SóProvas



Questões de Manual de Redação da Presidência da República


ID
2671
Banca
FCC
Órgão
TRT - 24ª REGIÃO (MS)
Ano
2006
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Atenção: Para responder às questões de números 19 e 20,
considere o fragmento, transcrito abaixo, como
parte de um convite enviado a uma Autoridade.


    Enviamos ...... o convite para a cerimônia de inauguração
do nosso Espaço Cultural, no próximo sábado.
    Esperamos contar com a ...... presença nesse evento, tão
importante para nossa cidade.

A ......., Senhor Leonardo Pataca

Se o convite estiver sendo enviado ao Presidente do Tribunal Superior do Trabalho, as lacunas estarão corretamente preenchidas por

Alternativas
Comentários
  • Vossa Excelência - V. Exª - Usado para Presidente da República, Senadores da República, Ministro de Estado, Governadores, Deputados Federais e Estaduais, Prefeitos, Embaixadores, Vereadores, Cônsules, Chefes das Casas Civis e Casas Militares
  • Deve-se usar Vossa Excelência, para as seguintes autoridades:

    a) do Poder Executivo; Presidente da República; Vice-Presidente da República; Ministros de Estado; Governadores e Vice-Governadores de Estado e do Distrito Federal; Oficiais-Generais das Forças Armadas; Embaixadores; Secretários-Executivos de Ministérios e demais ocupantes de cargos de natureza especial; Secretários de Estado dos Governos Estaduais; Prefeitos Municipais.

    b) do Poder Legislativo: Deputados Federais e Senadores; Ministro do Tribunal de Contas da União; Deputados Estaduais e Distritais; Conselheiros dos Tribunais de Contas Estaduais; Presidentes das Câmaras Legislativas Municipais.

    c) do Poder Judiciário: Ministros dos Tribunais Superiores; Membros de Tribunais; Juízes; Auditores da Justiça Militar.

     

    Quanto à concordância verbal, embora se trate de pronome da segunda pessoa (com quem se fala), o pronome de tratamento precedido de vossa leva o verbo e os demais pronomes para a terceira pessoa (na prática, substitui-se mentalmente por você). Exs.:

    a) “Vossa Excelência foitraído por seus próprios assessores” (correto);

    b) “Vossa Excelência fostes traído por vossos próprios assessores” (errado).

     

    Fontes:

    http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/manual/manual.htm

    http://www.migalhas.com.br/Gramatigalhas/10,MI7500,11049-Pronome+de+tratamento

  • Não seria então letra C? Vossa excelencia - sua - Vossa Excelencia novamente???
  • Helena,

    Vossa Excelência é usado quando estamos falando diretamente com a pessoa.
    Sua Excelência é usado quando estamos fazendo referência a alguém.

    Portanto, no primeiro espaço de preenchimento, estamos falando diretamente com o destinatário. Usa-se "vossa".
    No último espaço de preenchimento estamos referenciando o destinatário. Usa-se "sua".

    Bons estudos.
  • É certo que prefeitos municipais são tratados por Vossa Excelência e que a delinação do verbo, apesar da 2a pessoa do plural, será na 3a pessoa do singular (por isso o "sua"). Estudei isso hoje, por isso também acho q a alternativa correta seja a letra "c"
  • Uma observação ao primeiro comentário, do Hosanam

    Para os VEREADORES não se usa VOSSA EXCELÊNCIA

  • LETRA A

    O último "sua" está adequado porque faz parte do endereçamento.
  • Professor sua aula é ótima, mas é aula para concurso tem que ser mais objetiva e menos acadêmica.

  • Concordo com o Christiano Rossini, sendo assim o gabarito deveria ser a letra B certo?

  • O pronome de tratamento é usado para um cargo alto, do judiciário, e a forma correta de uso é Vossa Excelência (V. Exa.). Sabemos que o uso de "vossa", mesmo que seja na segunda pessoa, nos remete ao uso da terceira pessoa. Desta forma, usamos "sua". E no fim do texto, percebemos uma forma de endereçamento. Segundo o Manual de Redação Oficial, a forma correta para endereçamentos quando usamos "Vossa Excelência" é "Sua Excelência".


    A reposta correta é a letra A.

  •   Resposta: A

    O pronome de tratamento é Vossa Excelência porque Ministro de Tribunal Superior é tratado dessa maneira;

    A concordância com o pronome de tratamento Vossa Excelência é SUA porque pronomes possessivos referidos a pronomes de tratamento são sempre os da terceira pessoa: "Vossa Senhoria nomeará seu substituto" (e não "Vossa ... vosso...").

     No envelope, o endereçamento das comunicações dirigidas às autoridades tratadas por Vossa Excelência, terá a seguinte forma:

    A Sua Excelência o Senhor
    Leonardo Pataca
    Presidente do Tribunal Superior do Trabalho CEP  – Brasília. DF

    Fonte: Manual de Redação da Presidência da República
  • Pessoal, tem um texto pra responder essa questão. Errei porque não abri o texto. 

  • O pronome de tratamento é usado para um cargo alto, do judiciário, e a forma correta de uso é Vossa Excelência (V. Exa.). Sabemos que o uso de "vossa", mesmo que seja na segunda pessoa, nos remete ao uso da terceira pessoa. Desta forma, usamos "sua". E no fim do texto, percebemos uma forma de endereçamento. Segundo o Manual de Redação Oficial, a forma correta para endereçamentos quando usamos "Vossa Excelência" é "Sua Excelência".

     

    A reposta correta é a letra A.

     

    Fonte: QC

  • O endereçamento vem escrito no envelope onde o documento está e por mais que no documento esteja escrito "Vossa Excelência" o evelope não será recebido por ela, mas sim por outro servidor, por isso usa-se "Sua Excelência"( já que não se fala diretamente com a autoridade).

                       MRPR:

       "No envelope, o endereçamento das comunicações dirigidas às autoridades tratadas por Vossa Excelência, terá a seguinte forma:

                               A Sua Excelência o Senhor

                               Fulano de Tal

                               Ministro de Estado da Justiça

                              70064-900 – Brasília. DF"

     

  • VOSSA FALANDO DIRETAMENTE COM A PESSOA 

    SUA FALANDO INDIRETAMENTE

  • Vossa -> falando COM a pessoa

    Sua -> falando DA pessoa

  • PESSOAL, essa questão de pronomes de tratamento esta ultrapassada. De acordo com o decreto n. 9758, de 11 de abril de 2019, estabelece que "O único pronome de tratamento utilizado na comunicação com agentes públicos federais é 'senhor', independentemente do nível hierarquico, da natureza do cargo ou da função ou da ocasião.". Então, a partir de hoje é só "Senhor fulano de tal", "Senhora fulana de tal".


ID
2674
Banca
FCC
Órgão
TRT - 24ª REGIÃO (MS)
Ano
2006
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Atenção: Para responder às questões de números 19 e 20,
considere o fragmento, transcrito abaixo, como
parte de um convite enviado a uma Autoridade.


    Enviamos ...... o convite para a cerimônia de inauguração
do nosso Espaço Cultural, no próximo sábado.
    Esperamos contar com a ...... presença nesse evento, tão
importante para nossa cidade.

A ......., Senhor Leonardo Pataca

Se o convite estiver sendo enviado ao Prefeito de sua cidade, as lacunas estarão corretamente preenchidas por

Alternativas
Comentários
  • Gabarito errado:

    Vossa Excelência' (V. Exª.) Usado para: presidente da República, senadores da República, ministros de Estado, governadores, deputados federais e estaduais, prefeitos, embaixadores, presidente de câmara de vereadores, cônsules, chefes das Casas Civis e Militares.

    O correto portanto seria: a V. Exa. - sua - Sua Excelência
  • Vossa Senhoria (V. Sª.) Usado para: diretores de autarquias federais, estaduais e municipais.
  • Governadores e Prefeitos
    A carta começa com: Vossa Excelência
    No corpo do texto: Excelentíssimo Senhor Governador/Prefeito
    No envelope: Ao Excelentíssimo Senhor Fulano de Tal ou DD. Governador Fulano de Tal
  • Conforme dito anteriormente, gabarito errado, alternativa correta letra "A".
  • GABARITO TOTALMENTE ERRADO! ALTERNATIVA CORRETA LETRA A.

    BONS ESTUDOS.
  • Em relação ao termo: excelentíssimo

    O vocativo a ser empregado em comunicações dirigidas aos Chefes de Poder é Excelentíssimo Senhor, seguido do cargo respectivo:

    Excelentíssimo Senhor Presidente da República,

    Excelentíssimo Senhor Presidente do Congresso Nacional,

    Excelentíssimo Senhor Presidente do Supremo Tribunal Federal.

            As demais autoridades serão tratadas com o vocativo Senhor, seguido do cargo respectivo:

    Senhor Senador,

    Senhor Juiz,

    Senhor Ministro,

    Senhor Governador,

            No envelope, o endereçamento das comunicações dirigidas às autoridades tratadas por Vossa Excelência, terá a seguinte forma:

    A Sua Excelência o Senhor
    Fulano de Tal
    Ministro de Estado da Justiça
    70.064-900 – Brasília. DF A Sua Excelência o Senhor
    Senador Fulano de Tal
    Senado Federal
    70.165-900 – Brasília. DF A Sua Excelência o Senhor
    Fulano de Tal
    Juiz de Direito da 10a Vara Cível
    Rua ABC, no 123
    01.010-000 – São Paulo. SP
  • Tenho uma dúvida, se alguém puder me responder agradeceria muito.

    Vossa Excelência não pode ser usada para vereadores? Apenas para o Presidente da câmara de vereadores?

    Desde já obrigada!
  • O pronome de tratamento Vossa Excelência é usado para qualquer autoridade dos 3 poderes.

    O vocativo Excelentíssimo é usado apenas para os chefes de poder: Presidentes da República, do Congresso e do STF.

    O vocativo Senhor  e o p.t Vossa Senhoria  é usado para as demais autoridades e particulares.

    Na minha opnião, nenhuma das alternativas está correta.
  • O site deveria corrigir rapidamente esta questão visto que o gabarito está errado.
    É lamentável que uma questão simples e objetiva tenha o gabarito incorreto.
  • Respondendo a Danielle:

    para vereadores, vice-prefeito e particulares é usado o tratamento Vossa Senhoria

    Vossa excelencia: preseidente, governadores, ministros de estado, embaixadores ...

  • Quem deve ser tratado por VOSSA EXCELÊNCIA?


    As “altas autoridades” dos 3 poderes, pense só nos cargos “TOP”:


    Presidente de República, Governador e Prefeito (e seus vices),


    Ministro do Tribunal de Contas da União, Conselheiros dos Tribunais de Contas, Ministros dos Tribunais Superiores, Ministros de Estado e o Chefe da Casa Civil da Presidência da República, o Chefe do Gabinete de Segurança Institucional, o Chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, o Advogado-Geral da União e o Chefe da Corregedoria-Geral da União,


    Deputados e Senadores, Presidentes das Câmaras Legislativas,


    Juízes, Membros de Tribunais, Auditores da Justiça Militar,

     

    Secretários-Executivos dos Ministérios, Secretários de Estado e ocupantes de cargos de natureza especial, Embaixadores e Oficiais-
    Generais.

     

    ATENÇÃO: O vocativo para os Chefes dos três poderes (Presidente da República, Presidente do Congresso Nacional e Presidente do Supremo Tribunal Federal) segue esta estrutura


    Excelentíssimo Senhor + Cargo,


    Exemplo: Excelentíssimo Senhor Presidente da República/do CN/do STF,

     

    Vereador é Vossa Excelência?

     

    Não. Mas se este Vereador for Presidente de uma Câmara Legislativa Municipal, aí sim. Mas a banca vai ter que focar no cargo de Presidente da Câmara Municipal.

     

    Quem deve ser tratado por VOSSA SENHORIA?


    Empregado para as demais autoridades e para particulares.


    Vocativo:


    a) Senhor + Cargo.


    Exemplo: Senhor Diretor,


ID
9448
Banca
ESAF
Órgão
MRE
Ano
2004
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Em um documento oficial, marque a opção em que a sintaxe é condenável.

Alternativas
Comentários
  • Só pode haver uma preposição.

    A preposição "para" só existiria se a preposição "a" não tivesse sido utilizada: "...pediu aos (prep. + artigo) interessados QUE procurassem..."; "...pediu para (prep.) que OS (artigo) interessados procurassem...".
  • Do jeito que está,fica com 2 OI..
  • o correto na letra E não seria: " O ministro não teve dúvida de DE que deveria apoiar a redução do número dos vereadores."  ??
  • ALEX,
     
    A letra "E" não está errada, pois as oração subordinada substantiva completiva nominal e a oração subordinada substantiva  objetiva indiretaobjetiva     objetiva indireta o uso da preposição é opcional, desde que não cause ambiguidade.

    O ministro não teve dúvida que deveria apoiar a redução do número dos vereadores.
       
     (O.P)               (oração subordinada substantiva completiva nominal)  
        




     ??




  • Uma boa explicação sobre o verbo "PEDIR":


    Veja a correta regência do verbo "pedir"

     

    "Sarney, que ontem pediu para que todos os 181 diretores colocassem os cargos à disposição, quer reduzir o número pela metade."

    O verbo "pedir" é o que a gramática tradicional chama de transitivo direto e indireto, ou seja, é um verbo que requer dois complementos. O objeto direto, ligado ao verbo sem preposição, é representado por aquilo que se pede; já o indireto indica o destinatário da ação e deve ser introduzido pela preposição "a". Assim: pedir algo a alguém

    Num período simples, geralmente a dúvida não se coloca. O problema surge nos períodos compostos, sobretudo naqueles em que o objeto direto é representado por uma oração, como se vê na passagem selecionada. A oração que tem valor de objeto direto inicia-se com a conjunção "que". Daí surgir a construção "fulano pediu que...". Note-se que a preposição "para" não tem função nesse sintagma.

    Assim, à primeira vista, seria possível corrigir o período da seguinte maneira: "...pediu que todos os 181 diretores colocassem os cargos à disposição", mas, dessa maneira, o raciocínio fica imperfeito, pois não explicita a quem foi feito o pedido ("a todos os 181 diretores"). O que deveria ser o objeto indireto do verbo "pedir" acaba sendo o sujeito da oração objetiva direta.

    Para organizar o período, é preciso separar os objetos, deixando o oracional no final do período para garantir a clareza do texto. Assim: "pediu a todos os 181 diretores (objeto indireto) que...". Como o sujeito da oração objetiva direta coincide com o objeto indireto (já mencionado), basta fazer a sua elipse. Abaixo, a construção correta:

    Sarney, que ontem pediu a todos os 181 diretores que colocassem os cargos à disposição, quer reduzir pela metade o número desses funcionários.

     Thaís Nicoleti

  • Caro Marcio, ficaria correta se eu colocasse o pronome posseivo na frase ?
    "Sarney, que ontem pediu para que todos os 181 diretores colocassem seus cargos à disposição, quer reduzir o número pela metade."
  • Caro amigo allbe D. "Condenável", por que não é aceito, está em disconformidade, com algum erro no padrão da SINTAXE.

    Espero ter ajudado!

  • Resposta correta é a letra "d"

    Verbo pedir é transitivo direto e indireto. 

    O chefe da missão pediu aos interessados que procurassem o Ministério da Saúde.

    A letra "e" está correta. Assistam ao vídeo sobre Complemento nominal no endereço a seguir. A explicação está aos 5:34 minutos.

     https://www.youtube.com/watch?v=GfxBGz3WTEY  

  • A questão pede que seja marcada a alternativa que apresente sintaxe incorreta.
    O verbo "insistir" pode exigir tanto complemento com ou sem preposição. Em A a regência está correta (oração subordinada substantiva objetiva direta).
    O verbo informar exige complemento com e sem preposição. Com complemento com preposição temos, na oração, a preposição "a" do verbo e o artigo que vem antes de "autoridade". A fusão dos dois resulta na crase, que apresenta o objeto indireto do verbo (à autoridade).
    Com "incumbir" temos duas vias: ou incumbimos alguém de alguma coisa, ou incumbimos a alguém alguma coisa. Desta forma, a letra C está correta. 
    A letra E também não apresenta problemas com a sintaxe. O problema está na letra D: o verbo pedir exige complemento com e sem preposição. O objetivo direto dele é "que procurassem o Ministério da Saúde". O indireto é "aos interessados". Desta forma, o uso da preposição "para" está incorreto.


    A resposta correta é a letra (D).
  • E a letra B não estaria pessoal demais :Encareço

  • Vários erros: "insiste em", "pediu ao...para", "dúvida de".

  • Temos 3 erradas. Sem gabarito.

  • A questão pede que seja marcada a alternativa que apresente sintaxe incorreta.

    O verbo "insistir" pode exigir tanto complemento com ou sem preposição. Em A a regência está correta (oração subordinada substantiva objetiva direta).

    O verbo informar exige complemento com e sem preposição. Com complemento com preposição temos, na oração, a preposição "a" do verbo e o artigo que vem antes de "autoridade". A fusão dos dois resulta na crase, que apresenta o objeto indireto do verbo (à autoridade).

    Com "incumbir" temos duas vias: ou incumbimos alguém de alguma coisa, ou incumbimos a alguém alguma coisa. Desta forma, a letra C está correta. 

    A letra E também não apresenta problemas com a sintaxe.

    O problema está na letra D: o verbo pedir exige complemento com e sem preposição. O objetivo direto dele é "que procurassem o Ministério da Saúde". O indireto é "aos interessados". Desta forma, o uso da preposição "para" está incorreto.

    A resposta correta é a letra (D).

    cOMENTÁRIO DA PROFESSORA DO QC

  • Resposta do professor Fernando Pestana:

    ''A preposição pode ficar implícita antes da conjunção integrante “que”, segundo alguns gramáticos, como Bechara, Cegalla ou Celso Pedro Luft. Por isso, a letra A está correta. Algumas bancas poderiam ter anulado esta questão, pois nem todos os gramáticos concordam com essa elipse da preposição. No entanto, é bom que caiam questões desse tipo, pois ficamos sabendo qual é a visão da banca Esaf sobre a omissão da preposição antes da conjunção integrante “que”.


ID
13294
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
TRT - 16ª REGIÃO (MA)
Ano
2005
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Nas instituições de domínio público ou privado, circulam textos adequados às comunicações internas e externas. O texto a seguir constitui exemplo desse tipo de comunicação.
1  Senhor Diretor Alcides,

De acordo com seu Memo. n.º 42/05, indico a funcionária
Maria Guadalupe Moreira para assumir a função de
4  secretária dessa divisão.

Renovo os votos de apreço, ao mesmo tempo em que
coloco os serviços deste setor à disposição de V. S.ª.

7  Álvaro Fidélio de Abreu
Chefe do Departamento de Pessoal
São Luiz, 22 de maio de 2005

Com relação à correspondência oficial apresentada no texto acima, julgue os itens a seguir.

Trata-se de um ofício, que é o documento adequado especificamente à comunicação interna de uma instituição.

Alternativas
Comentários
  • Perfeita a questão, pois o texto faz referência ao memorando. O ofício é para correspondências entre autoridades.
  • O ofício é adequado para comunicação EXTERNA, enquanto que o memorando é utilizado para comunicação INTERNA.
  • Questão ERRADO na sua assertiva e não na imagem do texto.
    Veja: Trata-se de um ofício, que é o documento adequado especificamente à comunicação interna de uma instituição.

    Ofício NÃO É DOCUMENTO ADEQUADO PARA COMUNICAÇÃO INTERNA.
    Ofício é para comunicação EXTERNA.
  • Errado, memorando que é para comunicação interna.

  • A questão está errada, Ofício é externo, a comunicação interna mencionada na questão é o memorando, vejam em outras questões:

    Prova: CESPE - 2013 - ANP - Todos os Cargos - Conhecimentos Básicos

    Disciplina: Redação Oficial | Assuntos: Ofício

    O ofício é correspondência destinada a tratar de assuntos oficiais pelos órgãos ou entidades da administração pública entre si ou com cidadãos em geral. 

    GABARITO: CERTA.



    Prova: CESPE - 2012 - TJ-RR - Nível Médio - Conhecimentos Básicos

    Disciplina: Redação Oficial | Assuntos: MemorandoOfícioAviso

    As modalidades de comunicação denominadas ofício, aviso e memorando assemelham-se quanto à forma, visto que todas devem ser formatadas conforme o padrão ofício; quanto à finalidade, o memorando distingue-se do ofício e do aviso por destinar-se à comunicação entre unidades administrativas de um mesmo órgão.

    GABARITO: CERTA.

  • Memorando, para comunicaçao interna apenas

  • Mas logo de cara já diz: "Memo" a própria pergunta já responde

  • Logo no exemplo da questão já diz respeito a comunicação interno do órgão que faz referencia "de acordo Com o memorando nº42/05 logo a questão esta Errada 

    Se tratando Então de um memorando  

  • MEMORANDO
    Correspondência interna:
    entre unidades administrativas de um mesmo órgão.
     

  • comunicação interna é o memorando 


ID
13297
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
TRT - 16ª REGIÃO (MA)
Ano
2005
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Nas instituições de domínio público ou privado, circulam textos adequados às comunicações internas e externas. O texto a seguir constitui exemplo desse tipo de comunicação.
1  Senhor Diretor Alcides,

De acordo com seu Memo. n.º 42/05, indico a funcionária
Maria Guadalupe Moreira para assumir a função de
4  secretária dessa divisão.

Renovo os votos de apreço, ao mesmo tempo em que
coloco os serviços deste setor à disposição de V. S.ª.

7  Álvaro Fidélio de Abreu
Chefe do Departamento de Pessoal
São Luiz, 22 de maio de 2005

Com relação à correspondência oficial apresentada no texto acima, julgue os itens a seguir.

A expressão vocativa "Senhor Diretor Alcides" (R.1) atende às recomendações da correspondência oficial, cuja estrutura exige que seja especificado o cargo e o nome do destinatário.

Alternativas
Comentários
  • Errada. O nome da pessoa não consta no vocativo.
  • Errado !!!

    No memorando o destinatário é identificado apenas pelo CARGO.

     

  •  Quanto a sua forma, o memorando segue o modelo do padrão ofício, com a diferença de que o seu destinatário deve ser mencionado pelo cargo que ocupa.        

    Exemplos:

          Ao Sr. Chefe do Departamento de Administração Ao Sr. Subchefe para Assuntos Jurídicos

  • Errado


    Cidadão  brasileiro,

    A questão trata de expressão vocativa e não de endereçamento no envelope.

    Dizer que Memorando exige apenas identificação de Cargo é questão de endereçamento, ponto que a questão não trata.

    O Erro está em usar ao mesmo tempo o nome e cargo no vocativo.

  • Concordo com o Jr.

    Quando utiliza o vocativo  Senhor  ou Senhora, deve-se optar pelo cargo  OU pelo nome. A questão optou pelos dois, logo, pela regra está errado.
  • O problema desta questão é que, em caso de duas ou mais pessoas no mesmo cargo deverá colocar o cargo e o nome, conforme o manual, na questão não tem como saber se tem outro, logo a questão também seria possível estar correta.

  • Como regra geral, o vocativo será Senhor, seguido do cargo respectivo. (No caso de não ser os respectivos chefes de cada Poder, sendo usado o Excelentíssimo Senhor, e o cargo). A questão erra ao afirmar que o vocativo tem que constar o nome após o cargo. 


  • Vocativos:

    a) Excelentíssimo Senhor + Cargo: Uso exclusivo, na correspondência oficial, para os Chefes dos três poderes (Presidente da República, Presidente do Congresso Nacional e Presidente do Supremo Tribunal Federal).

    Exemplo: Excelentíssimo Senhor Presidente da República,

    b) Senhor + Cargo: Uso para as demais autoridade.

    Exemplo: Senhor Ministro,


    Ou seja,


    A questão está errada ao afirmar que a estrutura exige que seja especificado o nome do destinatário.

  • No memorando só consta o vocativo e o cargo como por ex:

    Ao Sr. Chefe do Departamento da Administração


  • O enunciado informa que "a expressão vocativa "Senhor Diretor Alcides" atende às recomendações da correspondência oficial, cuja estrutura exige que seja especificado o cargo e o nome do destinatário". De acordo com o Manual de Redação Oficial, o vocativo a ser empregado é "Senhor + cargo", apenas. Não se usa o nome do diretor no vocativo.


    A resposta é incorreta.

  • Errado.


    Não é necessário, conforme essa questão, o nome do destinatário.

  • Memorando não tem vocativo. Isso é um ofício.

    O vocativo é "Senhor Cargo,"

  • IDENTIFICAÇÃO DO DESTINATÁRIO
    Memorando: só o cargo.

    ERRADA!

  • não tem o nome apos o cargo

  • Memorando não existe mais.

  • Preciso tirar uma dúvida, colegas. Se no manual de Redação Oficial consta que o memorando agora "entra" no padrão ofício, qual a diferença então? Pq nas provas ainda é pedido o memorando e as características particulares desse tipo de texto? São questões desatualizadas?


ID
13300
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
TRT - 16ª REGIÃO (MA)
Ano
2005
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Nas instituições de domínio público ou privado, circulam textos adequados às comunicações internas e externas. O texto a seguir constitui exemplo desse tipo de comunicação.
1  Senhor Diretor Alcides,

De acordo com seu Memo. n.º 42/05, indico a funcionária
Maria Guadalupe Moreira para assumir a função de
4  secretária dessa divisão.

Renovo os votos de apreço, ao mesmo tempo em que
coloco os serviços deste setor à disposição de V. S.ª.

7  Álvaro Fidélio de Abreu
Chefe do Departamento de Pessoal
São Luiz, 22 de maio de 2005

Com relação à correspondência oficial apresentada no texto acima, julgue os itens a seguir.

A expressão “dessa divisão” (R.4) refere-se ao setor para o qual a correspondência está sendo enviada.

Alternativas
Comentários
  • Certo,
    É resposta ao Mem. 42/05 encaminhado pelo diretor que solicita funcionária, logo, "dessa divisão" indica o local do requerente.
  • Acredito que esta questão requeira conhecimentos de português, em relação aos pronomes.
    Tenho aqui uma forma simplória que poderá nos ajudar muito:

    ESTA: perto de quem fala
    ESSA: longe de quem fala

    Então: " secretária dessa divisão" (longe do falante)

    Fui....
  • Reparem que ele diz dessa divisão e deste setor. Por isso errei a questão. Entendi que se foi deste setor deveria ser também desta divisão.
  • Certo.



    O termo dessa refere-se ao termo mais longe de quem escreveu, e que se encontra em tal situação.



    Onde  dessa, refere-se ao setor de pessoal.

  • Eu achei que ficou mal escrito, pois não consegui deduzir com certeza ao setor do diretor, porém alguns gramáticos ensinam:

    Se é algo proximo de quem fala, usar este, perto do ouvinte, usar esse.

    Nesse contexto Gab: Certo.

  • CERTO. Desta é onde eu estou. Dessa é onde você está. Aquela é onde ela está. 

  • Certo. Quando fala, Dessa Divisão, seria o setor aonde a funcionária iria trabalhar. Mas quando usa Deste Setor, estava falando do seu próprio local de trabalho.

     

  • desta -> remetente.
    dessa -> destinatário.

    CERTA!


ID
13303
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
TRT - 16ª REGIÃO (MA)
Ano
2005
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Nas instituições de domínio público ou privado, circulam textos adequados às comunicações internas e externas. O texto a seguir constitui exemplo desse tipo de comunicação.
1  Senhor Diretor Alcides,

De acordo com seu Memo. n.º 42/05, indico a funcionária
Maria Guadalupe Moreira para assumir a função de
4  secretária dessa divisão.

Renovo os votos de apreço, ao mesmo tempo em que
coloco os serviços deste setor à disposição de V. S.ª.

7  Álvaro Fidélio de Abreu
Chefe do Departamento de Pessoal
São Luiz, 22 de maio de 2005

Com relação à correspondência oficial apresentada no texto acima, julgue os itens a seguir.

A  fecho do texto está inadequado para o tipo de correspondência em questão, pois foram usados termos rebuscados para o contexto.

Alternativas
Comentários
  • Discordo da resposta oficial, o fecho está inadequado pela ausência de impessoalidade e não pelo uso de termos rebuscados.
  • Também discordo totalmente do gabarito desta questão...
    Mas não é pelo motivo que o colega acima citou, e sim porque no próprio texto está descrito que ele (Chefe do Departamento de Pessoal)
    está respondendo a um memorando enviado pelo Diretor Alcides, logo, conclui-se que eles trabalham no mesmo orgão.
    Então o documento que consta na questão também é um memorando (comunicação entre unidades administrativas de um mesmo órgão).
    E em um memorando a data não fica após o fecho e sim abaixo da identificação do documento na margem direita.[
    Por isso o fecho está ERRADO SIM, porém  NÃO é por conter termos rebuscados.

    Espero ter ajudado!!
    Bons estudos a todos!!
  • Achei inadequado a o fecho numerado. Entendo que não existe numeração para fecho!
  • A questão trata do fecho de correspondência oficiais, ou seja, quer saber se está ou não inadequado com o que foi colocado: "Renovo os votos de apreço, ao mesmo tempo em que coloco os serviços deste setor à disposição de V. S.ª.". Sendo que há pessoalidade neste fecho, pois o correspondente (escritor) faz uso de termos rebuscados para o contexto como: "Renovo os votos de apreço", "coloco os serviços deste setor à dispoção de V. S. ª.". Dessa forma, era simplesmente citar: Atenciosamente ou Respeitosamente - De acordo com o nível hierárquico do Diretor em relação ao Chefe do Departamento Pessoal.

    Resposta: Certo.
  • Boa tarde!
    Assim como o colega,Leandro B , discordo com o gabarito, realmente o fecho está inadequado, mas não por trazer termos rebuscados, e sim por dar sentido pessoal e não utilizar o fecho padrão: respeitosamente.
  • Solicitemos comentários do Professor!

  • Certo.



    Não apenas os termos rebuscados em questão, mas ao eu ver, também, neste caso, a falta do desfecho "RESPEITOSAMENTE."

  • "Renovo os votos de apreço, ao mesmo tempo em que
    coloco os serviços deste setor à disposição de V. S.ª."

    Eu também discordava do gabarito. Porém, após procurar por "rebuscado", encontrei isso:

    "adj. Requintado; em que há excesso de primor, de esmero, de requinte: estilo de escrita rebuscado."
    (http://www.dicio.com.br/rebuscado/)

    Realmente, há excesso de requinte desnecessário.





  • Gente que questão nojenta é essa?!!

     

  • creio que tambem feriu a impessoalidade 

  • E o nome do diretor que não pode. é um memorando kkkkkk

  • O examinador do Cespe anda mal das pernas.


ID
13306
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
TRT - 16ª REGIÃO (MA)
Ano
2005
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Nas instituições de domínio público ou privado, circulam textos adequados às comunicações internas e externas. O texto a seguir constitui exemplo desse tipo de comunicação.
1  Senhor Diretor Alcides,

De acordo com seu Memo. n.º 42/05, indico a funcionária
Maria Guadalupe Moreira para assumir a função de
4  secretária dessa divisão.

Renovo os votos de apreço, ao mesmo tempo em que
coloco os serviços deste setor à disposição de V. S.ª.

7  Álvaro Fidélio de Abreu
Chefe do Departamento de Pessoal
São Luiz, 22 de maio de 2005

Com relação à correspondência oficial apresentada no texto acima, julgue os itens a seguir.

A utilização da forma abreviada "Memo." (L.2) está inadequada porque este gênero textual exige que a palavra seja escrita por extenso.

Alternativas
Comentários
  • Lembrando que o manual da presidência destaca que a abreviação de Memorando é "Mem." e não "Memo". A questão está Errada por afirmar que a palavra que designa o tipo de documento, no caso, Memorando, não pode ser abreviado.

    Bons estudos!
  • ex. : 

    Mem. 118/DJ

  • O enunciado informa que "a utilização da forma abreviada "Memo." (L.2) está inadequada porque este gênero textual exige que a palavra seja escrita por extenso".

    Na verdade, a afirmação acima está incorreta porque, segundo o Manual de Redação Oficial, o memorando pode ser indicado sob forma de abreviação. Observe a página 18 do Manual.


    A resposta é incorreta.

  • O colega Alex Denadai está correto.

    3.1. Partes do documento no Padrão Ofício

    O aviso, o ofício e o memorando devem conter as seguintes partes:

    a) tipo e número do expediente, seguido da sigla do órgão que o expede:

    Exemplos:

    Mem. 123/2002-MF Aviso 123/2002-SG Of. 123/2002-MME


  • Errado.


    textos de redações oficiais, podem utilizar abreviações formais.

  • A questão está errada porque afirma que, para este gênero textual, exige-se que a palavra "memorando" seja escrita por extenso, quando na verdade ela pode ser ABREVIADA.

    E, como o colega já mencionou, a abreviação de Memorando, de acordo com o Manual de Redação da Presidência da República, é "MEM.' e não "Memo".

    ;)

  • A abreviação de "memorando" segundo o MRPR é Mem.

    GABARITO-> ERRADO.


ID
13900
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
TRE-AL
Ano
2004
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

1    No que diz respeito à esfera política, a
     democratização se coloca em vários planos e tem como
     exigência primordial o reconhecimento dos diversos sujeitos
4   e das causas que defendem. Esse reconhecimento está
     diretamente ligado à ruptura com a tradição conservadora,
     cuja visão política hierarquiza as formas de participação e
7   não reconhece os vários campos de conflitos e contradições
     sociais presentes na sociedade.

Maria Betânia Ávila.
Democracia radical em foco.
Internet: . Acesso em 16/7/2004 (com adaptações).

Julgue os itens subseqüentes, relativos ao texto acima.

Pelas características de clareza, objetividade, impessoalidade da linguagem e respeito às regras do padrão culto da língua portuguesa, esse texto poderia fazer parte de um documento oficial.

Alternativas
Comentários
  • Não concordo com a resposta. O Texto fala, fala e acaba não dizendo nada que se aproveite.
  • Realmente, no quesito clareza esse texto peca e muito!! Não concordo com o gabarito.
  • Discordo. Quem consegue interpretar textos entende bem o que o parágrafo está dizendo.
  • Ora, não vejo razões para o gabarito ter sido considerado Correto.
    No período: 
    " No que diz respeito à esfera política, a democratização se coloca em vários planos e tem como exigência primordial o reconhecimento dos diversos sujeitos  e das causas que defendem." Meu Deus! O administrador, seja superior hierárquico ou de mesmo nível, não tem interesse em saber em que plano se coloca a democratização e quais são suas exigências. Caso ele quisesse saber, bastaria voltar para escola! Fala sério aí!  
  • errei....achei que um texto dissertativo não poderia ser impessoal pq defende um ponto de vista.....
    bem, a hora de errar eh aki, vamo q vamo

  • Achei o texto muito enrolado, errei pq pensei que não está usando uma linguem muito fácil de entender, considerando que o texto tem que ser o mais claro e breve possível, de fácil entendimento por todos.

  • A questão informa que "pelas características de clareza, objetividade, impessoalidade da linguagem e respeito às regras do padrão culto da língua portuguesa, esse texto poderia fazer parte de um documento oficial".

    Ao analisar o pequeno texto, percebemos que não há erros de ortografia, de semântica, de sintaxe, o que torna o texto viável para ser um documento oficial. 


    A resposta é correta. 

  • Certo.




    Tal trecho, apesar de aparente defesa de tese, encontra-se claro e objetivo, sem o uso de linguagem coloquial.

  • O texto permite uma interpretação muito extensiva.

     

    --

     

    Gabarito oficial: certo

    Meu gabarito: erradíssimo

  • Na minha opinião, existe pessoalidade: " esse reconhecimento está diretamente ligado à ruptura com a tradição conservadora...". Isso é na opinião dela.

  • Concordo com o colega Mateus Santos!

     

    Meu gabarito: ERRADO

  • Minha justificativa para marcar o item como correto.

    Porque quando foi citado na pergunta ''padrão culto'' e observando o nome da autora e o nome ''Democracia radical em foco'' juntamente com a forma escrita do texto que tem características sim de objetividade e impessoalidade; não consegui identificar clareza pela utilização da palavra ''ruptura'' e ''hierarquiza'', pois vai contra um dos tópicos do livro do manual de redação oficial, que é utilizar expressões simples, mas como na pergunta diz ''padrão culto'' então se adéqua a pergunta. Por essas razoes julguei o item como verdadeiro.

  • Na minha humilde opinião esse texto não tem clareza nem objetividade... Já que nas correspondências oficiais não é correto supor que a pessoa que lê a mensagem tem o mesmo nível de conhecimento de quem escreve, o ideal seria escolher palavras mais simples, a não ser que se tratassem de termos técnicos, o que não é o caso do assunto em questão.

    Resultado: Errei!!

    Vamos pra próxima!!!

  • Não tem nada de impessoalidade nesse texto.

  • Típica questão que o examinador dá o gabarito que quiser...

  • Super impessoal e imparcial este texto claramente de orientação política à esquerda... aham...

  • ALEM DO QUE FOI FALADO PELOS COLEGAS, NOTEM A REDUNDÂNCIA NA PALAVRA "RECONHECIMENTO" LOGO CABE RECURSO ESSE TREM UAI

  • Poderia muito bem compor o conteúdo de um relatório.

  • Achei muito mais que formal. Não pra mim, mas não seria de fácil entendimento para um grande número de pessoas.

  • NÃO TEM NADA DE IMPESSOALIDADE E CLAREZA.


ID
13933
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
TRE-AL
Ano
2004
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

1    Para a direita a noção de cidadania procura
      expurgar a noção de igualdade inerente a este termo.
      A cidadania é vista como uma outorgação do Estado ou, no
4    limite, o reconhecimento da igualdade jurídica, que 
     discrimina e escamoteia o fato de que os direitos, para serem
     gozados, necessitam de uma certa homogeneidade social e
7   econômica. Assim, ao absolutizar o nivelamento jurídico dos
     indivíduos, este raciocínio opera um escamoteamento das
     desigualdades econômicas, sociais, políticas e culturais que
10 permeiam uma sociedade onde as classes sociais, os gêneros,
     as etnias e os grupos têm acesso diferenciado e desigual aos
     bens materiais e simbólicos.

João B. A. da Costa.
Democracia, cidadania e atores políticos de esquerda.
Internet: . Acesso em 16/7/2004 (com adaptações).

Acerca do texto acima, julgue os itens que se seguem.

Para que o texto atenda à exigência de respeito à norma de padrão culto da língua portuguesa, característica da redação de textos oficiais, seria obrigatória a substituição do pronome relativo "onde" (R.10) por em que.

Alternativas
Comentários
  • O pronome relativo onde se refere a um substantivo antecedente de lugar.
    O importante é o que se entende por lugar ou a extensão do seu significado, que pode ser:
    Espaço ocupado, povoação, localidade, região, posição, situação, classe, categoria, ordem, trecho ou passagem de um livro, de uma obra.
    Sendo assim podemos entender que sociedade é um antecedente possível para o pronome relativo onde.
  • Mesmo substituindo o pronome relativo, o texto continua não sendo oficial pois ainda assim apresentaria traços de pessoalidade 
  • onde:    em que lugar
    donde:  de que lugar
    aonde:    a que lugar
  • O pronome "que" deve ser antecedido por "a" e não "em", pois o pronome faz referência a locução "têm acesso". E quem tem acesso, tem acesso "a" algo, e não "em" algo.

  • Errado.



    Não pode ser obrigatório, pois o trecho encontra-se claro, impessoal e sem o uso de linguagem coloquial.

  • ONDE não retoma lugar? sociedade é lugar?

  • sociedade é lugar?

  • Sociedade é o lugar em que vivemos, estamos inserido dentro dela, portanto um lugar.


ID
16216
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
TRE-AL
Ano
2004
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Texto I - itens de 1 a 20
Apostando na leitura
1 Se a chamada leitura do mundo se aprende por aí, na tal escola da vida, a leitura de livros carece de aprendizado mais
regular, que geralmente acontece na escola. Mas leitura, quer do mundo, quer de livros, só se aprende e se vivencia, de forma
plena, coletivamente, em troca contínua de experiências com os outros. É nesse intercâmbio de leituras que se refinam, se
4 reajustam e se redimensionam hipóteses de significado, ampliando constantemente a nossa compreensão dos outros, do mundo
e de nós mesmos. Da proibição de certos livros (cuja posse poderia ser punida com a fogueira) ao prestígio da Bíblia, sobre a qual
juram as testemunhas em júris de filmes norte-americanos, o livro, símbolo da leitura, ocupa lugar importante em nossa sociedade.
7 Foi o texto escrito, mais que o desenho, a oralidade ou o gesto, que o mundo ocidental elegeu como linguagem que cimenta a
cidadania, a sensibilidade, o imaginário. É ao texto escrito que se confiam as produções de ponta da ciência e da filosofia; é ele
que regula os direitos de um cidadão para com os outros, de todos para com o Estado e vice-versa. Pois a cidadania plena, em
10 sociedades como a nossa, só é possível - se e quando ela é possível - para leitores. Por isso, a escola é direito de todos e dever
do Estado: uma escola competente, como precisam ser os leitores que ela precisa formar. Daí, talvez, o susto com que se observa
qualquer declínio na prática de leitura, principalmente dos jovens, observação imediatamente transformada em diagnóstico de
13 uma crise da leitura, geralmente encarada como anúncio do apocalipse, da derrocada da cultura e da civilização. Que os jovens
não gostem de ler, que lêem mal ou lêem pouco é um refrão antigo, que de salas de professores e congressos de educação ressoa
pelo país afora. Em tempo de vestibular, o susto é transportado para a imprensa e, ao começo de cada ano letivo, a terapêutica
16 parece chegar à escola, na oferta de coleções de livros infantis, juvenis e paradidáticos, que apregoam vender, com a história que
contam, o gosto pela leitura. Talvez, assim, pacifique corações saber que desde sempre - isto é, desde que se inventaram livros
e alunos - se reclama da leitura dos jovens, do declínio do bom gosto, da bancarrota das belas letras! Basta dizer que Quintiliano,
19 mestre-escola romano, acrescentou a seu livro uma pequena antologia de textos literários, para garantir um mínimo de leitura aos
estudantes de retórica. No século I da era cristã! Estamos, portanto, em boa companhia. E temos, de troco, uma boa sugestão: se
cada leitor preocupado com a leitura do próximo, sobretudo leitores-professores, montar sua própria biblioteca e sua antologia
22 e contagiar por elas outros leitores, sobretudo leitores-alunos, por certo a prática de leitura na comunidade representada por tal
círculo de pessoas terá um sentido mais vivo. E a vida será melhor, iluminada pela leitura solidária de histórias, de contos, de
poemas, de romances, de crônicas e do que mais falar a nossos corações de leitores que, em tarefa de amor e paciência, apostam
25 no aprendizado social da leitura.

Marisa Lajolo. Folha de S. Paulo, 19/9/1993 (com adaptações).

A partir do texto I e a respeito de redação e correspondência
oficial, julgue os itens a seguir.

A passagem "Foi o texto escrito, mais que o desenho, a
oralidade ou o gesto, que o mundo ocidental elegeu como
linguagem que cimenta a cidadania, a sensibilidade, o
imaginário" (l.7-8) pode constar em um relatório técnico,
justificando a antiguidade do tema tratado.

Alternativas
Comentários
  • O verbo cimentar está em sentido conotativo, linguagem inadequada para a redação de documentos oficiais. Errado o gabarito.

  • Também não entendi o gabarito como certo. Eu marquei errado justamento pelo uso do verbo "cimentar".

  • Sem falar da ocorrência de "queismo", embora empregados com funções distintas.
  • Como assim justificaria a antiguidade do tema tratado??? O texto não é mais antigo que o gesto, a palavra oral... obviamente.
  • O enunciado informa que a passagem "Foi o texto escrito, mais que o desenho, a oralidade ou o gesto, que o mundo ocidental elegeu como linguagem que cimenta a cidadania, a sensibilidade, o imaginário" (l.7-8) pode constar em um relatório técnico, justificando a antiguidade do tema tratado".

    O gabarito informa que a questão está correta. No entanto, um relatório técnico é reconhecido por usa linguagem objetiva, com vocabulário próprio usado em documentos oficiais. 
    O que vemos é o contrário. Observamos a adoção de uma metáfora por meio do verbo "cimentar". A própria forma escrita apresenta indiretamente a opinião da autora. 

    Para mim, a resposta está incorreta. 
  • Pensei que fosse Errado, pois alguns termos aparentam ser subjetivos, dotados de sentimentos....


  • Logo na primeira linha: ''Se a chamada leitura do mundo se aprende por aí....''

     

    Hã!? Por aí ondeeee???

    Na minha opinião, o texto não poderia constar em um relatório. Há subjetivismo!

    Não poderia ser usado como um texto oficial.

    Não entendi o gabarito.

  • (2)

     

    Daí, talvez, o susto com que se observa qualquer declínio na prática de leitura, principalmente dos jovens, observação imediatamente transformada em diagnóstico de uma crise da leitura, geralmente encarada como anúncio do apocalipse, da derrocada da cultura e da civilização. Que os jovens não gostem de ler, que lêem mal ou lêem pouco é um refrão antigo, que de salas de professores e congressos de educação ressoa pelo país afora. Em tempo de vestibular, o susto é transportado para a imprensa e, ao começo de cada ano letivo, a terapêutica parece chegar à escola, na oferta de coleções de livros infantis, juvenis e paradidáticos, que apregoam vender, com a história que contam, o gosto pela leitura. Talvez, assim, pacifique corações saber que desde sempre - isto é, desde que se inventaram livros e alunos - se reclama da leitura dos jovens, do declínio do bom gosto, da bancarrota das belas letras! Basta dizer que Quintiliano, mestre-escola romano, acrescentou a seu livro uma pequena antologia de textos literários, para garantir um mínimo de leitura aos estudantes de retórica. No século I da era cristã! Estamos, portanto, em boa companhia. E temos, de troco, uma boa sugestão: se cada leitor preocupado com a leitura do próximo, sobretudo leitores-professores, montar sua própria biblioteca e sua antologia e contagiar por elas outros leitores, sobretudo leitores-alunos, por certo a prática de leitura na comunidade representada por tal círculo de pessoas terá um sentido mais vivo. E a vida será melhor, iluminada pela leitura solidária de histórias, de contos, de poemas, de romances, de crônicas e do que mais falar a nossos corações de leitores que, em tarefa de amor e paciência, apostam no aprendizado social da leitura.

  • (1)

     

    Se a chamada leitura do mundo se aprende por aí, na tal escola da vida, a leitura de livros carece de aprendizado mais regular, que geralmente acontece na escola. Mas leitura, quer do mundo, quer de livros, só se aprende e se vivencia, de forma plena, coletivamente, em troca contínua de experiências com os outros. É nesse intercâmbio de leituras que se refinam, se reajustam e se redimensionam hipóteses de significado, ampliando constantemente a nossa compreensão dos outros, do mundo e de nós mesmos. Da proibição de certos livros (cuja posse poderia ser punida com a fogueira) ao prestígio da Bíblia, sobre a qual juram as testemunhas em júris de filmes norte-americanos, o livro, símbolo da leitura, ocupa lugar importante em nossa sociedade. Foi o texto escrito, mais que o desenho, a oralidade ou o gesto, que o mundo ocidental elegeu como linguagem que cimenta a cidadania, a sensibilidade, o imaginário. É ao texto escrito que se confiam as produções de ponta da ciência e da filosofia; é ele que regula os direitos de um cidadão para com os outros, de todos para com o Estado e vice-versa. Pois a cidadania plena, em sociedades como a nossa, só é possível - se e quando ela é possível - para leitores. Por isso, a escola é direito de todos e dever do Estado: uma escola competente, como precisam ser os leitores que ela precisa formar.

  • "linguagem que cimenta a cidadania" isso é uma metáfora, a redação oficial não pode conter metáforas por atrapalhar a objetividade. Não compreendi o gabarito.

  • Quem acertou errou. Mais uma cespisse!


ID
16222
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
TRE-AL
Ano
2004
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Texto I - itens de 1 a 20
Apostando na leitura
1 Se a chamada leitura do mundo se aprende por aí, na tal escola da vida, a leitura de livros carece de aprendizado mais
regular, que geralmente acontece na escola. Mas leitura, quer do mundo, quer de livros, só se aprende e se vivencia, de forma
plena, coletivamente, em troca contínua de experiências com os outros. É nesse intercâmbio de leituras que se refinam, se
4 reajustam e se redimensionam hipóteses de significado, ampliando constantemente a nossa compreensão dos outros, do mundo
e de nós mesmos. Da proibição de certos livros (cuja posse poderia ser punida com a fogueira) ao prestígio da Bíblia, sobre a qual
juram as testemunhas em júris de filmes norte-americanos, o livro, símbolo da leitura, ocupa lugar importante em nossa sociedade.
7 Foi o texto escrito, mais que o desenho, a oralidade ou o gesto, que o mundo ocidental elegeu como linguagem que cimenta a
cidadania, a sensibilidade, o imaginário. É ao texto escrito que se confiam as produções de ponta da ciência e da filosofia; é ele
que regula os direitos de um cidadão para com os outros, de todos para com o Estado e vice-versa. Pois a cidadania plena, em
10 sociedades como a nossa, só é possível - se e quando ela é possível - para leitores. Por isso, a escola é direito de todos e dever
do Estado: uma escola competente, como precisam ser os leitores que ela precisa formar. Daí, talvez, o susto com que se observa
qualquer declínio na prática de leitura, principalmente dos jovens, observação imediatamente transformada em diagnóstico de
13 uma crise da leitura, geralmente encarada como anúncio do apocalipse, da derrocada da cultura e da civilização. Que os jovens
não gostem de ler, que lêem mal ou lêem pouco é um refrão antigo, que de salas de professores e congressos de educação ressoa
pelo país afora. Em tempo de vestibular, o susto é transportado para a imprensa e, ao começo de cada ano letivo, a terapêutica
16 parece chegar à escola, na oferta de coleções de livros infantis, juvenis e paradidáticos, que apregoam vender, com a história que
contam, o gosto pela leitura. Talvez, assim, pacifique corações saber que desde sempre - isto é, desde que se inventaram livros
e alunos - se reclama da leitura dos jovens, do declínio do bom gosto, da bancarrota das belas letras! Basta dizer que Quintiliano,
19 mestre-escola romano, acrescentou a seu livro uma pequena antologia de textos literários, para garantir um mínimo de leitura aos
estudantes de retórica. No século I da era cristã! Estamos, portanto, em boa companhia. E temos, de troco, uma boa sugestão: se
cada leitor preocupado com a leitura do próximo, sobretudo leitores-professores, montar sua própria biblioteca e sua antologia
22 e contagiar por elas outros leitores, sobretudo leitores-alunos, por certo a prática de leitura na comunidade representada por tal
círculo de pessoas terá um sentido mais vivo. E a vida será melhor, iluminada pela leitura solidária de histórias, de contos, de
poemas, de romances, de crônicas e do que mais falar a nossos corações de leitores que, em tarefa de amor e paciência, apostam
25 no aprendizado social da leitura.

Marisa Lajolo. Folha de S. Paulo, 19/9/1993 (com adaptações).

A partir do texto I e a respeito de redação e correspondência
oficial, julgue os itens a seguir.

O último período do texto, por conter várias marcas de
subjetividade e o ponto de vista do autor, não é pertinente
para representar idéias do subscritor de um ofício-circular
ou de uma portaria.

Alternativas
Comentários
  • Certa. Subjetividade e ponto de vista tornam o texto pessoal. Comunicações oficiais devem ser impessoais.
  • Resposta certa

    A formalidade é critério indispensável para a redação oficial.Não pode conter opiniões pessoais do remetente.

  • Certo.


    Termos que caracterizaram subjetividade ao trecho:


    -e a vida será melhor....

    -...e do que mais falar nossos corações de leitor...



    Percebam que são trechos que trazem sentimentos ao texto, inadequando-se para redações oficiais...


  • NÃO SÓ, O ULTIMO PERIODO, MAS, TODO O TEXTO, FERE OS PRINCIPIOS EXPLICITOS NO MANUAL DE REDAÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA.

  • Gabarito: certo

    Fonte: outras questões CESPE

    --

    Segundo o próprio CESPE, "o caráter impessoal do assunto tratado nas comunicações oficiais deve restringir o uso dos documentos oficiais a situações relacionadas ao interesse público, não cabendo tom particular ou pessoal na redação desses documentos ".


ID
20689
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
Banco do Brasil
Ano
2007
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Texto para os itens de 1 a 14

1 Os bancos médios alcançaram um de seus
melhores anos em 2006. A rigor, essas instituições não
optaram por nenhuma profunda ou surpreendente mudança
4 de foco estratégico. Bem ao contrário, elas apenas voltaram
a atuar essencialmente como bancos: no ano passado a
carteira de crédito dessas casas bancárias cresceu 39,2%,
7 enquanto a carteira dos dez maiores bancos do país
aumentou 26,2%, ambos com referência a 2005.
É apressado asseverar que essa expansão do
10 segmento possa gerar maior concorrência no setor. Vale
lembrar, apenas como comparação, que a chegada dos
bancos estrangeiros (nos anos 90) não surtiu o efeito
13 esperado quanto à concorrência bancária. Os bancos
estrangeiros cobram o preço mais alto em 21 tarifas. E os
bancos privados nacionais, médios e grandes, têm os preços
16 mais altos em outras 21. O tamanho do banco não determina
o empenho na cobrança de tarifas. O principal motivo da
fraca aceleração da concorrência do sistema bancário é a
19 permanência dos altos spreads, a diferença entre o que o
banco paga ao captar e o que cobra ao emprestar, que não se
altera muito, entre instituições grandes ou médias.
22 Vale notar, também, que os bons resultados dos
bancos médios brasileiros atraíram grandes instituições do
setor bancário internacional interessadas em participação
25 segmentada em forma de parceria. O Sistema Financeiro
Nacional só tem a ganhar com esse tipo de integração. Dessa
forma, o cenário, no médio prazo, é de acelerado movimento
28 de fusões entre bancos médios, processo que já começou.
Será um novo capítulo da história bancária do país.


Gazeta Mercantil, Editorial, 28/3/2007.

A correção gramatical, o nível de formalidade e as escolhas lexicais permitem afirmar-se que a linguagem do texto está apropriada para correspondências oficiais.

Alternativas
Comentários
  •  Sinceramente gostaria de saber pq  essa questa esta correta

    Alguem poderia me dizer
  • A questão não fala sobre o texto estar em conformidade com as correspondências oficiais, MAS SIM a linguagem que está na 3a Pessoa e respeita as demais normas. Realmente não é uma correspondência oficial, mas não confunda o todo com um aspecto específico, como é o da questão.
  • O comentário do colega Frederico está ótimo.

    Inclusive, observe na linha 19 do texto. Há um termo técnico, porém o mesmo foi explicado na frase seguinte. É o que manda o modelo das correspondências oficiais.
  • Na minha humilde opinião, entendo que a questão esta errada, pois existem passagens no texto em que o autor, de maneira sucinta, exprime uma certa pessoalidade - vale lembrar (l .10) vale, notar (l.22) - e isso (pessoalidade) não é adequado ao texto oficial. 

  • " É apressado asseverar que essa expansão do
    10 segmento possa gerar maior concorrência no setor... "


    O uso da palavra  " ASSEVERAR " não tornaria a questão errada ??

  • O engraçado é que a outra pergunta sobre redação oficial neste certame foi esta:

    "A expressão "Não foi por falta de aviso" (L1) é adequada para iniciar um ofício."

    Assertiva errada!! então como este texto pode servir de modelo para uma correspondencia oficial?

  • Tenho dó do ser humano que pegou essa questão em uma prova. Não por ela ser difícil, mas sim pelo tempo que ele levaria para ler tudo isso.

  • Marquei errado por causa do spreads. OMG!! A questão deveria informar quem é o remetente e o destinatário desse  texto, se ambos fossem da área bancária, tudo bem, eu até concordaria. Mas a rigor a rigor esse texto não é adequado para compor uma redação oficial.

  • Gab. Certo

     

    Porém, achei esse texto com palavras, que ser forem lidas por qq cidadão, já que tem que ser de fácil entendimento p/ todos, difícil de entender.

     

    Esse trecho, por exemplo: ...É apressado asseverar que essa expansão do segmento possa gerar maior concorrência no setor.

     

    E Outra, como pode em um mesmo texto ter essa pergunta? 

     

    (Q6899) A expressão "Não foi por falta de aviso" (L1) é adequada para iniciar um ofício.

    Gab. Errado.

  • Está correto a concordância da palavra ambos?

  • Não concordo com o gabarito porque segundo o principio da CONCISÃO pois a palavras no texto inúteis, que nada acrescentem ao que já foi dito.

    Ex: linha 3 ''...optaram por nenhuma profunda ou surpreendente mudança...''

    Linha 9 '' É apressado asseverar que essa expansão do...''

  • Não achei a linguagem do texto apropriada para correspondência oficial, pois apesar da correção gramatical e do nível de formalidade estarem corretos, faltou objetividade e concisão que consiste no texto ter o máximo de informação com um mínimo de palavras.

  • "Será um novo capítulo da história bancária do país". A meu ver, o citado trecho fere o princípio da impessoalidade.


ID
20704
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
Banco do Brasil
Ano
2007
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Texto para os itens de 15 a 24

1 Não foi por falta de aviso. Desde 2004, a
Aeronáutica vem advertindo dos riscos do desinvestimento
no controle do tráfego aéreo. Ao apresentar suas propostas
4 orçamentárias de 2004, 2005 e 2006, o Departamento de
Controle do Espaço Aéreo (DECEA) informou, por escrito,
que a não liberação integral dos recursos pedidos levaria
7 à situação vivida agora no país. Mesmo assim, as verbas
foram cortadas ano após ano pelo governo, em dois
momentos: primeiro no orçamento, depois na liberação
10 efetiva do dinheiro.
As advertências do DECEA foram feitas à
Secretaria de Orçamento Federal do Ministério do
13 Planejamento, na oportunidade em que foram solicitadas
verbas para “operação, manutenção, desenvolvimento e
modernização do Sistema de Controle do Espaço Aéreo
16 Brasileiro (SISCEAB)”. Elas são citadas em relatório do
Tribunal de Contas da União (TCU).

O Estado de S.Paulo, 25/3/2007, p. C6 (com adaptações).

Com referência às estruturas e às idéias do texto, bem como a aspectos associados aos temas nele tratados, julgue os próximos itens.

A expressão "Não foi por falta de aviso" (L1) é adequada para iniciar um ofício.

Alternativas
Comentários
  • O ofício é um documento espedido para tratar de assuntos oficiais pelos órgãos da Administração pública entre si e com particulares. Em um ofício, não pode haver a linguagem coloquial.
  • Colega também não podemos esquecer do princípio da IMPESSOALIDADE, estou correto?

  • A expressão apresentada tem carater pessoal de opinião, sendo inadequada para compor uma comunicação oficial.

  • Gab:E

    Pagou um esporro hahahah

     


ID
34666
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
TRE-GO
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

1 art. 63 - A requerimento do órgão de direção do respectiv
o partido, o Juiz Eleitoral devolverá as fichas de filiaçã
o partidária existentes no cartório da respectiva zona eleitoral,
4 nos termos do art. 32, destas instruções, obedecidas as normas
estatutárias da lei n. 9.096/95, art. 58.
§1.º - Para efeito de candidatura a cargo eletivo, será
7 considerada como primeira filiação a constante das listas de
que trata este artigo (caput).

Para que o fragmento de texto acima respeite as normas de elaboração de documentos oficiais, como impessoalidade, objetividade, clareza, e as regras gramaticais da modalidade padrão da língua portuguesa, será necessário

Alternativas
Comentários
  • No item A, apesar de requerimento ser substantivo masculino não vem acompanhado do artigo definido "o". Por não esta individualizado em seu sentido.

    No item B, o Manual traz: "Os artigos serão designados pela abreviatura “Art.” E sem traço antes do início do texto.

  • A questão apresenta alternativas e pede que seja marcada a correta. 
    De todas as alternativas, aquela que tem coerência e sentido na afirmação é a referente ao artigo, pois segundo o Manual de Redação Oficial, "os artigos serão designados pela abreviatura “Art." sem traço antes do início do texto. Os textos dos artigos serão iniciados com letra maiúscula e encerrados com ponto-final, exceto quando tiverem incisos, caso em que serão encerrados por dois-pontos". Além disso, por se tratar de lei, a indicação vem também em letra maiúscula.


    A resposta correta é a letra (B).
  • A questão apresenta alternativas e pede que seja marcada a correta. 
    De todas as alternativas, aquela que tem coerência e sentido na afirmação é a referente ao artigo, pois segundo o Manual de Redação Oficial, "os artigos serão designados pela abreviatura “Art.” sem traço antes do início do texto. Os textos dos artigos serão iniciados com letra maiúscula e encerrados com ponto-final, exceto quando tiverem incisos, caso em que serão encerrados por dois-pontos". Além disso, por se tratar de lei, a indicação vem também em letra maiúscula.


    A resposta correta é a letra (B).







  • professorinha fraca.

  • Gabarito: Letra B

    ----------------------------

    Use maiúsculas nos seguintes casos:

    Leis, normas e tributos quando constituírem nome próprio ou forem consagradas por sua importância – Lei de Informática, Lei de Diretrizes e Bases, Plano Diretor, Lei Afonso Arinos, Imposto de Renda. No entanto, se a lei for conhecida apenas por seu número, use minúscula: lei nº 8.248, decreto nº 3.800, portaria nº 739.

    ---------------------------

    Fonte: https://memoria.rnp.br/guia/estilo/maiusculas.html

  • Gabarito: Letra B

    Manual de Redação da Presidência da República

    Pág. 80 - 10.2.2.1. Artigo

    ...Os artigos serão designados pela abreviatura "Art." sem traço antes do início do texto...


ID
34669
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
TRE-GO
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Desconsiderando o espaçamento e supondo que Fulano de Tal seja a assinatura do emissor do documento, assinale a opção correta para o fecho do documento oficial indicado.

Alternativas
Comentários
  • Acredito não ser a letra A, porque o memorando deve mencionar também o cargo do signatário, ou seja, de quem assina o documento, o fulano de tal da questão. E a data vem logo depois da identificação do documento. A ordem é a seguinte:
    1- Identificação do documento e sua numeração.
    2- Data.
    3- Remetente.
    4- Vocativo
    5- texto
    6- Fecho
    7- Assinatura.

    Não pode ser a letra B, porque no ofício a data também não vem por último, ela vem depois da numeração do ofício.

    A letra C está errada, para que fosse considerada correta, deveria estar da seguinte maneira:
    Fulano de tal
    Procurador geral.
    Na questão não foi colocado o nome de quem deu o parecer somente o cargo dele, acredito ter sido esse o erro dessa alternativa. o local e data estão na posição correta.
  • a) Não termina com Local e Data;
    b) Não termina com Local e Data;
    c) Deve terminar com Local e Data;
    d) Logo, por exclusão, essa é a correta.
  • O Manual de Redação da PR ainda lembra que:
    "Excluídas as comunicações assinadas pelo Presidente da República, TODAS as demais comunicações oficiais devem trazer o NOME e o CARGO da autoridade que as expede, abaixo do local de sua assinatura."

  • NAO ENTENDI ESSES DOIS FULANO DE TAL

    O PRIMEIRO SERIA A ASSINATURA?

  • Sim meu caro amigo. O 1° Fulano de Tal em "itálico" seria a assinatura do signatário e o 2° Fulano de tal seria o nome do signatário.

  • A letra C está correta pois em ATESTADO NÃO se utiliza fechos. Os demais têm erro de data, etc.
  • A questão apresenta possíveis fechos para os documentos apresentados nas alternativas.

    De acordo com o nosso conhecimento sobre Redação Oficial, sabemos que o memorando finaliza com 

    Atenciosamente,

    [nome do signatário]
    [cargo do signatário]

    e que o ofício termina da seguinte forma: 

    Atenciosamente,

    [Nome]
    [cargo]

    O parecer termina da seguinte forma: 

    NOME
    Cargo ou Função
    Matrícula

    Desta forma, as letras A, B e C estão incorretas.


    A resposta é a letra D.

  • Gosto muito deste resumo aqui, ó: http://www.portuguesxconcursos.com.br/p/redacao-oficial-para-concursos.html


    Abraço =D

  • Muito legal o resumo, Laura! Obrigada!


ID
46564
Banca
FCC
Órgão
TRT - 7ª Região (CE)
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Considere as afirmativas seguintes:

I. O padrão culto da linguagem é estabelecido por seu uso específico nos atos e comunicações oficiais, com preferência por determinadas expressões e formas sintáticas, tendo em vista tratar-se de uma variante da linguagem técnica.
II. Um dos princípios da redação oficial é a impessoalidade na comunicação de determinado assunto, considerando-se que ela é feita em nome do serviço público para um destinatário entendido como público, portanto, também impessoal.
III. A necessidade de se empregar o padrão culto da língua na redação oficial decorre tanto do caráter público dos atos emitidos quanto de sua qualidade, que é informar os cidadãos com clareza e objetividade.

É correto o que se afirma em:

Alternativas
Comentários
  • I - ERRADA - O padrão de linguagem das comunicações oficiais não é, e nem pode ser, uma variante de linguangem técnica. As gírias, os regionalismos, os jargões técnicos ou qualquer outro tipo de linguagem de um grupo específico são vedadas em comunicações oficiais. Isso pq tais comunicações (oficiais) partem de órgãos públicos e devem ser compreendidas por todo e qualquer cidadão brasileiro.II - CORRETA - As redações oficiais detêm as seguintes caracteristicas básicas: a impessoalidade, o uso do padrão culto de linguaegem, a formalidade e a padronização, a concisão.III - CORRETA - O padrão culto nas comunicações oficiais é aquele que: observa as regras da gramática oficial e emprega um vocabulário comum ao conjunto dos usuários do idioma. Correta, letra "E".Abraço!
  • Um dos princípios da redação oficial é a impessoalidade na comunicação de determinado assunto, considerando-se que ela é feita em nome do serviço público para um destinatário entendido comopúblico, portanto, também impessoal.

    Não necessariamente o destinatário de uma correspondência oficial será público, ela destina-se também a particulares. 

  • Elimina-se o item I, acha-se a alternativa E.

  • Sinceramente, essa II está estranha!

ID
50788
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
MEC
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Julgue os itens que se seguem, relativos à redação de expedientes.

Mesmo que o fax seja assinado por autoridade competente, seu envio não dispensa o encaminhamento do original, posteriormente, pelo meio de praxe.

Alternativas
Comentários
  • Manual de redação da Presidência da República7. Fax7.1. Definição e FinalidadeO fax (forma abreviada já consagrada de fac-simile) é uma forma de comunicação que está sendo menos usada devido ao desenvolvimento da Internet. É utilizado para a transmissão de mensagens urgentes e para o envio antecipado de documentos, de cujo conhecimento há premência, quando não há condições de envio do documento por meio eletrônico. Quando necessário o original, ele segue posteriormente pela via e na forma de praxe.Se necessário o arquivamento, deve-se fazê-lo com cópia xerox do fax e não com o próprio fax, cujo papel, em certos modelos, se deteriora rapidamente.
  • No Manual de Redação da Presidência da República diz:7. Fax7.1. Definição e Finalidade...QUANDO necessário o original, ele segue posteriormente pela via e na forma de praxe.A questão diz: Seu envio NÃO dispensa...
  • O enunciado informa que "mesmo que o fax seja assinado por autoridade competente, seu envio não dispensa o encaminhamento do original, posteriormente, pelo meio de praxe".

    De acordo com o Manual de Redação Oficial, "quando necessário o original, ele segue posteriormente pela via e na forma de praxe".


    A resposta é incorreta. 

  • Essa questão devia ser anulada, pois o modo como está escrita faz pensar, realmente, que é obrigatório o envio do original e não apenas quando necessário, como disse a colega Márcia Ribeiro!

  • Resposta: Certa

    A posição adotada pela banca é que a questão está correta.

    No entanto, gera polêmica a respeito do envio do original, mas a questão não expõe no enunciado que é taxativo enviado do original. 


    De acordo com o Manual de Redação Oficial, "quando necessário o original, ele segue posteriormente pela via e na forma de praxe".

  • O comentário do professor diz que a questão está incorreta.

    Gabarito com erro!

  • Segundo o MRPR, o envio do original nem sempre é necessário. Gabarito da Banca Certo (questionável)

  • questão ERRADA - não é obrigatório o envio do original!

  • Tenho a mesma opinião da resposta da professora Verônica Pereira:

    "O enunciado informa que "mesmo que o fax seja assinado por autoridade competente, seu envio não dispensa o encaminhamento do original, posteriormente, pelo meio de praxe".
    De acordo com o Manual de Redação Oficial, "quando necessário o original, ele segue posteriormente pela via e na forma de praxe".

    A resposta é incorreta. "

  • ''seu envio não dispensa o encaminhamento do original" questão esta certa por este motivo, pois poderá ser enviado o original quando necessário. simples assim.


ID
50794
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
MEC
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Julgue os itens que se seguem, relativos à redação de expedientes.

Caso o diretor de um órgão do MEC pretenda solicitar demanda dos recursos que gerencia ao Ministério da Defesa, ele deve encaminhar um memorando.

Alternativas
Comentários
  • Como o Memorando é a modalidade de comunicação entre unidades administrativas de um mesmo órgão, penso que poderíamos sugerir como dica a presença ou ausência do conjunto de palavras UM MESMO ÓRGÃO. Caso apareça na questão, é possível utilizar memorando; caso não apareça, não é possível.
  • para solicitação de recursos de orgaos distintos, deve-se encaminhar um ofício.
  • Só seria um memorando caso o destinatário fosse órgão pertencente a estrutura do Ministérioa da Educação e Cultura, sendo o destinatário algum órgão do Ministério da Defesa, o correto é o encaminhamento de ofício que é uma forma de correspondência oficial externa.
  • Aviso: ministro para ministro;
  • Olá amigos!!
    A correspondência é encaminhada  a órgão diverso daquele de origem, logo não cabe memorando, que é um correspondência interna. Deverá ser redigido um ofício que é a correspondencia usada neste caso por se tratar de órgão externo.

  • Memorando é uma correspondência interna, portanto, seria viável enviar um ofício por se tratar de correpondência externa.

  • não se usa mais memorando!

  • não existe mais memorando, ofício,aviso agora é só ofício junto tudo.

  • memorando serve para a comunicação interna entre funcionários, empregados e setores que tenham um nível hierárquico equivalentes ou diferentes, de modo rápido. Errado


ID
50797
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
MEC
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Julgue os itens que se seguem, relativos à redação de expedientes.

Ao se elaborar um memorando, deve-se utilizar o padrão ofício, no entanto, o seu destinatário deve ser mencionado pelo cargo que ocupa.

Alternativas
Comentários
  • O aviso, o ofício e o memorando devem conter as seguintes partes:d) destinatário: o nome e o cargo da pessoa a quem é dirigida a comunicação. No caso do ofício deve ser incluído também o endereço.
  • Quanto a sua forma, o memorando segue o modelo do padrão ofício, com a diferença de que o seu destinatário deve ser mencionado pelo cargo que ocupa.Exemplos:Ao Sr. Chefe do Departamento de AdministraçãoEita Jesus
  • CRIEI um MACETE que MISTURA INFORMÁTICA com Redação Oficial:

    .

    M -  Ctrl + C (Copia o Cargo )

    A -  Ctrl + C e Ctrl + V (copia o Cargo  e cola o Vocativo)

    O -   Ctrl + C e Ctrl + V e depois Ctrl + E  (copia o Cargo, cola o Vocativo e centraliza o Endereço)


ID
50800
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
MEC
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Julgue os itens que se seguem, relativos à redação de expedientes.

Caso a autoridade competente do MEC pretenda desenvolver um projeto que dependa de aprovação presidencial, ela deverá enviar ao presidente da República, por meio do respectivo ministro de Estado, um aviso ministerial.

Alternativas
Comentários
  • Neste caso creio que ela deva enviar um ofício para o Ministro de Estado.3.3. Aviso e Ofício3.3.1. Definição e FinalidadeAviso e ofício são modalidades de comunicação oficial praticamente idênticas. A única diferença entre eles é que o aviso é expedido exclusivamente por Ministros de Estado, para autoridades de mesma hierarquia, ao passo que o ofício é expedido para e pelas demais autoridades. Ambos têm como finalidade o tratamento de assuntos oficiais pelos órgãos da Administração Pública entre si e, no caso do ofício, também com particulares
  • Acho que aqui cabe: EXPOSIÇÃO DE MOTIVO.Texto tirado do MANUAL DE REDAÇÃO DE CORRESPODÊNCIA PUBLICA."4. Exposição de Motivos4.1. Definição e FinalidadeExposição de motivos é o expediente dirigido ao Presidente da República ou ao Vice-Presidente para:a) informá-lo de determinado assunto;b) propor alguma medida; ou**c) submeter a sua consideração projeto de ato normativo.Em regra, a exposição de motivos é dirigida ao Presidente da República por um MINISTRO DE ESTADO (Neste caso o Ministro da educação)***."
  • Errado! Em regra, a exposiçao de motivos e dirigida ao Presidente da Republica por um Ministro de Estado. Mas no caso em que o assunto tratado envolver mais de um ministerio, a exposiçao de motivos devera ser assinada por todos os ministros envolvidos, sendo, por essa razao, chamada de interministerial.
  • Ninguém envia nada por meio de outro, envia por intermédio.


  • O PRESIDENTE DA REPÚBLICO SÓ RECEBE EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS.



    GABARITO ERRADO

  • Presidente da República pode receber exposição de motivos, expedida por um Ministro de Estado. E também uma mensagem, expedida por outro ''chefão'' de outro poder, como o Presidente do STF (chefe do Poder Judiciário).

  • ERRADO

    AVISO= expedido EXCLUSIVAMENTE por Ministros de Estados, para autoridades de MESMA hierarquia

    EXPOSIÇÕES DE MOTIVOS= expediente dirigido ao Presidente da República ou ao Vice- Presidente= QUEM ENVIA= Ministro de Estado.

  • ERRADO! Será por ofício

  • Por exposição de motivos


ID
50803
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
MEC
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Julgue os itens que se seguem, relativos à redação de expedientes.

Aviso e ofício são modalidades de comunicação oficial muito semelhantes; ambos têm como finalidade o tratamento de assuntos oficiais pelos órgãos da administração pública.

Alternativas
Comentários
  • A única diferença entre eles é que o aviso é expedido exclusivamente por Ministros de Estado, para autoridades de mesma hierarquia, ao passo que o ofício é expedido para e pelas demais autoridades. Ambos têm como finalidade o tratamento de assuntos oficiais pelos órgãos da Administração Pública entre si e, no caso do ofício, também com particulares.
  • Exixtem muitas semelhanças, mas acredito que a diferença principal entre eles  é que o ofício é uma comunicação externa e o memorando é uma comunicação interna.

  • Questão Correta. Errei por lembrar do manual de redação oficial a última parte. Pensei que como o ofício também pode ser utilizado para assuntos particulares poderia ser este o erro.  Segue o que está no manual de redação oficial:

    Aviso e ofício são modalidades de comunicação oficial praticamente idênticas. A única diferença entre eles é que o aviso é expedido exclusivamente por Ministros de Estado, para autoridades de mesma hierarquia, ao passo que o ofício é expedido para e pelas demais autoridades. Ambos têm como finalidade o tratamento de assuntos oficiais pelos órgãos da Administração Pública entre si e, no caso do ofício, também com particulares.
  • OU SEJA, MUDA SOMENTE SEUS DESTINATÁRIOS.



    GABARITO CERTO
  • Se cair esse tema na minha prova, deixarei em branco, porque nem a banca sabe a resposta. rss



    O ofício e o aviso são expedientes usados para fins semelhantes, entre os quais está a comunicação de assuntos oficias entre órgãos da administração pública e entre estes e particulares. ERRADO


    Embora AVISO e OFICIO sigam o mesmo padrão formal — o padrão ofício —, as funções desses documentos são DISTINTAS. CERTO


    O AVISO e o OFICIO, embora partilhem a mesma função, diferem em relação aos interlocutores envolvidos: o aviso é expedido por ministros de Estado para autoridades de mesma hierarquia; o ofício é expedido para e pelas demais autoridades. CERTO



ID
50806
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
MEC
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Julgue os itens que se seguem, relativos à redação de expedientes.

Caso o ministro da Educação precise requerer o apoio de outro ministério em determinado assunto, ele deverá encaminhar tal solicitação por intermédio de uma exposição de motivos.

Alternativas
Comentários
  • ERRADO : EXPOSICÃO DE MOTIVOS : É INTEGRANTE DA ESTRUTURA DA CORRESPONDÊNCIA OFICIAL ENDEREÇADA AO GOVERNADOR POR TITULAR DE SECRETÁRIA DE ESTADO OU ORGÃO EQUIVALENTE, PROPONDO E JUSTIFICANDO A NECESSIDADE DA EXPLICAÇÃO DE ALGUM ATO. COMPORTA AS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES E DOUTRINÁRIAS QUE JUSTIFICAM A MEDIDA SOLICITADA.
  • A modalidade de texto oficial utilizada entre ministros é o Aviso.
  • Exposição de motivos é o expediente dirigido ao PRESIDENTE DA REÚBLICA ou ao VICE-PRESIDENTE para:a) informá-lo de determinado assunto;b) propor alguma medida; ouc) submeter a sua consideração projeto de ato normativo.Em regra, a exposição de motivos é dirigida ao Presidente da República por um Ministro de Estado.AGORA ALGUÉM SABE ME RESPONDE QUAL SERIA O CERTO ?POIS SÓ SEI QUE EXPOSIÇÃO NÃO É,CONFORME CITADO ACIMA.
  • Sem dúvida o Ofício é documento correto para se requerer algo entre Órgãos e Ministérios diferentes. Como ele usou o verbo requerer, induziu o candidato a pensar que seria redigido um requerimento, o que não é. Requerimento é pessoal.
  • Acredito ser aviso, pois a questão fala que o Ministro da Educação irá requerer apoio e não o Ministério da Educação.Assim, de acordo com o Manual de Redação: "aviso é expedido exclusivamente por Ministros de Estado, para autoridades de mesma hierarquia..."
  • Sem dúvida alguma, a modalidade de texto oficial utilizada nesse caso é o AVISO, que "de ministro para ministro".
  • Galera, tem muita gente confundindo freio de mão com Frei Damião.

    Padrão Ofício:
    1 - Avisos - Comunicação entre Ministros de Estados
    2 - Memorando - é comunicação Interna, ou seja, comunicação entre Servidores.
    3 - Ofício - é a comunicação externa, ou seja, comunicação entre órgãos e particulares.


    Bons Estudos
  • Aviso- Correspondência oficial entre  Ministros.
    Nesse caso específico é o Ministro quem está pedindo apoio ao outro Ministro, então essa carta  será enviada diretamente para Ministro, se fosse enviada para o Ministério solicitando ou informando alguma coisa, poderia ser um Ofício, por exempo: Coordenador de  Informática do MPAS para o Coordenador de informática do MTE, será Ofício.
    Bons estudos.
  • Como já foi dito a questão está errada, o expediente expedido por ministro de estado para ministro de estado é o Aviso, vejam numa outra questão:

    Prova: CESPE - 2013 - ANTT - Analista Administrativo - Direito

    Disciplina: Redação Oficial

    Embora sejam modalidades de comunicação oficial praticamente idênticas, ofício e aviso diferenciam-se pelo fato de que o aviso é expedido exclusivamente por ministros de Estado, para autoridades de mesma hierarquia, enquanto o ofício é expedido pelas demais autoridades. Ambos destinam-se ao tratamento de assuntos oficiais pelos órgãos da administração pública entre si e, no caso do ofício, também com particulares.

    GABARITO: CERTA.

  • ELE PEDE APOIO POR MEIO DE UM AVISO PARA DEPOIS MANDAR UMA EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS INTERMINISTERIAL AO CHEFE DO PODER EXECUTIVO FEDERAL. LEMBRANDO QUE NESTE CASO ELA SERÁ ASSINADA POR TODOS OS MINISTROS ENVOLVIDOS...



    GABARITO ERRADO
  • Bom dia,meu povo!

    >>> Entre ministros----> Aviso

    >>>Entre minsitérios--->ofício

     

    -------->> Exposição dos motivos: ministro para o presidêndte da república ou vice. Gab. E

  • Errado.

    Neste caso, será encaminhado um ofício.

    Questão comentada pelo Profª. Tereza Cavalcanti.

  • A exposição de motivos é um documento encaminhado ao presidente da república ou ao vice presidente por um ministro de estado. Pode ser assinado por mais de um ministro, nesse caso será uma comunicação interministerial.


ID
50809
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
MEC
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Julgue os itens que se seguem, relativos à redação de expedientes.

A exposição de motivos, de acordo com sua finalidade, apresenta duas formas básicas de estrutura: uma para aquela que tenha caráter exclusivamente informativo e outra para a que proponha alguma medida ou submeta projeto de ato normativo.

Alternativas
Comentários
  • Exposição de Motivos4.1. Definição e FinalidadeExposição de motivos é o expediente dirigido ao Presidente da República ou ao Vice-Presidente para:a) informá-lo de determinado assunto;b) propor alguma medida; ouc) submeter a sua consideração projeto de ato normativo.Em regra, a exposição de motivos é dirigida ao Presidente da República por um Ministro de Estado.
  • Para aquela de caráter informativo sua estrutura segue o modelo do ofício.Já aquela que proponha alguma medida, embora siga o padrão do ofício, deve apontar:a) na introdução: o problema que está a reclamar a adoção da medida ou do ato normativo proposto;b) no desenvolvimento: o porquê de ser aquela medida ou aquele ato normativo o ideal para se solucionar oproblema, e eventuais alternativas existentes para equacioná-lo;c) na conclusão, novamente, qual medida deve ser tomada, ou qual ato normativo deve ser editado parasolucionar o problema.
  • Galera, a Banca fez Ctrl C e Ctrl V do Manual de Redação Oficial.

    A exposição de motivos, de acordo com sua finalidade, apresenta duas formas básicas de estrutura: uma para aquela que tenha caráter exclusivamente informativo e outra para a que proponha alguma medida ou submeta projeto de ato normativo.

    Item 4.2 / página 19 do Manual de redação.


    Bons estudos.
  • O MOTIVO SÃO TRÊS,

      a) informá-lo de determinado assunto;

      b) propor alguma medida; ou

      c) submeter a sua consideração projeto de ato normativo.



     MAS A ESTRUTURA SÃO DUAS.

      a) a que tenha caráter exclusivamente informativo.

      b) a que proponha alguma medida ou submeta projeto de ato normativo.



    GABARITO CERTO
  • Gab. C

            A exposição de motivos, de acordo com sua finalidade, apresenta duas formas básicas de estrutura: uma para aquela que tenha caráter exclusivamente informativo e outra para a que proponha alguma medida ou submeta projeto de ato normativo.

     

    FONTE: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/manual/manual.htm

  •  

     

     

     

     

     

     

     

     

    Gab. C

    mais sobre exposiçao dos motivos....

    EXPOSIÇAO DOS MOTIVOS

    PROPOR ALGO---> obrigatório formulário

    INFORMAR ALGO---> não precisa formulário

    SUBMETER----> obrigatório formulário

    obs>Se mais de 1 ministro deve ser assinados por todos(interministerial)

    siga firme!

  • Gab. C.

     A exposição de motivos, de acordo com sua finalidade, apresenta duas formas básicas de estrutura: uma para aquela que tenha caráter exclusivamente informativo e outra para a que proponha alguma medida ou submeta projeto de ato normativo.


ID
50812
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
MEC
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Julgue os itens que se seguem, relativos à redação de expedientes.

Para encaminhar um projeto de lei ordinária ao Congresso Nacional, o presidente da República deverá utilizar-se da mensagem.

Alternativas
Comentários
  • Mensagem5.1. Definição e FinalidadeÉ o instrumento de comunicação oficial entre os Chefes dos Poderes Públicos, notadamente as mensagensenviadas pelo Chefe do Poder Executivo ao Poder Legislativo para informar sobre fato da Administração Pública; exporo plano de governo por ocasião da abertura de sessão legislativa; submeter ao Congresso Nacional matérias quedependem de deliberação de suas Casas; apresentar veto; enfim, fazer e agradecer comunicações de tudo quanto seja deinteresse dos poderes públicos e da Nação.Minuta de mensagem pode ser encaminhada pelos Ministérios à Presidência da República, a cujas assessorias caberá a redação final.As mensagens mais usuais do Poder Executivo ao Congresso Nacional têm as seguintes finalidades:a) encaminhamento de projeto de lei ordinária, complementar ou financeira.
  • QUESTÃO CORRETA! OUTRAS QUE AJUDAM A RESPONDER:

     

    (CESPE - 2016 - TCE-PA)

    A mensagem é um expediente de natureza informativa usado por todas as repartições públicas para comunicar-se com os cidadãos.

    GABARITO: ERRADA.

     

     

    (CESPE - 2012 - PC-AL - Escrivão de Polícia)

    A mensagem é o instrumento de comunicação oficial entre os chefes dos poderes públicos e pode ter como finalidade o encaminhamento de projeto de lei ordinária.

    GABARITO: CERTA.

     

     

    (CESPE - 2009 - ANAC - Técnico Administrativo)

    Mensagem é o instrumento de comunicação oficial utilizado entre os chefes dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário.

    GABARITO: CERTA.

  • Também pode utilizar o Rocha Loures. kkkkk. Deixa baixo.


ID
50815
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
MEC
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Julgue os itens que se seguem, relativos à redação de expedientes.

Os atos assinados pelo presidente da República devem trazer a identificação de seu signatário e o número de anos decorridos da Proclamação da República e da Independência do Brasil.

Alternativas
Comentários
  • A mensagem, como os demais atos assinados pelo Presidente da República, não traz identificação de seu signatário.
  • Acho interessante acrescentar ainda ao comentário anterior que segundo o Manual de Redação da Presidência da República:

     Consagrou-se, entre nós, que o fecho dos atos legislativos haveria de conter referência aos dois acontecimentos marcantes de nossa História: Declaração da Independência e Proclamação da República.

            Exemplo de fecho de lei:

            "Brasília, 11 de setembro de 1991, 169o da Independência e 102o da República."



    PS: Manual cabalístico (11/07!!!)

  • Questão errada, outra ajuda a responder, vejam:

    Prova: CESPE - 2013 - STF - Técnico Judiciário - Tecnologia da Informação

    Disciplina: Redação Oficial

    O presidente da República é o destinatário da exposição de motivos, mas será o remetente de uma mensagem, caso queira comunicar-se com o Poder Legislativo, situação em que não deverá constar a identificação do signatário.

    GABARITO: CERTA.

  • O CESPE foi loooooonge nessa.


ID
50818
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
MEC
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Julgue os itens que se seguem, relativos à redação de expedientes.

Na administração pública, o telegrama deve ter sua utilização priorizada em detrimento de outras modalidades de comunicação oficial, tendo-se em vista a desburocratização no trâmite de expedientes públicos.

Alternativas
Comentários
  • O telegrama por tratar-se de forma de comunicação dispendiosa aos cofres públicos e tecnologicamente superada, deve restringir-se o uso do telegrama apenas àquelas situações que não seja possível o uso de correio eletrônico ou fax e quea urgência justifique sua utilização e, também em razão de seu custo elevado, esta forma de comunicação deve pautar-se pela concisão.
  • É muito é caro vei

  • é memo vey


ID
52636
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
ANAC
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Com relação à correspondência oficial, julgue os itens a seguir
de acordo com o Manual de Redação da Presidência da
República.

Memorando constitui modalidade de comunicação utilizada entre unidades administrativas de mesmo nível hierárquico, desde que seja estabelecida entre órgãos distintos da administração pública.

Alternativas
Comentários
  • é a comunicação dentro do mesmo órgão mas, para setores diferentes, e o destinatário é mencionado pelo cargo que ocupa.
  • Memorando é uma comunicação interna entre Unidades Administrativas de um mesmo Órgão no mesmo nível hierarquico ou não.
  • Memorando constitui modalidade de comunicação utilizada entre unidades administrativas de mesmo nível hierárquico, "desde que seja estabelecida entre órgãos distintos da administração pública".O trecho entre aspas encontra-se errado, pois o memorando é UMA DOCUMENTO DE COMUNICAÇÃO INTERNA, entre DEPARTAMENTOS do mesmo órgão, e não ENTRE ÓRGÃOS DIFERENTES. E somente utilizada por CHEFES E SERVIDORES AUTORIZADOS.
  • Conforme extraído do manual de redação da presidência, memorando é utilizado para unidades de mesmo nível hierárquico ou não, senão vejamos:"O memorando é a modalidade de comunicação entre unidades administrativas de um mesmo órgão, que podem estar hierarquicamente em mesmo nível ou em nível diferente. Trata-se, portanto, de uma forma de comunicação eminentemente interna"
  • Questão errada!!!


    O memorando constitui uma comunicação entre unidades administrativas, que podem estar entre níveis diferentes, isto é, hierarquicamente distintas ao contrário do que afirma a questão mesmo estando em hierarquia diferentes pode-se usar o memorando.
  • Vejam o conceito de memorando de forma correta em outra questão:

    Prova: CESPE - 2012 - TJ-RR - Nível Médio - Conhecimentos Básicos

    Disciplina: Redação Oficial | Assuntos: MemorandoOfícioAviso

    As modalidades de comunicação denominadas ofício, aviso e memorando assemelham-se quanto à forma, visto que todas devem ser formatadas conforme o padrão ofício; quanto à finalidade, o memorando distingue-se do ofício e do aviso por destinar-se à comunicação entre unidades administrativas de um mesmo órgão.

    GABARITO: CERTA.

  • O MEMORANDO é a modalidade de comunicação entre unidades administrativas de um mesmo órgão, que podem estar hierarquicamente em mesmo nível ou em níveis diferentes. Trata-se, portanto, de uma forma de comunicação eminentemente interna.

    gabarito E

  • Eu memorezei assim:

    .                                                                                                            Em 11 de  setembro de 2001

    .

    .À Sra. Meria de Peixe 

    Assunto: MeMoraNdo. Rapidez em Não MeMorizar nada. 

    .

    1. órgão = MeMoraNdo  

              .        nível       .

            (hierarquicaMeNte)

      2. eMiNenteMeNte iNterN

    .

    Atenciosamente, 

    .

                                                                 [Letra de Pernas Abertas]

                                                            [Décima terceira letra do alfabeto]

                                                                  

     

                 .............................

    Traduzindo:  

    .

    "órgão = MeMoraNdo", ou seja, é a modalidade de comunicação entre unidades administrativas de um mesmo (=) órgão 

    .

    "= MeMoraNdo ≠" , ou seja,  pode estar hierarquicamente em mesmo nível (=) ou em nível diferente (≠)

    e eMiNenteMeNte iNterN

    .

    Rapidez em Não MeMotizar nada ou Meria de Peixe , ou seja, característica principal é a agilidade.

    .

    .

    Agora, matando a questão:

    .

     

    Memorando constitui modalidade de comunicação utilizada entre unidades administrativas de mesmo (=) nível hierárquico, desde que seja estabelecida entre órgãos distintos ("órgão ≠ MeMoraNdo) da administração pública. ERRADA

    .

    "= MeMoraNdo" ? Não, "= MeMoraNdo ≠", pode estar hierarquicamente em mesmo nível (=) ou em nível diferente (≠)

    .

    "órgão ≠ MeMoraNdo ? Não, "órgão = MeMoraNdo", é a modalidade de comunicação entre unidades administrativas de um mesmo (=) órgão 

    .

     

  • A comunicação por meio de memorando é de natureza interna, entre unidades administrativas de um mesmo órgão, independentemente do nível hierárquico.


    ERRADA!


ID
52639
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
ANAC
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Com relação à correspondência oficial, julgue os itens a seguir
de acordo com o Manual de Redação da Presidência da
República.

A característica principal do memorando é a agilidade, devendo esse tipo de expediente tramitar com rapidez e pautar-se pela simplicidade de procedimentos burocráticos.

Alternativas
Comentários
  • O memorando precisa de agilidade, por isso o memorando pode dispensar algumas formalidades como o timbre, o vocativo e o local (basta a data)
  • "A tramitação do memorando em qualquer órgão deve pautar-se pela rapidez e pela simplicidade de procedimentos burocráticos. Para evitar desnecessário aumento do número de comunicações, os despachos ao memorando devem ser dados no próprio documento e, no caso de falta de espaço, em folha de continuação. Esse procedimento permite formar uma espécie de processo simplificado, assegurando maior transparência à tomada de decisões, e permitindo que se historie o andamento da matéria tratada no memorando."Manual de redação da presidência
  • PRINCIPAL CARACTERÍSTICA DO MEMORANDO:  AGILIDADE

    ELE DEVER SER: ÁGIL, CLARO, SIMPLES E  ESPECÍFICO
  • Outras questões parecidas podem ajudar a responder, vejam:

    Memorando é um tipo de comunicação entre unidades administrativas de um mesmo órgão público que proporciona agilidade, rapidez e simplicidade aos procedimentos burocráticos.

    GABARITO: CERTA.


    Prova: CESPE - 2011 - AL-CE - Analista Legislativo - Língua Portuguesa – Gramática Normativa e Revisão Ortográfica

  • Disciplina: Redação Oficial | Assuntos: Redação Oficial

    O memorando, modalidade de comunicação entre unidades de um mesmo órgão,caracteriza-se pela celeridade e agilidade, sua estrutura é a do padrão ofício, devendo o destinatário ser identificado, no cabeçalho do documento, pelo cargo que ocupa, como, por exemplo, em: Ao Sr. Chefe para Assuntos Jurídicos.

    GABARITO: CERTA.


ID
52642
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
ANAC
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Com relação à correspondência oficial, julgue os itens a seguir
de acordo com o Manual de Redação da Presidência da
República.

Mensagem é o instrumento de comunicação oficial utilizado entre os chefes dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário.

Alternativas
Comentários
  • mensagem : Ato solene com o qual o governador do estado se dirige à Assembléia Legislativa , por ocasião da abertura dos trabalhos legislativos , para expor o plano de governo , encaminhar projetos de lei ; ou apresentar razões de veto a projetos aprovados e submetidos à sua sanção .
  • Alternativa CORRETA - Mensagem é o instrumento de comunicação oficial entre os Chefes dos Poderes Públicos (Executivo, Legislativo e Judiciário), notadamente as mensagens enviadas pelo Chefe do Poder Executivo ao Poder Legislativo para informar sobre fato da Administração Pública; expor o plano de governo por ocasião da abertura de sessão legislativa; submeter ao Congresso Nacional matérias que dependem de deliberação de suas Casas; apresentar veto; enfim, fazer e agradecer comunicações de tudo quanto seja de interesse dos poderes públicos e da Nação. (Fonte: Manual de Redação da Presidência da República)
  • Mensagem é o instrumento de comunicação oficial entre os Chefes dos Poderes Públicos, notadamente as mensagens enviadas pelo Chefe do Poder Executivo ao Poder Legislativo para informar sobre fato da Administração Pública; expor o plano de governo por ocasião da abertura de sessão legislativa; submeter ao Congresso Nacional matérias que dependem de deliberação de suas Casas; apresentar veto; enfim, fazer e agradecer comunicações de tudo quanto seja de interesse dos poderes públicos e da Nação.
  • MENSAGEM: comunicaçao oficial entre chefes : presidente manda para o presidente do Congresso Nacional ou vice versa ou para o presidente do STF ou vice versa. só eles podem se comunicar atraves da mensagem.
                                                                                                                                                                     
  • Pessoal, eu pensava que era só para o Legislativo o Judiciário para mim foi novidade.
    Onde está isso alguém pode me informar??
  • Questão boa, acabei de ver uma video aula em que o professor diz que a mensagem eh enviada pelo chefe de poder. Ex. PR, Pres. do Senado e do STF , e também do chefe do poder Estadual e do Municipal. E essa questão desmente o professor e sana minha dúvida, pois já tinha ouvido em cursinho que era só pelos chefes do poder executivo (PR), legislativo(P. Senado) e judiciário (P. STF). Ainda bem que me lembrei e procurei saber direito! 

    "Me jogue aos lobos e voltarei como líder da matilha"
  • É o instrumento de comunicação oficial entre os Chefes dos Poderes Públicos, notadamente as mensagens enviadas pelo Chefe do Poder Executivo ao Poder Legislativo para informar sobre fato da Administração Pública; expor o plano de governo por ocasião da abertura de sessão legislativa; submeter ao Congresso Nacional matérias que dependem de deliberação de suas Casas; apresentar veto; enfim, fazer e agradecer comunicações de tudo quanto seja de interesse dos poderes públicos e da Nação.

  • Boa colocação, Adriano, mas não se usa em início de frase o pronome átono, seria: Jogue-me... valeu! 

  • Certo


    MENSAGEM


    É a correspondência entre os CHEFES dos poderes públicos:


    Poder do Executivo: Presidente da República,

    Poder do Legislativo: Presidente do Congresso Nacional e o

    Poder do Judiciário: Presidente do STF.

    O MRPR destaca as mensagens enviadas pelo Chefe do Executivo ao Chefe do Legislativo, que podem ter, entre outras, as seguintes finalidades:


    ·       Encaminhar medida provisória ou projeto de lei ordinária;

    ·       Declarar sanção ou veto;

    ·       Indicar autoridades;

    ·       Prestar contas;

    ·       Solicitar autorização para afastamento do país por período SUPERIOR a 15 dias.


    Obs.: essas mensagens têm muita relação com aquilo que a Constituição chama de "CONTROLE RECÍPROCO DOS PODERES".


  • A) ERRADA.

    A EC19/98 inseriu o princípio da EFICÊNCIA

    .

    .

    B) ERRADA.

    O acesso a cargos públicos, conforme preceito impresso em nossa Carta Política (art. 37, II) se dá mediante aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos, em forma prevista em lei. Isso para toda a Administração sem exceção.

    .

    .

    C) ERRADA.

    O cargo de provimento = investidura é duradoura.

    O cargo em comissão = caracterizando-se pela TRANSITORIEDADE da investidura.

    .

    .

    D) CORRETA.

    Art. 40 §10 da Constituição Federal de 88 diz "A lei não poderá estabelecer qualquer forma de contagem de tempo de CONTRIBUIÇÃO fictício."

    .

    .

    E) ERRADA.

    art. 37, § 5º que "a lei estabelecerá os prazos de prescrição para ilícitos praticados por qualquer agente, servidor ou não, que causem prejuízo ao erário, ressalvadas as ações de ressarcimento.


ID
52645
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
ANAC
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Com relação à correspondência oficial, julgue os itens a seguir
de acordo com o Manual de Redação da Presidência da
República.

Tratando-se de correspondência entre ministérios ou entre órgãos de mesma hierarquia institucional, recomenda-se a expedição tanto de memorando quanto de ofício.

Alternativas
Comentários
  • Errado. Entre ministérios, deve-se empregar o ofício. Não confundir com o aviso, o qual se aplica comunicações entre ministros de estado.
  • Na verdade, para correspondência ENTRE ÓRGÃOS DE MESMA HIERARQUIA, usa-se o AVISO. O Ofício pode ser entre os órgãos ou dos órgãos para particulares, não precisando ser DE MESMA HIERARQUIA. MEMORANDO é apenas para uso INTERNO, não podendo ser expedido para outros órgãos.
  • 3.3. Aviso e Ofício3.3.1. Definição e FinalidadeAviso e ofício são modalidades de comunicação oficial praticamente idênticas. A única diferença entre eles é que o aviso é expedido exclusivamente por Ministros de Estado, para autoridades de mesma hierarquia, ao passo que o ofício é expedido para e pelas demais autoridades. Ambos têm como finalidade o tratamento de assuntos oficiais pelos órgãos da Administração Pública entre si e, no caso do ofício, também com particulares.(Manual de redação da Presidência da República. P.21)
  • "O memorando é a modalidade de comunicação entre unidades administrativas de um MESMO ÓRGÃO, que podem estar hierarquicamente em mesmo nível ou em nível diferente. Trata-se, portanto, de uma forma de comunicação eminentemente interna. [...] Aviso e ofício são modalidades de comunicação oficial praticamente idênticas. A única diferença entre eles é que o aviso é expedido exclusivamente POR Ministros de Estado, PARA autoridades de mesma hierarquia, ao passo que o ofício é expedido para e pelas demais autoridades. Ambos têm como finalidade o tratamento de assuntos oficiais pelos órgãos da Administração Pública entre si e, no caso do ofício, também com particulares."Manual de Redação da Presidência da República
  • CORRESPONDÊNCIA OFICIAL ENTRE:
    ÓRGÃOS DISTINTOS = OFÍCIO (DE: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO/ PARA: MINISTÉRIO DA SAÚDE)
    ÓRGÃOS DA MESMA INSTITUIÇÃO = MEMORANDO (EX. DO DEPARTAMENTO PESSOAL PARA O DEPARTAMENTO JURÍDICO DE UM MESMO MINISTÉRIO)
    BONS ESTUDOS!!

  • Erradíssima!!!



    O memorando é uma correspondência que se caracteriza pela tramitação interna, ao passo que o ofício é usada entre órgãos ou por estes com os particulares, tem fins externos. O assunto tratado no ofício pode ser de qualquer ordem administrativa ou estabelecimento de uma ordem, apresenta caráter público, portanto só pode ser emitido por órgão da administração pública, o destinatários pode ser particular.

  • Pra ser conciso: O memorando não se encaixa, pois não serve para comunicar entre órgãos ou ministérios, ficando restrito à comunicação interna de um mesmo órgão.
  • Uma outra questão pode ajudar a responder, vejam:

    Prova: CESPE - 2012 - TJ-RR - Nível Médio - Conhecimentos Básicos

    Disciplina: Redação Oficial | Assuntos: MemorandoOfícioAviso

    As modalidades de comunicação denominadas ofício, aviso e memorando assemelham-se quanto à forma, visto que todas devem ser formatadas conforme o padrão ofício; quanto à finalidade, o memorando distingue-se do ofício e do aviso por destinar-se à comunicação entre unidades administrativas de um mesmo órgão.

    GABARITO: CERTA.

  • Errada, entre órgãos deve-se utilizar o ofício.

  • AVISO E OFÍCIO RESPECTIVAMENTE.



    GABARITO ERRADO

ID
52648
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
ANAC
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Com relação à correspondência oficial, julgue os itens a seguir
de acordo com o Manual de Redação da Presidência da
República.

As comunicações expedidas por órgãos públicos federais devem ser compreendidas por todo e qualquer cidadão brasileiro, excetuando-se as de cunho específico, nas quais é adequado o emprego de jargão técnico.

Alternativas
Comentários
  • Correto- Trata-se do princípio da clareza, decorrência do princípio constitucional da publicidade dos atos públicos. Constituem exceção os textos técnicos, porque têm cunho específico: são informações trocadas entre conhecedores de certos termos técnicos, jargões. Lembremos que jargão é o vocabulário próprio de uma área profissional. Exemplifiquemos tais textos: pareceres, relatórios técnicos, notas técnicas, votos de ministros do judiciário.
  • Ao meu ver essa questão deveria ser anulada, pois ao mesmo tempo em que está correta ao afirmar que comunicações de cunho especifico devem empregar jargões técnicos, está errada ao afirmar que essas comunicações não devem ser compreendidas por todo e qualquer cidadão brasileiro. " As comunicações expedidas por órgãos públicos federais devem ser compreendidas por todo e qualquer cidadão brasileiro, EXCETUANDO-SE as de cunho específico, nas quais é adequado o emprego de jargão técnico"Alguém pode ajudar?
  • ERRADA- GABARITO DO SITE ESTÁ ERRADO, VERIFIQUEI A PROVA, QUESTÃO 100 PROVA ANAC.SUCESSO....
  • JARGÃO TÉCNICO SÓ PODE SER UTILIZADO DE FORMA ESPECÍFICA, MAS NÃO SIGNIFICA DIZER QUE NÃO POSSA SER COMPREENDIDAS POR TODO E QUALQUER CIDADÃO BRASILEIRO.PORTANTO, questão errada.Vejamos o que diz o MANUAL DE PRESIDÊNCIA a este respeito:A linguagem técnica deve ser empregada apenas em situações que a exijam, sendo de evitar o seu usoindiscriminado. Certos rebuscamentos acadêmicos, e mesmo o vocabulário próprio a determinada área, são de difícilentendimento por quem não esteja com eles familiarizado. Deve-se ter o cuidado, portanto, de explicitá-los emcomunicações encaminhadas a outros órgãos da administração e em expedientes dirigidos aos cidadãos.
  • A questão não é contraditória.

    Vejamos o que diz o MANUAL DE PRESIDÊNCIA a este respeito:

    A linguagem técnica deve ser empregada apenas em situações que a exijam, sendo de evitar o seu uso
    indiscriminado. Certos rebuscamentos acadêmicos, e mesmo o vocabulário próprio a determinada área, são de difícil
    entendimento por quem não esteja com eles familiarizado. Deve-se ter o cuidado, portanto, de explicitá-los em
    comunicações encaminhadas a outros órgãos da administração e em expedientes dirigidos aos cidadãos.

    O Manual de Presidência diz que certos rebuscamentos acadêmicos e mesmo o vocabulário próprio de determinada área (técnico) são de difícil entendimento por quem não esteja com eles familiarizado.  Portanto não são compreendidos por todo e qualquer cidadãobrasileiro.

     Essa linguagem técnica deve ser empregada apenas em situações que a exijam - elas são uma exceção. A regra é utilizar uma linguagem que possa ser compreendida por todos.

  • Segundo o manual de redação, sub-capítulo 1.2:  As comunicações que partem dos órgãos públicos federais devem ser compreendidas por todo e qualquer cidadão brasileiro. Para atingir esse objetivo, há que evitar o uso de uma linguagem restrita a determinados grupos. Não há dúvida que um texto marcado por expressões de circulação restrita, como a gíria, os regionalismos vocabulares ou o jargão técnico, tem sua compreensão dificultada.

    tendo em vista a A Linguagem dos Atos e Comunicações Oficiais a questão está errada.
  • Acompanho, nos mesmo termos a explicação do colega Lucas. Um texto técnico e especifico não conduz, necessariamente, a obrigatoriedade de sua incompreensão pelo cidadão. O certo é evitar estes jargões, porém, caso sejam imprescindíveis, que os sejam empreegados moderadamente.
  • Teremos alteração deste gabarito? Questão antiga, porém não tivemos ajuste. Qual será a resposta certa?
  •  CARGO 10: TÉCNICO ADMINISTRATIVO – ÁREA 1 (caderno A)

    Parecer: ALTERADO de E para C
     
    Justificativa: o Manual de Redação da Presidência da República prevê, em certos casos, a possibilidade de 
    emprego de jargões específicos de determinada área.  
  • Olá, pessoal!
    O gabarito foi atualizado para "C", conforme edital publicado pela banca e postado no site.
    Justificativa da banca:  o Manual de Redação da Presidência da República prevê, em certos casos, a possibilidade de
    emprego de jargões específicos de determinada área.
    Bons estudos!
  • "O jargão burocrático, como todo jargão, deve ser evitado, pois terá sempre sua compreensão limitada."
    "A linguagem técnica deve ser empregada apenas em situações que a exijam, sendo de evitar o seu uso indiscriminado."

    Fonte: manual da redação oficial da presidência da república, tópico 1.2, pag. 5.
  • "excetuando-se as de cunho específico" --> isso não tem no Manual de Redação Oficial da Presidência... absurdo.
  • Dizer que as comunicações oficiais devem primar pela clareza é bem diferente de dizer que elas devem ser compreendidas por todo e qualquer cidadão brasileiro. A clareza é qualidade do texto/mensagem, ao passo que a compreensão depende muito da capacidade cognitiva do receptor. Uma lei pode ser clara, no sentido de ser desprovida de ruídos de comunicação, mas não ser inteligível para muitos brasileiros. Discordo do gabarito!

    Quanto ao jargão técnico, corroboro o que já foi dito: ele pode ser usado em algumas situações, conforme permissão expressa do próprio MRPR.

  • errado, em nenhum momento é dito que deve ser compreendida por todo cidadão.

  • De acordo com o Manual de Redação Oficial questão correta. Mas ela está divida em 2 trechos do manual:

    "As comunicações expedidas por órgãos públicos federais devem ser compreendidas por todo e qualquer cidadão brasileiro" (PRIMEIRA PARTE DA QUESTÃO)

    Resposta e fundamento: Correto. 

    1.2. A Linguagem dos Atos e Comunicações Oficiais: As comunicações que partem dos órgãos públicos federais devem ser compreendidas por todo e qualquer cidadão brasileiro.

     "excetuando-se as de cunho específico, nas quais é adequado o emprego de jargão técnico." (SEGUNDA PARTE DA QUESTÃO)

    Resposta e fundamento: Correto

    1.2. A Linguagem dos Atos e Comunicações Oficiais: A linguagem técnica deve ser empregada apenas em situações que a exijam, sendo de evitar o seu uso indiscriminado.

  • OS EXPEDIENTES OFICIAS QUE POSSUÍREM JARGÕES BUROCRÁTICOS SERÃO COMPREENDIDOS POR UMA PARCELA MENOR DE ADMINISTRADOS. OS JARGÕES DEVEM SER EVITADOS, ISSO NÃO SIGNIFICA SER PROIBIDO O USO.




    GABARITO CERTO

  • Sinceramente...
    Já vi questão do CESPE, se não me engano duas, que a banca considera distintos os termos JARGÃO TÉCNICO de LINGUAGEM TÉCNICA. 
    O manual claramente fala que devem ser evitados jargões, de qualquer tipo, e que LINGUAGEM TÉCNICA é permitida às vezes...
    Inclusive anotei em meu caderno com letra garrafais após errar a questão  "PEGADINHA CESPE - linguagem técnica pode, jargão técnico não"...

    Fico perdido, fico loco, mas vou passar!!

  • Mas a questão é clara quando diz:excetuando-se as de cunho específico...pronto!

  • A linguagem técnica deve ser empregada apenas em situações que a exijam, sendo de evitar o seu uso indiscriminado. Certos rebuscamentos acadêmicos, e mesmo o vocabulário próprio a determinada área, são de difícil entendimento por quem não esteja com eles familiarizado. Deve-se ter o cuidado, portanto, de explicitá-los em comunicações encaminhadas a outros órgãos da administração e em expedientes dirigidos aos cidadãos.

  • Assertiva duvidosa. 

     

    JARGÂO não pode ser usado em nenhuma situação. (significado: Jargão é o linguajar próprio de um grupo profissional; gírias usadas por pessoas de uma determinada área profissional.)

     

    O que pode, quando necessário, é a LINGUAGEM TÉCNICA. 

  • $%Y$@$4 só rí

  • JARGÃO É PROIBIDO QUESTÃO ERRADA DE 2009 - DESATUALIZADA

  • Jargão não é proibido , porém deve ser evitado . leiam com mais parcialidade o Manual

  • discordo com o gabarito .


  • jargão técnico = linguagem técnica. é possivel ser usada.

    gab C

  • Gabarito: Certo

    Jargão é uma terminologia técnica comum a uma atividade ou grupo específico, comumente usada em grupos profissionais ou socioculturais. Por exemplo, para os advogados peticionar significa o que os leigos conhecem por entrar com a ação ou pedir para o juiz.

  • o MANUAL DE REDAÇÃO PREVE ISSO AONDE? ACABEI DE LER O MANUAL TEM NADA DISSO ESCRITO!

  • Acho a questão mal feita pois quando ele escreve "excetuando-se as de cunho específico" , dá a entender que nem todos os brasileiros precisam entender as comunicações de cunho específico, entretanto o manual prevê que todos entendem as comunicações.


ID
54619
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
ANTAQ
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Acerca da redação de documentos oficiais, julgue os itens que se
seguem.

Respeitam-se as normas relativas à redação de documentos oficiais ao se finalizar um atestado ou uma declaração da maneira apresentada a seguir.
Atenciosamente, (assinatura) Fulano de Tal
Brasília, 15 de março de 2009

Alternativas
Comentários
  • Estrutura do Relatório:a) títulob) invocaçãoc) textos: ? introdução? análise? conclusão? sugestões ou recomendaçõesd) fecho: de forma cortês.e) local e data;f) assinatura: nome e cargo ou função da(s) autoridade(s) ou servidor(es) que apresenta(m) o relatório.
  • ATESTADODocumento firmado por servidor em razão do cargo que ocupa, ou função que exerce,declarando um fato existente, do qual tem conhecimento, a favor de uma pessoa.Suas partes componentes são:1. Título (a palavra ATESTADO), em letras maiúsculas e centralizado sobre o texto.2. Texto constante de um parágrafo, indicando a quem se refere, o número de matrícula e a lotação,caso seja servidor, e a matéria do Atestado.3. Local e data, por extenso.4. Assinatura, nome e cargo da chefia que expede o Atestado.DECLARAÇÃODeclaração é o documento de manifestação administrativa, declaratório da existência ou nãode um direito ou de um fato.EXEMPLOGOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINASECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃODECLARAÇÃODeclaro, para os devidos fins, que o servidor ...................................................................................................................................., matrícula no ................................. cargo ou função........................................................................................, exerceu, no período de ......../......../........ a......../......../........, os seguintes cargos em comissão: ............................................................... .Florianópolis, ........ de .......................... de ............ . Assinatura Nome por extenso CargoPode-se observar que nenhum dos dois tipos de redação oficial contém o termo anteciosamente.
  • Atenção amigos: 1º - DATA 2º - FECHO 3º ASSINATURA Esta seria a ordem correta para esta questão. Bons estudos e bons resultados!!
  •                                                         ATESTADO


    Atesto que fulano de tal...



    Brasilia, 09 de janeiro de 2011.



                                                        Lorenna Morais,

    Diretora-Geral 
  • Olá pessoal, deixo aqui minha contribuição.
    Conforme o livro de português (série questões comentadas - CESPE) da professora Cláudia Kozlowski, o atestado/declaração deve ter a seguinte estruturação:
    1. Título: DECLARAÇÃO/ATESTADO, centralizado.
    2. Texto: exposição do fato ou situação declarada, com finalidade, nome do interessado em destaque (em maiúsculas) e sua relação com o órgão que emitiu o documento.
    3. Local e data.
    4. Assinatura: nome da pessoa que declara, e no caso de autoridade, função ou cargo.
    Como os colegas já mencionara, a questão encontra-se incorreta pelo fato de a Assinatura vir antes do Local e data
    O gabarito da questão é ERRADO.

    Fiquem na paz de Deus.
    O estudo de hoje garante o sucesso de amanhã!
  • Hatus,

    Então quer dizer que o atestado não tem fechamento, certo?
  • O erro da questão esta na forma em que se estrutura a IDENTIFICAÇÃO DO SIGNATÁRIO, que de ve ser a seguinte:

     Excluídas as comunicações assinadas pelo Presidente da República, todas as demais comunicações oficiais devem trazer o nome e o cargo da autoridade que as expede, abaixo do local de sua assinatura. A forma da identificação deve ser a seguinte:

    (espaço para assinatura)
    Nome
    Chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República



    FONTE: Manual de Redação da Presidência da República



     

  • Na verdade a questão não se refere à forma do signatário e sim ao fecho.

    ATESTADO  E DECLARAÇÕES DISPENSAM FECHO.
  • Gab. Errado

    A declaração e o atestado, além de dispensar o fecho (Respeitosamente, Atenciosamente), como o colega Diego mencionou, o local e data devem vir antes da assinatura, não depois, como mencionado na questão.


    " A T E S T A D O

    Atesto para os devidos fins que...

    João Pessoa, 18 de novembro de 2013

    Daniely D.
    Técnico Administrativo"

    No link abaixo vocês encontrarão um modelo de Atestado (ver no anexo III)

    http://www.letraviva.net/arquivos/enem/Redacao_Oficial.pdf
  • não se utiliza ATENCIOSAMENTE

  • O enunciado apresenta o fechamento de um atestado ou uma declaração. 

    De acordo com os documentos oficiais, o fechamento consta apenas o loca e a data, a assinatura e a identificação do signatário. Não consta o uso de "Atenciosamente".


    A resposta é incorreta. 

  • É difícil lembrar de tantos detalhes, então fica o bizu: 

    ATEstado não tem ATEnsiosamente (não tem fecho)


    Tem apenas: assinatura, nome e cargo ou função da autoridade que atesta.

  • Tá faltando o cargo do cidadão gente. '-'

  • Atestado não tem fecho. Além disso, se tivesse, o correto seria "Respeitosamente" pois está falando com um superior hierárquico.

  • Gab: Errado

     

    Atestados não possuem fecho e a identificação do signatário está fora de ordem.

    local e data

    assinatura

    nome

    cargo/função

  • Gabarito: errado

    --

    Tipos de documentos que não têm fecho:

    Declaração ;

    Atestado;

    Certidão;

    Certificado;

    Relatório;

    Parecer;

    Ata;

    Requerimento;

    Correio eletrônico: se houver é por acaso, pois não é obrigatório.


ID
64120
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
INSS
Ano
2008
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Analise a situação hipotética descrita no item a seguir e, de acordo com as regras de redação oficial, julgue a assertiva apresentada.

Ao participar de uma reunião da CEP, Sônia foi encarregada de redigir documento em que registrou os nomes do presidente da reunião, dos funcionários presentes, dos que foram convocados, mas que estavam ausentes, bem como as discussões, propostas, votações e deliberações ocorridas nesse encontro, tomando o devido cuidado para não rasurar nem emendar esse registro. Terminada a reunião, Sônia datou e assinou o documento, solicitando aos presentes que também o assinassem. Nessa situação, conclui-se que o documento redigido por Sônia é um relatório.

Alternativas
Comentários
  • A ATA é o registro resumido e claro, exato e metódico de fatos, ocorrências, resoluções e decisões de assembléias numa sessão de corpo deliberativo ou consultivo, conselhos, congregações, ou outras entidades semelhantes, de pessoasreunidas para determinado fim.
  • ATAé um documento em que são registrados, de forma resumida e objetiva, os fatos ocorridos durante uma reunião. A ata deve ser redigida, se possível, enquanto ocorre a reunião, por isso é usual que o secretário, que a redige, seja uma pessoa não envolvida nas discussões e deliberações a serem tomadas pelos participantes. Ou seja, o secretário deve ser apenas um observador e narrador fiel dos fatos.

     

    RELATÓRIO contém informações sobre tarefas executadas e/ou sobre fatos ou ocorrências, inquéritos e sindicâncias. Só recebem essa designação aqueles documentos que apresentam certas características formais e estilísticas próprias: título, abertura (origem, data, vocativo etc.) e fecho (saudações protocolares e assinatura).

  • O documento descrito no texto é uma ATA e não um relatório!

  • O Documento é uma Ata.
  • A questão apresenta uma ação hipotética e pede que seja avaliada como exemplo de um relatório.

    De acordo com a descrição, podemos perceber que o documento redigido é uma ata. 


    A resposta está errada. 

  • Gabarito: Errado.

     O documento descrito no texto é uma ATA e não um relatório!


  • ATAAAAAAAAAA

  • És uma ATA.

  • ATA. Ética  e redação oficial são matéria relativamente fáceis. Mesmo sem estudar muito dá para acertar muitas questões, dá para ir pela intuição, pelo óbvio(na maioria das vezes). Só ter cuidado com as pegadinhas da banca. Na CESPE chutar não é um bom negócio.

  • o documento é uma ATA

  •  Ata e NÃO relatório.

  • ATA->é um documento em que são registrados,de forma objetiva e resumida,os fatos durante uma reunião.A ATA deve ser redigida,se possível,enquanto ocorre a reunião,por isso é usual que o secretário,que a redige,seja uma pessoa não envolvida nas discussões e deliberações a serem tomadas pelos participantes.Ou seja,o secretário deve ser apenas um observador e narrador fiel dos fatos.

    RELATÓRIO->possui dados a respeito de tarefas executadas e/ou sobre fatos ou ocorrências,inquéritos e sindicâncias.Só recebem essa designação aqueles documentos que apresentam certas características formais e estilísticas próprias :título,abertura(origem,data,vocativo,etc)e fecho (saudações protocolares e assinatura).
  • Ata e não relatório

  • Gab. ERRADO

    O documento redigido foi uma ATA.

  • ATA!

     

  • Documento redigido foi uma ATA.

    Ata:

    1.registro ou resenha de fatos ou ocorrências verificadas e resoluções tomadas numa assembleia ou numa reunião de corpo deliberativo ou consultivo de uma agremiação, associação, diretoria, congregação etc.

  • Ata ou Relatório de reunião.

  • 16 comentários com apenas uma palavra: ATA

    Tsc, tsc...

  • Resumo de uma reunião: ATA

  • ATA!!!

  • Resposta: ERRADA

    A questão traz todos os requesitos de uma ATA.

     

  • A questão deu a definição de Ata. Gabarito: Errado.


ID
88873
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
PRF
Ano
2008
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Considerando as prescrições relativas às comunicações oficiais, assinale a opção correta.

Alternativas
Comentários
  • QUESTÕES:a)Há três tipos de expedientes que se diferenciam antes pela finalidade do que pela forma: o ofício, o aviso e o MEMORANDO. Com o fito de uniformizá-los, pode-se adotar uma diagramação única, que siga o que chamamos de padrão ofício. b)Exposição de motivos é o expediente dirigido ao Presidente da República ou ao Vice-Presidente para: informá-lo de determinado assunto; propor alguma medida; ou submeter a sua consideração projeto de ato normativo. Em regra, a exposição de motivos é dirigida ao Presidente da República por um Ministro de Estado.Nos casos em que o assunto tratado envolva mais de um Ministério, a exposição de motivos deverá ser assinada por todos os Ministros envolvidos, sendo, por essa razão, chamada de interministerial. acompanha a exposição de motivos que proponha alguma medida ou apresente projeto de ato normativO.A exposição de motivos, de acordo com sua finalidade, apresenta duas formas básicas de estrutura: uma para aquela que tenha caráter exclusivamente informativo e outra para a que proponha alguma medida ou submeta projeto de ato normativo. c) respeitosamente d) CERTA
  • "[Os pronomes de tratamento (ou de segunda pessoa indireta) apresentam certas peculiaridades quanto à concordância verbal, nominal e pronominal. Embora se refiram à segunda pessoa gramatical (à pessoa com quem se fala, ou a quem se dirige a comunicação), levam a concordância para a terceira pessoa. É que o verbo concorda com o substantivo que integra a locução como seu núcleo sintático: "Vossa Senhoria nomeará o substituto"; "Vossa Excelência conhece o assunto".Da mesma forma, os pronomes possessivos referidos a pronomes de tratamento são sempre os da terceira pessoa: "Vossa Senhoria nomeará seu substituto" (e não "Vossa ... vosso...").Já quanto aos adjetivos referidos a esses pronomes, o gênero gramatical deve coincidir com o sexo da pessoa a que se refere, e não com o substantivo que compõe a locução. Assim, se nosso interlocutor for homem, o correto é "Vossa Excelência está atarefado", "Vossa Senhoria deve estar satisfeito"; se for mulher, "Vossa Excelência está atarefada", "Vossa Senhoria deve estar satisfeita".]"Manual da Presidência da República
  • Mui engraçada essa questão... Mas a gente merece rir um pouco, rs. 


ID
93709
Banca
FGV
Órgão
TJ-MS
Ano
2008
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Com base no Manual de Redação da Presidência da República, que rege a redação dos atos oficiais no Brasil, analise as afirmativas a seguir:

I. As comunicações oficiais são necessariamente uniformes, pois há sempre um único comunicador (o Serviço Público) e o receptor dessas comunicações ou é o próprio Serviço Público (no caso de expedientes dirigidos por um órgão a outro) - ou o conjunto dos cidadãos ou instituições tratados de forma homogênea (o público).

II. A redação oficial é árida e infensa à evolução da língua. É que sua finalidade básica - comunicar com impessoalidade e máxima clareza - impõe certos parâmetros ao uso que se faz da língua, de maneira diversa daquele da literatura, do texto jornalístico, da correspondência particular, etc.

III. A transparência do sentido dos atos normativos, bem como sua inteligibilidade, são requisitos do próprio Estado de Direito: é inaceitável que um texto legal não seja entendido pelos cidadãos. A publicidade implica, pois, necessariamente, clareza e concisão.

Assinale:

Alternativas
Comentários
  • MANUAL DE REDAÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA1. O que é Redação OficialI - CORRETA. II - INCORRETA. A redação oficial NÃO É, PORTANTO, NECESSARIAMENTE árida e infensa à evolução da língua. É que sua finalidade básica – comunicar com impessoalidade e máxima clareza – impõe certos parâmetros ao uso que se faz da língua, de maneira diversa daquele da literatura, do texto jornalístico, da correspondência particular, etc.III - CORRETA.
  • I - Item correto. Copiado literalmente do Manual de Redação. As comunicações oficiais são necessariamente uniformes até porque a uniformidade é uma das características que distingue o texto oficial das demais comunicações.

    II - Item errado. A redação oficial por ser formal não quer dizer que seja árida (seca, maçante). E de jeito nenhum é infensa (contrária, hostil) à evolução da língua. Podemos perceber que vários termos que foram consagrados com o uso corriqueiro estão no Manual. Entretanto, deve-se pautar pela concisão e clareza de modo que se torne compreensível para toda e qualquer pessoa (sem duplas interpretações, uso de gírias etc).

    III - Item correto. As comunicações que partem dos órgãos públicos devem ser compreendidas por qualquer pessoa (inteligibilidade). Clareza e concisão devem ser qualidades básicas de qualquer texto oficial. Pode-se definir como claro aquele texto que possibilita imediata compreensão pelo leitor. E concisão, a transmissão de um máximo de informações em um mínimo de palavras. Então a publicidade, ou seja, o ato de tornar público, deve atender a esses requisitos.

    Sendo assim, itens I e III corretos. Alternativa C.

     

  • Questão retirata do Manual de Redação.

    A redação oficial não é, portanto, necessariamente árida e infensa à evolução da língua. É que sua finalidade básica – comunicar com impessoalidade e máxima clareza – impõe certos parâmetros ao uso que se faz da língua, de maneira diversa daquele da literatura, do texto jornalístico, da correspondência particular, etc.
    Eles apenas retiraram  3 palavras e duas vírgulas como mostrado acima.

    Temos que ter cuidado com estes textos copiados na íntegra e mudado apenas algumas letras.
  • Significado de Árido

     

    adj. Sem umidade; estéril: terreno árido.
    Fig. Desprovido de sensibilidade, de imaginação: espírito árido. Desprovido de interesse: assunto árido.

    Significado de Infenso

    adj. Adverso, inimigo, contrário: infenso a lisonjas.
     

  • Não é árida e infensa à evolução da língua

    Abraços

  • GABARITO: C

  •  Complementando (e Atualizando) o Comentário dos colegas…

    Fonte (Comentário Abaixo): Manual de redação da Presidência da República 3ª Edição ()

    I – CERTA

    3.5 Impessoalidade [pag 20]

    a) da ausência de impressões individuais de quem comunica: embora se trate, por exemplo, de um expediente assinado por Chefe de determinada Seção, a comunicação é sempre feita em nome do serviço público. Obtém-se, assim, uma desejável padronização, que permite que as comunicações elaboradas em diferentes setores da administração pública guardem entre si certa uniformidade;

    b) da impessoalidade de quem recebe a comunicação: ela pode ser dirigida a um cidadão, sempre concebido como público, ou a uma instituição privada, a outro órgão ou a outra entidade pública. Em todos os casos, temos um destinatário concebido de forma homogênea e impessoal; e

    3.6 Formalidade e Padronização [pág 20]

    A formalidade de tratamento vincula-se, também, à necessária uniformidade das comunicações. Ora, se a administração pública federal é una, é natural que as comunicações que expeça sigam o mesmo padrão. O estabelecimento desse padrão, uma das metas deste Manual, exige que se atente para todas as características da redação oficial e que se cuide, ainda, da apresentação dos textos

    II – ERRADA

    2 O que é Redação oficial [pag 16]

    A redação oficial não é necessariamente árida e contrária à evolução da língua. É que sua finalidade básica – comunicar com objetividade e máxima clareza – impõe certos parâmetros ao uso que se faz da língua, de maneira diversa daquele da literatura, do texto jornalístico, da correspondência particular etc.

    III - CERTA

    3.1 Clareza e precisão [pag 17]

    A transparência é requisito do próprio Estado de Direito: é inaceitável que um texto oficial ou um ato normativo não seja entendido pelos cidadãos. O princípio constitucional da publicidade não se esgota na mera publicação do texto, estendendo-se, ainda, à necessidade de que o texto seja claro.  


ID
103552
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
Banco da Amazônia
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Cada um dos itens abaixo apresenta um fragmento hipotético de
correspondência oficial, seguido de uma proposta de classificação
desse fragmento (entre parênteses) quanto à parte e ao padrão de
correspondência. Julgue-os quanto ao aspecto gramatical, quanto à
classificação proposta e quanto à observância das recomendações
previstas para o padrão de correspondência indicado.

Certos da atenção e da observância de V. S.ª para com as recomendações que ora lhe enviamos, antecipamos agradecimentos.

Atenciosamente,

(fecho de um memorando)

Alternativas
Comentários
  • O fecho das comunicações oficiais possui, além da finalidade óbvia de arrematar o texto, a de saudar o destinatário.Os modelos para fecho que vinham sendo utilizados foram regulados pela Portaria no 1 do Ministério da Justiça, de 1937, que estabelecia quinze padrões.Com o fito de simplificá-los e uniformizá-los, este Manual estabelece o emprego de somente DOIS FECHOS diferentes para todas as modalidades de comunicação oficial:a) para autoridades superiores, inclusive o Presidente da República: Respeitosamente,b) para autoridades de mesma hierarquia ou de hierarquia inferior: Atenciosamente,Portanto, não há necessidade de dizer que ama o destinatário antes do atenciosamente.
  • Para mim, o erro está no ponto entre o "S" e o "ª" no "V. S.ª"O certo seria assim:Vossa Senhoria Ou Sua Senhoria - V.Sª.(s) S.Sª.(s) Senhor .....(cargo respectivo) Demais autoridades e particularesVossa Magnificência Ou Sua Magnificência - V.Maga.(s)S.Maga.(s) Magnífico Reitor Reitores de UniversidadesVossa Santidade Ou Sua Santidade - V.S. S.S. Santíssimo Padre PapaVossa Eminência Ou Sua Eminência - Vossa Eminência ReverendíssimaOu Sua Eminência Reverendíssima V.Ema.(s) S.Ema.(s)Eminentíssimo Senhor Cardeal ou Eminentíssimo eReverendíssimo Senhor Cardeal Cardeais Vossa Excelência Reverendíssima Ou Sua ExcelênciaReverendíssima V.Exa.(s) Excelência Reverendíssima Arcebispos e Bispos VossaReverendíssima Ou Sua Reverendíssima OuVossa Senhoria Reverendíssima V.Revma.(s) S.Revma.(s)Reverendo Monsenhores, Cônegos e superiores religiosos Vossa Reverência Ou Sua ReverênciaV.Revª.S.Revª, Reverendo Sacerdotes, clérigos e demais religiosos
  • ...até porque dizendo que "ama" descaracteriza o memorando (ato destinado a ser ágil, sem maiores pompas e circunstâncias). Ainda sim, achei esta questão um pouco complicada.
  • ...até porque dizendo que "ama" descaracteriza o memorando (ato destinado a ser ágil, sem maiores pompas e circunstâncias). Ainda sim, achei esta questão um pouco complicada.


  • Os fechos que devem ser utilizados nas comunicações são:

    * para autoridades superiores, inclusive o Presidente da República => respeitosamente
    * para autoridades de mesma ou inferior hierarquia => atenciosamente

    obs: requerimento: Pede deferimento.
  •   O erro está no fato do fecho em questão não ter apresentado o Cargo relacionado ao destinatário.
  • Segundo o site Brasil Escola:
    Pronomes de tratamento Abreviatura
    Singular
    Abreviatura
    Plural
    Usados para:
    Você V. VV. Usado para um tratamento íntimo, familiar.
    Senhor, Senhora Sr., Sr.ª Srs., Srª.s Pessoas com as quais mantemos um certo distanciamento mais respeitoso
    Vossa Senhoria V. S.ª V. Sª.s Pessoas com um grau de prestígio maior. Usualmente, os empregamos em textos escritos, como: correspondências, ofícios, requerimentos, etc.
    Vossa Excelência V. Ex.ª V. Ex.ªs Usados para pessoas com alta autoridade, como: Presidente da República, Senadores, Deputados, Embaixadores, etc.
    Vossa Eminência V. Em.ª V. Em.ªs Usados para Cardeais.
    Vossa Alteza V. A. V V. A A. Príncipes e duques.
    Vossa Santidade V.S.        - Para o Papa.
    Vossa Reverendíssima V. Rev.mª V. Rev.mªs Sacerdotes e Religiosos em geral.
    Vossa Paternidade V. P. VV. PP. Superiores de Ordens Religiosas.
    Vossa Magnificência V. Mag.ª V. Mag.ªs Reitores de Universidades
    Vossa Majestade V. M. V V. M M. Reis e Rainhas.
  • Segundo a fonte do Brasil Escola a grafia V. S.ª está correta. Entendo então que o erro está na impessoalidade. Alguém tem a certeza da resposta desta questão?
  • o certo seria Sua Senhoria!

    Nao pode colocar a abreviaçao nessa situaçao, pois:

    Falar com : Vossa Senhoria
    Falar de    : Sua Senhoria
  • Cada um dos itens abaixo apresenta um fragmento hipotético de correspondência oficial, seguido de uma proposta de classificação desse fragmento (entre parênteses) quanto à parte e ao padrão de correspondência.

    Vou dividir melhor:
    a) Julgue-os quanto ao aspecto gramatical;
    b) quanto à classificação proposta;
    c) quanto à observância das recomendações previstas para o padrão de correspondência indicado.

    Texto dividido:
    1 - Certos da atenção e da observância de V. S.ª para com as recomendações que ora lhe enviamos, antecipamos agradecimentos.
    2 - Atenciosamente,
    3 - (fecho de um memorando)


    Essa banca é fogo. Tive duas linhas de resolução para essa questão e foram iguais (ainda bem).

    Primeira Linha - Respondendo as perguntas do texto:


    a) Julgue-os quanto ao aspecto gramatical;
    CORRETO - Utiliza-se Vossa quando se dirigir diretamente.

    b) quanto à classificação proposta;
    CORRETO - É um fragmento do texto de um memorando.

    c) quanto à observância das recomendações previstas para o padrão de correspondência indicado.
    ERRADO - fragmento totalmente PESSOAL ("antecipamos agradecimentos" (aproveita e manda logo, antecipadamente, Feliz Natal e que está morrendo de saudades da sua filha)), NO PLURAL ("Certos", "lhe enviamos", "antecipamos" (são quantos emitentes escrevendo o memorando?)), REDUNDANTE ("atenção e da observância" (ter ATENÇÃO é OBSERVAR. Quem OBSERVA está ATENTO)).

    Segunda linha - Já cascudo e esperto na malandragem da CESPE

    Estudei bastante para saber o que é Fecho e veio essa pergunta, mas o que é fecho aí na questão? O 1? O 2? 1 e 2?
    Pelo meu estudo, fecho é só o 2, pois o 1 ainda faz parte do texto e que deveria ser numerado.
    Pela questão, fecho é o 1 e o 2.

    Precisei entender o que a banca quer, sendo que a mesma nos fornece uma ASSERTIVA.
    - Ela   diz que esse texto   (incompleto) PODE SER ENCERRADO COM O "ATENCIOSAMENTE". Isso é uma VERDADE. 

    Assim, como não podemos afirmar, como ela está afirmando, e como não podemos concordar com a questão em 100%, pois não sabemos se o fecho em questão refere-se ao destinatário hierarquicamente superior ou inferior, A QUESTÃO ESTÁ ERRADA.

    Só podemos dizer se esse FECHO está correto se soubermos o "remetente" e o "destinatário".
    Se for subalterno, o fecho está correto.
    Se for superior, o fecho está incorreto.

    Em suma, essa questão foi mal elaborada quando fez a junção de um trecho do texto (último parágrafo do memorando) com o fecho e disse que tudo seria Fecho.

    Mas o resultado foi o mesmo.
  • Achei que faltou impessoalidade...
  • O erro da questão tbm está na falta de IMPESSOALIDADE  --> recomendações que ora lhe enviamos.

    Obrigads'
  • Pessoal, essa é simples. Não precisa de toda essa análise, pelo menos para resolvê-la.
    O item está ERRADO, porque não é um fecho adequado para um memorando, conforme o comando da questão.
    O fecho é simplesmente " atenciosamente" ou respeitosamente", sem os penduricalhos.
    Simples assim.
    PRÓXIMA.
  • Errado.


    O período não informa se quem envia / recebe é hierarquicamente superior ou inferior ao outro. 


ID
104431
Banca
FCC
Órgão
DPE-SP
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

A afirmativa INCORRETA, considerando-se a redação de um ofício, é:

Alternativas
Comentários
  • O ASSUNTO é obrigatório na redação de um ofício.
  • OFÍCIO é o documento destinado à comunicação oficial entre órgãos da administração pública e de autoridades para particulares.

    Estrutura
    1. Título abreviado (“Of.”), número de ordem e sigla do órgão de origem.
    2. Local e data.
    3. Endereçamento: forma de tratamento, cargo ou função seguido do nome do destinatário, instituição quando necessário e endereço.
    4. Vocativo: função ou cargo.
    5. Assunto: síntese do texto (em negrito).
    6. Texto com parágrafos numerados a partir do segundo.
    7. Fecho: “Respeitosamente” ou “Atenciosamente”, segundo a relação hieráquica entre o remetente e o destinatário.


    Fonte: Manual de Redação da Câmara dos Deputados

  •                    sei que o assunto é obrigatório num ofício, mas alguem poderia me explicar a letra c)

                       Não entendi esse exceto. Achei que a identificação do signatário era obrigatório inclusive para o presidente, minha dúvida é a seguinte: o presidente, caso não identifique no oficio ficaria um ofício anõnimo?


                      Se alguem puder me esclarecer essa dúvida agradeço. Bons estudos
  • Fiquei com a mesma dúvida do Carlos.
    Mas que creio que seja dispensável pôr o cargo do Presidente da República porque é de conhecimento geral o cargo que aquele determinado ser (o Presidente) ocupa.
  •  De acordo com o Manual de Redação Oficial:

               Excluídas as comunicações assinadas pelo Presidente da República, todas as demais comunicações oficiais devem trazer o nome e o cargo da autoridade que as expede, abaixo do local de sua assinatura. A forma da identificação deve ser a seguinte:

    (espaço para assinatura)
    Nome
    Chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República

    (espaço para assinatura)
    Nome
    Ministro de Estado da Justiça

            Para evitar equívocos, recomenda-se não deixar a assinatura em página isolada do expediente. Transfira para essa página ao menos a última frase anterior ao fecho.

  • Letra E é a alternativa que a questão pede como incorreta.

    Assunto é obrigatório.
    Facultativo é o comentário que o destinário tenha a fazer sobre qualquer outra coisa.
  • local e data por extenso!
    como assim?

    quer dizer que o certo seria: São Paulo, vinte e dois de abril de dois mil e doze.

    ???

    alguém me explique essa alternativa.
  • Não é isso, Bruno.

    A orientação é para não colocar no formato 22/12/2012, mas sim

    Rio de Janeiro, 22 de dezembro de 2012.

    Abs
  • Lembrando que,  segundo o Manual de redação da presidência da República a expressão respeitosamente é usada somente para autoridades superiores ao remetente do ofício. Quando o destinatário for autoridades de mesma hierarquia ou de hierarquia inferior a expressão correta é

     Atenciosamente.

  • A afirmativa INCORRETA, considerando-se a redação de um ofício, é:

    a) O local e a data devem aparecer por extenso, com alinhamento à direita da página. (CORRETO)

    Ex.: Rio de Janeiro, 19 de março de 1999

    b) Devem constar o tipo e o número do expediente, seguido da sigla do órgão que o expede. (CORRETO)

    Ex.: Mem. nº xxxx/xx STN

  • A afirmativa INCORRETA, considerando-se a redação de um ofício, é:

    c) Deve haver identificação do signatário, constando nome e cargo abaixo da assinatura, exceto se for o Presidente da República. (CORRETO)

    Excluídasas comunicações assinadas pelo Presidente da República, todas as demaiscomunicações oficiais devem trazer o nome e o cargo da autoridade que asexpede, abaixo do local de sua assinatura. Ex.:

                                                    (espaço para assinatura)
                                                                  Nome
                              Chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República

    d) O fecho deve conter as expressões Respeitosamente ou Atenciosamente, de acordo com a autoridade a que se destina o documento.(CORRETO)

     Com o fito de simplificar e uniformizar, o Manualestabelece o emprego de somente dois fechos diferentes para todas asmodalidades de comunicação oficial:

      a) p/ autoridadessuperiores, inclusive o Presidente da República:

      Respeitosamente,

      b) p/ autoridades de mesmahierarquia ou de hierarquia inferior:

      Atenciosamente,

    Ficam excluídas dessa fórmula as comunicações dirigidas a autoridades estrangeiras, que atendem a rito e tradição próprios, devidamente disciplinados no Manual de Redação do Ministério das Relações Exteriores.


  • e) É facultativa a indicação do teor do documento, ou seja, o assunto, pois ele vem expresso no corpo do ofício. (ERRADO)

    Não há no Manual de Redação oficial essa afirmativa. Penso que houve tentativa de confundir o candidato em relação as duas partes existentes no documento Padrão Ofício - ASSUNTO v.s TEXTO. Veja:

    assunto: resumo do teor do documento

      Exemplos:

      Assunto: Produtividade do órgão em 2002.

      Assunto: Necessidade de aquisição de novos computadores.

    OBS.: O Manual não diz mais nada além dessa informação, no entanto...

     texto: nos casos em q não for de mero encaminhamento de documentos, o expediente deve conter a seguinte estrutura:

      – introdução, q se confunde com o parágrafo de abertura, na qual é apresentado o assunto q motiva a comunicação. Evite o uso das formas: "Tenho a honra de", "Tenho o prazer de", "Cumpre-me informar q", empregue a forma direta;

      – desenvolvimento, no qual o assunto é detalhado; se o texto contiver mais de uma idéia sobre o assunto, elas devem ser tratadas em parágrafos distintos, o q confere maior clareza à exposição;

      – conclusão, em q é reafirmada ou simplesmente reapresentada a posição recomendada sobre o assunto.

      Os parágrafos do texto devem ser numerados, exceto nos casos em que estes estejam organizados em itens ou títulos e subtítulos.

    Já qdo se tratar de mero encaminhamento de documentos a estrutura é a seguinte:

      – introdução: deve iniciar com referência ao expediente que solicitou o encaminhamento. Se a remessa do documento não tiver sido solicitada, deve iniciar com a informação do motivo da comunicação, que é encaminhar, indicando a seguir os dados completos do documento encaminhado (tipo, data, origem ou signatário, e assunto de que trata), e a razão pela qual está sendo encaminhado, segundo a seguinte fórmula:

    "Em resposta ao Aviso nº 12, de 1º de fevereiro de 1991, encaminho, anexa, cópia do Ofício nº 34, de 3 de abril de 1990, do Departamento Geral de Administração, que trata da requisição do servidor Fulano de Tal."

      ou

    "Encaminho, para exame e pronunciamento, a anexa cópia do telegrama no 12, de 1o de fevereiro de 1991, do Presidente da Confederação Nacional de Agricultura, a respeito de projeto de modernização de técnicas agrícolas na região Nordeste."

      – desenvolvimento: se o autor da comunicação desejar fazer algum comentário a respeito do documento que encaminha, poderá acrescentar parágrafos de desenvolvimento; em caso contrário, não há parágrafos de desenvolvimento em aviso ou ofício de mero encaminhamento.


  • O assunto, o numero do ofício e as iniciais do órgão, sempre presentes na modalidade Ofício.

  • Quase errei, porque entendo que escrever a data por extenso significa escrever: Aracaju, nove de abril de mil novecentos e noventa e nove, ou seja, como se deve escrever em ata. Achei que essa foi a pegadinha, mas pelo visto só eu ia cair...


ID
108982
Banca
CESGRANRIO
Órgão
Banco do Brasil
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Em redações oficiais, é certo

Alternativas
Comentários
  • No Manual da escrita oficial do Estado do Paraná tem esse texto:Quanto aos adjetivos que se referem a esses pronomes, o gênero gramatical deve coincidir com o sexoda pessoa a que se refere, e não com o substantivo que compõe a locução. Assim, se nosso interlocutor forhomem, o correto é Vossa Excelência está atarefado, Vossa Senhoria deve estar satisfeito; se for mulher, VossaExcelência está atarefada, Vossa Senhoria deve estar satisfeita.
  • A/B-Os pronomes de tratamento (ou de segunda pessoa indireta) apresentam certas peculiaridades quanto à concordância verbal, nominal e pronominal. Embora se refiram à segunda pessoa gramatical (à pessoa com quem se fala, ou a quem se dirige a comunicação), levam a concordância para a terceira pessoa. É que o verbo concorda com o substantivo que integra a locução como seu núcleo sintático: "Vossa Senhoria nomeará o substituto"; "Vossa Excelência conhece o assunto". Da mesma forma, os pronomes possessivos referidos a pronomes de tratamento são sempre os da terceira pessoa: "Vossa Senhoria nomeará seu substituto" (e não "Vossa ... vosso...").C-Fechos para comunicações:a) para autoridades superiores, inclusive o Presidente da República: Respeitosamente, b) para autoridades de mesma hierarquia ou de hierarquia inferior: Atenciosamente,D- Em comunicações oficiais, está abolido o uso do tratamento digníssimo (DD), às autoridades arroladas na lista anterior. A dignidade é pressuposto para que se ocupe qualquer cargo público, sendo desnecessária sua repetida evocação.E-Excluídas as comunicações assinadas pelo Presidente da República, todas as demais comunicações oficiais devem trazer o nome e o cargo da autoridade que as expede, abaixo do local de sua assinatura.
  • Colocarei as justificativas das alternativas INCORRETAS:

    a) ERRADA. O pronome a ser usado quando nos referirmos a "Vossa Excelência", ou qualquer outro tratamento em 3ª pessoa, é o pronome "sua".


    b) ERRADA. O tratamento "Vossa Senhoria" é empregado tanto para o sexo feminino quanto para o masculino e é usado para as demais autoridades que estão FORA da lista de autoridades tratadas por "Vossa Excelência" (ver páginas 8 e 9 do Manual de Redação Oficial da Presidência da República).


    c) ERRADA. "Respeitosamente" é usado como fecho de comunicação para autoridade hierarquicamente SUPERIORES, inclusive o Presidente da República.

    Para autoridades do mesmo nível hierárquico usamos o fecho "Atenciosamente".


    d) ERRADA. "Em comunicações oficiais, está abolido o uso do tratamento digníssimo (DD) (...)  A dignidade é pressuposto para que se ocupe qualquer cargo público, sendo desnecessária sua repetida evocação. "


    e) CORRETA.


    Fonte: Manual de Redação Oficial, 2002.

  • A questão apresenta alternativas diferentes e pede que seja marcada a correta.

    Quando se usa "Vossa Excelência", o correto é usar o pronome "sua". "Vossa Senhoria" pode ser usado tanto para o feminino quanto para o masculino. "Respeitosamente" é usado para pessoas com níveis hierárquicos diferentes. É usado para autoridades superiores. 
    Segundo o Manual de Redação Oficial, "está abolido o uso do tratamento digníssimo (DD), às autoridades arroladas na lista anterior. A dignidade é pressuposto para que se ocupe qualquer cargo público, sendo desnecessária sua repetida evocação".


    A resposta correta é a letra (E).
  • A) Errado . Neste caso o pronome de tratamento leva para 3 º pessoa do singular

    B) Errado . Vossa senhoria é utilizado com particulares e todos aqueles que não possuam alguma forma de tratamento especial

    C) Errado . Usa-se respeitosamente para pessoas de nível hierárquico superior

    D) Errado . Dignidade é um pressuposto do exercício do cargo , e não deve ser usada como forme de tratamento

    E) Correto . Campo denominado de ''Signatário''

  • Formatando o comentário da Erica MB:

    A/B - ERRADAS - Os pronomes de tratamento (ou de segunda pessoa indireta) apresentam certas peculiaridades quanto à concordância verbal, nominal e pronominal. Embora se refiram à segunda pessoa gramatical (à pessoa com quem se fala, ou a quem se dirige a comunicação), levam a concordância para a terceira pessoa.

    É que o verbo concorda com o substantivo que integra a locução como seu núcleo sintático: "Vossa Senhoria nomeará o substituto"; "Vossa Excelência conhece o assunto".

    Da mesma forma, os pronomes possessivos referidos a pronomes de tratamento são sempre os da terceira pessoa: "Vossa Senhoria nomeará seu substituto" (e não "Vossa... vosso...").

    C - ERRADA - Fechos para comunicações:

    a) para autoridades superiores, inclusive o Presidente da República: Respeitosamente

    b) para autoridades de mesma hierarquia ou de hierarquia inferior: Atenciosamente

    D - ERRADA - Em comunicações oficiais, está abolido o uso do tratamento digníssimo (DD), às autoridades arroladas na lista anterior. A dignidade é pressuposto para que se ocupe qualquer cargo público, sendo desnecessária sua repetida evocação.

    E - CORRETA - Excluídas as comunicações assinadas pelo Presidente da República, todas as demais comunicações oficiais devem trazer o nome e o cargo da autoridade que as expede, abaixo do local de sua assinatura.

    GABARITO: E


ID
112405
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
Banco da Amazônia
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Cada um dos itens abaixo apresenta um fragmento hipotético de
correspondência oficial, seguido de uma proposta de classificação
desse fragmento (entre parênteses) quanto à parte e ao padrão de
correspondência. Julgue-os quanto ao aspecto gramatical, quanto à
classificação proposta e quanto à observância das recomendações
previstas para o padrão de correspondência indicado.

De ordem do senhor ministro da Educação, estamos informando a todos os chefes do Poder Executivo de todos os entes federados que, nos termos da Lei de Responsabilidade Fiscal, a data limite para apresentação das prestações de contas e respectivos relatórios a que se refere a citada lei... (corpo de um relatório)

Alternativas
Comentários
  • Vossa Excelência (V. Ex.ª): para Magistrados (Juízes de Direito, do Trabalho, Federais, Militar e Eleitoral), Membros de Tribunais (de Justiça, Regionais Federais, Regionais do Trabalho, Regionais Eleitorais), Ministros de Tribunais Superiores (do Trabalho, Eleitoral, Militar, Superior Tribunal de Justiça e Supremo Tribunal Federal), Membros do Ministério Público (Procuradores da República, Procuradores do Trabalho, Procuradores do Ministério Público Militar ou Promotores de Justiça).sl.
  • Acho que essa questão possui dois erros:

    1) A palavra Ministro deveria estar em maiúscula;

    2) Uso do gerundismo (Estamos informando). Pelo princípio da concisão e clareza, deveria ser "informamos".

    O que acham?

     

  • O erro principal desta questão é que o texto não é  de um relatório, acho que seja de uma Potaria.

    Relatório: documento oficial com o fito de descrever serviços concernentes a certas funções, portando existirão vários tipos de relatórios: de viagem, contábeis, científicos, etc

    Portaria: é documento oficial redigido por ministros de Estados, chefes de seção e afins. E´terá três finalidade:

    1) funcionamento do órgão público

    2) organizãção de pessoal

    3) APLICAÇÃO DE NOVAS LEIS

    Fonte: aulas da professora Fernada Mendes/ BSB.

     

     

  • Senhor Ministro é com iniciais maiúsculas!

    Não confundam Vocativo (Senhor Ministro), com pronome de tratamento (Vossa Excelência).

  • Penso que o meio correto para efetuar esta comunicação é o Ofício, pois - de acordo com o Manual de Redação da Presidência da República, é a ferramenta de comunicação utilizada para e pelas autoridades que não estejam no mesmo nível hierárquico dos Ministros de Estado.
    O texto tem que ser mais claro e direto: "O Senhor Ministro da Educação informa a todos os chefes do Poder Executivo ..."

  •  

    No caso da redação oficial, quem comunica é sempre o Serviço Público (este ou aquele Ministério, Secretaria, Departamento, Divisão, Serviço, Seção) o erro esta em afirmar que “De ordem do senhor ministro da Educação” o correto seria “O Ministério da Educação informa” , alem do verbo informar que esta pessoal.

  • 1) o certo é "Senhor Ministro"
    2) o certo seria ofício
    3) gerundismos

    Ofício - Expedido por e para as demais autoridades (órgãos distintos)

    "estamos informando a todos os chefes do Poder Executivo de todos os entes federados"

    Exemplo disso: http://www.ibc.gov.br/media/common/Gestor_relatauditoria2007.pdf


ID
112408
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
Banco da Amazônia
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Cada um dos itens abaixo apresenta um fragmento hipotético de
correspondência oficial, seguido de uma proposta de classificação
desse fragmento (entre parênteses) quanto à parte e ao padrão de
correspondência. Julgue-os quanto ao aspecto gramatical, quanto à
classificação proposta e quanto à observância das recomendações
previstas para o padrão de correspondência indicado.

Certos da atenção e da observância de V. S.a para com as recomendações que ora lhe enviamos, antecipamos agradecimentos. Atenciosamente,

(fecho de um memorando)

Alternativas
Comentários
  • Acredito que o erro da questão está no fato de o fecho do memorando ser numerado, o que não ocorre aqui e também pela linguagem prolixa apresentada no texto.
  • O erro está em: V.S.aA forma correta é: Vossa Senhoria (por extenso).
  • Não existe essa forma de tratamento "V.S.a", o correto seria "V.Sa". A forma da questão só estaria correta se o "a" estivesse sobrescrito.Quanto ao comentário abaixo, onde encontro essa informação de o fecho do memorando ser numerado?!
  • o erro está no fato de que as correspondências oficiais devem ser concisas.. a expressão "Certos da atenção e da observância de V. S.a para com as recomendações que ora lhe enviamos, antecipamos agradecimentos." poderia ser facilmente suprimida sem comprometer o entedimento do documento...
  • O Manual de Redação Oficial da Presidência da República informa que somente dois fechos são admitidos nas comunicações oficiais:a)Respeitosamente: quando o destinatário for uma pessoa hierarquicamente superior (inclusive o Presidente da República) e;b)Atenciosamente: quando o destinatário for pessoa de mesma hierarquia ou hierarquia inferior.A expressão "Certos da atenção e da observância de V. S.a para com as recomendações que ora lhe enviamos, antecipamos agradecimentos. " não é admitida como fecho.
  • A redação oficial deve ser IMPESSOAL, portanto, não deve ter palavras como:a) Certos (implicitamente diz: Estamos) b) enviamos, c) antecipamos
  • A questão no meu entendimento possui dois fechamentos.
  • Atentar ao que diz o manual de RO, todo o resto (V.s.a, antecipamos etc) só está ali pra confundir.
    2.2. Fechos para Comunicações
    ...com o fito de simplificá-los e uniformizá-los, este Manual estabelece
    o emprego de somente dois fechos diferentes para todas as modalidades de comunicação oficial:
    a) para autoridades superiores, inclusive o Presidente da República:
    Respeitosamente,
    b) para autoridades de mesma hierarquia ou de hierarquia inferior:
    Atenciosamente,
    Ficam excluídas dessa fórmula as comunicações dirigidas a autoridades estrangeiras, que atendem a rito e
    tradição próprios, devidamente disciplinados no Manual de Redação do Ministério das Relações Exteriores .
  • De acordo com a questão, "Certos da atenção e da observância de V. S.a para com as recomendações que ora lhe enviamos, antecipamos agradecimentos. Atenciosamente," pode ser considerado como o fecho de um memorando.

    O Manual de Presidência da República informa que o fecho de um memorando consta apenas de memorando, sem outra frase de encerramento.


    A resposta é incorreta. 


ID
112936
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
TCE-AC
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Considerando as normas de redação de documentos oficiais, assinale a opção correta.

Alternativas
Comentários
  • Gabarito: E
    Os erros das alternativas:
    A) De acordo com o Manual de Redação da Presidência da República, fica dispensado o uso do superlativo Ilustríssimo para as autoridades que recebem o tratamento de Vossa Senhoria e para particulares. É suficiente o uso do pronome de tratamento Senhor.
    B) Acredito que o erro esteja no uso do hífen 
    C) Erro na estrutura gramatical, creio. A frase tem sujeito, cujo núcleo é "notificação", mas falta o verbo e o complemento.
    D) Atestado não tem fecho. (Fonte: http://biblioteca.planejamento.gov.br/biblioteca-tematica-1/textos/redacao-oficial-e-normalizacao-tecnica-dicas/texto-31-apostila-completa-de-redacao-oficial.pdf)
  • Olá (:
    Outros erros:
    a)
     A ordem correta da primeira parte é tipo e número do espediente, seguido da sigla do órgão.
    b) "a reiteração de pedidos" concorda com  o verbo, então o correto seria: Não será admissível a reiteração de pedidos...
    c) Falta clareza e coerência.
    d) Recursos Humanos é em maiúscula; falta a data; e acho que tem uma vírgula depois de outrossim.

    Gabarito letra E
    Sucesso!

ID
115921
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
Banco da Amazônia
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Cada um dos itens abaixo apresenta um fragmento hipotético de correspondência oficial, seguido de uma proposta de classificação desse fragmento (entre parênteses) quanto à parte e ao padrão de correspondência. Julgue-os quanto ao aspecto gramatical, quanto à classificação proposta e quanto à observância das recomendações previstas para o padrão de correspondência indicado.

Certos da atenção e da observância de V. S.a para com as recomendações que ora lhe enviamos, antecipamos agradecimentos.

Atenciosamente,

(fecho de um memorando)

Alternativas
Comentários
  • Não existe essa forma de tratamento "V.S.a", o correto seria "V.Sa". A forma da questão só estaria correta se o "a" estivesse sobrescrito.
  • Vossa Senhoria Ou Sua Senhoria - V.Sª.(s) S.Sª.(s) Senhor .....(cargo respectivo) Demais autoridades e particularesVossa Magnificência Ou Sua Magnificência - V.Maga.(s)S.Maga.(s) Magnífico Reitor Reitores de UniversidadesVossa Santidade Ou Sua Santidade - V.S. S.S. Santíssimo Padre PapaVossa Eminência Ou Sua Eminência - Vossa Eminência ReverendíssimaOu Sua Eminência Reverendíssima V.Ema.(s) S.Ema.(s)Eminentíssimo Senhor Cardeal ou Eminentíssimo eReverendíssimo Senhor Cardeal Cardeais Vossa Excelência Reverendíssima Ou Sua ExcelênciaReverendíssima V.Exa.(s) Excelência Reverendíssima Arcebispos e Bispos VossaReverendíssima Ou Sua Reverendíssima OuVossa Senhoria Reverendíssima V.Revma.(s) S.Revma.(s)Reverendo Monsenhores, Cônegos e superiores religiosos Vossa Reverência Ou Sua ReverênciaV.Revª.S.Revª, Reverendo Sacerdotes, clérigos e demais religiosos
  • Além do que foi exposto pelos caríssimos colegas, devemos lembrar que um texto de redação oficial deve ser conciso, ou seja, possuir o máximo de informações com o mínimo de palavras, esta conclusão que nos foi apresentada na questão é totalmente DISPENSÁVEL em um texto de redação oficial.
  • Parei no 'antecipamos agradecimentos' rs
  • Tem que parar mesmo ein Nathan?!?! kkkkkkkkkkkkkkk
    Que babação! aff...
  • Boa Tarde Pessoal,
    Possuo alguns modelos de Documentos, que seguem o padrão de Redação Oficial. Entretanto, não encontrei nenhum que que tivesse seu pronome de tratamento abreviado.
    É permitido abreviar estes pronomes?

    Obrigado
  • Além de não ser objetivo o fechamento para autoridade superior deveria ser Respeitosamente e não Atenciosamente.

    TEXTO

    Certos da atenção e da observância de V. S.a para com as recomendações que ora lhe enviamos, antecipamos agradecimentos.

    Texto cheio de embromação (comentários subjetivos).

    Além disso o "V. S.a" me parece estar abreviado de forma errada.

  • O texto apresentado peca por ausência de impessoalidade. Item 1.1 do MRPR:

    Desta forma, não há lugar na redação oficial para impressões pessoais, como as que, por exemplo, constam de uma carta a um amigo, ou de um artigo assinado de jornal, ou mesmo de um texto literário. A redação oficial deve ser isenta da interferência da individualidade que a elabora. 


ID
119446
Banca
FUNRIO
Órgão
MPOG
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

O fecho das comunicações oficiais possui, além da finalidade óbvia de arrematar o texto, a de saudar o destinatário. Os modelos tradicionais para fecho foram regulados por uma Portaria do Ministério da Justiça, de 1937, que estabelecia quinze padrões. Com o objetivo de simplificá-los e uniformizá-los, o Manual de Redação da Presidência da República, de 2002, estabelece o emprego de apenas

Alternativas
Comentários
  •  Fechos para Comunicações
    O fecho das comunicações oficiais possui, além da finalidade óbvia de arrematar o texto, a de saudar o
    destinatário. Os modelos para fecho que vinham sendo utilizados foram regulados pela Portaria no 1 do Ministério da
    Justiça, de 1937, que estabelecia quinze padrões. Com o fito de simplificá-los e uniformizá-los, este Manual estabelece
    o emprego de somente dois fechos diferentes para todas as modalidades de comunicação oficial:


    a) para autoridades superiores, inclusive o Presidente da República:
    Respeitosamente


    b) para autoridades de mesma hierarquia ou de hierarquia inferior:
    Atenciosamente


    Ficam excluídas dessa fórmula as comunicações dirigidas a autoridades estrangeiras, que atendem a rito e
    tradição próprios, devidamente disciplinados no Manual de Redação do Ministério das Relações Exteriores.


ID
120529
Banca
FCC
Órgão
SERGAS
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

A maneira pela qual o poder público redige atos normativos e comunicações denomina-se redação

Alternativas
Comentários
  • Que questão é essa?! Creio que em uma prova eu não responderia de cara, acharia que era uma pegadinha!
  • só pode tá de brincadeira, né?
  • Realmente, esta questao por se tratar de algo tao expresso torna-se um modo de colocarmos a famosa "pulga atras da orelha"

    Mas nao a erro o que é não se pode ter medo de marca.

    Só para concluir vai ai o conceito suscinto de R.O:

    Pode-se dizer que redação oficial é a maneira pela qual o Poder Público redige atos normativos e comunicações. Interessa-nos tratá-la do ponto de vista do Poder Executivo.
     

  • Parece até brincadeira.
  • Sinceramente questões como esta não medem o conhecimento de nenhum candidato, é a mesma coisa que perguntar quem é, atualmente, a Presidenta do Brasil?...Quem mais é penalizado são aqueles que se dedicam e possuem um domínio do conteúdo!
  • Pior que essas questões são bem frequentes por isso que têm aqueles candidatos despreparados das provas achando q foram bem.

  • "Pá num Zerá".
  • Olhando uma questão dessas chego a acreditar que nem precisa estudar muito... eta vidinha de concurseiro... quando estudamos pra valer, cai coisas desse tipo... quando mal estudamos, cai uma porrada de questões difíceis... vai entender.....
  • Fiquei até pensativo, pensando que fosse mentira. hehe
  • Uma questão dessa não cai na minha prova
  • Eita FCC!!! É a mesma coisa que perguntar: 
    1) No conto "O gato de botas", o gato que usa botas é conhecido como gato...
    a) de meias.
    b) de chinelo.
    c) de botas.
    d) pé de moleque.
    e) com chulé.
      (vai que alguém acha que o gato usa botas pra disfarçar o chulé, rsrsrs)

                                                                                                                                                         
  • Foi a mais complicada até agora! KKK
  • Eu cravei direto! Se parasse para pensar, poderia ter errado!
    He he he!
  • 1. Quem descobriu a América foi Cristóvão Co...

    A)lombo.

    B)maminha.

    C)alcatra.

    D)lagarto.

    E)picanha.

  • 50 pessoas erraram essa questão.4 colocaram redação mercadológica como resposta.Genial...

  • 2+2=

    a) 1

    b)4

    c)4234

    d)7777777777777777777

    e)445454


  • qual a cor do cavalo branco de napoleão?

    a)azul

    b)vermelho

    c)preto

    d) BRANCO

    e) rosa chiclete

    ahhhh não resisti rsrsr  é um desaforo esta questão. 

    - ATÉ PASSAR.

  • Esses 48 que erraram deixaram a pagina aberta, veio uma criança e saiu clicando... só pode 

  • Acertei, que legal, acho que não errando questões como essas irei gabaritar as provas do CESPE e com certeza minha aprovação é certa, rssssssssssssssssssssssssssss


  • Ninguém colocou o gabarito! Acho q estão com medo de errar!kkkk!

  • essa foi foda..kkkkkkk... Ai eu digo que quem era essa, pode se matar pq n dá meu fih..kkkkkk

  • Essa banca é muito Zueira !!!! ksksksksks

  • Porr que achar que seria uma pegadinha ? quem estudou nem desconfiaria dessa haushaushas

  • Essas questões são feitas somente para analisar quem são os candidatos que realmente estudam.

    Quem nunca viu o assunto, não sabe a resposta.. é ridículo só pra quem abriu a matéria rs.

    Bons estudos!!! 


ID
120532
Banca
FCC
Órgão
SERGAS
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Expressões que podem causar um efeito negativo na redação são:

Alternativas
Comentários
  • Lebra B - pois, assim, faz-se uso da subjetividade.

  • A opção  C utiliza palavras que no texto não soariam polidas.

    Polidez:
    O texto polido revela civilidade, cortesia. A finalidade, especialmente nas correspondências
    oficiais, é impressionar o destinatário de forma favorável, evitando frases grosseiras ou insultuosas,
    expressando respeito sem rebaixamento próprio.

  • Nao entendi essa questao!!! Será que nao está faltando um texto???

  • "absurdo", na letra D, não expressaria um alto teor de pessoalidade na comunicação?
  • Também discordo do gabarito. Marquei a letra D exatamento pela presença de "Absurdo", que denota um posicionamento pessoal sobre algum tema.. Para mim, questão mal elaborada.
  • Exatamente. Questão que não prova conhecimento. Apenas serve para eliminar candidatos injustamente.
  • Também marquei a letra "D", é um absurdo esta resposta.
  • Concordo com o MALCOLN... questão só pra encher linguiça...
  • Pessoal, também discordo do gabarito!

    A questão pergunta  quais expressões geram "efeito negativo na redação". Efeito negativo na redação, para mim, não se resume ao que o leitor depreende do texto, mas também ao modo de escrita adotado.
    A alternativa "D" contém expressões que abarcam tanto a escrita informal, quanto a parcialidade no tratamento, o que fere de morte as regras de redação oficial.

    Passível de anulação hein FCC!

    Bons estudos a todos!


    Fé sempre!

  • apenas fazendo coro com os colegas inconformados, a expressao "atraves de" JAMAIS pode ser utilizada com o sentido de "por meio de", uma vez que a carga semantica de "atraves" e' atravessar e nao "por intermedio de"
  • a questão  fala de "expressões" na letra D só seria uma expressão , que seria absurdo, as outras  seriam aceitáveis. somente a letra na letra C , todas são negativas. creio que seja esse o erro da questão.
  •    Acompanho os colegas que marcaram a letra "D"como correta. Nas aulas do Prof. Marcelo Bernardo, ele é bem claro ao afirma que o uso de expressões como "por meio desta", "através desta" , "pela presente" é inedequado pois as mesmas configuram Pleonasmo ( Ex: Subir pra cima......).
    Questão no mínimo passível de anulação.
  • Gente, na questão, quando se diz expressões, refere-se a todas e não a apenas uma. Este é o peguinha da questão.
    Na letra D, apenas uma expressão absurdo expressa alto grau de pessoalidade, sendo que as outras podem ser usadas.
  • Conordo com você Núbia!
  • Mas desde quando a expressão "Através desta" está correta? Para mim causou um efeito negativo sim...rsrsrs
  • Pois bem, a matéria é Redação Oficial, certo? Preferi recorrer a uma referência: Manual de Redação Oficial da Presidência da República. Lá encontramos, no item 9.3.2., uma lista de expressões a evitar e expressões de uso recomendável:

    "Como mencionado na introdução deste capítulo, o sentido das palavras liga-se intimamente à tradição e ao contexto de seu uso. Assim, temos vocábulos e expressões (locuções) que, por seu continuado emprego com determinado sentido, passam a ser usados sempre em tal contexto e de tal forma, tornando-se expressões de uso consagrado. Mais do que do sentido das palavras, trata-se aqui também da regência de determinados verbos e nomes (v. 9.2.3.Regência).
            O esforço de classificar expressões como de uso a ser evitado ou como de uso recomendável atende, primordialmente, ao princípio da clareza e da transparência que deve nortear a elaboração de todo texto oficial. Não se trata, pois, de mera preferência ou gosto por determinada forma.
    (...)

    através de/por intermédio de
            Através de quer dizer de lado a lado, por entre: A viagem incluía deslocamentos através de boa parte da floresta. Evite o emprego com o sentido de meio ou instrumento; nesse caso empregue por intermédio, por, mediante, por meio de, segundo, servindo-se de, valendo-se de: O projeto foi apresentado por intermédio do Departamento. O assunto deve ser regulado por meio de decreto. A comissão foi criada mediante portaria do Ministro de Estado.
    (...)"


    Entendo que substantivos (superficial, falha, ineficiência e despreparo) e adjetivos (prematuro e falha) são um tanto quanto relativos no sentido de serem ou não inaceitáveis na redação, pois seu uso estará totalmente condicionado ao contexto. Já as locuções, preposições e conjunções podem receber mais taxativamente a pecha de "negativas" não só do ponto de vista gramatical, como também semântico.
     
    Por isso considero que a resposta seja a letra D (“absurdo” tem carga excessiva de pessoalidade e denota juízo parcial acerca do tema e “pela presente” é desaconselhável pelo mesmo motivo de “através de”) – TODAS as expressões da alternativa D causarão impressão negativa.
     
    Acho que a Banca quis fazer um pega e se pegou, se lascou. Rsrsrs!
     
    Bons estudos!
  • Esta questão gerou muita polêmica entre os candidatos. A questão pede que seja marcada a alternativa que apresenta efeito negativo. Ora, “efeito negativo” se refere ao sentido que a palavra proporciona no leitor ao ser lida. E conforme as alternativas apresentadas, a que corresponde como correta é a letra C, pois “falha”, “ineficiência” e “despreparo” são antônimas a “acerto” (e outras inúmeras palavras), “eficiência” e “preparo”. Ao compará-las, percebemos que o valor é de contraste, positivo X negativo. Desta forma, a alternativa correta é a letra C. 


  • Também discordo. 

    Não só pelo termo "absurdo" que denota pessoalidade e atribui juízo de valor.
    Mas o "através desta" NÃO pode ser usado como "por meio de".. uma vez que seu sentido é "atravessar".
    "Pela presente" também não seria nada apropriado.

    Mas tudo bem, que usar termos como "falha, ineficiência e despreparo", seria descortês com o destinatário.
    Mesmo assim, ao meu ver, a letra D está mais incorreta.

  • Questão elaborada para induzir ao erro... 
    Precisamos ter muita cautela.
    =D

  • absurdo=juízo de valor,questão cabe recurso

  • Gente acho que vocês tão viajando demais. A pergunta cita "efeito negativo", simples desse jeito, "coisas negativas". Não tem que procurar em norma culta ou manual de redação. É simplesmente o que o enunciado da questão pede!


    Claro essa é minha opinião!

    Boa sorte a todos.

  • Quer dizer que eu não poderia utilizar as palavas "falha, "ineficiência" ou "despreparo" em uma suporta reprovação de estágio probatório?

    Ou que seria explícita agressão à polidez receber uma circular dizendo " Determino a transferência do funcionário para o setor X, frente à sua ineficiência (...)" ?

    QUESTÃO RIDÍCULA. 


  • Questão ABSURDA ¬¬

  • QUESTÃO PODRE!

  • QUESTÃO RIDÍCULA! 

  • marquei a letra D, por causa da palavra Absurdo, mas pelo que to vendo aqui, é um absurdo mesmo essa questão, a única palavra que poderia trazer uma tonalidade de subjetividade é essa, porém é errada. vai saber... cada uma!

    Gabarito letra C

  • A questão queria expressões que precisam ser evitadas, ou palavras que remetem a juízo de valor negativo????

    Porque a expressão "através de", segundo o MRPR, dever ser evitada e suvstituída por "por meio de" etc.

  • GABARITO C, PODIA VIM UMA QUESTÃO ASSIM NA MINHA PROVA KKKK.


ID
120535
Banca
FCC
Órgão
SERGAS
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Os artigos de um ato oficial são numerados por algarismos cardinais a partir do

Alternativas
Comentários
  • PESSOAL,
    LÊ-SE E ESCREVE-SE OS NUMERAIS ORDINAIS DOA ATOS OFICIAIS ATÉ O 9º.
    SEGUE UM EXEMPLO PARA MELHOR ENTENDIMENTO SOBRE A LEITURA DOS ARTIGOS DE UMA LEI:
    ART. 1º;
    ART. 2º,
    ART 3º,
    ART 4º,
    ART 5º,
    ART 6º,
    ART 7º,
    ART 8º,
    ART 9º 
    ART. 10, ART 11, ART 12..... (ORDEM CARDINAL)
  • Apenas uma observação ao comentário do amigo - a regra é geral

  • LEI COMPLEMENTAR No  95, DE 26 DE FEVEREIRO DE 1998
    Art. 10
    I - a unidade básica de articulação será o artigo, indicado pela abreviatura “Art.”, seguida de numeração ordinal até o nono e cardinal a partir deste;
    III - os parágrafos serão representados pelo sinal gráfico “§”, seguido de numeração ordinal até o nono e cardinal a partir deste, utilizando-se, quando existente apenas um, a expressão “parágrafo único” por extenso;

    Artigo é a unidade básica para apresentação, divisão ou agrupamento de assuntos num texto normativo. No tocante à numeração, consagrou-se a práxis, hoje positivada pela Lei Complementar no  95, de 26 de fevereiro de 1998, de até o artigo nono (art. 9o ) adotar a numeração ordinal. A partir do de número 10, emprega-se o algarismo arábico correspondente, seguido de ponto-final (art. 10). Os artigos serão designados pela abreviatura “Art.” sem traço antes do início do texto. Os textos dos artigos serão iniciados com letra maiúscula e encerrados com ponto-final, exceto quando tiverem incisos, caso em que serão encerrados por dois-pontos.
  • 10.2.2.1. Artigo

            Artigo é a unidade básica para apresentação, divisão ou agrupamento de assuntos num texto normativo. No tocante à numeração, consagrou-se a práxis, hoje positivada pela Lei Complementar no 95, de 26 de fevereiro de 1998, de até o artigo nono (art. 9o) adotar a numeração ordinal. A partir do de número 10, emprega-se o algarismo arábico correspondente, seguido de ponto-final (art. 10). Os artigos serão designados pela abreviatura "Art." sem traço antes do início do texto. Os textos dos artigos serão iniciados com letra maiúscula e encerrados com ponto-final, exceto quando tiverem incisos, caso em que serão encerrados por dois-pontos.

     

    Manual de Redação Ofícial da Presidência da República

     

    Bons estudos!


ID
120541
Banca
FCC
Órgão
SERGAS
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

A expressão que apresenta um pleonasmo na correspondência é

Alternativas
Comentários
  • pleonasmo é uma redundância (proposital ou não) em uma expressão.reiterar significa: vt Insistir, repetir, renovar: reiterar uma ordemoutra vez: novamente
  • reiterar outra vez seria como "subir pra cima", "descer pra baixo"...
  • Pleonasmo é uma redundância de termos que em certos casos tem emprego legítimo, para conferir à expressão mais vigor, ou clareza. Ex: Vi com estes olhos que a terra há de comer.

    Novo Dicionário Básico da Língua Portuguesa Folha/Aurélio

  • Pleonasmo:  é a repetição de um termo já expreesso ou de uma idéia já sugerida, para fins de clareza.
    Ex: "subir pra cima";
  • REITERAR = Dizer ou fazer outra vez; iterar, renovar, repetir.

    Reiterar já quer dizer outra vez. Então, letra D está ERRADA!
     

  • Alternativa correta, letra "D", de acordo com a definição:
    PLEONASMO
    Substantivo masculino
    1. Rubrica: linguística.
    Redundância de termos no âmbito das palavras, mas de emprego legítimo em certos casos, pois confere maior vigor ao que está sendo expresso (p.ex.: ele via tudo com seus próprios olhos)
    2. Rubrica: linguística.
    Excesso de palavras para emitir enunciado que não chega a ser claramente expresso; circunlóquio, circunlocução
    3. Qualidade do que vai além da suficiência; superfluidade, excesso, inutilidade
  • Pleonasmo

    Pleonasmo é uma figura de linguagem usada para intensificar o significado de um termo através da repetição da própria palavra
    ou da ideia contida nela. A palavra pleonasmo tem origem no latim "pleonasmu" e significa redundância.

     

    Pleonasmo Vicioso
    O pleonasmo vicioso de linguagem é a repetição supérflua da palavra ou da ideia contida nela, são vícios de linguagem. Por exemplo:
    "Entrar para dentro."
    "Sair para fora."
    "A brisa matinal da manhã."

    •  d) reiterar outra vez.

  • Reiterar = reforçar um ponto novamente, citá-lo ou destacar a sua importância repetidamente. 

     

    Se você reitera algo, não há motivo de dizer "outra vez". É o mesmo que dizer subir para cima ou descer para baixo. 

     

    Resposta: D


ID
121768
Banca
FCC
Órgão
TRT - 7ª Região (CE)
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Considere as afirmativas seguintes:

I. O padrão culto da linguagem é estabelecido por seu uso específico nos atos e comunicações oficiais, com preferência por determinadas expressões e formas sintáticas, tendo em vista tratar-se de uma variante da linguagem técnica.
II. Um dos princípios da redação oficial é a impessoalidade na comunicação de determinado assunto, considerando-se que ela é feita em nome do serviço público para um destinatário entendido como público, portanto, também impessoal.
III. A necessidade de se empregar o padrão culto da língua na redação oficial decorre tanto do caráter público dos atos emitidos quanto de sua qualidade, que é informar os cidadãos com clareza e objetividade.

É correto o que se afirma em:

Alternativas
Comentários
  • A I está incorreta. Com isso já se chega à resposta.

    I. O padrão culto da linguagem é estabelecido por seu uso específico nos atos e comunicações oficiais, com preferência por determinadas expressões e formas sintáticas, tendo em vista tratar-se de uma variante da linguagem técnica
     


    Manual de Redação da Presidência da República
    http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/manual/manual.htm

    "A linguagem técnica deve ser empregada apenas em situações que a exijam, sendo de evitar o seu uso indiscriminado."
  • No final do item II, o destinatário necessariamente deve ser impessoal??
    A correspondencia pode ser enviada a um destinatário específico, por exemplo, Presidente da Republica, não??
    Alguem pode me ajudar?
  • Evandro, acredito que mesmo quando queremos enviar uma correspondêcia a uma autoridade, como o presidente da república, não cabe "pessoalidade" e sim impessoalidade, visto que estaremos tratando de interesses públicos. 
    Uma outra visão é que a comunicação, de toda forma, dos atos oficial não requer pessoalidade, portanto, tanto quem emite e tanto quem recebe deve ser impessoal. 

    Acho que é por aí
    Espero ter ajudado
  • Gabarito: D

    A primeira está errada pq nas redações oficiais deve-se EVITAR o uso de jargões e linguagem técnica.

  • Essa questão cobra exatamente uma das facetas do princípio da impessoalidade:

     

    O MRPR ensina que há impessoalidade da pessoa que recebe a comunicação oficial, que pode ser um cidadão (sempre concebido como público) ou outro órgão público. Nos dois casos, temos destinatário concebido de forma homogênea e impessoal.


ID
129244
Banca
MOVENS
Órgão
DNPM
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

De acordo com o Manual de Redação da Presidência da República, assinale a opção correta.

Alternativas
Comentários
  • Letra a ) pegadinha ! Vossa Excelência-pronome de tratamentoExcelentíssimo Senhor, seguido do cargo-VOCATIVO usado para o Presidente da República,do Congresso Nacional e do Presidente do STF.Atenção: O Manual da Câmara dos Deputados determina o vocativo EXCELENTÍSSIMO,para o presidente da Câmara dos Deputados.Letra c certa
  • MANUAL DA PRESIDÊNCIA DA REPUBLICA:O vocativo (NA QUESTÃO ESTÁ INVERTIDO: VOCATIVO E PRONOME DE TRATAMENTO) a ser empregado em comunicações dirigidas aos Chefes de Poder é Excelentíssimo Senhor, seguidodo cargo respectivo:Excelentíssimo Senhor Presidente da República,Excelentíssimo Senhor Presidente do Congresso Nacional,Excelentíssimo Senhor Presidente do Supremo Tribunal Federal.As demais autoridades serão tratadas com o vocativo Senhor, seguido do cargo respectivo:Senhor Senador,Senhor Juiz,Senhor Ministro,Senhor Governador,
  • a) é justamente o inverso.b) não há cordialmente.d) somente para autoridades de mesma hierarquia.e) o princípio da clareza aplica-se a todas as comunicações oficiais.
  • AJUDA:

    não entendi.. na questão 101661 o uso do cordialmente está correto de acordo com o cespe.. se algue´m puder comentar essa questão por favor..

    obrigada.
  • Coelhinha, o uso do fecho "cordialmente" é aceito para documentos semioficiais.

    Ex. Carta
  • FECHOS PARA COMUNICAÇÕES
    a) para autoridades superiores, inclusive o Presidente da República: Respeitosamente,
    b) para atoridades de mesma hierarquia ou de hierarquia inferior: Atenciosamente,
  •  

    a) Para se dirigir ao Presidente da República em uma comunicação oficial, utiliza-se o pronome de tratamento Excelentíssimo Senhor, seguido de "Presidente da República", e o vocativo Vossa Excelência

     

     

    a) Para se dirigir ao Presidente da República em uma comunicação oficial, utiliza-se o vocativo Excelentíssimo Senhor, seguido de "Presidente da República", e o pronome de tratamento Vossa Excelência. Tudo ok Agora

  • A) Errado . Somente o vocativo ( Excelentíssimo senhor ) e o cargo

    B) Errado . Atualmente , nas comunicações oficiais só se admite o uso de duas formas de fecho : Atenciosamente ( para autoridades de mesma hierarquia e hierarquia inferior ) e Respeitosamente ( para autoridades de hierarquia superior )

    C) Certo

    D) Errado . Aviso é uma comunicação entre ministros de estado

    E) Errado . A clareza é um princípio inerente às comunicações oficias , a publicidade não se exaure com sua mera publicação , mas também que o publico alvo possa entender a comunicação

  • A) Para se dirigir ao Presidente da República em uma comunicação oficial, utiliza-se o pronome de tratamento Excelentíssimo Senhor, seguido de "Presidente da República", e o vocativo Vossa Excelência.

    B) Nas comunicações oficiais, são admitidos os fechos atenciosamente, respeitosamente e cordialmente.

    Apenas atenciosamente e respeitosamente são utilizadas como fechos.

    C) O fecho respeitosamente é utilizado para se dirigir a autoridades superiores.

    GABARITO

    D) O aviso é expedido exclusivamente por Ministros de Estado, para autoridades de mesma hierarquia ou inferior.

    O aviso é expedido de Ministros de Estado para Ministros de Estado

    E) O princípio da clareza aplica-se às comunicações oficiais, entretanto, pode-se prescindir dele ao se redigir comunicação confidencial, para que sejam resguardadas informações sigilosas.

    prescindir = dispensar

    Na Redação Oficial nunca se dispensa o uso da linguagem clara.


ID
131428
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
CEHAP-PB
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Instruções para criação e extinção de cargos nas repartições públicas do estado da Paraíba. Com alterações introduzidas pelas resoluções n.º 1.111/2000, 2.222/2000 e 3.333/2000, e pela lei n.º 10.000/2007.

Para que a ementa de resolução acima respeite as normas de redação de documentos oficiais, é necessário

Alternativas
Comentários
  • Letra C.


    Instruções para criação e extinção de cargos nas repartições públicas do Estado da Paraíba. Com alterações introduzidas pelas Resoluções n.º 1.111/2000, 2.222/2000 e 3.333/2000, e pela Lei n.º 10.000/2007.
  • Gabarito: Letra C

    ----------------------------

    Use maiúsculas nos seguintes casos:

    Conceitos políticos importantes – Constituição, Estado (significando uma nação), Federação, União, República, Império, Poder Executivo, Legislativo, Judiciário, Justiça, Direito, Igreja. Obs.: Vão em minúsculas governo federalgoverno estadual e governo municipal.

    ---------------------------

    Leis, normas e tributos quando constituírem nome próprio ou forem consagradas por sua importância – Lei de Informática, Lei de Diretrizes e Bases, Plano Diretor, Lei Afonso Arinos, Imposto de Renda. No entanto, se a lei for conhecida apenas por seu número, use minúscula: lei nº 8.248, decreto nº 3.800, portaria nº 739.

    ---------------------------

    Fonte: https://memoria.rnp.br/guia/estilo/maiusculas.html


ID
131935
Banca
FGV
Órgão
CAERN
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Em relação ao memorando (ou comunicação interna), analise as afirmativas a seguir:

I. Sua principal característica é a agilidade.
II. Quanto à forma, o memorando segue o modelo do padrão ofício, com a diferença de que o seu destinatário deve ser mencionado pelo cargo que ocupa.
III. Tem caráter estritamente administrativo.

Assinale:

Alternativas
Comentários
  • O item III, está errado,visto que, Pode ter caráter meramente administrativo, ou ser empregado para a exposição de projetos, idéias, diretrizes, etc. a serem adotados por determinado setor do serviço público.
  • item III errado:caráter MERAMENTE administrativo
  •  3.4. Memorando

    3.4.1. Definição e Finalidade

    Pode ter caráter meramente administrativo, ou ser empregado para a exposição de projetos, idéias, diretrizes, etc. a serem adotados por determinado setor do serviço público.

            Sua característica principal é a agilidade. ...

    3.4.2. Forma e Estrutura

            Quanto a sua forma, o memorando segue o modelo do padrão ofício, com a diferença de que o seu destinatário deve ser mencionado pelo cargo que ocupa.

  • O item III ficou errado ao desconsiderar outras possibilidades com a palavra: ¨estritamente¨.
  • Não consigo notar grande diferença entre estritamente e meramente...
  • Ao utilizar "estritamente", restringiu-se o memorando ao uso exclusivamente admininstrativo. Porém, "meramente" indica que o memorando pode ser usado simplesmente de maneira administrativa, o que significa que a forma administrativa não é a única possível.
  • O Padrão Ofício: Há três tipos de expedientes que se diferenciam antes pela finalidade do que pela forma: o ofício, o aviso e o memorando. Com o fito de uniformizá-los, pode-se adotar uma diagramação única, que siga o que chamamos de padrão ofício. 
    Aviso e ofício são modalidades de comunicação oficial praticamente idênticas. A única diferença entre eles é que o aviso é expedido exclusivamente por Ministros de Estado, para autoridades de mesma hierarquia, ao passo que o ofício é expedido para e pelas demais autoridades. Ambos têm como finalidade o tratamento de assuntos oficiais pelos órgãos da Administração Pública entre si e, no caso do ofício, também com particulares.
    Já foi questão de prova: "Devem constar do cabeçalho ou do rodapé do ofício as seguintes informações do remetente: – nome do órgão ou setor; – endereço postal; – telefone e endereço de correio eletrônico."
    O memorando é a modalidade de comunicação entre unidades administrativas de um mesmo órgão, que podem estar hierarquicamente em mesmo nível ou em níveis diferentes. Trata-se, portanto, de uma forma de comunicação eminentemente interna. Pode ter caráter meramente administrativo, ou ser empregado para a exposição de projetos, idéias, diretrizes, etc. a serem adotados por determinado setor do serviço público (...) vide comentários dos demais colegas.
  • III. Tem caráter estritamente administrativo.

    Pode ter carater meramente administrativo. A DIFERENÇA ESTÁ AQUI. E UMA POSSIBILIDADE. ELE TER OU NÃO CARATER ADMINISTRATIVO.4
  • (PODE) Tem caráter estritamente administrativo. É UMA POSSÍBILIDADE E NÃO OBRIGAÇÃO......

  • GAB a)

    pra qm n é premium

  • Não concordo , principal caracaterística é ser interno pow ....

  • Questão Desatualizada

    Fonte: http://www4.planalto.gov.br/centrodeestudos/assuntos/manual-de-redacao-da-presidencia-da-republica/manual-de-redacao.pdf [Pag 27]

    5 O padrão ofício

    Até a segunda edição deste Manual, havia três tipos de expedientes que se diferenciavam antes pela finalidade do que pela forma: o ofício, o aviso e o memorando.

    Com o objetivo de uniformizá-los, deve-se adotar nomenclatura e diagramação únicas, que sigam o que chamamos de padrão ofício.

    A distinção básica anterior entre os três era:

    a) aviso: era expedido exclusivamente por Ministros de Estado, para autoridades de mesma hierarquia;

    b) ofício: era expedido para e pelas demais autoridades; e

    c) memorando: era expedido entre unidades administrativas de um mesmo órgão.

    Atenção: Nesta nova edição ficou abolida aquela distinção e passou-se a utilizar o termo ofício nas três hipóteses. A seguir, será apresentada a estrutura do padrão ofício, de acordo com a ordem com que cada elemento aparece no documento oficial. 

  • 04/06/2019

    Errei

    Gab a


ID
131938
Banca
FGV
Órgão
CAERN
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Em relação ao correio eletrônico, analise as afirmativas a seguir:

I. O campo "assunto" deve ser preenchido de modo a facilitar a organização documental tanto do destinatário quanto do remetente.
II. O correio eletrônico, pela sua flexibilidade, pode ser composto com total liberdade de forma e linguagem.
III. Para que a mensagem de correio eletrônico tenha valor documental, é necessário existir certificação digital que ateste a identidade do remetente.

Assinale:

Alternativas
Comentários
  • 8. Correio Eletrônico8.1 Definição e finalidade O correio eletrônico ("e-mail"), por seu baixo custo e celeridade, transformou-se na principal forma de comunicação para transmissão de documentos.8.2. Forma e Estrutura Um dos atrativos de comunicação por correio eletrônico é sua flexibilidade. Assim, não interessa definir forma rígida para sua estrutura. Entretanto, deve-se evitar o uso de linguagem incompatível com uma comunicação oficial (v. 1.2 A Linguagem dos Atos e Comunicações Oficiais). O campo assunto do formulário de correio eletrônico mensagem deve ser preenchido de modo a facilitar a organização documental tanto do destinatário quanto do remetente. Para os arquivos anexados à mensagem deve ser utilizado, preferencialmente, o formato Rich Text. A mensagem que encaminha algum arquivo deve trazer informações mínimas sobre seu conteúdo.. Sempre que disponível, deve-se utilizar recurso de confirmação de leitura. Caso não seja disponível, deve constar da mensagem pedido de confirmação de recebimento.8.3 Valor documental Nos termos da legislação em vigor, para que a mensagem de correio eletrônico tenha valor documental, i. é, para que possa ser aceito como documento original, é necessário existir certificação digital que ateste a identidade do remetente, na forma estabelecida em lei.
  • 8. Correio Eletrônico
    8.1 Definição e finalidade
    O correio eletrônico(“e-mail ”),por seu baixo custo e celeridade, transformou-se na principalforma de comunicação para transmissão de documentos.
    8.2. Forma       _e_   Estrutura
    Um dos atrativos de comunicação por correio eletrônico é sua flexibilidade. Assim, não interessa definir forma rígida para sua estrutura. Entretanto, deve-se evitar o uso de linguagem incompatível comuma comunicação oficial.
    O campo
    assunto do formulário de correio eletrônico mensagem deve ser preenchido de modo afacilitar a organização documental tanto do destinatário quanto do remetente. Para os arquivos anexados à mensagem deve ser utilizado, preferencialmente, o formato
      Rich Text .
    A mensagem que encaminha algum arquivo deve trazer informações mínimas sobre seu conteúdo. Sempre que disponível, deve-se utilizar recurso de confirmação de leitura. Caso não sejadisponível, deve constar da mensagem pedido de confirmação de recebimento.
    8.3 . Valor _documental
     Nos termos da legislação em vigor, para que a mensagem de correio eletrônico tenha
    valor documental , i. é, para que possa ser aceita como documento original, é necessário existir certificação digital 
    que ateste a identidade do remetente, na forma estabelecida em lei.

    FONTE:
    http://pt.scribd.com/doc/3080062/livro-redacao-oficialmacetes
  •  c) se somente as afirmativas I e III estiverem corretas. não tem liberdade de linguagem, esta deve seguir a norma culta

  • Alternativa C

    De fato o campo "assunto" deve ser preenchido de modo a facilitar a organização documental tanto do destinatário quanto do remetente.

    Além disso,

    De acordo com o manual:

    8.3 Valor documental

            Nos termos da legislação em vigor, para que a mensagem de correio eletrônico tenha valor documental, i. é, para que possa ser aceito como documento original, é necessário existir certificação digital que ateste a identidade do remetente, na forma estabelecida em lei. 

  • Letra C.

    O Padrão e a Norma Culta devem ser empregados em todas Correspondências Oficiais. 

  • Assim, não interessa definir forma rígida para sua estrutura. Entretanto, deve-se evitar o uso de linguagem incompatível com uma comunicação oficial


    FORMA =====> FLEXÍVEL

    LINGUAGEM =>CULTA

  •  Complementando (e Atualizando) o comentário dos colegas, conforme Manual de Redação da Presidência da República atualmente em vigor (3ª Edição)

    Fonte (Comentário Abaixo): http://www4.planalto.gov.br/centrodeestudos/assuntos/manual-de-redacao-da-presidencia-da-republica/manual-de-redacao.pdf

    I – CERTA

    6.4.3.1 Campo “Assunto” [pag 46]

    ...O assunto deve ser o mais claro e específico possível, relacionado ao conteúdo global da mensagem. Assim, quem irá receber a mensagem identificará rapidamente do que se trata; quem a envia poderá, posteriormente, localizar a mensagem na caixa do correio eletrônico...”

    Observação: Não encontrei nada em relação à organização documental do destinatário

    II – ERRADA

    6.4.1 Definição e finalidade [pag 46]

    ...Como gênero textual, o e-mail pode ser considerado um documento oficial, assim como o ofício. Portanto, deve-se evitar o uso de linguagem incompatível com uma comunicação oficial….”

    Observação

    ...Um dos atrativos de comunicação por correio eletrônico é sua flexibilidade. Assim, não interessa definir padronização da mensagem comunicada. No entanto, devem-se observar algumas orientações quanto à sua estrutura...”

    III – CERTA

    6.4.2 Valor documental [pag 46]

    ...Nos termos da Medida Provisória nº 2.200-2, de 24 de agosto de 2001, para que o e-mail tenha valor documental, isto é, para que possa ser aceito como documento original, é necessário existir certificação digital que ateste a identidade do remetente, segundo os parâmetros de integridade, autenticidade e validade jurídica da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICPBrasil...”  

  • II- Apesar de sua flexibilidade , o correio eletrônico deve observar as disposições dos documentos oficiais do MPPR


ID
133015
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
MS
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Considerando os seguintes requisitos: "A redação oficial deve
caracterizar-se pela impessoalidade, uso do padrão culto de
linguagem, clareza, concisão, formalidade e uniformidade"
(Manual de Redação da Presidência da República, 2002),
cada um dos itens seguintes apresenta um fragmento de texto que
deve ser julgado certo se atender aos citados requisitos, ou
errado, em caso negativo.

Solicitamos avaliação acerca dos serviços de lavanderia executados ao Hospital Viver Bem para que possamos estar revendo a cada dia nossas práticas e melhorando cada vez mais. Assim, pretendemos encerrar o ano com chave de ouro.

Alternativas
Comentários
  • "chave de ouro" expressão informal.
  • Acredito que além da observação do colega, o uso do pronome pessoal "NÓS" também desqualifica o documento, ferindo o aspecto da impessoalidade.
  • O próprio trecho do Manual de Redação da Presidência da República coloca como caracterizadores de uma Redação Oficial a impessoalidade, nesse texto temos alguns marcadores "pessoais" como o verbo solicitar e pretender na 3ª pessoa, gerundismo que também não é aceito pelo manual e a informalidade do "encerrar o ano com chave de ouro" uma vez que não se usa expressões da língua falada e marcadores de subjetivismo em documentos oficiais.
  • Pode-se usar 3 tipos de pessoas gramaticais em Texto Oficial:

    1. terceira pessoa do singular;
    2. primeira pessoa do plural;
    3. e terceita pessoal do plural.
  • Assim, pretendemos encerrar o ano com chave de ouro... Que linguagem é essa meu Deus!! Acho que o resto está ok, pois todos estão empregados na terceira pessoa plural.
  • na minha opinião existem 2 erros gritantes

    1 - uso de gerundismo "possamos ESTAR REVENDO"

    2 - "encerrar o ano com chave de ouro" , quer falar assim? vai pra um boteco eheh
  • "Solicita-se avaliação dos serviços de lavanderia executados ao Hospital Viver Bem para que se possa rever  as práticas adotasdas e melhorá-las. Assim, pretende-se encerrar o ano com todos os objetivos concluídos."
  • Colegas, o tempo verbal "nós" não fere, por si só, o princípio da impessoalidade, ele pode ser usado (plural de modesta), de qualquer forma além de alguns erros elencados por outros colegas vale citar que fere a concisão a utilização de mais de uma locução verbal no mesmo trecho, e mesmo sendo uma só qualquer locução verbal com mais de 2 verbos. Bons estudos.

  • "possamos estar revendo" é TRISTE!


ID
133018
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
MS
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Considerando os seguintes requisitos: "A redação oficial deve
caracterizar-se pela impessoalidade, uso do padrão culto de
linguagem, clareza, concisão, formalidade e uniformidade"
(Manual de Redação da Presidência da República, 2002),
cada um dos itens seguintes apresenta um fragmento de texto que
deve ser julgado certo se atender aos citados requisitos, ou
errado, em caso negativo.

Tendo em vista o que consta do Processo n.º 1/2009, o período de estágio probatório do servidor Antônio da Silva no Ministério da Saúde encerrou-se dia 31 de outubro do ano corrente. A partir de 1.º de novembro de 2009, ele passou a figurar como efetivo no cargo de analista técnico-administrativo.

Alternativas
Comentários
  • O termo "técnicoadministrativo" foi um erro de digitação do site. Na prova está técnico-administrativo.

  • Correto

     

    O texto atende os requisitos formais citados.

  • Pessoal, erro de pontuação não seria motivo para ferir o padrão culto??? No texto em questão falta colocar entre vírgulas o adjunto adverbial intercalado entre o sujeito e o verbo: "o período de estágio probatório do servidor Antônio da Silva ,no Ministério da Saúde, encerrou-se dia(...)". Alguém concorda comigo?? Alguém tem alguma explicação?
  • QUERER RESPONDER QUESTÃO QUE ENVOLVE DIREITO FEITA POR UM PROF. DE PORTUGUÊS É UMA GRAÇA... KKK
    .
    .
    REPAREM NO TRECHO: "ELE PASSOU A FIGURAR COMO efetivo NO CARGO..."
    .
    O CARGO JÁ ERA EFETIVO DESDE A CRIAÇÃO, O CARGO É QUE É EFETIVO...
    .
    O SERVIDOR. APÓS O ESTÁGIO PROBATÓRIO, PASSOU A SER ESTÁVEL...
    .
    EFETIVIDADE REFERE-SE  AO CARGO...
    .
    ESTABILIDADE  REFERE-SE AO SERVIÇO.....
    .
    .
    CORRIGINDO O TRECHO: "ELE PASSOU A FIGURAR COMO ESTÁVEL NO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL OCUPANDO O CARGO...."
  • marquei errado por causa do "técnicoadministrativo".
  • O correto não seria "Tendo em vista o que consta NO processo..."???
  • Ao constar como primeira citação no texto, o termo "Processo n.º 1/2009" deveria ter sido escrito por extenso: Processo nº 1 de xx de xxxxxx de 2009. Para só então em outra citação ser escrito da forma que traz a questão!!
  • A palavra composta "técnicoadministrativo ", da forma como está escrita, respeita as novas regras de hifenização. Como a prova é de 2010, tanto faz se estava com ou sem hífen, pois ambas as formas eram aceitas no momento da prova.
  • COMO CONSTA NO COMENTÁRIO DE  Gisele Dotto Reginato

    O correto não seria "Tendo em vista o que consta NO processo..."???

    E quanto as vírgulas, tmabém não torna o texto incorreto?

  • CONSTAR:

    .

     

    Verbo transitivo circunstancial.
    6.Ter registro por escrito; ser mencionado:
    Numerosos são os vocábulos que não constam nos dicionários. [Na acepç. 1, é impessoal.]

  • Não vejo a hora de ver uma mensagem dessa! :D

  • em breve  o nome ali será o meu.

  • Marquei ERRADO por achar que o certo seria assim:

    "Tendo em vista o que consta NO Processo n.º 1/2009, o período de estágio probatório do servidor Antônio da Silva, no Ministério da Saúde, encerrou-se dia 31 de outubro do ano corrente. A partir de 1.º de novembro de 2009, ele passou a figurar como efetivo no cargo de analista técnico-administrativo."

    Porém, fazendo uma pesquisa, vi que o VERBO CONSTAR é normalmente um verbo intransitivo e rege a preposição DE.

    No caso das "vírgulas" também achei que caberia, por ser adjunto adverbial. Alguém?

  • No sentido de estar escrito, ambas as construções constar de e constar em são válidas.


ID
133021
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
MS
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Considerando os seguintes requisitos: "A redação oficial deve
caracterizar-se pela impessoalidade, uso do padrão culto de
linguagem, clareza, concisão, formalidade e uniformidade"
(Manual de Redação da Presidência da República, 2002),
cada um dos itens seguintes apresenta um fragmento de texto que
deve ser julgado certo se atender aos citados requisitos, ou
errado, em caso negativo.

Para suprir a demanda de analistas, o Ministério da Saúde realizará concurso público, cujas disposições se encontram em edital. O período de inscrições já está encerrado.

Alternativas
Comentários
  • Redação oficial é a maneira de redigir própria da Administração Pública. Sua finalidadebásica é possibilitar a elaboração de comunicações e normativos oficiais claros e impessoais, pois o objetivo é transmitir a mensagem com eficácia, permitindo entendimento imediato. Considere-se, entretanto, que não há uma forma específica de linguagem administrativa,mas sim qualidades comuns a qualquer bom texto, seja ele oficial ou literário, aplicáveis à redação oficial: clareza, coesão, concisão, correção gramatical. Além disso, merecem destaque algumas características peculiares identificáveis na forma oficial de redigir: formalidade, uniformidade e impessoalidade.
  • Questão correta. O texto em análise atende as condições técnicas já citadas:impessoalidade, uso do padrão culto de
    linguagem, clareza, concisão, formalidade e uniformidade

  • Um exemplo de uma oração relativa explicativa seria, por exemplo, aproveitando outra frase: «Como foi a adaptação aos países árabes, cujos padrões culturais divergem claramente dos nossos?». Neste caso a oração relativa passava a ter função de aposto e a vírgula já era necessária.
    Note-se que esta distinção gramatical, que é muito rigorosa, torna-se por vezes bastante subtil...
  • Informar algo (realizará concurso público) que não tem mais utilidade (o período de inscrições já está encerrado), só desrespeita as normas Éticas.
    Mas se não é um dos requisitos no comando da questão, então está Certo.
  • Segundo o Dicionário Prático de Regência Nominal de Celso Pedro Luft, o substantivo feminino demanda é regido pela preposição de ou por. Portanto, se pode escrever das duas formas: "demanda de analistas" ou "demanda por analistas".
    Fonte: http://www.ciberduvidas.com/perguntas/get/275662
  • Para suprir a demanda de analistas, o Ministério da Saúde realizará concurso público, cujas disposições se encontram em edital. O período de inscrições já está encerrado.

    Fiquei em dúvida quanto ao uso dessa segunda vírgula. Ela está realmente correta? Qual seria a justificativa pro uso dela?
    se alguém que souber poder me avisar no perfil eu agradeço.
  • Acerteeeeeiiiiinem sei o porquê kkkkkkk

    Achei o começo mais coerente marquei C 

    kkkkk

  • Discordo do gabarito! O início diz que o MS realizará concurso ( Futuro) e depois na frase diz que as inscrições já finalizaram (passado). Cadê a coerência????

    GABARITO ERRADO!


ID
133024
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
MS
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Considerando os seguintes requisitos: "A redação oficial deve
caracterizar-se pela impessoalidade, uso do padrão culto de
linguagem, clareza, concisão, formalidade e uniformidade"
(Manual de Redação da Presidência da República, 2002),
cada um dos itens seguintes apresenta um fragmento de texto que
deve ser julgado certo se atender aos citados requisitos, ou
errado, em caso negativo.

O presidente comunica ao Ministro da Saúde que não fará parte da reunião na próxima segunda-feira, tendo em vista que não faz mais parte da Comissão Pró-Vida.

Alternativas
Comentários
  • Segundo o Manual de Redação da Presidência da República não é recomendado orações ambíguas. Nesse caso, não fica claro se é o Presidente ou o Ministro que ficará de fora da reunião.
  • A clareza e a concisão na forma escrita são alcançadas principalmente pela construção
    adequada da frase. Alguns problemas mais freqüentemente encontrados na construção de frases
    dizem respeito à utilização do sujeito da oração como complemento, à ambigüidade da idéia
    expressa, à elaboração de falsos paralelismos e aos erros de comparação.

    Ambigüidade:

    Ambígua é a frase ou oração que pode ser tomada em mais de um sentido. Como a clareza
    é requisito básico de todo texto oficial, deve- se atentar para as construções que possam gerar
    equívocos de compreensão. A ambigüidade decorre, em geral, da dificuldade de identificar-se a que
    palavra se refere um pronome que possui mais de um antecedente na terceira pessoa. Outro tipo de
    ambigüidade decorre da dúvida sobre a que se refere a oração reduzida.
  • Respondi mais na lógica, pois o texto ao se referir ao "Ministro da Saúde" usa iniciais maiúsculas e quando faz referência ao "presidente" usa inicial menúscula.
  • Problema:

     

    Ambiguidade: Não está claro se é o Ministro ou o Presidente quer fará parte da reunião

     

    Não há erro de concordância em  "O presidente comunica ao Ministro da Saúde", em vez de "o Ministro da Saúde", pois a regência do verbo comunicar é igual a do verbo DIZER, ou seja, é VTDI onde a quem se comunica é OI e sobre o que se comunica é OD.

     

    O presidente disse ao Ministro da Saúde. CORRETO. A palavra presidente com começando com minúscula também está correta. O único erro é na ambiguidade mesmo.

  • gente, quando "presidente" é acompanhado do nome do presidente, ou substitui o nome deste, a inicial é maiúscula! (manual do senado). Aqui está o erro da questão, não tem nada ambíguo... é o Presidente que não fará parte da reunião.

  • Para mim o principal erro é não poder dizer que presidente está comunicando. Seria o Presidende da República, ou o Presidente do Senado Federal, ou o Presidente do condominio....

  • O problema é que se refere diretamente ao Ministro da Saúde, sendo assim fere o princípio da impessoalidade de quem recebe a comunicação.
  • Concordo com as observações já feitas pelos colegas e não podemos esquecer que faltaram os pronomes de tratamento previstos no manual da presidência.

    Até.
  • O trecho "que não faz mais parte" não corresponde ao uso do padrão culto de linguagem.
  • os verbos comunicar, perdoar e pagar exigem os complementos objeto direto e objeto indireto, nesta ordem.

  • Alguem me ajude. Não seria: "A Sua Excelência, o presidente, comunica a Vossa Excelência que não fará..."
  • O correto seria: tendo em vista não fazer mais parte...
  • Primeiro, que presidente? Não se sabe que presidente é. Faltou clareza.

    Segundo, conforme o manual de redação do SENADO g) nos nomes que designam altos cargos, dignidades ou postos Exemplos: Papa, Cardeal, Arcebispo, Bispo, Patriarca, Vigário, Vigário-Geral, Presidente da República, Ministro da Educação, Governador do Estado, Embaixador, Almirantado, Secretário de Estado. Observações: Justifica-se o emprego de iniciais maiúsculas em tais nomes pela deferência especial que merecem os ocupantes desses cargos, dignidades ou postos. O emprego não se justifica, entretanto, quando os termos são usados de modo vago ou geral: Sonha ser papa; Candidatou-se a governador do Estado do Pará; Aspira ao cargo de presidente da república; Será promovido a embaixador. No caso de termos compostos, todas as palavras devem ser grafadas com iniciais maiúsculas, exceto as partículas (artigos, preposições, advérbios, conjunções e palavras inflexivas): Capitão-de-Mar-e-Guerra, Consultor-Geral. 

    Nesse caso, se houve deferência a Ministro, também deveria haver em relação ao Presidente, faltando, pois, paralelismo.

  • "presidente" com 'p' minúsculo não dá...


ID
137299
Banca
FGV
Órgão
Senado Federal
Ano
2008
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

As questões de 11 a 14 referem-se ao Manual de
Redação da Presidência da República e ao Manual
de Elaboração de Textos do Senado Federal.


Com base nos manuais citados, analise as afirmativas a seguir:

I. Ao elaborar pronunciamentos, proposições legislativas, pareceres, estudos ou notas técnicas, o consultor há de ter em mente que o texto a redigir deve ser compreendido e aprovado pelo destinatário, mesmo porque resulta, quase sempre, de solicitação por este formulada. Daí a necessidade de uma interação equilibrada e harmoniosa entre a Consultoria e quem lhe solicita o trabalho.

II. Se o uso sistemático de figuras de retórica é admissível nas peças literárias e nos discursos, que amiúde se utilizam de linguagem refinada e grandiloqüente, ele se revela inadequado à redação de textos técnicos e legais, que devem primar pela clareza e objetividade.

III. O princípio constitucional da publicidade, que também rege a feitura das leis, está longe de esgotarse na mera publicação do texto, estendendo-se, ainda, ao alcance delas por todo e qualquer cidadão.

Assinale:

Alternativas
Comentários
  • Compreendido e aprovado pelo destinatário?


  • Questão muito bem redigida. Um abraço para o elaborador.

  • Gabarito letra A

    TODAS ESTÃO CORRETAS

  • Itens totalmente extraídos do Manual de Elaboração de Textos do Senado Federal (página 09):

    Há quem pretenda justificar como particularidade de estilo o uso sistemático de figuras de retórica, de expressões enviesadas e de tantos outros enfeites lingüísticos que normalmente comprometem a clareza do texto e dificultam sua compreensão.

    Se tal uso é admissível nas peças literárias e nos discursos, que amiúde se utilizam de linguagem refinada e grandiloqüente, ele se revela inadequado à redação de textos técnicos e legais, que devem primar pela clareza e objetividade.

    Aliás, o princípio constitucional da publicidade, que também rege a feitura das leis, está longe de esgotar-se na mera publicação do texto, estendendo-se, ainda, ao alcance delas por todo e qualquer cidadão. Logo, ao elaborar pronunciamentos, proposições legislativas, pareceres, estudos ou notas técnicas, o consultor (emissor) há de ter em mente que o texto a redigir (mensagem) deve ser compreendido e aprovado pelo destinatário (receptor), mesmo porque resulta, quase sempre, de solicitação por este formulada. Daí a necessidade de uma interação equilibrada e harmoniosa entre a Consultoria e quem lhe solicita o trabalho. 

  • Como dito, eis reproduções literais do que consta no Manual de Elaboração de Textos do Senado.

    Resposta: A


ID
137302
Banca
FGV
Órgão
Senado Federal
Ano
2008
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

As questões de 11 a 14 referem-se ao Manual de
Redação da Presidência da República e ao Manual
de Elaboração de Textos do Senado Federal.


Com base nos manuais citados, assinale a afirmativa incorreta.

Alternativas
Comentários
  •  No item B) cabe recurso, pois a linguagem técnica ou comum deve ser desaconselhada. Deve usar a linguagem culta e ortografia oficial.

     

  • O item b (É necessário articular a linguagem comum ou técnica para a perfeita compreensão da idéia veiculada no texto) está correto

    Manual de Elaboração de Textos do Senado Federal (pág 10)

    3 Observações relativas a estilo
    ...
    b) precisão, que complementa a clareza e caracteriza-se pela:
         • articulação da linguagem comum ou técnica para a perfeita compreensão da idéia veiculada no texto;
  • MANUAL DE REDAC?A?O DA PRESIDE?NCIA DA REPU?BLICA

    Sec?a?o II Da Articulac?a?o e da Redac?a?o das Leis

    b) expressar a ide?ia, quando repetida no texto, por meio das mesmas palavras, evitando o emprego de
    sinoni?mia com propo?sito meramente estili?stico;

    pág. 120
  • Errado . não é recomendado o emprego de sinonímia com propósito meramente estilístico

  • Texto do Manual de Redação da Presidência da República que justifica o fato do item D ser a alternativa incorreta (certa, portanto).

    PRECISÃO O atributo da precisão complementa a clareza e caracteriza-se por: a) articulação da linguagem comum ou técnica para a perfeita compreensão da ideia veiculada no texto; b) manifestação do pensamento ou da ideia com as mesmas palavras, evitando o emprego de sinonímia com propósito meramente estilístico; e c) escolha de expressão ou palavra que não confira duplo sentido ao texto.

  • Na letra D, o erro está em afirmar que existe a possibilidade de se empregar a sinonímia para propósito meramente estilístico. O Manual sinaliza claramente que isso deve ser evitado e que se deve empregar a própria palavra, optando-se, assim, pela repetição.

    Resposta: D


ID
137305
Banca
FGV
Órgão
Senado Federal
Ano
2008
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

As questões de 11 a 14 referem-se ao Manual de
Redação da Presidência da República e ao Manual
de Elaboração de Textos do Senado Federal.


Contemporaneamente, os fechos para comunicação, com base nos manuais citados, são:

Alternativas
Comentários
  • letra A Manual da presidência da república:O fecho das comunicações oficiais possui, além da finalidade óbvia de arrematar o texto, a de saudar o destinatário. Os modelos para fecho que vinham sendo utilizados foram regulados pela Portaria no 1 do Ministério da Justiça, de 1937, que estabelecia quinze padrões. Com o fito de simplificá-los e uniformizá-los, este Manual estabelece o emprego de somente dois fechos diferentes para todas as modalidades de comunicação oficial:a) para autoridades superiores, inclusive o Presidente da República:Respeitosamente,b) para autoridades de mesma hierarquia ou de hierarquia inferior:Atenciosamente,
  • Gabarito: A

    FECHO:

    Respeitosamente, -> Usa-se para superiores. Sempre se deve usar para o Presidente da República.

    Atenciosamente, -> Para pessoas da mesma hierarquia ou para subordinados.

    Só para complementar: No final deve-se inserir a assinatura e abaixo nome e cargo. Segundo o professor Agostinho Martinho da LFG, se constar somente a assinatura sem a identificação é pq trata-se do Pres. da República, ele pode assinar e não se identificar.

    Bons estudos para nós.
  • A questão considera um termo muito comum e recorrente nas provas de concursos públicos: o fecho para comunicação.
    De acordo com o Manual de Redação Oficial, as formas corretas de fecho adotadas são "Respeitosamente" (para autoridades superiores, inclusive o Presidente da República) e "Atenciosamente" (para autoridades de mesma hierarquia ou de hierarquia inferior). Outras formas de fecho são desconsideradas.


    A alternativa correta é a letra (A).




  • Atenciosamente -> mesma hierarquia ou hierarquia inferior.
    Repeitosamente -> hierarquia superior.

    GABARITO -> [A]


ID
143182
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
MDS
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Na elaboração de textos oficiais, a observância de determinadas
características gerais - tais como objetividade, clareza,
concisão, correção gramatical, impessoalidade, polidez e ausência
de ambiguidade -, além do respeito a particularidades de cada
documento, processo e correspondência afetos à administração
pública, garante a funcionalidade e a adequação do expediente de
um órgão. Acerca do processo de redação de textos oficiais e das
especificidades concernentes aos documentos oficiais, julgue os
itens a seguir.

Senhor Fulano e Prezados Senhores são formas de tratamento adequadas no vocativo de uma ata.

Alternativas
Comentários
  • 2.1.3. Emprego dos Pronomes de Tratamento Como visto, o emprego dos pronomes de tratamento obedece a secular tradição. São de uso consagrado: Vossa Excelência, para as seguintes autoridades: a) do Poder Executivo; Presidente da República; Vice-Presidente da República; Ministros de Estado; Governadores e Vice-Governadores de Estado e do Distrito Federal; Oficiais-Generais das Forças Armadas; Embaixadores; Secretários-Executivos de Ministérios e demais ocupantes de cargos de natureza especial; Secretários de Estado dos Governos Estaduais; Prefeitos Municipais. b) do Poder Legislativo: Deputados Federais e Senadores; Ministro do Tribunal de Contas da União; Deputados Estaduais e Distritais; Conselheiros dos Tribunais de Contas Estaduais; Presidentes das Câmaras Legislativas Municipais. c) do Poder Judiciário: Ministros dos Tribunais Superiores; Membros de Tribunais; Juízes; Auditores da Justiça Militar. O vocativo a ser empregado em comunicações dirigidas aos Chefes de Poder é Excelentíssimo Senhor, seguido do cargo respectivo: Excelentíssimo Senhor Presidente da República, Excelentíssimo Senhor Presidente do Congresso Nacional, Excelentíssimo Senhor Presidente do Supremo Tribunal Federal. As demais autoridades serão tratadas com o vocativo Senhor, seguido do cargo respectivo: Senhor Senador, Senhor Juiz, Senhor Ministro, Senhor Governador, No envelope, o endereçamento das comunicações dirigidas às autoridades tratadas por Vossa Excelência, terá a seguinte forma:A Sua Excelência o SenhorFulano de TalMinistro de Estado da Justiça70.064-900 – Brasília. DF A Sua Excelência o SenhorSenador Fulano de TalSenado Federal70.165-900 – Brasília. DF A Sua Excelência o SenhorFulano de TalJuiz de Direito da 10a Vara CívelRua ABC, no 12301.010-000 – São Paulo. SP Em comunicações oficiais, está abolido o uso do tratamento digníssimo (DD), às autoridades arroladas na lista anterior. A dignidade é pressuposto para que se ocupe qualquer cargo público, sendo desnecessária sua repetida evocação. Vossa Senhoria é empregado para as demais autoridades e para particulares. O vocativo adequado é: Senhor Fulano de Tal, (...) No envelope, deve constar do endereçamento: Ao Senhor Fulano de Tal Rua ABC, no 123 70.123 – Curitiba. PR Como se depreende do exemplo acima, fica dispensado o emprego do superlativo ilustríssimo para as autoridades que recebem o tratamento de Vossa Senhoria e para particulares. É suficiente o uso do pronome de tratamento Senhor.
  • A estrutura da ata é composta de timbre, índice, comunicação e assinatura. Não há vocativo em ata.
  • As características básicas da formatação de atas são:

    * texto completamente contínuo, sem parágrafos ou listas de itens – ou seja, reduzido como se o texto inteiro fosse um único e longo parágrafo;
    * números, valores, datas e outras expressões sempre representados por extenso;
    * sem emprego de abreviaturas ou siglas;
    * sem emendas, rasuras ou uso de corretivo;
    * todos os verbos descritivos de ações da reunião usados no pretérito perfeito do indicativo (disse, declarou, decidiu…);

  • ERRADO !
    Pois ATA não tem vocativo em sua elaboração

  • ERRADO.

    Não há vocativo em ata.

    O vocativo a ser empregado em comunicações dirigidas aos Chefes de Poder é Excelentíssimo Senhor;seguido do cargo respectivo: Excelentíssimo Senhor Presidente da República. Excelentíssimo Senhor Presidente do Congresso Nacional. Excelentíssimo Senhor Presidente do Supremo Tribunal Federal.

    As demais autoridades serão tratadas com o vocativo Senhor, seguido do cargo respectivo:

    Senhor Senador, Senhor Juiz, Senhor Ministro, Senhor Governador.

    Em comunicações oficiais está abolido o uso do tratamento digníssimo (DD), ás autoridades arroladas na lista anterior. A dignidade é pressuposto para que se ocupe qualquer cargo público, sendo desnecessária a sua repetida evocação

    Vossa Senhoria é empregado para autoridades e demais particulares.


ID
143188
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
MDS
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Na elaboração de textos oficiais, a observância de determinadas
características gerais - tais como objetividade, clareza,
concisão, correção gramatical, impessoalidade, polidez e ausência
de ambiguidade -, além do respeito a particularidades de cada
documento, processo e correspondência afetos à administração
pública, garante a funcionalidade e a adequação do expediente de
um órgão. Acerca do processo de redação de textos oficiais e das
especificidades concernentes aos documentos oficiais, julgue os
itens a seguir.

A circular é um tipo de correspondência interna da instituição, cujo objetivo é transmitir rotinas, orientações, procedimentos, esclarecer o conteúdo de leis, normas e regulamentos ou dar publicidade a uma informação, além de regulamentar atos oficiais.

Alternativas
Comentários
  • CIRCULARConceitoCorrespondência de caráter interno da Instituição, expedida simultaneamente a diversosdestinatários, com o objetivo de transmitir rotinas, orientações, procedimentos, esclarecer oconteúdo de leis, normas e regulamentos ou dar publicidade a uma informação. Pode serapresentada sob a forma de ofício-circular, memorando-circular, carta-circular, telegramacircular,conforme a sua finalidade.A circular não deverá ser utilizada para regulamentar atos oficiais como: Norma deServiço, Determinação de ServiçoFonte: http://www.noticias.uff.br/arquivos/manual-atos-oficiais.pdf
  • CIRCULAR
    Correspondência oficial, de  caráter interno, enviada, simultaneamente,  a diversos
    destinatários, com texto idêntico, transmitindo informações, instruções, ordens, recomendações ou
    esclarecendo o conteúdo de leis, normas e regulamentos. 

    acredito que o erro esteja ao citar que a circular regulamenta atos oficiais.
  • A instrução normativa é um documento de organização e
    ordenamento administrativo interno destinado a estabelecer diretrizes,
    normatizar métodos e procedimentos, bem como regulamentar
    matéria específica anteriormente disciplinada, a fim de
    orientar os dirigentes e servidores no desempenho de suas atribuições.
  • "Errado"CIRCULARComunicação oficial, INTERNA OU EXTERNA, expedida para diversas unidades administrativas oudeterminados funcionários.Suas partes componentes são:1. Título (a palavra CIRCULAR), em letras maiúsculas, sigla do órgão que o expede e número, àesquerda da folha.2. Local e data à direita da folha, e por extenso, na mesma linha do título.3. Destinatário, após a palavra Para (com inicial maiúscula).4. Assunto, expressado sinteticamente.5. Texto paragrafado, contendo a exposição do(s) assunto(s) e o objetivo da Circular.6. Fecho de cortesia, seguido do advérbio Atenciosamente.7. Assinatura, nome e cargo da autoridade ou chefia que subscreve a Circular.
  • A circular é uma carta destinada a funcionários de um determinado setor, remetida pelo chefe da repartição ou do departamento. Tem o objetivo de transmitir normas, ordens, avisos, pedidos, ou seja, de delimitar comportamentos e homogeneizar condutas de um grupo de pessoas.
    Tem o nome de circular porque indica a função de divulgar as informações entre todos os destinatários.
    Este documento oficial deve ter:
    1. Timbre (logotipo do órgão, brasão, símbolo do departamento);
    2. Título e número (circular nº 02/2009);
    3. Data (sem a localidade, nome da cidade);
    4. Ementa (síntese do assunto que será abordado no texto);
    5. Vocativo ou invocação com o pronome de tratamento adequado;
    6. Texto (bem explicado e claro);
    7. Despedida breve
    8. Assinatura (sem linha e sobre o nome datilografado, com o cargo de quem assina)
    Ao final da página, caso haja necessidade de um controle maior por parte da administração, pode-se colocar (em letras menores) as iniciais de quem redigiu e de quem digitou a circular.
    Modelo de Circular





                                                                                                                                     


     

     

     

  • "CIRCULAR Comunicação oficial, INTERNA OU EXTERNA, expedida para diversas unidades administrativas ou determinados funcionários." "A circular é destinada a determinado setor". Surgiu a dúvida: é interna ou externa, ou somente interna?
  • Pessoal, vamos focar no erro da questão.

    ERRADO

    "A circular é um tipo de correspondência interna da instituição, cujo objetivo é transmitir rotinas, orientações, procedimentos, esclarecer o conteúdo de leis, normas e regulamentos ou dar publicidade a uma informação, além de regulamentar atos oficiais."

    CERTO

    "A circular é um tipo de correspondência interna da instituição, cujo objetivo é transmitir rotinas, orientações, procedimentos, esclarecer o conteúdo de leis, normas e regulamentos ou dar publicidade a uma informação."


    Estrutura muito típica da CESPE.Descreve perfeitamente um conceito, mas ao chegar no final da frase coloca uma virgula e "avacalha" com a questão inteira, portanto, muita atenção ao fazer as provas dessa banca.


    Bons estudos!
  • Errado.


    A circular é um tipo de correspondência interna da instituição, cujo objetivo é transmitir rotinas, orientações, procedimentos, esclarecer o conteúdo de leis, normas e regulamentos ou dar publicidade a uma informação, além de regulamentar atos oficiais.

    Instrução normativa regulamenta atos oficiais.
  • a cespe é a típica falsiane. muito cuidado sempre!

  • Circular

    Conceito 

    Modalidade de correspondência interna ou externa enviada, simultaneamente, a diversos destinatários, com o objetivo de uniformizar procedimentos em vários órgãos municipais.Transmite informações, ordens e recomendações, assim como esclarece o conteúdo de leis, normas e regulamentos. 

     

     

    Fonte: Manual de Redação Oficial da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro

  • VIVENDO E APRENDENDO.

  • Circular não tem objetivo de regulamentar ato oficial nenhum, pode ser a resolução que trata de matéria regulamentar, além da administrativa, bem como um decreto regulamentar a depender do remetente.

  • Como eu acertei a questão

    Uma coisa serve para um bilhão de outras

    Circular serve para isso , para aquilo ,isso, bla bla bla


ID
143191
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
MDS
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Na elaboração de textos oficiais, a observância de determinadas
características gerais - tais como objetividade, clareza,
concisão, correção gramatical, impessoalidade, polidez e ausência
de ambiguidade -, além do respeito a particularidades de cada
documento, processo e correspondência afetos à administração
pública, garante a funcionalidade e a adequação do expediente de
um órgão. Acerca do processo de redação de textos oficiais e das
especificidades concernentes aos documentos oficiais, julgue os
itens a seguir.

Mensagens de e-mails são geralmente usadas em caráter de urgência e nunca têm valor legal.

Alternativas
Comentários
  •       Nos termos da legislação em vigor, para que a mensagem de correio eletrônico tenha valordocumental, i. é, para que possa ser aceito como documento original, é necessárioexistir certificação digital que ateste a identidade do remetente, na formaestabelecida em lei.
  • 8.4.3 E-MAIL
    É a principal forma utilizada na transmissão de informações,
    em razão de seu baixo custo e da rapidez de sua veiculação.
    Embora cada vez mais difundido, ainda é usado apenas para
    comunicações informais ou oficiais que não requeiram
    confirmação de assinatura, como, por exemplo,  para divulgação
    interna de boletins de órgãos da Câmara dos Deputados (Sumário
    de Periódicos e Livros Novos, do Cedi, Revista  da Casa, da DG,
    entre outros).
    Ao se fazer uso do e-mail, deve-se  preencher sempre o
    campo “Assunto”, pois esse dado é importante para a organização
    das mensagens. Do mesmo modo, quando se anexa um arquivo,
    é regra de cortesia indicar minimamente o seu conteúdo. Leve-se
    em conta, também, que, ao se valer do e-mail como forma de
    envio de informações, ainda que não oficial, deve-se usar da
    linguagem formal que se usaria em qualquer outro documento
    oficial, evitando-se a linguagem descontraída que caracteriza o e-
    mail pessoal.

     

    Fonte: http://www2.camara.gov.br/documentos-e-pesquisa/publicacoes/manualredacao/manualredacao/ManualRedacao.pdf

  • O correio eletrônico, por seu baixo custo e celeridade, transformou-se na principal forma de comunicação para transmissão de documentos. Para que uma mensagem eletrônica possa ser aceita como documento original, é necessário existir certificação digital que ateste a identidade do remetente, na forma estabelecida em lei.  
  • Questão errada, outra ajuda a responder, vejam:

    Prova: CESPE - 2012 - TCE-ES - Auditor de Controle Externo - Conhecimentos Básicos - Todos os Cargos Disciplina: Redação Oficial | Assuntos: Manual de Redação da Presidência da República; Correio Eletrônico; 

    Para que a mensagem de correio eletrônico, cada vez mais empregada no serviço público, tenha valor documental, é necessário existir certificação digital que ateste a identidade do remetente, na forma estabelecida em lei.

    GABARITO: CERTA.


ID
143293
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
TRE-MA
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Quanto à redação oficial, assinale a opção incorreta.

Alternativas
Comentários
  • Item B (Errado) - Na Correspondência oficial, o aviso, semelhante a um ofício, é um expediente exclusivo de ministro de Estado para autoridades de mesma hierarquia.
  • INCORRETA LETRA B

    Aviso e ofício são modalidades de comunicação oficial praticamente idênticas. A única diferença entre eles é que o aviso é expedido exclusivamente por MINISTROS de Estado, para autoridades de mesma hierarquia, ao passo que o ofício é expedido PARA E PELAS DEMAIS AUTORIDADES.
  • Retirado do texto original:

    3.3. Aviso e Ofício
    3.3.1. Definição e Finalidade
    Aviso e ofício são modalidades de comunicação oficial praticamente idênticas. A única diferença entre eles é
    que o aviso é expedido exclusivamente por Ministros de Estado, para autoridades de mesma hierarquia, ao passo que o
    ofício é expedido para e pelas demais autoridades. Ambos têm como finalidade o tratamento de assuntos oficiais pelos
    órgãos da Administração Pública entre si e, no caso do ofício, também com particulares.
  • Aviso e ofício são modalidades de comunicação praticamente idênticas. A única diferença entre eles é que o aviso é expedido exclusivamente por Ministros de Estados, para autoridades de mesma hierarquia, ao passo que o ofício é expedido pelas demais autoridades.
    Ambos têm como finalidade o tratamento de assuntos oficiais pelos órgãos da Administração Pública entre si e, no caso do ofício, também com particulares.

       

  • Se me permitem fazer uma ressalva: o Aviso pode sim ser emitido por Secretário de Estado.

    O erro da questão reside no fato de mencionar que é direcionado às altas autoridades.... sendo que Aviso é de Ministro de Estado pra Ministro de Estado... ou Secretário de Estado pra Secretário de Estado (Mesma hierarquia).

    Eu sei que o trecho diz expressamente "exclusivamente por ministro" , mas secretário de estado tbm pode!! 

    Fonte: aulas da profa. Luciane Sartori - LFG.

    Qqr dúvida, vamos nos falando.

    Abs,

    SH.

    sergio.harger@gmail.com
  • Pessoal,

    Segundo o livro "Fundamentos da Redação Oficial" da Viviane Alves e Glória Moura, o ofício "é sempre um documento externo, dirigido a outros órgãos públicos e a particulares."

    Caso o livro esteja correto em sua afirmação, isso torna a aternativa A incorreta. (Correspondência geralmente externa, o ofício só pode ser expedido por órgão público.)

    A palavra geralmente na alternativa sugere que existem também Ofícios internos.

  • É fato que a letra B está incorreta, por todos os motivos já expostos acima, contudo, a alternativa A também está errada, é de praxe várias empresas, ONGs e tantas outras entidades emitirem oficios, ademais, não encontrei oficialmente em nenhum lugar que só pode ser emitida por orgão público, essa questão merece no mínimo uma análise mais cuidadosa.
  • A apostila do Gran Cursos de 2010 também traz que empresas particulares podem oficiar órgão públicos. Também traz que Juiz pode oficiar outro Juiz mesmo que no mesmo órgão.
  • Apenas para ilustrar:

    -Chefe da Casa Civil
    -Chefe de Gabinete de Segurança Internacional
    -Chefe da Secretaria Geral da Presidência
    -Chefe da Corregedoria Geral da União
    -AGU

    São equiparados aos Ministros de Estado, ou seja, de mesma hieraquia.


     "Deus é a força infinita que permeia os Céus e a Terra"
  • Pessoal, alguém saberia me dizer se essas questões se baseiam em algum manual de correspondência do Poder Judiciário, ou se embasam no manual da Presidência. Caso se enquadre no último, o manual é bem claro em afirmar que o Ofício pode ser expedido internamente.
    Outra coisa: secretário de Estado aqui equivale a Ministro de Estado no manual da Presidência?
  • Tem outra questão do CESPE que fala que um determinado trecho de uma ATA, exemplo.

     As vinte horas do dia dez de Maio de 1997 .... seria o cabeçalho da ata (na minha opinião seria introdução).

    As partes constitutivas de uma ata são as seguintes: introdução; contexto; encerramento; local e data; e assinaturas.

    --> Cadê o tal do cabeçalho?

  • manual de redação da presidência da república

  • A letra A também poderia ser considerada errada, já que muitas instituições não governamentais também emitem Ofício. Mas acredito que a afirmação de "somente órgãos públicos", se faz correta considerando o que diz o "Manual de Redação Oficial da Presidência da República."

    [...] Ambos (Aviso e ofício) têm como finalidade o tratamento de assuntos oficiais pelos órgãos da Administração Pública entre si e, no caso do ofício, também com particulares.


    Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/manual/ManualRedPR2aEd.PDF

  • concordo com a NADLA

     

  • A questão apresenta várias alternativas, e pede que seja marcada a incorreta.

    Ao analisar cada uma delas, percebemos que há um erro de informação sobre o documento oficial denominado "aviso". 

    Segundo o Manual de Redação Oficial, "o aviso é expedido exclusivamente por Ministros de Estado, para autoridades de mesma hierarquia, (...). (...) tem como finalidade o tratamento de assuntos oficiais pelos órgãos da Administração Pública entre si."


    A resposta é a letra B.

  • tamires e nadia, estamso estudando redacao oficial da presidencia, nao importa se empre privada manda, que manda eh a lei.

  • Aviso e ofício são modalidades de comunicação oficial praticamente idênticas. A única diferença entre eles é que o aviso é expedido exclusivamente por Ministros de Estado, para autoridades de mesma hierarquia, ao passo que o ofício é expedido para e pelas demais autoridades. Ambos têm como finalidade o tratamento de assuntos oficiais pelos órgãos da Administração Pública entre si e, no caso do ofício, também com particulares.

  • BIZU PRA NÃO ERRAR MAIS SOBRE AVISO.

    QUEM AVISA, MINISTRO É!!

    AVISO=> EXPEDIDO SEMPRE POR MINISTRO DE ESTADO PARA AUTORIDADE DE MESMA HIERARQUIA

  • Só não entendi a exclusão do memorando, poucas pessoas iriam ler as outras alternativas na hora da prova, se a letra a já estava errada  também.


ID
143464
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
TRE-MA
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Assinale a opção em que o trecho, adaptado da Internet (www.tse.gov.br), está gramaticalmente correto e apropriado para compor um documento oficial.

Alternativas
Comentários
  • LETRA DA)INCORRETA Erro de pontuação, apenas uma vírgula no adjunto adverbial “em terras brasileiras”. Devem ser colocadas as duas ou nenhuma. Observe-se: “Com os primeiros núcleos de povoadores, surgiram, em terras brasileiras, o livre exercício do voto, logo depois...” ou “Com os primeiros núcleos de povoadores, surgiram em terras brasileiras o livre exercício do voto, logo depois...” B)INCORRETA (passavam logo a realizarem votações para eleger os que)= PASSAVAM LOGO A REALIZAR VOTAÇÕESC)INCORRETA (chegavam ao local que deveriam se estabelecer)= CHEGAVAM AO LOCAL EM QUE DEVERIAM SE ESTABELECER, pois quem se estabelece se estabelece “em”; (se metiam)= PROVIDENCIAVAMD)CORRETA Gramaticalmente correta e adequada para compor um texto oficial.E)INCORRETA (que possibilitam a apuração das eleições bem rapidinho -não apropriado para compor um documento oficial)= QUASE QUE DE IMEDIATO.
  • erro da A - 'surgiram em terras brasileiras, o livre exercício do voto," - SURGIU em terras brasileiras, o livre exercício do voto

    erro da B - "passavam logo a realizarem votações para" - passavam logo a realizar votações para"

    erro da C - Quando chegavam ao local que deveriam se estabelecer - Quando chegavam ao local onde deveriam se estabelecer

    erro da E - Os votos eram a princípio depositados em bolas - Os votos eram, a princípio, depositados em bolas (entre vírgulas)

  • O erro da letra E, sem dúvida, é o bem rapidinho. Totalmente impropriado.
  • Hum, inapropriado o comentário acima.
  • Letra D.


    Atende os padrões para se compor um documento oficial.


ID
147517
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
INMETRO
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

O Manual de Redação da Presidência da República engloba no
termo padrão ofício "três tipos de expedientes que se diferenciam
antes pela finalidade do que pela forma: a exposição de motivos,
o aviso e o ofício". Com base nessa informação e nos preceitos
que regem a redação de correspondências oficiais, julgue os itens
subsequentes.

Tanto na exposição de motivos quanto no aviso e no ofício, quando se tratar de comunicação interna, na parte destinada a local e data, o local pode ser abreviado, como nos seguintes exemplos: BSB, 12 de agosto de 2008; SP, 11 de julho de 2008; BH, 15 de maio de 2008.

Alternativas
Comentários
  • Errado

    MANUAL DE REDAÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

    O aviso, o ofício e o memorando devem conter local e data em que foi assinado, por extenso, com alinhamento à direita.
  • Pessoal.......


    MANUAL DE REDAÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

    O aviso, o ofício e o memorando NUNCA, JAMAIS  pode ocorrer abreviaçoes de local, data em documentos oficiais ...

    Nao querendo ser chato!!!! , mas isso nao pode ocorrer e pro nosso bem

    bons estudos e fiquem com Deus

  • Há outro erro, pois nem a exposição de motivos, nem o aviso e nem o ofício são utilizados na comunicação interna como diz a questão. No caso seria o memorando.

    Memorando é a modalidade de comunicação entre unidades administrativas de um mesmo órgão, que podem estar hierarquicamente em mesmo nível ou em nível diferente. Trata-se, portanto, de uma forma de comunicação eminentemente interna.

    Exposição de motivos é o expediente dirigido ao Presidente da República ou ao Vice-Presidente para: a) informá-lo de determinado assunto;        b) propor alguma medida; ou c) submeter a sua consideração projeto de ato normativo.

    Aviso e ofício  Ambos têm como finalidade o tratamento de assuntos oficiais pelos órgãos da Administração Pública entre si e, no caso do ofício, também com particulares. (aviso é entre ministros)

     

  • Parei de ler em "comunicação interna" rs

  • NÃO PODE ABREVIAÇÃO EM LOCAL E DATA.


ID
147520
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
INMETRO
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

O Manual de Redação da Presidência da República engloba no
termo padrão ofício "três tipos de expedientes que se diferenciam
antes pela finalidade do que pela forma: a exposição de motivos,
o aviso e o ofício". Com base nessa informação e nos preceitos
que regem a redação de correspondências oficiais, julgue os itens
subsequentes.

A introdução dos avisos e ofícios que encaminham documentos deve-se iniciar com a informação do motivo da comunicação, seguindo-se os dados completos do documento que está sendo encaminhado, como mostra o exemplo a seguir: Encaminho, anexa, para conhecimento, cópia do Memorando n.º 17, de 25 de abril de 2009, do Departamento de Recursos Humanos, que trata da licença do servidor Fulano de Tal.

Alternativas
Comentários
  • Eu não entendi esta questão.

  • 8.3.7 Ofício

    3. Nos ofícios de cunho judicial devem ser adotadas algumas precauções em relação à observância dos prazos estipulados pela autoridade solicitante da informação ou providência e daqueles que decorrem de previsão legal. Especial atenção deve ser dada aos registros que devem constar do ofício, no âmbito do órgão administrativo, durante a instrução, e, posteriormente, quando esse for encaminhado à esfera judicial solicitante. Assim, sem prejuízo dos elementos comuns a qualquer documento dessa espécie, importante que constem ainda os seguintes dados: número do processo, vara de origem, nome completo do autor e do réu, tipo de ação, dia em que foi protocolizado o ofício, menção expressa a documentos anexos, definição precisa do objeto do pedido, além de todos os elementos fáticos e jurídicos que possam ser deduzidos em defesa do ente público.

    Manual de Redação da Câmara dos Deputados.

  • Já quando se tratar de mero encaminhamento de documentos a estrutura é a seguinte:

    – introdução: deve iniciar com referência ao expediente que solicitou o encaminhamento. Se a remessa do documento não tiver sido solicitada, deve iniciar com a informação do motivo da comunicação, que é encaminhar, indicando a seguir os dados completos do documento encaminhado (tipo, data, origem ou signatário, e assunto de que trata), e a razão pela qual está sendo encaminhado, segundo a seguinte fórmula:

    “Em resposta ao Aviso nº 12, de 1º de fevereiro de 1991, encaminho, anexa, cópia do Ofício nº 34, de 3 de abril de 1990, do Departamento Geral de Administração, que trata da requisição do servidor Fulano de Tal.”

    ou

     “Encaminho, para exame e pronunciamento, a anexa cópia do telegrama no 12, de 1o de fevereiro de 1991, do Presidente da Confederação Nacional de Agricultura, a respeito de projeto de modernização de técnicas agrícolas na região Nordeste.”

    – desenvolvimento: se o autor da comunicação desejar fazer algum comentário a respeito do documento que encaminha, poderá acrescentar parágrafos de desenvolvimento; em caso contrário, não há parágrafos de desenvolvimento em aviso ou ofício de mero encaminhamento.

    MANUAL DE REDAÇÃO OFICIAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

  • Quando se tratar de mero encaminhamento de documentos deve iniciar com referência ao expediente que solicitou o encaminhamento:

    "Em resposta ao Aviso nº 12, de 1º de fevereiro de 1991, encaminho, anexa, cópia do Ofício nº 34, de 3 de abril de 1990, do Departamento Geral de Administração, que trata da requisição do servidor Fulano de Tal."

    Se a remessa do documento não tiver sido solicitada (ENCAMINHO...)

    "Encaminho, para exame e pronunciamento, a anexa cópia do telegrama no 12, de 1o de fevereiro de 1991, do Presidente da Confederação Nacional de Agricultura, a respeito de projeto de modernização de técnicas agrícolas na região Nordeste."

  • Houve atualização do manual nesse intervalo?

    -Banca CESPE - 2009 (Q49171)

    A introdução dos avisos e ofícios que encaminham documentos deve-se iniciar com a informação do motivo da comunicação, seguindo-se os dados completos do documento que está sendo encaminhado, como mostra o exemplo a seguir: Encaminho, anexa, para conhecimento, cópia do Memorando n.º 17, de 25 de abril de 2009, do Departamento de Recursos Humanos, que trata da licença do servidor Fulano de Tal.

    Aqui a banca considera uma questão idêntica CERTA

     

    -Banca CESPE - 2014 (Q434050)

    O trecho a seguir é adequado para introduzir expediente que encaminha documentos solicitados anteriormente por meio de outro expediente: 
          Encaminho, anexa, cópia do Ofício n.º 123, de 12 de agosto de 2014, da Superintendência de Administração e Finanças, que trata da alocação dos servidores recém-admitidos.

    A banca considera essa questão ERRADA

    Explicação do professor: É preciso fazer referência ao documento de requisição do documento anexo que está sendo enviado...

    'Em resposta ao Aviso nº 12, de 1º de fevereiro de 1991, encaminho, anexa, cópia do Ofício nº 34, de 3 de abril de 1990, do Departamento Geral de Administração, que trata da requisição do servidor Fulano de Tal.' ou 'Encaminho, para exame e pronunciamento, a anexa cópia do telegrama no 12, de 1o de fevereiro de 1991, do Presidente da Confederação Nacional de Agricultura, a respeito de projeto de modernização de técnicas agrícolas na região Nordeste.'”

    Como não se iniciou com a indicação do expediente que solicitou encaminhamento, então o trecho está incompleto. 


ID
149992
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
TCE-AC
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Considerando as normas de redação de documentos oficiais, assinale a opção correta.

Alternativas
Comentários
  • ERRO DA D

    O atestado compõe-se de:

    a) Logomarca/Timbre do Órgão ou empresa que fornece o
    atestado.
    b) Título: denominação do ato (atestado).
    c) Texto: Em certos tipos de atestado que impliquem em maior
    responsabilidade, deverá conter nome completo, naturalidade,
    estado civil e domicílio. São perfeitamente dispensáveis, no
    texto do atesto, expressões como “nada sabendo em
    desabono de sua conduta” , “é pessoa do meu conhecimento”
    , etc. , já que só pode atestar quem conhece a pessoa e
    acredita na inexistência de algo que a desabone.
    d) Local data (dia, mês e ano).

    e) Assinatura: nome e função da autoridade que atesta.
  • Acho que todas as questões estão erradas...
    A letra E contém vários erros, de acordo com a apostila de redação oficial que tenho aqui. Ex: no relatório deve conter enumeração d parágrafo, fecho (atenciosamente ou respeitosamente), nome e cargo do signatário, além de que o local e data devem vir no alto e à margem direita da folha...
  • Pessoal, 

    Sobre a "d", dois comentários:

    1) a questão fala do Fecho, hein? então não adianta ficar imaginando como seria o início ou o meio.

    2) reparem na malandragem: "Considerando-se que o nome em fonte cursiva representa a assinatura, atende à correção gramatical e à formatação exigida em um atestado o seguinte fecho de documento:"
    Com isso, o examinador JOGA o erro explicitamente pra gente...  e aí, o que vimos no fecho? Só porque o cara assinou com letra cursiva José da Silva quer dizer que é o nome dele? Não! Pode ser José Atanagildetino da Silva e ele assina apenas José da Silva.

    Enfim, o erro está aí! O fecho do atestado precisa conter:

    - Local e data, alinhados à direita (mais um erro!);
    - Ass (ok)
    - Nome (erro - faltou!)
    - Cargo/identific (ok)



    AGORA VEM O CRÍTICO:

    -> No Relatório, vejo alguns erros:

    - Local e data são no início;
    - Cadê o fecho? "Respeitosamente" , "Atenciosamente" ?? Cadê?
    - Que eu saiba, relatório é a Narração/Descrição, ordenada e/ou minuciosa, daquilo que se viu, ouviu ou observou. Logo, discordo de incluir Sugestão/Recomendação.


    FONTES:
    -> Aula profa. Luciane Sartori - LFG
    -> Manual da PR


    Abs,

    SH.

    sergio.harger@gmail.com
  • a - ERRADA pois oficio começa com a palavra OFICIO ou OF. Padrão do oficio, aviso e memorando = TIPO+NÚMERO DO EXPEDIÊNTE+SIGLA DO ÓRGÃO
    b - ERRADA pela incorreção gramatical que deviria ser "Não será admissível a reinteração de pedidos, salvo se fundada em novas provas.
    c - ERRADA pois faltou clareza, é dificil de entender o que o texto diz.
    d - ERRADO pois o fecho não tem atenciosamente nem respeitosamente, o fecho é o local e data. Também a palavra "declaro" não cabe pois não é sinômo de atestar, poderia ser "certifico".
    e - veja a pegadinha, o texto pede para testar os seguintes itens: correção gramatical, impessoalidade e formalidade.
    Para aqueles que estão se descabelando por causa do fecho, sintam-se felizes pois realmente o fecho está errado (o correto seria respeitosamente ou atensiosamente), porém a questão não perguntou se a PADRONIZAÇÃO estava correta, perguntou apenas pela correção gramatical, impessolidade e formalidade e nestes quesitos a questão está correta.

    CESPE é assim mesmo, atenham-se apenas ao que a questão pediu.

     


ID
151729
Banca
FCC
Órgão
TCE-GO
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Atenção: A questão refere-se ao texto seguinte, do filósofo francês Montaigne, influente pensador do século XVI.

Da moderação

Como se tivéssemos infeccioso o tato, ocorre-nos corromper, se as manusearmos em excesso, as coisas que em si são belas e boas. A virtude pode tornar-se vício se ao seu exercício nos dedicarmos com demasiada avidez e violência. E jogam com as palavras os que dizem não haver excesso na virtude porque não há virtude onde há excesso: “Não é sábio o sábio, nem justo o justo, se seu amor à virtude é exagerado”.

Trata-se de uma sutileza filosófica. Pode-se dedicar imoderado amor à virtude e ser excessivo em uma causa justa. Preconiza o apóstolo São Paulo, a esse respeito, um equilíbrio razoável: “Não sejais mais comportados do que o necessário; ponde alguma sobriedade no bom comportamento”. Vi um dos grandes deste mundo prejudicar a religião por se entregar a práticas religiosas incompatíveis com a sua condição social. Aprecio os caracteres moderados e prudentes: ultrapassar a medida, ainda que no sentido do bem, é coisa que me espanta, se não me incomoda, e a que não sei como chamar. Mais estranha do que justa se me afigura a conduta da mãe de Pausânias, que foi a primeira a denunciá-lo e a contribuir com a primeira pedra para a morte do filho*; nem tampouco aprovo a atitude do ditador Postúmio, mandando matar o filho que, no en- tusiasmo da mocidade, saíra das fileiras para atacar o inimigo, com felicidade, aliás. Não me sinto propenso nem a aconselhar nem a imitar tão bárbara virtude.

Falha o arqueiro que ultrapassa o alvo, da mesma maneira que aquele que não o alcança. Minha vista se perturba se de repente enfrenta uma luz violenta, quando então vejo tão pouco como na mais profunda escuridão.

*Nota: A mãe de Pausânias depositara um tijolo diante do templo de Minerva, onde se refugiara o rei, seu filho. Os lacedemônios, aprovando-lhe o julgamento simbólico, ergueram muros em torno do refúgio e deixaram o prisioneiro morrer de fome.

É preciso corrigir, por falha estrutural, a redação da frase:

Alternativas
Comentários
  • d) Os excessos da prática de uma virtude podem constituir o mesmo defeito do qual, por princípio, se desejaria combater.

    Se combate A algo, e não DE algo. O certo: ... podem constituir o mesmo defeito AO qual se desejaria combater"
  •  Fiquei em dúvida na letra C)

    "Nenhuma das virtudes está imune(...)”

    O correto não seria concordar o “está” com “virtudes” ???

     

    nenhuma das virtudes estão imunes

    alguém pode me tirar essa dúvida????

  • Diogo,

    Se o interrogativo ou indefinido estiver no singular, o verbo também ficará no singular.

  • d) Os excessos da prática de uma virtude podem constituir o mesmo defeito do qual, por princípio,SE desejaria combater.

    O item d está incorreto, pois não se pode iniciar qualquer oração com pronome oblíquo átono.
    Embora esteja no mesmo período, houve uma pausa em razão do uso da vírgula.
  • o que é que essa questão tem a ver com Redação Oficial ?
  • A letra "d" está errada sim. Mas "combater" é verbo transitivo direto e não indireto. O correto seria "o mesmo defeito o qual, por princípio, se desejaria combater".
  • Falha estrutural é compreendida como falta de relação entre os elementos como sujeito, verbo e seus respectivos complementos.
    Ao analisar as orações, percebemos que há uma com problemas com o verbo e seu respectivo complemento: "Os excessos da prática de uma virtude podem constituir o mesmo defeito do qual, por princípio, se desejaria combater".

    Observe que há emprego incorreto do "do qual". A preposição é usada quando a transitividade do verbo é indireta. O verbo "constituir" é transitivo direto. Desta forma, o correto é "o qual".


    A resposta correta é a letra (D).
  • Os excessos da prática de uma virtude podem constituir (VERBO TRANSITIVO DIRETO) o mesmo defeito O qual, por princípio, se desejaria combater.

  • Harmonia sempre, nesse caso, o verbo pode concordar tanto com "NENHUMA" quVIRTUDE. Mesma coisa que grande parte de... Maioria de.... Maior parte das pessoas...


ID
154603
Banca
FGV
Órgão
Senado Federal
Ano
2008
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

As questões de 17 a 20 referem-se ao Manual de Redação da Presidência da República e ao Manual de Elaboração de Textos do Senado Federal.

Com base no Manual de Redação da Presidência da República, analise as afirmativas a seguir:

I. Em comunicações oficiais, está abolido o uso do tratamento "digníssimo". A dignidade é pressuposto para que se ocupe qualquer cargo público, sendo desnecessária sua repetida evocação.
II. Em comunicações oficiais, é correto usar o vocativo "Excelentíssimo Senhor Senador".
III. É recomendável evitar expressões como "Tenho a honra de".

Assinale:

Alternativas
Comentários
  • Resposta letra a)

    O item II está errado pelo fato do Manual de Redação da Presidência da República indicar o seguinte :

    O vocativo a ser empregado em comunicações dirigidas aos Chefes de Poder é Excelentíssimo Senhor, seguido

    do cargo respectivo:

    Excelentíssimo Senhor Presidente da República,
    Excelentíssimo Senhor Presidente do Congresso Nacional,
    Excelentíssimo Senhor Presidente do Supremo Tribunal Federal.

    As demais autoridades serão tratadas com o vocativo Senhor, seguido do cargo respectivo:

    Senhor Senador,
    Senhor Juiz,
    Senhor Ministro,
    Senhor Governador,

  • Segundo o Manual de Redação da Presedência da República:

    I - [CORRETA] Em comunicações oficiais, está abolido o uso do tratamento digníssimo (DD). A dignidade é pressuposto para que se ocupe qualquer cargo público, sendo desnecessária sua repetida evocação.

    II - [ERRADA]
    O vocativo a ser empregado em comunicações dirigidas aos Chefes de Poder é Excelentíssimo Senhor, seguido do cargo respectivo:
    Excelentíssimo Senhor Presidente da República,
    Excelentíssimo Senhor Presidente do Congresso Nacional,
    Excelentíssimo Senhor Presidente do Supremo Tribunal Federal.
    As demais autoridades serão tratadas com o vocativo Senhor, seguido do cargo respectivo:
    Senhor Senador,
    Senhor Juiz,
    Senhor Ministro,
    Senhor Governador.

    III - [CORRETA] Em documentos no padrão ofício, evite o uso das formas: “Tenho a honra de”, “Tenho o prazer de”, “Cumpre-me informar que”, empregue a forma direta.

    Bons estudos!!!
  • E se este Senador for o Presidente do Congresso Nacional? A questão não diz que é, mas também não diz que não é! Dessa forma, é possível o uso do Excelentíssimo. Respondi uma questão aqui em que este uso foi considerado correto pela banca. Me corrijam se meu raciocínio estiver errado...
  • Item II: errado

      Se esse Senador for o Presidente do Congresso Nacional, o vocativo utilizado deverá ser:
              Excelentíssimo Senhor Presidente do Congresso Nacional,
       Se esse Senador NÃO for o Presidente do Congresso Nacional, o vocativo utilizado deverá ser:
            Senhor Senador,
       Em qualquer um dos casos, o item fica errado.

ID
160438
Banca
CESGRANRIO
Órgão
ANP
Ano
2008
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

As sentenças abaixo foram retiradas de documentos oficiais. Em qual delas a concordância está de acordo com a norma culta?

Alternativas
Comentários
  • Para mim, todas estão erradas!

    A) A exposição de motivos ficou meia prejudicada...(meio)
    B) Dado a s recomendações da Comissão de Ética, as licitações serão revistas.(dadas)
    C)É necessário ainda muitos estudos (são)
    D)Segue anexo as cópias (em anexo ou anexadas)
    E) Solicito me que sejam enviadas as publicações o mais recentes possível. Pelo jeito o gabarito é este aqui mesmo!

    Na letra E fiquei com dúvida a respeito do SOLICITO ME (como posso solicitar a mim mesma?), já que O MAIS RECENTES POSSÍVEL está certo!
     
    EX: O  ...POSSÍVEL
           OS...POSSÍVEIS

  • É, Mariana... também acho estranho que o "me" esteja junto ao "solicito"; mas creio que isso seja um exemplo de hipérbato.

    hipérbato
    [Do gr. hyperbatón, pelo lat. hyperbaton.]
    Substantivo masculino.

    1.
    E. Ling. Inversão da ordem natural das palavras ou das orações. Ex.:
    “Do que a terra mais garrida / Teus risonhos, lindos campos têm mais flores” (Osório Duque-Estrada, em Hino Nacional Brasileiro);

    “Não é que o meu o teu sangue / Sangue de maior primor.” (Alexandre Herculano, Poesias, p. 209).
    [I. e., O teu sangue não é de maior primor que o meu.] [Cf. anástrofe e sínquise.]

    A ordem está trocada para confundir, esse "me" pertence ao "sejam": Solicito que me sejam enviadas as publicações o mais recentes possível.
  •  

          O que ocorre na alternativa E é um fenômeno chamado "APOSSÍNCLISE". Isso ocorre quando o pronome oblíco átono fica atraz da palavra atrativa, no caso da questão, a palavra "que".

  • não é "em anexo" é "seguem anexas"

    "a) anexo, incluso, leso: como adjetivos, concordam com o substantivo em gênero e número:

    Anexa à presente Exposição de Motivos, segue minuta de Decreto.

    Vão anexos os pareceres da Consultoria Jurídica.

    Remeto inclusa fotocópia do Decreto.

    Silenciar nesta circunstância seria crime de lesa-pátria (ou de leso-patriotismo)."

    Manual de Redação Oficial da PR

  • PALHAÇADA, ISSO SIM !!!!!!!
  • A palavra “anexo” indica que algo está ligado, ajuntado. E, neste caso, terá função de adjetivo, ou seja, concordará com o substantivo que o acompanha. Veja:

    a) O documento está anexo.
    b) As cópias estão anexas.
    c) Envio carta anexa.

    Há, em contrapartida, o uso de estruturas, tais como:

    a) Segue em anexo.
    b) Seguem em anexo, as planilhas de produção mensal.

    Neste caso, observamos que existe uma vontade por parte do interlocutor de expressar o modo pelo qual algo está sendo enviado. Não podemos dizer que a expressão está errada, pois o verbo “segue” está sendo complementado por uma locução adverbial de modo.


    Por Sabrina Vilarinho
    Graduada em Letras
    Equipe Brasil Escola

  • Não entendi  "Solicito me que sejam enviadas as publicações o mais recentes possível" 

    esse recentes concorda com publicações e o "o"? af, que confusão!!

    alguém pode me ajudar?
  • Cruz credo!
    Ai, ai...mas eu não vou desistir.

  • Pessoal, o gabarito está correto, apenas por um motivo: foi digitado no QC errado.
    Na prova está assim escrita a questão: "Solicito que me sejam enviadas ..."

    O me é de sejam e o que é uma partícula atrativa, portanto, fica logo APÓS o que.
  • Alguém pode me confirmar se essa questão foi anulada? PQ se não foi, deveria!!


    A letra e está errada tb.


    publicações recentes: adjetivo

    publicação o mais RECENTE possível: advérbio (então é obrigatório estar no singular).


  • So Jesus na causa....questao bizarra.

  • Segundo os comentários de um material do Estratégia Concursos com essa questão:

    Comentário: As correspondências oficiais são marcadas pelo padrão culto da língua, o qual respeita as regras da gramática formal. A obediência aos cânones gramaticais é encontrada na assertiva E. Na alternativa, houve respeito à sintaxe de colocação (o pronome oblíquo “me” foi anteposto ao verbo “ser” em virtude do pronome relativo “que”) e à de concordância (o verbo “ser” concordou, corretamente, com seu sujeito “as publicações”).


  • Engraçado!! para mim não soou estranho " Solicito que me sejam"... mas sim " O MAIS RECENTES POSSÍVEL".. Alguém poderia explicar melhor porque está certo!!! 

    O certo para mim seria: ... " o mais recente possível"...:(

  • "AS FÉRIAS ESTÃO O MAIS ANIMADAS POSSÍVEL" ======>>>>>> FÉRIAS ANIMADAS

    "..."  PUBLICAÇÕES RECENTES

  • a alternativa d faltou a preposição "em"...para estar correta....o correto seria segue em anexo.

  • "As correspondências oficiais são marcadas pelo padrão culto da língua, o qual respeita as regras da gramática formal. A obediência aos cânones gramaticais é encontrada na assertiva E.

    Na alternativa, houve respeito à sintaxe de colocação (o pronome oblíquo “me” foi anteposto ao verbo “ser” em virtude do pronome relativo “que”) e à de concordância (o verbo “ser” concordou, corretamente, com seu sujeito “as publicações”)".Gabarito: E. Prof. Fabiano Sales - Estratégia Concursos.


ID
161884
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
DPU
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Considerando as normas de redação oficial, assinale a opção correta.

Alternativas
Comentários
  • Letra C - Correta

    MANUAL DE REDAÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA
    1.1. A Impessoalidade

           O tratamento impessoal que deve ser dado aos assuntos que constam das comunicações oficiais decorre:
           a) da ausência de impressões individuais de quem comunica;
           b) da impessoalidade de quem recebe a comunicação, com duas possibilidades;
           c) do caráter impessoal do próprio assunto tratado: se o universo temático das comunicações oficiais se restringe a questões que dizem respeito ao interesse público, é natural que não cabe qualquer tom particular ou pessoal.
            Desta forma, não há lugar na redação oficial para impressões pessoais, como as que, por exemplo, constam de uma carta a um amigo, ou de um artigo assinado de jornal, ou mesmo de um texto literário. A redação oficial deve ser isenta da interferência da individualidade que a elabora.
  • Para que a letra B fique correta é só trocar a palavra remetente por destinatário, ou seja: "A redação de um documento oficial deve visar primordialmente o entendimento da mensagem pelo seu destinatário, para quem, de fato, ela é importante.
  • a) O uso do padrão culto da língua deve ser evitado nas redações oficiais, pois dificulta o entendimento dos textos por parte da população em geral.

    b) A redação de um documento oficial deve visar primordialmente o entendimento da mensagem pelo seu remetente destinatário, para quem, de fato, ela é importante.

    c) O registro de impressões pessoais nas comunicações oficiais não deve ocorrer, ainda que o expediente apresente signatário e destinatário identificados nominalmente.

    d) Como forma de uniformizar as comunicações oficiais, emprega-se o mesmo vocativo em todas elas, independentemente de seu destinatário.

    e) Todos os expedientes oficiais devem seguir a mesma diagramação.

  • A questão pede que seja marcada a alternativa referente às normas de redação oficial.
    Em (A) o correto é considerar o padrão culto como meio para produzir os documentos oficiais, pois a linguagem e a sintaxe corretas são consideradas no processo de compreensão do texto, junto com objetividade, clareza, entre outras características.
    Em (B) o entendimento da mensagem deve ser feito pelo destinatário.
    Em (D) há diferentes formas de vocativo, segundo o Manual de Redação Oficial, sendo usados para cada autoridade correspondente.
    Em (E) os únicos expedientes que têm a mesma diagramação são aviso, ofício e memorando.



    A resposta correta é a letra (C).




  • IMPRESSÕES PESSOAS E REDAÇÃO OFICIAL ( impessoal) NÃO COMBINAM.

     

    gabarito ''C''


ID
164053
Banca
FCC
Órgão
Banco do Brasil
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

A respeito dos padrões de redação de um ofício, é INCORRETO afirmar que:

Alternativas
Comentários
  • LETRA C

    Fechos para Comunicações

    O fecho das comunicações oficiais possui, além da finalidade óbvia de arrematar o texto, a de saudar o destinatário. Os quinze modelos que vinham sendo utilizados foram simplificados para somente dois fechos diferentes para todas as modalidades de comunicação oficial:

    a) para autoridades superiores, inclusive o Presidente da República:
                       Respeitosamente, 

    b) para autoridades de mesma hierarquia ou de hierarquia inferior:
                       Atenciosamente,

  • Muito legal esse site: http://www.fontedosaber.com/portugues/redacao-oficial---dicas-e-macetes.html
  • Reparem na alternativa "c". A frase que está em negrito é incorreta, pois não se adimite um artigo antes de nomes de tratamentos.
  • Bruno, antes do pronome de tratamento nao existe artigo e sim preposição. Na verdade o erro não é esse.
    O desfecho das redações em modelo Ofício são: Atenciosamente ou Respeitosamente. Por isso a alternativa está errada.
    .
    Um outra coisa que está errada, a meu ver,  é que tudo bem que a polidez seja uma virtude dos textos oficiais, contudo usar abreviação nao é indicado... se nao me engano não seria nem correto, ou seja, polidez e abriviaturas não devem andar juntos!!!
    .
    De toda sorte no fecho tb nao vai Vocativo... simplesmente se escreve Atenciosamente ou Respeitosamente.
    .
    Vale lembra que se o presidente da República escreve a um prefeito de um município qq escreverá ATENCIOSAMENTE pq os dois são chefes do executivo e portanto tem a mesma hierarquia. Errei isso em uma prova e nunca mais vou esquecer!!! ehheheehheheheh.
  • A expressão empregada na alternativa (E) é de cunho pessoal, deixando a linguagem subjetiva, o que não cabe a uma correspondência oficial. Veja o que diz o MRPR:
    "Desta forma, não há lugar na redação oficial para impressões pessoais, como as que, por exemplo, constam de uma carta a um amigo, ou de um artigo assinado de jornal, ou mesmo de um texto literário. A redação oficial deve ser isenta da interferência da individualidade que a elabora.
    Assim, devemos empregar uma linguagem objetiva.
    Sucesso a todos!!!
  • A letra C está incorreta, senão vejamos:

     Fechos para Comunicações

      O fecho das comunicações oficiais possui, além da finalidade óbvia de arrematar o texto, a de saudar o destinatário. Os modelos para fecho que vinham sendo utilizados foram regulados pela Portaria no 1 do Ministério da Justiça, de 1937, que estabelecia quinze padrões. Com o fito de simplificá-los e uniformizá-los, este Manual estabelece o emprego de somente dois fechos diferentes para todas as modalidades de comunicação oficial:

      a) para autoridades superiores, inclusive o Presidente da República:

      Respeitosamente,

      b) para autoridades de mesma hierarquia ou de hierarquia inferior:

      Atenciosamente,

      Ficam excluídas dessa fórmula as comunicações dirigidas a autoridades estrangeiras, que atendem a rito e tradição próprios, devidamente disciplinados no Manual de Redação do Ministério das Relações Exteriores.

    "Item 2.2 do Manual De Redação Da Presidência da República"

  • A questão pede que seja marcada a alternativa errada referente à redação de um ofício.
    As alternativas se resumem ao assunto e às partes que constituem o documento. Ao analisar todas verificamos que há erro quanto à afirmação sobre o fecho: são usados apenas "Respeitosamente" ou "Atenciosamente".


    A resposta correta é a letra (C).

  •  

    A questão pede que seja marcada a alternativa errada referente à redação de um ofício.
    As alternativas se resumem ao assunto e às partes que constituem o documento. Ao analisar todas verificamos que há erro quanto à afirmação sobre o fecho: são usados apenas "Respeitosamente" ou "Atenciosamente".


    A resposta correta é a letra (C).

     

    Fonte QC

  • A INCORRETA É A LETRA "C"


ID
164290
Banca
FGV
Órgão
CODESP-SP
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Com base no Manual de Redação da Presidência da República, devem constar do cabeçalho ou do rodapé do ofício as seguintes informações do remetente:

I. nome do órgão ou setor;

II. endereço postal;

III. telefone e endereço de correio eletrônico.

Analise os itens acima e assinale

Alternativas
Comentários
  • 3.3.2. Forma e Estrutura Quanto a sua forma, aviso e ofício seguem o modelo do padrão ofício, com acréscimo do vocativo, que invoca o destinatário (v. 2.1 Pronomes de Tratamento), seguido de vírgula. Exemplos:Excelentíssimo Senhor Presidente da RepúblicaSenhora MinistraSenhor Chefe de Gabinete Devem constar do cabeçalho ou do rodapé do ofício as seguintes informações do remetente: – nome do órgão ou setor; – endereço postal; – telefone e endereço de correio eletrônico.
  • Segue minha colaboração de um modelo de ofício padrão: Bons estudos !!

    -------------------------------------------------

    Of. n.º 15/02 Brasília (DF), 25 de março de 2002.



    Ref.: Expedição à ilha da Coroa Vermelha




    Excelentíssimo Senhor Comandante,





    Tendo em vista que nossa associação pretende realizar expedição radioamadorística à ilha da Coroa Vermelha, da jurisdição desse distrito naval, solicitamos-lhe a especial fineza de autorizar nosso desembarque e permanência naquela ilha. Seguem os dados do empreendimento:


    · Período: de 17 a 19 de maio de 2002.
    · Número de operadores: três.
    · Transporte: traineira "Teixeira de Freitas", baseada no porto de Caravelas (BA).
    · Estações a serem instaladas: duas.
    · Abrigo:
    - das estações - Barraca militar cedida pelo Comando Militar do Planalto, do Exército Brasileiro.
    - dos operadores - Três barracas do tipo canadense.

    2. Informamos-lhe ainda que os indicativos de chamada das estações já foram requeridos junto à ANATEL. Estamos a seu dispor para mais informações, se necessário.


    3. Na expectativa de resposta favorável, subscrevemo-nos


    Atenciosamente,







    PAULO ANTONIO OUTEIRO HERNANDES
    Secretário



    Ex.mo Sr. Vice-Almirante
    JOSÉ DA SILVA PEREIRA
    DD. Comandante do 2.º Distrito Naval
    Rua Conceição da Praia, 335
    40015-250 - Salvador (BA)


     

  • 3.3.2. Forma e Estrutura

    Quanto a sua forma, aviso e ofício seguem o modelo do padrão ofício, com acréscimo do vocativo, que invoca o destinatário (v. 2.1 Pronomes de Tratamento), seguido de vírgula.

    Exemplos:

    Excelentíssimo Senhor Presidente da República

    Senhora Ministra

    Senhor Chefe de Gabinete

    Devem constar do cabeçalho ou do rodapé do ofício as seguintes informações do remetente:

    – nome do órgão ou setor;

    – endereço postal;

    – telefone e endereço de correio eletrônico.


ID
164293
Banca
FGV
Órgão
CODESP-SP
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Com base no Manual de Redação da Presidência da República, analise as afirmativas a seguir:

I. O padrão culto nada tem contra a simplicidade de expressão, desde que não seja confundida com pobreza de expressão. De nenhuma forma o uso do padrão culto implica emprego de linguagem rebuscada.

II. Não existe propriamente um "padrão oficial de linguagem"; o que há é o uso do padrão culto nos atos e comunicações oficiais. O jargão burocrático, como todo jargão, deve ser evitado, pois terá sempre sua compreensão limitada.

III. A linguagem técnica deve ser empregada apenas em situações que a exijam, sendo de evitar o seu uso indiscriminado. Certos rebuscamentos acadêmicos, e mesmo o vocabulário próprio a determinada área, são de difícil entendimento por quem não esteja com eles familiarizado. Deve-se ter o cuidado, portanto, de explicitá-los em comunicações encaminhadas a outros órgãos da administração e em expedientes dirigidos aos cidadãos.

Assinale

Alternativas
Comentários
  • Resposta c)

    I- Lembre-se que o padrão culto nada tem contra a simplicidade de expressão, desde que não seja confundida
    com pobreza de expressão. De nenhuma forma o uso do padrão culto implica emprego de linguagem rebuscada, nem
    dos contorcionismos sintáticos e figuras de linguagem próprios da língua literária.

    II- Pode-se concluir, então, que não existe propriamente um “padrão oficial de linguagem”; o que há é o uso do
    padrão culto nos atos e comunicações oficiais. É claro que haverá preferência pelo uso de determinadas expressões, ou
    será obedecida certa tradição no emprego das formas sintáticas, mas isso não implica, necessariamente, que se consagre
    a utilização de uma forma de linguagem burocrática. O jargão burocrático, como todo jargão, deve ser evitado, pois
    terá sempre sua compreensão limitada.

    III- A linguagem técnica deve ser empregada apenas em situações que a exijam, sendo de evitar o seu uso
    indiscriminado. Certos rebuscamentos acadêmicos, e mesmo o vocabulário próprio a determinada área, são de difícil
    entendimento por quem não esteja com eles familiarizado. Deve-se ter o cuidado, portanto, de explicitá-los em
    comunicações encaminhadas a outros órgãos da administração e em expedientes dirigidos aos cidadãos.

    Manual de Redação Oficial da Presidência da República

  • Cópia literal do Manual de Redação:

    I - Tópico: 1.2. A Linguagem dos Atos e Comunicações Oficiais
    Lembre-se que o padrão culto nada tem contra a simplicidade de expressão, desde que não seja confundida com pobreza de expressão. De nenhuma forma o uso do padrão culto implica emprego de linguagem rebuscada, nem dos contorcionismos sintáticos e figuras de linguagem próprios da língua literária.

    II - Tópico: 1.2. A Linguagem dos Atos e Comunicações Oficiais
    Pode-se concluir, então, que não existe propriamente um "padrão oficial de linguagem"; o que há é o uso do padrão culto nos atos e comunicações oficiais. É claro que haverá preferência pelo uso de determinadas expressões, ou será obedecida certa tradição no emprego das formas sintáticas, mas isso não implica, necessariamente, que se consagre a utilização de uma forma de linguagem burocrática. O jargão burocrático, como todo jargão, deve ser evitado, pois terá sempre sua compreensão limitada.

    III - Tópico: 1.2. A Linguagem dos Atos e Comunicações Oficiais
    A linguagem técnica deve ser empregada apenas em situações que a exijam, sendo de evitar o seu uso indiscriminado. Certos rebuscamentos acadêmicos, e mesmo o vocabulário próprio a determinada área, são de difícil entendimento por quem não esteja com eles familiarizado. Deve-se ter o cuidado, portanto, de explicitá-los em comunicações encaminhadas a outros órgãos da administração e em expedientes dirigidos aos cidadãos.

    Todas as alternativas estão corretas!
  • linguagem técnica deve ser empregada apenas em situações que a exijam, sendo de evitar o seu uso indiscriminado. Certos rebuscamentos acadêmicos, e mesmo o vocabulário próprio a determinada área, são de difícil entendimento por quem não esteja com eles familiarizado.

     

     Deve-se ter o cuidado, portanto, de explicitá-los em comunicações encaminhadas a outros órgãos da administração e em expedientes dirigidos aoscidadãos

     

    Portanto, o emprego imotivado (arbitrário, não se justifica) de linguagem técnica deve ser evitado em correspondências oficiais.

     

     

    A necessidade de empregar determinado nível de linguagem nos atos e expedientes oficiais decorre, de um lado, do próprio caráter público desses atos e comunicações; de outro, de sua finalidade. Os atos oficiais,  aqui entendidos como atos de caráter normativo, ou estabelecem regras para a conduta dos cidadãos, ou regulam o funcionamento dos órgãos públicos, o que só é alcançado se em sua elaboração for empregada a linguagem adequada. O mesmo se dá com os expedientes oficiais, cuja finalidade precípua é a de informar com clareza e objetividade.

     

    As comunicações que partem dos órgãos públicos federais devem ser compreendidas por todo e qualquer cidadão brasileiro. Para atingir esse objetivo, há que evitar o uso de uma linguagem restrita a determinados grupos. Não há dúvida que um texto marcado por expressões de circulação restrita, como a gíria, os regionalismos vocabulares ou o jargão técnico, tem sua compreensão dificultada.


ID
165187
Banca
PUC-PR
Órgão
COPEL
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Leia o fragmento de texto a seguir, extraído do
Manual de Redação da Presidência da República,
Parte I, cap. I, 2002, e responda às questões 19 e 20.

"O QUE É REDAÇÃO OFICIAL


Em uma frase, pode-se dizer que redação oficial é a
maneira pela qual o Poder Público redige atos normativos
e comunicações. Interessa-nos tratá-la do ponto de vista
do Poder Executivo.
A redação oficial deve caracterizar-se pela
impessoalidade, uso do padrão culto de linguagem,
clareza, concisão, formalidade e uniformidade.
Fundamentalmente esses atributos decorrem da
Constituição, que dispõe, no artigo 37: "A administração
pública direta, indireta ou fundacional, de qualquer dos
Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos
Municípios obedecerá aos princípios de legalidade,
impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência
(...)". Sendo a publicidade e a impessoalidade princípios
fundamentais de toda administração pública, claro está
que devem igualmente nortear a elaboração dos atos e
comunicações oficiais.
Não se concebe que um ato normativo de qualquer
natureza seja redigido de forma obscura, que dificulte ou
impossibilite sua compreensão. A transparência do
sentido dos atos normativos, bem como sua
inteligibilidade, são requisitos do próprio Estado de
Direito: é inaceitável que um texto legal não seja
entendido pelos cidadãos. A publicidade implica, pois,
necessariamente, clareza e concisão."

Fonte: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/manual/manual.htm. Acesso:
10/11/09.

Segundo o texto:

Alternativas
Comentários
  • A questao nao definiu o que assinalar se falsa ou verdadeira
  • LETRA A!

    A redação oficial é caracterizada pela impessoalidade, uso do padrão culto de linguagem, clareza, concisão, formalidade e uniformidade. Esses mesmos princípios aplicam-se às comunicações oficiais: elas devem sempre permitir uma única interpretação e ser estritamente impessoais e uniformes, o que exige o uso de certo nível de linguagem.                  
     IMPESSOALIDADE
    Evitar impressões subjetivas
    Evitar expressões individualizantes
    CLAREZA
    Evitar ambigüidades e imcompreenssões

ID
171391
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
DPU
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Com relação à estrutura de textos oficiais, assinale a opção correta.

Alternativas
Comentários
  • a) Símbolos, siglas e abreviaturas são proibidos em textos oficiais.  ERRADO - os símbolos são permitidos, tanto que segundo o Manual da Presidência da República: " para símbolos não existentes na fonte Times New Roman poder-se-á utilizar as fontes Symbol e Wingdings"  - quanto ás siglas:   "usar apenas siglas consagradas pelo uso, observado o princípio de que a primeira referência no texto seja acompanhada de explicitação de seu significado;"

    b) Fechos como Sem mais para o momento e Na expectativa de seu pronunciamento, subscrevemo-nos são, atualmente, adequados apenas para determinados tipos de expediente. ERRADO - Para autoridades superiores, inclusive Presidente da Rep = Respeitosamente e para autoridades de mesma hierarquia ou inferior = Atenciosamente.

    c) Os pronomes de tratamento Vossa Excelência e Vossa Senhoria devem ser usados, respectivamente, para chefes de Estado e juízes.  ERRADO - os pronomes de tratamento para Ministros de Estado e JUízes = Vossa Excelência

    d) Períodos longos e redigidos na ordem indireta interferem de forma negativa na boa estruturação textual de documentos oficiais. CORRETO

    e) Se o redator de um expediente oficial escreve obedecendo a uma sequência lógica de raciocínio e fazendo o encadeamento das ideias, a revisão do texto é dispensável. ERRADO - a revisão é indispensável em qualquer caso

  • Alguém poderia esclarecer uma dúvida?

    Eu estudei que para Juiz o pronome de tratamento adequado é Vossa Senhoria = Senhor Juiz, diferente do que está na questão e que a "Verônica" postou, que é Vossa Excelência.

    Por favor, se alguém puder esclarecer, agradeço.

  • Vossa Excelência, para as seguintes autoridades:

    a) do Poder Executivo;

    Presidente da República;

    Vice-Presidente da República;

    Ministros de Estado;

    Governadores e Vice-Governadores de Estado e do Distrito Federal;

    Oficiais-Generais das Forças Armadas;

    Embaixadores;

    Secretários-Executivos de Ministérios e demais ocupantes de cargos de natureza especial;

    Secretários de Estado dos Governos Estaduais;

    Prefeitos Municipais.

    b) do Poder Legislativo:

    Deputados Federais e Senadores;

    Ministro do Tribunal de Contas da União;

    Deputados Estaduais e Distritais;

    Conselheiros dos Tribunais de Contas Estaduais;

    Presidentes das Câmaras Legislativas Municipais.

    c) do Poder Judiciário:

    Ministros dos Tribunais Superiores;

    Membros de Tribunais;

    Juízes;

    Auditores da Justiça Militar.

    Manual de Redação no poento 2.1
     

  • Pronome de tratamento para Juiz:  "Vossa Excelência" (tratamento usado no corpo da redação).

    Vocativo para Juiz: Senhor Juiz (a quem se dirige no início da redação).

    Ao senhor Juiz Fulano de tal...

    Comunicamos a Vossa Excelência que...

     

  • Vossa/ sua senhoria é usado para particulares , servidores chefes.
    Vossa: com quem se fala.
    Sua: de quem se fala.
  • Conforme no Manual de Redação da Presidência da República

    chefes do poder -> Excelentíssimo senhor
    poder executivo, legislativo e judiciário -> Vossa Excelência
    demais autoridades (inclusive particulares) -> Senhor
  • A questão apresenta diferentes alternativas.
    Em (A) as siglas e abreviaturas não são proibidas, vide exemplos no Manual de Redação Oficial.
    Em (B) os fechos estão incorretos, pois os fechos para comunicações são "Respeitosamente" e "Atenciosamente".
    Em (C) o Vossa Excelência deve ser usado para juízes e chefes de Estado.
    Em (E) a revisão do texto é importante para qualquer texto oficial, para evitar textos que possam ser interpretados erroneamente.


    A resposta correta é a letra (D).


  • Gabarito letra D. Períodos longos e redigidos na ordem indireta ferem o princípio da concisão e clareza. Períodos longos ferem o princípio da economicidade. Inversões e contorcionismos sintáticos não são aceitos pelas comunicações oficiais.
    A - Símbolos, Siglas e Abreviaturas não são proibidos, desde que sejam explicitados.
    B- Fechos como SEM MAIS PARA O MOMENTO, NA EXPECTATIVA DE SEU PRONUNCIAMENTO, SUBSCREVEMO-NOS são jargões arcaicos e que são proibidos pelas comunicações oficiais.
    C - Pronomes de Tratamento Vossa Excelência (para Chefes de Poder e MEMBROS de poder - juiz é membro de poder - agente político), Vossa senhoria é tratamento dado ao particular.
    E - Mesmo que a comunicação oficial seja escrita obedecendo uma sequência lógica de raciocínio e fazendo o encadeamento das ideias, a revisão textual é INdispensável para garantir ausência de subjetivismos, verificar se houve correta diagramação, uso do padrão culto de linguagem, se houve mesmo concisão e clareza e uniformidade e formalidades corretas!


ID
174475
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
AGU
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Sobre a redação de textos oficiais, julgue o próximo item.

Entre as autoridades tratadas por Vossa Excelência, estão o presidente da República, os ministros de Estado e os juízes.

Alternativas
Comentários
  • Vossa Excelência (V. Ex.ª): Para o presidente da República, senadores da República, ministros de Estado, governadores, deputados federais e estaduais, prefeitos, embaixadores, cônsules, chefes das Casas Civis e Militares. Somente o presidente da república usa o pronome de tratamento por extenso, nunca abreviado.

    Vossa Excelência (V. Ex.ª): para Magistrados (Juízes de Direito, do Trabalho, Federais, Militar e Eleitoral), Membros de Tribunais (de Justiça, Regionais Federais, Regionais do Trabalho, Regionais Eleitorais), Ministros de Tribunais Superiores (do Trabalho, Eleitoral, Militar, Superior Tribunal de Justiça e Supremo Tribunal Federal), Membros do Ministério Público (Procuradores da República, Procuradores do Trabalho, Procuradores do Ministério Público Militar ou Promotores de Justiça).sl.

    Vossa Excelência (V. Ex.ª): para chefes do Executivo (Presidente da República, Governadores e Prefeitos), Ministros de Estado, Secretários Estaduais e para os Membros da Advocacia-Geral da União (Advogados da União, Procuradores Federais, Procuradores da Fazenda e Defensores Públicos da União), para Integrantes do Poder Legislativo (Senadores, Deputados Federais, Deputados Estaduais, Presidente de Câmara de Vereadores), Ministros do Tribunal de Contas da União e para Conselheiros dos Tribunais de Contas Estaduais.

    Quem merece uma questão dessa?

  • 1- Vossa Excelência:

    a) do Poder Executivo;

    Presidente da República;

    Vice-Presidente da República;

    Ministros de Estado ;

    Governadores e Vice-Governadores de Estado e do Distrito Federal;

    Oficiais-Generais das Forças Armadas;

    Embaixadores;

    Secretários-Executivos de Ministérios e demais ocupantes de cargos de natureza especial;

    Secretários de Estado dos Governos Estaduais;

    Prefeitos Municipais.

    b) do Poder Legislativo:

    Deputados Federais e Senadores;

    Ministros do Tribunal de Contas da União;

    Deputados Estaduais e Distritais;

    Conselheiros dos Tribunais de Contas Estaduais;

    Presidentes das Câmaras Legislativas Municipais.

    c) do Poder Judiciário:

    Ministros dos Tribunais Superiores;

    Membros de Tribunais;

    Juízes;

    Auditores da Justiça Militar
     

  • Importante lembrar que para o vocativo segue a seguinte regra:

         O vocativo a ser empregado em comunicações dirigidas aos Chefes de Poder é Excelentíssimo Senhor, seguido do cargo respectivo:

    Excelentíssimo Senhor Presidente da República,

    Excelentíssimo Senhor Presidente do Congresso Nacional,

    Excelentíssimo Senhor Presidente do Supremo Tribunal Federal.

            As demais autoridades serão tratadas com o vocativo Senhor, seguido do cargo respectivo:

    Senhor Senador,

    Senhor Juiz,

    Senhor Ministro,

    Senhor Governador,

  • O enunciado informa que "entre as autoridades tratadas por Vossa Excelência, estão o presidente da República, os ministros de Estado e os juízes".

    Segundo o Manual de Redação Oficial, Vossa Excelência é usado para várias autoridades, entre elas Presidente da República, Ministros de Estado e juízes, como consta nas páginas 9 e 10.


    A resposta é correta. 


ID
174478
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
AGU
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Sobre a redação de textos oficiais, julgue o próximo item.

Todos os expedientes oficiais devem conter, após o fecho, a assinatura e a identificação do signatário.

Alternativas
Comentários
  • Assinatura: o signatário do ofício é o responsável pelo seu conteúdo. Quem assina o ofício é o titular do órgão ou alguém por ele indicado para falar em
    nome da instituição, caso em que a situação deve ser esclarecida no começo do ofício: Por determinação do Exmo. Sr. Presidente desta Casa, encaminho ... .

    Retirado do livro que ta na net. Parece ser muito bom!

    http://www.almg.gov.br/publicacoes/manualredacao/correspondencia.pdf

  • Segundo o Manual de Redação da Presidência da República, no seu item 2.3:

    "2.3. Identificação do Signatário
    Excluídas as comunicações assinadas pelo Presidente da República, todas as demais comunicações oficiais
    devem trazer o nome e o cargo da autoridade que as expede, abaixo do local de sua assinatura."

    Essa é a razão pela qual a questão está errada.

     

  • A mensagem, que é a modalidade de texto oficial utilizada para comunicação entre os chefes de Poder, é um exemplo de expediente oficial que não  contêm fecho e nem identificação do signatário, sendo incluída somente a assinatura.
  • E-mail não tem assinatura...
    Expedientes do presidente da república...

    Mas errei a questão porque ainda não aprendi o que o CESPE quer. As vezes ele põe a regra, a gente considera a exceção e ele diz que tá errado pois vale a regra; As vezes ele põe a regra, a gente considera só a regra e ele diz que tá errado pois há exceções...VAI ENTENDER.
  • Colega Janete,

    A questão está errada pelo fato de dizer que "todos os expedientes oficiais devem conter, após o fecho, a assinatura e a identificação do signatário." Isso não é verdade, pois sabemos do caso particular que envolve o Presidente da República. Mas se a questão dissesse: "Os expedientes oficiais devem conter, após o fecho, a assinatura e a identificação do signatário." Estaria correta. A questão, nesse caso, não generalizou.Ou seja, em regra, ou em quase todos os expedientes oficiais, devem conter assinatura e identificação do signatário.

    Um outro exemplo: "Segundo a CF/88, é proibido pena de morte no Brasil." CERTO, pois é a regra.
                                    "Segundo a CF/88, nunca será permitida pena de morte no Brasil."  ERRADO, será em caso de guerra declarada.
                                    "Segundo a CF/88, não é permitido pena de morte no Brasil." CERTO, não há permissão para tal. Mas poderá vir a ter em caso de guerra declarada.
                                    "Segundo a CF/88, nãopossibilidade de hever pena de morte no Brasil."  ERRADO, há possibilidade em caso de guerra declarada.

    Espero ter ajudado.
  • Olá!
    ERRADO.
    Veja:

    2.3. Identificação do Signatário
    Excluídas as comunicações assinadas pelo Presidente da República, todas as demais comunicações oficiais devem trazer o nome e o cargo da autoridade que as expede, abaixo do local de sua assinatura. A forma da identificação deve ser a seguinte:
    (espaço para assinatura)
    NOME
    Chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República
     
    (espaço para assinatura)
    NOME
    Ministro de Estado da Justiça
     
    Para evitar equívocos, recomenda-se não deixar a assinatura em página isolada do expediente. Transfira para essa página ao menos a última frase anterior ao fecho.

    Fonte: Manual de Redação da Presidência da República, página 19.
    Muito obrigada, Natália.
  • Exceto do(a) Presidente(a). Marquei errada

  • ERRADO

    2.3. Identificação do Signatário

                    Excluídas as comunicações assinadas pelo Presidente da República, todas as demais comunicações oficiais devem trazer o nome e o cargo da autoridade que as expede, abaixo do local de sua assinatura. A forma da identificação deve ser a seguinte:

    (espaço para assinatura)

    Nome

    Chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República

    (espaço para assinatura)

    Nome

    Ministro de Estado da Justiça

                    Para evitar equívocos, recomenda-se não deixar a assinatura em página isolada do expediente. Transfira para essa página ao menos a última frase anterior ao fecho.

  • Gabarito: errado

    --

    Conforme o próprio CESPE, expedientes que tenham o Presidente da República como emissor, embora não apresentem a identificação do signatário, trazem a sua assinatura.


ID
174481
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
AGU
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Sobre a redação de textos oficiais, julgue o próximo item.

As comunicações oficiais devem ser padronizadas e, para isso, o uso do padrão oficial de linguagem é imprescindível.

Alternativas
Comentários
  • A padronização não é uma regra. 

    "O que não se pode esquecer é que depõe contra os princípios da padronização e da uniformidade a utilização, por diferentes setores de um mesmo órgão, de modelos variados."

    Retirado do livro: http://www.almg.gov.br/publicacoes/manualredacao/correspondencia.pdf

  •  não existe propriamente um "padrão oficial de linguagem"; o que há é o uso do padrão culto nos atos e comunicações oficiais. É claro que haverá preferência pelo uso de determinadas expressões, ou será obedecida certa tradição no emprego das formas sintáticas, mas isso não implica, necessariamente, que se consagre a utilização de uma forma de linguagem burocrática. O jargão burocrático, como todo jargão, deve ser evitado, pois terá sempre sua compreensão limitada.
     

  • " A identificação que se buscou fazer das características específicas da forma oficial de redigir não deve ensejar o entendimento de que se proponha a criação - ou se aceite a existência - de uma forma específica de linguagem administrativa,o que coloquialmente e pejorativamente se chama burocratas. Este é antes uma distorção do que deve ser a redação oficial, e se caracteriza pelo abuso de expressões e clichês do jargão burocrático e de formas arcaicas de construção de frases. " Retirada da apostila do curso de formação da Aneel, 2010.

    O que o item chamou de "padrão oficial de linguagem" seria o que o texto acima chamou de "forma específica de linguagem administrativa", a qual não deve existir. O que há é o uso da língua culta ( ou formal) nas comunicações oficiais.  

  • As comunicações oficiais devem ser sempre formais, isto é, obedecem a certas regras de forma: além das já mencionadas exigências de impessoalidade e uso do padrão culto de linguagem, é imperativo, ainda, certa formalidade de tratamento.

    Fonte: Manual de Redação Oficial da Presidência da República.
     

  • SEMPRE LEMBRAR:

    Não existe Padrão OFICIAL de Linguaguem, o que existe é Padrão CULTO de Linguaguem.

    Já vi isso em muitas questões que seriam facilmente resolvidas por esse detalhe.

  •  A redação oficial deve caracterizar-se pela impessoalidade, uso do padrão culto de linguagem, clareza, concisão, formalidade e uniformidade. Fundamentalmente esses atributos decorrem da Constituição, que dispõe, no artigo 37: “A administração pública direta, indireta ou fundacional, de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência (...)”. Sendo a publicidade e a impessoalidade princípios fundamentais de toda administração pública, claro está que devem igualmente nortear a elaboração dos atos e comunicações oficiais.  



     Esses mesmos princípios (impessoalidade, clareza, uniformidade, concisão e uso de linguagem formal) aplicam-se às comunicações oficiais: elas devem sempre permitir uma única interpretação e ser estritamente impessoais e uniformes, o que exige o uso de certo nível de linguagem.



     Acrescente-se, por fim, que a identificação que se buscou fazer das características específicas da forma oficial de redigir não deve ensejar o entendimento de que se proponha a criação – ou se aceite a existência – de uma forma específica de linguagem administrativa, o que coloquialmente e pejorativamente se chama burocratês. Este é antes uma distorção do que deve ser a redação oficial, e se caracteriza pelo abuso de expressões e clichês do jargão burocrático e de formas arcaicas de construção de frases.

    A redação oficial não é, portanto, necessariamente árida e infensa à evolução da língua. É que sua finalidade básica – comunicar com impessoalidade e máxima clareza – impõe certos parâmetros ao uso que se faz da língua, de maneira diversa daquele da literatura, do texto jornalístico, da correspondência particular, etc.

  • As comunicações oficiais devem, sim, ser padronizadas, pois a administração pública é una e deve seguir certa uniformidade de tratamento.
    O erro está em afirmar que a padronização se dá por meio do uso do padrão oficial de linguagem; o certo seria dizer "pelo padrão culto de linguagem".

    ERRADO
  • No site: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/manual/manual.htm os senhores poderão observar mais claramente o seguinte:

    O texto oficial tem que ser:
    1- IMPESSOAL: em terceira pessoa (em regra), sem opiniões particulares, etc.
    2- TER LINGUAGEM DOS ATOS E COMUNICAÇÕES OFICIAIS: seguir a linguagem padrão, porém, de modo que qualquer cidadão entenda (nada de termos rebuscados)
    3- FORMALIDADE: uso correto de pronomes de tratamento.
    4- PADRONIZAÇÃO: seguir modelo único (Ex: Padrão de ofício, aviso, memorando, etc)
    5- CONCISÃO E CLAREZA: o texto não pode ser prolixo e tem que ser claro e objetivo. 

    Eles misturaram o item 2 com o 4.
  • Olá!

    Na alternativa não temos um erro de Português, mas um erro na afirmação que ela faz. 

    O enunciado era "Sobre a redação de textos oficiais, julgue os próximos itens". 

    A alternativa era "As comunicações oficiais devem ser padronizadas e, para isso, o uso do padrão oficial de linguagem é imprescindível".
    De acordo com o Manual de Redação da Presidência da República no item 1.2 A Linguagem dos Atos e Comunicações Oficiais temos: "... Pode-se concluir, então, que não existe propriamente um "padrão oficial de linguagem"; o que há é o uso do padrão culto nos atos e comunicações oficiais. "
    Se não existe um padrão oficial, a alternativa está errada.
  • Apenas para complementar o que já foi dito, outra questão ajudaria a responder, vejam:

    Prova: CESPE - 2013 - TCE-RO - Analista de Informática

    Disciplina: Redação Oficial

    Na redação de expedientes oficiais, deve-se obedecer à norma culta da língua, prescindindo-se de uma linguagem específica administrativa, embora se possa utilizar linguagem técnica quando necessário.

    GABARITO: CERTA.

  • Pegadinha de mal gosto!!!!

    Mas neh faz parte!

  • Padrao OFICIAL (no dicionário Houaiss, OFICIAL = APROVADO PELA TRADIÇÃO E GOZA DE AUTORIDADE).

    No que isso difere de Padrão Culto? (no mesmo dicionário, CULTO = QUE SEGUE O PADRÃO FORMAL, ERUDITO)
    Será que só a `decoreba` é que vale, ou seja, exatamente com as mesmas palavras que estão no manual de redação `oficial`? Temos que `desligar o penso` pra responder? Se sim, seria então um PADRÃO OFICIAL (no manual tá lá: REDAÇÃO OFICIAL!) e voltaríamos a dar a questão como correta.    :-)
    Por favor me ajudem - to doido pra mudar de opinião!!!

    Obrigado!!!
  • O enunciado informa que "as comunicações oficiais devem ser padronizadas e, para isso, o uso do padrão oficial de linguagem é imprescindível". Na verdade, segundo o Manual de Redação Oficial, "não existe propriamente um “padrão oficial de linguagem"; o que há é o uso do padrão culto nos atos e comunicações oficiais. É claro que haverá preferência pelo uso de determinadas expressões, ou será obedecida certa tradição no emprego das formas sintáticas, mas isso não implica, necessariamente, que se consagre a utilização de uma forma de linguagem burocrática. O jargão burocrático, como todo jargão, deve ser evitado, pois terá sempre sua compreensão limitada".


    A resposta é incorreta. 

  • Não existe padrão oficial de linguagem, o que existe é o uso da norma culta da língua portuguesa.

  • Acho q o erro está em falar em comunicações padronizadas, nem todas são como o email por exemplo.

  • Não existe padronização de linguagem. Simples.

  • Gabarito: ERRADO

     

    padrãO --> cultO

  • muito cuidado com a palavra imprescindível e prescindível.

  • Vejam o significado de Prescindível e Imprescindível no GG

    e colem na parede de trás da tela do seus monitores, pq isso despenca em prova !!!!

  • ERRADO

    Pontos relevantes:

    1. É importante ressaltar que não existe um padrão oficial de linguagem
    2. A opção do uso da norma culta na redação oficial deve-se ao fato de que esta norma é universal e significa, portanto, que ela é mais clara. Deve- se obedecer à norma culta da língua,

    Sobre o assunto em questões:

    CESPE - 2018 - FUB - Assistente em Administração Com base no Manual de Redação da Presidência da República (MRPR), julgue o item que se segue.

    O MRPR estabelece o padrão oficial de linguagem, segundo o qual textos oficiais devem ser redigidos de maneira formal e impessoal. (E)

    CESPE - 2010 - AGU - Contador - As comunicações oficiais devem ser padronizadas e, para isso, o uso do padrão oficial de linguagem é imprescindível. (E)

    CESPE-2017 TRF - 1ª REGIÃO - De acordo com o MRPR, não existe um padrão oficial de linguagem. (C)

     CESPE - 2013 - TCE-RO - Na redação de expedientes oficiais, deve- se obedecer à norma culta da língua, prescindindo- se de uma linguagem específica administrativa, embora se possa utilizar linguagem técnica quando necessário. (C)

  • Gabarito: Errado

    Prescindível = não precisa

    Imprescindível = essencial, necessário.

  • padronização de linguagem não existe

    padronização de norma existe


ID
176476
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
ADAGRI-CE
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Considerando as normas que regem a redação oficial, julgue os
próximos itens.

No caso de o destinatário de expediente oficial ser uma alta autoridade do Poder Executivo, Legislativo ou Judiciário, o remetente, quando a ele se dirigir, deve empregar o pronome de tratamento Vossa Excelência.

Alternativas
Comentários
  • CERTO!

    Vossa Excelência, para as seguintes autoridades:

    a) do Poder Executivo;

    Presidente da República;

    Vice-Presidente da República;

    Ministros de Estado;

    Governadores e Vice-Governadores de Estado e do Distrito Federal;

    Oficiais-Generais das Forças Armadas;

    Embaixadores;

    Secretários-Executivos de Ministérios e demais ocupantes de cargos de natureza especial;

    Secretários de Estado dos Governos Estaduais;

    Prefeitos Municipais.

    b) do Poder Legislativo:

    Deputados Federais e Senadores;

    Ministro do Tribunal de Contas da União;

    Deputados Estaduais e Distritais;

    Conselheiros dos Tribunais de Contas Estaduais;

    Presidentes das Câmaras Legislativas Municipais.

    c) do Poder Judiciário:

    Ministros dos Tribunais Superiores;

    Membros de Tribunais;

    Juízes;

    Auditores da Justiça Militar.

    FONTE: www.planalto.gov.br/ccivil.../manual/manual.htm

  • Quando se dirigir a ela usa - Vossa

    Quado falar sobre ela usa- Sua

  • Item Correto

  • Essa questao ficou completamente ambígua... no manual da presidência fala "para autoridades: excelencia"... mas seu eu falo "alta autoridade" devo pensar que é a mais alta autoridade, a saber: Presidênte da Rep. Presiênte do Congresso e Presidente do STF, nesse caso seria Excelentíssimo Senhor.

  • Rodrigo, concordo com você. 

    Creio que o termo correto seria Excelentissímo e não Vossa Excelência, vez que alta autoridade remete ao cargo mais alto  dentro do poder (Presidente, Presidente do Supremo etc)
  • Descumpem, mas tendo a discordar dos colegas.
    Se a questão estivesse referindo-se aos chefes dos 3 Poderes, então o enunciado traria: "a mais alta autoridade".
    Ser alta autoridade não significa, ao meu ver, ser chefe de determinado poder.

    Obs.:

    Vossa Excelência (Pronome de Tratamento): principais autoridades;

    Excelentíssimo Senhor (Vocativo): apenas para os chefes de cada poder.
  • Essa questão está bem clara.
    "... quando a ele se dirigir, deve empregar o pronome de tratamento Vossa Excelência."

    apenas o vocativo a ser empregado em comunicações dirigidas aos Chefes de Poder é Excelentíssimo Senhor, seguido
    do cargo respectivo:
    Excelentíssimo Senhor Presidente da República,
    Excelentíssimo Senhor Presidente do Congresso Nacional,
    Excelentíssimo Senhor Presidente do Supremo Tribunal Federal.

    mesmo sendo a mais alta autoridade como  o Presidente da Republica, usa o Vossa Excelência quando estiver dirigindo à ele.

    Então a questão está correta

  • O comentário do Ricardo de Oliveira está perfeito.

    Só dou enfase ao fato da questão falar em "PRONOME DE TRATAMENTO" e não em "VOCATIVO", então, mesmo que se referisse aos CHEFES dos 3 poderes, o correto ainda seria "Vossa Excelência". Caso se referisse ao emprego correto do vocativo, ai sim o correto seria "Exceletíssimo Senhor ..." (se o caso fosse dos chefes dos poderes).
  • Detalhe que muda a resposta é a expressão "alta" (adjetivo), pois sem ela, estaria errada a questão. Apx.
  • Discordo, alta autoridade pode ser vice prefeito, que no caso deve ser tratado de Vossa Senhoria.
    Questão subjetiva.
  • Eu não sei qual é o propósito da pessoa vir em todas as questões relativas a formas de tratamento e colar o mesmo quadro copiado de algum lugar da internet, sem acrescentar nada ou fazer um comentário se quer sobre a questão...mas enfim...
    Pessoal, não confundam pronome de tratamento com vocativo! O vocativo realmente seria Vossa Excelência por se tratar de alta autoridade de algum dos 3 poderes; todavia, a questão trata, claramente, de pronome de tratamento! E em redação oficial, pronome de tratamento é "vossa excelência" ou "vossa senhoria", dependendo da pessoa a que nos dirigimos.
  • Comentário:

     

    Em se tratando de expediente oficial destinado a Chefes de Poder (Executivo, Legislativo ou Judiciário), o pronome de tratamento a ser empregado é Vossa Excelência.

     

    É importante ressaltar que o vocativo, para essas autoridades, é Excelentíssimo Senhor, seguido do respectivo cargo:

     

    - Excelentíssimo Senhor Presidente da República;


    - Excelentíssimo Senhor Presidente do Congresso Nacional;


    - Excelentíssimo Senhor Presidente do Supremo Tribunal Federal.

     

    Gabarito: CERTO.

     

    Prof: Fabiano Sales
     


ID
176479
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
ADAGRI-CE
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Considerando as normas que regem a redação oficial, julgue os
próximos itens.

No serviço público, o expediente ofício é o principal meio de comunicação interna, ou interdepartamental.

Alternativas
Comentários
  • ERRADO!

    MEMORANDO:

    O memorando é a modalidade de comunicação entre unidades administrativas de um mesmo órgão, que podem estar hierarquicamente em mesmo nível ou em níveis diferentes. Trata-se, portanto, de uma forma de comunicação eminentemente interna.

    Pode ter caráter meramente administrativo, ou ser empregado para a exposição de projetos, idéias, diretrizes, etc. a serem adotados por determinado setor do serviço público.

    Sua característica principal é a agilidade. A tramitação do memorando em qualquer órgão deve pautar-se pela rapidez e pela simplicidade de procedimentos burocráticos. Para evitar desnecessário aumento do número de comunicações, os despachos ao memorando devem ser dados no próprio documento e, no caso de falta de espaço, em folha de continuação. Esse procedimento permite formar uma espécie de processo simplificado, assegurando maior transparência à tomada de decisões, e permitindo que se historie o andamento da matéria tratada no memorando.

  •  

    O ofício têm como finalidade o tratamento de assuntos oficiais pelos órgãos da Administração Pública entre si e, também com particulares.

    Fonte:www.planalto.gov.br/ccivil.../manual/manual.htm

  • Ofício = modalidade de comunicação expedido para e pelas demais autoridades,tem como finalidade o tratamento de assuntos

    oficiais pelos orgãos da ADM Pública entre si,e no caso do ofício tambem como particulares ( caráter meramente externo )

    memorando = modalidade de comunicação entre unidades de um mesmo administrativas orgão,que podem estar hierarquicamente em mesmo nível ou nível diferente.Trata-se portanto de uma comunicação de caráter meramente INTERNO


    INCONRRETA

  • OFÍCIO - CORRESPONDÊNCIA EXTERNA PARA OUTROS ÓRGÃOS E PARTICULARES


    MEMORANDO - COMUNICAÇÃO INTERNA ENTRE UNIDADES DO MESMO ÓRGÃO COM MESMA HIERARQUIA OU SUPERIOR
  • No comentário postado dor Evelize, na tabela tenho uma dúvida sobre os membros da câmara municipal, que seria Vossa Senhoria,
    com exceção do presidente da câmera municipal.


     

  • Outra questão pode ajudar  a responder, vejam:

    As modalidades de comunicação denominadas ofício, aviso e memorando assemelham-se quanto à forma, visto que todas devem ser formatadas conforme o padrão ofício; quanto à finalidade, o memorando distingue-se do ofício e do aviso por destinar-se à comunicação entre unidades administrativas de um mesmo órgão.

    GABARITO: CERTA.


ID
178426
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
DPU
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Considerando as normas de redação oficial, assinale a opção correta.

Alternativas
Comentários
  • A) Seguem mesma diagramação somente os textos componentes do padrão ofício (Ofício, Aviso,Memorando e, por extensão, Exposição de Motivos). Os demais textos não são padronizados

    B)Na redação oficial, o uso da língua padrão é obrigatório, pois se deve respeitar o princípio da correção.
    C)O entendimento da mensagem deve ser facilitado para o destinatário, ou seja, a quem de fato interessa a
    leitura.
    D) CORRETA - A redação oficial é norteada por regras similares às da Administração Pública. Entre estas normalizações,
    está a impessoalidade que deve reger os atos públicos. Quanto à identificação nominal do texto oficial, esta faz parte
    da composição do fecho das comunicações expedidas pelo serviço público.
    E)Há diferença de vocativos empregados. Exemplo disso é a diferença entre evocar um Presidente e
    demais autoridades. O primeiro é evocado por Excelentíssimo Senhor, enquanto as demais autoridades são
    evocadas por Senhor.
  • Resposta: d)

    c) do caráter impessoal do próprio assunto tratado: se o universo temático das comunicações oficiais se restringe
    a questões que dizem respeito ao interesse público, é natural que não cabe qualquer tom particular ou pessoal.
     

    Desta forma, não há lugar na redação oficial para impressões pessoais, como as que, por exemplo, constam de
    uma carta a um amigo, ou de um artigo assinado de jornal, ou mesmo de um texto literário. A redação oficial deve ser
    isenta da interferência da individualidade que a elabora.
    A concisão, a clareza, a objetividade e a formalidade de que nos valemos para elaborar os expedientes oficiais
    contribuem, ainda, para que seja alcançada a necessária impessoalidade.

    Manual de Redação Oficial da Presidencia da República

  • A questão apresenta alternativas para serem analisadas. Apenas uma está correta.

    Sabemos que, de acordo com o Manual de Redação Oficial, a diagramação varia de acordo com a característica do documento oficial. 
    Ao contrário do que diz a letra B, o padrão culto da língua deve ser usado, até mesmo pelas características de impessoalidade, clareza e objetividade que os documentos oficiais devem apresentar. 
    A redação de um documento oficial deve favorecer a leitura do destinatário, ou seja, para quem é direcionada a carta. 
    A letra E está incorreta, pois o vocativo é usado de acordo com o pronome de tratamento empregado.


    A resposta correta é a letra (D).
  • Como forma de uniformizar as comunicações oficiais, emprega-se o mesmo vocativo em todas elas, independentemente de seu destinatário

  • Resposta correta: alternativa d.

    a)Errada. Todos os expedientes(ofício, aviso e memorando) apresentam uma diagramação semelhante, mas não igual;

    b)Errada. Nas correspondências oficiais deve ser utilizado o padrão culto da língua; o que deve ser evitado, na realidade, é o uso de uma linguagem excessivamente técnica, que prejudique o entendimento por parte da população;
    c)Errada. A mensagem deve ser perfeitamente clara e compreensível tanto para o remetente quanto para o destinatário;e)Errada. Existem formas distintas de vocativos e pronomes de tratamento a depender do destinatário.
  •      Não há lugar na redação oficial para impressões oficiais, como as que, por exemplo, constam de uma carta a um amigo, ou de um artigo assinado de jornal, ou mesmo de um texto literário, a redação oficial deve ser isenta da interferência da individualidade que a elabora. 

         A concisão, a clareza, a objetividade e a formalidade de que nos valemos para elaborar os expedientes oficiais contribuem, ainda, para que seja alcançada a necessária impessoalidade. 

     

    Fonte:  Manual de Redação da Presesidência da República


ID
179476
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
AGU
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Com relação à redação de correspondências oficiais, julgue os itens
subsequentes.

Na redação de correspondências oficiais, deve-se levar em conta sua finalidade básica: comunicar com impessoalidade e máxima clareza.

Alternativas
Comentários
  • CERTO!

    A redação oficial tem como finalidade básica – comunicar com impessoalidade e máxima clareza – impõe certos parâmetros ao uso que se faz da língua, de maneira diversa daquele da literatura, do texto jornalístico, da correspondência particular, etc. A clareza deve ser a qualidade básica de todo texto oficial. Pode-se definir como claro aquele texto que possibilita imediata compreensão pelo leitor. No entanto a clareza não é algo que se atinja por si só: ela depende estritamente das demais características da redação oficial.

    A concisão, a clareza, a objetividade e a formalidade de que nos valemos para elaborar os expedientes oficiais contribuem, ainda, para que seja alcançada a necessária impessoalidade.

  • Requisitos básicos:

    a) Impessoalidade;

    b) Linguagem culta;

    c) Padronização;

    d) Concisão;

    e) Clareza.
  • deve-se comunicar com clareza, impessoalidade, e respeitando a norma culta Certo

  • Certo
    Questão dada!! 


ID
179479
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
AGU
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Com relação à redação de correspondências oficiais, julgue os itens
subsequentes.

Segundo o Manual de Redação da Presidência da República, existe um padrão oficial de linguagem que deve ser usado na redação de correspondências oficiais.

Alternativas
Comentários
  • ERRADO!

    Pode-se concluir que não existe propriamente um “padrão oficial de linguagem”; o que há é o uso do padrão culto nos atos e comunicações oficiais. É claro que haverá preferência pelo uso de determinadas expressões, ou será obedecida certa tradição no emprego das formas sintáticas, mas isso não implica, necessariamente, que se consagre a utilização de uma forma de linguagem burocrática. O jargão burocrático, como todo jargão, deve ser evitado, pois terá sempre sua compreensão limitada.

  • ERRADO.

    Conforme o Manual da Presidência da República, revista e atualizada, 2002.
    fonte: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/manual/index.htm

    "A língua escrita, como a falada, compreende diferentes níveis, de acordo com o uso que dela se faça. Por exemplo, em uma carta a um amigo, podemos nos valer de determinado padrão de linguagem que incorpore expressões extremamente pessoais ou coloquiais; em um parecer jurídico, não se há de estranhar a presença do vocabulário técnico correspondente. Nos dois casos, há um padrão de linguagem que atende ao uso que se faz da língua, a finalidade com que a empregamos.

    O mesmo ocorre com os textos oficiais: por seu caráter impessoal, por sua finalidade de informar com o máximo de clareza e concisão, eles requerem o uso do padrão culto da língua."

  • Errado.

    "A redação oficial deve caracterizar-se pela impessoalidade, uso do padrão culto de linguagem, clareza, concisão, formalidade e uniformidade" (Fonte: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/manual/manual.htm). Em nenhum momento fala-se em padrão OFICIAL de linguagem.

  • Essa foi "pegajosa"....Vlw....
  •  O PADRÃO CULTO DA  LINGUA DEVE SER APLICADO NAS CORRESPONDENCIAS OFICIAS ENTRETANTO EXISTE SIM O PADÃO OFICIAL DA LINGUAGEM QUE É DE USO RESTRITO
    EX: MEDICO PARA MEDICO ( MESMA AREA JARGÕES TECNICOS)
  • Errada, pois a questão citou:
    ...existe um padrão OFICIAL de linguagem...


    O correto seria:
    ...existe um padrão CULTO de linguagem...

    EIS O ERRO EM DESTAQUE. Presta atenção einh! pegadinha!

    Bons estudos a todos!
  • A questão deu a entender que existe um padrão específico pra redação oficial
  • Li rapidamente e me ferrei... não me pega mais!

  • não existe padrão oficial da linguagem, é norma culta ou linguagem culta.

  • Apenas para complementar o que já foi dito, uma outra questão ajuda a responder, vejam:

    Prova: CESPE - 2013 - TCE-RO - Analista de Informática

    Disciplina: Redação Oficial

    Na redação de expedientes oficiais, deve-se obedecer à norma culta da língua, prescindindo-se de uma linguagem específica administrativa, embora se possa utilizar linguagem técnica quando necessário.

    GABARITO: CERTA.


  • Errado. Padrão oficial de FORMATO e não de linguagem.  

  • O enunciado informa que "segundo o Manual de Redação da Presidência da República, existe um padrão oficial de linguagem que deve ser usado na redação de correspondências oficiais".

    O Manual informa que "não existe propriamente um “padrão oficial de linguagem”; o que há é o uso do padrão culto nos atos e comunicações oficiais. É claro que haverá preferência pelo uso de determinadas expressões, ou será obedecida certa tradição no emprego das formas sintáticas, mas isso não implica, necessariamente, que se consagre a utilização de uma forma de linguagem burocrática. O jargão burocrático, como todo jargão, deve ser evitado, pois terá sempre sua compreensão limitada".


    A resposta é errada.

  • O uso do padrão culto não implica o emprego de linguagem rebuscada, tampouco dos contorcionismos sintáticos e figuras de linguagem
    próprios da linguagem literária. Dessa forma, podemos concluir que não existe propriamente um “padrão oficial de linguagem”. Existe, sim, o uso do padrão culto nos atos e nas comunicações oficiais.
    Gabarito: Errado.

  • Complementando...

    Na realidade, não existe um padrão oficial de linguagem. Utiliza-se um "padrão culto" de linguagem.

    (CESPE/SEGER-ES/ANALISTA DO EXECUTIVO/2013) O tipo de linguagem empregado em comunicações oficiais é denominado padrão oficial de linguagem. E

    (CESPE/PC-ES/INSPETOR/2012) Nos documentos oficiais encaminhados por correio eletrônico, eficiente meio de comunicação, por seu baixo custo e celeridade, deve-se empregar o padrão culto da linguagem. C

  • O uso do padrão culto não implica o emprego de linguagem rebuscada, tampouco dos contorcionismos sintáticos e figuras de linguagem
    próprios da linguagem literária. Dessa forma, podemos concluir que não existe propriamente um “padrão oficial de linguagem”. Existe, sim, o uso do padrão culto nos atos e nas comunicações oficiais.


    Errado.

  • Não tem padrão oficial de linguagem!

  • ERRADO

    NÃO EXISTE UM PADRÃO OFICIAL DE LINGUAGEM

    EXISTE O USO DO PADRÃO CULTO 

  • ERRADO 

    Não existe um padrão oficial a ser utilizado, o que ser recomenda é a utilização de um padrão culto da linguagem, além de considerar os demais requisitos básicos da redação oficial - clareza, concisão, impessoalidade, formalidade, padronização.

  • - padrão CULTO da linguagem .

  • Comentário:

     

    O uso do padrão culto não implica o emprego de linguagem
    rebuscada, tampouco dos contorcionismos sintáticos e figuras de linguagem
    próprios da linguagem literária. Dessa forma, podemos concluir que não existe
    propriamente um “padrão oficial de linguagem”. Existe, sim, o uso do padrão culto
    nos atos e nas comunicações oficiais.

    Gabarito: Errado.
     

  • Não existe um padrão oficial de linguagem, existe a norma culta que é utilizada nos atos e comunicações oficiais.

    Nos documentos oficiais encaminhados por correio eletrônico, eficiente meio de comunicação, por seu baixo custo e celeridade, deve-se empregar o padrão culto da linguagem.

    Errado.

  • Não existe "padrão oficial", mas sim uma "norma padrão" nos atos oficiais.

  • formalidade e padronização: As comunicações administrativas devem ser sempre formais, isto é, obedecer a certas regras de forma (BRASIL, 2015a). Isso é válido tanto para as comunicações feitas em meio eletrônico (por exemplo, o e-mail , o documento gerado no SEI!, o documento em html etc.), quanto para os eventuais documentos impressos.

     A formalidade de tratamento vincula-se, também, à necessária uniformidade das comunicações. Ora, se a administração pública federal é una, é natural que as comunicações que expeça sigam o mesmo padrão. O estabelecimento desse padrão, uma das metas deste Manual, exige que se atente para todas as características da redação oficial e que se cuide, ainda, da apresentação dos textos. Pode-se concluir que não existe propriamente um padrão oficial de linguagem, o que há é o uso da norma padrão nos atos e nas comunicações oficiais. É claro que haverá preferência pelo uso de determinadas expressões, ou será obedecida certa tradição no emprego das formas sintáticas, mas isso não implica, necessariamente, que se consagre a utilização de uma forma de linguagem burocrática. O jargão burocrático, como todo jargão, deve ser evitado, pois terá sempre sua compreensão limitada.

    Fonte: manual da redação oficial da presidência da república 3º edição.


ID
183673
Banca
IDECAN
Órgão
TRE-RS
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

A frase que respeita totalmente o padrão culto escrito é:

Alternativas
Comentários
  •  Apesar do uso estranho do EXMO. para Senadores sendo que a questão não fala se o senador em questão é presidente do Senado. Todas as alternativas possuem erros de gramática, algo inaceitável no padrão culto, com excessão da letra A

     

     

    b)(...) com questões que não demandem(...) ---- o certo seria demandam

    c) nada a impediria de lhes denunciar ---- O pronome “lhes” não pode ser utilizado para substituir objetos diretos, somente objetos indiretos. como “denunciar” nesse caso específico é VTD então o pronome correto deveria ser o “o,os” não cabendo o uso de “lhe,lhes"

    nada impediria de denunciá-los

    d) erro de concordância verbal: acredito que pode ter consequências--- : acredito que podem ter consequências

    e) erro de concordância verbal: passou-lhe os documentos que nessecitava --- documentos que necessitavam

    gabarito Letra A

  • Acredito que não seja esse o erro da questão na alternativa "E", pois na verdade o verbo "necessitava" está concordando com o sujeito oculto "ele", sendo "os documentos" objeto direto do verbo necessitar....

    Na verdade fiquei em dúvida entre essa e a alternativa "A" justamente por causa do Exmo.... 

  • Deve-se usar a forma de tratamento Vossa Excelência, para as seguintes autoridades:

    a) do Poder Executivo; Presidente da República; Vice-Presidente da República; Ministros de Estado;Governadores e Vice-Governadores de Estado e do Distrito Federal; Oficiais-Generais das Forças Armadas; Embaixadores; Secretários-Executivos de Ministérios e demais ocupantes de cargos de natureza especial; Secretários de Estado dos Governos Estaduais; Prefeitos Municipais.

    b) do Poder Legislativo: Deputados Federais e Senadores; Ministro do Tribunal de Contas da União; Deputados Estaduais e Distritais; Conselheiros dos Tribunais de Contas Estaduais; Presidentes das Câmaras Legislativas Municipais.

    c) do Poder Judiciário: Ministros dos Tribunais Superiores; Membros de Tribunais;Juízes; Auditores da Justiça Militar.

     

    O VOCATIVO a ser empregado em comunicações dirigidas aos Chefes de Poder é Excelentíssimo Senhor, seguido do cargo respectivo:. Ex Excelentíssimo Senhor Presidente da República, Excelentíssimo Senhor Presidente do Congresso Nacional. As demais autoridades serão tratadas com o vocativo Senhor, seguido do cargo respectivo: Senhor Senador, Senhor Juiz,Senhor Ministro, Senhor Governador.

    Exemplo:

    A Sua Excelência o Senhor
    Senador
    Fulano de Tal
    Senado Federal
    70.165-900 – Brasília. DF

     

    Fonte: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/manual/manual.htm

  • Acho que o erro da letra letra b) não é o modo subjuntivo em "demandem" como disseram.
    E sim os três erros destacados abaixo: 
     
    b) Acredito que Vossa Senhoria, Exmo. Sr. Secretário, não deve se preocupar com questões que não demandem diretamente vossa decisão.
    Corrigida:
    b) 
    Acredito que Vossa Senhoria (ou Vossa excelência; V. Exª)Sr. Secretário, não deve se preocupar com questões que não demandem diretamente sua decisão.
  • A letra "E" foi a grande vilã, tá bem chatinha a compreensão. Perdi quase 5 minutos pra achar a resposta correta, na prova, nunca devemos marcar se estivermos em dúvida, pula e depois volta, volta, volta e volta de novo se preciso for, mas, não marque se estiver em dúvida, porque é certo de vc errar.
    .
    Para ir adiante ao processo já iniciado "documentos são necessários".  ===>>>  Alguns documentos necessitavam de entrega para ir adiante ao processo já iniciado.
  • Comentando e somando os erros não comentados.

    B- Acredito que Vossa Senhoria, Exmo. Sr. Secretário, não deve se preocupar com questões que não demandem diretamente de vossa sua decisão.

    C- Tal foram as exigências deles, que Maria, ela própria, desistiu da compra, não sem antes avisar que, qualquer que fossem as alegações, nada a impediria de  lhes denunciá-los.

    D-  Cada um de todos aqueles grupos que se cuidem, pois as armadilhas que impuseram um ao outro acredito que podem ter consequências.

    E-  Ao se dirigir àquele Senhor, passou-lhe os documentos de que 
    (ele)* necessitava para ir adiante ao processo já iniciado.

    * Não  vejo problemas em fazer a concordância na terceira do plural, mas não há nenhuma certeza de que era essa a intenção . Se ; ficaria assim " de que necessitavam". O erro mesmo está na ausência da preposição exigida pelo verbo.
     
  • na letra A não seria  " pretendo-lhe enviar " para não usar próclise antes no infinitivo na locução verbal.
  • Só podemos afirmar com certeza que a letra "a" está correta com relação à redação oficial (o que não é exigido da questão), se soubéssemos que o senador seria o presidente do congresso (sendo, assim, chefe de poder).

    "O vocativo a ser empregado em comunicações dirigidas aos Chefes de Poder é Excelentíssimo Senhor, seguido

    do cargo respectivo:

    Excelentíssimo Senhor Presidente da República,

    Excelentíssimo Senhor Presidente do Congresso Nacional,

    Excelentíssimo Senhor Presidente do Supremo Tribunal Federal.

    As demais autoridades serão tratadas com o vocativo Senhor, seguido do cargo respectivo:

    Senhor Senador,

    Senhor Juiz,

    Senhor Ministro,

    Senhor Governador,..."
     

  • "pretendo lhe enviar"

    E esse lhe solto entre "podendo" e "enviar", a norma culta aceita??

     
    PRONOME EM RELAÇÃO AO VERBO PRINCIPAL
    - Eu devo lhe pedir um favor. (ERRADO)
    >>>>>>A norma culta condena a próclise ao verbo principal, ou seja, o pronome “solto” no meio da locução verbal.
  • Seguindo a dúvida do colega anterior,

    a letra A está realmente certa? Pode haver próclise diante de verbo no infinitivo?

    Em outras palavras, a passagem  "encaminhou e pretendo lhe enviar" não deveria ser  "encaminhou e pretendo enviar-lhe"?
  • A alternativa (E) está errada quanto à regência verbal, pois o verbo “necessitar”, em “necessitava”, exige preposição, devendo ser “... documentos de que necessitava ...”;

    errada, também, a regência nominal de “adiante”, em que se construiu “ao”, quando deve ser “... ir adiante no processo ...”.

    E, por fim, “Senhor” não deve ser grafado com inicial maiúscula, pois se trata de expressão de tratamento comum, como “dona”, “senhorita”... Corrigida no todo, a frase deverá ser escrita:

    “Ao se dirigir àquele senhor, passou-lhe os documentos de que necessitava para ir adiante no processo já iniciado”.

    Fonte: Professor Menegotto
    http://professormenegotto.blogspot.com/2011/12/terceira-edicao-das-questoes-da-fcc.html

  • Pessoal, uma dica que tem me ajudado a eliminar várias alternativas erradas é que a Redação oficial precisa ser impessoal.

    Quando o texto explana exaltação de emoções, você com certeza pode desconsiderar aquela alternativa, pois não estará correta. Um texto que insulta seu receptor, ou que emite opiniões pessoais (emotivas) do autor não pode ser utilizado para fins oficiais. 

    A partir desta análise, a alternativa certa se torna visível rapidamente, antes mesmo de você precisar analisar  a gramática.


    exemplo:  Q63023 "Acredito que Vossa Senhoria, Exmo. Sr. Secretário, não deve se preocupar com questões que não demandem diretamente vossa decisão." - alternativa completamente emotiva, contém opinião pessoal do autor.
    Um abraço!



    obs: se alguém achar alguma questão que contrarie este entendimento, mande-me uma mensagem!
  • O erro na letra  e é que simplesmente nao se pode usar crase antes de palavra no masculino...

  • Só tem um senador no CN pelo visto... pra ele ser considerado o presidente chefe de poder...

  • O enunciado informa que uma das alternativas apresenta o padrão culto escrito, ou seja, sem gírias, sem problemas de concordância e afins. 

    Ao analisar todas as alternativas, percebemos que a letra B apresentam separação silábica errada ("de mandem", quando deveria ser "demandem") e problemas com regência ("que não demandem diretamente (de) vossa decisão"). Na letra C há uso incorreto de vírgula (antes de "que"); na letra D não há uma linearidade sintática, ou seja, a oração está escrita de maneira confusa. E na letra E há problemas quanto à regência da palavra "necessitava" (necessita "de" algo). 


    A resposta é a letra A.

  • b) não devA se preocupar

    c) TaiS... AS denunciar 

    d) unS aos outroS... podeM

    e) DE que necessitava 


    A crase na E está correta, já que não é referente ao nome masculino e sim ao "aquele"... a + aquele = àquele... o"a" é exigido pelo verbo DIRIGIR (dirigir-se a alguém ou a algum lugar)

  • LETRA A - CORRETA

    Não esqueçam que é uma locução verbal. (pretendo enviar)

    Nas locuções verbais, o verbo principal constituído de infinitivo pode:

    (1) pretendo enviar-lhe

    (2) pretendo-lhe enviar

    (3) pretendo lhe enviar

     

    Fonte: A gramática para concursos.

  • O padrão culto pode até está correto, no entanto, o vocativo utilizado não condiz com o Manual de Redação da Presidência da República, pois só existem três casos em que podem ser utilizados o vocativo Excelentíssimo Senhor + Cargo, são eles:

    Presidente da República;

    Presidente do Congresso Nacional; e

    Presidente do Supremo Tribunal Federal, ou seja, os chefes dos três poderes.

  • Rodolfo Custódio penso  como você. É a segunda questão cobrando erradamente o vocativo que resolvo desta banca ! Se o que dizem é verídico, de que esta banca é a mesma CONSULPLAN, que está aplicando provas de vários tribunais, fico preocupada!!!Mas nada que um recurso não resolva, ou não...:/

  • a utilização correta do vocativo também contribui para o padrão culto do texto. A alternativa A tbém está errada

ID
190783
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
DPU
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

As opções que se seguem apresentam propostas de trechos de parecer. Assinale a opção cujo texto corresponde ao que preceituam as normas de redação oficial.

Alternativas
Comentários
  • Resposta: e)

    O parecer é o ato por meio do qual órgãos especializados manifestam-se sobre assuntos submetidos à sua consideração. Deve indicar solução aos problemas levantados, ponto a ponto, e oferecer à autoridade os fundamentos de que necessita para a tomada de decisão. Pode ser:
    a) normativo - se a aprovação do parecer tornar a aplicação de suas conclusões obrigatória para casos idênticos que vierem a surgir;

    b) vinculante - quando a decisão da autoridade que solicitou o parecer está presa às conclusões do documento;

    c) facultativo - quando a autoridade que solicitou o parecer não está obrigada a acolher as conclusões do documento.

    Em qualquer de suas modalidades, contudo, o parecer deve ser baseado em dispositivos legais, jurisprudência, informações técnicas...
     

  • * a) Nossos estudos técnicos demonstram que a crônica do jogo no Brasil é repleta de exemplos que desaconselham a legalização, como a violência das gangues que controlam ele, lavagem de dinheiro e cooptação de autoridades para fazerem vista grossa diante das ilegalidades.

    * b) Acreditamos que o poder do dinheiro, sujo e nojento do jogo, não tem limites. Por sua vez, as instituições, seus órgãos e funcionários não são impermeáveis à corrupção que contamina o sistema administrativo. Isso é uma pena.

    * c) Observa-se que desde os anos 90, quando os caça-níqueis e os bingos invadiram as cidades, não faltam episódios para mostrar a vulnerabilidade dos agentes do poder público ao canto da sereia que ecoa dos cofres emporcalhados da jogatina.

    * d) É incontável o número de policiais canalhas, trapaceiros e vagabundos (inclusive de altos escalões) em todo o país, ligados à contravenção à bandidagem.

    * e) Os envolvidos no jogo não hesitam em apelar para a violência e a eliminação física. Além disso, o secretário nacional antidrogas da Presidência da República identifica nos equipamentos eletrônicos de jogos de azar uma forma de legalização do dinheiro do narcotráfico internacional.

  • Acredito que o gabarito esteja errado, pois segundo o Manual de Redação Oficial da Presidência da República, página 11:

     

    O vocativo a ser empregado em comunicações dirigidas aos Chefes de Poder é Excelentíssimo Senhor, seguido

    do cargo respectivo:
    Excelentíssimo Senhor Presidente da República,
    Excelentíssimo Senhor Presidente do Congresso Nacional,
    Excelentíssimo Senhor Presidente do Supremo Tribunal Federal.
    As demais autoridades serão tratadas com o vocativo Senhor, seguido do cargo respectivo:
    Senhor Senador,
    Senhor Juiz,
    Senhor Ministro,
    Senhor Governador,
  • A letra "B, C e D " está errada por causa do tratamento conotativo e desrespeitoso, além disso nao respeita o princípio da impessoalidade : "ao canto da sereia que ecoa dos cofres emporcalhados da jogatina".  "policiais canalhas, trapaceiros e vagabundos".; "dinheiro sujo e nojento do jogo não tem limites".

    na letra a deveria haver próclise para atender ao princípio da clareza: violência das gangues que controlam ele.

    resposta letra E.

     

  • o resultado não aparece

  • Eu assinalei a alternativa E e também concordo com os demais erros postados pelos colegas, porém ao analisar a alternativa E, dá para se analisar um erro no começo da frase:

    Os envolvidos no jogo não hesitam em apelar para a violência e a eliminação física..., no último artigo a, acredito estar faltando a crase, pois estamos tratando de ...para a violência e (para a) eliminação física, pois quem apela, apela para alguma coisa, ou seja verbo transitivo indireto.

    Temos, então, um erro de regência que também confronta com as normas da redação oficial.

  • Roberto, como você mesmo falou, a preposição usada para o segundo termo também é "para". Ela foi omitida mas isso não significa que devo colocar crase. Seria utilizada crase se a preposição usada fosse "a". E acredito que o verbo apelar não pede preposição "a". Espero ter ajudado.
  • Resolvi a questão pelo ponto de vista de erros de portugues e impessoalismo. Em quase todas as letras existem "frases" ou "expressões" que tiram o caracter impessoal do texto.

    A letra E, está de acordo com o padrão oficial, ou seja, demonstra total neutralidade.
  • Na letra E o nome do cargo não deveria iniciar com letra maiuscula como a palavra Presidência da República nao? ficando :o Secretário Nacional antidrogas da Presidência da República.... estranho eu achei...
  • Quem hesita, exita em alguma coisa.

  • O Celso esta correto! Essa questão deveria ser anulada... Deveria ser, "Excelentíssima Senhora Presidenta da Republica".

  • Maioria das alternativas apresenta orações com forte linguagem pessoal. As alternativas (B), (C) e (D) apresentam opinião no texto, o que destoa a linguagem empregada no documento oficial. Em (A) há problemas na falta do pronome oblíquo em substituição ao pronome "ele". O correto seria "...como a violência das gangues que o controla".



    A resposta correta é a letra (E).

  • Daniel Teixeira: essa questão nem cita a presidente.

  • NA LETRA "D" HÁ UM ERRO GRAVE DE PORTUGUÊS: A AUSÊNCIA DE VÍRGULAS PARA SEPARAR O ADJUNTO ADVERBIAL DESLOCADO, QUE, NESTE CASO, POR SER DE GRANDE MONTA (3 OU MAIS PALAVRAS), É OBRIGATÓRIO.

     

    NA QUESTÃO: "Os envolvidos no jogo não hesitam em apelar para a violência e a eliminação física. Além disso, o secretário nacional antidrogas da Presidência da República identifica nos equipamentos eletrônicos de jogos de azar uma forma de legalização do dinheiro do narcotráfico internacional".

     

    CORRIGIDO: " Os envolvidos no jogo não hesitam em apelar para a violência e a eliminação física. Além disso, o secretário nacional antidrogas da Presidência da República identifica, nos equipamentos eletrônicos de jogos de azar, uma forma de legalização do dinheiro do narcotráfico internacional. "

  • GABARITO: E

     

    A banca cobrou nossa atenção quanto à preservação da norma culta, o padrão formal e a impessoalidade.


    Na alternativa (A), perceba que o verbo transitivo direto “controlam” não admite o objeto direto representado pelo pronome “ele”. O objeto direto deve ser representado pelo pronome oblíquo átono “o”. Como o verbo termina em “m”, esse pronome recebe a consoante “n”: controlam-no. Além disso, a expressão “vista grossa” é própria da linguagem coloquial, por isso transmite subjetividade e informalidade, sendo contrário aos princípios da correspondência oficial.


    Nas alternativas (B), (C) e (D), as expressões “dinheiro sujo e nojento” e “Isso é uma pena”; “canto da sereia” e “emporcalhados”; “canalhas,
    trapaceiros e vagabundos” e “bandidagem” são próprias da coloquialidade,  informalidade e subjetividade. Por isso, não são admitidos em textos de correspondência oficial.


    Perceba que a alternativa (E) possui um texto claro, formal e correto gramaticalmente. Por tudo isso, pode fazer parte de um texto de correspondência oficial.

     

     

    Prof. Décio Terror - Estratégia Concursos

  • Adjunto adverbial extenso pede vírgula. letra E deveria esrar incorreta.


ID
190846
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
DPU
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Suponha que o ministro da Justiça pretenda enviar ao ministro do Planejamento uma solicitação formal de recursos para a DPU. Nessa situação, o procedimento mais adequado é o envio de

Alternativas
Comentários
  • Resposta: e)

    3.3. Aviso e Ofício

    3.3.1. Definição e Finalidade

    Aviso e ofício são modalidades de comunicação oficial praticamente idênticas. A única diferença entre eles é que o aviso é expedido exclusivamente por Ministros de Estado, para autoridades de mesma hierarquia, ao passo que o ofício é expedido para e pelas demais autoridades. Ambos têm como finalidade o tratamento de assuntos oficiais pelos órgãos da Administração Pública entre si e, no caso do ofício, também com particulares.

    3.3.2. Forma e Estrutura

    Quanto a sua forma, aviso e ofício seguem o modelo do padrão ofício, com acréscimo do vocativo, que invoca o destinatário (v. 2.1 Pronomes de Tratamento), seguido de vírgula.

    Fonte:MANUAL DE REDAÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA
     

  • "Aviso": tipo de correspondência utilizada somente entre Ministros de Estado.

  • Entre Ministros de Estado, usa-se: AVISO.
    Bons estudos!
  • Aquele velho ditado. '' quem AVISA MINISTRO é. '' (quem avisa amigo é)

  • Resuminho básico pra vcs:

    #AVISO: expedidos por Ministros de Estado; para autoridades de igual hierarquia; Trata de assuntos oficiais.

    #OFÍCIO: expedidos por demais autoridades; Trata de assuntos oficiais e particulares.

    #MEMORANDO: comunicação entre unidades administrativas de MESMO órgão [para igual ou diferente nível hierárquico], IMINENTEMENTE INTERNO;

  • Uma outra questão pode ajudar a responder, vejam:

    Prova: CESPE - 2013 - ANTT - Analista Administrativo - Direito

    Disciplina: Redação Oficial

    Embora sejam modalidades de comunicação oficial praticamente idênticas, ofício e aviso diferenciam-se pelo fato de que o aviso é expedido exclusivamente por ministros de Estado, para autoridades de mesma hierarquia, enquanto o ofício é expedido pelas demais autoridades. Ambos destinam-se ao tratamento de assuntos oficiais pelos órgãos da administração pública entre si e, no caso do ofício, também com particulares.

    GABARITO: CERTA.

    •  e) aviso.
    • entre ministros é sempre aviso

  • Quem avisa ministro é kkk´s

  • Segundo o Manual de Redação Oficial o aviso "(...) é expedido exclusivamente por Ministros de Estado, para autoridades de mesma hierarquia. (...)".



    A resposta correta é a letra (E).



  • AVISO - MINISTRO DE ESTADO PARA MINISTRO DE ESTADO(segue padrão oficio)

    OBS.: TITULARES DOS MINISTÉRIOS, o Chefe da Casa Civil da Presidência da República, o Chefe do Gabinete de Segurança Institucional, o Chefe da Secretaria Geral da P. da Republica, o Advogado Geral da União e o Chefe da Corregedoria Geral da União.

    2002--> PRESIDENTE DO BANCO CENTRAL também é considerado MINISTRO DE ESTADO.

    aviso é expedido exclusivamente por Ministros de Estado.

    GABARITO E


  • QUEM AVISA MINISTRO É.

  • LETRA E CORRETA 

    QUEM AVISO, MINISTRO É 


ID
190849
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
DPU
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Para explicar ao ministro da Justiça, detalhadamente e por escrito, a necessidade urgente de reestruturação dos canais de comunicação entre a DPU e o Ministério da Justiça, um DP federal deve encaminhar, àquele ministro, um(a)

Alternativas
Comentários
  • ALTERNATIVA CORRETA LETRA C

    O ofício é utilizado para comunicações externas

  • Análise de cada assertiva:

    A)Errado. Aviso: Ato emanado dos Ministros de Estado e enviado a autoridades de mesma hierarquia.

    B)Errado.Correio Eletrônico: Para antecipação  de documentos que tem caráter de urgência, porém só vale se tiver certificação digital.

    C)Certa.OFÌCIO:Documento de correspondência oficial que trata de assuntos administrativos gerais.É sempre um documento externo, dirigido a outos órgãos públicos e a particulares.

    D)Errada.Mensagem:Comunicação entre chefes de poderes da República, ou seja, Presidente da Rep., Presidente do STF e Pres. da CN.

    E)Errada.Exposição de motivos:Ato emanado de Ministro de Estado para o Presidente da República.

     

  • Uma outra questão pode ajudar a responder, vejam:

    Prova: CESPE - 2013 - ANP - Todos os Cargos - Conhecimentos Básicos

    Disciplina: Redação Oficial | Assuntos: Ofício; 

    O ofício é correspondência destinada a tratar de assuntos oficiais pelos órgãos ou entidades da administração pública entre si ou com cidadãos em geral. 

    GABARITO: CERTA.

  • Trecho retirado do MRPR sobre a exposição de motivos:

    4. Exposição de Motivos

    4.1. Definição e Finalidade

      Exposição de motivos é o expediente dirigido ao Presidente da República ou ao Vice-Presidente para:

      a) informá-lo de determinado assunto;

      b) propor alguma medida; ou

      c) submeter a sua consideração projeto de ato normativo.

  • Muitos candidatos podem achar que o documento correto é o aviso, porém ele é usado apenas entre ministros.
    No caso da questão, é a DPU quem envia um documento para o Ministério da Justiça. Neste caso, o documento oficial correto é o ofício.



    A resposta correta é a letra (C).



  • Aviso e ofício são modalidades de comunicação oficial praticamente idênticas. A única diferença entre eles é que o aviso é expedido exclusivamente por Ministros de Estado, para autoridades de mesma hierarquia, ao passo que o ofício é expedido para e pelas demais autoridades. Ambos têm como finalidade o tratamento de assuntos oficiais pelos órgãos da Administração Pública entre si e, no caso do ofício, também com particulares.

    GABARITO C

  • Resuminho:

    entre órgãos internos (memorando)

    órgão interno -----> ministério (ofício)

    ministério ----- > ministério (aviso)

    ministério ----> Presidente (exposição motivos)

    Presidente-----> Judiciário ou Legislativo (mensagem)

    Tentem visualizar esse caminho:

    órgão interno--> órgão interno--> ministério--> ministério--> Presidente--> Legislativo/Jud

  • ALTERNATIVA CORRETA LETRA C

    O ofício é utilizado para comunicações externas


ID
190852
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
DPU
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

A modalidade de redação oficial que se caracteriza pela maior celeridade do que as demais e possibilita o detalhamento de informações, sem descurar do valor documental e da capacidade de armazenagem a longo prazo, é o(a)

Alternativas
Comentários
  • Interessante salientar que se a questão trouxesse apenas CORREIO ELETRÔNIO, ela estaria incorreta, pois para possuir VALOR DOCUMENTAL, o correio eletr. deve passar por processso de CERTIFICAÇÃO DIGITAL.

  •        ¨ O correio eletrônico ("e-mail"), por seu baixo custo e celeridade, transformou-se na principal forma de comunicação para transmissão de documentos.
    Nos termos da legislação em vigor, para que a mensagem de correio eletrônico tenha valor documental, i. é, para que possa ser aceito como documento original, é necessário existir certificação digital que ateste a identidade do remetente, na forma estabelecida em lei.¨

    fonte: Manual de redação da Presidência
  • A palavra Celeridade que é sinônimo de Velocidade , ja ajuda bastante na identificação da questão
    •  b) correio eletrônico com certificação digital.

  • A questão questiona qual é "a modalidade de redação oficial que se caracteriza pela maior celeridade do que as demais e possibilita o detalhamento de informações, sem descurar do valor documental e da capacidade de armazenagem a longo prazo".

    A questão pede que seja marcada a alternativa referente ao documento que usa maior velocidade entre todos os documentos. 
    É visível que o documento mais rápido, até pelo meio usado, é o e-mail, ou mais conhecido no Manual de Redação Oficial como "correio eletrônico".



    A resposta correta é a letra (B).
  • Gabarito: B

     

    Descurar é sinônimo de: desprezar, abandonar, descuidar, desleixar,negligenciar

     

    https://www.dicio.com.br/descurar/

  • Gabarito B.

    Correio eletrônico com certificação digital.


  • A questão questiona qual é "a modalidade de redação oficial que se caracteriza pela maior celeridade do que as demais e possibilita o detalhamento de informações, sem descurar do valor documental e da capacidade de armazenagem a longo prazo".

    A questão pede que seja marcada a alternativa referente ao documento que usa maior velocidade entre todos os documentos. 

    É visível que o documento mais rápido, até pelo meio usado, é o e-mail, ou mais conhecido no Manual de Redação Oficial como "correio eletrônico".

    A resposta correta é a letra (B).


ID
190858
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
DPU
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Faz jus ao tratamento formal de magnífico, em redações oficiais, um

Alternativas
Comentários
  • ATERNATIVA CORRETA LETRA E

    A forma Vossa Magnificência é empregada por força da tradição nas comunicações dirigidas a reitores de universidade.

     

  • Mencionemos, ainda, a forma Vossa Magnificência, empregada por força da tradição, em comunicações
    dirigidas a reitores de universidade. Corresponde-lhe o vocativo:
    11
    Magnífico Reitor,
    (...)

    Fonte: Manual de Reação da Presidência da República............ok

     

    Estudando como louco !!!

  • Uma outra questão pode ajudar a responder, vejam:

    Prova: CESPE - 2013 - FUB - Auxiliar de Administração

    Disciplina: Redação Oficial

    As formas de tratamento adequadas para reitor são Magnífico Reitor e Vossa Magnificência.

    GABARITO: CERTA.

  • A questão apresenta o tratamento "magnífico", e pede que seja marcada a alternativa correspondente ao mesmo.
    De acordo com o Manual de Redação Oficial, o cargo correspondente é o de reitor de universidade (vide páginas 10 e 11).


    A resposta correta é a letra (E).

  • ITEM E

    VOCATIVO:MAGNÍFICO REITOR

  • Mole Mole !!!

    Reitor

    Saudações Cruzmaltinas 

  • Comentário:

     

    Segundo as lições de pronomes de tratamento contidas no Manual de Redação da Presidência da República, a forma Vossa Magnificência é empregada, por força da tradição, em comunicações dirigidas a reitores de universidade.

    O vocativo Magnífico é exclusivamente empregado para reitores.

     

    Gabarito: Letra E

     

    Prof: Fabiano Sales
     

  • Faz jus ao tratamento de Magnífico - Reitores de Universidades.

    O vocativo Magnífico é exclusivamente empregado para reitores.

     

    Gabarito: Letra E



ID
190861
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
DPU
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

No fecho de comunicação formal a ser enviada por chefe de seção ao defensor público geral-federal, deve constar o termo

Alternativas
Comentários
  • ALTERNATIVA CORRETA LETRA E

    No fecho usa-se:

    para autoridades superiores, inclusive o Presidente da República:
    Respeitosamente
     

    para autoridades de mesma hierarquia ou de hierarquia inferior:
    Atenciosamente

  • É bem simples: A questão falou de fecho, só há duas opções. Atenciosamente ou Respeitosamente.
    - Atenciosamente é usada com autoridades de mesmo nível ou nível hierárquico inferior.
    - Respeitosamente é usada com autoridades de nível hirárquico superior.
    Na questão, comunicação ocorre no sentido cargo inferior -> cargo superior. (chefe de seção é hierarquicamente inferior a defensor público geral). Assim, usa-se o fecho Respeitosamente.
  • O difícil é saber que o chefe da seção é inferior ao defensor público geral.

  • Segundo o Manual de Redação Oficial, há dois tipo de fechos: Atenciosamente e Respeitosamente.

    "Com o fito de simplificá-los e uniformizá-los, este Manual estabelece o emprego de somente dois fechos diferentes para todas as modalidades de comunicação oficial:
    a) para autoridades superiores, inclusive o Presidente da República: Respeitosamente,
    b) para autoridades de mesma hierarquia ou de hierarquia inferior: Atenciosamente.

    No caso da questão, é um chefe de seção que envia uma comunicação formal para um defensor público geral-federal. O fecho correto, então, é "Respeitosamente".



    A resposta correta é a letra (E).
  • RESPEITOSAMENTE = AUTORIDADES SUPERIORES, INCLUSIVE PRESIDENTE DA REPÚBLICA 

    SAUDAÇÕES CRUZMALTINAS

  • Acertei a questão, mas discordo do gabarito, afinal, não há hierarquia entre pessoas jurídicas diferentes. Corrijam-me caso eu esteja equivocado.


ID
190867
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
DPU
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Acerca de memorando, assinale a opção correta.

Alternativas
Comentários
  • Memorando
    3.4.1. Definição e Finalidade
    O memorando é a modalidade de comunicação entre unidades administrativas de um mesmo órgão, que podem
    estar hierarquicamente em mesmo nível ou em níveis diferentes. Trata-se, portanto, de uma forma de comunicação
    eminentemente interna.
    Pode ter caráter meramente administrativo, ou ser empregado para a exposição de projetos, idéias, diretrizes,
    etc. a serem adotados por determinado setor do serviço público.
    Sua característica principal é a agilidade. A tramitação do memorando em qualquer órgão deve pautar-se pela
    rapidez e pela simplicidade de procedimentos burocráticos. Para evitar desnecessário aumento do número de
    comunicações, os despachos ao memorando devem ser dados no próprio documento e, no caso de falta de espaço, em
    folha de continuação. Esse procedimento permite formar uma espécie de processo simplificado, assegurando maior
    transparência à tomada de decisões, e permitindo que se historie o andamento da matéria tratada no memorand

  • Quanto a sua forma, o memorando segue o modelo do padrão ofício, com a diferença de que o seu destinatário
    deve ser mencionado pelo cargo que ocupa.
    Exemplos:
    Ao Sr. Chefe do Departamento de Administração                     Ao Sr. Subchefe para Assuntos Jurídicos

  • SEMPRE QUE UMA QUESTÃO DISSER QUE NO MEMORANDO É NECESSÁRIO QUE SE TENHA: TIMBRE, VOCATIVO E INDICAÇÃO DE LOCAL, considere INCORRETA.

  • a)errada - o memorando faz parte do padrão oficio que ocmpreende o aviso e o ofico, enão o memorando é semelhante ao oficio ou ao aviso

    b) correta- destinatario deve ser mencionado pelo cargo que ocupa, não aparecendo portanto o nome do destinatário

    c)errada- comunicação eminentemente interna entre unidades administrativa de um mesmo órgão, que poserm estar hierarquicamente em mesmo nível ou em níveis diferentes.

    d) errada - pode ser de mesmo nível ou níveis diferentes

    e)errado -caracteriza pela agilidade , rapidez e simplicidade

  • Outras questões podem ajudar a responder, vejam:

    Quanto à forma, ofício e memorando seguem o modelo do padrão ofício; entretanto, no ofício, emprega-se o vocativo, que invoca o destinatário; no memorando, consta apenas o destinatário, que deve ser identificado pelo cargo.

    GABARITO: CERTA.


    Prova: CESPE - 2012 - TJ-RR - Nível Médio - Conhecimentos Básicos

    Disciplina: Redação Oficial | Assuntos: MemorandoOfícioAviso

    As modalidades de comunicação denominadas ofício, aviso e memorando assemelham-se quanto à forma, visto que todas devem ser formatadas conforme o padrão ofício; quanto à finalidade, o memorando distingue-se do ofício e do aviso por destinar-se à comunicação entre unidades administrativas de um mesmo órgão.

    GABARITO: CERTA.



    A característica principal do memorando é a agilidade, devendo esse tipo de expediente tramitar com rapidez e pautar-se pela simplicidade de procedimentos burocráticos.

    GABARITO CERTA.

  • A questão pede que seja marcada a alternativa correta referente ao documento "memorando".

    Ao analisar as possíveis respostas e comparar com o Manual de Redação Oficial, observamos que a resposta correta é referente ao destinatário.

    A resposta correta é a letra (B).


ID
197905
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
DETRAN-DF
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Julgue os itens de 40 a 44 quanto ao emprego da norma escrita
formal em comunicações oficiais.

Ambas as construções serão tidas como corretas, se figurarem em um expediente oficial: 1.Esses são os recursos de que o Estado dispõe. 2.O Governo insiste que a negociação é importante.

Alternativas
Comentários
  • ITEM CERTO

     

    As duas orações estão escritas no padrão culto:

    Esses são os recursos de que o Estado dispõe

    O Governo insiste que a negociação é importante.

  • O pronome demonstrativo "esse", empregado na primeira oração pode anular a questão, haja vista, não haver contexto, a fim de retomar o que foi escrito ou que será explanado, ou seja, eu poderia substituí-lo por "este".

    Vide elementos dêiticos, na Moderna Gramática Brasileira.

    BECHARA, Evanildo. Moderna gramática portuguesa. 37ª. ed. rev. e ampl. - Rio de Janeiro: Lucerna, 2001. p - 162

  • O que torna a questão errada é o uso do pronome esse, pois ele deve ser utilizado para se repostar a fatos que foram expostos anteriormente, com ele se refere a recursos que vem posterior deveria ter usado estes são os recursos de que o Estado dispõe.

  • O verbo insistir é intransitivo

  • A segunda frase não seria:

    O Governo insiste que a negociação SEJA importante. Ao invés de É importante?
  • nao entendo pq a questao esta certa, nao soa bem ate qdo a gente pronuncia, principalmente a segunda frase. errei a questao.
  • Correto.
    A questão é mais complicada do que parece à primeira vista.

    Na primeira frase a presença de Esses não implica intrinsecamente em erro gramatical, visto que, ao existir numa redação oficial, o pronome estaria inserido em um contexto que poderia legitimar seu uso.

    Muitas pessoas talvez tenham errado a interpretação da segunda frase pelo verbo insistir ser INTRANSITIVO.
    Duro é ter de saber sobre uma lista imensa de verbos em relação a suas classes gramaticais!

  •          Não compreendo o nervosismo de alguns colegas quanto a "necessidade" de se saber a transitividade do verbo insistir. Será mesmo que tal conhecimento é fundamental para o acerto da questão?! Acredito que não. Temos que está afiados nas regências dos verbos, mas há momentos que esse saber é totalmente desnecessário, como neste caso.  
  • Nunca ouvi falar que a oração é subordinada devido a transitividade de verbo nenhum. Que eu saiba a subordinação vem devido a relação semântica de dependência.
  • são tantos comentários que, nem gostaria de acrescentar mais um...mas, percebo que
    existem comentários bem equivocados, e para, tentar esclarecer....


    1 - O primeiro período apresentado na questão está correto em todos os aspectos.

    2 - correto também está o segundo. (O QUE VEJO QUE CAUSA MAIOR DÚVIDA)
    Observe a ausência da preposição regida pelo pela forma verbal "insiste" (quem
    insiste insiste em algo). Ocorre que a preposição exigida pelo verbo da oração
    principal (o governo insiste) tem seu emprego facultado diante de orações subordinadas
    substantivas objetivas indiretas (que a negociação é importante). Item correto.
     
    de acordo com comentário prof. Albert Iglésia. Ponto dos Concursos..

  • O verbo insistir pode ser intransitivo e VTI!


ID
197911
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
DETRAN-DF
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Julgue os itens de 40 a 44 quanto ao emprego da norma escrita
formal em comunicações oficiais.

Foram empregadas com correção semântica todas as palavras sublinhadas nos seguintes períodos: Optou-se por uma dissensão lenta e gradual ao se reintroduzir o país ao Estado de Direito. Tratar o público com distinção é obrigação de todo atendente de repartição pública. A discussão do projeto de lei tornou-se acirrada quando afloraram as distensões nas hostes oposicionistas.

Alternativas
Comentários
  • ITEM ERRADO

    Distensão: ato ou efeito de distender, torção violenta dos ligamentos de uma articulação.
    Distinção: elegância, nobreza, boa educação: Todos devem portar-se com distinção.
    Dissensão: desavença, diferença de opiniões ou interesses: A dissensão sobre a matéria impossibilitou o acordo.

  • nao entendi o erro... todos os significados fazem sentido no texto!!!! pra mim o gabarito é Verdadeiro

  • Pessoal, o correto seria assim: Optou-se por uma distensão lenta e gradual ao se reintroduzir o país ao Estado de Direito. Tratar o público com distinção é obrigação de todo atendente de repartição pública. A discussão do projeto de lei tornou-se acirrada quando afloraram as dissensões nas hostes oposicionistas.

  • Na redação oficial não pode haver ambiguidades. Eu só marquei errado porque entendi distinção não como: separação, preferencia, ato de distinguir.
    Tratar todos de forma neutra, sem distinções.
  • Porém, distinção também significa o fato de ser tratado com honra, atenção ou favor especial.

    Portanto, esta palavra é a que está bem empregada. 

    Ex: Fui tratada com distinção naquele lugar.  (Preferência, prerrogativa, honra)

     Apesar de ser usada, na grande maioria das vezes, apenas com o sentido de diferenciação (favoritismo). Ação de distinguir, de separar.

     Como na nossa prórpia constituição: Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza...
  • Distensão: ato ou efeito de distender

    Distinção: elegância, nobreza, boa educação.

    Dissensão: desavença, diferença de opiniões ou interesses:

    gabarito: errado



ID
197914
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
DETRAN-DF
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Julgue os itens de 40 a 44 quanto ao emprego da norma escrita
formal em comunicações oficiais.

Na elaboração de texto oficial, como norma geral, deve ser evitada a repetição de palavras, buscando-se sinônimo ou termo mais preciso para substituir a palavra repetida. No entanto, se a substituição comprometer a inteligibilidade e a coesão do texto, recomenda-se manter a repetição.

Alternativas
Comentários
  • ITEM CERTO

    Evitar repetição consagra o princípio da concisão

  • Ao se evitar a repeticao, previlegia-se a fluidez e elegância textual.
    Bons estudos a todos.
  • Peço desculpas aos colegas, mas o "X" da questão está na seguinte frase: "No entanto, se a substituição comprometer a inteligibilidade e a coesão do texto, recomenda-se manter a repetição". Ou seja, é auto explicativo:  é melhor ter um texto com repetição do que ter um texto incompreensível.
  • Resposta: Certa.


    Considere à inteligibilidade e a coesão do textual premissa maior, ao conflitar com termos repetitivos. Desta forma, faz necessário mante-los para preservar aquelas.

ID
197920
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
DETRAN-DF
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

A respeito da redação de expediente, julgue os próximos itens.

Em ofício dirigido a uma senadora e cujo signatário seja um diretor de um órgão público, deverão ser empregados o vocativo "Senhora Senadora," e o pronome de tratamento "Vossa Excelência", devendo estar flexionados no feminino os adjetivos que se refiram à destinatária, como se verifica no seguinte enunciado: "Vossa Excelência ficará satisfeita ao saber que foi indicada para presidir a sessão."

Alternativas
Comentários
  • ITEM CERTO

    A concordância com o pronome de tratamento vossa excelência se faz na terceira pessoa.

  • CERTO

    Segundo o Manual de Redação da Presidencia da República:

    Da mesma forma, os pronomes possessivos referidos a pronomes de tratamento são sempre os da terceira pessoa: "Vossa Senhoria nomeará seu substituto" (e não "Vossa ... vosso...").

    Já quanto aos adjetivos referidos a esses pronomes, o gênero gramatical deve coincidir com o sexo da pessoa a que se refere, e não com o substantivo que compõe a locução. Assim, se nosso interlocutor for homem, o correto é "Vossa Excelência está atarefado", "Vossa Senhoria deve estar satisfeito"; se for mulher, "Vossa Excelência está atarefada", "Vossa Senhoria deve estar satisfeita".
     

  • Obs: em comunicações dirigidas aos 'Chefes de Poder' o vocativo a ser empregado é 'Excelentíssimo Senhor', seguido do cargo respectivo:
    ex: Excelentíssimo Senhor Presidente do Congresso Nacional,

  • Certo, pois com pronomes de tratamento ocorre concordância ideológica(silepse). A concordância é feita com a ideia, o sentido - não com a forma gramatical da palavra. No casso de pronome de tratamento ocorre silepse de gênero.

  • Minha dúvia é quanto ao uso de " senhora senadora", isto é cooreto? me parece errado na questão.  

  • Cuidado,
    O uso de Exelentíssimo no vocativo refere-se apenas aos chefes de poder. Nesse sentido está correto o uso de Senhora Senadora no vocativo supramencionado.

  • A concordâncias do pronomes e adjetivos quando empregados com pronome de tratamento se deve ser na pessoa de quem lhe será enviada a conrespondência (destinatário), na questão como explicitava que se tratava de "uma senadora"  os pronome e adjetivos foram CORRETAMENTE empregados no feminino.

  • O vocativo Senhora Senadora está correto... Observe no texto do Manual de Redação:
    O vocativo a ser empregado em comunicações dirigidas aos Chefes de Poder é Excelentíssimo Senhor, seguido do cargo respectivo:

    Excelentíssimo Senhor Presidente da República,

    Excelentíssim