ética judicial, a justiça eletrônica e o mapa do Poder Judiciário ibero-americano. A Cúpula está elaborando um código de ética judicial que servirá de modelo para os países ibero-americanos e estimulando o aperfeiçoamento da justiça eletrônica, entre outros objetivos.


          O Brasil é reconhecido internacionalmente na área de justiça eletrônica. No ranque ibero-americano divulgado na reunião preparatória de Lisboa, o Judiciário brasileiro foi o primeiro colocado no critério que avaliou a qualidade e a incorporação de tecnologias da informação.

Internet: www.stj.gov.br (com adaptações).


Assinale a opção em que as palavras apresentadas são acentuadas com base em diferentes regras gramaticais.

Alternativas
Comentários
  • ESTA PERGUNTA, CREIO-ME QUE SE REFERE AS PAROXITONAS, OU A OXITONAS E PROPAROXITONA, ENTÃO A RESPOSTA ESTÁ EXPLICÍTA.LETRA (D)
  • PAÍSES é acentuado porque é um hiato e CRITÉRIO é uma paroxítona termina em ditongo crescente. Portanto, letra D.
  • Países - ParoxítonasÍ e Ú em palavras oxítonas e paroxítonas.- Í e Ú levam acento se estiverem sozinhos na sílaba (hiato).Exemplos: saída, saúde, miúdo, aí, Araújo, Esaú, Luís, Itaú, baús, Piauí.Observações:- 1. Se o i e u forem seguidos de s, a regra se mantém: balaústre, egoísmo, baús, jacuís.- 2. Não se acentuam i e u se depois vier 'nh': rainha, tainha, moinho.- 3. Esta regra é nova: nas paroxítonas, o i e u não serão mais acentuados se vierem depois de um ditongo: baiuca, bocaiuva, feiura, maoista, saiinha (saia pequena), cheiinho (cheio).- 4. Mas, se, nas oxítonas, mesmo com ditongo, o i e u estiverem no final, haverá acento: tuiuiú, Piauí, teiú.Critério - Paroxítonas - Se terminadas em: R, X, N, L, I, IS, UM, UNS, US, PS, Ã, ÃS, ÃO, ÃOS; ditongo oral, seguido ou não de S Exemplos: fácil, táxi, tênis, hífen, próton, álbum(ns), vírus, caráter, látex, bíceps, ímã, órfãs, bênção, órfãos, cárie, árduos, pólen, éden.Continua tudo igual.Observe:- 1) Terminadas em ENS não levam acento: hifens, polens.- 2) Usa-se indiferentemente agudo ou circunflexo se houver variação de pronúncia: sêmen, fêmur (Brasil) ou sêmen, fémur (Portugal).- 3) Não ponha acento nos prefixo paroxítonos que terminam em N nem nos que terminam em I: inter-helênico, super-homem, anti-herói, semi-internato.
  • Alternativa "D", pois a palavra países, forma hiato com a letra i na segunda vogal tônica e está seguida de s na sílaba, portanto a mesma deverá ser acentuada.Já a palavra critério é uma paroxítona terminada em ditongo crescente.
  • PAÍSES - hiato

    CRITÉRIO - paroxítona terminada em ditongo crescente

  • Países - hiato

    Critério - paroxítona terminada em ditongo crescente
     

    Resposta Letra D

    Bons Estudos Pessoal !!

     

    Paulo.

  • A) preparatória e judiciário palavras paroxítonas. Justificativa do acento: terminadas em ditongo crescente.

    B) cúpula e ética, palavras proparoxítonas. Justificativa do acento, todas  as palavras proparoxítonas são acentuada.

    C) código e eletrônica palavas proparoxítonas. Justificativa do acento, todas as palavras proparoxítonas são acentuadas

    D) países e critério justificativa do acento:
    países,  o "i" e o "u" tônico em hiato deve ser acentuado. (observar as exceções)
    critério, palavra paroxítona terminada em ditongo.

    a alternativa correta é a letra D
  • Gabarito: países e critério recebem acento por regras gramaticais diferentes.

    pa-í-ses : Acentuam-se o I e o U, quando tônicos, formando hiato com a vogal anterior, sozinhos na sílaba ou seguidos de S e tão somente de S.cri-té-rio: Acentuam-se as paroxítonas terminadas em ditongo.****O único ditongo decrescente que gera acento nas paroxítonas é o EI, seguido ou não de S.
  • HIATO E PAROXÍTONA TERMINADA EM DITONGO

  • Países  ========> Regra do hiato.

    Critério =======> Paroxítona terminada em ditongo crescente.

  • LETRA D

  • Países: Hiato.

    Critério: Paroxítona terminada em ditongo crescente.

  • LETRA D

    - Países = regra do hiato.

    - Critério = paroxítona terminada em ditongo crescente ou proparoxítona eventual.

  • Resumo Acentuação e Ortografia:

    Monossílabos:

    Terminados em A(s),E(s),O(s) : pá, três, pós;

    Terminadas em Ditongo Aberto: éu, éi, ói: céu, réis, dói;

    Oxítonas:

    Terminadas em A(s),E(s),O(s),Em(s). sofá, café,

    Terminadas em Ditongo Aberto: éu, éi, ói: chapéu, anéis, herói;

    Paroxítonas:

    • Todas, exceto terminadas em A(s),E(s),O(s),Em(s). Ex: fácil, hífen, álbum,

    cadáver, álbuns, tórax, júri, lápis, vírus, bíceps, órfão

    • Terminadas em ditongo (Regra cobradíssima) Ex: Indivíduos, precárias,

    série, história, imóveis, água, distância, primário, indústria, rádio

    • Se tiver Ditongo Aberto: não acentua mais!Ex: boia, jiboia, proteico, heroico

    Proparoxítonas:

    • Todas. Sempre. Ex: líquida, pública, episódica, anencéfalo, período.

    Regra do Hiato:

    Acentuam-se o “i” ou “u” tônico sozinho na sílaba (ou com s): baú,

    juízes, balaústre, país, reúnem, saúde, egoísmo. Caso contrário, não acentue: juiz,

    raiz, ruim, cair.

    Não se acentuam também hiatos com vogais repetidas: voo, enjoo, creem, leem, saara,

    xiita, semeemos.

    Exceção1: “i” seguido de NH: rainha, bainha, tainha,

    Exceção2: “i” ou “u” antecedido de ditongo, se a palavra não for oxítona: bocaiuva,

    feiura, sauipe, Piauí, tuiuiú. Decore: Guaíba e Guaíra são acentuados.

    FONTE: Professor Filipe Luccas - Estratégia concursos.

  • Para a Cebraspe, cri-té-rio, paroxítona terminada em ditongo crescente e eventual proparoxítona

ID
26434
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
TJ-RR
Ano
2006
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Nas questões de 1 a 3, as opções, na ordem em que estão
apresentadas, são partes sucessivas de textos.

Assinale a opção que apresenta erro gramatical.

Alternativas
Comentários
  • A letra b é a incorreta.Temos um erro de concordância verbal.O verbo "têm" está na terceira pessoa do plural ocasionando o erro da questão. O correto seria: A digitalização também tem influência em aspectos como preservação do meio ambiente.
  • A incorreta é a letra "B" pois, a frase não está no plural, e a palavra "tem" no plural ficaria da seguinte forma "têm"
  • Além do erro referente ao "têm", já citado.

    Seria também incorreto concordância em "aspectos"? onde este deveria estar também no singular? 

  • Não, cara Maressa Falcão, porquanto o termo "aspectos" foi empregado no sentido geral, o que é justificado pelo uso do termo "como" (no sentido de "a exemplo de"). 



    OBS: Fernando Pestana chama de "preposição acidental". 
  •  b) A digitalização também têm (tem) influência em aspectos como preservação do meio ambiente.

  • Letra B.

    Deus é Soberano !!!

  • A digitalização também TEM influência em aspectos como preservação do meio ambiente.

  • A digitalização também tem.....


ID
26440
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
TJ-RR
Ano
2006
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Nas questões de 1 a 3, as opções, na ordem em que estão
apresentadas, são partes sucessivas de textos.

Assinale a opção gramaticalmente correta.

Alternativas
Comentários
  • a) Não cabe o sinal de crase antes da palavra "operar";

    b)...que todos os atos processuais SEJAM PRATICADOS em meio eletrônico;

    c)À utilização

    Correta: letra "D"
  • Eu acho que o erro na letra C é o verbo representar, alguém concorda comigo?
  • Não José Antonio, o erro no item c é erro de crase.. A informatização desses processos, aliada à utilização de outras ferramentas eletrônicas de comunicação com a Receita Federal e o Banco Central, representará um enorme avanço na arrecadação judicial da dívida ativa da União.
  • O erro da crase na letra A é que não ocorre a mesma antes de verbo, pois não admite artigo definido feminino - mesmo quando substantivado, recebe o artigo masculino e não feminino.

  • a) Começa ( À ) operar o processo eletrônico ...

    ERRO DE ACENTUAÇÃO: Não ocorre crase anes de verbo (verbo repele artigo).

    b)(...) que todos os atos processuais ( SEJA PRATICADO ) em meio eletrônico (...)

    ERRO DE CONCORDÂNCIA: ... que todos os ATOS PROCESSUAIS  ( SEJAM PRATICADOS ) em meio eletrônico...

    c) (...) aliada a utilização de outras ferramentas eletrônicas de comunicação com a Receita Federal e o Banco Central, representará (...)

    ERRO DE CONCORDÂNCIA: (...) representarão (...)

  • GABARITO D 

     

    a)  Começa à operar (a operar) o processo eletrônico de execução fiscal da justiça federal, inicialmente no âmbito da 1.ª - que abrange o Distrito Federal (DF) e outros 13 estados - e 3.ª Regiões - São Paulo e Mato Grosso do Sul.

     

     

     b) Os sistemas da justiça federal serão integrados ao sistema de ajuizamento e acompanhamento processual da Procuradoria- Geral da Fazenda Nacional, o que irá possibilitar que todos os atos processuais seja praticado (sejam praticados) em meio eletrônico.

     

     

     c) A informatização desses processos, aliada a utilização (aliada à utilização) de outras ferramentas eletrônicas de comunicação com a Receita Federal e o Banco Central, representará um enorme avanço na arrecadação judicial da dívida ativa da União.

     

     

    d) A cobrança judicial de tributos federais não pagos na esfera administrativa é feita na justiça federal, por intermédio de processos de execução fiscal movidos pela União ou por suas entidades.   CERTO 

  • A cobrança judicial de tributos federais não pagos na esfera administrativa é feita na justiça federal, por intermédio de processos de execução fiscal movidos pela União ou por suas entidades. ( Gramaticalmente correta)


ID
28075
Banca
CESGRANRIO
Órgão
TCE-RO
Ano
2007
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

O Senhor Computador

          Acabo de perder a crônica que havia escrito.
     Sequer tenho onde reescrevê-la, além desse caderninho
     onde inclino com mãos trêmulas uma esferográfica preta,
     desenhando garranchos que não vou entender daqui a meia
5    hora. Explico: tenho, para uso próprio, dois computadores.
     E hoje os dois me deixaram órfão, fora do ar, batendo
     pino, encarando o vazio de suas telas obscuras. A carroça
     de mesa pifou depois de um pico de energia. O portátil,
     que muitas vezes levo para passear como um cachorrinho
10  cheio de idéias, entrou em conflito com a atualização do
     antivírus e não quer "iniciar". O temperamental está fazendo
     beicinho, e não estou a fim de discutir a relação homemmáquina
     com ele.
          Farei isso, pois, com os leitores. Tenho consciência
15  de que a crônica sobre as agruras do escritor com computadores
     indolentes virou um clichê, um subgênero batido
     como são as crônicas sobre falta de idéia. Mas não tenho
     opção que não seja registrar meu desalento com as
     máquinas nos poucos minutos que me restam até que a
20  redação do jornal me telefone cobrando peremptoriamente
     esse texto.
          E registrar a decepção comigo mesmo - com a
     minha dependência estúpida do computador. Não somente
     deste escriba, aliás: somos todos cada vez mais
25 subordinados ao senhor computador. Vemos televisão no
     computador, vamos ao cinema no computador, fazemos
     compras no computador, amigos no computador. Música
     no computador. Trabalho no computador.
     Escritores mais graduados me confessam escrever
30  somente a lápis. Depois de vários tratamentos, passam o
     texto para o computador, "quando já está pronto". Faço
     parte de uma geração que não apenas cria direto no
     computador, mas pensa na frente do computador. Teclamos
     com olhos dilatados e dedos frementes sobre a cortina
35 branca do processador de texto, encarando uma tela que
     esconde, por trás de si, um trilhão de outras janelas,
     "o mundo ao toque de um clique".
          Nada mais ilusório.
          O que assustou por aqui foi minha sincera reação
40  de pânico à possibilidade de perder tudo - como se a
     casa e a biblioteca pegassem fogo. Tenho pelo menos
     seis anos de textos, três mil fotos e umas sete mil
     músicas em cada um dos computadores - a cópia de
     segurança dos arquivos de um estava no outro. Claro, seria
45 impossível que os dois quebrassem - "ainda mais no
     mesmo dia!" Os técnicos e entendidos em informática
     dirão que sou um idiota descuidado. Eles têm razão.
          Há outro lado. Se nada recuperar, vou me sentir
     infinitamente livre para começar tudo de novo. Longe do
50 computador, espero.

CUENCA, João Paulo. Megazine. Jornal O Globo. 20 mar. 2007.
(com adaptações)

Assinale a passagem em que predomina o uso da linguagem informal.

Alternativas
Comentários
  • A expressão "batendo pino" é bem informal ou coloquial. Muito usada quando se refere a motores de carros com defeito ou prestes a fundir. Abs,
  • "bater pino" já diz por si.
  • Eu acho que o que torna a alternativa B mais informal é a questão da colocação pronomial.
  • Para quem teve dúvidas sobre o "Sequer" junto:

     

    “Sequer”

    É um advérbio e podemos pensar nele como o “ao menos”. Geralmente usamos em frases negativas ou que dão um sentido negativo.

    Exemplos:

    Estamos sem água nas represas e não há possibilidades sequer de chuvas.

    Estou doente e sequer tenho um remédio para tomar.

    Como é possível esperar que a humanidade ouça conselhos, se nem sequer ouve as advertências.

    “Se quer”

    É apresentada pela conjunção “se” e do verbo “querer”. Podemos substituí-lo por “se desejar”, geralmente usado em frases condicionais.

    Exemplos:

    Se quer passar em concurso, estude muito.

    Se quer a verdade, ainda estou sofrendo.

     

    [Fonte: http://blog.vanessasueroz.com.br/sequer-e-se-quer/]


ID
28093
Banca
CESGRANRIO
Órgão
TCE-RO
Ano
2007
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

O Senhor Computador

          Acabo de perder a crônica que havia escrito.
     Sequer tenho onde reescrevê-la, além desse caderninho
     onde inclino com mãos trêmulas uma esferográfica preta,
     desenhando garranchos que não vou entender daqui a meia
5    hora. Explico: tenho, para uso próprio, dois computadores.
     E hoje os dois me deixaram órfão, fora do ar, batendo
     pino, encarando o vazio de suas telas obscuras. A carroça
     de mesa pifou depois de um pico de energia. O portátil,
     que muitas vezes levo para passear como um cachorrinho
10  cheio de idéias, entrou em conflito com a atualização do
     antivírus e não quer "iniciar". O temperamental está fazendo
     beicinho, e não estou a fim de discutir a relação homemmáquina
     com ele.
          Farei isso, pois, com os leitores. Tenho consciência
15  de que a crônica sobre as agruras do escritor com computadores
     indolentes virou um clichê, um subgênero batido
     como são as crônicas sobre falta de idéia. Mas não tenho
     opção que não seja registrar meu desalento com as
     máquinas nos poucos minutos que me restam até que a
20  redação do jornal me telefone cobrando peremptoriamente
     esse texto.
          E registrar a decepção comigo mesmo - com a
     minha dependência estúpida do computador. Não somente
     deste escriba, aliás: somos todos cada vez mais
25 subordinados ao senhor computador. Vemos televisão no
     computador, vamos ao cinema no computador, fazemos
     compras no computador, amigos no computador. Música
     no computador. Trabalho no computador.
     Escritores mais graduados me confessam escrever
30  somente a lápis. Depois de vários tratamentos, passam o
     texto para o computador, "quando já está pronto". Faço
     parte de uma geração que não apenas cria direto no
     computador, mas pensa na frente do computador. Teclamos
     com olhos dilatados e dedos frementes sobre a cortina
35 branca do processador de texto, encarando uma tela que
     esconde, por trás de si, um trilhão de outras janelas,
     "o mundo ao toque de um clique".
          Nada mais ilusório.
          O que assustou por aqui foi minha sincera reação
40  de pânico à possibilidade de perder tudo - como se a
     casa e a biblioteca pegassem fogo. Tenho pelo menos
     seis anos de textos, três mil fotos e umas sete mil
     músicas em cada um dos computadores - a cópia de
     segurança dos arquivos de um estava no outro. Claro, seria
45 impossível que os dois quebrassem - "ainda mais no
     mesmo dia!" Os técnicos e entendidos em informática
     dirão que sou um idiota descuidado. Eles têm razão.
          Há outro lado. Se nada recuperar, vou me sentir
     infinitamente livre para começar tudo de novo. Longe do
50 computador, espero.

CUENCA, João Paulo. Megazine. Jornal O Globo. 20 mar. 2007.
(com adaptações)

Um dos rapazes ____________ as máquinas e o outro era _____________ de imprensa. A opção cuja forma dos vocábulos completa correta e respectivamente a frase acima é:

Alternativas
Comentários
  • Acessor e assesor não existem na língua portuguesa.A palavra assessor significa assistente, auxilar. Abs e bons estudos!

ID
28096
Banca
CESGRANRIO
Órgão
TCE-RO
Ano
2007
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

O Senhor Computador

          Acabo de perder a crônica que havia escrito.
     Sequer tenho onde reescrevê-la, além desse caderninho
     onde inclino com mãos trêmulas uma esferográfica preta,
     desenhando garranchos que não vou entender daqui a meia
5    hora. Explico: tenho, para uso próprio, dois computadores.
     E hoje os dois me deixaram órfão, fora do ar, batendo
     pino, encarando o vazio de suas telas obscuras. A carroça
     de mesa pifou depois de um pico de energia. O portátil,
     que muitas vezes levo para passear como um cachorrinho
10  cheio de idéias, entrou em conflito com a atualização do
     antivírus e não quer "iniciar". O temperamental está fazendo
     beicinho, e não estou a fim de discutir a relação homemmáquina
     com ele.
          Farei isso, pois, com os leitores. Tenho consciência
15  de que a crônica sobre as agruras do escritor com computadores
     indolentes virou um clichê, um subgênero batido
     como são as crônicas sobre falta de idéia. Mas não tenho
     opção que não seja registrar meu desalento com as
     máquinas nos poucos minutos que me restam até que a
20  redação do jornal me telefone cobrando peremptoriamente
     esse texto.
          E registrar a decepção comigo mesmo - com a
     minha dependência estúpida do computador. Não somente
     deste escriba, aliás: somos todos cada vez mais
25 subordinados ao senhor computador. Vemos televisão no
     computador, vamos ao cinema no computador, fazemos
     compras no computador, amigos no computador. Música
     no computador. Trabalho no computador.
     Escritores mais graduados me confessam escrever
30  somente a lápis. Depois de vários tratamentos, passam o
     texto para o computador, "quando já está pronto". Faço
     parte de uma geração que não apenas cria direto no
     computador, mas pensa na frente do computador. Teclamos
     com olhos dilatados e dedos frementes sobre a cortina
35 branca do processador de texto, encarando uma tela que
     esconde, por trás de si, um trilhão de outras janelas,
     "o mundo ao toque de um clique".
          Nada mais ilusório.
          O que assustou por aqui foi minha sincera reação
40  de pânico à possibilidade de perder tudo - como se a
     casa e a biblioteca pegassem fogo. Tenho pelo menos
     seis anos de textos, três mil fotos e umas sete mil
     músicas em cada um dos computadores - a cópia de
     segurança dos arquivos de um estava no outro. Claro, seria
45 impossível que os dois quebrassem - "ainda mais no
     mesmo dia!" Os técnicos e entendidos em informática
     dirão que sou um idiota descuidado. Eles têm razão.
          Há outro lado. Se nada recuperar, vou me sentir
     infinitamente livre para começar tudo de novo. Longe do
50 computador, espero.

CUENCA, João Paulo. Megazine. Jornal O Globo. 20 mar. 2007.
(com adaptações)

Não ____________ o que iria acontecer, mas era necessário que ____________ a calma. As formas verbais que preenchem, nesta ordem, as lacunas, são:

Alternativas
Comentários
  • Alternativa correta: D

    O verbo PREVER segue a conjugação do verbo VER, do qual PREVER deriva.
    Ele/Ela viu/previu - Pretérito Perfeito


    O verbo MANTER segue a conjugação do verbo TER.
    Ele/Ela mantivesse - Imperfeito do Subjuntivo
  • Prezada Silvia,suas explicações estão corretas, mas se enganou ao indicar a letra certa: EAbraços.
  • Verbo Prever
    INDICATIVO:

    Pretérito Perfeito

    eu previ
    tu previste
    ele previu
    nós previmos
    vós previstes
    eles previram

    Verbo Manter
    SUBJUNTIVO:

    Pretérito Imperfeito

    se eu mantivesse
    se tu mantivesse
    se ele mantivesse
    se nós mantivéssemos
    se vós mantivésseis
    se eles mantivessem


ID
28342
Banca
CESGRANRIO
Órgão
DNPM
Ano
2006
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

COMO NAVEGAR EM ALTO MAR

A família Schürmann ficou conhecida no Brasil pelas
viagens que fez pelo mundo a bordo de seu veleiro. Como
um de seus membros, posso dizer que vivemos
incontáveis aventuras, mas descobrimos que o nosso
projeto ia além da busca por novas culturas e desafios.
Percebemos que diariamente vivíamos a realidade – e
até mesmo o sonho – de muitos empresários. Aprendemos
na prática o que empresas e executivos procuram
aprimorar no seu dia-a-dia, como, por exemplo, reagir em
situações adversas, enfrentar desafios e transformá-los
em oportunidades, tomar decisões para administrar um
empreendimento com sucesso e conviver em equipe.
Em nossas palestras, procuramos destacar que o
barco a vela é uma excelente ferramenta para fazer uma
analogia com as empresas. Nós vivemos durante 20 anos
dentro de um veleiro de 44 metros quadrados. Para que
tudo desse certo nessas condições, foi preciso um bom
planejamento, uma tripulação unida e perseverança para
enfrentar as mais inesperadas situações. As empresas
passam por problemas similares. Veja alguns deles:
• Quando nos deparávamos com um mar tempestuoso,
procurávamos enfrentá-lo com firmeza. A
análise das condições meteorológicas através de
mecanismos de informações, como satélite, barômetro
e formações de nuvens nos ajudava a prever
a dimensão da situação. Com esses dados em
mãos, tudo ficava mais fácil e previsível. Tínhamos
também uma tripulação bem treinada. Numa empresa
é a mesma coisa. Você precisa utilizar os
recursos tecnológicos e intelectuais disponíveis para
cada uma das situações. E, para se sentir seguro,
não há nada melhor do que promover treinamentos
periódicos e sistemáticos.
• Sempre que estamos no mar, temos de ajustar
constantemente a embarcação, regular as velas,
revisar os materiais e preparar a tripulação. É importante
administrar riscos em situações de pressão
e tomar decisões rápidas nos momentos difíceis.
[...]
• Os ventos fortes sempre forçam o velejador a fazer
mudanças de rumo, mas ele nunca esquece que o
objetivo precisa ser alcançado. Tem de encontrar
soluções e fazer o barco se mover com rapidez e
segurança na tempestade. Para isso, deve contar
com uma tripulação unida, em que cada um cumpre
bem o seu papel.
Para que tudo siga o planejado, é preciso investir em
comunicação. Em um veleiro oceânico, assim como nas
empresas, a comunicação é fator crítico para o sucesso.
Essas são algumas das lições preciosas que aprendemos
em alto-mar. Acredite sempre em dias melhores.
Nem mesmo quando perdemos os nossos mastros em
meio a uma tempestade na Nova Zelândia e ficamos dias
à deriva deixamos de acreditar. O segredo foi estarmos
preparados para superar momentos difíceis e tensos como
aquele.
SCHÜRMANN, Heloisa, Revista Você S/A, Ago. 2004.

As palavras que se acentuam de acordo com as mesmas regras por que são acentuadas "difícil" e "através" são, respectivamente:

Alternativas
Comentários
  • 1ª - Paroxítona terminada em L2ª - Oxítona terminada em E
  • ANÁLISE: PROPAROXITONA , TAMBÉM: OXITONAFAMÍLIA: PAROXITONA TERMINADA EM DITONGO CRECENTE , DIAGNÓSTICO: PROPAROXITONASATÉLITE: PROPAROXÍTONA , LÍDER; PAROXÍTONA TERMINADA EM RCRÍTICO: PROPAROXÍTONA , CONVÉS; OXÍTONA TERMINADA EM (E)SFÁCIL: PAROXITONA TERMINADA EM L ,TRANSFORMÁ- LO; OXITONA TERMINADA EM Odifícil" e "através(PAROXITONA TERMINADA EM L E OXÍTONA TERMINADA EM E(S).ACREDITO O QUE DEVE TER CONFUNDIDO ALGUNS CANDIDATOS DEVE TER SIDO A QUESTÃO DA ENCLISE EM (TRANSFORMÁ-LO),ATENTEM-SE QUE O (LO) E APENAS O PRONOME. ENCLISE: PRONOME APÓS O VERBO.
  • Tipo de palavra ou sílaba: Difícil - ParoxítonasQuando acentuar: - Se terminadas em: R, X, N, L, I, IS, UM, UNS, US, PS, Ã, ÃS, ÃO, ÃOS; ditongo oral, seguido ou não de SExemplos: fácil, táxi, tênis, hífen, próton, álbum(ns), vírus, caráter, látex, bíceps, ímã, órfãs, bênção, órfãos, cárie, árduos, pólen, édenContinua tudo igual.Observe: - 1) Terminadas em ENS não levam acento: hifens, polens. - 2) Não ponha acento nos prefixo paroxítonos que terminam em N nem nos que terminam em I: inter-helênico, super-homem, anti-herói, semi-internato.Através - oxítonasQuando acentuar:- Se terminadas em: A, AS, E, ES, O, OS, EM, ENSExemplos: vatapá, igarapé, avô, avós, refém, parabénsContinua tudo igual.Atente para os acentos nos verbos com formas oxítonas: adorá-lo, debatê-lo, etc.Assim sendo, a correta é:e) fácil e transformá-lo.
  • QUANTO A REGRA DAS PAROXÍTONAS ACENTUADAS, BASTA SABER QUE SÓ NAO SÃO ACENTUADAS AS PAROXÍTONAS TERMINADAS EM A,E,O,EM,ENS (VOGAIS SEGUIDAS OU NAO DE S)
  • Só complementando a resposta do colega cruzeirense Joaquim.
    Paroxítonas: todas são acentuadas, exceto as terminadas na regra das oxítonas (a(s), e(s), o(s), em(ens)) e as terminadas também em "am" não levam o acento.  
  • DIFÍCIL - PAROXÍTONA TERMINADA EM ( L) // ATRAVÉS - OXÍTONA TERMINADA EM ES

    a) análise - proparoxítona -> todas as proparoxítonas são acentuadas // também - oxítona -> terminadas em (EM) são acentuadas

    b)família - paroxítona -> terminada em ditongo //  diagnóstico - proparoxítona

    c)satélite - proparoxítona // líder - paroxítona -> terminada em (R) são acentuadas

    d)crítico - proparoxítona // convés - oxítona -> terminada em (E ou ES) são acentuadas

    e)fácil - paroxítona -> terminada em (L) são acentuadas // transformá-lo - oxítona terminada em (A) são acetuadas tb as terminadas em E(ES), O(OS), EM, ENS.
  • Acertei a questão por falta de alternativa, mas a minha dúvida é em relação a palavra transformá-lo que vem da palavra transformar que por ser oxítona terminada em R, quando adiciona-se o la deve retirar o R e acrescentar o acento.

  • PAROXÍTONAS     =       SÍLABAS MAIS FORTE A PENÚLTIMA    

    Indiscutível  – paroxítona terminada em L

    Acreditável

    difícil (paroxítona terminada em L, N, R, X)

       JA-NE-LA

      

     DITONGO abertos   =    DUAS  VOGAIS  JUNTAS na mesma sílaba  

     

    ATENÇÃO:     PROCURA LOGO DUAS VOGAIS JUNTAS        =       PAROXÍTONAS TERMINADAS EM DITONGO ou paroxítonas TERMINADAS em   ROUXINOL

     

     

                                                       Q482311  Q203423 Q202932

     

    água / substância á-gua: paroxítona terminada ditongo         su-bs-tân-cia: paraxítona terminada ditongo

     

     

    ACENTUAM-SE       AS       PAROXÍTONAS TERMINADAS EM DITONGO  !        VOGAL SEMIVOGAL

    Regra: Acentuam-se as palavras paroxítonas terminadas em ditongos crescentes (semivolgal + vogal).

     

    -  consultório: con-sul-tó-rio [ditongo crescente io = i (semivogal) + o (vogal)] 

    -  ci.vi.li.za.tó.rio

    -    área: á-rea [ditongo crescente ea = e (semivogal) + a (vogal)]

    -     várias: vá-rias [ditongo crescente ia = i (semivogal) + a (vogal)]

    -   VI.SI.O.NÁ.RIA - paroxítona terminada em ditongo

    -     Mi.nis.té.rio é paroxitona terminadas em ditongo

     

    ÁREA = á-rea                 - paroxítona terminada em ditongo (regra dos ditongos)

    distúrbio =    dis-túr-bio   - paroxítona terminada em ditongo (regra dos ditongos)

    método  = mé-to-do      - proparoxitona

    próprias = pró-prias      - paroxítona terminada em ditongo (regra dos ditongos)

     

     

    Lín-gua - É acentuada porque é paroxítona terminada em ditongo.

     

    Acentuam-se as paroxítonas terminadas em todas as consoantes da palavra ROUXINOL, mais as terminações em: i, is, ã, ãs, ão, ãos, us, um, uns e ps.

     

                                                      ROUXINOL

    Acentuam-se as paroxítonas TERMINADAS em:   i, is   L, N, R, OS, X, US,

     

    .................

     

     

    OXÍ   -     TONAS   =       SÍLABAS MAIS FORTE      A ÚLTIMA  (OXI)    FO -   GA  -  RÉU

     

       A – TÉ         TAM.BÉM   C.éu

     

                                   Me.trô,  transformá-lo - oxítona terminada em (A)

     

    ESTÁ → oxítona terminada em "a" aberto; é → monossílabo terminado em "e"

                   OXÍTONAS:       Sílaba tônica:      ÚLTIMA

     

     

    OXÍTONA terminada em      A   -    E     -  O  -   EM                    ALÉM

     

     

    AL.GU  ÉM     NIN.GUÉM          in.glês

      TAM.BÉM

     

    Q813984

     

    VO- CÊ   -     D Ê  -      Utiliza-se o acento circunflexo nas palavras OXÍTONAS terminadas em:

    es/tá  -     oxítona em A.

    -    VOGAIS TÔNICAS fechadas que se grafam  -e    ou     –     o e

     

     

    Amap -  á          /           Já-ca-re-pa-guá           Ma.ri.cá

    Caf  -   é

    Sor - ri

    Cip -   ó

    Uru -  bu

     

    As oxítonas terminadas em “U” NÃO são acentuadas (I.ta.i.pu,  I.ta.i.pu.a.çu, tabú).   

     

      EXCEÇÃO:    nas oxítonas, mesmo com ditongo, o i e u estiverem no final, haverá acento: tuiu, Pia, te.

     

     

    Acentuam-se as OXÍTONAS terminadas em:  A (s),  E (s), O (s), EM e ENS

  • GABARITO: LETRA E

    difícil/fácil -São paroxítonas terminadas em L

    através- Oxítona terminada em E(S) / transformar- Oxítona.

    OBS.: Atente-se para o verbo que nesse caso é “transfomar”, o “lo” é apenas um pronome oblíquo átono em ênclise.

    *Algumas formas verbais oxítonas são acentuadas quando conjugadas com pronomes oblíquos átonos em ênclise, como por exemplo, abraçá-la, fazê-lo, perdê-la e etc.

  • GABARITO: LETRA  E

    ACRESCENTANDO:

    Regra de Acentuação para Monossílabas Tônicas:

    Acentuam-se as terminadas em -a(s), -e(s), -o(s).

    Ex.: má(s), trás, pé(s), mês, só(s), pôs…

    Regra de Acentuação para Oxítonas:

    Acentuam-se as terminadas em -a(s), -e(s), -o(s), -em(-ens).

    Ex.: sofá(s), axé(s), bongô(s), vintém(éns)...

     

    Regra de Acentuação para Paroxítonas:

    Acentuam-se as terminadas em ditongo crescente ou decrescente (seguido ou não de s), -ão(s) e -ã(s), tritongo e qualquer outra terminação (l, n, um, r, ns, x, i, is, us, ps), exceto as terminadas em -a(s), -e(s), -o(s), -em(-ens).

    Ex.: história, cáries, jóquei(s); órgão(s), órfã, ímãs; águam; fácil, glúten, fórum, caráter, prótons, tórax, júri, lápis, vírus, fórceps.

     

    Regra de Acentuação para Proparoxítonas:

    Todas são acentuadas .Ex.: álcool, réquiem, máscara, zênite, álibi, plêiade, náufrago, duúnviro, seriíssimo...


    Regra de Acentuação para os Hiatos Tônicos (I e U):

    Acentuam-se com acento agudo as vogais I e U tônicas (segunda vogal do hiato!), isoladas ou seguidas de S na mesma sílaba, quando formam hiatos.

    Ex.: sa-ú-de, sa-í-da, ba-la-ús-tre, fa-ís-ca, ba-ú(s), a-ça-í(s)...

    FONTE: A GRAMÁTICA PARA CONCURSOS PÚBLICOS 3ª EDIÇÃO FERNANDO PESTANA.

  • GABARITO LETRA E.

    As palavras que se acentuam de acordo com as mesmas regras por que são acentuadas "di/fí/cil (PAROXÍTONA TERMINADA EM L)" e "a/tra/vés (OXÍTONA)" são, respectivamente:

    A) a/ná/li/se (PROPAROXÍTONA) e tam/bém (OXÍTONA).

    B) fa/mí/lia (PAROXÍTONA TERMINADA EM DITONGO) e di/ag/nós/ti/co (PROPAROXÍTONA).

    C) sa/té/li/te (PROPAROXÍTONA) e lí/der (PAROXÍTONA TERMINADA EM R).

    D) crí/ti/co (PROPAROXÍTONA) e con/vés (OXÍTONA).

    GABARITO / E) fá/cil (PAROXÍTONA TERMINADA EM L) e trans/for/má-lo (OXÍTONA).

  • Resumo Acentuação e Ortografia:

    Monossílabos:

    Terminados em A(s),E(s),O(s) : pá, três, pós;

    Terminadas em Ditongo Aberto: éu, éi, ói: céu, réis, dói;

    Oxítonas:

    Terminadas em A(s),E(s),O(s),Em(s). sofá, café,

    Terminadas em Ditongo Aberto: éu, éi, ói: chapéu, anéis, herói;

    Paroxítonas:

    • Todas, exceto terminadas em A(s),E(s),O(s),Em(s). Ex: fácil, hífen, álbum,

    cadáver, álbuns, tórax, júri, lápis, vírus, bíceps, órfão

    • Terminadas em ditongo (Regra cobradíssima) Ex: Indivíduos, precárias,

    série, história, imóveis, água, distância, primário, indústria, rádio

    • Se tiver Ditongo Aberto: não acentua mais!Ex: boia, jiboia, proteico, heroico

    Proparoxítonas:

    • Todas. Sempre. Ex: líquida, pública, episódica, anencéfalo, período.

    Regra do Hiato:

    Acentuam-se o “i” ou “u” tônico sozinho na sílaba (ou com s): baú,

    juízes, balaústre, país, reúnem, saúde, egoísmo. Caso contrário, não acentue: juiz,

    raiz, ruim, cair.

    Não se acentuam também hiatos com vogais repetidas: voo, enjoo, creem, leem, saara,

    xiita, semeemos.

    Exceção1: “i” seguido de NH: rainha, bainha, tainha,

    Exceção2: “i” ou “u” antecedido de ditongo, se a palavra não for oxítona: bocaiuva,

    feiura, sauipe, Piauí, tuiuiú. Decore: Guaíba e Guaíra são acentuados.

    FONTE: Professor Filipe Luccas - Estratégia concursos.

  • O art. correto é o 39, §5°.

  • É só ignorar os pronomes obli/atonos, lo,la,los,las ....

    Ligados a ele 

    Ex:comprá-la, revê-lo ...


ID
28501
Banca
CESGRANRIO
Órgão
DECEA
Ano
2006
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Texto II
A nuvem como guia

          Quando eu era criança, morava na Penha. Em
     minha casa, havia quintal. Deitado na grama, eu via
     estrelas, cometas, asteróides: via até a ponta das
     barbas brancas de Deus. Em dia de lua cheia, via até
5     seu sorriso, encimando o bigode branco. As estrelas
     eram tantas que pareciam confetes e lantejoulas, em noite
     de terça-feira gorda. Brilhavam forte, com brilho que hoje
     já não se vê: a luz foi soterrada no céu sombrio pela
     poluição galopante, estufa onde nos esturricaremos todos
10     como torresmos, sem remissão, se os países poluentes
     continuarem sua obra sufocante.
          Na Praia das Morenas, no fim da minha rua,
     tropeçando em siris e caranguejos - naquele tempo
     havia até água-viva na Baía de Guanabara; hoje, nem
15     morta! - eu via barcos de pescadores e peixes
     contorcionistas, mordendo as redes, como borboletas em
     teias de aranha - que ainda existiam naqueles tempos,
     aranhas e borboletas.
          Criança, eu pensava: como seria possível aos
20     pescadores velejar tão longe da areia, perder-se da
     nossa vista, perder-se no mar onde só havia vento em
     ritmos tonitruantes, onde as ondas eram todas iguais,
     sem traços distintivos, feitas da mesma água e mesma
     espuma e, encharcados de tempestades, encontrar o
25     caminho de volta?
          Meu pai explicava: os pescadores olhavam as
     estrelas, guias seguras, honestas, que indicavam o
     caminho de suas choupanas, na praia. Eu olhava o céu
     e via que as estrelas se moviam, e me afligia: talvez
30     enganassem os pescadores. Meu pai esclarecia: os
     pescadores haviam aprendido os movimentos estelares,
     e as estrelas tinham hábitos inabaláveis, confiáveis, eram
     sérias, seguiam sempre os mesmos caminhos seguros.
    
BOAL, Augusto. (adaptado).

Assinale a opção correta quanto ao comentário gramatical.

Alternativas
Comentários
  • A) água-viva é formado por substantivo + adjetivo, portanto flexiona-se os dois no plural.  Guarda-roupa é formado por verbo+substantivo, portanto flexiona-se apenas o segundo termo.  Está errada.

    B) países e baía são hiatos.  Correta

    C)Caminho possui 6 fonemas.  C, A, M, I, NH, O;  SORRISO tem 6 fonemas. S, O, RR, I, S, O.  Está errada.

    D)Esclarecia, o termo em negrito é o radical enquanto que continuarem o termo em negrito é a desinência número pessoal.

    E)O vocábulo da uma idéia de comparação, por favor me elucidem sobre a classificação deste que.

  • Comentando a Letra E)   As estrelas eram tantas que pareciam confetes e lantejoulas:    

    Entendo ser conjunção subordinativa consecutiva.

    Apesar da metáfora, vejo que a idéia preponderante não seria a comparação.

    Deve-se fazer a pergunta: "Qual a consequência de ter tantas estrelas? " Parecer confetes e lantejoulas

    Vejam:
          "Estava tão triste, que chorou" => conjunção subordinativa consecutiva
          "Ela é mais alta que o irmão" => conjunção subordinativa comparativa

    Mas...
          "Ela é tão alta que parece uma girafa" => conjunção subordinativa consecutiva.




  • continuarem - continu (radical), a (vogal temática), r (desinência modo-temporal), em (desinência número-pessoal).

  • LETRA E - O QUE É PRONOME RELATIVO - pode ser substituído pelo o qual, os quais......

  • "Simplificadamente falando, acentua-se o I ou o U quando ele forma sílaba tônica sozinho ou acompanhado de S, seja nos vocábulos paroxítonos, seja nos oxítonos."

    http://www.portalentretextos.com.br/colunas/nao-tropece-na-lingua-m-t-piacentini/duas-regras-de-acentuacao-hifens-e-baia,186,6566.html

  • Resposta certa e a letra B.
    sobre a letra E: o que indica oração subordinada consecutiva: basta substituir "tanto que , tão que " funciona como comparação de igualdade.
  • GABARITO = B

     

    A-)O substantivo "água(SUBSTANTIVO)-viva (ADJETIVO)" flexiona-se, em número, pela mesma regra de guarda-roupa. QUANDO NÓS TEMOS UM SUBSTANTIVO+ADJETIVO = AMBOS VARIAM = PLURAL = ÁGUAS-VIVAS, DIFERENTE DE GUARDA (VERBO)-ROUPA (SUBSTANTIVO) = SÓ O SUBSTANTIVO VARIA = PLURAL - GUARDA-ROUPAS, ASSIM COMO BEIJA-FLORES, ARRANHA-CÉUS.
    B-)Os vocábulos "países" e "Baía" são acentuados pela mesma regra. AMBOS SÃO ACENTUADAS PELA REGRA DO HIATO.
    C-)Os vocábulos "caminho" e "sorriso" não apresentam o mesmo número de fonemas. FALSO PORQUE CAMINHO E SORRISO TÊM 7 LETRAS, MAS 6 FONEMAS POR CONTA DOS DÍGRAFO (NH E RR) = 1 SOM.
    D-)Em esclarecia e continuarem, os morfemas destacados são, respectivamente, radical e desinência modotemporal. O PRIMEIRO ESTÁ CERTO, MAS O SEGUNDO NÃO. SÓ A LETRA"R" DA PALAVRA CONTINUAREM É A DESINÊNCIA MODOTEMPORAL DO FUTURO DO SUBJUNTIVO.
    E-)Na passagem "As estrelas eram tantas que pareciam confetes e lantejoulas," (l. 5-6), o vocábulo destacado é conjunção subordinativa integrante. DICA: QUANDO EU VIR NA PRIMEIRA ORAÇÃO AS PALAVRAS,TÃO, TAL, TANTO (A) E TAMANHO (A), O "QUE" NA SEGUNDA ORAÇÃO VAI INTRODUZIR UMA CONSEQUÊNCIA, A CHAMADA ORAÇÃO SUBORDINADA ADVERBIAL CONSECUTIVA (VEM DE CONSEQUÊNCIA).
    OBS: A SUBORDINATIVA INTEGRANTE INTRODUZ AS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS E NÃO AS ADVERBIAIS.

  • b-

    Quando 2 vogais estão juntas, o encontro vocálico ocorre. Quando estão em sílabas diferentes, ocorre hiato, o qual exige acentuação

  • a) 

    Substantivo + Adjetivo - ambos variam: águas-vivas. 
    Verbo + Substantivo - somente o segundo termo varia: guarda-roupas.

     

    b) 

    Regra do hiato.

     

    c)

    Ambos apresentam seis fonemas.

     

    d)

    Esclarecia: radical.
    Continuarem: desinência modotemporal.

     

    e)

    Que precedido de tão, tal, tanto, tanta, tantos, tantas, tamanho e tamanha é conjunção subordinativa adverbial consecutiva.

     

    OBS:

     

    A conjunção subordinativa integrante introduz orações subordinadas substantivas.

  • Resumo Acentuação e Ortografia:

    Monossílabos:

    Terminados em A(s),E(s),O(s) : pá, três, pós;

    Terminadas em Ditongo Aberto: éu, éi, ói: céu, réis, dói;

    Oxítonas:

    Terminadas em A(s),E(s),O(s),Em(s). sofá, café,

    Terminadas em Ditongo Aberto: éu, éi, ói: chapéu, anéis, herói;

    Paroxítonas:

    • Todas, exceto terminadas em A(s),E(s),O(s),Em(s). Ex: fácil, hífen, álbum,

    cadáver, álbuns, tórax, júri, lápis, vírus, bíceps, órfão

    • Terminadas em ditongo (Regra cobradíssima) Ex: Indivíduos, precárias,

    série, história, imóveis, água, distância, primário, indústria, rádio

    • Se tiver Ditongo Aberto: não acentua mais!Ex: boia, jiboia, proteico, heroico

    Proparoxítonas:

    • Todas. Sempre. Ex: líquida, pública, episódica, anencéfalo, período.

    Regra do Hiato:

    Acentuam-se o “i” ou “u” tônico sozinho na sílaba (ou com s): baú,

    juízes, balaústre, país, reúnem, saúde, egoísmo. Caso contrário, não acentue: juiz,

    raiz, ruim, cair.

    Não se acentuam também hiatos com vogais repetidas: voo, enjoo, creem, leem, saara,

    xiita, semeemos.

    Exceção1: “i” seguido de NH: rainha, bainha, tainha,

    Exceção2: “i” ou “u” antecedido de ditongo, se a palavra não for oxítona: bocaiuva,

    feiura, sauipe, Piauí, tuiuiú. Decore: Guaíba e Guaíra são acentuados.

    FONTE: Professor Filipe Luccas - Estratégia concursos.


ID
29815
Banca
FCC
Órgão
TRE-PI
Ano
2002
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Instruções para as questões de números 1 a 11.

Assinale, na folha de respostas, a alternativa que
preenche corretamente as lacunas da frase apresentada.

Se não surgirem ......, fecharei o contrato por ...... mil reais.

Alternativas
Comentários
  • Empecilho - impedimento
    Seiscentos.
  • Associar EMpecilho com IMpedimento não dá muito certo pelo fato de Impedimento ter I, o que pode levar a considerar-se Impecilho como o certo.

    Prefiro fazer a associação de EMpecilho com EStorvo ou EMbaraço, ambas com "E"

    Fica aí a dica =)
  • 600 = seiscentos OU SEJA:

    SEIS ...CENTOS

    100 + 100 + 100 + 100 + 100 + 100 = seisCENTOS

    ; >)

  • Pecilho é um sujeito SURDO.

    - Né Pecilho?

    - Hein!?

     

    Hehe...HEinPecilho

    Inventei agora!! kkkkkkk chega d estudar hj.

  • rs.. muito boa essa Rodrigo...não dá pra esquecer mais que é EMpecilho e não impecilho...
  • EMpecilho...EMbaraço...Encrenca... =)

  • empecilhos me lembra... "em pé, logo n cabe o "i". valeus

ID
29818
Banca
FCC
Órgão
TRE-PI
Ano
2002
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Instruções para as questões de números 1 a 11.

Assinale, na folha de respostas, a alternativa que
preenche corretamente as lacunas da frase apresentada.

O conferencista ......-se pelo ......, ...... problemas de trânsito.

Alternativas
Comentários
  • Atraso se escreve com "s", porque deriva de "atrás": atrás - atrasar, atraso, atrasado.

    Pretexto vem do latim praetéxtus, 'ação de pôr diante; ação de encobrir, de disfarçar
  • Escusar - Verbo transitivo - Desculpar-se por uma falta.
  • O verbo ESCUSAR, nesse contexto, exerceu função de verbo pronominal:
    v. pron.
    7. Desculpar-se; dispensar-se.

     
    PRETEXTAR - verbo transitivo
    Tomar por pretexto; alegar como desculpa.

    ATRASO

    s. m.
    1. !Ato ou efeito de atrasar ( atrasar VEM DE atrás + -ar - verbo transitivo - demorar)
     
  • LEMBRE-SE (E NUNCA MAIS ERRE):

    ATRASADO É QUEM ESCREVE ATRASADO COM Z.
  • Lembrar de sua tradução em inglês (excuse) nos faz errar a questão!!
  • ESCUSAR VEM DO VERBO DESCULPAR ------ portanto, com S. ( para não esquecer )
  • Errei essa questão, pois excusou nem existe, gostei da dica da Carolina Aguiar.

  • Sinônimos de Escusar

    Escusar é sinônimo de: evitar, perdoar, poupar, negar, relevar, desculpar, justificar, remitir

     

     

    Significado de Excusar

    v. Grafia antiga e atualmente incorreta. Forma atual e correta: escusar.
    (Etm. talvez forma derivada de escusar)

  • a grafia com X está incorreta (eXcusar ) isso ocorre por ser uma grafia antiga, atualmente, agora grafada com S (eScusar).

ID
35119
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
TRE-GO
Ano
2005
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Assinale a opção gramaticalmente incorreta.

Alternativas
Comentários
  • "passou à ocupar"

    Não se usa crase antes de verbo.

  • o TSE instalou --> errado
    o TSE se instalou --> certo


    ...passou à ocupar...
    não vai crase antes de verbo
  • Letra c.

    Não se usa crase antes de verbo! 

    ...à ocupar (errado)

    ...a ocupar (certo)

  •  c) Em 22 de abril de 1960, um dia após sua transferência para a capital federal, o TSE [se] instalou [se] na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, onde funcionou até 1971, quando passou à ocupar sede própria na mesma cidade, na Praça dos Tribunais Superiores, onde permanece até hoje.

     

    No verbo instalar, pode haver a próclise ou ênclise, tanto faz.

  • Gab. C

    [...] o TSE instalou na Esplanada dos Ministérios...

    Causou uma ambiguidade, pois dá a entender que o TSE instalou algo na Esplanada, porém o TSE SE instalou no local, esse foi um dos erros da questão.

  • Diante de ação, crase é marcação.

  • Comecei a ler o enunciado e selecionei a palavra "INCORRETA": até aí tudo bem.

    Parti para as assertivas e fui considerando tudo correto (A, B)...

    Cheguei na assertiva "C", já eliminei de cara ( à ocupar - antes de verbo não há crase).

    Isso ocorreu pq eu já tinha me perdido do enunciado que queria a assertiva INCORRETA!

    Depois de alguns minutos de muita luta para marcar a assertiva correta, voltei ao enunciado e marquei a assertiva "C".

    Acertei pq li novamente o comando da questão.

    Resumindo: eu erro muitas questões de marque a "INCORRETA"!

    Mesmo focando no comando "assinale a incorreta", por uma distração, eu erro a questão.

    Isso também acontece com vocês?

  • Não se usa crase antes de verbo.

  • Crase antes de verbo expressamente proibido....


ID
37711
Banca
FCC
Órgão
TJ-PA
Ano
2009
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Atenção: A questão baseia-se no texto apresentado abaixo.

Liberdade minha, liberdade tua
     Uma professora do meu tempo de ensino médio, a propósito de qualquer ato de indisciplina ocorrido em suas aulas, invocava a sabedoria da frase “A liberdade de um termina onde começa a do outro". Servia-se dessa velha máxima para nos lembrar limites de comportamento. Com o passar do tempo, esqueci-me de muita coisa da História que ela nos ensinava, mas jamais dessa frase, que naquela época me soava, ao mesmo tempo, justa e antipática. Adolescentes não costumam prezar limites, e a ideia de que a nossa (isto é, a minha...) liberdade termina em algum lugar me parecia inaceitável. Mas eu também me dava conta de que poderia invocar a mesma frase para defender aguerridamente o meu espaço, quando ameaçado pelo outro, e isso a tornava bastante justa... Por vezes invocamos a universalidade de um princípio por razões inteiramente egoístas.

    Confesso que continuo achando a frase algo perturbadora, provavelmente pelo pressuposto que ela encerra: o de que os espaços da liberdade individual estejam distribuídos e demarcados de forma inteiramente justa. Para dizer sem meias palavras: desconfio do postulado de que todos sejamos igualmente livres, ou de que todos dispomos dos mesmos meios para defender nossa liberdade. Ele parece traduzir muito mais a aspiração de um ideal do que as efetivas práticas sociais. O egoísmo do adolescente é um mal dessa idade ou, no fundo, subsiste como um atributo de todas?

     Acredito que uma das lutas mais ingentes da civilização humana é a que se desenvolve, permanentemente, contra os impulsos do egoísmo humano. A lei da sobrevivência na selva - lei do instinto mais primitivo - tem voz forte e procura resistir aos dispositivos sociais que buscam controlá-la. Naquelas aulas de História, nossa professora, para controlar a energia desbordante dos jovens alunos, demarcava seu espaço de educadora e combatia a expansão do nosso território anárquico. Estava ministrando-nos na prática, ao lembrar os limites da liberdade, uma aula sobre o mais crucial desafio da civilização.

                                                                                                                          (Valdeci Aguirra, inédito)




Está clara e correta esta nova redação de uma frase do texto:

Alternativas
Comentários
  • Significado de Tergiversação:s.f. Ato ou efeito de tergiversar; hesitação, vacilação; dubiedade, evasiva.Sinônimos de Tergiversação:Tergiversação: escapatória, evasiva, evasão, fuga e subterfúgioDefinição de Tergiversação:Classe gramatical de tergiversação: Substantivo femininoSeparação das sílabas de tergiversação: ter-gi-ver-sa-çãoPlural de tergiversação: tergiversaçõesFrase na imprensa com tergiversação"Para a deputada Stela Farias (PT), que presidirá a comissão, o governo quer constituir uma "tropa de choque" na CPI e não tem interesse na investigação dos fatos. Ela disse que as críticas de Wenzel à ação são "pura tergiversação" e que no processo há falas de vários agentes políticos referindo-se a Yeda."
  • Comentário objetivo:

    a) Ela atribuía o sentido da velha frase ao propósito de refrear nossos atos de fraglante FLAGRANTE indisciplina.

    b) Ao ouvir aquela frase, DE que nunca mais me esqueci, soava-me a um só tempo tão justa quanto antipática. OBS: Além desse erro, a frase encontra-se mal estruturada, perdendo sua coesão.

    c) O que essa frase me causa espécie está na pressuposição de haver nela uma justa distribuição dos espaços de liberdade. OBS: A frase encontra-se mal estruturada, perdendo sua coesão.

    d) Afirmo, sem tergiversar: custa-me crer que disponhamos todos dos mesmos meios para preservar nossa liberdade. PERFEITA!

    e) Com vistas ao controle de nossos ímpetos, ela se propunha A debelar-se contra o nosso insipiente anarquismo.

  • a)Ela atribuía o sentido da velha frase ao propósito de refrear nossos atos de fraglante  flagrante indisciplina.

    b)Ao ouvir aquela frase, de que nunca mais me esqueci, soava-me a um só tempo tão justa quanto antipática. (nunca mais me esqueci de alguma coisa)

    c) O que essa frase me causa espécie está na pressuposição de haver nela uma justa distribuição dos espaços de liberdade. (sem sentido a redação da frase)

    d) Com vistas ao controle de nossos ímpetos, ela se propunha a debelar-se contra o nosso insipiente anarquismo. (ela se propunha a alguma coisa)

  • Na verdade, a alternativa C não está mal estruturada, a correção a ser feita é a seguinte:
     
    O que NESSA frase me causa espécie está na pressuposição de haver nela uma justa distribuição dos espaços de liberdade. 
  • LETRA D
    Discordo do colega acima quanto a letra e. O verbo "porpor" possui as duas transitividades. Acredito que o erro esteja no uso do verbo "debelar", que não é pronominal - usado inapropriadamente, talvez por semelhança com o verbo "rebelar". Segundo o Aulete Digital, "debelar" é:
    "1  Vencer numa guerra ou luta com armas, derrotar; impor sua vontade ou autoridade sobre (alguém) pelo uso da força, dominar; conter, reprimir (ação de opositor): Os policiais debelaram a rebelião. 
     2
      Pôr fim a (algo ruim) (tb. Fig.); EXTINGUIR: debelar fogo: debelar doença: "...arrimando o firme pensar, debelava a tristeza e aflição de ideias." (João Guimarães Rosa, Estas estórias): "Assim, debelariam os médicos as moléstias regionais..." (Cecília Meireles, Crônicas de educação 1)".
    E segundo o Houaiss 3.0:
    "1 vencer em luta armada; derrotar, sujeitar Ex.: os aliados debelaram o inimigo   2 (Derivação: por metáfora.) anular ação ou efeito de (algo considerado maléfico); extinguir, reprimir, suplantar Exs.: d. uma doença, uma crise, uma quadrilha; d. um sistema econômico".
  • InCipiente = IniCiante

    InSipiente = Ignorante

  • Trocar flagrante por "fraglante" é sacanagem. 

  • Gente, a letra D não faz sentido algum... 

  • a)Ela atribuía o sentido da velha frase ao propósito de refrear nossos atos de fraglante indisciplina. FLAGRANTE

     b)Ao ouvir aquela frase, que nunca mais me esqueci, soava-me a um só tempo tão justa quanto antipática. VTI +DE

     c)O que essa frase me causa espécie está na pressuposição de haver nela uma justa distribuição dos espaços de liberdade.

     d)Afirmo, sem tergiversar: custa-me crer que disponhamos todos dos mesmos meios para preservar nossa liberdade.

     e)Com vistas ao controle de nossos ímpetos, ela se propunha debelar-se contra o nosso insipiente anarquismo. VTI+ A

  • InCipiente = IniCiante

    InSipiente = Ignorante


ID
37720
Banca
FCC
Órgão
TJ-PA
Ano
2009
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Atenção: A questão baseia-se no texto apresentado abaixo.

Liberdade minha, liberdade tua
     Uma professora do meu tempo de ensino médio, a propósito de qualquer ato de indisciplina ocorrido em suas aulas, invocava a sabedoria da frase “A liberdade de um termina onde começa a do outro". Servia-se dessa velha máxima para nos lembrar limites de comportamento. Com o passar do tempo, esqueci-me de muita coisa da História que ela nos ensinava, mas jamais dessa frase, que naquela época me soava, ao mesmo tempo, justa e antipática. Adolescentes não costumam prezar limites, e a ideia de que a nossa (isto é, a minha...) liberdade termina em algum lugar me parecia inaceitável. Mas eu também me dava conta de que poderia invocar a mesma frase para defender aguerridamente o meu espaço, quando ameaçado pelo outro, e isso a tornava bastante justa... Por vezes invocamos a universalidade de um princípio por razões inteiramente egoístas.

    Confesso que continuo achando a frase algo perturbadora, provavelmente pelo pressuposto que ela encerra: o de que os espaços da liberdade individual estejam distribuídos e demarcados de forma inteiramente justa. Para dizer sem meias palavras: desconfio do postulado de que todos sejamos igualmente livres, ou de que todos dispomos dos mesmos meios para defender nossa liberdade. Ele parece traduzir muito mais a aspiração de um ideal do que as efetivas práticas sociais. O egoísmo do adolescente é um mal dessa idade ou, no fundo, subsiste como um atributo de todas?

     Acredito que uma das lutas mais ingentes da civilização humana é a que se desenvolve, permanentemente, contra os impulsos do egoísmo humano. A lei da sobrevivência na selva - lei do instinto mais primitivo - tem voz forte e procura resistir aos dispositivos sociais que buscam controlá-la. Naquelas aulas de História, nossa professora, para controlar a energia desbordante dos jovens alunos, demarcava seu espaço de educadora e combatia a expansão do nosso território anárquico. Estava ministrando-nos na prática, ao lembrar os limites da liberdade, uma aula sobre o mais crucial desafio da civilização.

                                                                                                                          (Valdeci Aguirra, inédito)




É preciso corrigir, por incoerente, a redação da seguinte frase:

Alternativas
Comentários
  • a) A menos que se considere a realidade prática, nos ideais buscamos projetar os valores que a aperfeiçoam.
  • Comentário objetivo:

    A alternativa incorreta (incoerente) é a alternativa A, que deveria ser escrita da seguinte forma:

    a) A menos que se considere a realidade prática, nos ideais buscamos projetar os valores que a OS (ideais) aperfeiçoariam.

  • discordo do amigo...

    a) a menos que se considere a realidade prática, nos ideais BUSCAREMOS projetar os valores que a aperfeiçoarim.

    o "a" está correto, se refere a "realidade prática"
  • A) A menos que se considerasse (pretérito imperfeito do subjuntivo) a realidade prática, nos ideais buscamos projetar os valores que a aperfeiçoariam (futuro do pretérito). 



    Obs: nesse caso, deve-se atentar para a correlação dos tempos verbais.  



    Bons estudos!
  • FCC te amo

  • Apesar de haver 3 comentários dados como mais úteis do que o de João Filho (até este momento), o correto é o dele.

  • Letra A

    A menos que se considere a realidade prática, nos ideais buscamos projetar os valores que A APERFEIÇOE.

  • É preciso corrigir, por incoerente, a redação da seguinte frase:


ID
37750
Banca
FCC
Órgão
TJ-PA
Ano
2009
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Atenção: A  questão,  baseiam-se no texto apresentado abaixo. 

                                                Acerca de Montaigne 

     Montaigne, o influente filósofo francês do século XVI, foi um conservador, mas nada teve de rígido ou estreito, muito menos de dogmático. Por temperamento, foi bem o contrário de um revolucionário; certamente faltaram-lhe a fé e a energia de um homem de ação, o idealismo ardente e a vontade. Seu conservadorismo aproxima-se, sob certos aspectos, do que no século XIX viria a ser chamado de liberalismo. 
     Na concepção política de Montaigne, o indivíduo deve ser deixado livre dentro do quadro das leis, e a autoridade do Estado deve ser a mais leve possível. Para o filósofo, o melhor governo será o que menos se fizer sentir; assegurará a ordem pública sem invadir a vida privada e sem pretender orientar os espíritos. Montaigne não escolheu as instituições sob as quais viveu, mas resolveu respeitá-las, a elas obedecendo fielmente, como achava correto num bom cidadão e súdito leal. Que não lhe pedissem mais do que o exigido pelo equilíbrio da razão e pela clareza da consciência. 

                                                                  (Adaptado da introdução aos Ensaios, de Montaigne. Trad.
                                                                       de Sergio Milliet. S. Paulo: Abril, Os Pensadores, 1972.) 

Está clara e correta a redação do seguinte comentário sobre o texto:

Alternativas
Comentários
  • creio que o erro da alternativa ``e`` seja a colocacao pronominal, pois a regra diz que, quando usamos o pronome pessoal reto ou o sujeito expresso, a próclise é obrigatória.

    assim temos:

    e) Montaigne (sujeito expresso) pronuncia-se se pronuncia contra as restrições, quando as mesmas ocorrem na vida privada, com exigências contrárias à razão de sua consciência.

  • Homer, acho que voce está equivocado.
    Pronomes pessoais e de tratamento não são atrativos, porém ACEITAM (e não exigem) a próclise quando forem sujeito expresso. (sujeito expresso, ao contrário do que foi exposto por você, não exige próclise, apenas a aceita)

    Exemplo "clássico"

    Ele casou-se (não atrai o pronome)
    Ele se casou (mas como é sujeito expresso na oração, aceita a próclise)


    Perguntaram a um profressor se o correto era "ele se casou" ou "ele casou-se", e resposta foi:
    "Tanto faz, de qualquer forma ele se lascou-se"
    :P
  • GABARITO D. O aspecto liberal do pensamento de Montaigne revela-se, sobretudo, quando defende a esfera individual e os valores da vida privada.
  • acredito que os erros sejam os seguintes:
    a) encontraM-se
    b) admitiA
    c) viGentes
    d) CORRETO
    e) "as mesmas" não pode ser utilizada

    fundamentação da letra "e":
    segundo RODRIGO BEZERRA: "é condenável o emprego dos demonstrativos "mesmo(s), mesma(s)"em função substantiva. Tal fato se dá, porque não são próprias de tais pronomes funções como 'sujeito, objeto direto, objeto indireto, complemento nominal etc.' "
    lembrando que pronome substantivo é aquele usado para substituir o pronome, enquanto que o pronome adjetivo é aquele usado apenas para acompanhar o nome. na letra "e" a expressão "as mesmas" substitui "restrições", o que faz com que seja um pronome substantivo. como dito acima, nesses casos não se deve usar o pronome "mesmo(s), mesma(s)".
  • Alguém me tira uma dúvida por obséquio. 

    • d) O aspecto liberal do pensamento de Montaigne revela-se, sobretudo, quando defende a esfera individual e os valores da vida privada.
    A vírgula não afasta pronome? Por que o correto não seria se revela ao invés de revela-se?

  • Caro Guilherme,


    acerca do uso da vírgula na opção "d": o uso da vírgula vai ser permitido em termos explicativos, conclusivos, enfáticos, retificativos.

  • Letra E:  Montaigne pronuncia-se contra as restrições, quando as mesmas ocorrem na vida privada, com exigências contrárias à razão de sua consciência.

    Via  de  regra,  a  oração  subordinada  adverbial,  quando posposta à oração principal, será iniciada por vírgula facultativamente.

  • A) Como sugere o autor do texto, encontra-se em Montaigne raízes de um pensamento liberal, vindo a se constituir propriamente no século XIX.

    ENCONTRAM-SE = PA = CONCORDA COM O OBJETO RAÍZES

    Não sei se estou certa, mas não entedi esse EM

     b) Ainda quando não admitisse interferência do Estado na vida privada, de modo algo paradoxal, Montaigne obedecia lealmente a essas leis. ADMITIA

     c)Se Montaigne não foi responsável pelas instituições vijentes, por outro lado também as acatava, como súdito bom e fiel que prezava ser. VIGENTES LEMBREI DE VIGOR

     d)O aspecto liberal do pensamento de Montaigne revela-se, sobretudo, quando defende a esfera individual e os valores da vida privada.

     e)Montaigne pronuncia-se contra as restrições, quando as mesmas ocorrem na vida privada, com exigências contrárias à razão de sua consciência. NAÕ PODE ISSO

  • A letra e) está errada, pois não se deve usar a palavra "mesmo" como pronome pessoal.

     

     

    melhor construção seria dispensar "AS MESMAS" ou substituir a expressão por ELAS:

     

    Montaigne pronuncia-se contra as restrições, quando ocorrem na vida privada, com exigências contrárias à razão de sua consciência.

     

    Montaigne pronuncia-se contra as restrições, quando elas ocorrem na vida privada, com exigências contrárias à razão de sua consciência.

     

     

     

  • SOBRE O ERRO DA LETRA ''E'':

    As expressões ''os mesmos'' e ''os próprios'' podem atuar como pronomes de REFORÇO, jamais como pessoais.

    Ex: Ela mesma/própria fez o bolo.

    Ex: Eles mesmos/próprios comandaram o protesto.

    Observem que, como o próprio nome sugere, eles têm a função de dar ênfase à ideia e, por conseguinte, são DESCARTÁVEIS da estrutura.

    No entanto, em ''Montaigne pronuncia-se contra as restrições, quando AS MESMAS ocorrem (...)'', ''as mesmas'', ao SUBSTITUIR ''restrições'', funciona como pronome pessoal, o que é condenado pela norma-padrão da língua portuguesa. 

    O mais adequado para a correção gramatical seria, pois, ''Montaigne pronuncia-se contra as restrições, quando ELAS ocorrem na vida privada, com exigências contrárias à razão de sua consciência''.

  • Na letra e "as mesmas" não pode ser usado pra retomar algo dito anteriormente, erro muito cometido por todos nós por sinal


ID
44302
Banca
ESAF
Órgão
Receita Federal
Ano
2009
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Assinale a opção que corresponde a erro gramatical ou de grafia.

A economia brasileira entrou na crise internacional em melhores condições do que(1) no passado, mas a exportação caiu, a atividade recuou desde o(2) fim de 2008 e o desemprego tem(3) crescido. As primeiras tentativas de reativar a economia por meio de facilidades fiscais deram resultado modesto, mas já(4) afetaram a arrecadação tributária. Além disso, o manejo da política orçamentária foi limitado pelo aumento de gastos com pessoal. É preciso continuar usando os estímulos fiscais, mas com melhor planejamento e com mais esforço de contensão(5) das despesas improdutivas. (O Estado de S. Paulo, 3/3/2009)

Alternativas
Comentários
  • Contensãos. f.1. Grande aplicação intelectual.2. Grande esforço para adquirir um conhecimento.Contençãos. f.Ato ou efeito de conter ou de se conter. = refreamento.
  • No Grande Dicionário da Língua Portuguesa, de José Pedro Machado, surgem as duas formas, mas permanecem as dúvidas: «Contenção, s.f., acto de contender; contenda, luta, competência; briga, litígio; disputa, debate. Esforço, tensão, aplicação; atenção.» «Contensão, s.f., grande aplicação, grande esforço de espírito para adquirir um conhecimento ou remover uma dificuldade.»
  • Emprega-se Ç:
    - Na correlação ter --> tenção:
    . abster : abstenção
    . conter : contenção
    . deter : detenção
    . obter : obtenção
    . reter : retenção
    Um dia nossa hora chega, força !!


  • Eu creio!
  • AMÉM...
  • Usa-se 'Ç' nas palavras com 'T' no radical:

    exceto - exceção

    setor - seção

    conter - contenção

  • Emprega-se C (Ç) em palavras derivadas do verbo "Ter". 

    Exemplo: ater, atenção; abster, abstenção; conter, contenção.

  • A palavra contenção pode significar uma discussão ou um impedimento, algo contido. A palavra contensão significa um grande esforço intelectual.

     

    http://duvidas.dicio.com.br/contencao-ou-contensao/

  • Contensão - Contenção
  • Claro que tem diferença, empresa que produz no país pode ser qualquer uma, empresa brasileira é aquela que tem CNPJ daqui.

    Enfim, acho que 11 anos depois você já deve ter mudado de opinião rs


ID
67453
Banca
ESAF
Órgão
Receita Federal
Ano
2009
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Assinale a opção que preenche corretamente as lacunas do texto abaixo.


Assinale a opção que preenche corretamente as lacunas do texto abaixo. O tema espinhoso da conferência de dezembro em Copenhague será a redução de emissões __1__ desmatamento e degradação de florestas, conhecida como Redd (ao apodrecer ou queimar, a madeira lança CO2 no ar). Redd é uma maneira barata de reduzir emissões, __2__ restringe só atividades predatórias, como a pecuária extensiva de baixa rentabilidade. O Brasil poderia obter bons recursos no mercado mundial de carbono, pois vem reduzindo o desflorestamento. Brasília, contudo, aceita apenas doações voluntárias __3__ compensação pelo desmatamento evitado. Resiste __4__ converter o ativo em créditos negociáveis, argumentando que países ricos se safariam de suas obrigações pagando pouco pelo “direito de poluir” (créditos de carbono Redd que inundariam o mercado). Para impedir o desvio, bastaria acordar um teto para os créditos Redd. Por exemplo, 10% do total de reduções. Para usufruir desse mercado, o Brasil precisaria recalcular quanto produz, hoje, de poluição __5__ desmatamento.
(Folha de S. Paulo, Editorial, 31/8/2009)

Alternativas
Comentários
  • Analisando o item 1 já podemos chegar na resposta da questão:"a reduação de emissões ___ desmatamento e degradação de florestas".Note que desmatamento e degradação estão em paralelismo sintático, e se não ha artigo em degradação, também não ha em desmatamento. Portanto já eliminamos as letras A, C e E. A letra D serviria se os termos estivessem no plural: "a reduação de emissões EM desmatamentos e degradações de florestas".Sobra a letra B, que é o gabarito !!
  • Outra maneira seria resolvendo apenas o item 4, referente à crase: "Resiste a converter o ativo...". Sabemos que não há crase antes de verbos, logo, letra B é a correta, uma vez q as outras opções não encaixam corretamente.

  • B) POR, POIS, COMO, A, COM O.

    Correta letra B
    Bons Estudos !!!
  • Essa questão dá para resolver só pelo último termo: COM O . Nenhuma das outras alternativas cabe no contexto da frase.
  • Também só consegui resolver a questão com o ultimo termo... COM O

  • Eu também, na 2 pensei que colocaria embora, mas cheguei na 5 e marquei a certa.

  • HAaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa questão enrolou muito... é isso que temos que fazer pra ganhar 20 mil no Brasil? Parece divertido! O problema é o tempo.

     

     

  • 1-por 2-pois 3-como 4-a 5-com o


ID
72883
Banca
FCC
Órgão
TRT - 3ª Região (MG)
Ano
2005
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

A tribo que mais cresce entre nós

A nova tribo dos micreiros* cresceu tanto que talvez já não
seja apenas mais uma tribo, mas uma nação, embora a
linguagem fechada e o fanatismo com que se dedicam ao seu
objeto de culto sejam quase de uma seita. São adoradores que
têm com o computador uma relação semelhante à do homem
primitivo com o totem e o fogo. Passam horas sentados, com o
olhar fixo num espaço luminoso de algumas polegadas,
trocando não só o dia pela noite, como o mundo pela realidade
virtual.

Sua linguagem lembra a dos funkeiros** em quantidade de
importações vocabulares adulteradas, porém é mais ágil e rica,
talvez a mais rápida das tribos urbanas modernas. Dança quem
não souber o que é BBS, modem, interface, configuração,
acessar e assim por diante. Alguns termos são neologismos e,
outros, recriações semânticas de velhos significados, como
janela, sistema, ícone, maximizar.
No começo da informatização das redações de jornal,
houve um divertido mal-entendido quando uma jovem repórter
disse pela primeira vez: "Eu abortei!". Ela acabava de rejeitar
não um filho, mas uma matéria. Hoje, ninguém mais associa
essa palavra ao ato pecaminoso. Aborta-se tão impune e
freqüentemente quanto se acessa.
Nada mais tem forma e sim "formatação". Foi-se o tempo
em que "fazer um programa" era uma aventura amorosa. O
"vírus" que apavora os micreiros não é o HIV, mas uma
intromissão indevida no "sistema", outra palavra cujo sentido
atual nada tem a ver com os significados anteriores. A geração
de 68 lutou para derrubar o sistema; hoje o sistema cai a toda
hora.

Alguns velhos homens de letras olham com preconceito
essa tribo, como se ela fosse composta apenas de jovens, e
ainda por cima iletrados. É um engano, porque há entre os
micreiros respeitáveis senhoras e brilhantes intelectuais. Falar
mal do computador é tão inútil e reacionário quanto foi quebrar
máquinas no começo da primeira Revolução Industrial. Ele veio
para ficar, como se diz, e seu sucesso é avassalador. Basta ver
o entusiasmo das adesões.

(Zuenir Ventura, Crônicas de um fim de século)

* micreiros = usuários de microcomputador.
** funkeiros = criadores ou entusiastas da música funk.

Estão corretos o emprego e a grafia de todas as palavras da frase:

Alternativas
Comentários
  • As correções são:a) perniciososb) incorporação-induzc) corretad) vocabulárioe) apocalipse-pesquisador
  • a) É costume discriminar-se os jovens, e a razão maior está em serem jovens, e não em alguns de seus hábitos que fossem em si mesmos PERNICIOSOS. b) A INCORPORAÇÃO de um novo léxico é uma das conseqUências de todo amplo avanço tecnológico, já que este INDUZ à criação ou recriação de palavras para nomear novos referentes. c) CORRETA. d) Os MAL-entendidos são fatais quando ainda não se tem destreza numa nova linguagem, quando ainda não se está familiarizado com um novo VOCABULÁRIO. e) Muita gente letrada e idosa aderiu ao uso do computador, considerando-o não um sinal do APOCALIPSE, mas uma ferramenta revolucionária na execução de tarefas, um instrumento útil para qualquer PESQUISADOR.
  • Somente organizando os comentários anteriores e atualizando a resposta conforme Novo Acordo Ortográfico.

    Gabarito: Assertiva c)

    a) É costume discriminar-se os jovens, e a razão maior está em serem jovens, e não em alguns de seus hábitos que fossem em si mesmos (pernisciosos) perniciosos.
    b) A (encorporação) incorporação de um novo léxico é uma das (conseqüências) consequências de todo amplo avanço tecnológico, já que este (indus) induz à criação ou recriação de palavras para nomear novos referentes.
    c) Um pequeno glossário, capaz de elucidar a nova terminologia da informática, contribui muito para afastar os percalços do caminho dos usuários iniciantes, aturdidos com tanta novidade.
    d) Os (maus-entendidos) mal-entendidos são fatais quando ainda não se tem destreza numa nova linguagem, quando ainda não se está familiarizado com um novo (vocabulario) vocabulário.
    e) Muita gente letrada e idosa aderiu ao uso do computador, considerando-o não um sinal do (apocalípse) apocalipse, mas uma ferramenta revolucionária na execução de tarefas, um instrumento útil para qualquer (pesquizador) pesquisador.

  • Letra D: Mal-entendidos seria um advérbio, portanto:

    3) Verbo / Advérbio / Interjeição:  
    São  elementos  invariáveis,  portanto,  quando  formarem  um  substantivo
    composto, continuarão invariáveis.
    pica-pau = pica-paus  beija-flor = beija-flores
    alto-falante = alto-falantes  abaixo-assinado = abaixo-assinados
    salve-rainha = salve-rainhas  ave-maria = ave-marias


ID
74263
Banca
FCC
Órgão
TRT - 22ª Região (PI)
Ano
2004
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Leis para indigentes morais

Acaba de chegar a Massachussets um grupo de
adolescentes sudaneses que viajaram diretamente da Idade da
Pedra, ou quase, para a América do século XXI. São cinco mil
refugiados, que estão sendo distribuídos pelos EUA. Para
muitos, a viagem de avião é a primeira experiência em um
transporte motorizado.

Qual será o maior estranhamento para esses
jovens? A neve e a calefação? Os celulares? A Internet? (...)
O susto virá da quantidade de leis formais
detalhadas e explícitas que regram a vida americana, enquanto
a vida da tribo era regrada por poucas normas quase sempre
implícitas - ou seja, pela confiança de todos numa moral
comum tácita.

Nossas leis tornam-se cada vez mais detalhadas,
pois há a idéia de que um código exaustivo garantiria o
funcionamento de uma comunidade justa. De fato, essa
proliferação revela a angústia de uma cultura insegura de suas
opções morais. Por sermos indigentes morais, compilamos uma
casuística da qual esperamos que diga exatamente o que fazer
em cada circunstância. O dito legalismo da sociedade
americana, tão freqüentemente denunciado, é apenas o sinal
dessa indigência.

A tentativa de animar uma comunidade por uma
lengalenga de leis testemunha a fraqueza do vínculo social. Não
podemos confiar numa inspiração moral compartilhada, por isso
inventamos regras para ter, ao menos, muitas obrigações
comuns.

(Contardo Calligaris, Terra de ninguém. S. Paulo: Publifolha,
2004, pp. 66/68)

Quanto à ortografia, está inteiramente correto o que se lê em:

Alternativas
Comentários
  • (a) alternativa correta(b)erro: catalizando. Grafia correta: catalisando(c)erro: irsurjimos. Grafia correta: insurgimos(d)erro: vijem. Grafia correta: vigem (verbo viger)(e)erro: primasia. Grafia correta: primaziaespero ter ajudado
  • Ademais segue o erro na letra D)A lengalenga de leis, em que se vão transformando...Lengalenga conforme regra gramatical os compostos formados com elementos repetidos, com ou sem alternâcia vacálica ou consonântica, por serem compostos representados por formas substantivas sem elemento de ligação, ficará: lenga-lenga, somente os derivados, entretanto, não serão hifenados Ex: lengalengar.
  • Item (B) : O erro encontra-se na palavra “catalizando”.
    Ela deriva de catálise (= combinação entre certos elementos, de modo a
    provocar um processo de mudança), já com S. As palavras derivadas devem
    manter essa letra.

    Item (C)
    : Grafa-se com G o verbo insurgir (= rebelar(-se) contra a
    ordem estabelecida, ou seu(s) representante(s); revoltar(-se); insubordinar(-
    se); revolucionar(-se)). Em suas flexões, tal letra deverá ser mantida, esceto
    diatne de A ou O: nós nos insurjamos; eu me insurjo.

    Item (D):  Recomendação semelhante vale também para o verbo viger
    (= vigorar). Tradicionalmente considerado verbo defectivo, tem ocorrido,
    todavia, também no presente do subjuntivo: ...para que a lei vija...

    Itens errados
  • Acrescentando (ainda que não seja tema da questão): PREFERÊNCIA (está correto na letra "e", mas como cai muito): PREFERÊNCIA A ou POR. 

    Preferir mais, não existe - ninguém prefere menos. É, portanto, uma redundância. Quem prefere prefere alguma coisa “a” outra.


  • Na letra D faltou ressaltar um erro na palavra "lengalenga", por ser repetida deveria vir separada por hífen: lenga-lenga.

  • A) Não terão sido expatriados esses cinco mil jovens sudaneses? Por vezes, a palavra refugiados é utilizada de maneira meio eufêmica.

    alternativa correta letra A

    B) Países do primeiro mundo acabam catalizando migrações em massa. Do ponto de vista da população local, essas levas de migrantes quase nunca são bem-vindas.

    CATALISANDO VEM DO VERBO CATALISAR ESCRITO COM "S" E NÃO COM "Z"

    C) Nós não nos insurjimos contra esse despropositado aparato de leis porque não temos quaisquer convicções quanto aos nossos fundamentos morais.

    A PALAVRA INSURGIR VEM DE SURGIR, CORRETAMENTE ESCRITO COM G.

    D) A lengalenga de leis, em que se vão transformando nossos códigos, opõe-se à concisão das normas que vijem de modo implícito na sociedade sudanesa.

    A PALAVRA VIGEM VEM DE VIGOR ESCRITA COM G.

    E) O autor do texto deplora nossos códigos casuísticos. Ele manifesta clara preferência pela primasia dos valores morais comuns, e não das obrigações regulamentadas.

    PRIMAZIA E ESCRITO CORRETAMENTE COM Z, EM SUA FORMA PRIMAL PRIMEIRO NÃO POSSUE S ENTÃO E GRAFADA COM Z.


ID
74458
Banca
FCC
Órgão
TRT - 22ª Região (PI)
Ano
2004
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Há palavras escritas de forma INCORRETA na frase:

Alternativas
Comentários
  • Na alternativa (a) as palavras exceSSão e reiNvidicam estão com a grafia incorreta. Grafia correta: exceção e reivindicam. 
  • Questão desatualizada: de acordo com a nova reforma ortográfia, não se usa mais o trema na língua portuguesa, razão por que a alternativa B também merece reparo.

  • A letra B também está incorreta, pois, não se usa mais trema nas palavras.


ID
74623
Banca
FCC
Órgão
TRT - 21ª Região (RN)
Ano
2003
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Ganhamos a guerra, não a paz

Os físicos se encontram numa posição não muito
diferente da de Alfred Nobel. Ele inventou o mais poderoso
explosivo jamais conhecido até sua época, um meio de
destruição por excelência. Para reparar isso, para aplacar sua
consciência humana, instituiu seus prêmios à promoção da paz
e às realizações pacíficas. Hoje(*), os físicos que participaram
da fabricação da mais aterradora e perigosa arma de todos os
tempos sentem-se atormentados por igual sentimento de
responsabilidade, para não dizer culpa. E não podemos desistir
de advertir e de voltar a advertir, não podemos e não devemos
relaxar em nossos esforços para despertar nas nações do
mundo, e especialmente nos seus governos, a consciência do
inominável desastre que eles certamente irão provocar, a
menos que mudem sua atitude em relação uns aos outros e em
relação à tarefa de moldar o futuro.

Ajudamos a criar essa nova arma, no intuito de impedir
que os inimigos da humanidade a obtivessem antes de nós, o
que, dada a mentalidade dos nazistas, teria significado uma
inconcebível destruição e escravização do resto do mundo.
Entregamos essa arma nas mãos dos povos norte-americano e
britânico, vendo neles fiéis depositários de toda a humanidade,
que lutavam pela paz e pela liberdade. Até agora, porém, não
conseguimos ver nenhuma garantia das liberdades que foram
prometidas às nações no Pacto do Atlântico. Ganhamos a
guerra, não a paz. As grandes potências, unidas na luta, estão
agora divididas quanto aos acordos de paz. Prometeu-se ao
mundo que ele ficaria livre do medo, mas, na verdade, o medo
aumentou enormemente desde o fim da guerra. Prometeu-se ao
mundo que ele ficaria livre da penúria, mas grandes partes dele
se defrontam com a fome, enquanto outras vivem na
abundância. (...)

Possa o espírito que motivou Alfred Nobel a criar sua
notável instituição, o espírito de fé e confiança, de generosidade
e fraternidade entre os homens, prevalecer na mente daqueles
de cujas decisões dependem nossos destinos. Do contrário, a
civilização humana estará condenada.

(Albert Einstein, Escritos da maturidade. Tradução de Maria
Luiza X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1994)

(*) Este texto foi escrito em 1945, logo depois do fim da
II Guerra Mundial.

Está correta a grafia de todas as palavras da frase:

Alternativas
Comentários
  • Alternativa correta letra "B".
    a) A dissuazão do inimigo poderoso, do qual se teme a força da obsessão irracional, pode ocorrer por meio de uma arma de potência inescedível.
    dissuasão-sf (lat dissuasione)1 Ato ou efeito de dissuadir.2Polít Ação organizada por uma potência política para desencorajar a ação de outras.
    A palavra obsessão está correta a grafia.
    inexcedível -adj (in+excedível)1 Que não pode ser excedido.2 Muito grande: Amor inexcedível.
    b) Se as armas não discriminam suas vítimas, não há por que não possam voltar-se contra os que as manejem, alheias aos supostos privilégios de quem as aciona. (CORRETA)
    Discriminar-(lat discriminare)vtd1 Discernir:Discriminar as causas de uma situação.2 Diferençar, distinguir: Já os olhos mal discriminavam os caracteres.
    O por que é separado e pode ser substituído por que razão, por qual razão, por que motivo, pelo qual.
    Manejar e privilégios também estão grafadas corretamente.
    c) A cisânia imposta pelos nazistas aqueles que não foram exterminados está na raiz de alguns conflitos que até hoje prevalescem no Oriente Médio. 
    cizânia-sf (gr zizánion)1Bot O mesmo quejoio.2 Desarmonia, discórdia entre pessoas de amizade.
    prevalecer-(lat praevalescere)vti e vint 1Ter primazia; predominar, superar, vencer:Prevalecia ao contendor.
     d) Em textos suscintos, Einstein promoveu a discussão de temas melindrosos, condenando a todos os que infrinjem as normas democráticas. 
     sucinto-adj (lat succinctu) 1 Que não é prolixo; breve, conciso, em poucas palavras, resumido: Exposição sucinta. 2 Pouco abundante: Jantar sucinto.
    discussão-sf (lat discussione)1 Ato ou efeito de discutir.2 Exame de um assunto por meio de argumentos; argumentação que tem por fim chegar à verdade ou elucidar dificuldades; debate: Da discussão nasce a luz.3 Contenda, disputa.4 Controvérsia, polêmica.

    infringir-(lat infringere) vtd Postergar, quebrantar, transgredir, violar (leis, ordens, tratados).
    e) Einstein admitia dissenções em discussões científicas, mas era intransijente quanto aos valores éticos que devem nortear nossa vida.
    Dissensão-sf(lat dissensione)1 Ato de dissentir.2 Divergência.3 Discrepância.4 Desavença, discórdia.
    Intransigente-(zi)adj+s m+f (in+transigente)1 Que, ou pessoa que não transige.2 Que, ou pessoa que é austera, rigorosa nos princípios.
    Significados extraídos do dicionário Michaelis.
  • a) A dissuasão do inimigo poderoso, do qual se teme a força da obsessão irracional, pode ocorrer por meio de uma arma de potência inexcedível.

    b) CORRETA.

    c) A cizânia imposta pelos nazistas àqueles que não foram exterminados está na raiz de alguns conflitos que até hoje prevalecem no Oriente Médio.

    d) Em textos sucintos, Einstein promoveu a discussão de temas melindrosos, condenando a todos os que infringem as normas democráticas.

    e) Einstein admitia dissensões em discussões científicas, mas era intransigente quanto aos valores éticos que devem nortear nossa vida.


ID
74836
Banca
FCC
Órgão
TRT - 21ª Região (RN)
Ano
2003
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Urbanização abala a saúde de moradores do interior da
Amazônia

Mesmo que aumente o conforto, as conseqüências
do ingresso na vida moderna - com alimentos prontos,
televisão, telefone e máquina de lavar roupa - não são nada
boas para a saúde. Hilton Pereira da Silva, médico e
antropólogo do Museu Nacional, encontrou uma taxa elevada
de hipertensão arterial na população de três comunidades rurais
do Pará que gradativamente deixaram o extrativismo (*) e
começaram a usar bens de consumo tipicamente urbanos.
Aracampina, a maior comunidade estudada,

localizada na ilha de Ituqui, às margens do rio Amazonas, tem
cerca de 600 habitantes. Eram 460 há sete anos, quando Hilton
Silva chegou lá pela primeira vez e notou que a vida mudava
rapidamente - conseqüência da proximidade com Santarém, a
quatro horas de barco. "Quando ocorre a transição para o estilo
de vida moderno e urbano, a primeira mudança é a dieta", diz
ele. "Aumenta o consumo de sal, de enlatados e de comida
industrializada, cheia de aditivos químicos."

Nas primeiras vezes em que esteve lá, o
pesquisador notou que os caboclos pescavam intensamente.
Completavam a alimentação com farinha de mandioca, frutas,
feijão e milho. "Hoje, os caboclos deixaram o extrativismo,
trabalham na pesca industrial, para as madeireiras ou em
fazendas e compram carne em conserva, açúcar, café e
biscoitos", relata. "As mudanças na dieta estão causando uma
mudança gradual na fisiologia do organismo, que leva à
hipertensão."

Ainda não há água encanada em Aracampina, mas
os caboclos agora têm luz elétrica, graças ao gerador a diesel,
fogão a gás, televisão ligada a bateria de carro e telefone que
funciona por meio de rádio. Em conseqüência, houve uma
redução da atividade física que ajuda a equilibrar a pressão
arterial. "Por terem acesso a fogão a gás, não buscam mais
lenha na mata", exemplifica Hilton Silva. "E já usam fralda
descartável, que também reduz o trabalho das mulheres". Mas
surgem outras fontes de estresse, como a necessidade de
ganhar mais dinheiro para comprar comida, relógios, bicicletas e
aparelhos de som.

(Pesquisa. São Paulo: Fapesp, abril 2003.)

(*) extrativismo = atividade que consiste em extrair da natureza
quaisquer produtos que possam ser cultivados para fins
comerciais ou industriais.

Está correta a grafia de todas as palavras da frase:

Alternativas
Comentários
  • a) Quem imagina que o progresso só TRAZ vantagens ficará frustado quando perceber os DESAJUSTES que ele pode provocar. b) O que mais INFLUI no aumento da pressão arterial é a vida SEDENTÁRIA que os caboclos passam a levar. c) As PESQUISAS que o antropólogo EMPREENDEU são conclusivas, quando se consideram os dados que foram comparados. d) CORRETA.e) É com muita espontaniedade que passamos a GOZAR dos benefícios do progresso, sem nos preocuparmos com as suas conseqüências.
  • a) Quem imagina que o progresso só TRAZ vantagens ficará frustado quando perceber os DESAJUSTES que ele pode provocar. NÃO esqueça que frustado jamais, e sim FRUSTRADO.
  • e) É com muita ESPONTANEIDADE que passamos a GOZAR dos benefícios do progresso, sem nos preocuparmos com as suas conseqUências.
  • Os erros da alternativa "b" são: "influe" - o correto é influi, que deriva de influir - e "cedentária" - o correto é sedentária ( que está quase sempre sentado; que não exercita  o corpo e o conserva inativo), com S.

    Nota-se o emprego correto da forma verbal "constitui" na alternativa "d", que deriva de constituir.
  • ·         a) Quem imagina que o progresso só trás vantagens ficará frustado (FRUSTRADO) quando perceber os dezajustes (DESAJUSTES) que ele pode provocar.
    ·         b) O que mais influe (INFLUI) no aumento da pressão arterial é a vida cedentária (SEDENTÁRIA) que os caboclos passam a levar.
    ·         c) As pesquizas (PESQUISAS) que o antropólogo emprendeu (EMPREENDEU) são conclusivas, quando se consideram os dados que foram comparados.
    ·         d) A obsessão pelo progresso leva os mais ingênuos a acharem que toda novidade constitui, em si mesma, uma vantagem.
    ·         e) É com muita espontaniedade (ESPONTANEIDADE) que passamos a gosar (GOZAR) dos benefícios do progresso, sem nos preocuparmos com as suas conseqüências.·        
  • Bom dia,

    só relembrando que a palavra 'OBSESSÃO' é grafada com 's' e 'ss'.
    No entanto, o verbo é grafado com 'c': OBCECAR.

    Esta ocorrência se dá devido à etimologia da palavra, já que ''obsessão'' e ''obcecar'' não provêm da mesma raiz latina. Daí as grafias diferentes.
  • Trás ou traz

     

    Estas duas palavras existem na língua portuguesa e estão corretas. Porém, os seus significados são diferentes e devem ser usadas em situações diferentes. A palavra trás é um advérbio de lugar, indicando uma situação posterior, ou seja, atrás, após. Traz é a forma conjugada do verbo trazer na 3ª pessoa do singular do presente do indicativo ou na 2ª pessoa do singular do imperativo. Trazer significa levar, transportar para perto de quem fala.

    O advérbio de lugar trás tem sua origem na palavra em latim trans. Vem sempre acompanhado de uma preposição, normalmente de ou para, formando assim uma locução adverbial. É também uma palavra comumente utilizada na locução prepositiva por trás de.
    (...)
    O verbo trazer tem sua origem na palavra em latim trahere e é um verbo irregular, ou seja, não se encaixa nos modelos fixos de conjugação verbal, possuindo alterações nos radicais e nas terminações quando conjugado. É muito utilizado pelos falantes, possuindo diversos significados. Refere-se principalmente ao ato de transportar ou encaminhar para este lugar, mas também pode ser sinônimo de oferecer, vestir, ocasionar, atrair, conter em si, apresentar, sugerir, herdar, manter, citar, entre outros. Traz é a forma conjugada do verbo trazer na 3ª pessoa do singular do presente do indicativo ou na 2ª pessoa do singular do imperativo.

     

    Fonte: http://duvidas.dicio.com.br/tras-ou-traz/

  • A) Ortografia e conceito

    Traz = Trazer

    Trás = Advérbio de lugar

     

    B) Ortografia e conceito

    Sedentário = EU

    Cedentário = Ortografia errada da palavra sedentário, que significa: ''Aquele que não se exercita.''

     

    C) Ortografia e conceito

    Pesquizas = Ortografia errada da palavra pesquisa.

    Pesquisa    = ''Procurar por''; ato de quem estuda de verdade.

    Emprendeu = Ortografia errada da palavra Empreender

    Empreender= é o modo de pensar e agir de forma inovadora, identificando e criando oportunidades, inspirando, renovando e liderando processo.

     

    D) GABARITO!

     

    E) Ortografia e conceito

    Espontaniedade = Ortografia errada da palavra espontaneidade

    Espontaneidade = Algo inusitado, espontâneo, imediato...

     

  • A) Quem imagina que o progresso só trás vantagens ficará frustado quando perceber os dezajustes que ele pode provocar.

    TRÁS E PARTE POSTERIOR, SE REFERE A TRAZER ENTÃO SERIA TRAZ.

    FRUSTRADO VEM DE FRUSTRAÇÃO.

    DESAJUSTES VEM DE AJUSTES.

    B) O que mais influe no aumento da pressão arterial é a vida cedentária que os caboclos passam a levar

    INFLI VEM DE INFLUÊCIA ENTÃO E CORRETO INFLUE.

    SEDENTÁRIO VEM DE SEDENTARISMO.

    C) As pesquizas que o antropólogo emprendeu são conclusivas, quando se consideram os dados que foram

    comparados.

    ESSA E SACANAGEM SE ERROU PULE DO BARCO, ONDE E ESCRITO PESQUIZA COM Z JAMAIS E COM "S" PESQUISA DE PESQUISADOR.

    EMPREENDEU

    D) A obsessão pelo progresso leva os mais ingênuos a acharem que toda novidade constitui, em si mesma, uma vantagem.

    CORRETA.

    E) É com muita espontaniedade que passamos a gosar dos benefícios do progresso, sem nos preocuparmos com as suas conseqüências.

    ESPONTANEIDADE

    GOZAR SEMPRE COM Z

    CONSEQUÊNCIA O TREMA SAIU DA ORTOGRAFIA.


ID
75190
Banca
FCC
Órgão
TRT - 18ª Região (GO)
Ano
2008
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Viagem para fora

Há não tanto tempo assim, uma viagem de ônibus,
sobretudo quando noturna, era a oportunidade para um passageiro
ficar com o nariz na janela e, mesmo vendo pouco, ou
nada, entreter-se com algumas luzes, talvez a lua, e certamente
com os próprios pensamentos. A escuridão e o silêncio no
interior do ônibus propiciavam um pequeno devaneio, a memória
de alguma cena longínqua, uma reflexão qualquer.

Nos dias de hoje as pessoas não parecem dispostas a
esse exercício mínimo de solidão. Não sei se a temem: sei que
há dispositivos de toda espécie para não deixar um passageiro
entregar-se ao curso das idéias e da imaginação pessoal. Há
sempre um filme passando nos três ou quatro monitores de TV,
estrategicamente dispostos no corredor. Em geral, é um filme
ritmado pelo som de tiros, gritos, explosões. É também bastante
possível que seu vizinho de poltrona prefira não assistir ao filme
e deixar-se embalar pela música altíssima de seu fone de
ouvido, que você também ouvirá, traduzida num chiado
interminável, com direito a batidas mecânicas de algum sucesso
pop. Inevitável, também, acompanhar a variedade dos toques
personalizados dos celulares, que vão do latido de um cachorro
à versão eletrônica de uma abertura sinfônica de Mozart. Claro
que você também se inteirará dos detalhes da vida doméstica
de muita gente: a senhora da frente pergunta pelo cardápio do
jantar que a espera, enquanto o senhor logo atrás de você
lamenta não ter incluído certos dados em seu último relatório.
Quando o ônibus chega, enfim, ao destino, você desce tomado
por um inexplicável cansaço.

Acho interessantes todas as conquistas da tecnologia da
mídia moderna, mas prefiro desfrutar de uma a cada vez, e em
momentos que eu escolho. Mas parece que a maioria das pessoas
entrega-se gozosa e voluptuosamente a uma sobrecarga
de estímulos áudio-visuais, evitando o rumo dos mudos pensamentos
e das imagens internas, sem luz. Ninguém mais gosta
de ficar, por um tempo mínimo que seja, metido no seu canto,
entretido consigo mesmo? Por que se deleitam todos com tantas
engenhocas eletrônicas, numa viagem que poderia propiciar
o prazer de uma pequena incursão íntima? Fica a impressão de
que a vida interior das pessoas vem-se reduzindo na mesma
proporção em que se expandem os recursos eletrônicos.

(Thiago Solito da Cruz, inédito)

Está correta a grafia de todas as palavras da frase:

Alternativas
Comentários
  • a) Muitos se deixam embalar por um MISTO de torpor e devaneio, quando se entretém à janela do ônibus. b) Tentou convencer o jovem a desligar a engenhoca, mas não obteve sucesso nessa tentativa de DISSUASÃO. c) Que temos nós a haver com o relatório que deixou FRUSTRADO aquele executivo? d) Por que não se INSTITUI a determinação de por um fim ao abuso dos ruídos no interior de um ônibus? e) É difícil explicar o porquê de tanta gente sentir-se extasiada diante das iniqüidades de um filme violento
  • A letra C possui outro erro ainda:Haver: É um verbo do latim e significa: ter, possuir, alcançar, conseguir, obter, receber. Forma com o presente do infinitivo, precedido da preposição de, as linguagens do futuro: Haveis de ver esse dia. Haver à mão: alcançar, apanhar. Haver mister (de): necessitar, precisar, desejar. Haver por bem: assentar, dignar-se, resolver. Haver nome: chamar-se, denominar-se. Bem haja!: seja feliz, tenha bom resultado. Mal haja!: frase imprecatória. Portanto não se deve dizer "Não tem nada a haver", pois é incorreto já que há o verbo ter na frase, o que significa uma redundância e erro gramatical. Sendo o correto "Não tem nada a ver". Significando que o que vc está se referindo é que "Não tem nada a ver" uma coisa com outra. Sendo que o "a" é o substantivo da oração. Indicando algo anteriormente dito por outra pessoa, negando tal afirmação dada por esta.Fonte: http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20061224083400AAvcszZ
  • Na letra "d" ainda há o erro do verbo "pôr" sem o acento diferencial, lembrando que este acento diferencial específico subsiste na nova ortografia.A letra "e" tornou-se errada com a nova ortografia, visto que a trema foi extinta.
  • o comentário de (Elciane Carneiro ) está perfeito! só adicionando uma informação; na alternativa letra E,o porquê está com valor de substantivo daí o motivo da acentuação.
  • a) Muitos se deixam embalar por um MISTO de torpor e devaneio, quando se entretém à janela do ônibus. b) Tentou convencer o jovem a desligar a engenhoca, mas não obteve sucesso nessa tentativa de DISSUASÃO. c) Que temos nós a haver com o relatório que deixou FRUSTRADO aquele executivo? d) Por que não se INSTITUI a determinação de por um fim ao abuso dos ruídos no interior de um ônibus? e) CORRETA
  • Por que a alternativa E está correta? Para mim, todas as alternativas estão erradas...VIOLENTO se escreve com hífen?
  • Concordo, não há uma correta. Talvez a questão tenha sido anulada.
  • a letra (e) é a correta.o trema fica optativo.
  • A alternativa E també contém erro, pois a reforma ortográfica estabelece a extinção do trema, portanto ele não é facultativo.
  • a) Misto é pegadinha. Olha a onda: toda vez que ficar na dúvida entre mixto e misto, lembre da palavra "mistura" ou seja com "S", Logo, misto com "S", nada de X.b)É dissuaSão com "S". Nada a v esta palavra com "Z"c)É frustRado com um "R" bem no meio;d)... Se institui, lembra do constitui e tals...sobrou a letra "E"as atuais normas da lingua portuguesa são válidas até 2011, ou seja, se vira pra diferenciar quando é pela nova reforma ou pela então norma vigente, na dúvida, força a barra com as duas, mete com areia e tudo.
  • Também concordo com os demais,pois a alternativa "E" não pode estar correta, pois violento nao se escreve com hifen, portanto a questão deve ter sido anulada.
  • Está correta a grafia de todas as palavras da frase: e) É difícil explicar o porquê de tanta gente sentir-se extasiada diante das iniqüidades de um filme violento.OBS: quanto ao hífen, é um erro ocorrido na hora de copiar a questão da prova para o site, não há esse hífen na prova da FCC.
  • Na letra "b" a palavra "dissuazão" estaria correta se escrita com "S". Segundo Michaelis, o conceito de dissuasão seria "Ação organizada por uma potência política para desencorajar a ação de outras.".
  • Na alternativa "c", há dois problemas. O verbo haver pode assumir os seguintes significados: ter, possuir, alcançar, conseguir, obter, receber. Portanto, seu emprego na expressão "temos nós a haver" configura redundância, impropriedade, em virtude de já existir nela o verbo ter. A expressão correta é "temos nós a ver". Também apresenta problema em sua grafia, a palavra "frustado". O correto é frustrado (= que se decepcionou, desapontou, desiludiu), com o segundo R.

    Na alternaativa "d", a expressão "Por que" está correta, pois integra uma frase interrogativa. Mas o vocábulo "institue" está grafado erradamente. Emprega-se a letra I na sílaba final de formas dos verbos terminados em -UIR ( diminui, diminuis, influi, influis, possui, possuis, institui etc). Igualmente errada está a grafia do verbo "por" sem o acento circunflexo (pôr).

    Na alternativa "e", a expressão "porquê" (= motivo) está correta; note o artigo que a antecede. Destaque ainda para as corretas grafias de "extasiada" ( de êxtase = estado de arrebatamento causado por um prazer miuto forte ou por uma grande admiração ) e "iniqüidade", com trema.
  • LETRA E

    na nova regra o trema não é mais colocado.
  • Não entendi o porquê de estarem dizendo que violento não tem hífen, na prova consta a separação da sílaba que resulta em (vio-
    lento).
  • Veja que a correta é a (E), pois "iniqüidades" vem do vocábulo "iníquo" (sem equidade). Esse vocábulo tinha trema, à época da prova. Hoje em dia, devemos retirar o trema.
    Na alternativa (A), o correto é "misto" (mistura).
    Na alternativa (B), o correto é "dissuasão".
    Na alternativa (C), o correto é "temos a ver", "frustrado" (frustrar-se).
    Na alternativa (D), o correto é "institui" (verbo de infinitivo terminado em "uir" permanece o "i" no presente).
    Sucesso a todos!!!
  • a) miSto
    b) dissuaSão
    c) a ver
    d) instituI
    e) correta
  • Complementando:


    EXTASIADO:

    Encantado, elevado, Arrebatado, pasmado, assombrado.


    ESTASIADO:

    1. que tem muita sede; sedento, sequioso
    2. que está ressequido, seco


    ECSTASY

    espécie de droga


    Bons estudos!

  • Questão desatualizada. O trema foi extinto da nossa gramática. Apenas usado em palavras estrangeiras.


ID
81196
Banca
FCC
Órgão
TRE-AM
Ano
2010
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

A frase em que a grafia respeita totalmente o padrão culto escrito é:

Alternativas
Comentários
  • a) certo;b) "Excursão" é com "x", e não com "s";c) "Adivinhar" tem "i";d) "Ultraje" é com "j", e não com "g";e) "Despensa", com sentido de lugar onde se guardam alimentos, é com "e".
  • Pessoal fiquem atentos a alguns erros:a) esta é a corretab) eXcursão e eSplendorc) adIvinhar e Xequed) ultraJe e advindoe) dEspensa e HeSitou
  • b) o correto é esplendor com "s"
  • Atentem para a diferença palavras parônimas -
     Dispensa = ATO DE DISPENSAR ( com I )
     Despensa =  LUGAR onde se guardam os mantimentos da cozinha.

  • GABARITO: A

    Na letra B, deveria haver estas correções ortográficas: “A escursão (excursão) prometida não ocorreu, pois o número de interessados foi excessivo; mas até isso colaborou para o explendor (esplendor) da viagem, pois o desconto oferecido surpreendeu.”.

    Na letra C, deveria haver estas correções ortográficas: “Casualmente encontraram-se no saguão; ela parecia advinhar (adivinhar) o que ele tinha a lhe dizer, por isso não lhe deu oportunidade de ser posta em cheque (xeque).”.

    Na letra D, deveria haver estas correções ortográficas: “Considerou ultrage (ultraje (Lembra a banda?)) o comentário adivindo (advindo) do seu sucessor, mas, para preservar-se, abdicou de dar-lhe resposta à altura.”.

    Na letra E, deveria haver estas correções ortográficas: “Com a dispensa (despensa; estas palavras são parônimas) abarrotada de produtos nobres, não exitou (hesitou) um minuto ao negar um jantar aos participantes do programa de inclusão social.”.
  • a) Correta

    b) Errada. excursão e esplendor

    c) Errada. adivinhar e xeque.

    d) Errada. advindo

    e) Errada. Despensa e hesitou

  • a) À exceção dos que se abstiveram de opinar sobre a qualidade dos serviços, os participantes da pesquisa puderam usufruir gratuitamente de um dia de lazer no hotel.

    b) A "escursão" (excursão)prometida não ocorreu, pois o número de interessados foi excessivo; mas até isso colaborou para o "explendor" (esplendor) da viagem, pois o desconto oferecido surpreendeu.

    c) Casualmente encontraram-se no saguão; ela parecia "advinhar" (adivinhar) o que ele tinha a lhe dizer, por isso não lhe deu oportunidade de ser posta em "cheque" (xeque).

    d) Considerou "ultrage" (ultraje) o comentário "adivindo" (advindo) do seu sucessor, mas, para preservar-se, abdicou de dar-lhe resposta à altura.

    e) Com a "dispensa" (despensa) abarrotada de produtos nobres, não "exitou" (hesitou) um minuto ao negar um jantar aos participantes do programa de inclusão social.
    GABARITO: LETRA A

  • Alguém pode me explicar por que na letra A começa a oração com um à craseado?  Achei que tava errado também.

  • Bianca, está craseado pelo fato de ser uma locução prepositiva: à exceção de.

  • a)À exceção dos que se abstiveram de opinar sobre a qualidade dos serviços, os participantes da pesquisa puderam usufruir gratuitamente de um dia de lazer no hotel.Correta, locução .

     b)A escursão prometida não ocorreu, pois o número de interessados foi excessivo; mas até isso colaborou para o explendor da viagem, pois o desconto oferecido surpreendeu.Errado, é eXcursão

     c)Casualmente encontraram-se no saguão; ela parecia advinhar o que ele tinha a lhe dizer, por isso não lhe deu oportunidade de ser posta em cheque.Errado,é Xeque.

     d)Considerou ultrage o comentário adivindo do seu sucessor, mas, para preservar-se, abdicou de dar-lhe resposta à altura.Errado,ultraJE

     e)Com a dispensa abarrotada de produtos nobres, não exitou um minuto ao negar um jantar aos participantes do programa de inclusão social.Errado, dEspensa

  • ALTERNATIVA A – CERTO – Destaquem-se as corretas grafias de “exceção” – escrita com “ç”, pois deriva de “exceto”, com final TO -, “abstiveram” – flexão do verbo “abster”, derivado do verbo TER – e “usufruir”.

    ALTERNATIVA B – ERRADO – A redação correta seria: A excursão prometida não ocorreu, pois o número de interessados foi excessivo; mas até isso colaborou para o esplendor da viagem, pois o desconto oferecido surpreendeu.

    ALTERNATIVA C – ERRADO – Deve-se empregar o pronome “se” antes da forma verbal “encontraram”, haja vista que ela é atraída pelo fator de próclise “Casualmente”. Além disso, deve-se escrever “adivinhar”, com “i” depois da letrinha “d”. Por fim, deve-se escrever “posta em xeque” (= posta em perigo, risco).

    ALTERNATIVA D – ERRADO – Deve-se escrever “ultraje”, com “j”; deve-se escrever “advindo”, gerúndio do verbo “advir”.

    ALTERNATIVA E – ERRADO – Deve-se escrever “hesitou”, que significa “temeu”. Não confunda com “exitou”, que significa “teve êxito”. 


ID
81199
Banca
FCC
Órgão
TRE-AM
Ano
2010
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

A frase que atende integralmente ao padrão culto escrito é:

Alternativas
Comentários
  • Em negrito os erros e entre parênteses sua correção:a) Vossa Excelência, é certo que vossa presença está sendo reclamada: todos querem que continui a prestar apoio ao grupo de trabalho. vossa presença (certo: sua presença), continui (certo: continue)b) As alterações que provirem da reunião com o prefeito serão bem recebidas, se contemplarem os direitos de todos os cidadãos da comunidade. provirem (certo: provieremc) Os guardas-florestais requereram revisão do acordo feito com empresas que não respeitam as normas ambientais. corretad) Se o manual contesse todas as informações necessárias, não haveria necessidade de eu estar solicitando mais esclarecimentos. contesse (certo: contivessee) Se você o ver ainda hoje, avise que o prazo para entrega do documento expirará amanhã. ver (certo: vir)
  • Comentário objetivo:

    a) Vossa Excelência, é certo que vossa SUA presença está sendo reclamada: todos querem que continui CONTINUE a prestar apoio ao grupo de trabalho.

    b) As alterações que provirem PROVIEREM da reunião com o prefeito serão bem recebidas, se contemplarem os direitos de todos os cidadãos da comunidade.

    c) Os guardas-florestais requereram revisão do acordo feito com empresas que não respeitam as normas ambientais. PERFEITA! Cabe aqui uma observação. O verbo requerer não é derivado do verbo querer, por isso não tem a mesma conjugação deste. Muita gente deve ter pensado que o certo deveria ser REQUISERAM não é?!

    d) Se o manual contesse CONTIVESSE todas as informações necessárias, não haveria necessidade de eu estar solicitando mais esclarecimentos.

    e) Se você o ver VIR ainda hoje, avise que o prazo para entrega do documento expirará amanhã.

  • pessoal me tirem uma duvida.

    verbo + substantivo- diz a gramatica que somente o segundo elemento varia.

    iae o que voçêis tem a me dizer ???????? 

  • A)CONTINUE

    B)PROVIEREM

    C)CERTO

    D)CONTIVESSE

    E)VIR

  • a) Errada. "sua presença" / "continue"

    b) Errada.  "provierem" 

    c) Correta.

    d)  Errada. "contivesse" /  "solicitar" 

    e) Errada.  "vir" 

  • a) Vossa Excelência, é certo que vossa presença está sendo reclamada: todos querem que "continui" (continue) a prestar apoio ao grupo de trabalho.

    b) As alterações que "provirem" (provierem) da reunião com o prefeito serão bem recebidas, se contemplarem os direitos de todos os cidadãos da comunidade.

    c) Os guardas-florestais requereram revisão do acordo feito com empresas que não respeitam as normas ambientais.

    d) Se o manual "contesse" (contivesse) todas as informações necessárias, não haveria necessidade de eu estar solicitando mais esclarecimentos.

    e) Se você o "ver" (vir) ainda hoje, avise que o prazo para entrega do documento expirará amanhã.

    GABARITO: LETRA C

  • a)Vossa Excelência, é certo que vossa presença está sendo reclamada: todos querem que continui a prestar apoio ao grupo de trabalho.Errado, o correto seria a SUA presença.(A fcc gosta disso hehehe)

     b)As alterações que provirem da reunião com o prefeito serão bem recebidas, se contemplarem os direitos de todos os cidadãos da comunidade.Errado, o correto seria provierem (A fcc também gosta disso)

     c)Os guardas-florestais requereram revisão do acordo feito com empresas que não respeitam as normas ambientais.Correto, 

    Regra do SAN vão para o plural

    Substantivo

    Adjetivos

    Numeral

     d)Se o manual contesse todas as informações necessárias, não haveria necessidade de eu estar solicitando mais esclarecimentos.Errada, contIVESSE

     e)Se você o ver ainda hoje, avise que o prazo para entrega do documento expirará amanhã.Errado, o correto seria vIr

  • Maria Estuda, você é 10! 


ID
84244
Banca
FUNDAÇÃO SOUSÂNDRADE
Órgão
BNB
Ano
2007
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Marque a opção que preenche os espaços encontrados nos períodos a seguir, obedecendo à seqüência correta.

Só no ano passado, as _________ chinesas _________ cerca de US$53 bilhões nas Bolsas de Shanghai e Hong Kong. As autoridades chinesas começaram a se _________, pois foram _________ com o fato.

Alternativas
Comentários
  • Não tem muito o que comentar nessa. A melhor maneira de se adquirir vocabulário é lendo.
    Correta alternativa D

    Empresas-         Do verbo empresar - Produzir, financiar empreendimento
    Captaram-          Atrair para si, granjear, conquistar 
    Acautelar-          Prevenir, precaver, Usar de cautela, precatar-se, resguardar-se.
    Surpreendidas- Apanhar ou tomar de supresa
  • Leitura, Leitura, e escrever bastante, resolveriam essa questão



ID
89290
Banca
ESAF
Órgão
MTE
Ano
2010
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

O texto a seguir foi transcrito com erros. Assinale o único trecho que atende plenamente às prescrições gramaticais.

Alternativas
Comentários
  • RESPOSTA: DA) contrói-se / eficientesB) opõem-se / àqueles C) patrimônioD) CORRETA.E) a cada / corresponde / afinidade
  • A-erro= constroe-se//constrói-seb-erro=opõe-se// opõem_sec-erro=se considere// se consideremd- certae- erro= correspodem // corresponde
  • letra A:CONSTRÓ(i)-SELETRA B; como empresários, membros de profissões liberais e professores universitários( ELES OPÕEM-SE).
  • colegas, classe de HABITUS está certo? help.
  • A) ERRADA
     

    CONSTRÓI-SE o espaço social...



    B) ERRADA

    Os detentores (...) OPÕEM-SE globalmente ÀQUELES ...



    C) ERRADA

    Acredito que o erro está na presença da vírgula antes de " estão em oposição" porque ela está separando o sujeito (professores) do verbo (estão). E, não se separa sujeito do verbo.
    Nota-se, também, que faltou o acento circunflexo da palavra PATRIMÔNIO.



    D) CORRETA



    E) ERRADA

    Não se usa crase antes de pronomes indefinidos que não admitem artigo.
    Portanto, o correto seria:
    A cada classe de posições CORRESPONDE uma classe habitus.

  • Lucia... está certo sim!
    Esse "habitus" é diferente de "hábitos"...
    É uma teoria de reprodução social, de Pierre Bourdieu...
    "O habitus é uma forma de disposição à determinada prática de grupo ou classe, ou seja, é a interiorização de estruturas objetivas das suas condições de classe ou de grupo sociais que gera estratégias, respostas ou proposições objetivas ou subjetivas para a resolução de problemas postos de reprodução social"
    Fonte:  www.espacoacademico.com.br
  • Obrigada Sabrina, excelente ótima explicação.
  • Letra D - O espaço de posições sociais traduz-se...(ênclise) 

    Não está errado? Não deveria ser: 
    O espaço de posições sociais se traduz...(próclise)
  • Pedro, a ênclise está certa sim...não tem nenhuma palavra atrativa que explique utilizar próclise aí. A ênclise é a colocação básica do pronome.

  • D) "... Em outras palavras, ao sistema de separações diferenciais que definem as posições nos dois sistemas principais do espaço social corresponde um sistema de separações diferenciais nas propriedades dos agentes sociais. ."

    Gente, essa concordância não está errada?! Ou deve-se considerar "sistema de sepações diferenciais"? Qual é o núcleo???
  • o erro da "a" é a posição da vírgula: ..., são sem dúvida,...(errada)    

    ao invés de ...são, sem dúvida,...(certa)

  • Pricylla M o erro da alternativa "C" é a falta de acentuação na palavra "Patrimonio". Por se tratar de uma palavra paroxítona terminada em ditongo, a regra é que seja acentuada: patrimônio.

  • A) Constroe-se (constrói-se) o espaço social de
    tal modo que os agentes ou grupos são aí distribuídos em razão de sua posição
    nas distribuições estatísticas de acordo com os dois princípios de
    diferenciação que, em sociedades mais desenvolvidas, são sem dúvida, os mais
    efi cientes: o capital econômico e o capital cultural.

    B) Na dimensão mais importante, os detentores de um grande volume de capital
    global, como empresários, membros de profissões liberais e professores
    universitários, opõe-se ( opõem-se) globalmente aqueles ( àqueles)
    menos providos de capital econômico e de capital cultural, como os operários
    não qualificados.

    C) Na perspectiva em que se considere o peso relativo do capital econômico e do
    capital cultural no patrimonio (patrimônio) dos agentes sociais, os
    professores - relativamente mais ricos em capital cultural que em capital
    econômico -, estão em oposição, nitidamente, aos empresários - relativamente
    mais ricos em capital econômico que em capital cultural.

    D) O espaço de posições sociais traduz-se em um espaço de tomada de posição, pela
    intermediação do espaço de disposições. Em outras palavras, ao sistema de
    separações diferenciais que definem as posições nos dois sistemas principais do
    espaço social corresponde um sistema de separações diferenciais nas
    propriedades dos agentes sociais. ok

    E) À (A) cada classe de posições correspondem (corresponde)
    uma classe habitus (ou de gostos) produzidos pelos condicionamentos sociais e,
    pela intermediação desses habitus, um conjunto sistemático de bens e de
    propriedades, vinculadas entre si por uma afi nidade de estilo.

  • Complementando:
    Na letra c, o outro erro foi separar o sujeito de seu verbo no termo: (...) os professores - relativamente mais ricos em capital cultural que em capital econômico -, estão em oposição(...). 

    A vírgula depois do segundo travessão deve ser excluída.

  • Na alternativa D - O espaço de posições sociais traduz-se em um espaço de tomada de posição, pela intermediação do espaço de disposições. Em outras palavras, ao sistema de separações diferenciais que definem as posições nos dois sistemas principais do espaço social corresponde um sistema de separações diferenciais nas propriedades dos agentes sociais.

     

    Bom, eu entendi que "ao sistema de separações diferenciais" é objeto indireto e "um sistema de separações diferenciais nas propriedades dos agentes sociais" é sujeito. Mas o verbo "definem" concorda com quem?


ID
89293
Banca
ESAF
Órgão
MTE
Ano
2010
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Os trechos a seguir compõem, sequencialmente, um texto adaptado do Editorial do Correio Braziliense de 17/01/2010.

Assinale a opção que está gramaticalmente correta.

Alternativas
Comentários
  • LETRA A.B) Na prática, o Haiti perderá, mesmo que momentaneamente sua autonomia, ainda que mantenham a independência formal...C) O Haiti foi precursor na luta das nações americanas pela independência, mas a energia cívica....D) ...que conduziu....E) ...oferecer....
  • Acredito que na letra Co erro se encontra no uso equivocado de crase:

    "...que cuidasse de organizar e incluir socialmente a população." (assim estaria correto)

    Aqui os verbos organizar e incluir são VTD
  • Concordo com o samuka... o problema da c é a crase e não a pontuação. e tava tao escondido para mim que acabei errando :(
  • Realmente o erro mais grave está no apontado pelo samuka.
    No entanto, há também o erro de pontuação, pois o "Mas" é adjunto adverbial e está deslocado na frase (ou seja, no início - em vez do fim que é seu lugar natural na ordem direta).
    E, sempre que deslocado, o aj. adv. deve vir separado por vírgulas. No caso, como ele inicia uma frase, só uma vírgula virá, logo depois dele - o que não acontece na alternativa.

    Esse trecho está assim:
    ...pela independência. Mas a energia cívica...

    E deveria estar assim:
    ...pela independência. Masa energia cívica...
  • b) mesmo que momentaneamente é uma expressão intercalada, portanto deve estar isolada por vírgulas, caso contrário irá separar o verbo de seu objeto, "O Haiti perderá sua autonomia". 
    A palavra matenham deve concordar com o sujeito Haiti, portanto o correto seria MANTENHA e por ser um VTD dispensa a crase, o correto seria "a idenpendência"

    c) população é OD de incluir, portanto dispensa crase

    d) "conduziram -> conduziu, A elite conduziu" , e não existe vírgula após no qual

    e) "oferecem -> oferecer" paralelismo sintático com promover
  • Uma dúvida.

    Na letra "A", não está faltando o acento na palavra 'Talvez"?

  • Vou tentar identificar todos os erros!

    a) O trágico terremoto no Haiti colocou o país numa situação crítica: com a dissolução do poder político e a destruição generalizada da infraestrutura, aquela sofrida nação do Caribe vê na ajuda externa o único caminho para encontrar, talvez, alguma luz no fi m do túnel.

    Aqui achei que "na ajuda externa" sendo adjunto adverbial deslocado deveria estar entre vírgulas.

    b) Na prática, o Haiti perderá, mesmo que momentaneamente , sua autonomia. Ainda que mantenha independência formal, a realidade se impõe: o país que havia até antes do desastre hoje não existe mais.

    c) O Haiti foi precursor na luta das nações americanas pela independência. Mas a energia cívica que ergueu a nação haitiana acabou sendo insuficiente para construir instituições democráticas, ou , ao menos , um Estado que cuidasse de organizar e incluir socialmente a população.

    d) Ao contrário, formou-se ali uma elite política individualista e brutal, que conduziu o país a um enredo de horrores , no qual o abalo sísmico veio como epílogo cruel.O terremoto foi terrível, mas atingiu uma nação que já vinha num beco sem saída.

    e) Não se notava ali o mínimo consenso político para , ao menos , começar a atacar o nó central: promover algum tipo de desenvolvimento econômico, oferecer alguma perspectiva de progresso para os cidadãos. A intervenção das forças de paz da ONU é um sucesso, em termos militares, mas sem o cultivo de oportunidades econômicas reais a missão corre risco. Espero ter contribuído!

  • Só acrescentando e contribuindo com os estudos dos colegas...

    1- "talvez" e "ali" não leva acento... são palavras oxítonas terminadas em (ez) e (i).. e não são acentuadas... as palavras oxítonas são acentudas quando terminadas em : "a", "e", "o", seguidas ou não de s; e também, com as terminações "em" e "ens".

    2- Uso da virgula antes e depois de "Mas": quando o "mas" iniciar orações coordenadas adversativas (idéias opostas) deverá ter virgula antes. O "mas" não pede virgula antes da palavra quando tem ideia de soma, adição. O "mas" é uma conjunção adversativa.

    No texto:

    "O Haiti foi precursor na luta das nações americanas pela independência. Mas a energia cívica que ergueu a nação haitiana acabou sendo insuficiente para construir instituições democráticas (...)" - No texto o autor optou por trocar a virgula pelo ponto final. Por serem orações coordenadas e não subordinadas, elas possuem sentido completo quando vêm separadas.  " O Haiti foi precursor na luta pela independência, mas a energia que ergueu a nação haitiana não foi suficiente para construir instituições democráticas". 


    Só haverá vírgula depois de "mas" se houver uma frase intercalada separando-a do resto da oração da qual ela faz parte.

    Observe os exemplos:

    Mas, apesar dos esforços, a meta não foi alcançada.

    Mas, reconhece o ministro, o Brasil precisa economizar mais energia.


    O que não vem ao caso!!!


    *Não sou professora nem Expert em português... apenas me esforço para aprender e tentar errar o minimo possível. 


    *FORÇA, FÉ E FOCO!!





ID
89320
Banca
FUNRIO
Órgão
PRF
Ano
2009
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Colisão entre caminhão e carro deixa 4 mortos em Pernambuco
Ana Lima Freitas - Texto adaptado

Uma colisão, na qual um caminhão foi de encontro a um carro, deixou 4 pessoas mortas e 2 feridas na noite desta terça-feira na cidade de Salgueiro, a 530km do Recife, no sertão de Pernambuco. Entre as vítimas fatais, estavam engenheiros responsáveis pela
construção da Ferrovia Transnordestina. Segundo informações da Polícia Rodoviária Federal, o caminhão com placa do Rio Grande do Norte, o qual a Polícia recolheu ao depósito, colidiu com o carro, um veículo Gol, com placa do Ceará. Dos 4 ocupantes do Gol, 3 morreram. Entre eles estavam engenheiros responsáveis pela construção da Ferrovia Transnordestina. O motorista do caminhão também morreu no local do acidente. Ao Hospital Regional de Salgueiro as vítimas do referido acidente foram levadas.

Reescrevendo-se trechos do texto I, indicados entre parênteses, há correção ortográfica no item

Alternativas
Comentários
  • A alternativa "C" está correta, pois na alternativa a o há refere-se a tempo, o que não está correta na questão.Na alternativa b a palavra falesceu está incorreta pois o correto seria faleceu,a letra d o erra está em proficionais, onde o correto seria profissionais e na letra e relatorios está sem o acento agudo, onde seria relatórios.A alternativa c está correta pois somente a palavra carro foi substituída pelo seu sinônimo a palavra veículo.
  • Quetão Simples.Letra A.Errada, o verbo Haver está usado de forma incorreta, deveria ser neste caso a preposição "a" mesmo: "a 500 metros..." e há uso indevido, também do artigo "o" em: "dO Recife", aí bastaria a preposiçao "de", da seguinte forma: "a 500 metros de Recife". O artigo somente seria usado se houvesse uma palavra definidora, exemplo: "a 500 metros dO estado de Recife".Letra BErrada, uso incorreto da forma verbal "falesceu", que é, corretamente escrita assim: "faleceu" (sem o "s").Letra CCorreta, o que ocorre apenas é o emprego da sinonímia Carro/Veículo.Está perfeita.Letra DErrada, o substantivo profissionais, foi escrito com "C" ao incés do "ss".Letra EErrada, relatorio deveria estar acentuado, visto que paroxítona terminada em ditongo crescente, mesmo após o acordo ortográfico, continua sendo acentuada.Forma correta: relatório.
  • Bem típico da Funrio. Questão muito mal elaborada.
  • Caramba errei a questão sem prestar atenção!

  • proficionais??? oi???

  • Ao encontro de: em direção a, a favor de
    De encontro a : denota choque

  • Gente, essa banca e a unica que  nao consigo mapear

  •  a) "Uma colisão,..., 530km do Recife."(linhas 1 e 2)

     

     b) "O motorista do caminhão também falesceu no local do acidente" (linhas 6 e 7)

     

     c) "...um caminhão foi de encontro a um veículo..."(linha 1)

     

     d) "Entre eles estavam proficionais responsáveis" (linhas 5 e 6)

     

     e) "Segundo relatorios da Polícia Rodoviária Federal" (linha 4)

     

    Bons estudos. 

  • Demorei para entender o que a banca queria. Tirando isso, a questão é fácil!

  • a questão pedia apenas o item correto!!!! ficou mal formulada

  • Vamos lá...

    Letra A. O verbo haver está usado de forma incorreta, deveria ser neste caso a preposição "a".

    Letra B. "falesceu" é corretamente grafada: "FALECEU".

    Letra C ocorreu apenas o emprego da sinonímia Carro/Veículo.

    Letra D "proficionais" é corretamente grafada: "PROFISSIONAIS".

    Letra E "relatorios" deve ser acentuado, pois se trata de uma paroxítona terminada em ditongo crescente "RELATÓRIOS"

  • Aquela questão pra você não zerar a prova.

  • Péssima questão da banca! Muito mal formulada. Somente a C não estava errada.

    Mas ela não corrige ortograficamente a frase original do texto.

    Mantém a coesão textual, somente traz um sinônimo.

    Essa é uma questão que nos faz perder um tempo desnecessário na prova.

  • Por essas eu entendo o motivo da CESPE ser a banca escolhida.


ID
89326
Banca
FUNRIO
Órgão
PRF
Ano
2009
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

No afã de manter a elegância textual e a correção na utilização dos tempos e ortografia verbais, policial em rodovia diz a um companheiro de trabalho: "Na rodovia, ...... com ...................... e agilidade quando ........ pessoas que necessitem de seu auxílio".

O item que completará adequadamente o período selecionado é:

Alternativas
Comentários
  • Aja: Imperativo Afirmativo (Verbo Agir)Discrição: vem de discreto, com discrição, discretamente;Vir: Futuro do subjuntivo (Verbo VER)
  •  Sendo um pouco mais completa..

    Haja = variação do verbo haver - existir.  
    Aja = variação do verbo agir - atuar. CORRETA

    Eliminando assim, alternativas A e C.

    Descrição = ato ou resultado de descrever.
    Discrição = característica de discreto. CORRETA

    Eliminando também as alternativas B e E, tendo em vista que não existe DISCREÇÃO.

    Ver = perceber pela vista, enxergar, avistar.
    Vir = transportar ou deslocar-se de um lugar para outro (onde se acha a pessoa que fala); chegar.CORRETA
    *Para não deixar de fazer sentido o pertinente comentário da Carolina Teles, não alterei este comentário.

    Conclusão, alternativa D.

    "Na rodovia, AJA com DISCRIÇÃO  e agilidade quando VIR pessoas que necessitem de seu auxílio."

    Força, Galera! 
  • O comentário de Jocasta está ótimo, mas tem um erro. "Vir" na questão está no sentindo de "ver" e não no sentido de "chegar". O verbo "ver" fica "vir" no futuro do subjuntivo
  • Até porque "vir" no sentido de deslocamento, no futuro do subjuntivo conjugado na terceira pessoa do plural ficaria "vierem".

  • Galera!

    O mais difícil para mim foi analisar o verbo "ver"... porque tudo leva  a crer que a resposta é ver, quando na verdade é vir pela conjugação correta do verbo.

    Por isso,  é obrigatório a conjugação do verbo "ver":

    (Quando ou se manhã) Eu vir; Tu vires; Ele vir; Nós virmos; vós virdes e Eles virem... 

    Assim fica a frase:  Na rodovia, aja com discrição e agilidade quando vir pessoas.

    Espero ter contribuído!


  • " Na rodovia, aja (do verbo agir) com discrição (no sentido de torna-se discreto o seus atos) e agilidade quando vires (conjugação do verbo ' VER ' na segunda pessoa do singular no futuro do subjuntivo = Tu vires) pessoas que necessitem de seu auxílio".

    OBS: Conforme o enunciado da assertiva, os dizeres acima descreve a fala de um policial (emprego das aspas - e que aparenta ser mais experiente) que acaba por instruir seu companheiro de trabalho. Ou seja, quando "tu vires" pessoas que necessitem ...... 

  • As palavras aja e haja existem na língua portuguesa e estão corretas. Ambas são formas verbais conjugadas. Aja é uma forma verbal do verbo agir e haja é uma forma verbal do verbo haver. O verbo agir é sinônimo de atuar e de se comportar. O verbo haver é usado maioritariamente com sentido de existir ou ter.

    Descrição é da família de “escrever” e, por isso, é o ato de descrever alguma coisa:
    Exemplo: A descrição do crime foi perfeita.“Discrição”, parente de “discreto”, é a qualidade de quem não comete excessos ou de quem é reservado:

    Exemplo:Vestiu-se com discrição para ir à festa.

    Se eu vir é a forma correta de escrita da expressão. A expressão se eu ver está errada. Sempre que quisermos conjugar o verbo ver na 1ª pessoa do singular no futuro do subjuntivo devemos utilizar a palavra vir. Ver é sinônimo de enxergar, notar, observar, presenciar.




  • Futuro do subjuntivo -------- VIR -------- VER

    quando / se eu ---------------- vier --------- vir

    quando / se tu ---------------- vieres ------ vires

    quando / se ele (a) ---------- vier ---------- vir

    quando / se nós ------------- viermos ----- virmos

    quando / se vós ------------- vierdes ------ virdes

    quando / se eles (as) -------- vierem ------ virem

     

    Alternativa D

  • Haja = variação do verbo haver - existir.  

    Aja = variação do verbo agir - atuar. CORRETA

  • Haja é uma flexão do verbo haver, enquanto aja é uma flexão do verbo agir.

    ...

    Exemplos do uso de aja

    1. Espero que você aja naturalmente para se safar dessa absurda situação.
    2. Aja de acordo com as normas da empresa.
    3. Não há pessoa que não aja de forma diferente diante de tantas emoções.


ID
89812
Banca
FCC
Órgão
TRE-AL
Ano
2010
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Sociedade do espetáculo: mal de uma época

"Nosso tempo prefere a imagem à coisa, a cópia ao original,
a representação à realidade, a aparência ao ser. O cúmulo
da ilusão é também o cúmulo do sagrado." Essas palavras do
filósofo Feurbach nos dizem algo fundamental sobre nossa época.
Toda a vida das sociedades nas quais reinam as condições
modernas de produção se anuncia como uma imensa acumulação
de espetáculos. Tudo o que era diretamente vivido se esvai
na fumaça da representação. As imagens fluem desligadas de
cada aspecto da vida e fundem-se num curso comum, de forma
que a unidade da vida não mais pode ser restabelecida.
O espetáculo é ao mesmo tempo parte da sociedade, a
própria sociedade e seu instrumento de unificação. Como parte
da sociedade, o espetáculo concentra todo o olhar e toda a consciência.
Por ser algo separado, ele é o foco do olhar iludido e da
falsa consciência. O espetáculo não é um conjunto de imagens,
mas uma relação entre pessoas, mediatizadas por imagens.
A alienação do espectador em proveito do objeto contemplado
exprime-se assim: quanto mais contempla, menos
vive; quanto mais aceita reconhecer-se nas imagens dominantes,
menos ele compreende a sua própria existência e o seu
próprio desejo. O conceito de espetáculo unifica e explica uma
grande diversidade de fenômenos aparentes, apresenta-se
como algo grandioso, positivo, indiscutível e inacessível.
A exterioridade do espetáculo em relação ao homem que
deveria agir como um sujeito real aparece no fato de que os
seus próprios gestos já não são seus, mas de um outro que os
apresenta a ele. Eis por que o espectador não se sente em casa
em parte alguma, porque o espetáculo está em toda parte. Eis
por que nossos valores mais profundos têm dificuldade de
sobreviver em uma sociedade do espetáculo, porque a verdade
e a transparência, que tornam a vida realmente humana, dela
são banidas e os valores, enterrados sob o escombro das
aparências e da mentira, que nos separam, em vez de nos unir.

(Adaptado de Maria Clara Luccheti Bingemer, revista Adital)

Na frase Eis por que o espectador não se sente em casa em parte alguma, porque o espetáculo está em toda parte, os elementos sublinhados podem ser correta e respectivamente substituídos por

Alternativas
Comentários
  • Uma coisa que eu sempre confundia e depois que me dei conta melhorou bastante: a diferença do conquanto para o porquanto. PORquanto é sinônimo de POR que e não se confunde com conquanto, que significa mas, porém...
  • Vamos ao comentário da letra A:

    por que(separado e sem acento), pode ser substituido por: por qual razão, por qual motivo, pelo qual, pelas quais etc...

    porque(junto e sem acento), pode ser sustituido por: já que, pois, afim de que,porquanto etc....pois ele pode indicar: causa, finalidade, explicaçao.

    outra noção importante é saber o significado de :

    porquanto:

    1. conjunção coordenativa explicativa: porque, pois, que
    2. conjunção subordinativa causal: porque, pois, como, por isso que, visto que, etc

    É ele que lhes dá movimento e atividade e os distingue da matéria inerte, porquanto o movimento da matéria não é a vida.

    conquanto: conj. Relaciona pensamentos opositivos; embora, ainda que, se bem que, posto que etc.:

    ex.: aparenta riqueza, conquanto seja pobre.

          

  • "Por que" separado da ideia de "Por qual razão" e o "porque" junto nesse caso dá ideia de conjunção explicativa ou causal...

    a) A razão pela qual e visto que: CORRETA... 

    b) por cujo motivo e visto que: Cujo virá sempre entre dois substantivos e da ideia de posse... ERRADA

    c) a finalidade pela qual e dado que: A finalidade não se encaixa, pois queremos dar ideia de razão e não finalidade... ERRADA

    d) o motivo por onde e conquanto:Conquanto dá ideia de concessão e a questão se refere a ideia explicativa ou causal... ERRADA

    e) a alegação de que e conquanto:

    Abraços e bom estudo!!!
  • PORQUÊ: quando for pluralizável. Sempre será substantivo. Emprega-se o porquê como substantivo, precedido de artigo ou pronome. Equivale a "motivo", "causa", "razão".
    Exemplos: i) Não entendi o porquê; ii) Não entendo este porquê!

    POR QUÊ: quando, não sendo pluralizável, estiver no final de frases.
    Equivale a "por qual razão".
    Exemplos: i) Sou feliz e sei por quê; ii) Sei o porquê, por quê?

    POR QUE:


    1 - Equivale a "O MOTIVO PELO QUAL": por (preposição) + que (conj. sub. integrante) (conjunção integrante: quando introduz orações que integram ou completam o sentido que foi expresso na oração principal).

    2 - Equivale a "POR QUAL MOTIVO" ou "POR QUAL RAZÃO": por (preposição)+ que (advérbio interrogativo). É usado em perguntas.

    3 - Equivale a "PELO QUAL", "PELA QUAL", "PELOS...": por (preposição) + que (pronome relativo) - substitui o "pelo qual" e suas flexões.

    PORQUE: em todos os demais casos. Equivale à "causa", "explicação".
    Emprega-se o "porque" como conjunção coordenativa explicativa, subordinativa causal e final; equivale a "pois", "uma vez que", "já que", "como", "para que", "a fim de que".
  • ALTERNATIVA CORRETA: Letra "A" - (responde as demais alternativas).

     

    Por que (separado) pode vir acompanhado pela palavra razão ou a mesma pode estar subentendida. Outra alternativa que poderia confundir é a "d", mas vem seguido de por onde e não cabe no trecho. Encontra-se a resposta sem chegar à próxima palavra.

  • CONquanto é CONcessiva! Ainda que, embora, etc.

    PORquanto vem de POR que, visto que, é EXPLICATIVA.


ID
93340
Banca
FCC
Órgão
TRF - 1ª REGIÃO
Ano
2001
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Um sonho de simplicidade

Então, de repente, no meio dessa desarrumação feroz
da vida urbana, dá na gente um sonho de simplicidade. Será um
sonho vão? Detenho-me um instante, entre duas providências a
tomar, para me fazer essa pergunta. Por que fumar tantos
cigarros? Eles não me dão prazer algum; apenas me fazem
falta. São uma necessidade que inventei. Por que beber uísque,
por que procurar a voz de mulher na penumbra ou os amigos no
bar para dizer coisas vãs, brilhar um pouco, saber intrigas?

Uma vez, entrando numa loja para comprar uma gravata,
tive de repente um ataque de pudor, me surpreendendo assim,
a escolher um pano colorido para amarrar ao pescoço.

Mas, para instaurar uma vida mais simples e sábia, seria
preciso ganhar a vida de outro jeito, não assim, nesse comércio
de pequenas pilhas de palavras, esse ofício absurdo e vão de
dizer coisas, dizer coisas... Seria preciso fazer algo de sólido e
de singelo; tirar areia do rio, cortar lenha, lavrar a terra, algo de
útil e concreto, que me fatigasse o corpo, mas deixasse a alma
sossegada e limpa.

Todo mundo, com certeza, tem de repente um sonho
assim. É apenas um instante. O telefone toca. Um momento!
Tiramos um lápis do bolso para tomar nota de um nome, de um
número... Para que tomar nota? Não precisamos tomar nota de
nada, precisamos apenas viver - sem nome, nem número,
fortes, doces, distraídos, bons, como os bois, as mangueiras e o
ribeirão.

(Rubem Braga, 200 crônicas escolhidas

Está correta a grafia de todas as palavras na frase:

Alternativas
Comentários
  • a) erro em "estravagante". Grafia correta: extravaganteb) erro em "displiscente". Grafia correta: displicentec) erro em "sugeição". Grafia correta: sujeiçãod) corretae) erro em "exclue". grafia correta: exclui (A forma dos verbos com infinitivos terminados em air, oer e uir são grafadas com terminação i. Ex: influi, possui, retribui, de influir, possuir, retribuir)
  • Além dos erros levantados pelo colega abaixo, ainda há os seguintes:a) "distenção"; correto: DISTINÇÃO.b) "atribue"; correto: ATRIBUI.c) "evazão"; correto: EVASÃO.d) Corretae) "encorporamos"; correto: INCORPORAMOS.
  • a) extravagante / distinção 
    b) displicente / atribui
    c) evasão / sujeição
    d) ok 
    e) exlui / incorporamos
  • Reforçando

    Para não errar mais as questões no formato da letra e

    "A singeleza de uma vida natural exclue, é obvio, aqueles valores supérfluos que encorporamos sem nunca os analisar. "

    Sempre que o verbo for da 3ª conjugação, ou seja, terminar em ir, escreve com i. Exemplo:

    A singeleza de uma vida natural exclui (do verbo excluir), é obvio, aqueles valores supérfluos que ncorporamos sem nunca os analisar.

    Nesse formato também o verbo da letra b: atribui (do verbo atribuir)


    Nas demais conjugações, (1ª e 2ª) usa-se o e no final. Exemplo: cante (cantar), bebe (beber), corre, (correr), imite (imitar), voe (voar)

    Bons estudos!
  • a)O sonho do cronista parece estravagante, mas há que se reconhecer nele a beleza de uma vida a ser levada com muito mais distenção. EXTRAVAGANTE, DISTINÇÃO

     b)Quem vive de forma mais displiscente não é o homem distraído das obrigações, mas aquele que atribue importância exclusiva aos negócios e à rotina urbana.DISPLICENTE E ATRIBUI, fcc gosta

     c)Um telefone corta abruptamente nossa evazão imaginária, e anotamos nomes e números, na sugeição aos velhos hábitos e compromissos. EVASÃO E SUJEIÇÃO

     d)Se uma vida mais natural nos restitui a extinta simplicidade, que empecilhos tão fortes nos impedem de desfrutá-la?

     e)A singeleza de uma vida natural exclue, é obvio, aqueles valores supérfluos que encorporamos sem nunca os analisar. EXCLUI E INCORPORAMOS.


ID
95080
Banca
FCC
Órgão
TRF - 4ª REGIÃO
Ano
2004
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Justiça e burocracia
A finalidade maior de todo processo judicial é chegar a
uma sentença que condene o réu, quando provada a culpa, ou
o absolva, no caso de ficar evidenciada sua inocência ou se
nada vier a ser efetivamente comprovado contra ele. O
pressuposto é o de que, em qualquer dos casos, a sentença
terá sido justa. Mas nem sempre isso ocorre. O caminho
processual é ritualístico, meticuloso, repleto de cláusulas, de
brechas para interpretação subjetiva, de limites de prazos, de
detalhes técnicos - uma longa jornada burocrática, em suma,
em que pequenos subterfúgios tanto podem eximir de
condenação um culpado como penalizar um inocente. Réus
poderosos contam com equipes de advogados particulares
experientes e competentes, ao passo que um acusado sem recursos
pode depender de defensores públicos mal remunerados
e indecisos quanto à melhor maneira de conduzir um processo.
No limite, mesmo os réus de notória culpabilidade,
reincidentes, por exemplo, em casos de corrupção, acabam por
colecionar o que cinicamente chamam de "atestados de
inocência", sucessivamente absolvidos por força de algum
pequeno ou mesmo desprezível detalhe técnico. Quanto mais
burocratizados os caminhos da justiça, maior a possibilidade de
que os "expedientes" das grandes "raposas dos tribunais" se
tornem decisivos, em detrimento da substância e do mérito
essencial da ação em julgamento. A burocracia dos tortuosos
caminhos judiciais enseja a vitória da má-fé e do oportunismo,
em muitos casos; em outros, multiplica entraves para que uma
das partes torne evidente a razão que lhe assiste.
(Domiciano de Moura)

A grafia de todas as palavras está correta na frase:

Alternativas
Comentários
  • Existem dois erros por alternativa, abaixo as formas corretas:b) Incidência - analisem c) irrisoriamente - erário d) pesaroso - inescrupulosamente e) frigir - cooptar
  • Pertinaz: Obstinado, persistente, teimoso, pervicaz.
  • Gabarito: A

     

    a) A sentença foi exarada sem que o juiz sequer vislumbrasse os subterfúgios de que lançou mão o pertinaz advogado de defesa. CORRETA

     

    b) A alta inscidência [INCIDÊNCIA] de erros judiciais constitui - ou deveria constituir - um alerta para que nossos juristas analizem [ANALISEM] com mais sensatez os ritos processuais. ERRADA

     

    c) Acabam sofrendo discriminação, nos julgamentos, os réus mais pobres, assistidos por advogados pagos irrizoriamente [IRRISORIAMENTE] pelo herário [ERÁRIO] público. ERRADA

     

    d) Um advogado honesto deve sentir-se pezaroso [PESAROSO] por ter de enfrentar a malícia de pares seus, que chegam a se gabar por ganharem uma causa inescrupulozosamente [INESCRUPOLOSAMENTE]. ERRADA

     

    e) É no fringir [FRIGIR] dos ovos - na hora da sentença - que se verá se o juiz se deixou ou não coptar [COOPTAR] pela argumentação falaciosa do esperto advogado. ERRADA

     


ID
102583
Banca
FCC
Órgão
MPU
Ano
2007
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

A frase que está totalmente de acordo com o padrão culto é:

Alternativas
Comentários
  • * a) Vossa SENHORIA, senhor Ministro, PODERÍEIS me receber amanhã em audiência, para que lhe entregue pessoalmente meu projeto? * b) Ele é ambidestro, sabe até desenhar com ambas AS mãos, mas jamais QUIZ colocar sua habilidade em evidência. * c) Queria sair com nós três, não sei bem por quê; talvez haja assuntos sobre os quais ela queira nos colocar a par. (CORRETA) * d) Essas pinturas são consideradas as maiores OBRAS DE ARTES do período, mas nada tem HAVER com a temática que você quer estudar. * e) Ela vivia dizendo "Eu MESMO desenho meu futuro", mas essa era uma forma dela ocultar sua relação MAU resolvida com os pais.Os erros das frases estão escritos em letras maiúsculas e elas ficarão totalmente de acordo com o padrão culto, se forem reescritas da seguinte forma: * a) Vossa Excelência, senhor Ministro, poderia me receber amanhã em audiência, para que lhe entregue pessoalmente meu projeto? * b) Ele é ambidestro, sabe até desenhar com ambas as mãos, mas jamais quis colocar sua habilidade em evidência. * d) Essas pinturas são consideradas as maiores obras de arte do período, mas nada tem a ver com a temática que você quer estudar. * e) Ela vivia dizendo "Eu mesma desenho meu futuro", mas essa era uma forma dela ocultar sua relação mal resolvida com os pais.
  • A letra C é a "menos pior": o por quê (para que seja separado e acentuado), deve vir seguido de artigo, pois é substantivo. Na frase em questão, bastaria que fosse separado. O acento está em desacordo...
  • Aniella,

    A questão está correta. Para ser substantivo, o porquê deve ser junto e com acento. A alternativa está correta, pois quando vem no fim da frase, é separado e com acento, exatamente como está na questão.
  • Não entendi o porquê de a questão ter sido anulada. Alguém sabe o motivo?

  • a) Vossa Senhoria, senhor Ministro, poderíeis me receber amanhã em audiência, para que lhe entregue pessoalmente meu projeto? (pode)

    b) Ele é ambidestro, sabe até desenhar com ambas mãos, mas jamais quiz colocar sua habilidade em evidência. (quis)

    c) Queria sair com nós três, não sei bem por quê; talvez haja assuntos sobre os quais ela queira nos colocar a par. (o porquê, o motivo)

    d) Essas pinturas são consideradas as maiores obras de artes do período, mas nada tem haver com a temática que você quer estudar. (a ver)

    e) Ela vivia dizendo "Eu mesmo desenho meu futuro", mas essa era uma forma dela ocultar sua relação mau resolvida com os pais. (mesma)

    Não há gabarito, pois todas contêm erros gramaticais.


ID
103123
Banca
CESGRANRIO
Órgão
Petrobras
Ano
2005
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Indique a opção em que as palavras destacadas estão corretamente grafadas de acordo com o sentido na frase.

Alternativas
Comentários
  • Descrição = representar por meio de palavras.Discrição = reservado, modesto.Espectador = que ou quem assiste um espetáculo.Expectador = aquele que está na expectativa.Esperto = inteligente, acordado.Experto = especialista.Fluir = correr em estado líquido.Fruir = desfrutar.Eminente = que se eleva acima do que o redeia.Iminente = que ameaça acontecer em breve.
  • Letra: B
    • a) A discrição é uma qualidade das pessoas educadas./ A descrição feita da testemunha era perfeita.
    • b) O espectador presenciou estarrecido o crime. / Viciado em jogo é um expectador diário. CORRETA
    • c) O experto (perito "expert") em televisão ganha muito dinheiro. / O ladrão foi esperto (inteligente) em aproveitar a oportunidade.
    • d) Velhos sábios fruem (desfrutam) todos os momentos da vida. / Os acontecimentos não estão fluindo (correndo) bem.
    • e) É iminente a chegada da luz. / O jogador que se despediu é figura eminente.

ID
105205
Banca
CESGRANRIO
Órgão
IBGE
Ano
2006
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

A importância do censo

O censo ajuda cada um de nós a conhecer melhor
os estados e, principalmente, nossos municípios. Os resultados
do censo refletem a realidade brasileira, fornecendo o
retrato do Brasil num determinado período de tempo. Seus
dados são utilizados em programas e projetos que contribuem
para estudar o crescimento e a evolução da população ao
longo do tempo, identificar regiões que precisam de investimentos
em saúde, habitação, transportes, energia, programas
de assistência à velhice.

Seus efeitos podem ser vistos, também, na
agropecuária. Conhecendo melhor a situação deste setor, o
governo pode criar novos incentivos na produção da agricultura
familiar, por exemplo, em produtos que alimentam os brasileiros,
como arroz, feijão, milho, mandioca, hortaliças, além da
criação de caprinos, ovinos e gado de leite.

A sociedade também pode fazer uso destes resultados.
Eles podem indicar locais propícios para instalação de
fábricas, supermercados, shopping centers, escolas, creches,
cinemas, restaurantes, lojas. Além disso, podem servir de
base para que os cidadãos possam reivindicar maior atenção
do governo para problemas específicos, como a expansão da
rede de água e esgoto, expansão de rede telefônica, instalação
de postos de saúde, etc.

Disponível em www.ibge.gov.br/censo/motivos.shtm(adaptado)

Assinale a opção em que todas as palavras estão escritas de forma correta.

Alternativas
Comentários
  • Ba - úÉ um hiato. Acentuam-se as letras i e u desde que sejam a segunda vogal tônica de um hiato e estejam sozinhas ou seguidas de s na sílaba. ca-í, pa-ís, ba-la-ús-tre e etc.Exceto se seguido de NH como em rainha, bainha, moinhoou se forem repetidos com em xiita, juuna, vadiice
  • Se a palavra for oxítona e o (i) ou o (u) estiverem em posição final (ou seguidos de s), o acento permanece. Sendo assim, caju deveria ser acentuado.
  • Baú (HIATO HETEROGÊNIO- viúva(HIATO HETEROGÊNIOórfão(PAROXÍTONA TERMINADA EM DITONGO)caju( NÃO ACENTUA-SE AS OXITONAS TERMINADAS EM U)
  • Adriana, essa regra que voce falou é somente para os hiatos, caju não é hiato----Nova regraNão se acentuarão mais “i” e “u” tônicos formando hiato quando vierem depois de ditongo---Como ébaiúca, boiúna, feiúra, feiúme, bocaiúva----Como serábaiuca, boiuna, feiura, feiume, bocaiuvaObs 1: Se a palavra for oxítona e o “i” ou “u” estiverem em posição final o acento permanece: tuiuiú, Piauí.Obs 2: Nos demais “i” e “u” tônicos, formando hiato, o acento continua. Exemplo: saúde, saída, gaúcho.
  • Na alternativa A a palavra errada é familia porque está sem o acento

    Na alternativa B a palavra errada é fôlha porque não tem acento circunflexo

    Na alternativa C a palavra errada é cafe porque tá sem o acento agudo

    Na alternativa D não tem nenhuma palavra errada , logo é a alternativa correta

    Na alternativa E a palavra errada é tabú porque não tem acento

    Bons Estudos !!!!!

    Pedro.

     

  • É a Resposta é a letra D

    porque é a unica alternativa que todas as palavras estão correta

    Na letra A a palavra familia está erra tá faltando o acento

    Na letra B a palavra fôlha não tem acento circunflexo

    Na letra C a palavra café está errada tá faltando o acento agudo

    Na Letra D estão todas corretas, é a ALTERNATIVA CORETA

    Na letra E é a palavra tabú que n tem acento agudo

     

    Resposta letra D

    Bons Estudos Pessoal !!

     

    Paulo.

  • Fala sério...ctrl c + ctrl + v de comentários..para q?? 
    Se não há nada mais a cometar...p q comentar??
  • Oxítonas --> recebem acento apenas as terminadas em a(s) e(s) o(s) em (ens) 

    logo sofá , Paraná, ananás, Panamás, marajás atrás, também, compôs TODAS ACENTUADAS 

    Por isso CAJU TABU ANU URUBU MACIEZ  não são acentuadas. 


  • OXÍ   -     TONAS   =       SÍLABAS MAIS FORTE      A ÚLTIMA  (OXI)    FO -   GA  -  RÉU

     

       A – TÉ         TAM.BÉM   C.éu

     

                                   Me.trô

     

    ESTÁ → oxítona terminada em "a" aberto; é → monossílabo terminado em "e"

                   OXÍTONAS:       Sílaba tônica:      ÚLTIMA

     

     

    OXÍTONA terminada em      A   -    E     -  O  -   EM                    ALÉM

     

     

    AL.GU  ÉM     NIN.GUÉM          in.glês

      TAM.BÉM

     

    Q813984

     

    VO- CÊ   -     D Ê  -      Utiliza-se o acento circunflexo nas palavras OXÍTONAS terminadas em:

    es/tá  -     oxítona em A.

    -    VOGAIS TÔNICAS fechadas que se grafam  -e    ou     –     o e

     

     

    Amap -  á          /           Já-ca-re-pa-guá           Ma.ri.cá

    Caf  -   é

    Sor - ri

    Cip -   ó

    Uru -  bu

     

    As oxítonas terminadas em “U” NÃO são acentuadas (I.ta.i.pu,  I.ta.i.pu.a.çu, tabú).   

     

      EXCEÇÃO:    nas oxítonas, mesmo com ditongo, o i e u estiverem no final, haverá acento: tuiu, Pia, te.

  • hoje essas palavras n tem mais esses acentos


ID
108601
Banca
FCC
Órgão
SEAD-AP
Ano
2002
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Entraram na crônica policial do Estado de São Paulo siglas como PCC. Ela significa Primeiro Comando da Capital. Trata-se de uma facção de criminosos, ao que consta nascida em Taubaté, que atua nos presídios paulistas. O PCC protagonizou a inédita megarrebelião que, num mesmo dia, amotinou presos na capital e em diversas cidades do interior paulista.
Esse tipo de organização era mais conhecido na trajetória dos presídios do Rio de Janeiro. Parece que agora age com mais desenvoltura em São Paulo. Para o Secretário Estadual da Segurança Pública, Marco Vinício Petreluzzi, esse fenômeno não causa surpresa. "Não me espanta que em qualquer cadeia haja tentativa de organização por parte dos presos, porque, afinal, estamos tratando com criminosos", disse o Secretário.
Pode causar espécie o ceticismo de Petreluzzi, até mesmo pela responsabilidade do cargo que ocupa, mas ele contém um ponto que merece reflexão. De fato, a concentração de criminosos facilita a formação dessas organizações que passam a fazer dos presídios uma espécie de quartel-general do crime, de onde se comandam "operações" internas e externas.
Mas características específicas do sistema prisional brasileiro também contribuem para formar o caldo de cultura propício às organizações criminosas. Podem ser citados, nesse sentido, fatores como superlotação, baixa inteligência na administração de presídios, corrupção e reunião de presos que não poderiam conviver no mesmo recinto.
O Governo do Estado toma algumas providências para combater esse tipo de organização. Mas é preciso mais para que as assombrosas siglas dessas gangues de presídios não venham a fazer parte de uma triste rotina contra a qual nada se pode fazer. Que não se propague o temível exemplo de motim rganizado, apresentado por esse tal PCC.


Folha de S. Paulo, 19 fevereiro 2001

Surgiram ...... de criminosos, que transformaram os presídios em ...... do crime organizado.

As lacunas da frase acima estão corretamente preenchidas por

Alternativas
Comentários
  • O PLURAL DE FAÇÃO; FACÇÕES ( SÓ ADMITE ACRECENTAR A FORMA( ÕES)QUARTEL; OS SUBSTANTIVOS TERMINADOS EM AL, EL, OL, UL,NA FORMAÇÃO DO PLURAL TROCA-SE O L POR ( IS).quartéis-generais ; NO PLURAL DE PALAVRAS COMPOSTAS QUANDO OS TERMOS FOREM SUBSTANTIVOS, AMBOS VARIAM.
  • Definição de Facção

    Classe gramatical: substantivo feminino
    Separação das sílabas: fac-ção
    Plural: facções

     

    Definição de Quartel

    Classe gramatical: substantivo masculino
    Separação das sílabas: quar-tel
    Plurais: quarteisquartéis

    Definição de General

    Classe gramatical: adjetivo de dois gêneros e substantivo masculino
    Separação das sílabas: ge-ne-ral
    Plural: generais

     

    Para pluralizar os substantivos compostos cujos elementos são ligados por hífen, observe as orientações a seguir:

    a) Quando as duas palavras forem substantivos, pode-se optar em colocar apenas o primeiro elemento ou ambos no plural:

    palavra-chave = palavras-chave ou palavras-chaves
    couve-flor = couves-flor ou couves-flores
    bomba-relógio = bombas-relógio ou bombas-relógios
    peixe-espada = peixes-espada ou peixes-espadas

     

    b) Flexionam-se os dois elementos, quando formados de: 

    substantivo + adjetivo = amor-perfeito e amores-perfeito
    adjetivo + substantivo = gentil-homem e gentis-homens

  • No caso de quartel-general, são dois substantivos. Porque a questão considerou correta a opção em que ambos variam, e a outra, em que apenas o primeiro varia, não?


ID
108616
Banca
FCC
Órgão
SEAD-AP
Ano
2002
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

O crime não ocorre por acaso. Antes de atacar, o bandido costuma observar atentamente sua vítima. Estuda seus movimentos e pontos fracos e avalia os riscos da investida. A não ser que esteja drogado, quem pratica uma ação criminosa pesa todos esses fatores antes de decidir se vale a pena arriscar. Facilidade de ataque e fuga, fragilidade do alvo e possibilidade de bons ganhos são fatores que pesam na decisão.
Analisando dessa forma, fica fácil entender o que se deve fazer para diminuir o risco de se tornar alvo preferencial, sujeito a ataques a qualquer momento. O melhor é recorrer ao bom senso. Não ostentar jóias nem outros objetos de valor, evitar lugares desertos, procurar estar sempre acompanhado, somente utilizar caixas eletrônicas em locais públicos e prestar atenção quando estiver no trânsito. Apesar de amplamente conhecidos, esses cuidados costumam ser negligenciados pelas pessoas. A tendência é imaginar que coisas ruins só contecem com os outros.
Para evitar o risco de engrossar as estatísticas da criminalidade, a melhor tática é seguir os conselhos de policiais e profissionais especialistas em segurança. Ao caminhar pela calçada, por exemplo, os ladrões preferem abordar pessoas distraídas e que aparentam ter algo de valor. É aconselhável ficar afastado das aglomerações e andar com bolsas e sacolas junto ao corpo. A observação do movimento também ajuda. Uma pessoa precavida tem muito mais chance de um caminho livre de bandidos.

Veja Especial - Sua Segurança

Todas as palavras recebem acento pela mesma razão que o justifica em tendência na alternativa

Alternativas
Comentários
  • Palavras paroxítonas terminadas em ditongo seguidas ou não de "s" são acentuadas.
  • Resolvendo :1) Efetuando a divisão silábica Não se separam as vogais que separam os ditongos e os tritongos.pre-sí-dios se-cre-tá-rio pro-vi-dên-cias2) Classificação segundo a posição da sílaba tónica Quando a sílaba tónica é a penúltima sílaba da palavra , diremos que a palavra é paroxítona3)Verificar o enquadramento de acordo com as regras de acentuaçãoPalavra paroxítona com ditongo crescente seguido ou não de s é acentuada
  • A)
    FE-NÔ-ME-NO: proparoxítona
    A-CON-SE-LHÁ-VEL: paroxítona não terminada em A(S), E(S), O(S), EM(ENS)
    ES-PÉ-CIE: paroxítona terminada em ditongo crescente

    B)
    VÍ-TI-MA: proparoxítona
    TAU-BA-TÉ: oxítona
    TRA-JE-TÓ-RIA: paroxítona terminada em ditongo crescente

    C)
    PRO-PÍ-CIO: paroxítona terminada em ditongo crescente
    PÚ-BLI-COS: proparoxítona
    FÁ-CIL: paroxítona não terminada em A(S), E(S), O(S), EM(ENS)

    D)
    PRE-SÍ-DIOS; SE-CRE-TÁ-RIO; PRO-VI-DÊN-CIA: são todas paroxítonas terminadas em ditongo crescente

    E)
    JÓI-AS: ditongo aberto "ói"
    TRÂN-SI-TO: proparoxítona
    ES-PE-CÍ-FI-CAS: proparoxítona
  • Comentário objetivo:

    A questão tenta levar o candidato a achar que a palavra tendência é uma proparoxítona (TEN-DÊN-CI-A) e por isso procurar a alternativa que tenha palavras que são acentuadas pela sua regra (todas as proparoxítonas são acentuadas).

    No entanto, a palavra é uma paroxítona (TEN-DÊN-CIA) terminada em ditongo crescente, mesma regra de acentuação das palavras da alternativa D (PRE-SÍ-DIO  /  SE-CRE-TÁ-RIO  /  PRO-VI-DÊN-CIAS).

  • TENDÊNCIA - paroxítona terminada em ditongo crescente.

    A) ERRADA. FENÔMENO - proparoxítona

    B) ERRADA. VÍTIMA - proparoxítona

    C) ERRADA. PÚBLICOS - proparoxítona

    D) CORRETA

    E) ERRADA. ESPECÍFICAS E TRÂNSITO - proparoxítonas

  • Acentuam-se as palavras paroxítonas terminadas em ditongo crescente.

    Normalmente as bncas diferenciam as palavras em ditongo em ralação às palavras terminadas em ditongo crescente.

  • Colegas é sempre bom observar como a banca examina as questões, no caso da questão a FCC sempre segue a regra de que as PAROXÍTONAS TERMINADAS EM DITONGO CRESCENTE são na verdade (para a banca) classificadas como PROPAROXÍTONAS (é só observar como é a separação silábica dessas palavras)

    Lembrado que as demais bancas adotam a regra do ditongo crescente!!
  • Tendência - se acentua pois é uma paroxítona terminada em ditongo

    A única questão com palavras acentuadas por este motivo é a letra D.
  • Perfeito o comentário Renata. Há palavras que podem ser classificadas tanto como paroxítonas, quanto como proparoxítonas e, realmente, também tenho observado que a FCC costuma classificar estas como proparoxítonas.
  • Questão muito simples...
    no caso desta questão nem precisave examinar muito a questão .
    Precisaria apenas achar as palavras paroxitonas .
  • Simplificando:

    A palavra TENDÊNCIA é uma paroxítona terminada em DITONGO ORAL CRESCENTE.
    Assim como ocorre com as palavras da letra (D): PRESÍDIOS; SECRETÁRIO; PROVIDÊNCIAS, todas elas são palavras paroxítonas terminadas em DITONGO ORAL CRESCENTE.

  • TENDÊNCIA= PAROXÍTONO TERMINADO EM DITONGO ORAL CRESCENTE.
    presídios, secretário, providências
    São acentuadas por serem paroxítonos terminados em ditongo oral crescente.(Regras: Acentua-se todos os paroxítonos terminados em ditongo oral crescente.)
  • GABARITO: D

    Apesar de não constar na alternativa do gabarito, mas a palavra JOIAS perdeu o acento com o novo acordo.

    A Reforma Ortográfica diz que os ditongos abertos “éi” e “ói” de palavras  paroxítonas não devem ser mais acentuados. Por isso, joia perde o acento, mas a  pronúncia não muda.

    joi-a (separação)

    DENÚNCIE ESTA QUESTÃO POR ESTAR DESATUALIZADA.

    http://blog.poesie.com.br/joias-e-curiosidades/voce-sabia-que-joia-nao-possui-mais-acento/

    http://www.priberam.pt/dlpo/joias

    Leia Mais: http://blog.poesie.com.br/joias-e-curiosidades/voce-sabia-que-joia-nao-possui-mais-acento/#ixzz2sdz1hk4l

  • Embora esta questão esteja desatualizada, a realização da questão não é prejudicada totalmente ! 

          A regra da palavra (TENDÊNCIA) é: Paroxítona terminada em ditongo oral crescente, o que ocorre, exatamente, nas palavras mencionadas na letra D - presídios, secretário, providências.

           Logo, o gabarito encontra-se na letra D da questão.

     Fonte: Comentário de acordo com o prof. Décio Terror



ID
108622
Banca
FCC
Órgão
SEAD-AP
Ano
2002
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Encontram-se palavras escritas de maneira INCORRETA na frase:

Alternativas
Comentários
  • Tacha = prego curto de cabeça chata. · Taxa = tabela de preços, imposto, percentagem, juro.
  • Lembrando que o verbo "tachar" se escreve com "ch".
    Ex: Ele sempre é tachado de idiota.
  • Questão desatualizada, uma vez que ideia perdeu o acento. 

  • -taXar: atribuir qualidades, defeitos ou taxas. Ex: Taxei ele de corajoso. Ex:Taxei ele de covarde. Ex:O governo taxou os produtos. -taCHar: atribuir apenas defeitos.(manCHas). Ex:Taxei ele de covarde. Aprendi assim. Espero ter ajudado.

ID
108736
Banca
VUNESP
Órgão
TJ-SP
Ano
2010
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

No fim da década de 90, atormentado pelos chás de cadeira que enfrentou no Brasil, Levine resolveu fazer um levantamento em grandes cidades de 31 países para descobrir como diferentes culturas lidam com a questão do tempo. A conclusão foi que os brasileiros estão entre os povos mais atrasados - do ponto de vista temporal, bem entendido - do mundo. Foram analisadas a velocidade com que as pessoas percorrem determinada distância a pé no centro da cidade, o número de relógios corretamente ajustados e a eficiência dos correios. Os brasileiros pontuaram muito mal nos dois primeiros quesitos. No ranking geral, os suíços ocupam o primeiro lugar. O país dos relógios é, portanto, o que tem o povo mais pontual. Já as oito últimas posições no ranking são ocupadas por países pobres.
O estudo de Robert Levine associa a administração do tempo aos traços culturais de um país. "Nos Estados Unidos, por exemplo, a ideia de que tempo é dinheiro tem um alto valor cultural. Os brasileiros, em comparação, dão mais importância às relações sociais e são mais dispostos a perdoar atrasos", diz o psicólogo. Uma série de entrevistas com cariocas, por exemplo, revelou que a maioria considera aceitável que um convidado chegue mais de duas horas depois do combinado a uma festa de aniversário. Pode-se argumentar que os brasileiros são obrigados a ser mais flexíveis com os horários porque a infraestrutura não ajuda. Como ser pontual se o trânsito é um pesadelo e não se pode confiar no transporte público?

(Veja, 02.12.2009)

Analisar escreve-se com s porque é derivada da palavra análise, que tem s em seu radical. A palavra em que o mesmo processo justifica o emprego do s é

Alternativas
Comentários
  • RESPOSTA  LETRA ( C )  PESQUISAR-PESQUISADOR

  • É o tipo de questão que nem precisa perder tempo lendo o texto, vai direto conferir as alternativas. 


    Letra c - pesquisa com radical s.

  • PESQUIS- radicarl AR- verbo regular

  • Gab - C

     

  • gab:c

    pesquisa =pesquisador


ID
108742
Banca
VUNESP
Órgão
TJ-SP
Ano
2010
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

No fim da década de 90, atormentado pelos chás de cadeira que enfrentou no Brasil, Levine resolveu fazer um levantamento em grandes cidades de 31 países para descobrir como diferentes culturas lidam com a questão do tempo. A conclusão foi que os brasileiros estão entre os povos mais atrasados - do ponto de vista temporal, bem entendido - do mundo. Foram analisadas a velocidade com que as pessoas percorrem determinada distância a pé no centro da cidade, o número de relógios corretamente ajustados e a eficiência dos correios. Os brasileiros pontuaram muito mal nos dois primeiros quesitos. No ranking geral, os suíços ocupam o primeiro lugar. O país dos relógios é, portanto, o que tem o povo mais pontual. Já as oito últimas posições no ranking são ocupadas por países pobres.
O estudo de Robert Levine associa a administração do tempo aos traços culturais de um país. "Nos Estados Unidos, por exemplo, a ideia de que tempo é dinheiro tem um alto valor cultural. Os brasileiros, em comparação, dão mais importância às relações sociais e são mais dispostos a perdoar atrasos", diz o psicólogo. Uma série de entrevistas com cariocas, por exemplo, revelou que a maioria considera aceitável que um convidado chegue mais de duas horas depois do combinado a uma festa de aniversário. Pode-se argumentar que os brasileiros são obrigados a ser mais flexíveis com os horários porque a infraestrutura não ajuda. Como ser pontual se o trânsito é um pesadelo e não se pode confiar no transporte público?

(Veja, 02.12.2009)

Assinale a alternativa em que as palavras são acentuadas graficamente pelos mesmos motivos que justificam, respectivamente, as acentuações de: década, relógios, suíços.

Alternativas
Comentários
  • DÉ-CA-DA: PROPAROXÍTONA------(TODAS SÃO ACENTUADAS).RE-LÓ-GIOS-------------------(PAROXÍTONA TERMINADA EM DITONGO,SEGUIDO DE ( S).SU - Í -ÇOS-------------------(HIATO HETEROGÊNIO).
  • DÉCADA E REPÚBLICA - proparoxítonas

    RELÓGIOS E CENÁRIO - paroxítona terminada em ditongo

    SUÍCOS E GRAÚDA - hiatos

  •  

    República - Proparoxítona

    Empresária - Paroxítona

    Graúda - Paroxítona

     

    Resposta Letra E

    Bons Estudos Pessoal !!

     

    Paulo.

     

     

  • DÉ - CA - DA > proparoxítona = RE - PÚ - BLI - CA > proparoxítona

    RE - LÓ - GIOS > paroxítona terminado em ditongo = EM - PRE - SÁ - RIA > paroxítona terminado em ditongo

    SU - Í - ÇO > paroxítona separado por ser hiato = GRA - Ú - DA > paroxítona separado por ser hiato

  • A alternativa e está correta.
    Repúbica e década são palavras proparoxítonas e todas as proparoxítonas são acentuadas.
    empresária e relógios são palavras paroxítonas terminadas em ditongo.
    graúda e suíços são hiato.


  • Para ganhar tempo, recomendo resolver por eliminação! Tendo em vista que as primeiras palavras das letras A, B e C não tinha a mesma acentuação da palavra "DÉCADA" que é uma proparoxítona. Dessa forma não perdi tempo analisando as demais, ficando entre a D e E, marcando respectivamente a letra "E".

  • Essa explicação me ajudou bastante: Acentuam-se o I e o U quando (1) tônicos, (2) formando hiato com a vogal anterior, (3) sozinhos na sílaba ou seguidos de S - e tão somente de S.


    Exemplos: sa-í-da; mo-í-do; pre-ju-í-zo; fa-ís-ca; e-go-ís-ta.

  • Nada é fácil , tudo se conquista!

  • Boa questão, acertei.

  • Década ----> proparoxítona

    Relógios ----> paroxítona terminada em ditongo crescente

    Ditongo crescente é o encontro vocálico, numa única sílaba, de uma semivogal (u;i) seguida de uma vogal. Por exemplo: quatro (ua); violência (ia); colégio (io)

    Ditongo decrescente é o encontro vocálico, numa só sílaba, de uma vogal seguida de uma semivogal (u;i) . Por exemplo: reinado(ei); pneu(eu)

    Suíços ----> hiato

  • república, empresária, graúda.

     

    cuidado com o COVID-19

    FIQUE EM CASA

  • república, empresária, graúda.

  • GABARITO: LETRA E

    ACRESCENTANDO:

    Regra de Acentuação para Monossílabas Tônicas:

    Acentuam-se as terminadas em -a(s), -e(s), -o(s).

    Ex.: má(s), trás, pé(s), mês, só(s), pôs…

    Regra de Acentuação para Oxítonas:

    Acentuam-se as terminadas em -a(s), -e(s), -o(s), -em(-ens).

    Ex.: sofá(s), axé(s), bongô(s), vintém(éns)...

     

    Regra de Acentuação para Paroxítonas:

    Acentuam-se as terminadas em ditongo crescente ou decrescente (seguido ou não de s), -ão(s) e -ã(s), tritongo e qualquer outra terminação (l, n, um, r, ns, x, i, is, us, ps), exceto as terminadas em -a(s), -e(s), -o(s), -em(-ens).

    Ex.: história, cáries, jóquei(s); órgão(s), órfã, ímãs; águam; fácil, glúten, fórum, caráter, prótons, tórax, júri, lápis, vírus, fórceps.

     

    Regra de Acentuação para Proparoxítonas:

    Todas são acentuadas .Ex.: álcool, réquiem, máscara, zênite, álibi, plêiade, náufrago, duúnviro, seriíssimo...


    Regra de Acentuação para os Hiatos Tônicos (I e U):

    Acentuam-se com acento agudo as vogais I e U tônicas (segunda vogal do hiato!), isoladas ou seguidas de S na mesma sílaba, quando formam hiatos.

    Ex.: sa-ú-de, sa-í-da, ba-la-ús-tre, fa-ís-ca, ba-ú(s), a-ça-í(s)...

    FONTE: A GRAMÁTICA PARA CONCURSOS PÚBLICOS 3ª EDIÇÃO FERNANDO PESTANA.

  • Preciso discordar dos colegas, acredito que empresária e relógios são, na realidade, proparoxítonas.

  • Resumo Acentuação e Ortografia:

    Monossílabos:

    Terminados em A(s),E(s),O(s) : pá, três, pós;

    Terminadas em Ditongo Aberto: éu, éi, ói: céu, réis, dói;

    Oxítonas:

    Terminadas em A(s),E(s),O(s),Em(s). sofá, café,

    Terminadas em Ditongo Aberto: éu, éi, ói: chapéu, anéis, herói;

    Paroxítonas:

    • Todas, exceto terminadas em A(s),E(s),O(s),Em(s). Ex: fácil, hífen, álbum,

    cadáver, álbuns, tórax, júri, lápis, vírus, bíceps, órfão

    • Terminadas em ditongo (Regra cobradíssima) Ex: Indivíduos, precárias,

    série, história, imóveis, água, distância, primário, indústria, rádio

    • Se tiver Ditongo Aberto: não acentua mais!Ex: boia, jiboia, proteico, heroico

    Proparoxítonas:

    • Todas. Sempre. Ex: líquida, pública, episódica, anencéfalo, período.

    Regra do Hiato:

    Acentuam-se o “i” ou “u” tônico sozinho na sílaba (ou com s): baú,

    juízes, balaústre, país, reúnem, saúde, egoísmo. Caso contrário, não acentue: juiz,

    raiz, ruim, cair.

    Não se acentuam também hiatos com vogais repetidas: voo, enjoo, creem, leem, saara,

    xiita, semeemos.

    Exceção1: “i” seguido de NH: rainha, bainha, tainha,

    Exceção2: “i” ou “u” antecedido de ditongo, se a palavra não for oxítona: bocaiuva,

    feiura, sauipe, Piauí, tuiuiú. Decore: Guaíba e Guaíra são acentuados.

    FONTE: Professor Filipe Luccas - Estratégia concursos.

  • 1) proparoxítona» dé-ca-da

    2) paroxítona» re-ló-gios ( ditongo crescente )

    3) hiato» su-í-ço

    LETRA E


ID
114304
Banca
ESAF
Órgão
SUSEP
Ano
2010
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Os trechos a seguir constituem um texto adaptado do Correio Braziliense, Editorial, 18/02/2010. Assinale a opção transcrita com erro gramatical.

Alternativas
Comentários
  • d) Os trabalhadores com remuneração anual abaixo do teto de isenção previsto para 2010 desde logo estão dispensados de entregar a declaração. Apenas deverão fazê-lo os que TIVESSEM IR retido na fonte e pleiteam restituição. (INCORRETA). CORRETO ......TIVEREM
  • Complementando...d) Os trabalhadores com remuneração anual abaixo do teto de isenção previsto para 2010 desde logo estão dispensados de entregar a declaração. Apenas deverão fazê-LO os que TIVESSEM IR retido na fonte e pleiteam restituição. (INCORRETA). CORRETO ......TIVEREMCORRETO ......fazê-LA (concorda com declaração)
  • Caro Rodrigo, acredito que é fazê-lo mesmo, pois não concorda com "declaração", mas com o ato de entregar a declaração.:|
  • Vamos aos comentários acerca do item D:

    Primeiro, "fazê-lo" não está errado pois nesse caso se equivale a "fazer isso".

    Segundo, o tempo verbal de "tivessem" está errado. O item foi escrito no presente, sendo assim o correto seria "tiverem".

    Terceiro, o vocábulo "pleiteam" está errado. O verbo pleitear é irregular, recebendo a letra I nas formas rizotônicas (eu, tu, ele, eles). O correto seria  "pleiteiam".

     

  • Comentário objetivo:

    d) Os trabalhadores com remuneração anual abaixo do teto de isenção previsto para 2010 desde logo estão dispensados de entregar a declaração. Apenas deverão fazê-lo os que tivessem TIVEREM IR retido na fonte e pleiteam PLEITEAREM restituição.

  • A conjugação de "pleitear" para 3ª pessoa do plural no presente do indicativo é "pleiteiam".

  • D) pleiteam ( errado)
        pleiteiam ( certo)

    Questão sacana
  • Errada d) Os trabalhadores com remuneração anual abaixo do teto de isenção previsto para 2010 desde logo estão dispensados de entregar a declaração. Apenas deverão fazê-lo (fazê-la) os que tivessem IR retido na fonte e pleiteam restituição.

    Fazer a declaração!



    Bons estudos!
  • No caso da letra "c":

    (c) Há outras condicionantes que, previstas nas mudanças, não chegam a alterar os efeitos práticos. Foram obrigadas a explicar-se ao fi sco, por serem qualificadas como integrantes de sociedades comerciais, em 2009, nada menos de 5 milhões de pessoas. Agora, estão livres da obrigação, segundo o supervisor nacional do Programa do IR.

    Enclise é somente em inicio de oração. 
  • "nada menos de" ?

  • Alternativa A o correto não seria prestarem ?

  • Gabarito letra D

     

    Olá Rogerio H! 

    Um breve comentário acerca do item A:

     

    Operação destinada a facilitar a vida do contribuinte coloca a Receita Federal na vanguarda das iniciativas que, ao longo dos últimos anos, objetivam reduzir a ineficiência operacional de agências públicas. É o que se materializa agora com as medidas que desobrigam cerca de 10 milhões de brasileiros de prestar declaração de renda.

     

    Em caso do verbo vir depois do numeral  a concordância verbal de milhão pode ser com o número, no singular, ou com a coisa expressa, no plural.
     

  • d-

    Porque o periodo tem oração principal e subordinada com relação de tempo passado, usa-se modo subjuntivo no preterito imperfeito para indicar condição dependente de ato passado: os que tiverem IR retido


ID
116521
Banca
FCC
Órgão
TRE-CE
Ano
2002
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

O mercado não deixa de ser uma criatura assaz estranha, pois ela é apresentada como se fosse portadora de vontade. Ouvimos freqüentemente que o mercado "quer" isto ou aquilo, que ele tem tal ou qual expectativa, como se
tratássemos com um ente volitivo, dotado de desejos, paixões e esperanças. Como uma criança mimada, se a sua vontade é contrariada, o seu mau humor imediatamente se manifesta, expressando-se na queda das bolsas, no aumento
da cotação do dólar e do dito risco Brasil.
Não se trata, evidentemente, de negar que o mercado tenha regras que devem ser obedecidas, sob pena de uma disfunção total do corpo social e econômico. Seguir
regras faz parte de qualquer comportamento, sem que daí se infira necessariamente que obedecer a um conjunto de regras torna esse conjunto um ser dotado de vontade. Se sigo regras de trânsito, daí não se segue que essas regras "queiram" tal ou qual coisa, senão no sentido derivado de que seres volitivos impuseram a si mesmos esse conjunto de regras. (...)
No domínio econômico observamos dois tipos de processos, de essência diferente, que tendem a ser identificados, sobretudo na vida política e, mais
especificamente, eleitoral. Se um determinado governo, seguindo certas políticas, não segue regras econômicas básicas, ele certamente produzirá um descalabro completo das contas públicas e uma desorganização total das relações
socioeconômicas. As experiências socialistas e comunistas do século XX são plenas de ensinamento nesse sentido, pois, ao serem conduzidas contra o mercado, produziram regimes totalitários com milhões de mortos. A supressão das liberdades democráticas foi a sua primeira manifestação mais visível.
Não se pode, contudo, dizer que o mercado não comporte um leque muito variado de políticas, algumas muito distantes entre si. (...)
Quem quer determinadas políticas, e não outras, são os agentes econômicos, sociais e políticos que, dependendo das orientações seguidas, não "querem" a sua implementação. Como não se assumem diretamente, apresentam os seus interesses sob uma forma impessoal, como se uma entidade coletiva e mirabolante não quisesse certas ações. Toda política favorece determinados interesses e contraria outros, sem que se possa dizer que exista uma política de custo zero que beneficiaria todos os agentes envolvidos. Uma política que favoreça as exportações e a substituição de importações, por exemplo, irá contrariar outros interesses que são hoje satisfeitos. Uma política de redistribuição de renda necessariamente tirará de alguns para favorecer os mais carentes.
A especulação que temos observado no mercado financeiro obedece precisamente a esse jogo de interesses contrariados ou favorecidos, em que simples rumores de subida ou de descida de determinados candidatos nas
pesquisas de opinião produzem lucros para alguns e prejuízos para outros. Em alguns casos, os rumores relativos a essas pesquisas nem se confirmam, porém lucros e perdas não cessam de ser produzidos. E o que é pior: os prejuízos dizem respeito a todo o País.


(Denis Lerrer Rosenfeld, O Estado de S. Paulo, agosto
de 2002)

As palavras acentuadas pela mesma razão que justifica os acentos na expressão domínio econômico, são

Alternativas
Comentários
  • DO-MÍ-NIO E EX- PE- RI-ÊN-CIA (PAROXÍTONAS).E-CO-NÔ-MI-CO E PO-LÍ-TI-CA (PROPAROXÍTONAS).
  • Caro Jadem, veja só:Se, para resolver a questão, fosse suficiente identificar o fato das palavras serem PAROXÍTONAS ou PROPAROXÍTONAS a alternativa "c" também estaria correta:DO-MÍ-NIO e PRE-JU-Í-ZO (PAROXÍTONAS)E-CO-NÔ-MI-CO e PÚ-BLI-CO (PROPAROXÍTONAS)Na verdade o detalhe está no fato de que tanto DOMÍNIO e EXPERIÊNCIA são paroxítonas terminadas em ditongo, o que não ocorre com PREJUÍZO.:)
  • DOMÍNIO,EXPERIÊNCIA são acentuadas por serem paroxítonas terminadas em ditongo;POLÍTICA, ECONÔMICO são acentuadas por serem proparoxítonas.Obs: PREJUÍZO: levará acento agudo a 2ª vogal do hiato, sendo I ou U, tônica, seguida ou não de S. Ex: saída, gaúcha, Grajaú...
  • Acentua-se as proparoxítonas terminadas em DITONGO CRESCENTE e TODAS AS PROPAROXÍTONAS.As vogais I e U são semi-vogais e as A, E e O são vogais, logo ditongo crescente é formado por semi-vogal+vogal e o decrescente por vogal+semi-vogal.
  • Comentário objetivo:

    domínio: acentuam-se as paroxítona terminada em ditongo crescente.
    econômico: todas as proparoxítonas são acentuadas.

    Essas são as mesmas regras aplicadas à alternativa D (experiência política).
     

  • Carissima Etyene à sua regra de acentuação das proparoxítona esta errada no 1º conceito. talves você quis dizer paroxítona, que seria o correto. O restante da explicação esta perfeito.

    Comentado por etyene10 há 8 meses.
    Acentua-se as proparoxítonas terminadas em DITONGO CRESCENTE e TODAS AS PROPAROXÍTONAS. As vogais I e U são semi-vogais e as A, E e O são vogais, logo ditongo crescente é formado por semi-vogal+vogal e o decrescente por vogal+semi-vogal.
  • A resposta certa é a letra : D

    Pois  as palavras experiência e domínio são paroxítonas terminadas em ditongos crescentes, seguindo a mesma regra.
    E as palavras econômico e política são proparoxitonas, provando o que a regra diz que todas as proparoxitona devem ser acentuadas.
  • Domínio - são acentudadas as paroxítonas terminadas em ditongo
    Econônico - são acentuadas todas as proparoxítonas

    A única questão que se acentuava pelo mesmo motivo era a letra D.
  • Simplificando temos:

    domínio econômico-> Em sequência -> Paroxítona terminada em ditongo CRESCENTE=SEMIVOGAL+VOGAL . E Proparoxítona antipenúltima é mais forte.
  • Domínio - regra - paroxitona termindada em ditongo
    Dfícil - regra - paroxítona terminada em L
    .
    Conclusão - a alternativa B não pode ser a resposta - resta então apenas a D. - Proparoxítona e paroxítona terminada em ditongo.
  • A expressão DOMÍNIO ECONÔMICO - corresponde, respectivamente a: UMA PALAVRA PARXÍTONA TERMINADA EM DITONGO ORAL CRESCENTE;
    e a: OUTRA PROPAROXÍTONA. Assim como ocorre com: a letra (D), EXPERIÊNCIA POLÍTICA.
  • Estimados colegas,

    Do-mí-nio
    Paroxítona terminada em ditongo( Acentuam-se as antepenúltimas sílabas tônicas terminadas em R, On(s), U(s), X, I(s), N, Um(s), L, Ã(s),Ps e Ditongos(encontro de duas vogais).

    E-co--mi-co  
    Proparoxítona(acentuam-se todas as palavras com a antepenúltima sílaba tônica)

    Por exclusão as primeiras palavras que seguem a regra da paroxítona terminada em ditongo é a letra A e a letra D. Logo a segunda palavra deveria ser proparoxítona.

    Bom estudo a todos!





  • experiência/domínio= São acentuadas por serem paroxítonos terminados em ditongo crescente.(Regras: Acentua-se todos os paroxítonos terminados em ditongo crescente.)
    potica/ecomico= São acentuadas por serem Proparoxítonos(Regra: Acentua-se todos os Proparoxítonos.)
  • GABARITO: LETRA D

    experiência/domínio= São acentuadas por serem paroxítonos terminados em ditongo oral crescente.(Regras: Acentua-se todos os paroxítonos terminados em ditongo oral crescente.)


    política/econômico= São acentuadas por serem Proparoxítonos (Regra: Acentua-se todas as palavras Proparoxítonas.)


    Fonte: Professor Décio Terror

  • Domínio - paroxítona terminada em ditongo crescente.

    Econômico- todas as proparóxitonas são acentuadas.

  • a)história( PAROXITONA TERMINADA EM DITONGO) notável( PAROXITONA TERMINADA EM "L".

     

     b)trânsito (PROPAROXITONA) difícil( PAROXINTONA TERMINADA EM "L").

     

     c)prejuízo público( PROPAROXITONA).

     

     d)experiência ( PAROXITONA TERMINADA EM DITONGO) política( PROPAROXITONA).

     

     e)heroísmo extraordinário( PAROXITONA TERMINADA EM DITONGO).

  • Cadê o gabarito gente, alguém sabe me dizer???  

  • a) His-tó ria - paroxítona terminado em ditongo crescente.

    No-tá-vel- Paroxítona terminado em l.

    b) trân-si-to- proparoxítona ( todos são acentuados).

    di-fí-cil-Paroxítona terminado em l.

    c) Pre-ju-í-zo- regra do hiato ( i sozinho pós-posto a uma vogal).

    Pú-bli-co-Proparoxítona.

    d) ex-pe-ri-ên-cia-Paroxítona terminado em ditongo.

    Po-lí-ti-ca- Proparoxítona.

    e) he-ro-ís-mo-Regra do hiato (i seguido de s em uma única sílaba depois de uma vogal).

    ex-tra-or-di-ná-rio-paroxítona terminado em ditongo crescente.

     

    Então,pela mesma regra das palavras DO-MÍ-NIO ( PAROXÍTONA TERMINADO EM DITONGO CRESCENTE), E E-CO-NÔ-MI-CO( PROPAROXÍTONA) É a alternativa 'D'.

  • Gente! 
    Fiquei um pouco confusa porque tinha visto que a palavra > Experiência < separava-se assim: >> ex-pe-ri-ên-ci-a.(Proparoxítona) 
     e não assim: ex-pe-ri-ên-cia. (Paroxítona)

    No Livro A Gramática do Professor Pestana ele explica:

    Os ditongos não são separados, mas os crescentes finais (-ea, -eo, -ia, -ie, -io, -oa, -ua, -ue, -uo) são vistos pela NGB (Nomenclatura Gramatical Brasileira) e por muitos gramáticos como possíveis hiatos de palavras proparoxítonas acidentais, ou eventuais.

    Por exemplo: his-tó-ria (paroxítona/ditongo crescente) ou his-tó-ri-a (proparoxítona/hiato).
     

    Em concurso, é comuníssima a primeira análise, ou seja, áu-rea, plúm-beo, ca-lú-nia, sé-rie, co-lé-gio, má-goa, á-gua, tênue, tríduo. Olho vivo!

    Ou seja, a separação de sílaba pode se dar das duas maneiras acima expostas, MAS PARA CONCURSOS, DEVEMOS CONSIDERAR COMO UMA PAROXÍTONA E NÃO COMO UMA PROPAROXÍTONA ACIDENTAL.
     


ID
116524
Banca
FCC
Órgão
TRE-CE
Ano
2002
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Há palavras escritas de modo INCORRETO na frase:

Alternativas
Comentários
  • "Os gastos numa campanha política são vultuosos e exigem maciços investimentos, para atingir o maior número possível de eleitores." :)
  • Os gastos numa campanha política são vultuosos (vultosos) e exigem macissos (maciços) investimentos, para atingir o maior número possível de eleitores

  • Vale lembrar que eixistem as duas grafias: v u l t u o s o       e     V u l t o s o,  no entanto o contexto da frase admite apenas a forma

    VULTOSO


    Vultoso(ô). [De vulto + -oso.]
    Adjetivo:
    1. Que faz vulto; volumoso: 2
    2. De grande vulto ou importância; importante: &
    3. Muito grande; considerável, polpudo: 2

    Vultuoso(ô). [Do lat. vultuosu.]
    Adjetivo Mededicina
    1. Diz-se do aspecto da face quando está vermelha e tumefacta, e com os olhos salientes. Fonte(s): Dicionário Aurélio - Século XXI

ID
116527
Banca
FCC
Órgão
TRE-CE
Ano
2002
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Ambas as formas verbais grifadas estão corretas na frase:

Alternativas
Comentários
  • Corrigindo as erradas:a) Agentes econômicos receavam a instabilidade do mercado e se ativeram a poucas transações comerciais, naquele dia.c) Alguns candidatos indispuseram-se contra as normas do debate, considerando que dispunham de pouco tempo para falar.d) O Tribunal Regional Eleitoral interveio na discussão entre os partidos e manteve a decisão de impugnar a candidatura solicitada dias antes.e) Os coordenadores previram o surgimento de alguns problemas e propuseram-se a corrigir os rumos da campanha, para melhorar seu resultado. :)
  • CORRETA b) Advieram alguns prejuízos para certos candidatos, enquanto outros se beneficiaram com os acordos entre vários partidos políticos.  
  • FCC adora esses verbos e suas conjugações: intervir ,propor ,haver,manter


ID
116734
Banca
FCC
Órgão
TRE-AC
Ano
2003
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

O caso Amina Lawal

A absolvição da nigeriana Amina Lawal, que havia sido condenada à morte por apedrejamento pela acusação de adultério, representa uma vitória dos direitos humanos e da comunidade internacional. Ela está longe, entretanto, de significar
uma melhora da situação das mulheres no país. Na verdade, a "solução" encontrada pelos juízes da corte islâmica de apelações que reviu o caso manteve as aparências. Lawal foi absolvida devido a "erros de procedimento" nos dois julgamentos anteriores. Em nenhum momento o "crime" (sexo fora do casamento, ou "zina", na lei islâmica) ou a crueldade da pena foram postos em questão. A sentença, porém, aliviou a pressão internacional sobre o governo nigeriano.
O caso Lawal é, para os padrões democráticos ocidentais, um verdadeiro escândalo. Amina Lawal, 31, foi sentenciada em primeira instância, em março de 2002, no Estado de Katsina, no norte da Nigéria. Segundo a Anistia Internacional, a prova usada contra ela foi o fato de ter engravidado sem ser casada. Curiosamente, o homem que ela afirmava ser o pai da criança apenas negou que tivesse mantido relações sexuais com Amina e nem foi a juízo. Pelos cânones da escola Maliki de interpretação da "sharia", a lei muçulmana, que é a corrente dominante no norte da Nigéria, a gravidez é prova bastante da culpabilidade da ré. A condenação de Amina fora confirmada em segunda instância em agosto de 2002.
A absolvição representa um alívio para o governo do presidente Olusegun Obasanjo (cristão). Se o apedrejamento fosse confirmado pela corte islâmica e ascendesse a um tribunal laico, uma eventual liberação de Lawal - vista por observadores como certa - poderia desencadear uma guerra civil entre os muçulmanos do norte do país e os cristãos do sul. Se o pior desfecho foi evitado com a absolvição, a questão dos direitos humanos está longe de equacionada. No
mesmo dia em que Lawal era libertada, a imprensa nigeriana noticiava a condenação ao apedrejamento de um acusado de sodomia.

(Folha de S.Paulo. Editorial. 27/09/2003)

Está correta a grafia de todas as palavras da frase:

Alternativas
Comentários
  • Letra A: propiciarLetra B: discórdiaLetra C: irascívelLetra D: CorretaLetra E: condescendentes
  • Complementando as correções do colega:b) responsabilizassee) precipuamente.
  • Comentário objetivo:

    a) A ascenção do caso em tela a um tribunal laico poderia propisciar PROPICIAR uma grande divergência entre sentenças.
    b) Caso se desencadeasse uma guerra civil, haveria quem responsabilisasse
    RESPONSABILIZASSE Amina, por ter sido ela o pomo da descórdia DISCÓRDIA.
    c) O apedrejamento é visto como uma medida excessiva não apenas por ter a morte como culminância, mas também pelo caráter irrascível IRRACÍVEL do método de execução.
    d) A absolvição de Amina, conquanto haja amenizado a tensão internacional, não cria a expectativa de que o tribunal nigeriano não reincida em sentenças violentas. PERFEITO!
    e) O caráter das leis islâmicas é prescipuamente PRECIPUAMENTE moralista, razão pela qual os tribunais laicos tendem a ser mais condecendentes CONDESCENDENTES que os religiosos.

  • Somente uma observação: a forma correta é IRASCÍVEL e não IRRACÍVEL.
  • OBS: a)  ascensão e não ascenção.

  • a) Errado - Ascensão / propiciar 
    b) Errado - Discórdia / Responsabilizasse
    c) Errado - Irascível - característica de quem se irrita com facilidade
    d) Certo
    e) Errado - precipuamente / condescendente
  • a) A ascensão do caso em tela a um tribunal laico poderia propiciar uma grande divergência entre sentenças.

    b) Caso se desencadeasse uma guerra civil, haveria quem responsabilizasse Amina, por ter sido ela o pomo da discórdia.

    c) O apedrejamento é visto como uma medida excessiva não apenas por ter a morte como culminância, mas também pelo caráter irascível do método de execução.

    d) A absolvição de Amina, conquanto haja amenizado a tensão internacional, não cria a expectativa de que o tribunal nigeriano não reincida em sentenças violentas. CERTO

    e) O caráter das leis islâmicas é precipuamente moralista, razão pela qual os tribunais laicos tendem a ser mais condescendentes que os religiosos.

  • ascenção
    propisciar

    responsabilisasse

    descórdia

    irrascível

    prescipuamente

    condescendentes

  • Irascível

    adjetivo de dois gêneros

    Que se irrita com facilidade ou que freq. demonstra raiva, irritação; irritável, iracundo.


ID
116896
Banca
FCC
Órgão
TRF - 1ª REGIÃO
Ano
2001
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Cuidado, isso vicia

Quem precisava de uma desculpa definitiva para fugir da malhação pode continuar sentadão no sofá. Uma pesquisa da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) demonstra que, a exemplo do que ocorre com drogas como o álcool e a cocaína, algumas pessoas podem tornar-se dependentes de exercícios físicos. Ao se doparem, os viciados em drogas geralmente
experimentam um bem-estar, porque elas estimulam, no sistema nervoso, a liberação da dopamina, um neurotransmissor responsável pela sensação de prazer. A privação da substância, depois, produz sintomas que levam a pessoa a reiniciar o processo, num ciclo de dependência. Os exercícios físicos podem resultar em algo semelhante. Sua prática acarreta a liberação da endorfina, outro neurotransmissor, com propriedades analgésicas e entorpecentes. É como se os exercícios físicos estimulassem a liberação de drogas do
próprio organismo.
Às vezes, a ginástica funciona como uma válvula de escape para a ansiedade, e nesses casos o prazer obtido pode gerar dependência. Na década de 80, estudiosos americanos demonstraram que, após as corridas, alguns maratonistas sentiam euforia intensa, que os induzia a correr com mais
intensidade e freqüência. Em princípio, isso seria o que se pode considerar um vício positivo, já que o organismo se torna cada vez mais forte e saudável com a prática de exercícios. Mas existem dois problemas. Primeiro, a síndrome da abstinência: quando não tem tempo para correr, a pessoa fica irritada e ansiosa. Depois, há as complicações, físicas ou no relacionamento social, decorrentes da obsessão pela academia. Atletas compulsivos chegam a praticar exercícios mais de uma vez ao dia, mesmo sob condições adversas, como chuva, frio ou calor intenso. E alguns se exercitam até quando lesionados.


(Revista VEJA, edição 1713, 15/08/2001)

A grafia de todas as palavras está correta na frase:

Alternativas
Comentários
  • A) anesteziantes :anestesiantes

    B)maniacos : maníacos        sugeitos: sujeitos

    C)apezar: apesar     abuza: abusa

    D)prejuísos: prejuízos

    E) correta

  • CORRIGINDO


                        A) A endorfina, uma substância que tem propriedades anesteziantes, ( ANESTESIANTES ) trás consigo um risco de dependência. b) Os maniacos ( MANÍACOS ) por exercícios físicos estão sugeitos ( SUJEITOS ) aos dissabores das pessoas dependentes. c) Apezar ( APESAR ) de haver muitos aspectos positivos nas atividades físicas, quem delas abuza ( ABUSA ) pode sofrer sérias conseqüências. d) Todo viciado reinscide sempre no mesmo erro, mesmo consciente dos prejuísos ( PREJUÍZOS ) que sofrerá. e) A experiência da euforia que momentaneamente se sente faz esquecer os malefícios que dela podem advir.
  • Complementando na letra d temos também erro na palabra REINSCIDE que escreve REINCIDE
  • a) A endorfina, uma substância que tem propriedades anestesiantes, traz consigo um risco de dependência. (Traz com "Z" tem o significado de trazer. Trás com acento e com "S" tem o significado de atrás). 
  • a) Errada - A endorfina, uma substância que tem propriedades anestesiantes (anestesia), traz consigo um risco de dependência.
    b) Errada - Os maníacos por exercícios físicos estão sujeitos aos dissabores das pessoas dependentes.
    c) Errada - Apesar de haver muitos aspectos positivos nas atividades físicas, quem delas abusa pode sofrer sérias consequências.
    d) Errada - Todo viciado reincide sempre no mesmo erro, mesmo consciente dos prejuízos que sofrerá.
    e) Certa
  • Usa o “x” em vez de “ch”:
    Depois de ditongos. Exceto em recauchutar e derivados, assim como na palavra guache.
    Emprego do “x”: emprega-se o “x” depois de “en”, exemplos (enxada, enxugar, enxergar, enxerido, enxuto). Cuidado! - quando o “en” é apenas um prefixo. Ex.: enchapelar, de chapéu.
    Emprega-se o “x”, depois de “em”, mexer, mexerica, mexilhão. Cuidado! com as exceções: mecha e mechoação.
    Emprega-se o “x” em palavras de origem indígena ou africana e nas palavras aportuguesadas. Ex.: xampu, xará, xerife.
    Grafam-se com “x”: caxumba, graxa, relaxar, rixa, roxo, xale.
    Usa-se o “c” e “ç”:
    Depois de ditongos: foice, coice, ouço.
    Em palavras de origem árabe, tupi ou africana. Ex.: paçoca, cetim.
    Nos sufixos: -ação, -aço, -iço, -iça
    Usa-se o “s”:
    Depois de ditongos: pausa, maionese, deusa, coisa
    No sufixo –ês indicador de origem, procedência: chinês, francês.
    Nos sufixos –esa e –isa formadores de femininos: calabresa, princesa, profetisa, sacerdotisa.
    Nos sufixos –oso e –osa formadores de adjetivos: bondoso, honroso, saborosa, gulosa.
    Usa-se o “z”:
    Nos substantivos abstratos derivados de adjetivos: sensatez (derivado de sensato), frigidez (frígido), moleza, certeza
    No sufixo –triz formador de femininos: imperatriz, atriz, embaixatriz.
    Nos sufixos formadores de aumentativos e diminutivos: cartaz, florzinha, paizinho.
    Cuidado! quando a palavra primitiva contém a letra “s”, esta se conserva na derivação. Rosa – rosinha.
    Nos verbos formados pelo sufixo –izar: utilizar, civilizar, atualizar, hospitalizar.
    Cuidado! Análise + ar: analisar, frisar
  • a)A endorfina, uma substância que tem propriedades anesteziantes, trás consigo um risco de dependência. ANESTESIANTE

     b)Os maniacos por exercícios físicos estão sugeitos aos dissabores das pessoas dependentes. SUJEITOS

     c)Apezar de haver muitos aspectos positivos nas atividades físicas, quem delas abuza pode sofrer sérias conseqüências.APESAR

     d)Todo viciado reinscide sempre no mesmo erro, mesmo consciente dos prejuísos que sofrerá. REINCIDENTE 

     e)A experiência da euforia que momentaneamente se sente faz esquecer os malefícios que dela podem advir.

  • prejuíZo

  • a) A endorfina, uma substância que tem propriedades anesteziantes, trás consigo um risco de dependência. ANESTESIANTE / TRAZ

     b) Os maniacos por exercícios físicos estão sugeitos aos dissabores das pessoas dependentes. MANÍACOS / SUJEITOS

     c) Apezar de haver muitos aspectos positivos nas atividades físicas, quem delas abuza pode sofrer sérias conseqüências. APESAR / ABUSA / CONSEQUÊNCIAS

     d) Todo viciado reinscide sempre no mesmo erro, mesmo consciente dos prejuísos que sofrerá. REINCIDE / PREJUÍZOS 

     e) A experiência da euforia que momentaneamente se sente faz esquecer os malefícios que dela podem advir.


ID
116899
Banca
FCC
Órgão
TRF - 1ª REGIÃO
Ano
2001
Provas
Disciplina
Português
Assuntos

Cuidado, isso vicia

Quem precisava de uma desculpa definitiva para fugir da malhação pode continuar sentadão no sofá. Uma pesquisa da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) demonstra que, a exemplo do que ocorre com drogas como o álcool e a cocaína, algumas pessoas podem tornar-se dependentes de exercícios físicos. Ao se doparem, os viciados em drogas geralmente
experimentam um bem-estar, porque elas estimulam, no sistema nervoso, a liberação da dopamina, um neurotransmissor responsável pela sensação de prazer. A privação da substância, depois, produz sintomas que levam a pessoa a reiniciar o processo, num ciclo de dependência. Os exercícios físicos podem resultar em algo semelhante. Sua prática acarreta a liberação da endorfina, outro neurotransmissor, com propriedades analgésicas e entorpecentes. É como se os exercícios físicos estimulassem a liberação de drogas do
próprio organismo.
Às vezes, a ginástica funciona como uma válvula de escape para a ansiedade, e nesses casos o prazer obtido pode gerar dependência. Na década de 80, estudiosos americanos demonstraram que, após as corridas, alguns maratonistas sentiam euforia intensa, que os induzia a correr com mais
intensidade e freqüência. Em princípio, isso seria o que se pode considerar um vício positivo, já que o organismo se torna cada vez mais forte e saudável com a prática de exercícios. Mas existem dois problemas. Primeiro, a síndrome da abstinência: quando não tem tempo para correr, a pessoa fica irritada e ansiosa. Depois, há as complicações, físicas ou no relacionamento social, decorrentes da obsessão pela academia. Atletas compulsivos chegam a praticar exercícios mais de uma vez ao dia, mesmo sob condições adversas, como chuva, frio ou calor intenso. E alguns se exercitam até quando lesionados.


(Revista VEJA, edição 1713, 15/08/2001)

Estão corretas as duas formas verbais sublinhadas na frase:

Alternativas
Comentários
  • a) Se não nos convierem os exercícios intensos, abdiquemos deles.

    b) Quando uma experiência conter CONTIVER um risco, é preciso que a evitemos.

    c) Há pessoas que não se detém DETÊM nem mesmo diante do que fatalmente lhes trará malefícios.

    d) Para que não soframos com o excesso de ginástica, é preciso que nos instruemos INSTRUAMOS acerca dos riscos que representam.

    e) Quando havermos HOUVERMOS de colher os frutos da nossa imprudência, arrepender-nos-emos.
     

  • Se não nos convierem os exercícios intensos, abdiquemos deles. Correta

    Quando uma experiência conter (CONTIVER) um risco, é preciso que a evitemos.

    Há pessoas que não se detém (DETÊM) nem mesmo diante do que fatalmente lhes trará malefícios.

    Para que não soframos com o excesso de ginástica, é preciso que nos instruemos (INSTRUAMOS) acerca dos riscos que representam.

    Quando havermos (HOUVERMOS) de colher os frutos da nossa imprudência, arrepender-nos-emos.