SóProvas



Questões de Princípios da Redação Oficial


ID
5683
Banca
CESGRANRIO
Órgão
EPE
Ano
2006
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Memória
Potencial para o futuro


Treinar a memória equivale a treinar os músculos
do corpo ? é preciso usá-la ou ela atrofia. Há duas boas
maneiras para fazer isso: a primeira é a leitura, porque,
no instante em que se lê algo, ativam-se as memórias
visual, auditiva, verbal e lingüística. "A qualidade do que
se lê importa mais que a quantidade, porque gostar do
assunto gera interesse", diz o médico e pesquisador
Iván Izquierdo, diretor do Centro de Memória da Pontifícia
Universidade Católica do Rio Grande do Sul. A memória
sofre influência do humor e da atenção, despertada
quando existe interesse em determinado assunto ou
trabalho ? o desinteresse, ao contrário, é uma espécie
de "sedativo", que faz a pessoa memorizar mal. A outra
forma de deixar a memória viva é o convívio com
familiares e amigos, com quem se podem trocar idéias
e experiências. "Palavras cruzadas são inferiores à
leitura, mas também ajudam. Da mesma forma que ouvir
uma música e tentar lembrar a letra ou visitar uma cidade
para onde já se viajou e relembrar os pontos mais
importantes", afirma Izquierdo.
É preciso corrigir o estilo de vida para manter a
memória funcionando bem. "Uma pessoa de 40 anos
só sofre de esquecimento se viver estressada e tiver
um suprimento de informações acima do que é capaz
de processar. Não dá para esperar o mesmo nível de
retenção de informação quando se lê um e-mail enquanto
se conversa ao telefone e é interrompido pela secretária.
É preciso dar tempo para o cérebro", explica o psiquiatra
Orestes Forlenza, da USP.
Segundo Barry Gordon, professor da Johns Hopkins
Medical Institution, a memória "comum" focaliza coisas
específicas, requer grande quantidade de energia mental
e tem capacidade limitada, deteriorando-se com a idade.
Já a "inteligente" é um processo que conecta pedaços
de memória e conhecimentos a fim de gerar novas
idéias. É a que ajuda a tomar decisões diárias, aquela
"luz" que se acende quando se encontra a solução de
um problema. Por exemplo: a comum esquece o
aniversário da mulher; a inteligente lembra o que poderia
ser um presente especial para ela. A comum esquece
o nome de um conhecido encontrado na rua; a
inteligente lembra o nome da mulher dele e onde ele
trabalha, pistas que acabam levando ao nome da
pessoa.

CLEMENTE, Ana Tereza; VEIGA, Aida. Receitas para a inteligência.
Revista Época. 31 out.2005. p.77-78.

Em relação à redação de correspondências oficiais, considere as afirmações abaixo.

I - As comunicações oficiais, incluindo as assinadas pelo Presidente da República, devem trazer o nome e o cargo da autoridade que as expede, abaixo do local da assinatura.

II - No ofício, além do nome e do cargo da pessoa a quem é dirigida a comunicação, deve-se incluir também o endereço.

III - No memorando, o destinatário deve ser mencionado pelo cargo que ocupa.

Está(ão) correta(s) a(s) afirmação(ões):

Alternativas
Comentários
  • Vide Manual de Redação Oficial da Presidência da República, Capítulo II.
  • A (I) está errada porque quando o Presidente da República é a autoridade que assina o documento não é necessário mencionar o cargo que ocupa.
  • Como citou o colega Antônio , o capítulo II do Manual de Redação da Presidência da República fala:
    "2.3. Identificação do Signatário
    Excluídas as comunicações assinadas pelo Presidente da República, todas as demais comunicações oficiais devem trazer o nome e o cargo da autoridade que as expede, abaixo do local de sua assinatura. A forma da identificação deve ser a seguinte:
                           (espaço para assinatura)
                                          NOME
    Chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República
                          (espaço para assinatura)
                                          NOME
                       Ministro de Estado da Justiça
    Para evitar equívocos, recomenda-se não deixar a assinatura em página isolada do expediente. Transfira para essa página ao menos a última frase anterior ao fecho.
    "
    Esse capítulo não é grande, porém contém muitas informações e meu comentário ficaria ainda maior... quem quiser ler esse capítulo e confirmar os outros itens da questão dá uma olhada no endereço abaixo, pro manual! Pra banca Cesgranrio vale à pena!!!
    Fonte: http://www.biblioteca.presidencia.gov.br/publicacoes-oficiais-1/catalogo/centro-de-estudos-juridicos-da-presidencia-da-republica/manual-de-redacao-da-presidencia-da-republica/view?searchterm=manual%20de%20reda%C3%A7%C3%A3o
  • Devem constar do cabeçalho ou do rodapé do  ofício as seguintes informações do remetente:
    – nome do órgão ou setor;
    – endereço postal;
    – telefone e endereço de correio eletrônico.
  • A questão pede que seja marcada a alternativa correta, referente às afirmações apresentadas. 
    Segundo o Manual de Redação Oficial, "excluídas as comunicações assinadas pelo Presidente da República, todas as demais comunicações oficiais devem trazer o nome e o cargo da autoridade que as expede, abaixo do local de sua assinatura". Esta afirmação torna a I incorreta. 

    Observamos que as outras duas afirmações estão corretas, pois constam no Manual de Redação Oficial. 



    A resposta correta é a letra (E).






  • A questão pede que seja marcada a alternativa correta, referente às afirmações apresentadas. 
    Segundo o Manual de Redação Oficial, "excluídas as comunicações assinadas pelo Presidente da República, todas as demais comunicações oficiais devem trazer o nome e o cargo da autoridade que as expede, abaixo do local de sua assinatura". Esta afirmação torna a I incorreta. 

    Observamos que as outras duas afirmações estão corretas, pois constam no Manual de Redação Oficial. 



    A resposta correta é a letra (E).


ID
13900
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
TRE-AL
Ano
2004
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

1    No que diz respeito à esfera política, a
     democratização se coloca em vários planos e tem como
     exigência primordial o reconhecimento dos diversos sujeitos
4   e das causas que defendem. Esse reconhecimento está
     diretamente ligado à ruptura com a tradição conservadora,
     cuja visão política hierarquiza as formas de participação e
7   não reconhece os vários campos de conflitos e contradições
     sociais presentes na sociedade.

Maria Betânia Ávila.
Democracia radical em foco.
Internet: . Acesso em 16/7/2004 (com adaptações).

Julgue os itens subseqüentes, relativos ao texto acima.

Pelas características de clareza, objetividade, impessoalidade da linguagem e respeito às regras do padrão culto da língua portuguesa, esse texto poderia fazer parte de um documento oficial.

Alternativas
Comentários
  • Não concordo com a resposta. O Texto fala, fala e acaba não dizendo nada que se aproveite.
  • Realmente, no quesito clareza esse texto peca e muito!! Não concordo com o gabarito.
  • Discordo. Quem consegue interpretar textos entende bem o que o parágrafo está dizendo.
  • Ora, não vejo razões para o gabarito ter sido considerado Correto.
    No período: 
    " No que diz respeito à esfera política, a democratização se coloca em vários planos e tem como exigência primordial o reconhecimento dos diversos sujeitos  e das causas que defendem." Meu Deus! O administrador, seja superior hierárquico ou de mesmo nível, não tem interesse em saber em que plano se coloca a democratização e quais são suas exigências. Caso ele quisesse saber, bastaria voltar para escola! Fala sério aí!  
  • errei....achei que um texto dissertativo não poderia ser impessoal pq defende um ponto de vista.....
    bem, a hora de errar eh aki, vamo q vamo

  • Achei o texto muito enrolado, errei pq pensei que não está usando uma linguem muito fácil de entender, considerando que o texto tem que ser o mais claro e breve possível, de fácil entendimento por todos.

  • A questão informa que "pelas características de clareza, objetividade, impessoalidade da linguagem e respeito às regras do padrão culto da língua portuguesa, esse texto poderia fazer parte de um documento oficial".

    Ao analisar o pequeno texto, percebemos que não há erros de ortografia, de semântica, de sintaxe, o que torna o texto viável para ser um documento oficial. 


    A resposta é correta. 

  • Certo.




    Tal trecho, apesar de aparente defesa de tese, encontra-se claro e objetivo, sem o uso de linguagem coloquial.

  • O texto permite uma interpretação muito extensiva.

     

    --

     

    Gabarito oficial: certo

    Meu gabarito: erradíssimo

  • Na minha opinião, existe pessoalidade: " esse reconhecimento está diretamente ligado à ruptura com a tradição conservadora...". Isso é na opinião dela.

  • Concordo com o colega Mateus Santos!

     

    Meu gabarito: ERRADO

  • Minha justificativa para marcar o item como correto.

    Porque quando foi citado na pergunta ''padrão culto'' e observando o nome da autora e o nome ''Democracia radical em foco'' juntamente com a forma escrita do texto que tem características sim de objetividade e impessoalidade; não consegui identificar clareza pela utilização da palavra ''ruptura'' e ''hierarquiza'', pois vai contra um dos tópicos do livro do manual de redação oficial, que é utilizar expressões simples, mas como na pergunta diz ''padrão culto'' então se adéqua a pergunta. Por essas razoes julguei o item como verdadeiro.

  • Na minha humilde opinião esse texto não tem clareza nem objetividade... Já que nas correspondências oficiais não é correto supor que a pessoa que lê a mensagem tem o mesmo nível de conhecimento de quem escreve, o ideal seria escolher palavras mais simples, a não ser que se tratassem de termos técnicos, o que não é o caso do assunto em questão.

    Resultado: Errei!!

    Vamos pra próxima!!!

  • Não tem nada de impessoalidade nesse texto.

  • Típica questão que o examinador dá o gabarito que quiser...

  • Super impessoal e imparcial este texto claramente de orientação política à esquerda... aham...

  • ALEM DO QUE FOI FALADO PELOS COLEGAS, NOTEM A REDUNDÂNCIA NA PALAVRA "RECONHECIMENTO" LOGO CABE RECURSO ESSE TREM UAI

  • Poderia muito bem compor o conteúdo de um relatório.

  • Achei muito mais que formal. Não pra mim, mas não seria de fácil entendimento para um grande número de pessoas.

  • NÃO TEM NADA DE IMPESSOALIDADE E CLAREZA.


ID
20689
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
Banco do Brasil
Ano
2007
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Texto para os itens de 1 a 14

1 Os bancos médios alcançaram um de seus
melhores anos em 2006. A rigor, essas instituições não
optaram por nenhuma profunda ou surpreendente mudança
4 de foco estratégico. Bem ao contrário, elas apenas voltaram
a atuar essencialmente como bancos: no ano passado a
carteira de crédito dessas casas bancárias cresceu 39,2%,
7 enquanto a carteira dos dez maiores bancos do país
aumentou 26,2%, ambos com referência a 2005.
É apressado asseverar que essa expansão do
10 segmento possa gerar maior concorrência no setor. Vale
lembrar, apenas como comparação, que a chegada dos
bancos estrangeiros (nos anos 90) não surtiu o efeito
13 esperado quanto à concorrência bancária. Os bancos
estrangeiros cobram o preço mais alto em 21 tarifas. E os
bancos privados nacionais, médios e grandes, têm os preços
16 mais altos em outras 21. O tamanho do banco não determina
o empenho na cobrança de tarifas. O principal motivo da
fraca aceleração da concorrência do sistema bancário é a
19 permanência dos altos spreads, a diferença entre o que o
banco paga ao captar e o que cobra ao emprestar, que não se
altera muito, entre instituições grandes ou médias.
22 Vale notar, também, que os bons resultados dos
bancos médios brasileiros atraíram grandes instituições do
setor bancário internacional interessadas em participação
25 segmentada em forma de parceria. O Sistema Financeiro
Nacional só tem a ganhar com esse tipo de integração. Dessa
forma, o cenário, no médio prazo, é de acelerado movimento
28 de fusões entre bancos médios, processo que já começou.
Será um novo capítulo da história bancária do país.


Gazeta Mercantil, Editorial, 28/3/2007.

A correção gramatical, o nível de formalidade e as escolhas lexicais permitem afirmar-se que a linguagem do texto está apropriada para correspondências oficiais.

Alternativas
Comentários
  •  Sinceramente gostaria de saber pq  essa questa esta correta

    Alguem poderia me dizer
  • A questão não fala sobre o texto estar em conformidade com as correspondências oficiais, MAS SIM a linguagem que está na 3a Pessoa e respeita as demais normas. Realmente não é uma correspondência oficial, mas não confunda o todo com um aspecto específico, como é o da questão.
  • O comentário do colega Frederico está ótimo.

    Inclusive, observe na linha 19 do texto. Há um termo técnico, porém o mesmo foi explicado na frase seguinte. É o que manda o modelo das correspondências oficiais.
  • Na minha humilde opinião, entendo que a questão esta errada, pois existem passagens no texto em que o autor, de maneira sucinta, exprime uma certa pessoalidade - vale lembrar (l .10) vale, notar (l.22) - e isso (pessoalidade) não é adequado ao texto oficial. 

  • " É apressado asseverar que essa expansão do
    10 segmento possa gerar maior concorrência no setor... "


    O uso da palavra  " ASSEVERAR " não tornaria a questão errada ??

  • O engraçado é que a outra pergunta sobre redação oficial neste certame foi esta:

    "A expressão "Não foi por falta de aviso" (L1) é adequada para iniciar um ofício."

    Assertiva errada!! então como este texto pode servir de modelo para uma correspondencia oficial?

  • Tenho dó do ser humano que pegou essa questão em uma prova. Não por ela ser difícil, mas sim pelo tempo que ele levaria para ler tudo isso.

  • Marquei errado por causa do spreads. OMG!! A questão deveria informar quem é o remetente e o destinatário desse  texto, se ambos fossem da área bancária, tudo bem, eu até concordaria. Mas a rigor a rigor esse texto não é adequado para compor uma redação oficial.

  • Gab. Certo

     

    Porém, achei esse texto com palavras, que ser forem lidas por qq cidadão, já que tem que ser de fácil entendimento p/ todos, difícil de entender.

     

    Esse trecho, por exemplo: ...É apressado asseverar que essa expansão do segmento possa gerar maior concorrência no setor.

     

    E Outra, como pode em um mesmo texto ter essa pergunta? 

     

    (Q6899) A expressão "Não foi por falta de aviso" (L1) é adequada para iniciar um ofício.

    Gab. Errado.

  • Está correto a concordância da palavra ambos?

  • Não concordo com o gabarito porque segundo o principio da CONCISÃO pois a palavras no texto inúteis, que nada acrescentem ao que já foi dito.

    Ex: linha 3 ''...optaram por nenhuma profunda ou surpreendente mudança...''

    Linha 9 '' É apressado asseverar que essa expansão do...''

  • Não achei a linguagem do texto apropriada para correspondência oficial, pois apesar da correção gramatical e do nível de formalidade estarem corretos, faltou objetividade e concisão que consiste no texto ter o máximo de informação com um mínimo de palavras.

  • "Será um novo capítulo da história bancária do país". A meu ver, o citado trecho fere o princípio da impessoalidade.


ID
46564
Banca
FCC
Órgão
TRT - 7ª Região (CE)
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Considere as afirmativas seguintes:

I. O padrão culto da linguagem é estabelecido por seu uso específico nos atos e comunicações oficiais, com preferência por determinadas expressões e formas sintáticas, tendo em vista tratar-se de uma variante da linguagem técnica.
II. Um dos princípios da redação oficial é a impessoalidade na comunicação de determinado assunto, considerando-se que ela é feita em nome do serviço público para um destinatário entendido como público, portanto, também impessoal.
III. A necessidade de se empregar o padrão culto da língua na redação oficial decorre tanto do caráter público dos atos emitidos quanto de sua qualidade, que é informar os cidadãos com clareza e objetividade.

É correto o que se afirma em:

Alternativas
Comentários
  • I - ERRADA - O padrão de linguagem das comunicações oficiais não é, e nem pode ser, uma variante de linguangem técnica. As gírias, os regionalismos, os jargões técnicos ou qualquer outro tipo de linguagem de um grupo específico são vedadas em comunicações oficiais. Isso pq tais comunicações (oficiais) partem de órgãos públicos e devem ser compreendidas por todo e qualquer cidadão brasileiro.II - CORRETA - As redações oficiais detêm as seguintes caracteristicas básicas: a impessoalidade, o uso do padrão culto de linguaegem, a formalidade e a padronização, a concisão.III - CORRETA - O padrão culto nas comunicações oficiais é aquele que: observa as regras da gramática oficial e emprega um vocabulário comum ao conjunto dos usuários do idioma. Correta, letra "E".Abraço!
  • Um dos princípios da redação oficial é a impessoalidade na comunicação de determinado assunto, considerando-se que ela é feita em nome do serviço público para um destinatário entendido comopúblico, portanto, também impessoal.

    Não necessariamente o destinatário de uma correspondência oficial será público, ela destina-se também a particulares. 

  • Elimina-se o item I, acha-se a alternativa E.

  • Sinceramente, essa II está estranha!

ID
50818
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
MEC
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Julgue os itens que se seguem, relativos à redação de expedientes.

Na administração pública, o telegrama deve ter sua utilização priorizada em detrimento de outras modalidades de comunicação oficial, tendo-se em vista a desburocratização no trâmite de expedientes públicos.

Alternativas
Comentários
  • O telegrama por tratar-se de forma de comunicação dispendiosa aos cofres públicos e tecnologicamente superada, deve restringir-se o uso do telegrama apenas àquelas situações que não seja possível o uso de correio eletrônico ou fax e quea urgência justifique sua utilização e, também em razão de seu custo elevado, esta forma de comunicação deve pautar-se pela concisão.
  • É muito é caro vei

  • é memo vey


ID
52648
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
ANAC
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Com relação à correspondência oficial, julgue os itens a seguir
de acordo com o Manual de Redação da Presidência da
República.

As comunicações expedidas por órgãos públicos federais devem ser compreendidas por todo e qualquer cidadão brasileiro, excetuando-se as de cunho específico, nas quais é adequado o emprego de jargão técnico.

Alternativas
Comentários
  • Correto- Trata-se do princípio da clareza, decorrência do princípio constitucional da publicidade dos atos públicos. Constituem exceção os textos técnicos, porque têm cunho específico: são informações trocadas entre conhecedores de certos termos técnicos, jargões. Lembremos que jargão é o vocabulário próprio de uma área profissional. Exemplifiquemos tais textos: pareceres, relatórios técnicos, notas técnicas, votos de ministros do judiciário.
  • Ao meu ver essa questão deveria ser anulada, pois ao mesmo tempo em que está correta ao afirmar que comunicações de cunho especifico devem empregar jargões técnicos, está errada ao afirmar que essas comunicações não devem ser compreendidas por todo e qualquer cidadão brasileiro. " As comunicações expedidas por órgãos públicos federais devem ser compreendidas por todo e qualquer cidadão brasileiro, EXCETUANDO-SE as de cunho específico, nas quais é adequado o emprego de jargão técnico"Alguém pode ajudar?
  • ERRADA- GABARITO DO SITE ESTÁ ERRADO, VERIFIQUEI A PROVA, QUESTÃO 100 PROVA ANAC.SUCESSO....
  • JARGÃO TÉCNICO SÓ PODE SER UTILIZADO DE FORMA ESPECÍFICA, MAS NÃO SIGNIFICA DIZER QUE NÃO POSSA SER COMPREENDIDAS POR TODO E QUALQUER CIDADÃO BRASILEIRO.PORTANTO, questão errada.Vejamos o que diz o MANUAL DE PRESIDÊNCIA a este respeito:A linguagem técnica deve ser empregada apenas em situações que a exijam, sendo de evitar o seu usoindiscriminado. Certos rebuscamentos acadêmicos, e mesmo o vocabulário próprio a determinada área, são de difícilentendimento por quem não esteja com eles familiarizado. Deve-se ter o cuidado, portanto, de explicitá-los emcomunicações encaminhadas a outros órgãos da administração e em expedientes dirigidos aos cidadãos.
  • A questão não é contraditória.

    Vejamos o que diz o MANUAL DE PRESIDÊNCIA a este respeito:

    A linguagem técnica deve ser empregada apenas em situações que a exijam, sendo de evitar o seu uso
    indiscriminado. Certos rebuscamentos acadêmicos, e mesmo o vocabulário próprio a determinada área, são de difícil
    entendimento por quem não esteja com eles familiarizado. Deve-se ter o cuidado, portanto, de explicitá-los em
    comunicações encaminhadas a outros órgãos da administração e em expedientes dirigidos aos cidadãos.

    O Manual de Presidência diz que certos rebuscamentos acadêmicos e mesmo o vocabulário próprio de determinada área (técnico) são de difícil entendimento por quem não esteja com eles familiarizado.  Portanto não são compreendidos por todo e qualquer cidadãobrasileiro.

     Essa linguagem técnica deve ser empregada apenas em situações que a exijam - elas são uma exceção. A regra é utilizar uma linguagem que possa ser compreendida por todos.

  • Segundo o manual de redação, sub-capítulo 1.2:  As comunicações que partem dos órgãos públicos federais devem ser compreendidas por todo e qualquer cidadão brasileiro. Para atingir esse objetivo, há que evitar o uso de uma linguagem restrita a determinados grupos. Não há dúvida que um texto marcado por expressões de circulação restrita, como a gíria, os regionalismos vocabulares ou o jargão técnico, tem sua compreensão dificultada.

    tendo em vista a A Linguagem dos Atos e Comunicações Oficiais a questão está errada.
  • Acompanho, nos mesmo termos a explicação do colega Lucas. Um texto técnico e especifico não conduz, necessariamente, a obrigatoriedade de sua incompreensão pelo cidadão. O certo é evitar estes jargões, porém, caso sejam imprescindíveis, que os sejam empreegados moderadamente.
  • Teremos alteração deste gabarito? Questão antiga, porém não tivemos ajuste. Qual será a resposta certa?
  •  CARGO 10: TÉCNICO ADMINISTRATIVO – ÁREA 1 (caderno A)

    Parecer: ALTERADO de E para C
     
    Justificativa: o Manual de Redação da Presidência da República prevê, em certos casos, a possibilidade de 
    emprego de jargões específicos de determinada área.  
  • Olá, pessoal!
    O gabarito foi atualizado para "C", conforme edital publicado pela banca e postado no site.
    Justificativa da banca:  o Manual de Redação da Presidência da República prevê, em certos casos, a possibilidade de
    emprego de jargões específicos de determinada área.
    Bons estudos!
  • "O jargão burocrático, como todo jargão, deve ser evitado, pois terá sempre sua compreensão limitada."
    "A linguagem técnica deve ser empregada apenas em situações que a exijam, sendo de evitar o seu uso indiscriminado."

    Fonte: manual da redação oficial da presidência da república, tópico 1.2, pag. 5.
  • "excetuando-se as de cunho específico" --> isso não tem no Manual de Redação Oficial da Presidência... absurdo.
  • Dizer que as comunicações oficiais devem primar pela clareza é bem diferente de dizer que elas devem ser compreendidas por todo e qualquer cidadão brasileiro. A clareza é qualidade do texto/mensagem, ao passo que a compreensão depende muito da capacidade cognitiva do receptor. Uma lei pode ser clara, no sentido de ser desprovida de ruídos de comunicação, mas não ser inteligível para muitos brasileiros. Discordo do gabarito!

    Quanto ao jargão técnico, corroboro o que já foi dito: ele pode ser usado em algumas situações, conforme permissão expressa do próprio MRPR.

  • errado, em nenhum momento é dito que deve ser compreendida por todo cidadão.

  • De acordo com o Manual de Redação Oficial questão correta. Mas ela está divida em 2 trechos do manual:

    "As comunicações expedidas por órgãos públicos federais devem ser compreendidas por todo e qualquer cidadão brasileiro" (PRIMEIRA PARTE DA QUESTÃO)

    Resposta e fundamento: Correto. 

    1.2. A Linguagem dos Atos e Comunicações Oficiais: As comunicações que partem dos órgãos públicos federais devem ser compreendidas por todo e qualquer cidadão brasileiro.

     "excetuando-se as de cunho específico, nas quais é adequado o emprego de jargão técnico." (SEGUNDA PARTE DA QUESTÃO)

    Resposta e fundamento: Correto

    1.2. A Linguagem dos Atos e Comunicações Oficiais: A linguagem técnica deve ser empregada apenas em situações que a exijam, sendo de evitar o seu uso indiscriminado.

  • OS EXPEDIENTES OFICIAS QUE POSSUÍREM JARGÕES BUROCRÁTICOS SERÃO COMPREENDIDOS POR UMA PARCELA MENOR DE ADMINISTRADOS. OS JARGÕES DEVEM SER EVITADOS, ISSO NÃO SIGNIFICA SER PROIBIDO O USO.




    GABARITO CERTO

  • Sinceramente...
    Já vi questão do CESPE, se não me engano duas, que a banca considera distintos os termos JARGÃO TÉCNICO de LINGUAGEM TÉCNICA. 
    O manual claramente fala que devem ser evitados jargões, de qualquer tipo, e que LINGUAGEM TÉCNICA é permitida às vezes...
    Inclusive anotei em meu caderno com letra garrafais após errar a questão  "PEGADINHA CESPE - linguagem técnica pode, jargão técnico não"...

    Fico perdido, fico loco, mas vou passar!!

  • Mas a questão é clara quando diz:excetuando-se as de cunho específico...pronto!

  • A linguagem técnica deve ser empregada apenas em situações que a exijam, sendo de evitar o seu uso indiscriminado. Certos rebuscamentos acadêmicos, e mesmo o vocabulário próprio a determinada área, são de difícil entendimento por quem não esteja com eles familiarizado. Deve-se ter o cuidado, portanto, de explicitá-los em comunicações encaminhadas a outros órgãos da administração e em expedientes dirigidos aos cidadãos.

  • Assertiva duvidosa. 

     

    JARGÂO não pode ser usado em nenhuma situação. (significado: Jargão é o linguajar próprio de um grupo profissional; gírias usadas por pessoas de uma determinada área profissional.)

     

    O que pode, quando necessário, é a LINGUAGEM TÉCNICA. 

  • $%Y$@$4 só rí

  • JARGÃO É PROIBIDO QUESTÃO ERRADA DE 2009 - DESATUALIZADA

  • Jargão não é proibido , porém deve ser evitado . leiam com mais parcialidade o Manual

  • discordo com o gabarito .


  • jargão técnico = linguagem técnica. é possivel ser usada.

    gab C

  • Gabarito: Certo

    Jargão é uma terminologia técnica comum a uma atividade ou grupo específico, comumente usada em grupos profissionais ou socioculturais. Por exemplo, para os advogados peticionar significa o que os leigos conhecem por entrar com a ação ou pedir para o juiz.

  • o MANUAL DE REDAÇÃO PREVE ISSO AONDE? ACABEI DE LER O MANUAL TEM NADA DISSO ESCRITO!

  • Acho a questão mal feita pois quando ele escreve "excetuando-se as de cunho específico" , dá a entender que nem todos os brasileiros precisam entender as comunicações de cunho específico, entretanto o manual prevê que todos entendem as comunicações.


ID
66670
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
TJ-DFT
Ano
2008
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

EMENTA: Medida cautelar em ação direta de
inconstitucionalidade. Lei n.o 8.429, de 2/6/1992, que dispõe
sobre as sanções aplicáveis aos agentes públicos nos casos de
enriquecimento ilícito no exercício de mandato, cargo,
emprego ou função na administração pública direta, indireta
ou fundacional e dá outras providências. Alegação de vício de
forma ocorrido na fase de elaboração legislativa no Congresso
Nacional (CF, Artigo 65).
Coordenação de Análise de Jurisprudência. Ação Direta de
Inconstitucionalidade n.o 2.182 - 6. Distrito Federal (com adaptações).
A partir do texto da ementa acima, julgue os próximos itens.

Ao se substituir o trecho "de 2/6/1992, que dispõe" por de 02.06.1992. Dispõe sobre, preservam-se a correção de língua portuguesa e o respeito à normatização referente à redação de documentos oficiais.

Alternativas
Comentários
  • Questão muito bem elaborada, quem fizer confusão com o ponto final da primeira parte da pergunta,junto ao ano, errará feio assim como errei.Força moçada!Não vamos desanimar...
  • nossa literalmente nao entendi....
  • Colega, ficou meio confuso pq o pessoal do QC não negritou parte do texto... Segue formato original da prova(ficaria mais claro se tivessem usado aspas ao invés de negritar...mas fazer o quê...):Ao se substituir o trecho “de 2/6/1992, que dispõe” por de 02.06.1992. Dispõe sobre, preservam-se a correção de língua portuguesa e o respeito à normatização referente à redação de documentos oficiais.:)
  • Olá, pessoal!
     
    O gabarito foi atualizado para "E", após recursos, conforme edital publicado pela banca, e postado no site.

    Justificativa da banca: 
    alterado de C para E. A proposta de alteração apresentada desobedece ao padrão culto da língua, exigido por todo documento oficial, porque resulta em duplicidade de preposição. Além disso, apesar de obedecer às regras gramaticais, como está no documento, as datas de leis devem ser escritas por extenso, conforme a Instrução Normativa nº 4, de 6 de março de 1992. A alteração provoca erro gramatical e mantém inadequação de menção à lei.
     
    Bons estudos!
  • Segundo o Manual de Elaboração de Textos do Senado Federal, as datas abreviadas serão escritas assim:

    11-10-11 ou 11/10/11 (11 de outubro de 2011) 



    Observações:

    *não se utiliza zero à esquerda dos numerais:                            05-02-11 o correto é 5-2-11 

    * não se usa ponto no ano:                                                             1.998 o correto é 1998

    *o primeiro dia do mês é sempre escrito em forma ordinal:       1º/12/11 ou 1º-12-11 ou ainda 1º de dezembro de 2011
  • Ficaria "(...) Dispõe sobre sobre".
  • Caramba eu marquei errado porque retiraram o "que" que iniciava a oração adjetiva explicativa alguém mais pensou assim? 

    não ri de mim por favor... alguém pensou isso?

  • O pronome relativo tem função sintática de sujeito da oração, logo não pode ser retirado.

  • Gab. E.

    Apesar de obedecer às regras gramaticais, como está no documento, as datas de leis devem ser escritas por extenso, 

  • Marquei errado porque a data entre pontos separando-as.


ID
84781
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
Banco do Brasil
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Com referência à redação de correspondências oficiais, julgue os
próximos itens.

Na elaboração de um documento oficial - por exemplo, relatório ou parecer -, respeitam-se os requisitos de clareza, objetividade, formalidade, impessoalidade e normas gramaticais, redigindo-se o seguinte parágrafo.
De acordo com as normas internas, válidas desde novembro de 2008, toda e qualquer requisição de material de consumo deverá ser preenchida no formulário n.º 12 e encaminhada à Direção de Suprimentos.

Alternativas
Comentários
  • Alguns preceitos para a redação de textos claros:a) utilizar preferencialmente a ordem direta ou lógica (sujeito, verbo, complementos); às vezes essa ordem precisa ser alterada em benefício da própria clareza;b) usar as palavras e as expressões em seu sentido mais comum;c) evitar períodos com negativas múltiplas;d) transformar as orações negativas em positivas, sempre que possível;e) buscar a uniformidade do tempo verbal em todo o texto;f) escolher com cuidado o vocabulário, evitando o jargão técnico;g) evitar neologismos (palavras, frases ou expressões novas, ou palavras antigas com sentidos novos), preciosismos (delicadeza ou sutileza excessiva no escrever) e regionalismos;h) utilizar palavras ou expressões de língua estrangeira somente quando indispensável.Fonte: www.oreidasapostilas.com.br
  • Fiquei apenas com uma dúvida..... por que a vírgula não seria depois de válidas, isolando o termo desde...... . Alguém pode me responder?
  • Os termos "toda e qualquer" não são ambíguos?
  • Ambiguidade acontece quando uma palavra possui mais de um sentido e tais sentidos se confundem numa frase.Toda e qualquer são palavras redundantes,ou seja,têm o mesmo sentido e portanto não precisariam estar as duas escritas na mesma frase.Como redundância é um erro de escrita,esse texto não estaria adequado às correspondências oficiais.
  • Mas usar "toda e qualquer" não fere a concisão? Não seria melhor escolher um ou outro? Assim:
    ...qualquer requisição de material de consumo deverá ser preenchida... ou 
    ...toda requisição de material de consumo deverá ser preenchida... 
    Por que usar as duas palavras?
  • GALERA, Alguém sabe pq tem uma vírgula antes de "válida"? não se separa sujeito de verbo.HELP

  • "Válidas" não é verbo. 

  • O enunciado informa que "na elaboração de um documento oficial - por exemplo, relatório ou parecer -, respeitam-se os requisitos de clareza, objetividade, formalidade, impessoalidade e normas gramaticais." Em seguida, nos repassa uma oração para ser analisada dentro das características apresentadas acima.

    Observa-se que não foi usada uma linguagem rebuscada, de difícil compreensão. Além disso, há a presença da formalidade e da impessoalidade, pois não há uso de verbos em primeira pessoa, e nem expressões que indiquem intimidade.


    A questão está correta. 

  • Bom, corrijam-me se eu estiver errado, mas o trecho "válidas desde novembro de 2008" é um aposto explicativo, logo deve vir entre vírgulas.

  • No meu entendimento  "toda e qualquer"  fere a concisão !

    Concordo com  Leonardo Antonioli.

  • EM 2009 QUEM ELABORAVA AS QUESTÕES DE RO ERAM OS ESTAGIÁRIOS DO MENOR APRENDIZ.


ID
88873
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
PRF
Ano
2008
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Considerando as prescrições relativas às comunicações oficiais, assinale a opção correta.

Alternativas
Comentários
  • QUESTÕES:a)Há três tipos de expedientes que se diferenciam antes pela finalidade do que pela forma: o ofício, o aviso e o MEMORANDO. Com o fito de uniformizá-los, pode-se adotar uma diagramação única, que siga o que chamamos de padrão ofício. b)Exposição de motivos é o expediente dirigido ao Presidente da República ou ao Vice-Presidente para: informá-lo de determinado assunto; propor alguma medida; ou submeter a sua consideração projeto de ato normativo. Em regra, a exposição de motivos é dirigida ao Presidente da República por um Ministro de Estado.Nos casos em que o assunto tratado envolva mais de um Ministério, a exposição de motivos deverá ser assinada por todos os Ministros envolvidos, sendo, por essa razão, chamada de interministerial. acompanha a exposição de motivos que proponha alguma medida ou apresente projeto de ato normativO.A exposição de motivos, de acordo com sua finalidade, apresenta duas formas básicas de estrutura: uma para aquela que tenha caráter exclusivamente informativo e outra para a que proponha alguma medida ou submeta projeto de ato normativo. c) respeitosamente d) CERTA
  • "[Os pronomes de tratamento (ou de segunda pessoa indireta) apresentam certas peculiaridades quanto à concordância verbal, nominal e pronominal. Embora se refiram à segunda pessoa gramatical (à pessoa com quem se fala, ou a quem se dirige a comunicação), levam a concordância para a terceira pessoa. É que o verbo concorda com o substantivo que integra a locução como seu núcleo sintático: "Vossa Senhoria nomeará o substituto"; "Vossa Excelência conhece o assunto".Da mesma forma, os pronomes possessivos referidos a pronomes de tratamento são sempre os da terceira pessoa: "Vossa Senhoria nomeará seu substituto" (e não "Vossa ... vosso...").Já quanto aos adjetivos referidos a esses pronomes, o gênero gramatical deve coincidir com o sexo da pessoa a que se refere, e não com o substantivo que compõe a locução. Assim, se nosso interlocutor for homem, o correto é "Vossa Excelência está atarefado", "Vossa Senhoria deve estar satisfeito"; se for mulher, "Vossa Excelência está atarefada", "Vossa Senhoria deve estar satisfeita".]"Manual da Presidência da República
  • Mui engraçada essa questão... Mas a gente merece rir um pouco, rs. 


ID
93709
Banca
FGV
Órgão
TJ-MS
Ano
2008
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Com base no Manual de Redação da Presidência da República, que rege a redação dos atos oficiais no Brasil, analise as afirmativas a seguir:

I. As comunicações oficiais são necessariamente uniformes, pois há sempre um único comunicador (o Serviço Público) e o receptor dessas comunicações ou é o próprio Serviço Público (no caso de expedientes dirigidos por um órgão a outro) - ou o conjunto dos cidadãos ou instituições tratados de forma homogênea (o público).

II. A redação oficial é árida e infensa à evolução da língua. É que sua finalidade básica - comunicar com impessoalidade e máxima clareza - impõe certos parâmetros ao uso que se faz da língua, de maneira diversa daquele da literatura, do texto jornalístico, da correspondência particular, etc.

III. A transparência do sentido dos atos normativos, bem como sua inteligibilidade, são requisitos do próprio Estado de Direito: é inaceitável que um texto legal não seja entendido pelos cidadãos. A publicidade implica, pois, necessariamente, clareza e concisão.

Assinale:

Alternativas
Comentários
  • MANUAL DE REDAÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA1. O que é Redação OficialI - CORRETA. II - INCORRETA. A redação oficial NÃO É, PORTANTO, NECESSARIAMENTE árida e infensa à evolução da língua. É que sua finalidade básica – comunicar com impessoalidade e máxima clareza – impõe certos parâmetros ao uso que se faz da língua, de maneira diversa daquele da literatura, do texto jornalístico, da correspondência particular, etc.III - CORRETA.
  • I - Item correto. Copiado literalmente do Manual de Redação. As comunicações oficiais são necessariamente uniformes até porque a uniformidade é uma das características que distingue o texto oficial das demais comunicações.

    II - Item errado. A redação oficial por ser formal não quer dizer que seja árida (seca, maçante). E de jeito nenhum é infensa (contrária, hostil) à evolução da língua. Podemos perceber que vários termos que foram consagrados com o uso corriqueiro estão no Manual. Entretanto, deve-se pautar pela concisão e clareza de modo que se torne compreensível para toda e qualquer pessoa (sem duplas interpretações, uso de gírias etc).

    III - Item correto. As comunicações que partem dos órgãos públicos devem ser compreendidas por qualquer pessoa (inteligibilidade). Clareza e concisão devem ser qualidades básicas de qualquer texto oficial. Pode-se definir como claro aquele texto que possibilita imediata compreensão pelo leitor. E concisão, a transmissão de um máximo de informações em um mínimo de palavras. Então a publicidade, ou seja, o ato de tornar público, deve atender a esses requisitos.

    Sendo assim, itens I e III corretos. Alternativa C.

     

  • Questão retirata do Manual de Redação.

    A redação oficial não é, portanto, necessariamente árida e infensa à evolução da língua. É que sua finalidade básica – comunicar com impessoalidade e máxima clareza – impõe certos parâmetros ao uso que se faz da língua, de maneira diversa daquele da literatura, do texto jornalístico, da correspondência particular, etc.
    Eles apenas retiraram  3 palavras e duas vírgulas como mostrado acima.

    Temos que ter cuidado com estes textos copiados na íntegra e mudado apenas algumas letras.
  • Significado de Árido

     

    adj. Sem umidade; estéril: terreno árido.
    Fig. Desprovido de sensibilidade, de imaginação: espírito árido. Desprovido de interesse: assunto árido.

    Significado de Infenso

    adj. Adverso, inimigo, contrário: infenso a lisonjas.
     

  • Não é árida e infensa à evolução da língua

    Abraços

  • GABARITO: C

  •  Complementando (e Atualizando) o Comentário dos colegas…

    Fonte (Comentário Abaixo): Manual de redação da Presidência da República 3ª Edição ()

    I – CERTA

    3.5 Impessoalidade [pag 20]

    a) da ausência de impressões individuais de quem comunica: embora se trate, por exemplo, de um expediente assinado por Chefe de determinada Seção, a comunicação é sempre feita em nome do serviço público. Obtém-se, assim, uma desejável padronização, que permite que as comunicações elaboradas em diferentes setores da administração pública guardem entre si certa uniformidade;

    b) da impessoalidade de quem recebe a comunicação: ela pode ser dirigida a um cidadão, sempre concebido como público, ou a uma instituição privada, a outro órgão ou a outra entidade pública. Em todos os casos, temos um destinatário concebido de forma homogênea e impessoal; e

    3.6 Formalidade e Padronização [pág 20]

    A formalidade de tratamento vincula-se, também, à necessária uniformidade das comunicações. Ora, se a administração pública federal é una, é natural que as comunicações que expeça sigam o mesmo padrão. O estabelecimento desse padrão, uma das metas deste Manual, exige que se atente para todas as características da redação oficial e que se cuide, ainda, da apresentação dos textos

    II – ERRADA

    2 O que é Redação oficial [pag 16]

    A redação oficial não é necessariamente árida e contrária à evolução da língua. É que sua finalidade básica – comunicar com objetividade e máxima clareza – impõe certos parâmetros ao uso que se faz da língua, de maneira diversa daquele da literatura, do texto jornalístico, da correspondência particular etc.

    III - CERTA

    3.1 Clareza e precisão [pag 17]

    A transparência é requisito do próprio Estado de Direito: é inaceitável que um texto oficial ou um ato normativo não seja entendido pelos cidadãos. O princípio constitucional da publicidade não se esgota na mera publicação do texto, estendendo-se, ainda, à necessidade de que o texto seja claro.  


ID
104431
Banca
FCC
Órgão
DPE-SP
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

A afirmativa INCORRETA, considerando-se a redação de um ofício, é:

Alternativas
Comentários
  • O ASSUNTO é obrigatório na redação de um ofício.
  • OFÍCIO é o documento destinado à comunicação oficial entre órgãos da administração pública e de autoridades para particulares.

    Estrutura
    1. Título abreviado (“Of.”), número de ordem e sigla do órgão de origem.
    2. Local e data.
    3. Endereçamento: forma de tratamento, cargo ou função seguido do nome do destinatário, instituição quando necessário e endereço.
    4. Vocativo: função ou cargo.
    5. Assunto: síntese do texto (em negrito).
    6. Texto com parágrafos numerados a partir do segundo.
    7. Fecho: “Respeitosamente” ou “Atenciosamente”, segundo a relação hieráquica entre o remetente e o destinatário.


    Fonte: Manual de Redação da Câmara dos Deputados

  •                    sei que o assunto é obrigatório num ofício, mas alguem poderia me explicar a letra c)

                       Não entendi esse exceto. Achei que a identificação do signatário era obrigatório inclusive para o presidente, minha dúvida é a seguinte: o presidente, caso não identifique no oficio ficaria um ofício anõnimo?


                      Se alguem puder me esclarecer essa dúvida agradeço. Bons estudos
  • Fiquei com a mesma dúvida do Carlos.
    Mas que creio que seja dispensável pôr o cargo do Presidente da República porque é de conhecimento geral o cargo que aquele determinado ser (o Presidente) ocupa.
  •  De acordo com o Manual de Redação Oficial:

               Excluídas as comunicações assinadas pelo Presidente da República, todas as demais comunicações oficiais devem trazer o nome e o cargo da autoridade que as expede, abaixo do local de sua assinatura. A forma da identificação deve ser a seguinte:

    (espaço para assinatura)
    Nome
    Chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República

    (espaço para assinatura)
    Nome
    Ministro de Estado da Justiça

            Para evitar equívocos, recomenda-se não deixar a assinatura em página isolada do expediente. Transfira para essa página ao menos a última frase anterior ao fecho.

  • Letra E é a alternativa que a questão pede como incorreta.

    Assunto é obrigatório.
    Facultativo é o comentário que o destinário tenha a fazer sobre qualquer outra coisa.
  • local e data por extenso!
    como assim?

    quer dizer que o certo seria: São Paulo, vinte e dois de abril de dois mil e doze.

    ???

    alguém me explique essa alternativa.
  • Não é isso, Bruno.

    A orientação é para não colocar no formato 22/12/2012, mas sim

    Rio de Janeiro, 22 de dezembro de 2012.

    Abs
  • Lembrando que,  segundo o Manual de redação da presidência da República a expressão respeitosamente é usada somente para autoridades superiores ao remetente do ofício. Quando o destinatário for autoridades de mesma hierarquia ou de hierarquia inferior a expressão correta é

     Atenciosamente.

  • A afirmativa INCORRETA, considerando-se a redação de um ofício, é:

    a) O local e a data devem aparecer por extenso, com alinhamento à direita da página. (CORRETO)

    Ex.: Rio de Janeiro, 19 de março de 1999

    b) Devem constar o tipo e o número do expediente, seguido da sigla do órgão que o expede. (CORRETO)

    Ex.: Mem. nº xxxx/xx STN

  • A afirmativa INCORRETA, considerando-se a redação de um ofício, é:

    c) Deve haver identificação do signatário, constando nome e cargo abaixo da assinatura, exceto se for o Presidente da República. (CORRETO)

    Excluídasas comunicações assinadas pelo Presidente da República, todas as demaiscomunicações oficiais devem trazer o nome e o cargo da autoridade que asexpede, abaixo do local de sua assinatura. Ex.:

                                                    (espaço para assinatura)
                                                                  Nome
                              Chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República

    d) O fecho deve conter as expressões Respeitosamente ou Atenciosamente, de acordo com a autoridade a que se destina o documento.(CORRETO)

     Com o fito de simplificar e uniformizar, o Manualestabelece o emprego de somente dois fechos diferentes para todas asmodalidades de comunicação oficial:

      a) p/ autoridadessuperiores, inclusive o Presidente da República:

      Respeitosamente,

      b) p/ autoridades de mesmahierarquia ou de hierarquia inferior:

      Atenciosamente,

    Ficam excluídas dessa fórmula as comunicações dirigidas a autoridades estrangeiras, que atendem a rito e tradição próprios, devidamente disciplinados no Manual de Redação do Ministério das Relações Exteriores.


  • e) É facultativa a indicação do teor do documento, ou seja, o assunto, pois ele vem expresso no corpo do ofício. (ERRADO)

    Não há no Manual de Redação oficial essa afirmativa. Penso que houve tentativa de confundir o candidato em relação as duas partes existentes no documento Padrão Ofício - ASSUNTO v.s TEXTO. Veja:

    assunto: resumo do teor do documento

      Exemplos:

      Assunto: Produtividade do órgão em 2002.

      Assunto: Necessidade de aquisição de novos computadores.

    OBS.: O Manual não diz mais nada além dessa informação, no entanto...

     texto: nos casos em q não for de mero encaminhamento de documentos, o expediente deve conter a seguinte estrutura:

      – introdução, q se confunde com o parágrafo de abertura, na qual é apresentado o assunto q motiva a comunicação. Evite o uso das formas: "Tenho a honra de", "Tenho o prazer de", "Cumpre-me informar q", empregue a forma direta;

      – desenvolvimento, no qual o assunto é detalhado; se o texto contiver mais de uma idéia sobre o assunto, elas devem ser tratadas em parágrafos distintos, o q confere maior clareza à exposição;

      – conclusão, em q é reafirmada ou simplesmente reapresentada a posição recomendada sobre o assunto.

      Os parágrafos do texto devem ser numerados, exceto nos casos em que estes estejam organizados em itens ou títulos e subtítulos.

    Já qdo se tratar de mero encaminhamento de documentos a estrutura é a seguinte:

      – introdução: deve iniciar com referência ao expediente que solicitou o encaminhamento. Se a remessa do documento não tiver sido solicitada, deve iniciar com a informação do motivo da comunicação, que é encaminhar, indicando a seguir os dados completos do documento encaminhado (tipo, data, origem ou signatário, e assunto de que trata), e a razão pela qual está sendo encaminhado, segundo a seguinte fórmula:

    "Em resposta ao Aviso nº 12, de 1º de fevereiro de 1991, encaminho, anexa, cópia do Ofício nº 34, de 3 de abril de 1990, do Departamento Geral de Administração, que trata da requisição do servidor Fulano de Tal."

      ou

    "Encaminho, para exame e pronunciamento, a anexa cópia do telegrama no 12, de 1o de fevereiro de 1991, do Presidente da Confederação Nacional de Agricultura, a respeito de projeto de modernização de técnicas agrícolas na região Nordeste."

      – desenvolvimento: se o autor da comunicação desejar fazer algum comentário a respeito do documento que encaminha, poderá acrescentar parágrafos de desenvolvimento; em caso contrário, não há parágrafos de desenvolvimento em aviso ou ofício de mero encaminhamento.


  • O assunto, o numero do ofício e as iniciais do órgão, sempre presentes na modalidade Ofício.

  • Quase errei, porque entendo que escrever a data por extenso significa escrever: Aracaju, nove de abril de mil novecentos e noventa e nove, ou seja, como se deve escrever em ata. Achei que essa foi a pegadinha, mas pelo visto só eu ia cair...


ID
108982
Banca
CESGRANRIO
Órgão
Banco do Brasil
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Em redações oficiais, é certo

Alternativas
Comentários
  • No Manual da escrita oficial do Estado do Paraná tem esse texto:Quanto aos adjetivos que se referem a esses pronomes, o gênero gramatical deve coincidir com o sexoda pessoa a que se refere, e não com o substantivo que compõe a locução. Assim, se nosso interlocutor forhomem, o correto é Vossa Excelência está atarefado, Vossa Senhoria deve estar satisfeito; se for mulher, VossaExcelência está atarefada, Vossa Senhoria deve estar satisfeita.
  • A/B-Os pronomes de tratamento (ou de segunda pessoa indireta) apresentam certas peculiaridades quanto à concordância verbal, nominal e pronominal. Embora se refiram à segunda pessoa gramatical (à pessoa com quem se fala, ou a quem se dirige a comunicação), levam a concordância para a terceira pessoa. É que o verbo concorda com o substantivo que integra a locução como seu núcleo sintático: "Vossa Senhoria nomeará o substituto"; "Vossa Excelência conhece o assunto". Da mesma forma, os pronomes possessivos referidos a pronomes de tratamento são sempre os da terceira pessoa: "Vossa Senhoria nomeará seu substituto" (e não "Vossa ... vosso...").C-Fechos para comunicações:a) para autoridades superiores, inclusive o Presidente da República: Respeitosamente, b) para autoridades de mesma hierarquia ou de hierarquia inferior: Atenciosamente,D- Em comunicações oficiais, está abolido o uso do tratamento digníssimo (DD), às autoridades arroladas na lista anterior. A dignidade é pressuposto para que se ocupe qualquer cargo público, sendo desnecessária sua repetida evocação.E-Excluídas as comunicações assinadas pelo Presidente da República, todas as demais comunicações oficiais devem trazer o nome e o cargo da autoridade que as expede, abaixo do local de sua assinatura.
  • Colocarei as justificativas das alternativas INCORRETAS:

    a) ERRADA. O pronome a ser usado quando nos referirmos a "Vossa Excelência", ou qualquer outro tratamento em 3ª pessoa, é o pronome "sua".


    b) ERRADA. O tratamento "Vossa Senhoria" é empregado tanto para o sexo feminino quanto para o masculino e é usado para as demais autoridades que estão FORA da lista de autoridades tratadas por "Vossa Excelência" (ver páginas 8 e 9 do Manual de Redação Oficial da Presidência da República).


    c) ERRADA. "Respeitosamente" é usado como fecho de comunicação para autoridade hierarquicamente SUPERIORES, inclusive o Presidente da República.

    Para autoridades do mesmo nível hierárquico usamos o fecho "Atenciosamente".


    d) ERRADA. "Em comunicações oficiais, está abolido o uso do tratamento digníssimo (DD) (...)  A dignidade é pressuposto para que se ocupe qualquer cargo público, sendo desnecessária sua repetida evocação. "


    e) CORRETA.


    Fonte: Manual de Redação Oficial, 2002.

  • A questão apresenta alternativas diferentes e pede que seja marcada a correta.

    Quando se usa "Vossa Excelência", o correto é usar o pronome "sua". "Vossa Senhoria" pode ser usado tanto para o feminino quanto para o masculino. "Respeitosamente" é usado para pessoas com níveis hierárquicos diferentes. É usado para autoridades superiores. 
    Segundo o Manual de Redação Oficial, "está abolido o uso do tratamento digníssimo (DD), às autoridades arroladas na lista anterior. A dignidade é pressuposto para que se ocupe qualquer cargo público, sendo desnecessária sua repetida evocação".


    A resposta correta é a letra (E).
  • A) Errado . Neste caso o pronome de tratamento leva para 3 º pessoa do singular

    B) Errado . Vossa senhoria é utilizado com particulares e todos aqueles que não possuam alguma forma de tratamento especial

    C) Errado . Usa-se respeitosamente para pessoas de nível hierárquico superior

    D) Errado . Dignidade é um pressuposto do exercício do cargo , e não deve ser usada como forme de tratamento

    E) Correto . Campo denominado de ''Signatário''

  • Formatando o comentário da Erica MB:

    A/B - ERRADAS - Os pronomes de tratamento (ou de segunda pessoa indireta) apresentam certas peculiaridades quanto à concordância verbal, nominal e pronominal. Embora se refiram à segunda pessoa gramatical (à pessoa com quem se fala, ou a quem se dirige a comunicação), levam a concordância para a terceira pessoa.

    É que o verbo concorda com o substantivo que integra a locução como seu núcleo sintático: "Vossa Senhoria nomeará o substituto"; "Vossa Excelência conhece o assunto".

    Da mesma forma, os pronomes possessivos referidos a pronomes de tratamento são sempre os da terceira pessoa: "Vossa Senhoria nomeará seu substituto" (e não "Vossa... vosso...").

    C - ERRADA - Fechos para comunicações:

    a) para autoridades superiores, inclusive o Presidente da República: Respeitosamente

    b) para autoridades de mesma hierarquia ou de hierarquia inferior: Atenciosamente

    D - ERRADA - Em comunicações oficiais, está abolido o uso do tratamento digníssimo (DD), às autoridades arroladas na lista anterior. A dignidade é pressuposto para que se ocupe qualquer cargo público, sendo desnecessária sua repetida evocação.

    E - CORRETA - Excluídas as comunicações assinadas pelo Presidente da República, todas as demais comunicações oficiais devem trazer o nome e o cargo da autoridade que as expede, abaixo do local de sua assinatura.

    GABARITO: E


ID
112405
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
Banco da Amazônia
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Cada um dos itens abaixo apresenta um fragmento hipotético de
correspondência oficial, seguido de uma proposta de classificação
desse fragmento (entre parênteses) quanto à parte e ao padrão de
correspondência. Julgue-os quanto ao aspecto gramatical, quanto à
classificação proposta e quanto à observância das recomendações
previstas para o padrão de correspondência indicado.

De ordem do senhor ministro da Educação, estamos informando a todos os chefes do Poder Executivo de todos os entes federados que, nos termos da Lei de Responsabilidade Fiscal, a data limite para apresentação das prestações de contas e respectivos relatórios a que se refere a citada lei... (corpo de um relatório)

Alternativas
Comentários
  • Vossa Excelência (V. Ex.ª): para Magistrados (Juízes de Direito, do Trabalho, Federais, Militar e Eleitoral), Membros de Tribunais (de Justiça, Regionais Federais, Regionais do Trabalho, Regionais Eleitorais), Ministros de Tribunais Superiores (do Trabalho, Eleitoral, Militar, Superior Tribunal de Justiça e Supremo Tribunal Federal), Membros do Ministério Público (Procuradores da República, Procuradores do Trabalho, Procuradores do Ministério Público Militar ou Promotores de Justiça).sl.
  • Acho que essa questão possui dois erros:

    1) A palavra Ministro deveria estar em maiúscula;

    2) Uso do gerundismo (Estamos informando). Pelo princípio da concisão e clareza, deveria ser "informamos".

    O que acham?

     

  • O erro principal desta questão é que o texto não é  de um relatório, acho que seja de uma Potaria.

    Relatório: documento oficial com o fito de descrever serviços concernentes a certas funções, portando existirão vários tipos de relatórios: de viagem, contábeis, científicos, etc

    Portaria: é documento oficial redigido por ministros de Estados, chefes de seção e afins. E´terá três finalidade:

    1) funcionamento do órgão público

    2) organizãção de pessoal

    3) APLICAÇÃO DE NOVAS LEIS

    Fonte: aulas da professora Fernada Mendes/ BSB.

     

     

  • Senhor Ministro é com iniciais maiúsculas!

    Não confundam Vocativo (Senhor Ministro), com pronome de tratamento (Vossa Excelência).

  • Penso que o meio correto para efetuar esta comunicação é o Ofício, pois - de acordo com o Manual de Redação da Presidência da República, é a ferramenta de comunicação utilizada para e pelas autoridades que não estejam no mesmo nível hierárquico dos Ministros de Estado.
    O texto tem que ser mais claro e direto: "O Senhor Ministro da Educação informa a todos os chefes do Poder Executivo ..."

  •  

    No caso da redação oficial, quem comunica é sempre o Serviço Público (este ou aquele Ministério, Secretaria, Departamento, Divisão, Serviço, Seção) o erro esta em afirmar que “De ordem do senhor ministro da Educação” o correto seria “O Ministério da Educação informa” , alem do verbo informar que esta pessoal.

  • 1) o certo é "Senhor Ministro"
    2) o certo seria ofício
    3) gerundismos

    Ofício - Expedido por e para as demais autoridades (órgãos distintos)

    "estamos informando a todos os chefes do Poder Executivo de todos os entes federados"

    Exemplo disso: http://www.ibc.gov.br/media/common/Gestor_relatauditoria2007.pdf


ID
112408
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
Banco da Amazônia
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Cada um dos itens abaixo apresenta um fragmento hipotético de
correspondência oficial, seguido de uma proposta de classificação
desse fragmento (entre parênteses) quanto à parte e ao padrão de
correspondência. Julgue-os quanto ao aspecto gramatical, quanto à
classificação proposta e quanto à observância das recomendações
previstas para o padrão de correspondência indicado.

Certos da atenção e da observância de V. S.a para com as recomendações que ora lhe enviamos, antecipamos agradecimentos. Atenciosamente,

(fecho de um memorando)

Alternativas
Comentários
  • Acredito que o erro da questão está no fato de o fecho do memorando ser numerado, o que não ocorre aqui e também pela linguagem prolixa apresentada no texto.
  • O erro está em: V.S.aA forma correta é: Vossa Senhoria (por extenso).
  • Não existe essa forma de tratamento "V.S.a", o correto seria "V.Sa". A forma da questão só estaria correta se o "a" estivesse sobrescrito.Quanto ao comentário abaixo, onde encontro essa informação de o fecho do memorando ser numerado?!
  • o erro está no fato de que as correspondências oficiais devem ser concisas.. a expressão "Certos da atenção e da observância de V. S.a para com as recomendações que ora lhe enviamos, antecipamos agradecimentos." poderia ser facilmente suprimida sem comprometer o entedimento do documento...
  • O Manual de Redação Oficial da Presidência da República informa que somente dois fechos são admitidos nas comunicações oficiais:a)Respeitosamente: quando o destinatário for uma pessoa hierarquicamente superior (inclusive o Presidente da República) e;b)Atenciosamente: quando o destinatário for pessoa de mesma hierarquia ou hierarquia inferior.A expressão "Certos da atenção e da observância de V. S.a para com as recomendações que ora lhe enviamos, antecipamos agradecimentos. " não é admitida como fecho.
  • A redação oficial deve ser IMPESSOAL, portanto, não deve ter palavras como:a) Certos (implicitamente diz: Estamos) b) enviamos, c) antecipamos
  • A questão no meu entendimento possui dois fechamentos.
  • Atentar ao que diz o manual de RO, todo o resto (V.s.a, antecipamos etc) só está ali pra confundir.
    2.2. Fechos para Comunicações
    ...com o fito de simplificá-los e uniformizá-los, este Manual estabelece
    o emprego de somente dois fechos diferentes para todas as modalidades de comunicação oficial:
    a) para autoridades superiores, inclusive o Presidente da República:
    Respeitosamente,
    b) para autoridades de mesma hierarquia ou de hierarquia inferior:
    Atenciosamente,
    Ficam excluídas dessa fórmula as comunicações dirigidas a autoridades estrangeiras, que atendem a rito e
    tradição próprios, devidamente disciplinados no Manual de Redação do Ministério das Relações Exteriores .
  • De acordo com a questão, "Certos da atenção e da observância de V. S.a para com as recomendações que ora lhe enviamos, antecipamos agradecimentos. Atenciosamente," pode ser considerado como o fecho de um memorando.

    O Manual de Presidência da República informa que o fecho de um memorando consta apenas de memorando, sem outra frase de encerramento.


    A resposta é incorreta. 


ID
112936
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
TCE-AC
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Considerando as normas de redação de documentos oficiais, assinale a opção correta.

Alternativas
Comentários
  • Gabarito: E
    Os erros das alternativas:
    A) De acordo com o Manual de Redação da Presidência da República, fica dispensado o uso do superlativo Ilustríssimo para as autoridades que recebem o tratamento de Vossa Senhoria e para particulares. É suficiente o uso do pronome de tratamento Senhor.
    B) Acredito que o erro esteja no uso do hífen 
    C) Erro na estrutura gramatical, creio. A frase tem sujeito, cujo núcleo é "notificação", mas falta o verbo e o complemento.
    D) Atestado não tem fecho. (Fonte: http://biblioteca.planejamento.gov.br/biblioteca-tematica-1/textos/redacao-oficial-e-normalizacao-tecnica-dicas/texto-31-apostila-completa-de-redacao-oficial.pdf)
  • Olá (:
    Outros erros:
    a)
     A ordem correta da primeira parte é tipo e número do espediente, seguido da sigla do órgão.
    b) "a reiteração de pedidos" concorda com  o verbo, então o correto seria: Não será admissível a reiteração de pedidos...
    c) Falta clareza e coerência.
    d) Recursos Humanos é em maiúscula; falta a data; e acho que tem uma vírgula depois de outrossim.

    Gabarito letra E
    Sucesso!

ID
120529
Banca
FCC
Órgão
SERGAS
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

A maneira pela qual o poder público redige atos normativos e comunicações denomina-se redação

Alternativas
Comentários
  • Que questão é essa?! Creio que em uma prova eu não responderia de cara, acharia que era uma pegadinha!
  • só pode tá de brincadeira, né?
  • Realmente, esta questao por se tratar de algo tao expresso torna-se um modo de colocarmos a famosa "pulga atras da orelha"

    Mas nao a erro o que é não se pode ter medo de marca.

    Só para concluir vai ai o conceito suscinto de R.O:

    Pode-se dizer que redação oficial é a maneira pela qual o Poder Público redige atos normativos e comunicações. Interessa-nos tratá-la do ponto de vista do Poder Executivo.
     

  • Parece até brincadeira.
  • Sinceramente questões como esta não medem o conhecimento de nenhum candidato, é a mesma coisa que perguntar quem é, atualmente, a Presidenta do Brasil?...Quem mais é penalizado são aqueles que se dedicam e possuem um domínio do conteúdo!
  • Pior que essas questões são bem frequentes por isso que têm aqueles candidatos despreparados das provas achando q foram bem.

  • "Pá num Zerá".
  • Olhando uma questão dessas chego a acreditar que nem precisa estudar muito... eta vidinha de concurseiro... quando estudamos pra valer, cai coisas desse tipo... quando mal estudamos, cai uma porrada de questões difíceis... vai entender.....
  • Fiquei até pensativo, pensando que fosse mentira. hehe
  • Uma questão dessa não cai na minha prova
  • Eita FCC!!! É a mesma coisa que perguntar: 
    1) No conto "O gato de botas", o gato que usa botas é conhecido como gato...
    a) de meias.
    b) de chinelo.
    c) de botas.
    d) pé de moleque.
    e) com chulé.
      (vai que alguém acha que o gato usa botas pra disfarçar o chulé, rsrsrs)

                                                                                                                                                         
  • Foi a mais complicada até agora! KKK
  • Eu cravei direto! Se parasse para pensar, poderia ter errado!
    He he he!
  • 1. Quem descobriu a América foi Cristóvão Co...

    A)lombo.

    B)maminha.

    C)alcatra.

    D)lagarto.

    E)picanha.

  • 50 pessoas erraram essa questão.4 colocaram redação mercadológica como resposta.Genial...

  • 2+2=

    a) 1

    b)4

    c)4234

    d)7777777777777777777

    e)445454


  • qual a cor do cavalo branco de napoleão?

    a)azul

    b)vermelho

    c)preto

    d) BRANCO

    e) rosa chiclete

    ahhhh não resisti rsrsr  é um desaforo esta questão. 

    - ATÉ PASSAR.

  • Esses 48 que erraram deixaram a pagina aberta, veio uma criança e saiu clicando... só pode 

  • Acertei, que legal, acho que não errando questões como essas irei gabaritar as provas do CESPE e com certeza minha aprovação é certa, rssssssssssssssssssssssssssss


  • Ninguém colocou o gabarito! Acho q estão com medo de errar!kkkk!

  • essa foi foda..kkkkkkk... Ai eu digo que quem era essa, pode se matar pq n dá meu fih..kkkkkk

  • Essa banca é muito Zueira !!!! ksksksksks

  • Porr que achar que seria uma pegadinha ? quem estudou nem desconfiaria dessa haushaushas

  • Essas questões são feitas somente para analisar quem são os candidatos que realmente estudam.

    Quem nunca viu o assunto, não sabe a resposta.. é ridículo só pra quem abriu a matéria rs.

    Bons estudos!!! 


ID
121768
Banca
FCC
Órgão
TRT - 7ª Região (CE)
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Considere as afirmativas seguintes:

I. O padrão culto da linguagem é estabelecido por seu uso específico nos atos e comunicações oficiais, com preferência por determinadas expressões e formas sintáticas, tendo em vista tratar-se de uma variante da linguagem técnica.
II. Um dos princípios da redação oficial é a impessoalidade na comunicação de determinado assunto, considerando-se que ela é feita em nome do serviço público para um destinatário entendido como público, portanto, também impessoal.
III. A necessidade de se empregar o padrão culto da língua na redação oficial decorre tanto do caráter público dos atos emitidos quanto de sua qualidade, que é informar os cidadãos com clareza e objetividade.

É correto o que se afirma em:

Alternativas
Comentários
  • A I está incorreta. Com isso já se chega à resposta.

    I. O padrão culto da linguagem é estabelecido por seu uso específico nos atos e comunicações oficiais, com preferência por determinadas expressões e formas sintáticas, tendo em vista tratar-se de uma variante da linguagem técnica
     


    Manual de Redação da Presidência da República
    http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/manual/manual.htm

    "A linguagem técnica deve ser empregada apenas em situações que a exijam, sendo de evitar o seu uso indiscriminado."
  • No final do item II, o destinatário necessariamente deve ser impessoal??
    A correspondencia pode ser enviada a um destinatário específico, por exemplo, Presidente da Republica, não??
    Alguem pode me ajudar?
  • Evandro, acredito que mesmo quando queremos enviar uma correspondêcia a uma autoridade, como o presidente da república, não cabe "pessoalidade" e sim impessoalidade, visto que estaremos tratando de interesses públicos. 
    Uma outra visão é que a comunicação, de toda forma, dos atos oficial não requer pessoalidade, portanto, tanto quem emite e tanto quem recebe deve ser impessoal. 

    Acho que é por aí
    Espero ter ajudado
  • Gabarito: D

    A primeira está errada pq nas redações oficiais deve-se EVITAR o uso de jargões e linguagem técnica.

  • Essa questão cobra exatamente uma das facetas do princípio da impessoalidade:

     

    O MRPR ensina que há impessoalidade da pessoa que recebe a comunicação oficial, que pode ser um cidadão (sempre concebido como público) ou outro órgão público. Nos dois casos, temos destinatário concebido de forma homogênea e impessoal.


ID
131428
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
CEHAP-PB
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Instruções para criação e extinção de cargos nas repartições públicas do estado da Paraíba. Com alterações introduzidas pelas resoluções n.º 1.111/2000, 2.222/2000 e 3.333/2000, e pela lei n.º 10.000/2007.

Para que a ementa de resolução acima respeite as normas de redação de documentos oficiais, é necessário

Alternativas
Comentários
  • Letra C.


    Instruções para criação e extinção de cargos nas repartições públicas do Estado da Paraíba. Com alterações introduzidas pelas Resoluções n.º 1.111/2000, 2.222/2000 e 3.333/2000, e pela Lei n.º 10.000/2007.
  • Gabarito: Letra C

    ----------------------------

    Use maiúsculas nos seguintes casos:

    Conceitos políticos importantes – Constituição, Estado (significando uma nação), Federação, União, República, Império, Poder Executivo, Legislativo, Judiciário, Justiça, Direito, Igreja. Obs.: Vão em minúsculas governo federalgoverno estadual e governo municipal.

    ---------------------------

    Leis, normas e tributos quando constituírem nome próprio ou forem consagradas por sua importância – Lei de Informática, Lei de Diretrizes e Bases, Plano Diretor, Lei Afonso Arinos, Imposto de Renda. No entanto, se a lei for conhecida apenas por seu número, use minúscula: lei nº 8.248, decreto nº 3.800, portaria nº 739.

    ---------------------------

    Fonte: https://memoria.rnp.br/guia/estilo/maiusculas.html


ID
131941
Banca
FGV
Órgão
CAERN
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

A respeito do padrão ofício, analise as afirmativas a seguir:

I. Atualmente há somente dois fechos diferentes para todas as modalidades de comunicação oficial.
II. Os parágrafos do texto devem ser numerados, exceto nos casos em que estejam organizados em itens ou títulos e subtítulos.
III. Para facilitar a localização, os nomes dos arquivos devem ser formados da seguinte maneira: tipo do documento + número do documento + palavras-chave do conteúdo.

Assinale:

Alternativas
Comentários
  •      

    2.2. Fechos para Comunicações

            O fecho das comunicações oficiais possui, além da finalidade óbvia de arrematar o texto, a de saudar o destinatário. Os modelos para fecho que vinham sendo utilizados foram regulados pela Portaria no 1 do Ministério da Justiça, de 1937, que estabelecia quinze padrões. Com o fito de simplificá-los e uniformizá-los, este Manual estabelece o emprego de somente dois fechos diferentes para todas as modalidades de comunicação oficial:

            a) para autoridades superiores, inclusive o Presidente da República:

            Respeitosamente,

            b) para autoridades de mesma hierarquia ou de hierarquia inferior:

            Atenciosamente,

     
    3.1. Partes do documento no Padrão Ofício

            e) texto:

            Os parágrafos do texto devem ser numerados, exceto nos casos em que estes estejam organizados em itens ou títulos e subtítulos.

    3.2. Forma de diagramação


      o) para facilitar a localização, os nomes dos arquivos devem ser formados da seguinte maneira:

            tipo do documento + número do documento + palavras-chaves do conteúdo

            Ex.: "Of. 123 - relatório produtividade ano 2002"

  • A questão I está ERRADA, pois relata que existe SOMENTE 2 fechos para TODAS as modalidades de comunicação oficial... Uma exceção citada no próprio Manual de Redação:

     "Ficam excluídas dessa fórmula as comunicações dirigidas a autoridades estrangeiras, que atendem a rito e tradição próprios, devidamente disciplinados no Manual de Redação do Ministério das Relações Exteriores."

    Além disso, a modalidade MENSAGEM é finalizada sem fecho, observe no exemplo, na página 25 do Manual de Redação...
  • Discordo da colega acima. Note o enunciado da questão:

    A respeito do padrão ofício, analise as afirmativas a seguir:

  • Alem do que o colega citou acima, tambem acho valido observar que para a FGV a excessao nao torna falsa a regra geral.
    Ou seja se a regra geral foi referida corretamente a afirmacao e' verdadeira independente de existir alguma excessao, a nao er que o enunciado seja taxativo em excluir a excessao , do tipo "em nenhuma hipotese", ou "nunca", ou "sempre".
    Portanto ... apesar da Rachel ser muito gatinha (rsrsrs) vou discordar tambem do comentario da colega
  • Gabarito E.


    I. 

     a) para autoridades superiores, inclusive o Presidente da República:   Respeitosamente,

     b) para autoridades de mesma hierarquia ou de hierarquia inferior:   Atenciosamente,


    II.

    Os parágrafos do texto devem ser numerados, exceto nos casos em que estes estejam organizados em itens ou títulos e subtítulos.


    III.

    o) para facilitar a localização, os nomes dos arquivos devem ser formados da seguinte maneira:

      tipo do documento + número do documento + palavras-chaves do conteúdo

      Ex.: "Of. 123 - relatório produtividade ano 2002"

  •  

    a questão fala de padrão oficio, no geral

    o item citado se refere aos três tipos de comunicação

    "O aviso, o ofício e o memorando devem conter as seguintes partes:"

     

    "e) texto: nos casos em que não for de mero encaminhamento de documentos, o expediente deve conter a
    seguinte estrutura:"

    entende-se que esse item se refere aos três tipos de documentos e não uma coisa comun A TODOS OS TIPOS DE COMUNICAÇAO NO PADRAO OFICIO.
     

  • Mas a questão fecha ao referir-se ao Padrão Ofício (Aviso, Memorando, Ofício).

  • As pessoas comentam com expressões: "discordo do fulano acima" ou "abaixo" e se esquecem que tem formas destintas de vizualizar os comentarios:
    Ordenar por: Data | Mais úteis

    Fica uma confusão. rsrs

  • Para a III estar correta, não precisaria mencionar que deveria constar também, no nome do arquivo, o ano?

    l) nome do arquivo: para facilitar a localização, os nomes dos arquivos devem ser formados da seguinte maneira:

    tipo do documento + número do documento + ano do documento (com 4 dígitos) + palavras-chaves do conteúdo

    *

    (MRPR, 3ª Edição)

  • De acordo com o manual da presidência da república de 2018 as respostas seriam:

    I - Correto. Atenciosamente é usado para tratar pessoas de mesma hierarquia ou abaixo. Respeitosamente é utilizado para tratar pessoas de hierarquia superior. 

    II - Errado. De acordo com o Manual (pg. 30) numeração dos parágrafos: apenas quando o documento tiver três ou mais parágrafos, desde o primeiro parágrafo. Não se numeram o vocativo e o fecho;

    III - Errado, falta o ano. Manual (pg. 32) nome do arquivo: para facilitar a localização, os nomes dos arquivos devem ser formados da seguinte maneira:

    tipo do documento + número do documento + ano do documento (com 4 dígitos) + palavras-chaves do conteúdo

    Exemplo:

    Ofício 123_2018_relatório produtividade anual

    Infelizmente muitas questões de redação oficial estão desatualizadas. Fica mais difícil estudar, tem que ir atualizando as respostas.

  • E se tiver apenas 2 parágrafos? discordo desse gabarito!!


ID
132088
Banca
FGV
Órgão
CAERN
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

As questões 9 e 10 referem-se ao Manual de Redação da Presidência da República.

Com base no Manual de Redação da Presidência da República, analise as afirmativas a seguir:

I. A linguagem técnica deve ser empregada apenas em situações que a exijam, devendo-se evitar o seu uso indiscriminado. Certos rebuscamentos acadêmicos, e mesmo o vocabulário próprio a determinada área, são de difícil entendimento por quem não esteja com eles familiarizado. Deve-se ter o cuidado, portanto, de explicitá-los em comunicações encaminhadas a outros órgãos da administração e em expedientes dirigidos aos cidadãos.

II. A clareza deve ser a qualidade básica de todo texto oficial. Pode-se definir como claro aquele texto que possibilita imediata compreensão pelo leitor. No entanto, a clareza não é algo que se atinja por si só: ela depende estritamente das demais características da redação oficial. Para ela concorrem a impessoalidade, que evita a duplicidade de interpretações que poderia decorrer de um tratamento personalista dado ao texto; o uso do padrão culto de linguagem, em princípio, de entendimento geral e por definição avesso a vocábulos de circulação restrita, como a gíria e o jargão; a formalidade e a padronização, que possibilitam a imprescindível uniformidade dos textos; a concisão, que faz desaparecer do texto os excessos linguísticos que nada lhe acrescentam.

III. Fica dispensado o emprego do superlativo ilustríssimo para as autoridades que recebem o tratamento de Vossa Senhoria e para particulares. É suficiente o uso do pronome de tratamento Senhor. Doutor não é forma de tratamento, e sim título acadêmico. Deve-se evitar usá-lo indiscriminadamente. Como regra geral, deve-se empregá-lo apenas em comunicações dirigidas a pessoas que tenham tal grau por terem concluído curso universitário de doutorado. É costume designar por doutor os bacharéis, especialmente os bacharéis em Direito e em Medicina. Nos demais casos, o tratamento Senhor confere a desejada formalidade às comunicações.

Assinale:

Alternativas
Comentários
  • - A linguagem técnica deve ser empregada apenas em situações que a exijam, sendo de evitar o seu uso indiscriminado. Certos rebuscamentos acadêmicos, e mesmo o vocabulário próprio a determinada área, são de difícil entendimento por quem não esteja com eles familiarizado. Deve-se ter o cuidado, portanto, de explicitá-los em comunicações encaminhadas a outros órgãos da administração e em expedientes dirigidos aos cidadãos.

     

    - A clareza deve ser a qualidade básica de todo texto oficial, conforme já sublinhado na introdução deste capítulo. Pode-se definir como claro aquele texto que possibilita imediata compreensão pelo leitor. No entanto a clareza não é algo que se atinja por si só: ela depende estritamente das demais características da redação oficial. Para ela concorrem:

    a) a impessoalidade, que evita a duplicidade de interpretações que poderia decorrer de um tratamento personalista dado ao texto;

    b) o uso do padrão culto de linguagem, em princípio, de entendimento geral e por definição avesso a vocábulos de circulação restrita, como a gíria e o jargão;

    c) a formalidade e a padronização, que possibilitam a imprescindível uniformidade dos textos;

    d) a concisão, que faz desaparecer do texto os excessos lingüísticos que nada lhe acrescentam.

     

    - Fica dispensado o emprego do superlativo ilustríssimo para as autoridades que recebem o tratamento de Vossa Senhoria e para particulares. É suficiente o uso do pronome de tratamento Senhor.

    Acrescente-se que doutor não é forma de tratamento, e sim título acadêmico. Evite usá-lo indiscriminadamente. Como regra geral, empregue-o apenas em comunicações dirigidas a pessoas que tenham tal grau por terem concluído curso universitário de doutorado. É costume designar por doutor os bacharéis, especialmente os bacharéis em Direito e em Medicina. Nos demais casos, o tratamento Senhor confere a desejada formalidade às comunicações.

     

    MANUAL DE REDAÇÃO OFICIAL DA PR

  • Por que eu lembro de uma questão de ilustrissimo, se é uma coisa recorrente então deve ser falso.

    ]By Kayode

  • Na redação oficial deve haver:

    b) o uso do padrão culto de linguagem, em princípio, de entendimento geral e por definição avesso a vocábulos de circulação restrita, como a gíria e o jargão;

    c) a formalidade e a padronização, que possibilitam a imprescindível uniformidade dos textos;

    d) a concisão, que faz desaparecer do texto os excessos lingüísticos que nada lhe acrescentam.

     

    - Fica dispensado o emprego do superlativo ilustríssimo para as autoridades que recebem o tratamento de Vossa Senhoria e para particulares. É suficiente o uso do pronome de tratamento Senhor.

    Acrescente-se que doutor não é forma de tratamento, e sim título acadêmico. Evite usá-lo indiscriminadamente. Como regra geral, empregue-o apenas em comunicações dirigidas a pessoas que tenham tal grau por terem concluído curso universitário de doutorado. É costume designar por doutor os bacharéis, especialmente os bacharéis em Direito e em Medicina. Nos demais casos, o tratamento Senhor confere a desejada formalidade às comunicações.

     

  • GABARITO: B


ID
133015
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
MS
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Considerando os seguintes requisitos: "A redação oficial deve
caracterizar-se pela impessoalidade, uso do padrão culto de
linguagem, clareza, concisão, formalidade e uniformidade"
(Manual de Redação da Presidência da República, 2002),
cada um dos itens seguintes apresenta um fragmento de texto que
deve ser julgado certo se atender aos citados requisitos, ou
errado, em caso negativo.

Solicitamos avaliação acerca dos serviços de lavanderia executados ao Hospital Viver Bem para que possamos estar revendo a cada dia nossas práticas e melhorando cada vez mais. Assim, pretendemos encerrar o ano com chave de ouro.

Alternativas
Comentários
  • "chave de ouro" expressão informal.
  • Acredito que além da observação do colega, o uso do pronome pessoal "NÓS" também desqualifica o documento, ferindo o aspecto da impessoalidade.
  • O próprio trecho do Manual de Redação da Presidência da República coloca como caracterizadores de uma Redação Oficial a impessoalidade, nesse texto temos alguns marcadores "pessoais" como o verbo solicitar e pretender na 3ª pessoa, gerundismo que também não é aceito pelo manual e a informalidade do "encerrar o ano com chave de ouro" uma vez que não se usa expressões da língua falada e marcadores de subjetivismo em documentos oficiais.
  • Pode-se usar 3 tipos de pessoas gramaticais em Texto Oficial:

    1. terceira pessoa do singular;
    2. primeira pessoa do plural;
    3. e terceita pessoal do plural.
  • Assim, pretendemos encerrar o ano com chave de ouro... Que linguagem é essa meu Deus!! Acho que o resto está ok, pois todos estão empregados na terceira pessoa plural.
  • na minha opinião existem 2 erros gritantes

    1 - uso de gerundismo "possamos ESTAR REVENDO"

    2 - "encerrar o ano com chave de ouro" , quer falar assim? vai pra um boteco eheh
  • "Solicita-se avaliação dos serviços de lavanderia executados ao Hospital Viver Bem para que se possa rever  as práticas adotasdas e melhorá-las. Assim, pretende-se encerrar o ano com todos os objetivos concluídos."
  • Colegas, o tempo verbal "nós" não fere, por si só, o princípio da impessoalidade, ele pode ser usado (plural de modesta), de qualquer forma além de alguns erros elencados por outros colegas vale citar que fere a concisão a utilização de mais de uma locução verbal no mesmo trecho, e mesmo sendo uma só qualquer locução verbal com mais de 2 verbos. Bons estudos.

  • "possamos estar revendo" é TRISTE!


ID
133018
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
MS
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Considerando os seguintes requisitos: "A redação oficial deve
caracterizar-se pela impessoalidade, uso do padrão culto de
linguagem, clareza, concisão, formalidade e uniformidade"
(Manual de Redação da Presidência da República, 2002),
cada um dos itens seguintes apresenta um fragmento de texto que
deve ser julgado certo se atender aos citados requisitos, ou
errado, em caso negativo.

Tendo em vista o que consta do Processo n.º 1/2009, o período de estágio probatório do servidor Antônio da Silva no Ministério da Saúde encerrou-se dia 31 de outubro do ano corrente. A partir de 1.º de novembro de 2009, ele passou a figurar como efetivo no cargo de analista técnico-administrativo.

Alternativas
Comentários
  • O termo "técnicoadministrativo" foi um erro de digitação do site. Na prova está técnico-administrativo.

  • Correto

     

    O texto atende os requisitos formais citados.

  • Pessoal, erro de pontuação não seria motivo para ferir o padrão culto??? No texto em questão falta colocar entre vírgulas o adjunto adverbial intercalado entre o sujeito e o verbo: "o período de estágio probatório do servidor Antônio da Silva ,no Ministério da Saúde, encerrou-se dia(...)". Alguém concorda comigo?? Alguém tem alguma explicação?
  • QUERER RESPONDER QUESTÃO QUE ENVOLVE DIREITO FEITA POR UM PROF. DE PORTUGUÊS É UMA GRAÇA... KKK
    .
    .
    REPAREM NO TRECHO: "ELE PASSOU A FIGURAR COMO efetivo NO CARGO..."
    .
    O CARGO JÁ ERA EFETIVO DESDE A CRIAÇÃO, O CARGO É QUE É EFETIVO...
    .
    O SERVIDOR. APÓS O ESTÁGIO PROBATÓRIO, PASSOU A SER ESTÁVEL...
    .
    EFETIVIDADE REFERE-SE  AO CARGO...
    .
    ESTABILIDADE  REFERE-SE AO SERVIÇO.....
    .
    .
    CORRIGINDO O TRECHO: "ELE PASSOU A FIGURAR COMO ESTÁVEL NO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL OCUPANDO O CARGO...."
  • marquei errado por causa do "técnicoadministrativo".
  • O correto não seria "Tendo em vista o que consta NO processo..."???
  • Ao constar como primeira citação no texto, o termo "Processo n.º 1/2009" deveria ter sido escrito por extenso: Processo nº 1 de xx de xxxxxx de 2009. Para só então em outra citação ser escrito da forma que traz a questão!!
  • A palavra composta "técnicoadministrativo ", da forma como está escrita, respeita as novas regras de hifenização. Como a prova é de 2010, tanto faz se estava com ou sem hífen, pois ambas as formas eram aceitas no momento da prova.
  • COMO CONSTA NO COMENTÁRIO DE  Gisele Dotto Reginato

    O correto não seria "Tendo em vista o que consta NO processo..."???

    E quanto as vírgulas, tmabém não torna o texto incorreto?

  • CONSTAR:

    .

     

    Verbo transitivo circunstancial.
    6.Ter registro por escrito; ser mencionado:
    Numerosos são os vocábulos que não constam nos dicionários. [Na acepç. 1, é impessoal.]

  • Não vejo a hora de ver uma mensagem dessa! :D

  • em breve  o nome ali será o meu.

  • Marquei ERRADO por achar que o certo seria assim:

    "Tendo em vista o que consta NO Processo n.º 1/2009, o período de estágio probatório do servidor Antônio da Silva, no Ministério da Saúde, encerrou-se dia 31 de outubro do ano corrente. A partir de 1.º de novembro de 2009, ele passou a figurar como efetivo no cargo de analista técnico-administrativo."

    Porém, fazendo uma pesquisa, vi que o VERBO CONSTAR é normalmente um verbo intransitivo e rege a preposição DE.

    No caso das "vírgulas" também achei que caberia, por ser adjunto adverbial. Alguém?

  • No sentido de estar escrito, ambas as construções constar de e constar em são válidas.


ID
133021
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
MS
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Considerando os seguintes requisitos: "A redação oficial deve
caracterizar-se pela impessoalidade, uso do padrão culto de
linguagem, clareza, concisão, formalidade e uniformidade"
(Manual de Redação da Presidência da República, 2002),
cada um dos itens seguintes apresenta um fragmento de texto que
deve ser julgado certo se atender aos citados requisitos, ou
errado, em caso negativo.

Para suprir a demanda de analistas, o Ministério da Saúde realizará concurso público, cujas disposições se encontram em edital. O período de inscrições já está encerrado.

Alternativas
Comentários
  • Redação oficial é a maneira de redigir própria da Administração Pública. Sua finalidadebásica é possibilitar a elaboração de comunicações e normativos oficiais claros e impessoais, pois o objetivo é transmitir a mensagem com eficácia, permitindo entendimento imediato. Considere-se, entretanto, que não há uma forma específica de linguagem administrativa,mas sim qualidades comuns a qualquer bom texto, seja ele oficial ou literário, aplicáveis à redação oficial: clareza, coesão, concisão, correção gramatical. Além disso, merecem destaque algumas características peculiares identificáveis na forma oficial de redigir: formalidade, uniformidade e impessoalidade.
  • Questão correta. O texto em análise atende as condições técnicas já citadas:impessoalidade, uso do padrão culto de
    linguagem, clareza, concisão, formalidade e uniformidade

  • Um exemplo de uma oração relativa explicativa seria, por exemplo, aproveitando outra frase: «Como foi a adaptação aos países árabes, cujos padrões culturais divergem claramente dos nossos?». Neste caso a oração relativa passava a ter função de aposto e a vírgula já era necessária.
    Note-se que esta distinção gramatical, que é muito rigorosa, torna-se por vezes bastante subtil...
  • Informar algo (realizará concurso público) que não tem mais utilidade (o período de inscrições já está encerrado), só desrespeita as normas Éticas.
    Mas se não é um dos requisitos no comando da questão, então está Certo.
  • Segundo o Dicionário Prático de Regência Nominal de Celso Pedro Luft, o substantivo feminino demanda é regido pela preposição de ou por. Portanto, se pode escrever das duas formas: "demanda de analistas" ou "demanda por analistas".
    Fonte: http://www.ciberduvidas.com/perguntas/get/275662
  • Para suprir a demanda de analistas, o Ministério da Saúde realizará concurso público, cujas disposições se encontram em edital. O período de inscrições já está encerrado.

    Fiquei em dúvida quanto ao uso dessa segunda vírgula. Ela está realmente correta? Qual seria a justificativa pro uso dela?
    se alguém que souber poder me avisar no perfil eu agradeço.
  • Acerteeeeeiiiiinem sei o porquê kkkkkkk

    Achei o começo mais coerente marquei C 

    kkkkk

  • Discordo do gabarito! O início diz que o MS realizará concurso ( Futuro) e depois na frase diz que as inscrições já finalizaram (passado). Cadê a coerência????

    GABARITO ERRADO!


ID
143188
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
MDS
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Na elaboração de textos oficiais, a observância de determinadas
características gerais - tais como objetividade, clareza,
concisão, correção gramatical, impessoalidade, polidez e ausência
de ambiguidade -, além do respeito a particularidades de cada
documento, processo e correspondência afetos à administração
pública, garante a funcionalidade e a adequação do expediente de
um órgão. Acerca do processo de redação de textos oficiais e das
especificidades concernentes aos documentos oficiais, julgue os
itens a seguir.

A circular é um tipo de correspondência interna da instituição, cujo objetivo é transmitir rotinas, orientações, procedimentos, esclarecer o conteúdo de leis, normas e regulamentos ou dar publicidade a uma informação, além de regulamentar atos oficiais.

Alternativas
Comentários
  • CIRCULARConceitoCorrespondência de caráter interno da Instituição, expedida simultaneamente a diversosdestinatários, com o objetivo de transmitir rotinas, orientações, procedimentos, esclarecer oconteúdo de leis, normas e regulamentos ou dar publicidade a uma informação. Pode serapresentada sob a forma de ofício-circular, memorando-circular, carta-circular, telegramacircular,conforme a sua finalidade.A circular não deverá ser utilizada para regulamentar atos oficiais como: Norma deServiço, Determinação de ServiçoFonte: http://www.noticias.uff.br/arquivos/manual-atos-oficiais.pdf
  • CIRCULAR
    Correspondência oficial, de  caráter interno, enviada, simultaneamente,  a diversos
    destinatários, com texto idêntico, transmitindo informações, instruções, ordens, recomendações ou
    esclarecendo o conteúdo de leis, normas e regulamentos. 

    acredito que o erro esteja ao citar que a circular regulamenta atos oficiais.
  • A instrução normativa é um documento de organização e
    ordenamento administrativo interno destinado a estabelecer diretrizes,
    normatizar métodos e procedimentos, bem como regulamentar
    matéria específica anteriormente disciplinada, a fim de
    orientar os dirigentes e servidores no desempenho de suas atribuições.
  • "Errado"CIRCULARComunicação oficial, INTERNA OU EXTERNA, expedida para diversas unidades administrativas oudeterminados funcionários.Suas partes componentes são:1. Título (a palavra CIRCULAR), em letras maiúsculas, sigla do órgão que o expede e número, àesquerda da folha.2. Local e data à direita da folha, e por extenso, na mesma linha do título.3. Destinatário, após a palavra Para (com inicial maiúscula).4. Assunto, expressado sinteticamente.5. Texto paragrafado, contendo a exposição do(s) assunto(s) e o objetivo da Circular.6. Fecho de cortesia, seguido do advérbio Atenciosamente.7. Assinatura, nome e cargo da autoridade ou chefia que subscreve a Circular.
  • A circular é uma carta destinada a funcionários de um determinado setor, remetida pelo chefe da repartição ou do departamento. Tem o objetivo de transmitir normas, ordens, avisos, pedidos, ou seja, de delimitar comportamentos e homogeneizar condutas de um grupo de pessoas.
    Tem o nome de circular porque indica a função de divulgar as informações entre todos os destinatários.
    Este documento oficial deve ter:
    1. Timbre (logotipo do órgão, brasão, símbolo do departamento);
    2. Título e número (circular nº 02/2009);
    3. Data (sem a localidade, nome da cidade);
    4. Ementa (síntese do assunto que será abordado no texto);
    5. Vocativo ou invocação com o pronome de tratamento adequado;
    6. Texto (bem explicado e claro);
    7. Despedida breve
    8. Assinatura (sem linha e sobre o nome datilografado, com o cargo de quem assina)
    Ao final da página, caso haja necessidade de um controle maior por parte da administração, pode-se colocar (em letras menores) as iniciais de quem redigiu e de quem digitou a circular.
    Modelo de Circular





                                                                                                                                     


     

     

     

  • "CIRCULAR Comunicação oficial, INTERNA OU EXTERNA, expedida para diversas unidades administrativas ou determinados funcionários." "A circular é destinada a determinado setor". Surgiu a dúvida: é interna ou externa, ou somente interna?
  • Pessoal, vamos focar no erro da questão.

    ERRADO

    "A circular é um tipo de correspondência interna da instituição, cujo objetivo é transmitir rotinas, orientações, procedimentos, esclarecer o conteúdo de leis, normas e regulamentos ou dar publicidade a uma informação, além de regulamentar atos oficiais."

    CERTO

    "A circular é um tipo de correspondência interna da instituição, cujo objetivo é transmitir rotinas, orientações, procedimentos, esclarecer o conteúdo de leis, normas e regulamentos ou dar publicidade a uma informação."


    Estrutura muito típica da CESPE.Descreve perfeitamente um conceito, mas ao chegar no final da frase coloca uma virgula e "avacalha" com a questão inteira, portanto, muita atenção ao fazer as provas dessa banca.


    Bons estudos!
  • Errado.


    A circular é um tipo de correspondência interna da instituição, cujo objetivo é transmitir rotinas, orientações, procedimentos, esclarecer o conteúdo de leis, normas e regulamentos ou dar publicidade a uma informação, além de regulamentar atos oficiais.

    Instrução normativa regulamenta atos oficiais.
  • a cespe é a típica falsiane. muito cuidado sempre!

  • Circular

    Conceito 

    Modalidade de correspondência interna ou externa enviada, simultaneamente, a diversos destinatários, com o objetivo de uniformizar procedimentos em vários órgãos municipais.Transmite informações, ordens e recomendações, assim como esclarece o conteúdo de leis, normas e regulamentos. 

     

     

    Fonte: Manual de Redação Oficial da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro

  • VIVENDO E APRENDENDO.

  • Circular não tem objetivo de regulamentar ato oficial nenhum, pode ser a resolução que trata de matéria regulamentar, além da administrativa, bem como um decreto regulamentar a depender do remetente.

  • Como eu acertei a questão

    Uma coisa serve para um bilhão de outras

    Circular serve para isso , para aquilo ,isso, bla bla bla


ID
143464
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
TRE-MA
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Assinale a opção em que o trecho, adaptado da Internet (www.tse.gov.br), está gramaticalmente correto e apropriado para compor um documento oficial.

Alternativas
Comentários
  • LETRA DA)INCORRETA Erro de pontuação, apenas uma vírgula no adjunto adverbial “em terras brasileiras”. Devem ser colocadas as duas ou nenhuma. Observe-se: “Com os primeiros núcleos de povoadores, surgiram, em terras brasileiras, o livre exercício do voto, logo depois...” ou “Com os primeiros núcleos de povoadores, surgiram em terras brasileiras o livre exercício do voto, logo depois...” B)INCORRETA (passavam logo a realizarem votações para eleger os que)= PASSAVAM LOGO A REALIZAR VOTAÇÕESC)INCORRETA (chegavam ao local que deveriam se estabelecer)= CHEGAVAM AO LOCAL EM QUE DEVERIAM SE ESTABELECER, pois quem se estabelece se estabelece “em”; (se metiam)= PROVIDENCIAVAMD)CORRETA Gramaticalmente correta e adequada para compor um texto oficial.E)INCORRETA (que possibilitam a apuração das eleições bem rapidinho -não apropriado para compor um documento oficial)= QUASE QUE DE IMEDIATO.
  • erro da A - 'surgiram em terras brasileiras, o livre exercício do voto," - SURGIU em terras brasileiras, o livre exercício do voto

    erro da B - "passavam logo a realizarem votações para" - passavam logo a realizar votações para"

    erro da C - Quando chegavam ao local que deveriam se estabelecer - Quando chegavam ao local onde deveriam se estabelecer

    erro da E - Os votos eram a princípio depositados em bolas - Os votos eram, a princípio, depositados em bolas (entre vírgulas)

  • O erro da letra E, sem dúvida, é o bem rapidinho. Totalmente impropriado.
  • Hum, inapropriado o comentário acima.
  • Letra D.


    Atende os padrões para se compor um documento oficial.


ID
161884
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
DPU
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Considerando as normas de redação oficial, assinale a opção correta.

Alternativas
Comentários
  • Letra C - Correta

    MANUAL DE REDAÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA
    1.1. A Impessoalidade

           O tratamento impessoal que deve ser dado aos assuntos que constam das comunicações oficiais decorre:
           a) da ausência de impressões individuais de quem comunica;
           b) da impessoalidade de quem recebe a comunicação, com duas possibilidades;
           c) do caráter impessoal do próprio assunto tratado: se o universo temático das comunicações oficiais se restringe a questões que dizem respeito ao interesse público, é natural que não cabe qualquer tom particular ou pessoal.
            Desta forma, não há lugar na redação oficial para impressões pessoais, como as que, por exemplo, constam de uma carta a um amigo, ou de um artigo assinado de jornal, ou mesmo de um texto literário. A redação oficial deve ser isenta da interferência da individualidade que a elabora.
  • Para que a letra B fique correta é só trocar a palavra remetente por destinatário, ou seja: "A redação de um documento oficial deve visar primordialmente o entendimento da mensagem pelo seu destinatário, para quem, de fato, ela é importante.
  • a) O uso do padrão culto da língua deve ser evitado nas redações oficiais, pois dificulta o entendimento dos textos por parte da população em geral.

    b) A redação de um documento oficial deve visar primordialmente o entendimento da mensagem pelo seu remetente destinatário, para quem, de fato, ela é importante.

    c) O registro de impressões pessoais nas comunicações oficiais não deve ocorrer, ainda que o expediente apresente signatário e destinatário identificados nominalmente.

    d) Como forma de uniformizar as comunicações oficiais, emprega-se o mesmo vocativo em todas elas, independentemente de seu destinatário.

    e) Todos os expedientes oficiais devem seguir a mesma diagramação.

  • A questão pede que seja marcada a alternativa referente às normas de redação oficial.
    Em (A) o correto é considerar o padrão culto como meio para produzir os documentos oficiais, pois a linguagem e a sintaxe corretas são consideradas no processo de compreensão do texto, junto com objetividade, clareza, entre outras características.
    Em (B) o entendimento da mensagem deve ser feito pelo destinatário.
    Em (D) há diferentes formas de vocativo, segundo o Manual de Redação Oficial, sendo usados para cada autoridade correspondente.
    Em (E) os únicos expedientes que têm a mesma diagramação são aviso, ofício e memorando.



    A resposta correta é a letra (C).




  • IMPRESSÕES PESSOAS E REDAÇÃO OFICIAL ( impessoal) NÃO COMBINAM.

     

    gabarito ''C''


ID
164290
Banca
FGV
Órgão
CODESP-SP
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Com base no Manual de Redação da Presidência da República, devem constar do cabeçalho ou do rodapé do ofício as seguintes informações do remetente:

I. nome do órgão ou setor;

II. endereço postal;

III. telefone e endereço de correio eletrônico.

Analise os itens acima e assinale

Alternativas
Comentários
  • 3.3.2. Forma e Estrutura Quanto a sua forma, aviso e ofício seguem o modelo do padrão ofício, com acréscimo do vocativo, que invoca o destinatário (v. 2.1 Pronomes de Tratamento), seguido de vírgula. Exemplos:Excelentíssimo Senhor Presidente da RepúblicaSenhora MinistraSenhor Chefe de Gabinete Devem constar do cabeçalho ou do rodapé do ofício as seguintes informações do remetente: – nome do órgão ou setor; – endereço postal; – telefone e endereço de correio eletrônico.
  • Segue minha colaboração de um modelo de ofício padrão: Bons estudos !!

    -------------------------------------------------

    Of. n.º 15/02 Brasília (DF), 25 de março de 2002.



    Ref.: Expedição à ilha da Coroa Vermelha




    Excelentíssimo Senhor Comandante,





    Tendo em vista que nossa associação pretende realizar expedição radioamadorística à ilha da Coroa Vermelha, da jurisdição desse distrito naval, solicitamos-lhe a especial fineza de autorizar nosso desembarque e permanência naquela ilha. Seguem os dados do empreendimento:


    · Período: de 17 a 19 de maio de 2002.
    · Número de operadores: três.
    · Transporte: traineira "Teixeira de Freitas", baseada no porto de Caravelas (BA).
    · Estações a serem instaladas: duas.
    · Abrigo:
    - das estações - Barraca militar cedida pelo Comando Militar do Planalto, do Exército Brasileiro.
    - dos operadores - Três barracas do tipo canadense.

    2. Informamos-lhe ainda que os indicativos de chamada das estações já foram requeridos junto à ANATEL. Estamos a seu dispor para mais informações, se necessário.


    3. Na expectativa de resposta favorável, subscrevemo-nos


    Atenciosamente,







    PAULO ANTONIO OUTEIRO HERNANDES
    Secretário



    Ex.mo Sr. Vice-Almirante
    JOSÉ DA SILVA PEREIRA
    DD. Comandante do 2.º Distrito Naval
    Rua Conceição da Praia, 335
    40015-250 - Salvador (BA)


     

  • 3.3.2. Forma e Estrutura

    Quanto a sua forma, aviso e ofício seguem o modelo do padrão ofício, com acréscimo do vocativo, que invoca o destinatário (v. 2.1 Pronomes de Tratamento), seguido de vírgula.

    Exemplos:

    Excelentíssimo Senhor Presidente da República

    Senhora Ministra

    Senhor Chefe de Gabinete

    Devem constar do cabeçalho ou do rodapé do ofício as seguintes informações do remetente:

    – nome do órgão ou setor;

    – endereço postal;

    – telefone e endereço de correio eletrônico.


ID
164293
Banca
FGV
Órgão
CODESP-SP
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Com base no Manual de Redação da Presidência da República, analise as afirmativas a seguir:

I. O padrão culto nada tem contra a simplicidade de expressão, desde que não seja confundida com pobreza de expressão. De nenhuma forma o uso do padrão culto implica emprego de linguagem rebuscada.

II. Não existe propriamente um "padrão oficial de linguagem"; o que há é o uso do padrão culto nos atos e comunicações oficiais. O jargão burocrático, como todo jargão, deve ser evitado, pois terá sempre sua compreensão limitada.

III. A linguagem técnica deve ser empregada apenas em situações que a exijam, sendo de evitar o seu uso indiscriminado. Certos rebuscamentos acadêmicos, e mesmo o vocabulário próprio a determinada área, são de difícil entendimento por quem não esteja com eles familiarizado. Deve-se ter o cuidado, portanto, de explicitá-los em comunicações encaminhadas a outros órgãos da administração e em expedientes dirigidos aos cidadãos.

Assinale

Alternativas
Comentários
  • Resposta c)

    I- Lembre-se que o padrão culto nada tem contra a simplicidade de expressão, desde que não seja confundida
    com pobreza de expressão. De nenhuma forma o uso do padrão culto implica emprego de linguagem rebuscada, nem
    dos contorcionismos sintáticos e figuras de linguagem próprios da língua literária.

    II- Pode-se concluir, então, que não existe propriamente um “padrão oficial de linguagem”; o que há é o uso do
    padrão culto nos atos e comunicações oficiais. É claro que haverá preferência pelo uso de determinadas expressões, ou
    será obedecida certa tradição no emprego das formas sintáticas, mas isso não implica, necessariamente, que se consagre
    a utilização de uma forma de linguagem burocrática. O jargão burocrático, como todo jargão, deve ser evitado, pois
    terá sempre sua compreensão limitada.

    III- A linguagem técnica deve ser empregada apenas em situações que a exijam, sendo de evitar o seu uso
    indiscriminado. Certos rebuscamentos acadêmicos, e mesmo o vocabulário próprio a determinada área, são de difícil
    entendimento por quem não esteja com eles familiarizado. Deve-se ter o cuidado, portanto, de explicitá-los em
    comunicações encaminhadas a outros órgãos da administração e em expedientes dirigidos aos cidadãos.

    Manual de Redação Oficial da Presidência da República

  • Cópia literal do Manual de Redação:

    I - Tópico: 1.2. A Linguagem dos Atos e Comunicações Oficiais
    Lembre-se que o padrão culto nada tem contra a simplicidade de expressão, desde que não seja confundida com pobreza de expressão. De nenhuma forma o uso do padrão culto implica emprego de linguagem rebuscada, nem dos contorcionismos sintáticos e figuras de linguagem próprios da língua literária.

    II - Tópico: 1.2. A Linguagem dos Atos e Comunicações Oficiais
    Pode-se concluir, então, que não existe propriamente um "padrão oficial de linguagem"; o que há é o uso do padrão culto nos atos e comunicações oficiais. É claro que haverá preferência pelo uso de determinadas expressões, ou será obedecida certa tradição no emprego das formas sintáticas, mas isso não implica, necessariamente, que se consagre a utilização de uma forma de linguagem burocrática. O jargão burocrático, como todo jargão, deve ser evitado, pois terá sempre sua compreensão limitada.

    III - Tópico: 1.2. A Linguagem dos Atos e Comunicações Oficiais
    A linguagem técnica deve ser empregada apenas em situações que a exijam, sendo de evitar o seu uso indiscriminado. Certos rebuscamentos acadêmicos, e mesmo o vocabulário próprio a determinada área, são de difícil entendimento por quem não esteja com eles familiarizado. Deve-se ter o cuidado, portanto, de explicitá-los em comunicações encaminhadas a outros órgãos da administração e em expedientes dirigidos aos cidadãos.

    Todas as alternativas estão corretas!
  • linguagem técnica deve ser empregada apenas em situações que a exijam, sendo de evitar o seu uso indiscriminado. Certos rebuscamentos acadêmicos, e mesmo o vocabulário próprio a determinada área, são de difícil entendimento por quem não esteja com eles familiarizado.

     

     Deve-se ter o cuidado, portanto, de explicitá-los em comunicações encaminhadas a outros órgãos da administração e em expedientes dirigidos aoscidadãos

     

    Portanto, o emprego imotivado (arbitrário, não se justifica) de linguagem técnica deve ser evitado em correspondências oficiais.

     

     

    A necessidade de empregar determinado nível de linguagem nos atos e expedientes oficiais decorre, de um lado, do próprio caráter público desses atos e comunicações; de outro, de sua finalidade. Os atos oficiais,  aqui entendidos como atos de caráter normativo, ou estabelecem regras para a conduta dos cidadãos, ou regulam o funcionamento dos órgãos públicos, o que só é alcançado se em sua elaboração for empregada a linguagem adequada. O mesmo se dá com os expedientes oficiais, cuja finalidade precípua é a de informar com clareza e objetividade.

     

    As comunicações que partem dos órgãos públicos federais devem ser compreendidas por todo e qualquer cidadão brasileiro. Para atingir esse objetivo, há que evitar o uso de uma linguagem restrita a determinados grupos. Não há dúvida que um texto marcado por expressões de circulação restrita, como a gíria, os regionalismos vocabulares ou o jargão técnico, tem sua compreensão dificultada.


ID
165187
Banca
PUC-PR
Órgão
COPEL
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Leia o fragmento de texto a seguir, extraído do
Manual de Redação da Presidência da República,
Parte I, cap. I, 2002, e responda às questões 19 e 20.

"O QUE É REDAÇÃO OFICIAL


Em uma frase, pode-se dizer que redação oficial é a
maneira pela qual o Poder Público redige atos normativos
e comunicações. Interessa-nos tratá-la do ponto de vista
do Poder Executivo.
A redação oficial deve caracterizar-se pela
impessoalidade, uso do padrão culto de linguagem,
clareza, concisão, formalidade e uniformidade.
Fundamentalmente esses atributos decorrem da
Constituição, que dispõe, no artigo 37: "A administração
pública direta, indireta ou fundacional, de qualquer dos
Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos
Municípios obedecerá aos princípios de legalidade,
impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência
(...)". Sendo a publicidade e a impessoalidade princípios
fundamentais de toda administração pública, claro está
que devem igualmente nortear a elaboração dos atos e
comunicações oficiais.
Não se concebe que um ato normativo de qualquer
natureza seja redigido de forma obscura, que dificulte ou
impossibilite sua compreensão. A transparência do
sentido dos atos normativos, bem como sua
inteligibilidade, são requisitos do próprio Estado de
Direito: é inaceitável que um texto legal não seja
entendido pelos cidadãos. A publicidade implica, pois,
necessariamente, clareza e concisão."

Fonte: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/manual/manual.htm. Acesso:
10/11/09.

Segundo o texto:

Alternativas
Comentários
  • A questao nao definiu o que assinalar se falsa ou verdadeira
  • LETRA A!

    A redação oficial é caracterizada pela impessoalidade, uso do padrão culto de linguagem, clareza, concisão, formalidade e uniformidade. Esses mesmos princípios aplicam-se às comunicações oficiais: elas devem sempre permitir uma única interpretação e ser estritamente impessoais e uniformes, o que exige o uso de certo nível de linguagem.                  
     IMPESSOALIDADE
    Evitar impressões subjetivas
    Evitar expressões individualizantes
    CLAREZA
    Evitar ambigüidades e imcompreenssões

ID
171391
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
DPU
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Com relação à estrutura de textos oficiais, assinale a opção correta.

Alternativas
Comentários
  • a) Símbolos, siglas e abreviaturas são proibidos em textos oficiais.  ERRADO - os símbolos são permitidos, tanto que segundo o Manual da Presidência da República: " para símbolos não existentes na fonte Times New Roman poder-se-á utilizar as fontes Symbol e Wingdings"  - quanto ás siglas:   "usar apenas siglas consagradas pelo uso, observado o princípio de que a primeira referência no texto seja acompanhada de explicitação de seu significado;"

    b) Fechos como Sem mais para o momento e Na expectativa de seu pronunciamento, subscrevemo-nos são, atualmente, adequados apenas para determinados tipos de expediente. ERRADO - Para autoridades superiores, inclusive Presidente da Rep = Respeitosamente e para autoridades de mesma hierarquia ou inferior = Atenciosamente.

    c) Os pronomes de tratamento Vossa Excelência e Vossa Senhoria devem ser usados, respectivamente, para chefes de Estado e juízes.  ERRADO - os pronomes de tratamento para Ministros de Estado e JUízes = Vossa Excelência

    d) Períodos longos e redigidos na ordem indireta interferem de forma negativa na boa estruturação textual de documentos oficiais. CORRETO

    e) Se o redator de um expediente oficial escreve obedecendo a uma sequência lógica de raciocínio e fazendo o encadeamento das ideias, a revisão do texto é dispensável. ERRADO - a revisão é indispensável em qualquer caso

  • Alguém poderia esclarecer uma dúvida?

    Eu estudei que para Juiz o pronome de tratamento adequado é Vossa Senhoria = Senhor Juiz, diferente do que está na questão e que a "Verônica" postou, que é Vossa Excelência.

    Por favor, se alguém puder esclarecer, agradeço.

  • Vossa Excelência, para as seguintes autoridades:

    a) do Poder Executivo;

    Presidente da República;

    Vice-Presidente da República;

    Ministros de Estado;

    Governadores e Vice-Governadores de Estado e do Distrito Federal;

    Oficiais-Generais das Forças Armadas;

    Embaixadores;

    Secretários-Executivos de Ministérios e demais ocupantes de cargos de natureza especial;

    Secretários de Estado dos Governos Estaduais;

    Prefeitos Municipais.

    b) do Poder Legislativo:

    Deputados Federais e Senadores;

    Ministro do Tribunal de Contas da União;

    Deputados Estaduais e Distritais;

    Conselheiros dos Tribunais de Contas Estaduais;

    Presidentes das Câmaras Legislativas Municipais.

    c) do Poder Judiciário:

    Ministros dos Tribunais Superiores;

    Membros de Tribunais;

    Juízes;

    Auditores da Justiça Militar.

    Manual de Redação no poento 2.1
     

  • Pronome de tratamento para Juiz:  "Vossa Excelência" (tratamento usado no corpo da redação).

    Vocativo para Juiz: Senhor Juiz (a quem se dirige no início da redação).

    Ao senhor Juiz Fulano de tal...

    Comunicamos a Vossa Excelência que...

     

  • Vossa/ sua senhoria é usado para particulares , servidores chefes.
    Vossa: com quem se fala.
    Sua: de quem se fala.
  • Conforme no Manual de Redação da Presidência da República

    chefes do poder -> Excelentíssimo senhor
    poder executivo, legislativo e judiciário -> Vossa Excelência
    demais autoridades (inclusive particulares) -> Senhor
  • A questão apresenta diferentes alternativas.
    Em (A) as siglas e abreviaturas não são proibidas, vide exemplos no Manual de Redação Oficial.
    Em (B) os fechos estão incorretos, pois os fechos para comunicações são "Respeitosamente" e "Atenciosamente".
    Em (C) o Vossa Excelência deve ser usado para juízes e chefes de Estado.
    Em (E) a revisão do texto é importante para qualquer texto oficial, para evitar textos que possam ser interpretados erroneamente.


    A resposta correta é a letra (D).


  • Gabarito letra D. Períodos longos e redigidos na ordem indireta ferem o princípio da concisão e clareza. Períodos longos ferem o princípio da economicidade. Inversões e contorcionismos sintáticos não são aceitos pelas comunicações oficiais.
    A - Símbolos, Siglas e Abreviaturas não são proibidos, desde que sejam explicitados.
    B- Fechos como SEM MAIS PARA O MOMENTO, NA EXPECTATIVA DE SEU PRONUNCIAMENTO, SUBSCREVEMO-NOS são jargões arcaicos e que são proibidos pelas comunicações oficiais.
    C - Pronomes de Tratamento Vossa Excelência (para Chefes de Poder e MEMBROS de poder - juiz é membro de poder - agente político), Vossa senhoria é tratamento dado ao particular.
    E - Mesmo que a comunicação oficial seja escrita obedecendo uma sequência lógica de raciocínio e fazendo o encadeamento das ideias, a revisão textual é INdispensável para garantir ausência de subjetivismos, verificar se houve correta diagramação, uso do padrão culto de linguagem, se houve mesmo concisão e clareza e uniformidade e formalidades corretas!


ID
174478
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
AGU
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Sobre a redação de textos oficiais, julgue o próximo item.

Todos os expedientes oficiais devem conter, após o fecho, a assinatura e a identificação do signatário.

Alternativas
Comentários
  • Assinatura: o signatário do ofício é o responsável pelo seu conteúdo. Quem assina o ofício é o titular do órgão ou alguém por ele indicado para falar em
    nome da instituição, caso em que a situação deve ser esclarecida no começo do ofício: Por determinação do Exmo. Sr. Presidente desta Casa, encaminho ... .

    Retirado do livro que ta na net. Parece ser muito bom!

    http://www.almg.gov.br/publicacoes/manualredacao/correspondencia.pdf

  • Segundo o Manual de Redação da Presidência da República, no seu item 2.3:

    "2.3. Identificação do Signatário
    Excluídas as comunicações assinadas pelo Presidente da República, todas as demais comunicações oficiais
    devem trazer o nome e o cargo da autoridade que as expede, abaixo do local de sua assinatura."

    Essa é a razão pela qual a questão está errada.

     

  • A mensagem, que é a modalidade de texto oficial utilizada para comunicação entre os chefes de Poder, é um exemplo de expediente oficial que não  contêm fecho e nem identificação do signatário, sendo incluída somente a assinatura.
  • E-mail não tem assinatura...
    Expedientes do presidente da república...

    Mas errei a questão porque ainda não aprendi o que o CESPE quer. As vezes ele põe a regra, a gente considera a exceção e ele diz que tá errado pois vale a regra; As vezes ele põe a regra, a gente considera só a regra e ele diz que tá errado pois há exceções...VAI ENTENDER.
  • Colega Janete,

    A questão está errada pelo fato de dizer que "todos os expedientes oficiais devem conter, após o fecho, a assinatura e a identificação do signatário." Isso não é verdade, pois sabemos do caso particular que envolve o Presidente da República. Mas se a questão dissesse: "Os expedientes oficiais devem conter, após o fecho, a assinatura e a identificação do signatário." Estaria correta. A questão, nesse caso, não generalizou.Ou seja, em regra, ou em quase todos os expedientes oficiais, devem conter assinatura e identificação do signatário.

    Um outro exemplo: "Segundo a CF/88, é proibido pena de morte no Brasil." CERTO, pois é a regra.
                                    "Segundo a CF/88, nunca será permitida pena de morte no Brasil."  ERRADO, será em caso de guerra declarada.
                                    "Segundo a CF/88, não é permitido pena de morte no Brasil." CERTO, não há permissão para tal. Mas poderá vir a ter em caso de guerra declarada.
                                    "Segundo a CF/88, nãopossibilidade de hever pena de morte no Brasil."  ERRADO, há possibilidade em caso de guerra declarada.

    Espero ter ajudado.
  • Olá!
    ERRADO.
    Veja:

    2.3. Identificação do Signatário
    Excluídas as comunicações assinadas pelo Presidente da República, todas as demais comunicações oficiais devem trazer o nome e o cargo da autoridade que as expede, abaixo do local de sua assinatura. A forma da identificação deve ser a seguinte:
    (espaço para assinatura)
    NOME
    Chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República
     
    (espaço para assinatura)
    NOME
    Ministro de Estado da Justiça
     
    Para evitar equívocos, recomenda-se não deixar a assinatura em página isolada do expediente. Transfira para essa página ao menos a última frase anterior ao fecho.

    Fonte: Manual de Redação da Presidência da República, página 19.
    Muito obrigada, Natália.
  • Exceto do(a) Presidente(a). Marquei errada

  • ERRADO

    2.3. Identificação do Signatário

                    Excluídas as comunicações assinadas pelo Presidente da República, todas as demais comunicações oficiais devem trazer o nome e o cargo da autoridade que as expede, abaixo do local de sua assinatura. A forma da identificação deve ser a seguinte:

    (espaço para assinatura)

    Nome

    Chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República

    (espaço para assinatura)

    Nome

    Ministro de Estado da Justiça

                    Para evitar equívocos, recomenda-se não deixar a assinatura em página isolada do expediente. Transfira para essa página ao menos a última frase anterior ao fecho.

  • Gabarito: errado

    --

    Conforme o próprio CESPE, expedientes que tenham o Presidente da República como emissor, embora não apresentem a identificação do signatário, trazem a sua assinatura.


ID
174481
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
AGU
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Sobre a redação de textos oficiais, julgue o próximo item.

As comunicações oficiais devem ser padronizadas e, para isso, o uso do padrão oficial de linguagem é imprescindível.

Alternativas
Comentários
  • A padronização não é uma regra. 

    "O que não se pode esquecer é que depõe contra os princípios da padronização e da uniformidade a utilização, por diferentes setores de um mesmo órgão, de modelos variados."

    Retirado do livro: http://www.almg.gov.br/publicacoes/manualredacao/correspondencia.pdf

  •  não existe propriamente um "padrão oficial de linguagem"; o que há é o uso do padrão culto nos atos e comunicações oficiais. É claro que haverá preferência pelo uso de determinadas expressões, ou será obedecida certa tradição no emprego das formas sintáticas, mas isso não implica, necessariamente, que se consagre a utilização de uma forma de linguagem burocrática. O jargão burocrático, como todo jargão, deve ser evitado, pois terá sempre sua compreensão limitada.
     

  • " A identificação que se buscou fazer das características específicas da forma oficial de redigir não deve ensejar o entendimento de que se proponha a criação - ou se aceite a existência - de uma forma específica de linguagem administrativa,o que coloquialmente e pejorativamente se chama burocratas. Este é antes uma distorção do que deve ser a redação oficial, e se caracteriza pelo abuso de expressões e clichês do jargão burocrático e de formas arcaicas de construção de frases. " Retirada da apostila do curso de formação da Aneel, 2010.

    O que o item chamou de "padrão oficial de linguagem" seria o que o texto acima chamou de "forma específica de linguagem administrativa", a qual não deve existir. O que há é o uso da língua culta ( ou formal) nas comunicações oficiais.  

  • As comunicações oficiais devem ser sempre formais, isto é, obedecem a certas regras de forma: além das já mencionadas exigências de impessoalidade e uso do padrão culto de linguagem, é imperativo, ainda, certa formalidade de tratamento.

    Fonte: Manual de Redação Oficial da Presidência da República.
     

  • SEMPRE LEMBRAR:

    Não existe Padrão OFICIAL de Linguaguem, o que existe é Padrão CULTO de Linguaguem.

    Já vi isso em muitas questões que seriam facilmente resolvidas por esse detalhe.

  •  A redação oficial deve caracterizar-se pela impessoalidade, uso do padrão culto de linguagem, clareza, concisão, formalidade e uniformidade. Fundamentalmente esses atributos decorrem da Constituição, que dispõe, no artigo 37: “A administração pública direta, indireta ou fundacional, de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência (...)”. Sendo a publicidade e a impessoalidade princípios fundamentais de toda administração pública, claro está que devem igualmente nortear a elaboração dos atos e comunicações oficiais.  



     Esses mesmos princípios (impessoalidade, clareza, uniformidade, concisão e uso de linguagem formal) aplicam-se às comunicações oficiais: elas devem sempre permitir uma única interpretação e ser estritamente impessoais e uniformes, o que exige o uso de certo nível de linguagem.



     Acrescente-se, por fim, que a identificação que se buscou fazer das características específicas da forma oficial de redigir não deve ensejar o entendimento de que se proponha a criação – ou se aceite a existência – de uma forma específica de linguagem administrativa, o que coloquialmente e pejorativamente se chama burocratês. Este é antes uma distorção do que deve ser a redação oficial, e se caracteriza pelo abuso de expressões e clichês do jargão burocrático e de formas arcaicas de construção de frases.

    A redação oficial não é, portanto, necessariamente árida e infensa à evolução da língua. É que sua finalidade básica – comunicar com impessoalidade e máxima clareza – impõe certos parâmetros ao uso que se faz da língua, de maneira diversa daquele da literatura, do texto jornalístico, da correspondência particular, etc.

  • As comunicações oficiais devem, sim, ser padronizadas, pois a administração pública é una e deve seguir certa uniformidade de tratamento.
    O erro está em afirmar que a padronização se dá por meio do uso do padrão oficial de linguagem; o certo seria dizer "pelo padrão culto de linguagem".

    ERRADO
  • No site: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/manual/manual.htm os senhores poderão observar mais claramente o seguinte:

    O texto oficial tem que ser:
    1- IMPESSOAL: em terceira pessoa (em regra), sem opiniões particulares, etc.
    2- TER LINGUAGEM DOS ATOS E COMUNICAÇÕES OFICIAIS: seguir a linguagem padrão, porém, de modo que qualquer cidadão entenda (nada de termos rebuscados)
    3- FORMALIDADE: uso correto de pronomes de tratamento.
    4- PADRONIZAÇÃO: seguir modelo único (Ex: Padrão de ofício, aviso, memorando, etc)
    5- CONCISÃO E CLAREZA: o texto não pode ser prolixo e tem que ser claro e objetivo. 

    Eles misturaram o item 2 com o 4.
  • Olá!

    Na alternativa não temos um erro de Português, mas um erro na afirmação que ela faz. 

    O enunciado era "Sobre a redação de textos oficiais, julgue os próximos itens". 

    A alternativa era "As comunicações oficiais devem ser padronizadas e, para isso, o uso do padrão oficial de linguagem é imprescindível".
    De acordo com o Manual de Redação da Presidência da República no item 1.2 A Linguagem dos Atos e Comunicações Oficiais temos: "... Pode-se concluir, então, que não existe propriamente um "padrão oficial de linguagem"; o que há é o uso do padrão culto nos atos e comunicações oficiais. "
    Se não existe um padrão oficial, a alternativa está errada.
  • Apenas para complementar o que já foi dito, outra questão ajudaria a responder, vejam:

    Prova: CESPE - 2013 - TCE-RO - Analista de Informática

    Disciplina: Redação Oficial

    Na redação de expedientes oficiais, deve-se obedecer à norma culta da língua, prescindindo-se de uma linguagem específica administrativa, embora se possa utilizar linguagem técnica quando necessário.

    GABARITO: CERTA.

  • Pegadinha de mal gosto!!!!

    Mas neh faz parte!

  • Padrao OFICIAL (no dicionário Houaiss, OFICIAL = APROVADO PELA TRADIÇÃO E GOZA DE AUTORIDADE).

    No que isso difere de Padrão Culto? (no mesmo dicionário, CULTO = QUE SEGUE O PADRÃO FORMAL, ERUDITO)
    Será que só a `decoreba` é que vale, ou seja, exatamente com as mesmas palavras que estão no manual de redação `oficial`? Temos que `desligar o penso` pra responder? Se sim, seria então um PADRÃO OFICIAL (no manual tá lá: REDAÇÃO OFICIAL!) e voltaríamos a dar a questão como correta.    :-)
    Por favor me ajudem - to doido pra mudar de opinião!!!

    Obrigado!!!
  • O enunciado informa que "as comunicações oficiais devem ser padronizadas e, para isso, o uso do padrão oficial de linguagem é imprescindível". Na verdade, segundo o Manual de Redação Oficial, "não existe propriamente um “padrão oficial de linguagem"; o que há é o uso do padrão culto nos atos e comunicações oficiais. É claro que haverá preferência pelo uso de determinadas expressões, ou será obedecida certa tradição no emprego das formas sintáticas, mas isso não implica, necessariamente, que se consagre a utilização de uma forma de linguagem burocrática. O jargão burocrático, como todo jargão, deve ser evitado, pois terá sempre sua compreensão limitada".


    A resposta é incorreta. 

  • Não existe padrão oficial de linguagem, o que existe é o uso da norma culta da língua portuguesa.

  • Acho q o erro está em falar em comunicações padronizadas, nem todas são como o email por exemplo.

  • Não existe padronização de linguagem. Simples.

  • Gabarito: ERRADO

     

    padrãO --> cultO

  • muito cuidado com a palavra imprescindível e prescindível.

  • Vejam o significado de Prescindível e Imprescindível no GG

    e colem na parede de trás da tela do seus monitores, pq isso despenca em prova !!!!

  • ERRADO

    Pontos relevantes:

    1. É importante ressaltar que não existe um padrão oficial de linguagem
    2. A opção do uso da norma culta na redação oficial deve-se ao fato de que esta norma é universal e significa, portanto, que ela é mais clara. Deve- se obedecer à norma culta da língua,

    Sobre o assunto em questões:

    CESPE - 2018 - FUB - Assistente em Administração Com base no Manual de Redação da Presidência da República (MRPR), julgue o item que se segue.

    O MRPR estabelece o padrão oficial de linguagem, segundo o qual textos oficiais devem ser redigidos de maneira formal e impessoal. (E)

    CESPE - 2010 - AGU - Contador - As comunicações oficiais devem ser padronizadas e, para isso, o uso do padrão oficial de linguagem é imprescindível. (E)

    CESPE-2017 TRF - 1ª REGIÃO - De acordo com o MRPR, não existe um padrão oficial de linguagem. (C)

     CESPE - 2013 - TCE-RO - Na redação de expedientes oficiais, deve- se obedecer à norma culta da língua, prescindindo- se de uma linguagem específica administrativa, embora se possa utilizar linguagem técnica quando necessário. (C)

  • Gabarito: Errado

    Prescindível = não precisa

    Imprescindível = essencial, necessário.

  • padronização de linguagem não existe

    padronização de norma existe


ID
176476
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
ADAGRI-CE
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Considerando as normas que regem a redação oficial, julgue os
próximos itens.

No caso de o destinatário de expediente oficial ser uma alta autoridade do Poder Executivo, Legislativo ou Judiciário, o remetente, quando a ele se dirigir, deve empregar o pronome de tratamento Vossa Excelência.

Alternativas
Comentários
  • CERTO!

    Vossa Excelência, para as seguintes autoridades:

    a) do Poder Executivo;

    Presidente da República;

    Vice-Presidente da República;

    Ministros de Estado;

    Governadores e Vice-Governadores de Estado e do Distrito Federal;

    Oficiais-Generais das Forças Armadas;

    Embaixadores;

    Secretários-Executivos de Ministérios e demais ocupantes de cargos de natureza especial;

    Secretários de Estado dos Governos Estaduais;

    Prefeitos Municipais.

    b) do Poder Legislativo:

    Deputados Federais e Senadores;

    Ministro do Tribunal de Contas da União;

    Deputados Estaduais e Distritais;

    Conselheiros dos Tribunais de Contas Estaduais;

    Presidentes das Câmaras Legislativas Municipais.

    c) do Poder Judiciário:

    Ministros dos Tribunais Superiores;

    Membros de Tribunais;

    Juízes;

    Auditores da Justiça Militar.

    FONTE: www.planalto.gov.br/ccivil.../manual/manual.htm

  • Quando se dirigir a ela usa - Vossa

    Quado falar sobre ela usa- Sua

  • Item Correto

  • Essa questao ficou completamente ambígua... no manual da presidência fala "para autoridades: excelencia"... mas seu eu falo "alta autoridade" devo pensar que é a mais alta autoridade, a saber: Presidênte da Rep. Presiênte do Congresso e Presidente do STF, nesse caso seria Excelentíssimo Senhor.

  • Rodrigo, concordo com você. 

    Creio que o termo correto seria Excelentissímo e não Vossa Excelência, vez que alta autoridade remete ao cargo mais alto  dentro do poder (Presidente, Presidente do Supremo etc)
  • Descumpem, mas tendo a discordar dos colegas.
    Se a questão estivesse referindo-se aos chefes dos 3 Poderes, então o enunciado traria: "a mais alta autoridade".
    Ser alta autoridade não significa, ao meu ver, ser chefe de determinado poder.

    Obs.:

    Vossa Excelência (Pronome de Tratamento): principais autoridades;

    Excelentíssimo Senhor (Vocativo): apenas para os chefes de cada poder.
  • Essa questão está bem clara.
    "... quando a ele se dirigir, deve empregar o pronome de tratamento Vossa Excelência."

    apenas o vocativo a ser empregado em comunicações dirigidas aos Chefes de Poder é Excelentíssimo Senhor, seguido
    do cargo respectivo:
    Excelentíssimo Senhor Presidente da República,
    Excelentíssimo Senhor Presidente do Congresso Nacional,
    Excelentíssimo Senhor Presidente do Supremo Tribunal Federal.

    mesmo sendo a mais alta autoridade como  o Presidente da Republica, usa o Vossa Excelência quando estiver dirigindo à ele.

    Então a questão está correta

  • O comentário do Ricardo de Oliveira está perfeito.

    Só dou enfase ao fato da questão falar em "PRONOME DE TRATAMENTO" e não em "VOCATIVO", então, mesmo que se referisse aos CHEFES dos 3 poderes, o correto ainda seria "Vossa Excelência". Caso se referisse ao emprego correto do vocativo, ai sim o correto seria "Exceletíssimo Senhor ..." (se o caso fosse dos chefes dos poderes).
  • Detalhe que muda a resposta é a expressão "alta" (adjetivo), pois sem ela, estaria errada a questão. Apx.
  • Discordo, alta autoridade pode ser vice prefeito, que no caso deve ser tratado de Vossa Senhoria.
    Questão subjetiva.
  • Eu não sei qual é o propósito da pessoa vir em todas as questões relativas a formas de tratamento e colar o mesmo quadro copiado de algum lugar da internet, sem acrescentar nada ou fazer um comentário se quer sobre a questão...mas enfim...
    Pessoal, não confundam pronome de tratamento com vocativo! O vocativo realmente seria Vossa Excelência por se tratar de alta autoridade de algum dos 3 poderes; todavia, a questão trata, claramente, de pronome de tratamento! E em redação oficial, pronome de tratamento é "vossa excelência" ou "vossa senhoria", dependendo da pessoa a que nos dirigimos.
  • Comentário:

     

    Em se tratando de expediente oficial destinado a Chefes de Poder (Executivo, Legislativo ou Judiciário), o pronome de tratamento a ser empregado é Vossa Excelência.

     

    É importante ressaltar que o vocativo, para essas autoridades, é Excelentíssimo Senhor, seguido do respectivo cargo:

     

    - Excelentíssimo Senhor Presidente da República;


    - Excelentíssimo Senhor Presidente do Congresso Nacional;


    - Excelentíssimo Senhor Presidente do Supremo Tribunal Federal.

     

    Gabarito: CERTO.

     

    Prof: Fabiano Sales
     


ID
176479
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
ADAGRI-CE
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Considerando as normas que regem a redação oficial, julgue os
próximos itens.

No serviço público, o expediente ofício é o principal meio de comunicação interna, ou interdepartamental.

Alternativas
Comentários
  • ERRADO!

    MEMORANDO:

    O memorando é a modalidade de comunicação entre unidades administrativas de um mesmo órgão, que podem estar hierarquicamente em mesmo nível ou em níveis diferentes. Trata-se, portanto, de uma forma de comunicação eminentemente interna.

    Pode ter caráter meramente administrativo, ou ser empregado para a exposição de projetos, idéias, diretrizes, etc. a serem adotados por determinado setor do serviço público.

    Sua característica principal é a agilidade. A tramitação do memorando em qualquer órgão deve pautar-se pela rapidez e pela simplicidade de procedimentos burocráticos. Para evitar desnecessário aumento do número de comunicações, os despachos ao memorando devem ser dados no próprio documento e, no caso de falta de espaço, em folha de continuação. Esse procedimento permite formar uma espécie de processo simplificado, assegurando maior transparência à tomada de decisões, e permitindo que se historie o andamento da matéria tratada no memorando.

  •  

    O ofício têm como finalidade o tratamento de assuntos oficiais pelos órgãos da Administração Pública entre si e, também com particulares.

    Fonte:www.planalto.gov.br/ccivil.../manual/manual.htm

  • Ofício = modalidade de comunicação expedido para e pelas demais autoridades,tem como finalidade o tratamento de assuntos

    oficiais pelos orgãos da ADM Pública entre si,e no caso do ofício tambem como particulares ( caráter meramente externo )

    memorando = modalidade de comunicação entre unidades de um mesmo administrativas orgão,que podem estar hierarquicamente em mesmo nível ou nível diferente.Trata-se portanto de uma comunicação de caráter meramente INTERNO


    INCONRRETA

  • OFÍCIO - CORRESPONDÊNCIA EXTERNA PARA OUTROS ÓRGÃOS E PARTICULARES


    MEMORANDO - COMUNICAÇÃO INTERNA ENTRE UNIDADES DO MESMO ÓRGÃO COM MESMA HIERARQUIA OU SUPERIOR
  • No comentário postado dor Evelize, na tabela tenho uma dúvida sobre os membros da câmara municipal, que seria Vossa Senhoria,
    com exceção do presidente da câmera municipal.


     

  • Outra questão pode ajudar  a responder, vejam:

    As modalidades de comunicação denominadas ofício, aviso e memorando assemelham-se quanto à forma, visto que todas devem ser formatadas conforme o padrão ofício; quanto à finalidade, o memorando distingue-se do ofício e do aviso por destinar-se à comunicação entre unidades administrativas de um mesmo órgão.

    GABARITO: CERTA.


ID
178426
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
DPU
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Considerando as normas de redação oficial, assinale a opção correta.

Alternativas
Comentários
  • A) Seguem mesma diagramação somente os textos componentes do padrão ofício (Ofício, Aviso,Memorando e, por extensão, Exposição de Motivos). Os demais textos não são padronizados

    B)Na redação oficial, o uso da língua padrão é obrigatório, pois se deve respeitar o princípio da correção.
    C)O entendimento da mensagem deve ser facilitado para o destinatário, ou seja, a quem de fato interessa a
    leitura.
    D) CORRETA - A redação oficial é norteada por regras similares às da Administração Pública. Entre estas normalizações,
    está a impessoalidade que deve reger os atos públicos. Quanto à identificação nominal do texto oficial, esta faz parte
    da composição do fecho das comunicações expedidas pelo serviço público.
    E)Há diferença de vocativos empregados. Exemplo disso é a diferença entre evocar um Presidente e
    demais autoridades. O primeiro é evocado por Excelentíssimo Senhor, enquanto as demais autoridades são
    evocadas por Senhor.
  • Resposta: d)

    c) do caráter impessoal do próprio assunto tratado: se o universo temático das comunicações oficiais se restringe
    a questões que dizem respeito ao interesse público, é natural que não cabe qualquer tom particular ou pessoal.
     

    Desta forma, não há lugar na redação oficial para impressões pessoais, como as que, por exemplo, constam de
    uma carta a um amigo, ou de um artigo assinado de jornal, ou mesmo de um texto literário. A redação oficial deve ser
    isenta da interferência da individualidade que a elabora.
    A concisão, a clareza, a objetividade e a formalidade de que nos valemos para elaborar os expedientes oficiais
    contribuem, ainda, para que seja alcançada a necessária impessoalidade.

    Manual de Redação Oficial da Presidencia da República

  • A questão apresenta alternativas para serem analisadas. Apenas uma está correta.

    Sabemos que, de acordo com o Manual de Redação Oficial, a diagramação varia de acordo com a característica do documento oficial. 
    Ao contrário do que diz a letra B, o padrão culto da língua deve ser usado, até mesmo pelas características de impessoalidade, clareza e objetividade que os documentos oficiais devem apresentar. 
    A redação de um documento oficial deve favorecer a leitura do destinatário, ou seja, para quem é direcionada a carta. 
    A letra E está incorreta, pois o vocativo é usado de acordo com o pronome de tratamento empregado.


    A resposta correta é a letra (D).
  • Como forma de uniformizar as comunicações oficiais, emprega-se o mesmo vocativo em todas elas, independentemente de seu destinatário

  • Resposta correta: alternativa d.

    a)Errada. Todos os expedientes(ofício, aviso e memorando) apresentam uma diagramação semelhante, mas não igual;

    b)Errada. Nas correspondências oficiais deve ser utilizado o padrão culto da língua; o que deve ser evitado, na realidade, é o uso de uma linguagem excessivamente técnica, que prejudique o entendimento por parte da população;
    c)Errada. A mensagem deve ser perfeitamente clara e compreensível tanto para o remetente quanto para o destinatário;e)Errada. Existem formas distintas de vocativos e pronomes de tratamento a depender do destinatário.
  •      Não há lugar na redação oficial para impressões oficiais, como as que, por exemplo, constam de uma carta a um amigo, ou de um artigo assinado de jornal, ou mesmo de um texto literário, a redação oficial deve ser isenta da interferência da individualidade que a elabora. 

         A concisão, a clareza, a objetividade e a formalidade de que nos valemos para elaborar os expedientes oficiais contribuem, ainda, para que seja alcançada a necessária impessoalidade. 

     

    Fonte:  Manual de Redação da Presesidência da República


ID
179476
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
AGU
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Com relação à redação de correspondências oficiais, julgue os itens
subsequentes.

Na redação de correspondências oficiais, deve-se levar em conta sua finalidade básica: comunicar com impessoalidade e máxima clareza.

Alternativas
Comentários
  • CERTO!

    A redação oficial tem como finalidade básica – comunicar com impessoalidade e máxima clareza – impõe certos parâmetros ao uso que se faz da língua, de maneira diversa daquele da literatura, do texto jornalístico, da correspondência particular, etc. A clareza deve ser a qualidade básica de todo texto oficial. Pode-se definir como claro aquele texto que possibilita imediata compreensão pelo leitor. No entanto a clareza não é algo que se atinja por si só: ela depende estritamente das demais características da redação oficial.

    A concisão, a clareza, a objetividade e a formalidade de que nos valemos para elaborar os expedientes oficiais contribuem, ainda, para que seja alcançada a necessária impessoalidade.

  • Requisitos básicos:

    a) Impessoalidade;

    b) Linguagem culta;

    c) Padronização;

    d) Concisão;

    e) Clareza.
  • deve-se comunicar com clareza, impessoalidade, e respeitando a norma culta Certo

  • Certo
    Questão dada!! 


ID
179479
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
AGU
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Com relação à redação de correspondências oficiais, julgue os itens
subsequentes.

Segundo o Manual de Redação da Presidência da República, existe um padrão oficial de linguagem que deve ser usado na redação de correspondências oficiais.

Alternativas
Comentários
  • ERRADO!

    Pode-se concluir que não existe propriamente um “padrão oficial de linguagem”; o que há é o uso do padrão culto nos atos e comunicações oficiais. É claro que haverá preferência pelo uso de determinadas expressões, ou será obedecida certa tradição no emprego das formas sintáticas, mas isso não implica, necessariamente, que se consagre a utilização de uma forma de linguagem burocrática. O jargão burocrático, como todo jargão, deve ser evitado, pois terá sempre sua compreensão limitada.

  • ERRADO.

    Conforme o Manual da Presidência da República, revista e atualizada, 2002.
    fonte: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/manual/index.htm

    "A língua escrita, como a falada, compreende diferentes níveis, de acordo com o uso que dela se faça. Por exemplo, em uma carta a um amigo, podemos nos valer de determinado padrão de linguagem que incorpore expressões extremamente pessoais ou coloquiais; em um parecer jurídico, não se há de estranhar a presença do vocabulário técnico correspondente. Nos dois casos, há um padrão de linguagem que atende ao uso que se faz da língua, a finalidade com que a empregamos.

    O mesmo ocorre com os textos oficiais: por seu caráter impessoal, por sua finalidade de informar com o máximo de clareza e concisão, eles requerem o uso do padrão culto da língua."

  • Errado.

    "A redação oficial deve caracterizar-se pela impessoalidade, uso do padrão culto de linguagem, clareza, concisão, formalidade e uniformidade" (Fonte: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/manual/manual.htm). Em nenhum momento fala-se em padrão OFICIAL de linguagem.

  • Essa foi "pegajosa"....Vlw....
  •  O PADRÃO CULTO DA  LINGUA DEVE SER APLICADO NAS CORRESPONDENCIAS OFICIAS ENTRETANTO EXISTE SIM O PADÃO OFICIAL DA LINGUAGEM QUE É DE USO RESTRITO
    EX: MEDICO PARA MEDICO ( MESMA AREA JARGÕES TECNICOS)
  • Errada, pois a questão citou:
    ...existe um padrão OFICIAL de linguagem...


    O correto seria:
    ...existe um padrão CULTO de linguagem...

    EIS O ERRO EM DESTAQUE. Presta atenção einh! pegadinha!

    Bons estudos a todos!
  • A questão deu a entender que existe um padrão específico pra redação oficial
  • Li rapidamente e me ferrei... não me pega mais!

  • não existe padrão oficial da linguagem, é norma culta ou linguagem culta.

  • Apenas para complementar o que já foi dito, uma outra questão ajuda a responder, vejam:

    Prova: CESPE - 2013 - TCE-RO - Analista de Informática

    Disciplina: Redação Oficial

    Na redação de expedientes oficiais, deve-se obedecer à norma culta da língua, prescindindo-se de uma linguagem específica administrativa, embora se possa utilizar linguagem técnica quando necessário.

    GABARITO: CERTA.


  • Errado. Padrão oficial de FORMATO e não de linguagem.  

  • O enunciado informa que "segundo o Manual de Redação da Presidência da República, existe um padrão oficial de linguagem que deve ser usado na redação de correspondências oficiais".

    O Manual informa que "não existe propriamente um “padrão oficial de linguagem”; o que há é o uso do padrão culto nos atos e comunicações oficiais. É claro que haverá preferência pelo uso de determinadas expressões, ou será obedecida certa tradição no emprego das formas sintáticas, mas isso não implica, necessariamente, que se consagre a utilização de uma forma de linguagem burocrática. O jargão burocrático, como todo jargão, deve ser evitado, pois terá sempre sua compreensão limitada".


    A resposta é errada.

  • O uso do padrão culto não implica o emprego de linguagem rebuscada, tampouco dos contorcionismos sintáticos e figuras de linguagem
    próprios da linguagem literária. Dessa forma, podemos concluir que não existe propriamente um “padrão oficial de linguagem”. Existe, sim, o uso do padrão culto nos atos e nas comunicações oficiais.
    Gabarito: Errado.

  • Complementando...

    Na realidade, não existe um padrão oficial de linguagem. Utiliza-se um "padrão culto" de linguagem.

    (CESPE/SEGER-ES/ANALISTA DO EXECUTIVO/2013) O tipo de linguagem empregado em comunicações oficiais é denominado padrão oficial de linguagem. E

    (CESPE/PC-ES/INSPETOR/2012) Nos documentos oficiais encaminhados por correio eletrônico, eficiente meio de comunicação, por seu baixo custo e celeridade, deve-se empregar o padrão culto da linguagem. C

  • O uso do padrão culto não implica o emprego de linguagem rebuscada, tampouco dos contorcionismos sintáticos e figuras de linguagem
    próprios da linguagem literária. Dessa forma, podemos concluir que não existe propriamente um “padrão oficial de linguagem”. Existe, sim, o uso do padrão culto nos atos e nas comunicações oficiais.


    Errado.

  • Não tem padrão oficial de linguagem!

  • ERRADO

    NÃO EXISTE UM PADRÃO OFICIAL DE LINGUAGEM

    EXISTE O USO DO PADRÃO CULTO 

  • ERRADO 

    Não existe um padrão oficial a ser utilizado, o que ser recomenda é a utilização de um padrão culto da linguagem, além de considerar os demais requisitos básicos da redação oficial - clareza, concisão, impessoalidade, formalidade, padronização.

  • - padrão CULTO da linguagem .

  • Comentário:

     

    O uso do padrão culto não implica o emprego de linguagem
    rebuscada, tampouco dos contorcionismos sintáticos e figuras de linguagem
    próprios da linguagem literária. Dessa forma, podemos concluir que não existe
    propriamente um “padrão oficial de linguagem”. Existe, sim, o uso do padrão culto
    nos atos e nas comunicações oficiais.

    Gabarito: Errado.
     

  • Não existe um padrão oficial de linguagem, existe a norma culta que é utilizada nos atos e comunicações oficiais.

    Nos documentos oficiais encaminhados por correio eletrônico, eficiente meio de comunicação, por seu baixo custo e celeridade, deve-se empregar o padrão culto da linguagem.

    Errado.

  • Não existe "padrão oficial", mas sim uma "norma padrão" nos atos oficiais.

  • formalidade e padronização: As comunicações administrativas devem ser sempre formais, isto é, obedecer a certas regras de forma (BRASIL, 2015a). Isso é válido tanto para as comunicações feitas em meio eletrônico (por exemplo, o e-mail , o documento gerado no SEI!, o documento em html etc.), quanto para os eventuais documentos impressos.

     A formalidade de tratamento vincula-se, também, à necessária uniformidade das comunicações. Ora, se a administração pública federal é una, é natural que as comunicações que expeça sigam o mesmo padrão. O estabelecimento desse padrão, uma das metas deste Manual, exige que se atente para todas as características da redação oficial e que se cuide, ainda, da apresentação dos textos. Pode-se concluir que não existe propriamente um padrão oficial de linguagem, o que há é o uso da norma padrão nos atos e nas comunicações oficiais. É claro que haverá preferência pelo uso de determinadas expressões, ou será obedecida certa tradição no emprego das formas sintáticas, mas isso não implica, necessariamente, que se consagre a utilização de uma forma de linguagem burocrática. O jargão burocrático, como todo jargão, deve ser evitado, pois terá sempre sua compreensão limitada.

    Fonte: manual da redação oficial da presidência da república 3º edição.


ID
183673
Banca
IDECAN
Órgão
TRE-RS
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

A frase que respeita totalmente o padrão culto escrito é:

Alternativas
Comentários
  •  Apesar do uso estranho do EXMO. para Senadores sendo que a questão não fala se o senador em questão é presidente do Senado. Todas as alternativas possuem erros de gramática, algo inaceitável no padrão culto, com excessão da letra A

     

     

    b)(...) com questões que não demandem(...) ---- o certo seria demandam

    c) nada a impediria de lhes denunciar ---- O pronome “lhes” não pode ser utilizado para substituir objetos diretos, somente objetos indiretos. como “denunciar” nesse caso específico é VTD então o pronome correto deveria ser o “o,os” não cabendo o uso de “lhe,lhes"

    nada impediria de denunciá-los

    d) erro de concordância verbal: acredito que pode ter consequências--- : acredito que podem ter consequências

    e) erro de concordância verbal: passou-lhe os documentos que nessecitava --- documentos que necessitavam

    gabarito Letra A

  • Acredito que não seja esse o erro da questão na alternativa "E", pois na verdade o verbo "necessitava" está concordando com o sujeito oculto "ele", sendo "os documentos" objeto direto do verbo necessitar....

    Na verdade fiquei em dúvida entre essa e a alternativa "A" justamente por causa do Exmo.... 

  • Deve-se usar a forma de tratamento Vossa Excelência, para as seguintes autoridades:

    a) do Poder Executivo; Presidente da República; Vice-Presidente da República; Ministros de Estado;Governadores e Vice-Governadores de Estado e do Distrito Federal; Oficiais-Generais das Forças Armadas; Embaixadores; Secretários-Executivos de Ministérios e demais ocupantes de cargos de natureza especial; Secretários de Estado dos Governos Estaduais; Prefeitos Municipais.

    b) do Poder Legislativo: Deputados Federais e Senadores; Ministro do Tribunal de Contas da União; Deputados Estaduais e Distritais; Conselheiros dos Tribunais de Contas Estaduais; Presidentes das Câmaras Legislativas Municipais.

    c) do Poder Judiciário: Ministros dos Tribunais Superiores; Membros de Tribunais;Juízes; Auditores da Justiça Militar.

     

    O VOCATIVO a ser empregado em comunicações dirigidas aos Chefes de Poder é Excelentíssimo Senhor, seguido do cargo respectivo:. Ex Excelentíssimo Senhor Presidente da República, Excelentíssimo Senhor Presidente do Congresso Nacional. As demais autoridades serão tratadas com o vocativo Senhor, seguido do cargo respectivo: Senhor Senador, Senhor Juiz,Senhor Ministro, Senhor Governador.

    Exemplo:

    A Sua Excelência o Senhor
    Senador
    Fulano de Tal
    Senado Federal
    70.165-900 – Brasília. DF

     

    Fonte: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/manual/manual.htm

  • Acho que o erro da letra letra b) não é o modo subjuntivo em "demandem" como disseram.
    E sim os três erros destacados abaixo: 
     
    b) Acredito que Vossa Senhoria, Exmo. Sr. Secretário, não deve se preocupar com questões que não demandem diretamente vossa decisão.
    Corrigida:
    b) 
    Acredito que Vossa Senhoria (ou Vossa excelência; V. Exª)Sr. Secretário, não deve se preocupar com questões que não demandem diretamente sua decisão.
  • A letra "E" foi a grande vilã, tá bem chatinha a compreensão. Perdi quase 5 minutos pra achar a resposta correta, na prova, nunca devemos marcar se estivermos em dúvida, pula e depois volta, volta, volta e volta de novo se preciso for, mas, não marque se estiver em dúvida, porque é certo de vc errar.
    .
    Para ir adiante ao processo já iniciado "documentos são necessários".  ===>>>  Alguns documentos necessitavam de entrega para ir adiante ao processo já iniciado.
  • Comentando e somando os erros não comentados.

    B- Acredito que Vossa Senhoria, Exmo. Sr. Secretário, não deve se preocupar com questões que não demandem diretamente de vossa sua decisão.

    C- Tal foram as exigências deles, que Maria, ela própria, desistiu da compra, não sem antes avisar que, qualquer que fossem as alegações, nada a impediria de  lhes denunciá-los.

    D-  Cada um de todos aqueles grupos que se cuidem, pois as armadilhas que impuseram um ao outro acredito que podem ter consequências.

    E-  Ao se dirigir àquele Senhor, passou-lhe os documentos de que 
    (ele)* necessitava para ir adiante ao processo já iniciado.

    * Não  vejo problemas em fazer a concordância na terceira do plural, mas não há nenhuma certeza de que era essa a intenção . Se ; ficaria assim " de que necessitavam". O erro mesmo está na ausência da preposição exigida pelo verbo.
     
  • na letra A não seria  " pretendo-lhe enviar " para não usar próclise antes no infinitivo na locução verbal.
  • Só podemos afirmar com certeza que a letra "a" está correta com relação à redação oficial (o que não é exigido da questão), se soubéssemos que o senador seria o presidente do congresso (sendo, assim, chefe de poder).

    "O vocativo a ser empregado em comunicações dirigidas aos Chefes de Poder é Excelentíssimo Senhor, seguido

    do cargo respectivo:

    Excelentíssimo Senhor Presidente da República,

    Excelentíssimo Senhor Presidente do Congresso Nacional,

    Excelentíssimo Senhor Presidente do Supremo Tribunal Federal.

    As demais autoridades serão tratadas com o vocativo Senhor, seguido do cargo respectivo:

    Senhor Senador,

    Senhor Juiz,

    Senhor Ministro,

    Senhor Governador,..."
     

  • "pretendo lhe enviar"

    E esse lhe solto entre "podendo" e "enviar", a norma culta aceita??

     
    PRONOME EM RELAÇÃO AO VERBO PRINCIPAL
    - Eu devo lhe pedir um favor. (ERRADO)
    >>>>>>A norma culta condena a próclise ao verbo principal, ou seja, o pronome “solto” no meio da locução verbal.
  • Seguindo a dúvida do colega anterior,

    a letra A está realmente certa? Pode haver próclise diante de verbo no infinitivo?

    Em outras palavras, a passagem  "encaminhou e pretendo lhe enviar" não deveria ser  "encaminhou e pretendo enviar-lhe"?
  • A alternativa (E) está errada quanto à regência verbal, pois o verbo “necessitar”, em “necessitava”, exige preposição, devendo ser “... documentos de que necessitava ...”;

    errada, também, a regência nominal de “adiante”, em que se construiu “ao”, quando deve ser “... ir adiante no processo ...”.

    E, por fim, “Senhor” não deve ser grafado com inicial maiúscula, pois se trata de expressão de tratamento comum, como “dona”, “senhorita”... Corrigida no todo, a frase deverá ser escrita:

    “Ao se dirigir àquele senhor, passou-lhe os documentos de que necessitava para ir adiante no processo já iniciado”.

    Fonte: Professor Menegotto
    http://professormenegotto.blogspot.com/2011/12/terceira-edicao-das-questoes-da-fcc.html

  • Pessoal, uma dica que tem me ajudado a eliminar várias alternativas erradas é que a Redação oficial precisa ser impessoal.

    Quando o texto explana exaltação de emoções, você com certeza pode desconsiderar aquela alternativa, pois não estará correta. Um texto que insulta seu receptor, ou que emite opiniões pessoais (emotivas) do autor não pode ser utilizado para fins oficiais. 

    A partir desta análise, a alternativa certa se torna visível rapidamente, antes mesmo de você precisar analisar  a gramática.


    exemplo:  Q63023 "Acredito que Vossa Senhoria, Exmo. Sr. Secretário, não deve se preocupar com questões que não demandem diretamente vossa decisão." - alternativa completamente emotiva, contém opinião pessoal do autor.
    Um abraço!



    obs: se alguém achar alguma questão que contrarie este entendimento, mande-me uma mensagem!
  • O erro na letra  e é que simplesmente nao se pode usar crase antes de palavra no masculino...

  • Só tem um senador no CN pelo visto... pra ele ser considerado o presidente chefe de poder...

  • O enunciado informa que uma das alternativas apresenta o padrão culto escrito, ou seja, sem gírias, sem problemas de concordância e afins. 

    Ao analisar todas as alternativas, percebemos que a letra B apresentam separação silábica errada ("de mandem", quando deveria ser "demandem") e problemas com regência ("que não demandem diretamente (de) vossa decisão"). Na letra C há uso incorreto de vírgula (antes de "que"); na letra D não há uma linearidade sintática, ou seja, a oração está escrita de maneira confusa. E na letra E há problemas quanto à regência da palavra "necessitava" (necessita "de" algo). 


    A resposta é a letra A.

  • b) não devA se preocupar

    c) TaiS... AS denunciar 

    d) unS aos outroS... podeM

    e) DE que necessitava 


    A crase na E está correta, já que não é referente ao nome masculino e sim ao "aquele"... a + aquele = àquele... o"a" é exigido pelo verbo DIRIGIR (dirigir-se a alguém ou a algum lugar)

  • LETRA A - CORRETA

    Não esqueçam que é uma locução verbal. (pretendo enviar)

    Nas locuções verbais, o verbo principal constituído de infinitivo pode:

    (1) pretendo enviar-lhe

    (2) pretendo-lhe enviar

    (3) pretendo lhe enviar

     

    Fonte: A gramática para concursos.

  • O padrão culto pode até está correto, no entanto, o vocativo utilizado não condiz com o Manual de Redação da Presidência da República, pois só existem três casos em que podem ser utilizados o vocativo Excelentíssimo Senhor + Cargo, são eles:

    Presidente da República;

    Presidente do Congresso Nacional; e

    Presidente do Supremo Tribunal Federal, ou seja, os chefes dos três poderes.

  • Rodolfo Custódio penso  como você. É a segunda questão cobrando erradamente o vocativo que resolvo desta banca ! Se o que dizem é verídico, de que esta banca é a mesma CONSULPLAN, que está aplicando provas de vários tribunais, fico preocupada!!!Mas nada que um recurso não resolva, ou não...:/

  • a utilização correta do vocativo também contribui para o padrão culto do texto. A alternativa A tbém está errada

ID
190783
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
DPU
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

As opções que se seguem apresentam propostas de trechos de parecer. Assinale a opção cujo texto corresponde ao que preceituam as normas de redação oficial.

Alternativas
Comentários
  • Resposta: e)

    O parecer é o ato por meio do qual órgãos especializados manifestam-se sobre assuntos submetidos à sua consideração. Deve indicar solução aos problemas levantados, ponto a ponto, e oferecer à autoridade os fundamentos de que necessita para a tomada de decisão. Pode ser:
    a) normativo - se a aprovação do parecer tornar a aplicação de suas conclusões obrigatória para casos idênticos que vierem a surgir;

    b) vinculante - quando a decisão da autoridade que solicitou o parecer está presa às conclusões do documento;

    c) facultativo - quando a autoridade que solicitou o parecer não está obrigada a acolher as conclusões do documento.

    Em qualquer de suas modalidades, contudo, o parecer deve ser baseado em dispositivos legais, jurisprudência, informações técnicas...
     

  • * a) Nossos estudos técnicos demonstram que a crônica do jogo no Brasil é repleta de exemplos que desaconselham a legalização, como a violência das gangues que controlam ele, lavagem de dinheiro e cooptação de autoridades para fazerem vista grossa diante das ilegalidades.

    * b) Acreditamos que o poder do dinheiro, sujo e nojento do jogo, não tem limites. Por sua vez, as instituições, seus órgãos e funcionários não são impermeáveis à corrupção que contamina o sistema administrativo. Isso é uma pena.

    * c) Observa-se que desde os anos 90, quando os caça-níqueis e os bingos invadiram as cidades, não faltam episódios para mostrar a vulnerabilidade dos agentes do poder público ao canto da sereia que ecoa dos cofres emporcalhados da jogatina.

    * d) É incontável o número de policiais canalhas, trapaceiros e vagabundos (inclusive de altos escalões) em todo o país, ligados à contravenção à bandidagem.

    * e) Os envolvidos no jogo não hesitam em apelar para a violência e a eliminação física. Além disso, o secretário nacional antidrogas da Presidência da República identifica nos equipamentos eletrônicos de jogos de azar uma forma de legalização do dinheiro do narcotráfico internacional.

  • Acredito que o gabarito esteja errado, pois segundo o Manual de Redação Oficial da Presidência da República, página 11:

     

    O vocativo a ser empregado em comunicações dirigidas aos Chefes de Poder é Excelentíssimo Senhor, seguido

    do cargo respectivo:
    Excelentíssimo Senhor Presidente da República,
    Excelentíssimo Senhor Presidente do Congresso Nacional,
    Excelentíssimo Senhor Presidente do Supremo Tribunal Federal.
    As demais autoridades serão tratadas com o vocativo Senhor, seguido do cargo respectivo:
    Senhor Senador,
    Senhor Juiz,
    Senhor Ministro,
    Senhor Governador,
  • A letra "B, C e D " está errada por causa do tratamento conotativo e desrespeitoso, além disso nao respeita o princípio da impessoalidade : "ao canto da sereia que ecoa dos cofres emporcalhados da jogatina".  "policiais canalhas, trapaceiros e vagabundos".; "dinheiro sujo e nojento do jogo não tem limites".

    na letra a deveria haver próclise para atender ao princípio da clareza: violência das gangues que controlam ele.

    resposta letra E.

     

  • o resultado não aparece

  • Eu assinalei a alternativa E e também concordo com os demais erros postados pelos colegas, porém ao analisar a alternativa E, dá para se analisar um erro no começo da frase:

    Os envolvidos no jogo não hesitam em apelar para a violência e a eliminação física..., no último artigo a, acredito estar faltando a crase, pois estamos tratando de ...para a violência e (para a) eliminação física, pois quem apela, apela para alguma coisa, ou seja verbo transitivo indireto.

    Temos, então, um erro de regência que também confronta com as normas da redação oficial.

  • Roberto, como você mesmo falou, a preposição usada para o segundo termo também é "para". Ela foi omitida mas isso não significa que devo colocar crase. Seria utilizada crase se a preposição usada fosse "a". E acredito que o verbo apelar não pede preposição "a". Espero ter ajudado.
  • Resolvi a questão pelo ponto de vista de erros de portugues e impessoalismo. Em quase todas as letras existem "frases" ou "expressões" que tiram o caracter impessoal do texto.

    A letra E, está de acordo com o padrão oficial, ou seja, demonstra total neutralidade.
  • Na letra E o nome do cargo não deveria iniciar com letra maiuscula como a palavra Presidência da República nao? ficando :o Secretário Nacional antidrogas da Presidência da República.... estranho eu achei...
  • Quem hesita, exita em alguma coisa.

  • O Celso esta correto! Essa questão deveria ser anulada... Deveria ser, "Excelentíssima Senhora Presidenta da Republica".

  • Maioria das alternativas apresenta orações com forte linguagem pessoal. As alternativas (B), (C) e (D) apresentam opinião no texto, o que destoa a linguagem empregada no documento oficial. Em (A) há problemas na falta do pronome oblíquo em substituição ao pronome "ele". O correto seria "...como a violência das gangues que o controla".



    A resposta correta é a letra (E).

  • Daniel Teixeira: essa questão nem cita a presidente.

  • NA LETRA "D" HÁ UM ERRO GRAVE DE PORTUGUÊS: A AUSÊNCIA DE VÍRGULAS PARA SEPARAR O ADJUNTO ADVERBIAL DESLOCADO, QUE, NESTE CASO, POR SER DE GRANDE MONTA (3 OU MAIS PALAVRAS), É OBRIGATÓRIO.

     

    NA QUESTÃO: "Os envolvidos no jogo não hesitam em apelar para a violência e a eliminação física. Além disso, o secretário nacional antidrogas da Presidência da República identifica nos equipamentos eletrônicos de jogos de azar uma forma de legalização do dinheiro do narcotráfico internacional".

     

    CORRIGIDO: " Os envolvidos no jogo não hesitam em apelar para a violência e a eliminação física. Além disso, o secretário nacional antidrogas da Presidência da República identifica, nos equipamentos eletrônicos de jogos de azar, uma forma de legalização do dinheiro do narcotráfico internacional. "

  • GABARITO: E

     

    A banca cobrou nossa atenção quanto à preservação da norma culta, o padrão formal e a impessoalidade.


    Na alternativa (A), perceba que o verbo transitivo direto “controlam” não admite o objeto direto representado pelo pronome “ele”. O objeto direto deve ser representado pelo pronome oblíquo átono “o”. Como o verbo termina em “m”, esse pronome recebe a consoante “n”: controlam-no. Além disso, a expressão “vista grossa” é própria da linguagem coloquial, por isso transmite subjetividade e informalidade, sendo contrário aos princípios da correspondência oficial.


    Nas alternativas (B), (C) e (D), as expressões “dinheiro sujo e nojento” e “Isso é uma pena”; “canto da sereia” e “emporcalhados”; “canalhas,
    trapaceiros e vagabundos” e “bandidagem” são próprias da coloquialidade,  informalidade e subjetividade. Por isso, não são admitidos em textos de correspondência oficial.


    Perceba que a alternativa (E) possui um texto claro, formal e correto gramaticalmente. Por tudo isso, pode fazer parte de um texto de correspondência oficial.

     

     

    Prof. Décio Terror - Estratégia Concursos

  • Adjunto adverbial extenso pede vírgula. letra E deveria esrar incorreta.


ID
190849
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
DPU
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Para explicar ao ministro da Justiça, detalhadamente e por escrito, a necessidade urgente de reestruturação dos canais de comunicação entre a DPU e o Ministério da Justiça, um DP federal deve encaminhar, àquele ministro, um(a)

Alternativas
Comentários
  • ALTERNATIVA CORRETA LETRA C

    O ofício é utilizado para comunicações externas

  • Análise de cada assertiva:

    A)Errado. Aviso: Ato emanado dos Ministros de Estado e enviado a autoridades de mesma hierarquia.

    B)Errado.Correio Eletrônico: Para antecipação  de documentos que tem caráter de urgência, porém só vale se tiver certificação digital.

    C)Certa.OFÌCIO:Documento de correspondência oficial que trata de assuntos administrativos gerais.É sempre um documento externo, dirigido a outos órgãos públicos e a particulares.

    D)Errada.Mensagem:Comunicação entre chefes de poderes da República, ou seja, Presidente da Rep., Presidente do STF e Pres. da CN.

    E)Errada.Exposição de motivos:Ato emanado de Ministro de Estado para o Presidente da República.

     

  • Uma outra questão pode ajudar a responder, vejam:

    Prova: CESPE - 2013 - ANP - Todos os Cargos - Conhecimentos Básicos

    Disciplina: Redação Oficial | Assuntos: Ofício; 

    O ofício é correspondência destinada a tratar de assuntos oficiais pelos órgãos ou entidades da administração pública entre si ou com cidadãos em geral. 

    GABARITO: CERTA.

  • Trecho retirado do MRPR sobre a exposição de motivos:

    4. Exposição de Motivos

    4.1. Definição e Finalidade

      Exposição de motivos é o expediente dirigido ao Presidente da República ou ao Vice-Presidente para:

      a) informá-lo de determinado assunto;

      b) propor alguma medida; ou

      c) submeter a sua consideração projeto de ato normativo.

  • Muitos candidatos podem achar que o documento correto é o aviso, porém ele é usado apenas entre ministros.
    No caso da questão, é a DPU quem envia um documento para o Ministério da Justiça. Neste caso, o documento oficial correto é o ofício.



    A resposta correta é a letra (C).



  • Aviso e ofício são modalidades de comunicação oficial praticamente idênticas. A única diferença entre eles é que o aviso é expedido exclusivamente por Ministros de Estado, para autoridades de mesma hierarquia, ao passo que o ofício é expedido para e pelas demais autoridades. Ambos têm como finalidade o tratamento de assuntos oficiais pelos órgãos da Administração Pública entre si e, no caso do ofício, também com particulares.

    GABARITO C

  • Resuminho:

    entre órgãos internos (memorando)

    órgão interno -----> ministério (ofício)

    ministério ----- > ministério (aviso)

    ministério ----> Presidente (exposição motivos)

    Presidente-----> Judiciário ou Legislativo (mensagem)

    Tentem visualizar esse caminho:

    órgão interno--> órgão interno--> ministério--> ministério--> Presidente--> Legislativo/Jud

  • ALTERNATIVA CORRETA LETRA C

    O ofício é utilizado para comunicações externas


ID
190852
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
DPU
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

A modalidade de redação oficial que se caracteriza pela maior celeridade do que as demais e possibilita o detalhamento de informações, sem descurar do valor documental e da capacidade de armazenagem a longo prazo, é o(a)

Alternativas
Comentários
  • Interessante salientar que se a questão trouxesse apenas CORREIO ELETRÔNIO, ela estaria incorreta, pois para possuir VALOR DOCUMENTAL, o correio eletr. deve passar por processso de CERTIFICAÇÃO DIGITAL.

  •        ¨ O correio eletrônico ("e-mail"), por seu baixo custo e celeridade, transformou-se na principal forma de comunicação para transmissão de documentos.
    Nos termos da legislação em vigor, para que a mensagem de correio eletrônico tenha valor documental, i. é, para que possa ser aceito como documento original, é necessário existir certificação digital que ateste a identidade do remetente, na forma estabelecida em lei.¨

    fonte: Manual de redação da Presidência
  • A palavra Celeridade que é sinônimo de Velocidade , ja ajuda bastante na identificação da questão
    •  b) correio eletrônico com certificação digital.

  • A questão questiona qual é "a modalidade de redação oficial que se caracteriza pela maior celeridade do que as demais e possibilita o detalhamento de informações, sem descurar do valor documental e da capacidade de armazenagem a longo prazo".

    A questão pede que seja marcada a alternativa referente ao documento que usa maior velocidade entre todos os documentos. 
    É visível que o documento mais rápido, até pelo meio usado, é o e-mail, ou mais conhecido no Manual de Redação Oficial como "correio eletrônico".



    A resposta correta é a letra (B).
  • Gabarito: B

     

    Descurar é sinônimo de: desprezar, abandonar, descuidar, desleixar,negligenciar

     

    https://www.dicio.com.br/descurar/

  • Gabarito B.

    Correio eletrônico com certificação digital.


  • A questão questiona qual é "a modalidade de redação oficial que se caracteriza pela maior celeridade do que as demais e possibilita o detalhamento de informações, sem descurar do valor documental e da capacidade de armazenagem a longo prazo".

    A questão pede que seja marcada a alternativa referente ao documento que usa maior velocidade entre todos os documentos. 

    É visível que o documento mais rápido, até pelo meio usado, é o e-mail, ou mais conhecido no Manual de Redação Oficial como "correio eletrônico".

    A resposta correta é a letra (B).


ID
197914
Banca
CESPE / CEBRASPE
Órgão
DETRAN-DF
Ano
2009
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

Julgue os itens de 40 a 44 quanto ao emprego da norma escrita
formal em comunicações oficiais.

Na elaboração de texto oficial, como norma geral, deve ser evitada a repetição de palavras, buscando-se sinônimo ou termo mais preciso para substituir a palavra repetida. No entanto, se a substituição comprometer a inteligibilidade e a coesão do texto, recomenda-se manter a repetição.

Alternativas
Comentários
  • ITEM CERTO

    Evitar repetição consagra o princípio da concisão

  • Ao se evitar a repeticao, previlegia-se a fluidez e elegância textual.
    Bons estudos a todos.
  • Peço desculpas aos colegas, mas o "X" da questão está na seguinte frase: "No entanto, se a substituição comprometer a inteligibilidade e a coesão do texto, recomenda-se manter a repetição". Ou seja, é auto explicativo:  é melhor ter um texto com repetição do que ter um texto incompreensível.
  • Resposta: Certa.


    Considere à inteligibilidade e a coesão do textual premissa maior, ao conflitar com termos repetitivos. Desta forma, faz necessário mante-los para preservar aquelas.

ID
208693
Banca
FUNIVERSA
Órgão
MPE-GO
Ano
2010
Provas
Disciplina
Redação Oficial
Assuntos

A respeito das regras gerais de redação de correspondências oficiais, assinale a alternativa correta.

Alternativas
Comentários
  • Resposta: d)

    Manual de Redação Oficial da Presidência da República

    1.2. A Linguagem dos Atos e Comunicações Oficiais

    As comunicações que partem dos órgãos públicos federais devem ser compreendidas por todo e qualquer cidadão brasileiro. Para atingir esse objetivo, há que evitar o uso de uma linguagem restrita a determinados grupos. Não há dúvida que um texto marcado por expressões de circulação restrita, como a gíria, os regionalismos vocabulares ou o jargão técnico, tem sua compreensão dificultada.
     

  • Somente para complementar o comentário da colega, segue abaixo o erro das demais alternativas


    Alternativa A - Além de atender à disposição constitucional, a forma dos atos normativos obedece a certa tradição. Há normas para sua elaboração que remontam ao período de nossa história imperial, como, por exemplo, a obrigatoriedade de que se aponha, ao final desses atos, o número de anos transcorridos desde a Independência. Essa prática foi mantida no período republicano.


    Alternativa B - Percebe-se, assim, que o tratamento impessoal que deve ser dado aos assuntos que constam das comunicações oficiais decorre da ausência de impressões individuais de quem comunica

    Nunca serão bem-vindas impressões individuais nas comunicações oficiais


    Alternativa C - Lembre-se que o padrão culto nada tem contra a simplicidade de expressão, desde que não seja confundida com pobreza de expressão


    Alternativa E - Pode-se concluir, então, que não existe propriamente um “padrão oficial de linguagem”; o que há é o uso do padrão culto nos atos e comunicações oficiais. É claro que haverá preferência pelo uso de determinadas expressões, ou será obedecida certa tradição no emprego das formas sintáticas, mas isso não implica, necessariamente, que se consagre a utilização de uma forma de linguagem burocrática

  • Não entendi o erro da opção A, pois apesar de não estar no texto do manual, ATË HOJE se mantém esta pratica (pelo menos em todas as leis assinadas pelo presidente).
  • Lucas,

    O errado da alternativa A está no final. 
    "Essa prática é mantida desde o início do período republicano até hoje".
    Na realidade, a prática de inserir os anos transcorridos desde a Independência precede o período republicano, tem sua origem no Império.
    • d) As comunicações que partem dos órgãos públicos federais devem ser compreendidas por todo e qualquer cidadão brasileiro.
    • clareza deve ser a qualidade básica de todo texto oficial. Claro é aquele texto que possibilita imediata compreensão pelo leitor. A clareza não é algo que se atinja por si só: ela depende estritamente das demais características da redação oficial. Para ela concorrem:
      a) a impessoalidade, que evita a duplicidade de interpretações que poderia decorrer de um tratamento personalista dado ao texto;
      b) o uso do padrão culto de linguagem, em princípio, de entendimento geral e por definição avesso a vocábulos de circulação restrita, como a gíria e o jargão;
      c) a formalidade e a padronização, que possibilitam a imprescindível uniformidade dos textos;
      d) a concisão, que faz desaparecer do texto os excessos lingüísticos que nada lhe acrescentam.
      É pela correta observação dessas características que se redige com clareza. Contribuirá, ainda, a indispensável releitura de todo texto redigido. A ocorrência, em textos oficiais, de trechos obscuros e de erros gramaticais provém principalmente da falta da releitura que torna possível sua correção.
      A revisão atenta exige, necessariamente, tempo. A pressa com que são elaboradas certas comunicações quase sempre compromete sua clareza. Não se deve proceder à redação de um texto que não seja seguida por sua revisão. “Não há assuntos urgentes, há assuntos atrasados”, diz a máxima. Evite-se, pois, o atraso, com sua indesejável repercussão no redigir.
       
    • Alternativa B: O tratamento que deve ser dado aos assuntos que constam das comunicações oficiais decorre de vários fatores, entre os quais se destacam determinadas impressões individuais de quem comunica, que só serão bem-vindas no texto se forem utilizadas sob a forma de alerta para o destinatário da mensagem, ou seja: o público, o conjunto dos cidadãos ou outro órgão público, do Executivo ou dos outros Poderes da União. (ERRADA).

      Uma das características da Redação Oficial é a impessoalidade. Essa característica decorre "da ausência de impressões individuais de quem comunica. É sempre em nome do Serviço Público que é feita a comunicação. (...) se o universo temático das comunicações oficiais se restringe a questões que dizem respeito ao interesse público, é natural que não cabe qualquer tom particular. (...) a impessoalidade aplica-se, em primeiro lugar, a quem escreve o texto, ao Signatário. Aquele que assina não é o remetente, não é o dono da correspondência - o emissor na redação oficial é sempre o Serviço Público. O redator não pode, portanto, deixar que sua visão, seus interesses ou sua vontade se reflitam no texto".


      Alternativa C: O padrão culto não combina com a simplicidade de expressão, para não ser confundido com pobreza de expressão. (ERRADA)

      O atributo do Uso do padrão culto de linguagem "é traduzido nos dois mandamentos a seguir: obediência à gramática formal e utilização de vocabulário simples".


      Alternativa D: As comunicações que partem dos órgãos públicos federais devem ser compreendidas por todo e qualquer cidadão brasileiro. (CORRETA).

      Utilização do vocabulário simples:

      "As palavras e expressões utilizadas devem ser entendidas por todos os usuários da língua. Para isso há duas categorias de orientação:"

      1: não utilizar (inclusão proibida): gíria, jargão técnico, regionalismo, linguagem rebuscada, construções próprias da literatura;

      2. evitar (inclusão somente quando indispensável): termo técnico, neologismo e estrangeirismo.


      Alternativa E: Existe propriamente um padrão oficial de linguagem; uma vez que haverá preferência pelo uso de determinadas expressões ou obediência a certa tradição no emprego das formas sintáticas, razão por que se consagrou a utilização de linguagem burocrática, conhecida como o jargão burocrático. (ERRADA).

      Conforme o atributo do padrão culto da linguagem, deve-se utilizar vocabulário simples. Jargões burocráticos vão de encontro com essa característica.


      Fonte: APOSTILA VESTCON


    • A) Além de atender à disposição constitucional, a forma dos atos normativos obedece a certa tradição. Há normas para sua elaboração que remontam ao período de nossa história imperial, como, por exemplo, a obrigatoriedade – estabelecida por decreto imperial de 10 de dezembro de 1822 – de que se aponha, ao final desses atos, o número de anos transcorridos desde a Independência. Essa prática foi mantida no período republicano.


    ID
    212299
    Banca
    CESPE / CEBRASPE
    Órgão
    ANEEL
    Ano
    2010
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    Considerando a redação de correspondências oficiais, julgue os
    próximos itens.

    A impessoalidade que deve caracterizar a redação oficial é percebida, entre outros aspectos, no tratamento que é dado ao destinatário, o qual deve ser sempre concebido como homogêneo e impessoal, seja ele um cidadão ou um órgão público.

    Alternativas
    Comentários
    • Assertiva correta.

       

      1.1. A Impessoalidade

      A finalidade da língua é comunicar, quer pela fala, quer pela escrita. Para que haja comunicação, são necessários: a) alguém que comunique, b) algo a ser comunicado, e c) alguém que receba essa comunicação. No caso da redação oficial, quem comunica é sempre o Serviço Público (este ou aquele Ministério, Secretaria, Departamento, Divisão, Serviço, Seção); o que se comunica é sempre algum assunto relativo às atribuições do órgão que comunica; o destinatário dessa comunicação ou é o público, o conjunto dos cidadãos, ou outro órgão público, do Executivo ou dos outros Poderes da União.

      Percebe-se, assim, que o tratamento impessoal que deve ser dado aos assuntos que constam das comunicações oficiais decorre:

      a) da ausência de impressões individuais de quem comunica: embora se trate, por exemplo, de um expediente assinado por Chefe de determinada Seção, é sempre em nome do Serviço Público que é feita a comunicação. Obtém-se, assim, uma desejável padronização, que permite que comunicações elaboradas em diferentes setores da Administração guardem entre si certa uniformidade;

      b) da impessoalidade de quem recebe a comunicação, com duas possibilidades: ela pode ser dirigida a um cidadão, sempre concebido como público, ou a outro órgão público. Nos dois casos, temos um destinatário concebido de forma homogênea e impessoal;

      c) do caráter impessoal do próprio assunto tratado: se o universo temático das comunicações oficiais se restringe a questões que dizem respeito ao interesse público, é natural que não cabe qualquer tom particular ou pessoal.

    • o que se comunica é sempre algum assunto relativo às atribuições do órgão que comunica; o destinatário dessa comunicação ou é o público, o conjunto dos cidadãos, ou outro órgão público, do Executivo ou dos outros Poderes da União.

      Percebe-se, assim, que o tratamento impessoal que deve ser dado aos assuntos que constam das comunicações oficiais decorre:

      a) da ausência de impressões individuais de quem comunica: embora se trate, por exemplo, de um expediente assinado por Chefe de determinada Seção, é sempre em nome do Serviço Público que é feita a comunicação. Obtém-se, assim, uma desejável padronização, que permite que comunicações elaboradas em diferentes setores da Administração guardem entre si certa uniformidade;

      b) da impessoalidade de quem recebe a comunicação, com duas possibilidades: ela pode ser dirigida a um cidadão, sempre concebido como público, ou a outro órgão público. Nos dois casos, temos um destinatário concebido de forma homogênea e impessoal;

      c) do caráter impessoal do próprio assunto tratado: se o universo temático das comunicações oficiais se restringe a questões que dizem respeito ao interesse público, é natural que não cabe qualquer tom particular ou pessoal.

      Desta forma, não há lugar na redação oficial para impressões pessoais, como as que, por exemplo, constam de uma carta a um amigo, ou de um artigo assinado de jornal, ou mesmo de um texto literário. A redação oficial deve ser isenta da interferência da individualidade que a elabora.

       

    • Bom, segundo o Manual da Presidência, segue:

      [...]"APara que haja comunicação, são necessários: a) alguém que comunique, b) algo a ser comunicado, e c) alguém que receba essa comunicação. No caso da redação oficial, quem comunica é sempre o Serviço Público (este ou aquele Ministério, Secretaria, Departamento, Divisão, Serviço, Seção); o que se comunica é sempre algum assunto relativo às atribuições do órgão que comunica; o destinatário dessa comunicação ou é o público, o conjunto dos cidadãos, ou outro órgão público, do Executivo ou dos outros Poderes da União."[...]

    • Capítulo I - Aspectos Gerais da Redação Oficial

      1. O que é redação oficial

      (...)

      Nesse quadro, fica claro também que as comunicações oficiais são necessariamente uniformes, pois há sempre um único comunicador (o Serviço Público) e o receptor dessas comunicações ou é o próprio Serviço Público (no caso de expedientes dirigidos por um órgão a outro) – ou o conjunto dos cidadãos ou instituições tratados de forma homogênea (o público).

      Homogeneidade citada, conjugada com o princípio da impessoalidade.

    • Do manual de redação da presidência da república:

      ... Nesse quadro, fica claro também que as comunicações oficiais são necessariamente uniformes, pois há sempre

      um único comunicador (o Serviço Público) e o receptor dessas comunicações ou é o próprio Serviço Público (no caso

      de expedientes dirigidos por um órgão a outro) – ou o conjunto dos cidadãos ou instituições tratados de forma

      homogênea (o público).

    • DECORRE DO PRINCÍPIO DA IGUALDADE.


      GABARITO CERTO
    • Gabarito: CERTO

       

      Veja que essa afirmação está implícita nas informações do item1.1 do manual.

       

      Assim, entendemos que realmente a impessoalidade deve caracterizar a redação oficial, o tratamento dado ao destinatário não deve conter impressões individuais e deve ser sempre concebido como homogêneo e impessoal, seja ele um cidadão ou um servidor público, pois o destino das correspondências oficiais é o cidadão ou outro serviço público.

    • Comentário:

       

      Conforme vimos, o Manual de Redação da Presidência da
      República não admite o emprego de impressões pessoais, como, por exemplo,
      aquelas utilizadas em uma carta destinada a um amigo, ou em um artigo de jornal,
      ou mesmo em um texto literário. O tratamento impessoal que deve ser dado aos
      assuntos nas comunicações oficiais surge, dentre outros fatores, da
      impessoalidade de quem recebe a comunicação. Esta, por sua vez, pode ser
      dirigida a um cidadão, sempre concebido como público, ou a outro órgão público.

      Independentemente dessas possibilidades, sempre haverá um destinatário
      concebido de forma homogênea e impessoal.
       

      CERTO


    ID
    212302
    Banca
    CESPE / CEBRASPE
    Órgão
    ANEEL
    Ano
    2010
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    Considerando a redação de correspondências oficiais, julgue os
    próximos itens.

    Na comunicação oficial, o emprego da língua em sua modalidade formal decorre da necessidade de se informar algo o mais claramente possível, de maneira concisa e não pessoal, sendo imprescindível, seja qual for o destinatário, o emprego dos termos técnicos próprios da área de que se trata.

    Alternativas
    Comentários
    • Uso do padrão culto de linguagem

      Deve seguir dois mandamentos:

      1) Obediência à gramática formal...

      2) Utilização de vocábulos simples:

      *não utilizar gíria, jargão técnico, regionalismo, linguagem rebuscada.

      *evitar(inclusão somente quando indispensável) de TERMO TÉCNICO, neologismo e estrangeirismo.

    • As comunicações que partem dos órgãos públicos federais devem ser compreendidas por todo e qualquer cidadão brasileiro. Para atingir esse objetivo, há que evitar o uso de uma linguagem restrita a determinados grupos (Ex: termos técnicos).

      Explicite, desenvolva, esclareça, precise os termos técnicos, o significado das siglas e abreviações e os conceitos específicos que não possam ser dispensados.

       

       

    • Gui Camargo,

      Com todo o respeito e desculpe-me pela franqueza.

      Esse negócio de você ficar apenas confirmando o gabarito e não redigir um comentário produtivo, é bastante desagradável, e contra-producente para nós que levamos o site e os estudos a sério. Principalmente, quando você confirma um gabarito de maneira equivocada, como o fez nessa questão sem ao menos fazer uma pesquisa.

      Se não tiver nada para acrescentar, POR FAVOR, silencie.

       

      Sem mais e bons estudos.

    • O erro da questão é porque ela diz que é imprescindívil, seja qual for o destinatário, o emprego de termos técnicos.

      Segundo o manual de redação oficial a linguagem técnica deve ser empregada apenas em situações que a exijam, sendo de evitar o seu uso indiscriminado. Certos rebuscamentos acadêmicos, e mesmo o vocabulário próprio a determinada área, são de difícil entendimento por quem não esteja com eles familiarizado. Deve-se ter o cuidado, portanto, de explicitá-los em comunicações a outros órgãos da administração e em expedientes dirigidos aos cidadãos.

    • Para se redigir um ato oficial deve-se utilizar uma linguagem adequada (padrão culto ou padrão geral). Não existe linguagem formal para redigir um texto oficial.
      Segundo o manual:
      "[...] Os textos oficiais: por seu caráter impessoal, por sua finalidade de informar com o máximo de clareza e concisão, eles requerem o uso do padrão culto da língua. Há consenso de que o padrão culto é aquele em que a) se observam as regras da gramática formal, e b) se emprega um vocabulário comum ao conjunto dos usuários do idioma. É importante ressaltar que a obrigatoriedade do uso do padrão culto na redação oficial decorre do fato de que ele está acima das diferenças lexicais, morfológicas ou sintáticas regionais, dos modismos vocabulares, das idiossincrasias lingüísticas, permitindo, por essa razão, que se atinja a pretendida compreensão por todos os cidadãos.[...]"
    • SE POSSÍVEL, ABRA MÃO, SIM, DE TERMOS TÉCNICOS E DE JARGÕES BUROCRÁTICOS, OU SEJA, ELES DEVEM SER EVITADOS/PRESCINDIDOS!... 



      GABARITO ERRADO
    • Na comunicação oficial, o emprego da língua em sua modalidade formal decorre da necessidade de se informar algo o mais claramente possível, de maneira concisa e não pessoal, sendo imprescindível, seja qual for o destinatário, o emprego dos termos técnicos próprios da área de que se trata.


    ID
    213271
    Banca
    FUNIVERSA
    Órgão
    MPE-GO
    Ano
    2010
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    Assinale a alternativa que está de acordo com os padrões de redação de correspondências oficiais.

    Alternativas
    Comentários
    •  A) ERRADA: o correto é "informo-LHE", pois a informação é feita à coordenadora e não à Vossa Senhoria. Ainda que a informação fosse feita à Vossa Senhoria o correto seria informo-lhe, haja vista que, quanto a forma de tratamento, a concordância é feita na terceira pessoa.

      B) ERRADA: o correto é "expor SUA sugestão", pois quanto à forma de tratamento a concordância é feita na terceira pessoa.

      C) CORRETA: a forma de tratamento designada ao Presidente da República é Vossa Excelência, cujo vocativo consiste em Excelentíssimo Senhor Presidente.

      D) ERRADA: o correto é "SUA Santidade", pois a informação é feita a todos de que o Papa se encontra na sala de audiências... assim o é, pois utiliza-se o pronome SUA quando fizer referência a pessoa em questão, ou seja, quando falar dela a outra pessoa.

      E) ERRADA: a forma de tratamento utilizada para Reitor é Vossa Magnificência, cujo  vocativo consiste em Magnífico Reitor.

    • Em relação à letra "D"> O pronome de tratamento Vossa Santidade está errado, pois no texto da alternativa estão falando DELE , por isso deveria ser SUA SANTIDADE, se estivessem falando com dele aí sim a alternativa estaria correta.


    • Na alternativa a, o vocativo adequado é Senhora Coordenadora, e não Prezada Coordenadora.

    • E quanto a ilustres jornalistas?!  Já estamos ficando loucos. os jornalistas podem ou não serem Ilustres?!...

    • A) Erros de formalidade , clareza e concisão

      B) Errado. ''vossa sugestão'' a concordância deve ser feita na 3ª Pessoa do singular

      C) Correto

      D) Errado. Fere a impessoalidade ''ilustres''

      E) Errado. O tratamento correto é Magnifíco reitor


    ID
    245065
    Banca
    CESPE / CEBRASPE
    Órgão
    TRT - 21ª Região (RN)
    Ano
    2010
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    Julgue os itens a seguir, que se referem às normas de redação
    oficial e da língua escrita padrão.

    Se a administração de um tribunal resolvesse editar portaria que atendesse a determinação constante no Título V do seu Regimento Interno, que trata da Galeria dos Presidentes, o texto abaixo estaria adequado, pois atende às normas de redação oficial e está gramaticalmente correto.
    RESOLVE
    DESIGNAR, João de Sousa Dias para compor COMISSÃO que efetuará estudos de fotografias e após, apresentará Projeto de AFIXAÇÃO de fotos presidenciais para integrar o espaço da Galeria dos Presidentes.

    Alternativas
    Comentários
    • ERRADO

      " DESIGNAR, João de Sousa dias (...)"

      Designar = VTD

      João de Sousa Dias = OD

      Não se separa o VERBO do seu COMPLEMENTO. Esta regra é absoluta.

    • ERRADO

      além do que o colega abaixo cita João de Souza dia é um aposto e deverá vir entre vírgulas.
      Desculpe a grosseria, realmente não é aposto, mas o verbo pode ser também VTDI, --> nomear para cargo ou emprego. " O presidente designou-o para um posto elevado.



      O verbo designar é transitivo dire(c)to quando significa «indicar» («já designámos a hora e o local de encontro») ou «simbolizar» («a pomba branca designa a paz»). Quando significa «dar um nome», este verbo rege a preposição por («designou-o pelo nome»; «estes animais designam-se por mamíferos»). Quando significa «qualificar», rege a conjunção como «designaram-no como traidor». Quando significa «escolher alguém para desempenhar uma função», o verbo designar pode aparecer sem preposição («designaram-no presidente da associação»), seguido da preposição para («designaram-no para presidente da associação»), ou da conjunção como («designaram-no como presidente da associação»).

       

    • Não há aposto aí, amigo. O primeiro comentário está correto.
    • Estrutura da Portaria
      - TÍTULO: PORTARIA, numeração e data
      - EMENTA: síntese do assunto.
      - PREÂMBULO E FUNDAMENTAÇÃO: denominação da autoridade que expede o ato e citação da legislação pertinente, seguida a palavra "resolve".
      - TEXTO: desenvolvimento do assunto, que pode ser dividido em artigos, parágrafos, incisos, alíneas e itens.
      - ASSINATURA: nome da autoridade competente.
    • Exemplo de Portaria:
      “Portaria no5 , de 7 de fevereiro de 2002.
      Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ.
                      O CHEFE DA CASA CIVIL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 9o do Decreto no 4.073, de 3 de janeiro de 2002,
                      R E S O L V E :
                      Art. 1o  Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ.
                      Art. 2o  Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
      PEDRO PARENTE”
    • PORTARIA (sigla do órgão, numeração e data, em letras maiúsculas, e em negrito)
       
       
      (CARGO DA AUTORIDADE QUE EXPEDE O DOCUMENTO), no uso de suas atribuições legais, de acordo com a determinação constante no Título V do Regimento Interno,

      RESOLVE :

      Art. 1º  DESIGNAR João de Sousa Dias para compor COMISSÃO que efetuará estudos de fotografias e apresentará Projeto de AFIXAÇÃO de fotos presidenciais para integrar o espaço da Galeria dos Presidentes.
    • Galera, as palavras COMISSÃO e AFIXAÇÃO em maiúsculo também não estariam erradas?

      No Manual de Redação da Presidência:

      i) não deve haver abuso no uso de negrito, itálico, sublinhado, letras maiúsculas, sombreado, sombra, relevo, bordas ou qualquer outra forma de formatação que afete a elegância e a sobriedade do documento;
    • coloquei errado porque vi a falta de pronome de tratamento, VOSSA SENHORIA joão...
    • E a vírgula do e pois, : está certa???
    • Errado . 1º) Não se separa a locução verbal '' Resolve designar '' do seu complemento verbal , no caso o OD '' João de Sousa Dias ''

      2º) É incorreto a separação por virgula de verbo e seu sujeito como ocorre antes de '' apresentará'' sendo que o sujeito é '' Comissão '' - '' A comissão efetuará ... e apresentará ''

    • Acertei porque há palavras escritas com letras maiúsculas, sendo o manual expresso no sentido de que: o uso indiscriminado de palavras grafadas em maiúsculo, denota agressividade por parte do emissor.


    ID
    261763
    Banca
    FGV
    Órgão
    TRE-PA
    Ano
    2011
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    As questões 14 e 15 referem-se ao Manual de
    Redação da Presidência da República.

    Com base no Manual de Redação da Presidência da República, analise as afirmativas a seguir:

    I. Em comunicações oficiais, está abolido o uso do tratamento digníssimo (DD), às autoridades. A dignidade é pressuposto para que se ocupe qualquer cargo público, sendo desnecessária sua repetida evocação.

    II. Fica dispensado o emprego do superlativo Ilustríssimo para as autoridades que recebem o tratamento de Vossa Senhoria e para particulares. É suficiente o uso do pronome de tratamento Senhor.

    III. Doutor não é forma de tratamento, e sim título acadêmico. Deve-se evitar usá-lo indiscriminadamente. Como regra geral, deve ser empregado apenas em comunicações dirigidas a pessoas que tenham tal grau por terem concluído curso universitário de doutorado.

    Assinale

    Alternativas
    Comentários
    • Segundo o MANUAL DE REDAÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, todas as afirmações estão corretas. 
    • Alternativa CORRETA letra D

      Apenas acrescentando, segundo o Manual de Redação Oficial da Presidência da República é costume designar por doutor os bacharéis, especialmente os bacharéis em Direito e em Medicina. Nos demais casos, o tratamento Senhor confere a desejada formalidade às comunicações.
    • No meu entender o item II fica incorreto no momento em que diz; "Fica dispensado", na verdade não foi dispensado e sim Abolido do mesmo modo do intem I. 
    • Senhor nao é vocativo???
    • Tenho o mesmo entendimento do colega acima.
      A questão fala de pronome de tratamento como senhor, isso não existe.

      Os pronomes de tratamento são vossa excelência e vossa senhoria, senhor é vocativo.

      Isso é uma sacanagem, as bancas vivem fazendo pegadinhas nas provas para acabar com um monte de gente, aí quando um erro deles acontece eles não aceitão recurso.
    • O item II é uma transcrição do trecho do Manual: "Como se depreende do exemplo acima, fica dispensado o emprego do superlativo ilustríssimo para as autoridades que recebem o tratamento de Vossa Senhoria e para particulares. É suficiente o uso do pronome de tratamento Senhor."... Não tem como entrar com recurso se o próprio manual está afirmando que Senhor é um pronome de tratamento... Quem está incoerente é o Manual.
    • III. Doutor não é forma de tratamento, e sim título acadêmico. Deve-se evitar usá-lo indiscriminadamente. Como regra geral, deve ser empregado apenas em comunicações dirigidas a pessoas que tenham tal grau por terem concluído curso universitário de doutorado.

      Errei essa questão por entender que Doutor não é forma de tratamento apenas para quem fez doutorado, mas para médicos também.
    • A primeira vez em que li a assertiva de que o Manual de Redação da Presidência dizia que "Doutor é quem tem Doutorado", achei muito estranho. De fato, é o que está escrito lá. Muito bom esse reconhecimento oficial, apesar de o Manual fazer a liberação popular para os bacharéis de Direito e de Medicina.
    • Seguindo rigorosamente a letra do Manual de Redação Oficial, de acordo com o artigo 2.1.3, fica errada a alternativa III, pois:

      "Acrescente-se que doutor não é forma de tratamento, e sim título acadêmico. Evite usá-lo indiscriminadamente. Como regra geral, empregue-o apenas em comunicações dirigidas a pessoas que tenham tal grau por terem concluído curso universitário de doutorado. É costume designar por doutor os bacharéis, especialmente os bacharéis em Direito e em Medicina. Nos demais casos, o tratamento Senhor confere a desejada formalidade às comunicações."

      Não sei se alguém concorda...
    • A alternativa III está errada e caberia recurso nesta questão. Isto porque o manual de redação possui uma brecha para a utilização desse título em bacharéis em direito, economia, administração e engenharia. Ainda, a lei orgânica de magistratura concedeu também aos juízes o título de Doutor. Portanto, um juíz também pode ser chamado de Senhor, Meritíssimo ou Doutor.
    • Pessoal, a assertiva III está correta, uma vez que o enuciado traz a expressão "Como regra geral" antes de dizer que deve ser utilizado apenas para pessoas que possuem o título acadêmico de doutor. Sempre que houver a expressão "regra geral" está  implícito no próprio enunciado que existem exceções a essa regra geral. É por isso que, na minha concepção, não caberia recurso contra essa questão.
    • No meu ponto de vista o item II erra quando limita a dispensa de "Ilustrissimo" somente para as autoridades que recebem o tratamento de Vossa Senhoria e para particulares.Fica parecendo que o cabe usar "ilustríssimo" as demais autoridades...
      Alguém poderia me ajudar quanto a isso?
      Obrigada.

    • Na página 13 do Manual, encontram-se:

        Em  comunicações  oficiais,  está  abolido  o  uso  do  tratamento  digníssimo  (DD),  às  autoridades  arroladas  na  lista anterior.  A  dignidade  é  pressuposto  para  que  se  ocupe  qualquer  cargo  público,  sendo  desnecessária  sua  repetida evocação.

      Como se depreende do exemplo acima, fica dispensado o emprego do superlativo ilustríssimo  para  as  autoridades que recebem o tratamento de Vossa Senhoria e para particulares. É suficiente o uso do pronome de tratamento Senhor.

      Acrescente­se  que  doutor  não  é  forma  de  tratamento,  e  sim  título  acadêmico.  Evite  usá­lo  indiscriminadamente.

      Como  regra  geral,  empregue­o  apenas  em  comunicações  dirigidas  a  pessoas  que  tenham  tal  grau  por  terem  concluído

      curso universitário de doutorado. É costume designar por doutor os bacharéis, especialmente os bacharéis em Direito e em

      Medicina. Nos demais casos, o tratamento Senhor confere a desejada formalidade às comunicações.





    • As afirmativas presentes no enunciado em questão podem ser confirmadas na página 10 do Manual de Redação da Presidência da República. 

      "Em comunicações oficiais, está abolido o uso do tratamento digníssimo (DD), às autoridades arroladas na lista anterior. A dignidade é pressuposto para que se ocupe qualquer cargo público, sendo desnecessária sua repetida evocação."

      "...fica dispensado o emprego do superlativo ilustríssimo para asautoridades que recebem o tratamento de Vossa Senhoria e para particulares. É suficiente o uso do pronome detratamento Senhor."

      "Acrescente-se que doutor não é forma de tratamento, e sim título acadêmico. Evite usá-loindiscriminadamente. Como regra geral, empregue-o apenas em comunicações dirigidas a pessoas que tenham tal graupor terem concluído curso universitário de doutorado. É costume designar por doutor os bacharéis, especialmente osbacharéis em Direito e em Medicina. Nos demais casos, o tratamento Senhor confere a desejada formalidade àscomunicações."


      A resposta correta é a letra D. 



    • questão boa pra confundir um

    • Letra D.

       Todas alternativas estão corretas.

    • A questão é que no item II não há as palavras "apenas" ou "somente", que poderiam transformar a frase numa sentença incorreta. Há apenas uma regra incompleta. Em provas de concurso uma frase incompleta não é o mesmo que incorreta, ela apenas abordou uma regra de forma parcial.

      II. Fica dispensado o emprego do superlativo Ilustríssimo para as autoridades que recebem o tratamento de Vossa Senhoria e para particulares. É suficiente o uso do pronome de tratamento Senhor.

       

    • A questão ainda se encontra atualizada, apesar da última reforma do Manual de Redação da Presidência - fls. 27/189

    • Manual de 2002: Acrescente-se que doutor não é forma de tratamento, e sim título acadêmico. Evite usá-lo indiscriminadamente. Como regra geral, empregue-o apenas em comunicações dirigidas a pessoas que tenham tal grau por terem concluído curso universitário de doutorado. É costume designar por doutor os bacharéis, especialmente os bacharéis em Direito e em Medicina. Nos demais casos, o tratamento Senhor confere a desejada formalidade às comunicações.

      Manual de 2018: Evite-se o uso de “doutor” indiscriminadamente. O tratamento por meio de Senhor confere a formalidade desejada.

      Hoje, de acordo com o novo manual, não é possível afirmar que doutor é quem tem doutorado.


    ID
    262060
    Banca
    FGV
    Órgão
    TRE-PA
    Ano
    2011
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    De acordo com o que rege o Manual de Redação da Presidência da República, em um envelope dirigido ao fictício juiz eleitoral Caio Mévio, o tratamento deve ser

    Alternativas
    Comentários
    • Conforme o Manual de Redação Oficial, no envelope, o endereçamento das comunicações dirigidas às autoridades tratadas por Vossa Excelência, terá a seguinte forma:   A Sua Excelência o Senhor Fulano de Tal Juiz de Direito da 10a Vara Cível Rua ABC, no 123 01010-000 – São Paulo. SP
    • Qual a diferença do "sua" para o "vossa"? Não entendio uso na questão.
      Obrigada!
    • Milena, quando eu me dirijo direta e PESSOALMENTE à autoridade, o tratamento é  "Vossa". Ex: "Vossa Excelêcia prefere que eu fique para a reunião?"  

      Quando eu me refiro àquela autoridade LONGE dela, ou envio CORRESPONDÊNCIA o tratamento é 'Sua".  Ex: "Sua Excelência, o governador, viajou ontem para o Acre."

      Observação importante: Quando estiver na presença da autoridade, além de usar o tratamento "Vossa", ainda é preciso lembrar que o verbo vai concordar com a terceira pessoal do singular ou do plural.

      Ex: Esperamos que Vossa Excelência SE DIGNE responder nosso ofício. ( e não: VOS DIGNEIS)
            Vossas Excelências DEVEM assinar este requerimento. (e não: DEVEIS)
    •  

      Vossa – emprega-se quando nos dirigimos à pessoa.
      EX. Acabo de receber o diploma que Vossa Santidade.
             Vossa Senhoria nomeará o seu substituto?
      Caso a pessoa à qual nos dirigimos seja do sexo masculino, o adjetivo deve guardar concordância: Vossa Senhoria está ocupado? (dirigindo-se a um homem) Idem ao sexo feminino: Vossa Senhoria está atarefada? (dirigindo-se a uma mulher)

       

      Sua – emprega-se quando nos referimos à pessoa – Vi Sua Santidade o Papa Paulo VI quando estive em Roma.

      (Gramática Metódica – Napoleão Mendes)

      •  b) A Sua Excelência o Senhor 
        Caio Mévio

    • A questão pede que seja marcada a alternativa referente ao tratamento correto dado ao fictício juiz eleitoral Caio Mévio.

      Sabemos que juiz tem como pronome de tratamento "Vossa Excelência". De acordo com o Manual de Redação Oficial, o tratamento correto para pessoas que recebem este pronome é "A Sua Excelência o Senhor Fulano de Tal", de acordo com a página 10.

      A resposta correta é a letra (B).
    • A questão pede que seja marcada a alternativa referente ao tratamento correto dado ao fictício juiz eleitoral Caio Mévio.

      Sabemos que juiz tem como pronome de tratamento "Vossa Excelência". De acordo com o Manual de Redação Oficial, o tratamento correto para pessoas que recebem este pronome é "A Sua Excelência o Senhor Fulano de Tal", de acordo com a página 10.



      A resposta correta é a letra (B).








    • Alternativa Correta: B 

      Segundo o Manual de Redação da Presidência da República:

      "No envelope, o endereçamento das comunicações dirigidas às autoridades tratadas por Vossa Excelência, terá a seguinte forma:

       

      A Sua Excelência o Senhor
      Fulano de Tal
      Ministro de Estado da Justiça
      70.064-900 – Brasília. DF

       

      A Sua Excelência o Senhor
      Senador Fulano de Tal
      Senado Federal
      70.165-900 – Brasília. DF

       

      A Sua Excelência o Senhor
      Fulano de Tal
      Juiz de Direito da 10a Vara Cível
      Rua ABC, no 123
      01.010-000 – São Paulo. SP"

    • Essa professora veronica é muito fraca, nao explica direito.

       

    • pessoal postando que teria que ter o cargo do juiz, mas na questão não dá o cargo. O gabarito pareceu viajado.

    ID
    262063
    Banca
    FGV
    Órgão
    TRE-PA
    Ano
    2011
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    Com base no Manual de Redação da Presidência da República, assinale a afirmativa INCORRETA.

    Alternativas
    Comentários
    • Todas as respostar encontram-se no primeiro Item do Manual de Redação Oficial, mais especificamente no seu primeiro subitem( a linguagem dos atos e comunicações oficiais), com exceção da alternativa "D" que está no quarto subitem(concisão e clareza).

      Diz o Manual que:

      Não existe  propriamente um “padrão oficial de linguagem”; o que há é o uso do
      padrão culto nos atos e comunicações oficiais.

      Retificado após observação de Raquel Carvalho.
    • Você quis dizer alternativa " D" né ?! rsrsrsrs

    • Cópia literal dos itens do Manual de Redação:
       a) Tópico "1.2. A Linguagem dos Atos e Comunicações Oficiais"
           De nenhuma forma o uso do padrão culto implica emprego de linguagem rebuscada, nem dos contorcionismos sintáticos e figuras de linguagem próprios da língua literária. b) Tópico "1.2. A Linguagem dos Atos e Comunicações Oficiais"      A linguagem técnica deve ser empregada apenas em situações que a exijam, sendo de evitar o seu uso indiscriminado. c) Tópico "1.4. Concisão e Clareza"      Na revisão de um expediente, deve-se avaliar, ainda, se ele será de fácil compreensão por seu destinatário. d) Tópico "1.2. A Linguagem dos Atos e Comunicações Oficiais"      Pode-se concluir, então, que não existe propriamente um "padrão oficial de linguagem"; o que há é o uso do padrão culto nos atos e comunicações oficiais. e) Tópico "1.2. A Linguagem dos Atos e Comunicações Oficiais"      A necessidade de empregar determinado nível de linguagem nos atos e expedientes oficiais decorre, de um lado, do próprio caráter público desses atos e comunicações; de outro, de sua finalidade.
       Resposta: D
    • Gabarito D

      adequadamente... independentemente.

    • MDRO 2002)_

      Pode-se concluir, então, que não existe propriamente um “padrão oficial de linguagem”; o que há é o uso do padrão culto nos atos e comunicações oficiais. É claro que haverá preferência pelo uso de determinadas expressões, ou será obedecida certa tradição no emprego das formas sintáticas, mas isso não implica, necessariamente, que se consagre a utilização de uma forma de linguagem burocrática. O jargão burocrático, como todo jargão, deve ser evitado, pois terá sempre sua compreensão limitada.

    • Inexiste tal padrão!!

    • Não existe pdrão oficial de linguagem, sim padrão culto.

       

      =)

    • Não existe padrão oficial de linguagem, e sim padrão culto.

    • Tópico "1.2. A Linguagem dos Atos e Comunicações Oficiais"    Pode-se concluir, então, que não existe propriamente um "padrão oficial de linguagem"; o que há é o uso do padrão culto nos atos e comunicações oficiais.

      MAS...

       e) Tópico "1.2. A Linguagem dos Atos e Comunicações Oficiais"    A necessidade de empregar determinado nível de linguagem nos atos e expedientes oficiais decorre, de um lado, do próprio caráter público desses atos e comunicações; de outro, de sua finalidade.


    ID
    262426
    Banca
    FCC
    Órgão
    TRE-RN
    Ano
    2011
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    Considerando-se as qualidades exigidas na redação de documentos oficiais, está INCORRETA a afirmativa:

    Alternativas
    Comentários
    • Resposta: D

      As comunicações que partem dos órgãos públicos federais devem ser compreendidas por todo e qualquer
      cidadão brasileiro.
      Para atingir esse objetivo, há que evitar o uso de uma linguagem restrita a determinados grupos.
      Não 
      há dúvida que um texto marcado por expressões de circulação restrita, como a gíria, os regionalismos vocabulares ou o jargão técnico, tem sua compreensão dificultada.
    • Gabarito: D
      A oração subordinada adverbial concessiva "ainda que respeitando a norma culta" faz entender que normalmente não há necessidade de respeitar o padrão culto, o que não está em conformidade com a linguagem da correspondência oficial. Além disso, deve-se evitar o regionalismo e linguagem rebuscada, pois deve ser transmitida de maneira mais clara e objetiva possível.
    • A "C" está errada também, pois não é "precisão", e sim "concisão".


    ID
    262657
    Banca
    FCC
    Órgão
    TRE-RN
    Ano
    2011
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    Considerando-se as qualidades exigidas na redação de documentos oficiais, está INCORRETA a afirmativa:

    Alternativas
    Comentários
    • Deve ter sido erro na digitação dos itens.
    • Galera, não sei quanto a vocês, mais o que me fez chegar a alternativa D, foi o simples fato da palavra Diretor está em itálico, o que me fez pensar que os relatórios seriam entregues a ele e não ao secretário, então estaria correta. Mas nunca vi nada a respeito. Alguem?
    • Acho que o pessoal do QC se equivocou na hora de adicionar essa questão no site. A questão correta é:

      Considerando-se as qualidades exigidas na redação de documentos oficiais, está INCORRETA a afirmativa:
      (A) A concisão procura evitar excessos linguísticos que nada acrescentam ao objetivo imediato do documento a ser redigido, dispensando detalhes irrelevantes e evitando elementos de subjetividade, inapropriados ao texto oficial.
      (B) A impessoalidade, associada ao princípio da finalidade, exige que a redação de um documento seja feita em nome do serviço público e tenha por objetivo o interesse geral dos cidadãos, não sendo permitido seu uso no interesse próprio ou de terceiros.
      (C) Clareza e precisão são importantes na comunicação oficial e devem ser empregados termos de conhecimento geral, evitando-se, principalmente, a possibilidade de interpretações equivocadas, como na afirmativa: O Diretor informou ao seu secretário que os relatórios deveriam ser encaminhados a ele.
      (D) A linguagem empregada na correspondência oficial, ainda que respeitando a norma culta, deve apresentar termos de acordo com a região e com requinte adequado à importância da função desempenhada pela autoridade a quem se dirige o documento.
      (E) Textos oficiais devem ser redigidos de acordo com a formalidade, ou seja, há certos procedimentos, normas e padrões que devem ser respeitados com base na observância de princípios ditados pela civilidade, como cortesia e polidez, expressos na forma específica de tratamento.

      Realmente a alternativa D está errada, pois na Redação Oficial é inadmissível a linguagem coloquial (regionalismos).
    • A alternativa b) também está incorreta, pois se eu requeiro uma certidão, que é um documento oficial, ela pode ser para meu uso próprio ou para uso de terceiros, caso eu a tenha requerido na qualidade de procurador de alguém. Uma certidão, também, não é documento oficial que tem por objetivo o interesse geral dos cidadãos, mas sim o de quem a requereu.Portanto, alguns documentos oficiais podem ser utilizados para interesse próprio de quem os requereu ou para interesse de terceiros, pois, em regra, documentos oficiais são públicos. Questão passível de anulação. 
    •  colega, a questão fala da REDAÇÃO do documento e não de sua utilização.
    • Questão já corrigida pela QC

      Gabarito D

      Pois não pode haver regionalismo na Redação Oficial.


    • Gabarito: D
      A oração subordinada adverbial concessiva "ainda que respeitando a norma culta" faz entender que normalmente não há necessidade de respeitar o padrão culto, o que não está em conformidade com a linguagem da correspondência oficial. Além disso, deve-se evitar o regionalismo e linguagem rebuscada, pois deve ser transmitida de maneira mais clara e objetiva possível.
    • A questão errada pedida é o item D, já que este fala que deve ser respeitado a norma culta, porém, erra ao dizer que deve apresentar termos de acordo com a região (regionalismos). 


    ID
    262819
    Banca
    FCC
    Órgão
    TRE-RN
    Ano
    2011
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    A redação de documentos oficiais deve pautar-se por impessoalidade, clareza, concisão e pelo uso correto da norma culta. Todas essas qualidades são respeitadas no seguinte trecho:

    Alternativas
    Comentários
    • Alternativa correta: A

      A única que respeita todas as qualidades, quais sejam: impessoalidade, clareza, concisão e uso correto da norma culta.
    • Acho que os erros são os seguintes:

      b) a forma "deverá estar sendo convidado" é a chamada febre do gerundismo que deve ser evitada nas correspondências oficiais;

      c) por que (separado) deve ser para "pelo qual motivo, por qual razão", nesta letra "c" deveria ser escrito porque (junto), indicando uma explicação;

      d) Membros da comissão técnica ... , apurou apuraram que o presidente... O primeiro erro na sentença foi separar o sujeito do verbo por vírgula, erro de pontuação; o segundo erro é que o sujeito (Membros) está escrito no plural, logo o verbo tem que concordar com o sujeito ficando no plural.

      e) O critério ... à vítimas ... estão sendo preparados... Há um erro de crase, pois antes de palavras femininas no plural que necessitam da preposição "a" deve-se colocar o artigo definido "as", ficando "às"; às vítimas: ok, à vítimas: errado. O outro erro é que o sujeito está no singular "O critério" e o verbo está no plural "estão"; o certo seria "O critério ... está sendo sendo preparado".
    • Quanto ao item "c": uma das características da redação oficial é a impessoalidade.
      Lembre-se, evitar expressões como: "sinto-me", "na minha opinião" etc....
    • Alguém poderia comentar o uso da crase em:

      "responsável pelo atendimento a vítimas de desastres naturais"
    • Olha ai Emmanuel!!!!

      Nunca ocorre Crase.

      Quando a preposição estiver no singular seguida de um substantivo no plural.


      Ex:

      Nao vamos a festas do Clube

      Assistimos a manifestações públicas em São Paulo.
    • Quanto ao uso do gerúndio, segundo o professor Diego Amorim:

      Ele nem sempre esta errado. Quando é usado para mostrar que certa ação leva tempo para ser concluida tal uso estará correto.
      EX: Passe lá em casa que estarei pintando a parede. (não se pinta uma parede de um minuto para outro, pelo menos algumas horas)
             Passe lá em casa que estarei lhe entregando a chave.(nesse caso o uso está errado pois para entregar a chave não se gasta nem um minuto)

      Espero ter ajudado!
    • OBSERVAÇÕES:

      a) Correta. OBS.: embora seja o gabarito da questão, vários manuais de redação aconselham a não repetição de termos em um mesmo parágrafo, como ocorreu com o termo "atendimento".


      b) O Instituto Benefício para Todos deverá estar sendo  convidado (fenômeno conhecido por "gerundismo". Deve-se evitar o uso exagerado do gerúndio, uma vez que este denota ção contínua no tempo. Neste caso, o fato de ser convidado indica uma única ação que não se prolonga no tempo, portanto, tem-se um caso de gerundismo) para fazer parte de uma campanha destinada a angariar donativos, que se espera que seja  seja suficiente para atender a todos os desabrigados da enchente; conforme estipulado pela Coordenadoria, que foi considerada de relevante interesse social.


      c) Como Deputado da Bancada Estadual
      , sinto- me (deve-se prezar pela impessoalidade) avexado (deve-se evitar o uso de regionalismos, uma vez que, seu uso pode comprometer a clareza do texto, já que se tratam de termos típicos de uma determinada região e, muitas vezes, o seu sentido não é compartilhado entre outras partes do país, tornando-se consequentemente incompreensível) por que (o correto seria o uso do "porque" junto e não separado) não estou podendo atender com mais prontidão e (em) benefícios (benefício) as (às) vítimas dessa implacável seca, que teve (Quem? Ambíguo) motivos alheios à minha vontade para não conseguir isso.


      d)  Membros da Comissão Técnica destinada a averiguar a distribuição de favores em troca de votos, apurou que o Presidente do Conselho de Agricultores do Estado afirmou ao seu Vice de que ele (Ele, quem? O Conselho de agricultores do Estado ou o seu vice?) poderia estar sendo investigado por desvio de verbas.


      e) 
      O critério metodológico de escolha dos participantes das equipes de atendimento à (não se usa crase quando esta vier no singular e anteceder complemento no plural, o certo seria apenas o "a", sem a crase) vítimas de desastres naturais estão sendo preparados, tendo em vista que é importante observar a correspondência entre tais desastres e o atingimento de pessoas nessa situação.
    • Marquei a letra E, mas analisando os comentários, vi que está errado o uso da crase. então deve ficar : às vítimas ou a vítimas

    • A questão pede que seja marcada a alternativa correta em relação ao texto escrito dentro das características de um documento oficial.

      Ao analisarmos cada alternativa, vemos que a letra (B) está incorreta pela locução verbal "deverá estar sendo". O correto é "será convidado".

      A letra (C) está incorreta pelo uso do termo coloquial "avexado". Um documento oficial exige norma culta.

      A letra (D) está incorreta porque não há indicação clara sobre o termo de referência "ele".

      A letra (E) está incorreta porque a crase está incorreta. Ela é a fusão do artigo "a" com a preposição "a", e o artigo teria que estar flexionado. Seria, então, "às". Mas percebemos que temos, apenas, a preposição, então não há crase.

      A resposta correta é a letra (A).


    • Não se pode usar a crase no singular (à) antes de plural, ou seja, ou coloca atendimento às vítimas ou coloca a vítimas. 

      Para comprovar a existência da Crase basta substituir vítimas por público atendimento AO público -_quando se coloca uma palavra masculina e aparece 'ao" é porque existe a crase, no entanto, nesta questão existe uma proibição do uso da crase devido a palavra que vêm depois estar no plural.
    • A questão pede que seja marcada a alternativa correta em relação ao texto escrito dentro das características de um documento oficial.



      Ao analisarmos cada alternativa, vemos que a letra (B) está incorreta pela locução verbal "deverá estar sendo". O correto é "será convidado".



      A letra (C) está incorreta pelo uso do termo coloquial "avexado". Um documento oficial exige norma culta.



      A letra (D) está incorreta porque não há indicação clara sobre o termo de referência "ele".



      A letra (E) está incorreta porque a crase está incorreta. Ela é a fusão do artigo "a" com a preposição "a", e o artigo teria que estar flexionado. Seria, então, "às". Mas percebemos que temos, apenas, a preposição, então não há crase.



      A resposta correta é a letra (A).

       

      Fonte: QC

    • A letra "A" estaria incorreta, porque não se usa vírgula antes de uma oração subordinada adverbial posposta, que no caso é uma adverbial final reduzida de particípio. 

       

    • Na letra A não deveria ser "...atendimentos aS vítimas..."?

    • Na alternativa ''e'', além do erro da crase em ''à vítimas de desastres naturais...'' (já explicitado pelos colegas),

      constatei tambem o uso de dois substantivos com o mesmo significado: ''critério'' e ''metodológico''. De acordo

      com MRPR trata-se de um erro de concisão: ''Conciso é o texto que consegue transmitir um máximo de informações com um mínimo de palavras''.

       

      Assim, o texto poderia iniciar sem prejuízo para o sentido de duas maneira:

       

      O CRITÉRIO de escolha dos participantes das equipes de atendimento....

      OU

      A METODOLOGIA de escolha dos participantes das equipes de atendimento...

       

      Mas não os dois substantivos juntos: O critério metodológico de escolha dos participantes das equipes....

       

      OBS: Críticas são bem vindas!!!


    ID
    263275
    Banca
    COPEVE-UFAL
    Órgão
    UFAL
    Ano
    2011
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    As comunicações oficiais devem obedecer a certas regras de forma, unindo à impessoalidade e ao padrão culto de linguagem um tratamento marcado pela formalidade, a qual consiste não apenas no emprego de pronomes de tratamento adequados, mas também na polidez, civilidade e uniformidade dos textos. Por conseguinte:

    I. Doutor não é forma de tratamento, e sim título acadêmico e pode ser usado indiscriminadamente.

    II. Os pronomes de tratamento representam à forma de tratar as pessoas com quem se fala ou a quem se dirige a comunicação. É a maneira formal para se dirigir com reverência a determinadas pessoas.

    III. Nas comunicações oficiais deve-se observar a utilização adequada dos pronomes de tratamento, considerando-se não somente a área de atuação da autoridade (civil, militar etc.), mas também a posição hierárquica do cargo que ocupa.

    IV. Vocativo é a saudação de cortesia que se dirige ao destinatário antes de entrar no assunto propriamente dito do expediente.

    V. O emprego do superlativo Ilustríssimo para autoridades que recebem o tratamento de Vossa Senhoria e para particulares é indispensável.

    A resposta correta é a opção

    Alternativas
    Comentários
    •  Doutor não é forma de tratamento, e sim título acadêmico e NÃO pode ser usado indiscriminadamente. SOMENTE: BACHARÉIS EM DIREITO, MÉDICOS E PESSOAS COM DOUTORADO.


      O emprego do superlativo Ilustríssimo para autoridades que recebem o tratamento de Vossa Senhoria e para particulares é indispensável. RESPOSTA ERRADA!  O TERMO ILUSTRÍSSIMO É DISPENSÁVEL EM QUALQUER OCASIÃO NO MANUAL DE REDAÇÃO OFICIAL
    • Letra A.

      I. ERRADA. Doutor não é forma de tratamento, e sim título acadêmico e pode ser usado indiscriminadamente.

      V. ERRADA. O emprego do superlativo Ilustríssimo para autoridades que recebem o tratamento de Vossa Senhoria e para particulares é indispensável.

    • FERNANDO RODRIGUES está errado. DOUTORADO não é forma de tratamento, e sim de título acadêmico NÃO pode ser usado indiscriminadamente SÓ PODE ser usado para quem tem o título de DOUTOR, independente de qual seja a área de formação ENTÃO, PARE de chamar bacharel em direito, medicina de DOUTOR, estes são apenas bachareis e só será DOUTOR se fizer DOUTORADO.


    ID
    264205
    Banca
    CESPE / CEBRASPE
    Órgão
    TJ-ES
    Ano
    2011
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    A língua escrita, como a falada, compreende diferentes
    níveis, de acordo com o uso que dela se faça. Por exemplo, em uma
    carta a um amigo, podemos nos valer de determinado padrão de
    linguagem que incorpore expressões extremamente pessoais ou
    coloquiais; em um parecer jurídico, não se há de estranhar a
    presença do vocabulário técnico correspondente. Nos dois casos, há
    um padrão de linguagem que atende ao uso que fazemos da língua,
    a finalidade com que a empregamos.

    Manual de Redação da Presidência da República. 2.º ed.,
    2002, p. 5. Internet: (com adaptações).

    Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens
    subsecutivos, referentes à linguagem empregada na correspondência
    oficial.

    Os assuntos que constam da redação oficial devem ser tratados de forma impessoal, com exceção das propostas de projetos normativos apresentadas nas exposições de motivos.

    Alternativas
    Comentários
    • Gabarito: E

      TODAS as comunicações oficiais (incluindo a Exposição de Motivos e seu respectivo conteúdo) devem atender aos requisitos da Redação Oficial, quais sejam:
      a.      Impessoalidade;
      b.      Linguagem (dos Atos e Comunicações): padrão culto;
      c.      Formalidade e Padronização;
      d.      Concisão: poucas palavras para expressar uma idéia;
      e.      Clareza.



      Bons estudos!!
    • Não se pode generalizar o princípio da impessoalidade aplicada na Redação Oficial, visto que, há casos que exigem a opinião de modo técnico (parecer e relatório).
    • eu discordo do colega,

      se é TÉCNICO, é impessoal.

      nem todas as técnicas levam ao mesmo resultado, mas cada um deles, os diferentes resultados técnicos, podem ser PROVADOS segundo os critérios utilizados, ou seja, não existe subjetividade.
    • O Princípio da Impessoalidade sempre leva consigo a Finalidade, que nunca será outra se não, o interesse público.
      ''Percebe-se, assim, que o tratamento impessoal que deve ser dado aos assuntos que constam das comunicações
      oficiais decorre:
      a) da ausência de impressões individuais de quem comunica: embora se trate, por exemplo, de um expediente
      assinado por Chefe de determinada Seção, é sempre em nome do Serviço Público que é feita a comunicação.
      Obtém-se, assim, uma desejável padronização, que permite que comunicações elaboradas em diferentes setores
      da Administração guardem entre si certa uniformidade;''
      ''Desta forma, não há lugar na redação oficial para impressões pessoais, como as que, por exemplo, constam de
      uma carta a um amigo, ou de um artigo assinado de jornal, ou mesmo de um texto literário. A redação oficial deve ser
      isenta da interferência da individualidade que a elabora.'' Fonte: Manual da Presidência da República
    • Amigos EXISTE SIM uma forma de correspondência oficial que dispensa a IMPESSOALIDADE, O REQUERIMENTO, este sim É IMPESSOAL, pois trata-se de assunto particular, sendo ele a única forma de CORRESPONDÊNCIA OFICIAL DE CARÁTER PESSOAL.
    • No caso da redação oficial, quem comunica é sempre o Serviço Público (este ou aquele Ministério, Secretaria, Departamento, Divisão, Serviço, Seção); o que se comunica é sempre algum assunto relativo às atribuições do órgão que comunica; o destinatário dessa comunicação ou é o público, o conjunto dos cidadãos, ou outro órgão público, do Executivo ou dos outros Poderes da União.
    • Todos os temas tratados pela administração pública devem ser impessoal, isso por que quem comunica não é o servidor público, mas o Poder Público. Além do mais um dos princípios explícitos no texto Constitucional é a IMPESSOALIDADE.

      Portanto...

      Errado.
    • Há duas afirmações na proposição:

      "Os assuntos que constam da redação oficial devem ser tratados de forma impessoal..." CERTO! A impessoalidade é uma das características da Redação Oficial (outras características são: padrão culto de linguagem, clareza, concisão, formalidade e uniformidade).
      "...com exceção das propostas de projetos normativos apresentadas nas exposições de motivos." ERRADO! Segundo o próprio Manual da Presidência da República, ocorre justamente o contrário: ao elaborar uma exposição de motivos, a atenção aos requisitos básicos da redação oficial deve ser redobrada.
    • ERRADO

      Ao elaborar uma exposição de motivostenha presente que a atenção aos requisitos básicos da redação oficial (clareza, concisão, impessoalidade, formalidade, padronização e uso do padrão culto de linguagem) deve ser redobrada. A exposição de motivos é a principal modalidade de comunicação dirigida ao Presidente da República pelos Ministros. Além disso, pode, em certos casos, ser encaminhada cópia ao Congresso Nacional ou ao Poder Judiciário ou, ainda, ser publicada no Diário Oficial da União, no todo ou em parte.
    • Sobre a EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS 

      o Manual de Redação da Presidência dispõe o seguinte:


      "4.1. Definição e Finalidade
      Exposição de motivos é o expediente dirigido ao Presidente da República ou ao Vice-Presidente para:
      a) informá-lo de determinado assunto;
      b) propor alguma medida; ou
      c) submeter a sua consideração projeto de ato normativo.
      Em regra, a exposição de motivos é dirigida ao Presidente da República por um Ministro de Estado.
      Nos casos em que o assunto tratado envolva mais de um Ministério, a exposição de motivos deverá ser
      assinada por todos os Ministros envolvidos, sendo, por essa razão, chamada de interministerial."


      bons estudos!!!
    • O enunciado informa que "os assuntos que constam da redação oficial devem ser tratados de forma impessoal, com exceção das propostas de projetos normativos apresentadas nas exposições de motivos".

      Na verdade, os propostas de projetos normativos também devem obedecer critérios definidos pelo Manual de Redação Oficial, a começar pela própria impessoalidade. Ainda sim, este tipo de documento envolve também padrão ofício e alguns apontamentos (p. 21).

      A resposta está errada. 
    • Errado.

      Não há exceção ao princípio da impessoalidade.

      Questão comentada pelo Profª. Tereza Cavalcanti.

    • BASTA LEMBRAR QUE OS PRINCÍPIOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (LIMPE) SÃO APLICADOS ATÉ MESMO EM REDAÇÕES OFICIAIS.


    ID
    264208
    Banca
    CESPE / CEBRASPE
    Órgão
    TJ-ES
    Ano
    2011
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    A língua escrita, como a falada, compreende diferentes
    níveis, de acordo com o uso que dela se faça. Por exemplo, em uma
    carta a um amigo, podemos nos valer de determinado padrão de
    linguagem que incorpore expressões extremamente pessoais ou
    coloquiais; em um parecer jurídico, não se há de estranhar a
    presença do vocabulário técnico correspondente. Nos dois casos, há
    um padrão de linguagem que atende ao uso que fazemos da língua,
    a finalidade com que a empregamos.

    Manual de Redação da Presidência da República. 2.º ed.,
    2002, p. 5. Internet: (com adaptações).

    Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens
    subsecutivos, referentes à linguagem empregada na correspondência
    oficial.

    O emprego da norma culta dispensa a formalidade de tratamento em documentos emitidos internamente em órgãos da administração pública.

    Alternativas
    Comentários
    • As comunicações oficiais devem ser sempre formais, isto é, obedecem a certas regras de  forma: além das já
      mencionadas exigências de impessoalidade e uso do padrão culto de linguagem, é imperativo, ainda, certa formalidade
      de tratamento.


      A formalidade de tratamento vincula-se, também, à necessária uniformidade das comunicações.
    • A redação oficial deve caracterizar-se pela impessoalidade, uso do padrão culto de linguagem, clareza, concisão, formalidade e uniformidade. Fundamentalmente esses atributos decorrem da Constituição, que dispõe, no artigo 37: "A administração pública direta, indireta ou fundacional, de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência (...)". Sendo a publicidade e a impessoalidade princípios fundamentais de toda administração pública, claro está que devem igualmente nortear a elaboração dos atos e comunicações oficiais.

      Manual de Redação da Presidência da República 
    • Resposta errada

      Qualquer documento dentro da administração pública do mesmo orgão deve seguir as normas cultas.

    • Não dispensa a formalidade não!

    • O enunciado informa que "o emprego da norma culta dispensa a formalidade de tratamento em documentos emitidos internamente em órgãos da administração pública".

      Na verdade, a norma culta não interfere na formalidade de tratamento em documentos oficiais, pois a norma culta está relacionada ao emprego da língua nos documentos, enquanto que o tratamento é voltado para o destinatário, de acordo com o cargo executado.



      A resposta é incorreta. 

    • NORMA CULTA != NORMA PADRÃO.


    ID
    264211
    Banca
    CESPE / CEBRASPE
    Órgão
    TJ-ES
    Ano
    2011
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    A língua escrita, como a falada, compreende diferentes
    níveis, de acordo com o uso que dela se faça. Por exemplo, em uma
    carta a um amigo, podemos nos valer de determinado padrão de
    linguagem que incorpore expressões extremamente pessoais ou
    coloquiais; em um parecer jurídico, não se há de estranhar a
    presença do vocabulário técnico correspondente. Nos dois casos, há
    um padrão de linguagem que atende ao uso que fazemos da língua,
    a finalidade com que a empregamos.

    Manual de Redação da Presidência da República. 2.º ed.,
    2002, p. 5. Internet: (com adaptações).

    Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens
    subsecutivos, referentes à linguagem empregada na correspondência
    oficial.

    Em ofícios e memorandos, independentemente da urgência dos assuntos tratados, mantêm-se as exigências de concisão e clareza da linguagem e de revisão cuidadosa do texto do expediente.

    Alternativas
    Comentários
    • Todo e qualquer texto da Redação Oficial deve ter tais exigências:

      Concisão
      Clareza
      Revisão cuidadosa do texto expedido
    •  A concisão é antes uma qualidade do que uma característica do texto oficial. Conciso é o texto que consegue transmitir um máximo de informações com um mínimo de palavras.
       clareza deve ser a qualidade básica de todo texto oficial. Pode-se definir como claro aquele texto que possibilita imediata compreensão pelo leitor.

      Contribuirá, ainda, a indispensável releitura de todo texto redigido. A ocorrência, em textos oficiais, de trechos obscuros e de erros gramaticais provém principalmente da falta da releitura que torna possível sua correção.
      Na revisão de um expediente, deve-se avaliar, ainda, se ele será de fácil compreensão por seu destinatário. O que nos parece óbvio pode ser desconhecido por terceiros. O domínio que adquirimos sobre certos assuntos em decorrência de nossa experiência profissional muitas vezes faz com que os tomemos como de conhecimento geral, o que nem sempre é verdade.

    • Memorando X Ofício

      Além dá já batida em prova sobre a diferença entre os dois: no memorando o destinatário é mencionado pelo cargo que ocupa; existe, aquela que vai cair na sua prova, outra diferença: no memorando, faz-se desnecessário a identificação do local do expediente.


      Ofício = Rio de janeiro, 23 de novembro de 2011.
      Memorando = Em 23 de novembro de 2011.


      Lembremo-nos que o local e a data ficam no superior à direita do documento, antes do destinatário.

      A diferença explicitada aqui não é exigência, apenas faculdade.
    • Além da diferença mencionada pelo colega aqui em cima, pode-se destacar uma outra relativa ao destinatário.

      No ofício, o destinatário é composto de cargo, nome e endereço (usa-se vocativo). 
      Ex.: 
      A Sua Excelência o Senhor
      Deputado Fulaninho
      Câmara dos Deputados
      60.180-800-Brasília-DF

      Já no memorando, o destinatário é composto apenas do cargo (sem vocativo).
      Ex.:
      Ao Sr. Chefe de Departamento
      Lembrando que a ausência de vocativo é recomendada, mas não obrigatória!

      No aviso, o destinatário é composto de nome e cargo.
      Ex.: 
      A Sua Excelência o Senhor
      Deputado Cicraninho

      Mais uma informação: o memorando, além de dispensar local e vocativo, também dispensa timbre!
    • Questão correta.

      É imprescindível que haja concisão e clareza nas comunicações oficiais, bem como a revisão cuidadosa do texto oficial. Tais fatos não se excetuam na confecção dessas comunicações.

    • Pessoal só um curiosidade. Sabem por que não é preciso inserir o local na data de um memorando?

      Pois, sendo o caráter desse expediente oficial eminentemente interno, não há necessidade de informar o local, haja vista ser a mesma localização tanto a do remetente quanto a do destinatário de tal documento.

    •  Conciso é o texto que consegue transmitir um máximo de informações com um mínimo de palavras. Atende, basicamente ao princípio de economia lingüística.Não há assuntos urgentes, há assuntos atrasados”.  


    • Questão correta, outra ajuda a responder, vejam:

      Prova: CESPE - 2012 - TJ-RR - Nível Médio - Conhecimentos Básicos

      Disciplina: Redação Oficial | Assuntos: As Comunicações OficiaisCorrespondência Oficial

      A revisão, uma das etapas da elaboração de expedientes oficiais, deve contemplar, entre outros aspectos, a correção ortográfica do texto, uma vez que um erro de grafia pode prejudicar a compreensão da mensagem contida no documento.

      GABARITO: CERTA.



    ID
    271354
    Banca
    CESPE / CEBRASPE
    Órgão
    STM
    Ano
    2011
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    Nos itens a seguir, são apresentados trechos de correspondências
    oficiais. Julgue-os com relação à língua portuguesa padrão e à
    forma e ao estilo requeridos na redação oficial.

    Senhor Coronel José Silva, Vossa Senhoria está convidado a comparecer ao ato solene em 30 de janeiro de 2010.

    Alternativas
    Comentários
    • CORRETO.

      Falar com: Vossa Senhoria
      Falar de: Sua Senhoria
    • De acordo com o Manual de Redação da Presidência da República [1], o pronome de tratamento Vossa ou Sua Excelência deve ser usado na comunicação com os Oficiais-Generais das Forças Armadas. O detalhe é que coronel não faz parte desse grupo, pois é classificado como Oficial Superior [2]. Destarte, deve ser usado o pronome de tratamento Vossa ou Sua Senhoria, que é aplicado às demais autoridades.

      Fontes:
      [1] - http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/manual/manual.htm
      [2] - http://pt.wikipedia.org/wiki/Hierarquia_militar_(Brasil)
    • Olá, pessoal!   O gabarito foi atualizado para "E", após recursos, conforme edital publicado pela banca, e postado no site.

      Justificativa da banca: 
      No vocativo deve conter apenas o pronome de tratamento e o cargo por ele ocupado. Dessa forma, opta-se pela alteração do gabarito do item.
        Bons estudos!
    • Questão errada!
      Não deve conter o nome no vocativo.

      "As demais autoridades serão tratadas com o vocativo Senhor, seguido do cargo respectivo. "
    • Números no corpo do texto são escritos por extenso.
    • O Adriano está correto.

      Ana Paula, a data está correta.
      Veja:
      LC nº 95
      Art. 11, II,  f) grafar por extenso quaisquer referências a números e percentuais, exceto data, número de lei e nos casos em que houver prejuízo para a compreensão do texto;
    • Verdade Leonara.

      Valeu! :)
    • Eu acredito que o texto poderia ser mais conciso.
    • Mas Ti  Coronel não é Oficial General,Ele é Oficial superior que Usa assim mesmo Senhor Coronel.
    • O correto então seria: Senhor Coronel,  Vossa Senhoria está convidado a comparecer ao ato solene em 30 de janeiro de 2010 ????
    • Acredito que fique assim :
      Senhor Coronel José Silva, o senhor está convidado a comparecer ao ato solene em 30 de janeiro de 2010.
    • Questão errada.

      Para coronel cabe Vossa Senhoria, na sua presênça.  
      Comunicação dirigida é Senhor.
      Questão aparece Senhor e Vossa Senhoria, deve ser um ou outro.

    • Creio que há outro erro:

      "(...) Vossa Senhoria está convidadA (...)" 
    • Não Felipe, nesse quesito a questão não está errada. De acordo O manual de Redação Oficial, os adjetivos devem concordar com o sexo da pessoa e não com o pronome de tratamento.
    • Pessoal,

      O pronome de tratamento "Vossa" deve ser empregado quando se fala diretamente com a pessoa, na presença ou não dela. Por outro lado, quando se estiver falando sobre a pessoa, utiliza-se o pronome "Sua".

      Sendo assim, o erro da questão está em colocar o nome da autoridade juntamente com o pronome e o cargo. O correto seria:

      A Sua Senhoria o Senhor
      Coronel JOSÉ SILVA
      Exército Brasileiro
      70.000-000 - Brasília-DF

      Assunto: convite

                                   Senhor Coronel,

                                   Vossa Senhoria está convidado .....

      Ok, pessoal, espero ter ajudado.
    • Têm alguns comentários que dão vontade de chorar.... não sei de que lugar tiraram que Coronel deve ser tratado como Vossa Excelência.... acho que estão zuando com a nossa cara né.

      Vossa Excelência é usado apenas para autoridades do Poder Executivo, Legislativo e Judiciário e o vocativo Excelentíssimo Senhor apenas para os chefes dos poderes: Presidente da República (chefe do executivo), Presidente do Congresso Nacional (chefe do legisltativo) e Presidente do STF (chefe do judiciário).

      Para as demais autoridades, usa-se Senhor (Senador, Juiz, Ministro, Governador)

      Vossa Senhoria - Senhor fulano de tal usa-se para particulares e demais autoridades como no caso de coronel.

    • O correto segundo o manual da presidência: Ele é apenas Coronel e não Oficial-General.

      Pronome de tratamento: vossa senhoria
      Vocativo: Senhor José Silva,
      Endereçamento de correspondência: Ao senhor
                                                                           José Silva
                                                                            Rua Abc, nº123
                                                                            ...........................
    • Até a banca teve dúvidas quanto a esta questão, a princípio o gabarito estava "correto", porém, foi alterado para "errado", com a justificativa: No vocativo deve conter apenas o pronome de tratamento e o cargo por ele ocupado. Dessa forma, opta-se pela alteração do gabarito do item.
       
       

    • Nunca ouvi falar que devemos usar a expressão A Sua Senhoria, conforme colocado pelo colega Rui. O correto é Ao Senhor (...)

      Sobre a forma de tratamento e as patentes:
      oficiais generais : marechal, general de exército, general de brigada, general de divisão;
      oficiais superiores:  coronel, tenente-coronel e major (...)
      Logo, não se deve usar Vossa Excelência para oficiais superiores. 

      Sobre o erro da questão:
      A questão pede para observar os seguintes aspectos: o padrão, a forma e o estilo. Logo, a questão pecou na forma. Veja:
      "O erro está na falta da formalidade. O vocativo, na correspondência oficial, deve ficar em linha superior ao texto e não na própria linha do texto." (comentário do professor Terror) - ponto. 

      Forma (..) 

      Ao Senhor
      Coronel José Silva
      Exército Brasileiro
      00 000-000 – Brasília-DF
       
      Assunto: Cerimônia
       
      Senhor Coronel,
       
      Vossa Senhoria está convidado a comparecer ao ato solene em 30 de janeiro de 2010.
    • O correto seria: "Senhor José Silva, Vossa Senhoria está convidado a comparecer ao ato solene em 30 de janeiro de 2010."
      Olhem o que diz o MANUAL DE REDAÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA:

      "Vossa Senhoria é empregado para as demais autoridades e para particulares. O vocativo adequado é:
      Senhor Fulano de Tal,

      (...)
      No envelope, deve constar do endereçamento:
      Ao Senhor
      Fulano de Tal

      Rua ABC, no 123
      12345-000 – Curitiba. PR"


      Mais:
      "2.1.3. Emprego dos Pronomes de Tratamento
      Como visto, o emprego dos pronomes de tratamento obedece a secular tradição. São de uso consagrado:
      Vossa Excelência, para as seguintes autoridades:
      a) do Poder Executivo;
      ...
      Oficiais-Generais das Forças Armadas;
      ..."

      CORONEL faz parte do grupo Oficiais-SUPERIORES, que fica hierarquicamente abaixo. Logo, não cabe o uso de "Vossa Excelência" ou "Senhor + cargo".


      Não concordo com a posição (justificativa) da banca. Pois o correto seria o que explicitei acima.

       

    • O erro está na falta da formalidade. O vocativo, na correspondência oficial, deve ficar em linha superior ao texto e não na própria linha do texto.
    • No vocativo em questão deve conter apenas o pronome de tratamento e o nome (e não o "cargo por ele ocupado", pois se acrescenta o cargo somente para as pessoas tratadas por Vossa Excelência).

      Vocativo de 
      Vossa Excelência
      - Chefes de Poder: Excelentíssimo Senhor + Cargo respectivo
      - Demais autoridades: Senhor + Cargo respectivo

      Vocativo de Vossa Senhoria (
      coronéis se encontram aqui!!!)
      - Senhor + Nome da autoridade
    • Pessoal, precisamos atentar para alguns detalhes.

      No manual, Vossa Excelência ( PRONOME DE TRATAMENTO) é destinado às seguintes autoridades:

       

      a) do Poder Executivo;

      Presidente da República;

      Vice-Presidente da República;

      Ministros de Estado;

      Governadores e Vice-Governadores de Estado e do Distrito Federal;

      Oficiais-Generais das Forças Armadas;

      Embaixadores;

      Secretários-Executivos de Ministérios e demais ocupantes de cargos de natureza especial

      Secretários de Estado dos Governos Estaduais;

      Prefeitos .

      b) do Poder Legislativo:

      Deputados Federais e Senadores;

      Ministros do Tribunal de Contas da União;

      Deputados Estaduais e Distritais;

      Conselheiros dos Tribunais de Contas Estaduais;

      Presidentes das Câmaras Legislativas Municipais.

      c) do Poder Judiciário:

      Ministros dos Tribunais Superiores;

      Membros de Tribunais;

      Juízes;

      Auditores da Justiça Militar.

      Desses que recebem PRONOME DE TRATAMENTO 'VOSSA EXCELENCIA', apenas os PRESIDENTES DOS PODERES possuem VOCATIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR, quais sejam:

      Excelentíssimo Senhor Presidente da República,

      Excelentíssimo Senhor Presidente do Congresso Nacional,

      Excelentíssimo Senhor Presidente do Supremo Tribunal Federal.

      Ademais, as outras autoridades que também recebem pronome de tratamento VOSSA EXCELENCIA possuem vocativo SENHOR +  CARGO QUE OCUPA:

      Senhor Senador,

      Senhor Juiz.

      TODAVIA, para aqueles que NÃO ESTÃO NO ROL DOS TRATADOS POR 'VOSSA EXCELENCIA', o PRONOME DE TRATAMENTO é VOSSA SENHORIA, e para ESTES o vocativo se dá não pelo SENHOR + CARGO QUE OCUPA, mas SENHOR + NOME:

      Senhor Fulano de Tal!


      Disso, enfatize-se que o erro da questão NÃO É por conter JOSE DA SILVA no vocativo, mas por conter o CARGO!

      Espero que tenha esclarecido. Tudo isso está no MANUAL.


       

       

       

    • Para formas de tratamento, 

      Regra: Senhor + CARGO (Apenas!!!) ,

    • Descordo do colega Eco Sierra,

      "O vocativo a ser empregado em comunicações dirigidas aos Chefes de Poder é Excelentíssimo Senhor, seguido

      do cargo respectivo;

      As demais autoridades serão tratadas com o vocativo Senhor, seguido do cargo respectivo:

      Senhor Senador,

      Senhor Juiz,

      Senhor Ministro,

      Senhor Governador."

      http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/manual/ManualRedPR2aEd.PDF

    • O enunciado mostra a seguinte frase para adoção: "Senhor Coronel José Silva, Vossa Senhoria está convidado a comparecer ao ato solene em 30 de janeiro de 2010". 

      Há um erro aí: o Manual de Redação Oficial informa que deve ser usado "Senhor + cargo que ocupa". Desta forma, ficaria apenas como "Senhor Coronel". Além disso, falta concordância entre os termos "Vossa Senhoria" e "convidado". O correto é dizer "convidada". 


      A resposta é incorreta. 

    • RESPOSTA: ERRADA


      Justificativa da banca:  No vocativo deve conter apenas o pronome de tratamento e o cargo por ele ocupado. Dessa forma, opta-se pela alteração do gabarito do item.

    • Forma correta: Senhor Coronel, Vossa Senhoria está convidado a comparecer ao ato solene em 30 de janeiro de 2010.

    • QUESTÃO ERRADA.

       

      Como já foi informado, o erro está em mencionar o cargo + nome da pessoa, quando na verdade deveria ser citado apenas o nome "José Silva".

       

      "2.1.3. Emprego dos Pronomes de Tratamento

      Vossa Senhoria é empregado para as demais autoridades e para PARTICULARES. O vocativo adequado é:

      Senhor Fulano de Tal,

      (...)

      No envelope, deve constar do endereçamento:

      Ao Senhor

      Fulano de Tal

      Rua ABC, no 123

      12345-000 – Curitiba. PR"

       

      MANUAL DE REDAÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA.

      www.planalto.gov.br/ccivil_03/manual/manualredpr2aed.doc

       

       

      Outra questão, para fixar o assunto:

      Q274680 Ano: 2012 Banca: CESPE Órgão: FNDE Prova: Especialista em Financiamento e Execução de Programas e Projetos Educacionais

      Em comunicações oficiais dirigidas a um ministro de Estado e a um assessor de órgão vinculado a ministério, as formas de tratamento adequadas a esses cargos seriam, respectivamente, Vossa Excelência e Vossa Senhoria; o emprego do vocativo Senhor seguido do cargo respectivo seria adequado em ambos os casos.

      ERRADA.

    • BERRO , achei que  ''Senhor Coronel José Silva'' fosse apenas o nome dele. kkkk

    • Dica:

      Pronome de tratamento usa -> Vossa Senhoria
      Vocativo usa -> Senhor José Silva,

    • JUSTIFICATIVA CESPE: No vocativo deve conter apenas o pronome de tratamento e o cargo por ele ocupado. Dessa forma, opta-se pela alteração do gabarito do item.

       

      Não entendi a justificativa da CESPE. O vocativo para Vossa Senhoria não é Senhor (pronome de tratamento) + Nome (e não cargo)?

       

      Entendi foi é nada


    ID
    271357
    Banca
    CESPE / CEBRASPE
    Órgão
    STM
    Ano
    2011
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    Nos itens a seguir, são apresentados trechos de correspondências
    oficiais. Julgue-os com relação à língua portuguesa padrão e à
    forma e ao estilo requeridos na redação oficial.

    Requero informação sobre o processo licitatório dos equipamentos de informática do tribunal.

    Alternativas
    Comentários
    • ERRADA:

      Requero Requeiro informação sobre o processo licitatório dos equipamentos de informática do tribunal.
       

      Presente do Indicativo
      eu: requeiro
      tu: requeres
      ele: requer
      nós: requeremos
      vós: requereis
      eles: requerem
    • Item ERRADO


      Requero ( requerer)  informação sobre o processo licitatório dos equipamentos de informática do tribunal.

      Requerimento   é um documento pelo qual o requerente se dirige a uma autoridade pública para solicitar o reconhecimento de um direito ou concessão ou algo no amparo da lei. O texto deve ser bastante objetivo, redigido em 3ª pessoa. E sempre que possível é conveniente citar o amparo  legal que materializa o direito de requerer.


       
    • Utiliza-se no requerimento a terceira pessoa gramatical:  

      Exemplo:

      Fulano de Tal, Servidor Municipal lotado na Secretaria de Educação, requer informação sobre o processo licitatório dos equipamentos de informática do tribunal.

      Por questão de modéstia, é inconveniente utilizar a primeira pessoa gramatical:  Eu, Fulano de Tal, ..., requeiro..

      Convém lembrar que o requerimento pode ser usado por qualquer pessoa que tenha interesse no serviço público, seja, ou não, servidor público.
      Deve ser dirigido à autoridade competente para receber, apreciar e solucionar o caso, podendo ser manuscrito ou digitado/datilografado.
    • A conjugação neste tempo verbal seria: REQUEIRO. Mesmo que estivesse conjugado corretamente, acredito que a frase não estaria de acordo com a norma de impessoalidade.
    • Para completar.

      O requerimento é o expediente oficial em que o signatário do documento solicita a autoridade algo a que julga ter direito.
      Convém que se faça o requerimento em terceira pessoa.
      É feito de um particular para a Adm. Pública.

      Questão errada
    • Questão errada.

      Mais algumas informações:

      - Quando entidades particulares requerem algo que lhes pareça justo e/ou legal, utilizam carta, enquanto órgãos públicos o fazem por ofício.

      - Utiliza-se no requerimento a terceira pessoa gramatical:
      Fulano de Tal, Servidor Municipal lotado na Secretaria de Educação, requer.
      Por questão demodéstia, é inconveniente utilizar a primeira pessoa gramatical:
      Eu, Fulano de Tal, ..., requeiro...

      - No caso de requerimento coletivo, pode o mesmo ser assinado por todos os interessados, caracterizando o que se denomina abaixo-assinado, ou por um representante do grupo.
    • Gente, o correto é:
      nesses termos pede deferimento.
      Diga-se de passagem que a conjugaçao correta é EU REQUEIRO.
    • No requerimento, primeiro o requerente se identifica e se qualifica, só após que se desenvolve.

      Os comentários anteriores estão corretos.
    • Questão errada.

      "Requero" matou a questão. "Requeiro" é a forma correta.

    • A questão pede que seja analisada a oração de acordo com a gramática: "Requero informação sobre o processo licitatório dos equipamentos de informática do tribunal".

      Observamos que o verbo requerer está conjugado erradamente. Na primeira pessoa do singular o uso correto é "requeiro".


      A resposta está errada. 

    • GABARITO: ERRADO

       

      O primeiro problema é o erro de flexão do verbo. O correto seria “Requeiro”. Além disso, o verbo a ser usado não seria “requerer”, pois este é próprio do documento “Requerimento”, e o contexto mostra não se tratar deste tipo de documento, mas de um ofício. Assim, o correto seria “Solicito”.

       

      Prof. Décio Terror - Estratégia Concursos


    ID
    274897
    Banca
    CESPE / CEBRASPE
    Órgão
    FUB
    Ano
    2011
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    Julgue os itens a seguir, relativos a eventos em organizações
    públicas ou privadas.

    Vossa Excelência deve ser o pronome de tratamento utilizado para presidente da república, senadores, deputados e prefeitos municipais.

    Alternativas
    Comentários
    • Conforme o Manual de Redação da Presidência da República, item 2.1.3, o pronome de tratamento Vossa Excelência é utilizado para as seguintes autoridades:

      a) do Poder Executivo;
      Presidente da República;
      Vice-Presidente da República;
      Ministros de Estado4;
      Governadores e Vice-Governadores de Estado e do Distrito Federal;
      Oficiais-Generais das Forças Armadas;
      Embaixadores;
      Secretários-Executivos de Ministérios e demais ocupantes de cargos de natureza especial;
      Secretários de Estado dos Governos Estaduais;
      Prefeitos Municipais.
      b) do Poder Legislativo:
      Deputados Federais e Senadores;
      Ministros do Tribunal de Contas da União;
      Deputados Estaduais e Distritais;
      Conselheiros dos Tribunais de Contas Estaduais;
      Presidentes das Câmaras Legislativas Municipais.
      c) do Poder Judiciário:
      Ministros dos Tribunais Superiores;
      Membros de Tribunais;
      Juízes;
      Auditores da Justiça Militar.

      Bons estudos.
    • Isso é questão de Português e não de Administração.
    • Lembrando que o vocativo 'Excelentíssimo Senhor' é usado só para cada um dos Chefes dos três poderes (Legislativo, Executivo e Judiciário) - Presidente da República, Presidente do Senado e Presidente do STF.

    • Desce daí Caio ...kkkk que viagem

    • Correto . Observação : não se emprega '' Vossa Excelência'' para vereadores , exceto se o mesmo for presidente da câmara legislativa municipal


    ID
    275143
    Banca
    COMPERVE
    Órgão
    UFRN
    Ano
    2010
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    As questões 10, 11 e 12 devem ser respondidas de acordo com o que determina o Manual de Redação da Presidência da República.

    A economia linguística, uma das qualidades da comunicação oficial, diz respeito a

    Alternativas
    Comentários
    • O esforço de sermos concisos atende, basicamente ao princípio de economia linguística, à mencionada fórmula de empregar o mínimo de palavras para informar o máximo. Não se deve de forma alguma entendê-la como economia  de pensamento, isto é, não se devem eliminar passagens substanciais do texto no afã de reduzi-lo em tamanho. Trata-se exclusivamente de cortar palavras inúteis, redundâncias, passagens que nada acrescentem ao que já foi dito.

    • Trate-se da CONCISÃO.

    • b)

      empregar o mínimo de palavras para informar o máximo.

    • questão cheia de pegadinhas 

    •  a) eliminar passagens substanciais do texto a fim de reduzi -lo em tamanho. ERRADO SUBSTANCIAL = ESSENCIAL

       b) empregar o mínimo de palavras para informar o máximo. CORRETA  É A DESCRIÇÃO DE CONCISÃO

       c) retirar redundâncias, ou seja, trechos imprescindíveis para o leitor. ERRADO IMPRESCINDIVEL = ESSENCIAL

       d) eliminar os trechos obscuros, ou seja, as ideias que acrescentam detalhes. ERRADO TRECHOS OBSCUROS SÃO AQUELES DIFICEIS DE ENTENDER E NÃO AQUELES QUE ACRESCENTAM DETALHES.

    • PRECIDÍVEL = DESNECESSÁRIO

      IMPRECIDÍVEL=NECESSÁRIO

    • GABARITO: B

      Concisão: qualidade do texto

      @concurseiro_007


    ID
    275218
    Banca
    COMPERVE
    Órgão
    UFRN
    Ano
    2010
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    Partindo do pressuposto de que a redação oficial visa à padronização linguístico -textual dos atos normativos e das comunicações do Poder Público, pode-se afirmar que os preceitos a serem considerados são

    Alternativas
    Comentários
    • I C U C U

      •I mpessoalidade

      •C lareza

      •U niformidade

      •C oncisão

    • GAB D 

       

      SÃO PRINCÍPIOS(OBJETIVOS) DA REDAÇÃO OFICIAL:

      IMPESSOALIDADE;

      USO DO PADRÃO CULTO DA LINGUAGEM;

      CLAREZA;

      CONCISÃO;

      FORMALIDADE;

      UNIFORMAIDADE

    • É o famoso FLICCU: formalidade; linguagem adequada; impessoalidade; clareza; concisão; uniformidade (de tratamento).

    • Eu marquei a letra B, porque entendi que a variedade de tratamento dizia respeito a se dirigir a presidente(vossa excelencia) ou a reitor(vossa magnificencia). Neste sentido.

    • Os princípios a serem aplicados na redação oficial são os seguintes:

      Impessoalidade

      Clareza

      Uniformidade

      Concisão.


    ID
    275224
    Banca
    COMPERVE
    Órgão
    UFRN
    Ano
    2010
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    A Redação Oficial delineia a escri ta de atos normativos e demais documentos da esfera de comunicação do Poder Público. Nesse sentido, é necessário reconhecer as especificidades de cada gênero discursivo.

    Com base nessa asserção, marque a alternativa cuja afirmação corresponde adequadamente ao gênero.

    Alternativas
    Comentários
    • Gabarito A

       

    • EDITAL: Instrumento pelo qual a Administração dá conhecimento ao público sobre: licitações, concursos públicos, atos deliberativos etc.

       

       


    ID
    275227
    Banca
    COMPERVE
    Órgão
    UFRN
    Ano
    2010
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    Ainda em relação aos gêneros discursivos da Redação Oficial, é correto afirmar que

    Alternativas
    Comentários
    • Gabarito C

    • A) Decreto regulamentar

      B) Ofício

      C) Memorando (gabarito)

      D) Relatório


    ID
    275464
    Banca
    CESPE / CEBRASPE
    Órgão
    Instituto Rio Branco
    Ano
    2010
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    Julgue os itens seguintes, acerca de correspondências oficiais.

    A redação da correspondência oficial deve-se pautar pela correção gramatical e pelo uso de linguagem clara; por isso, palavras incomuns ou desconhecidas devem ser evitadas mesmo quando o redator tem bom domínio da língua portuguesa.

    Alternativas
    Comentários
    • A redação oficial deve ser pautada na impessoalidade e na linguagem clara e objetiva, a fim de que possa ser compreendida por todos.

      Segundo o Manual de Redação da Presidência da República:

      "As comunicações que partem dos órgãos públicos federais devem ser compreendidas por todo e qualquer
      cidadão brasileiro. Para atingir esse objetivo,
      há que evitar o uso de uma linguagem restrita a determinados grupos. Não há dúvida que um texto marcado por expressões de circulação restrita, como a gíria, os regionalismos vocabulares ou o jargão técnico, tem sua compreensão dificultada."


      Bons estudos!!
    • Num comentário conciso digo que o princípio a que se refere a questão é a CLAREZA
    • Questão CORRETA
      A redação oficial deve ser pautada na impessoalidade e na linguagem clara e objetiva, a fim de que possa ser compreendida por todos.
    • Certo

      Entre duas palavras com o mesmo significado, deve ser utilizada aquela que é mais conhecida e gare maior entendimento.

       A clareza deve ser a qualidade básica de todo texto oficial, conforme já sublinhado na introdução deste capítulo. Pode-se definir como claro aquele texto que possibilita imediata compreensão pelo leitor. No entanto a clareza não é algo que se atinja por si só: ela depende estritamente das demais características da redação oficial. Para ela concorrem:

              a) a impessoalidade, que evita a duplicidade de interpretações que poderia decorrer de um tratamento personalista dado ao texto;

              b) o uso do padrão culto de linguagem, em princípio, de entendimento geral e por definição avesso a vocábulos de circulação restrita, como a gíria e o jargão;

              c) a formalidade e a padronização, que possibilitam a imprescindível uniformidade dos textos;

              d) a concisão, que faz desaparecer do texto os excessos lingüísticos que nada lhe acrescentam.

              É pela correta observação dessas características que se redige com clareza. Contribuirá, ainda, a indispensável releitura de todo texto redigido. A ocorrência, em textos oficiais, de trechos obscuros e de erros gramaticais provém principalmente da falta da releitura que torna possível sua correção 



      Fonte: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/manual/manual.htm 
    • Questão correta.

      O público em geral também é alvo das Comunicações Oficiais. Nesse sentido, o texto com o padrão culto da linguagem deve ser conjugado com a clareza, pois deve ser acessível a todos, o uso de palavras desconhecidas ou incomuns podem dificultar a correta compreensão das Comunicações Oficiais.

    • Questão correta, outra responde, vejam:

      Prova: CESPE - 2013 - TCE-RO - Analista de Informática

      Disciplina: Redação Oficial

      Na redação de expedientes oficiais, deve-se obedecer à norma culta da língua, prescindindo-se de uma linguagem específica administrativa, embora se possa utilizar linguagem técnica quando necessário.

      GABARITO: CERTA.


    • A questão informa que "A redação da correspondência oficial deve-se pautar pela correção gramatical e pelo uso de linguagem clara; por isso, palavras incomuns ou desconhecidas devem ser evitadas mesmo quando o redator tem bom domínio da língua portuguesa".

      Ao ler o Manual Oficial, percebemos que o documento valoriza o uso de palavras de fácil compreensão, enfatizando clareza e objetividade nas redações oficiais. O uso de palavras muito rebuscadas impede que o documento seja compreendido de maneira clara. Usar o padrão culto da linguagem é respeitar o uso correto das palavras, dentro de um nível gramatical e semântico, e não corresponde ao tão já conhecido "escrever difícil".


      A resposta está correta. 

    • Não devem ser empregados no texto, segundo o Manual da Presidência:
      Linguagem rebuscada, ou informal.

      CERTA!

    • Comentário:

       

      Novamente, a banca explorou o caráter impessoal dos textos
      oficiais, cuja finalidade é informar com o máximo de clareza e concisão, com uso do
      padrão culto da língua. Porém, é importante evitar o emprego de uma linguagem
      restrita a determinados grupos, a fim de que todo e qualquer cidadão brasileiro
      possa entender o que está escrito nos documentos oficiais.

      Gabarito: Certo.
       

    • CERTO

      PRINCÍPIO DA CLAREZA NA REDAÇÃO OFICIAL


      A CLAREZA é um dos principais princípios da redação oficial.

      • Permite entendimento imediato (sem mediação) e único (sem ambiguidade) do texto.

      • Não devem ser empregados no texto, segundo o Manual da Presidência:

      –– Linguagem rebuscada, ou informal (níveis de linguagem: culta – formal, norma padrão – e coloquial – informal, não existe em redação oficial; a linguagem culta se divide em dois níveis: rebuscada e usual – APENAS a usual existe na redação oficial);

      –– Regionalismo;

      –– Jargões (linguagem de uso restrito a determinada categoria/grupo; só é compreendida dentro desse grupo), que não são sinônimos de linguagem técnica;

      –– Linguagem figurada /Conotação.

      • Não devem ser empregados indiscriminadamente:

      –– Linguagem técnica (pode ser usada quando for necessária);

      –– Inversões sintáticas/Hipérbatos (preferência pela ordem direta).

       

      Fonte: Profª Tereza Cavalcanti (Gran Cursos)


    ID
    278581
    Banca
    FUNIVERSA
    Órgão
    MTur
    Ano
    2010
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    Acerca da comunicação oficial e comercial, assinale a alternativa incorreta.

    Alternativas
    Comentários
    • O uso dessas expressões (letra a)  é bem usual e, mesmo sendo tão frequente, não tem seu uso dispensado.
    • A letra D tb não estaria errada?
      Segundo o manual, há somente 2 tipos de fechos: Atenciosamente e Respeitosamente
      Saudações estaria errado nessa.
    • O problema da letra D é que a questão fala sobre comunicação oficial e comercial, por isso ela se torna correta.
    • Essa questão é passível de anulação... bom, sendo a Funilixo tudo é válido...

      Na alternativa "D", quando menciona correspondências oficiais E comerciais, engloba a forma correta aceita para as duas. Não há qualquer restrição para o uso do termo "saudações" para as cartas comerciais, mas, segundo o manual da presidência, para as correspondencias oficiais, deve-se utilizar apenas dois fechos: atenciosamente e respeitosamente.
    • Para mim o que torna a letra D também incorreta é a parte onde diz: "Tom Amigável". A despedida tem que ser também de forma impessoal, concisa e de forma não grosseira, mas daí dizer que tem que ser em "tom amigável" me fez marcá-la como incorreta. Acredito que seria passível de anulação.

    • Quanto ao erro da letra "a" vale a pena mencionar algumas da expressões exoressamente proibidas são:

      TENHO A HONRA DE , SUBESCREVEMO-NOS COM PROTESTOS DE ELEVADA CONSIDERAÇÃO, CERTO DE SUA ATENÇÃO....

      E que a famosa "Cumpre destacar" , apesar de não ser recomendada não traz erro a assertiva.


      fonte"prof Paulo Paranhos
    • saudacoes???? nao... nao rola.
    • "Saudações" foi demais viu. Sem condições.

    • Não vejo como ser a A, dado que a D tem o Saudações, que não está no Manual da Republica, E na própria A, a partir do momento que ele utiliza o e, em comerciais e oficiais, se entende que as expressões gastas deveriam ser evitadas em ambos para serem corretas e não somente em uma delas.

    • Esta questão pede que seja marcada a alternativa incorreta.

      Ao analisar todas as alternativas, percebemos que a incorreta é aquela que informa que "Em correspondências oficiais e comerciais (empresariais), devem ser evitadas expressões gastas, tais como: Solicitamos que, Com referência a sua correspondência, Em cumprimento a." O erro está em informar que estas expressões estão "gastas". 


      A resposta é a letra A.


    • Alternativa A: Em correspondências oficiais e comerciais (empresariais), devem ser evitadas expressões gastas, tais como: Solicitamos que, Com referência a sua correspondência, Em cumprimento a. (ERRADA).

      Essas expressões podem ser usadas.

      Observação:

      "A primeira pessoa do plural (nós) é utilizada nos expedientes oficiais".

      "O uso da primeira pessoa do singular (eu) não caracteriza, por si só, um desrespeito à impessoalidade".

      Ex:

      "Avalio a proposta como brilhante". (Posição pessoal do signatário. Esse trecho vai de encontro com a característica da impessoalidade).

      "Solicito a compra de duas impressoras". (Esse trecho não infringe a norma da impessoalidade).


      Alternativa B: Expressões com rodeios, floreios verbais, devem ser trocadas por suas correspondentes mais sintéticas, concisas. Tem-se, assim: Recebemos a carta, em lugar de Acusamos o recebimento da carta; Anexas, as cópias do contrato, em vez de Em anexo à presente, estamos enviando as cópias do contrato; Informamos, em substituição a Estamos, através desta, levando ao seu conhecimento. (CORRETA).

      Um dos atributos da redação oficial é a concisão. "Deve-se cotar palavras inúteis, redundâncias passagens que nada acrescentem ao que já foi dito. É a qualidade do texto enxuto".

      Fonte: Apostila VESTCON

    • Alternativa C: O adjetivo cordial, etimologicamente significa relativo ao coração; daí ser uma pessoa cordial considerada franca, sincera, calorosa. É por isso que há estudiosos que defendem a ideia de que, em cartas oficiais e empresariais, não se deve usar cordialmente, pois o advérbio pode ser recebido como afetuosamente, calorosamente, com afeto. (CORRETA).


      FECHOS PARA COMUNICAÇÕES OFICIAIS


      O fecho é sinalização de que o texto da correspondência acabou e de que não podem haver acréscimos.

      A Portaria do Ministério da Justiça n.o1, de 1937, estabelecia 15 padrões para finalizar o texto. O Manual da Presidência da República (2002), com o objetivo de simplificá-los e uniformizá-los, estabeleceu o emprego de somente dois fechos para todas as modalidades de Comunicação Oficial.
      a) Para autoridades superiores, inclusive o Presidente da República: Respeitosamente;
      b) Para autoridades da mesma hierarquia ou hierarquia inferior: Atenciosamente.


      FECHOS EM DESUSO NAS COMUNICAÇÕES OFICIAIS
      • Cordialmente,
      • Graciosamente,
      • Sem mais para o momento,
      • Ficamos à disposição para maiores informações necessárias,
      • Subscrevemo-nos,
      • Aproveitamos o ensejo, para protestos da mais elevada estima e consideração,
      • Calorosas saudações,
      • Sem mais delongas, e na oportunidade, manifestamos total apreço,
      • Reiterando os protestos de elevada estima e consideração,
      • Sendo o que temos para o momento, despedimo-nos.
      • Sendo o que nos apresenta para o momento, manifestamos o desejo de colaboração mútua sempre que possível.
      • Confiantes na atenção e atendimento certamente dispensados à solicitação em questão, agradecemos antecipadamente, ao tempo em que reiteramos os nossos votos de estima e consideração.

      Fonte: http://gestao.curitibanos.ufsc.br/redacao-oficial/fechos/


      Alternativa E: O término da carta oficial ou da comercial deve ser feito de modo sóbrio. Por isso, deve-se escapar de expressões piegas, gastas, que sugerem adulação, melosidade, tais como: Com nossos agradecimentos sinceros, renovamos protestos de elevada consideração; Rogamos que V. S.ª se digne notificar-nos quando do recebimento desta. (CORRETA).

      Tais expressões ferem o atributo da concisão e da impessoalidade.

    • Em correspondências oficiais e comerciais (empresariais), devem ser evitadas expressões gastas, tais como: Solicitamos que, Com referência a sua correspondência, Em cumprimento a.

      alternativa incorreta


    ID
    278590
    Banca
    FUNIVERSA
    Órgão
    MTur
    Ano
    2010
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    Acerca da comunicação oficial e da empresarial efetuada por meio eletrônico, assinale a alternativa correta.

    Alternativas
    Comentários
    • Que tipo de questão é essa? A letra "c" está errada onde? Em comunicações oficiais evita-se a pessoalidade, portanto a letra "e" está errada.
    • Daniele, repare que a questao fala de comunicaçao oficial e empresarial.
    • Sim,

      Mas coerência tem limites! heheh

      Por exemplo:

      Acerca do Morango e da Xícara, assinale a correta:

      e) são vermelhos e comestíveis.

      Sem sentido né?!

      A menos errada ou única certa é a "C".

      Abs.

      SH.
    • Na minha opinião a letra C está errada (mesmo). A redação oficial tem caráter informativo, documental e jurídico, portanto todas as informações necessárias ao esclarecimento não podem ser esquecidas.
       
      Por exemplo:
      uma redação oficial (um parecer, um relatório, etc.) sobre a penhora de uma residência. Se deixarmos de informar o que a residência possui, detalhadamente, daremos uma informação equivocada sobre o valor da mesma. Ou seja, contanto que as redundâncias sejam evitadas, informações jamais devem ser tolidas.  Economia linguística não deve ser entendida como economia de pensamento.
    • É incrível...!!! Fico muito contrariado com alguns tipos de questões.

      Existem provas que são elaboradas para derrubar quem realmente estuda.

      Desculpa pessoal, é só um desabafo....

    • Pessoal, letra c estar ERRADA, é o principio da impessoalidade, na redação oficial não há lugar para impressões pessoais, ela deve ser isenta de interferências da individualidade de quem elabora.  "Uma  bela sala" pra mim pode ser diferente de "uma bela sala" pra vc! o que é belo pra mim não necessariamente será belo pra vc!


      É isso que a letra C quer dizer!
    • Acredito que a letra C esteja errada porque dizer que é "uma bela sala" não passa as mesmas informações que a redação anterior (Não dá pra deduzir, por exemplo, que uma bela sala tem ar-condicionado). Na redação oficial deve-se primar pela economia de palavras, mas não pela economia de pensamento, como consta no Manual de Redação Oficial da Presidência.

      Abraço
    • Essa banca é bem muquirana, hein? Essa expressão "Uma Bela Sala" evidentemente traz uma visão pessoal, o que é proibido numa comunicação oficial.
    • Como diria um professor que tive, "que maconha mal fumada foi essa, rapaz?"
      Marquei a letra "c"...
      Bons estudos e sucesso!
    • Muita apelação. Essa banca é péssima. Entre D e E, não se sabe qual a pior.

    • Rapa, responde o que eles querem e pronto, e fim de papo!!!!!!

    • A questão pede que seja marcada a alternativa correta, referente à comunicação oficial efetuada por meio eletrônico.

      Analisando as afirmações acima, percebemos que a letra (A) está incorreta porque o texto de qualquer documento oficial preza pela linguagem formal, segundo o Manual de Redação Oficial.

      A letra (B) está incorreta porque não é permitida a omissão do nome, do sobrenome e do cargo do emissor, já que é importante estas informações não apenas por padrão da documentação, mas para identificação do emissor para o destinatário.

      A letra (C) é contraditória. "Uma bela sala" não é uma construção sintética. Na verdade, há uso de adjetivo, o que mostra a opinião de quem escreve a comunicação oficial, o que contraria o Manual de Redação Oficial.

      A letra (D) está incorreta porque o texto deve ser direto, objetivo e não deve dar destaque em trechos importantes, pois é uma forma de influenciar o destinatário do meio eletrônico. 


      A resposta correta é a letra (E).

    • eu coloquei a C.... mas na verdade achei mto mal elaborada... fiquei com muitas duvidas.


    • Isso, para mim, não serve como uma questão de redação oficial, "caiu" o meu conceito sobre essa banca.

       

    • redação oficial sem Impessoalidade????


    ID
    278860
    Banca
    FUNIVERSA
    Órgão
    MTur
    Ano
    2010
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    Com base no Manual de Redação da Presidência da República, referência para consulta na administração pública brasileira, assinale a alternativa correta.

    Alternativas
    Comentários
    • Gabarito: C

      a) É justamente o contrário: o Memorando caracteriza-se, principalmente, por sua agilidade e processo simplificado;

      b) Além do nome do órgão/setor e do endereço postal, o cabeçalho ou rodapé deve conter o
      TELEFONE e Endereço de Correio Eletrônico do remetente;

      c)
      CORRETA;

      d) A Exposição de Motivos é enviada, em regra, por um (ou mais)
      MINISTRO DE ESTADO AO PRESIDENTE DA REPÚBLICA;

      e) A Mensagem, assim como os demais atos assinados pelo Presidente da República,
      não traz a identificação de seu signatário, bastando a ASSINATURA.

      Bons estudos!!
    • Só para complementar o ótimo comentário do colega acima, a exposição de motivos é também comumente usada de Secretário Estadual ao Governador/Vice e de Secretário Municipal ao Prefeito/Vice.
    • Alternativa C: O aviso e o ofício são modalidades de comunicação oficial praticamente idênticas; com uma pequena diferença: o aviso é expedido exclusivamente por ministros de Estado. (CORRETA).

      "Há três tipos de expedientes que se diferenciam antes pela finalidade do que pela forma: o ofício, o aviso e o memorando. Com o fito de uniformizá-lo, pode-se adotar uma diagramação única, que siga o que chamamos de padrão ofício". (MANIPULAÇÃO DE TEXTOS, FILEMON FÉLIX, 2013).

      Finalidade do aviso: é a modalidade de comunicação utilizada por Ministros de Estado para comunicação com outro Ministro.

    • Observação em relação a alternativa E:

      Mensagem: é a modalidade de texto oficial utilizada para comunicação entre os chefes de Poder: Presidente da República; Presidente do Congresso Nacional; e o Presidente do STF.

      Caso a mensagem seja expedida  pelo Presidente da República, não haverá identificação do signatário. Mas isso é apenas se for o Presidente da República. Caso a mensagem seja expedida, por exemplo, pelo Presidente do STF ao Presidente da República, haverá identificação do signatário.

      Identificação do Signatário: "Excluídas as comunicações assinadas pelo Presidente da República, todas as demais comunicações oficiais devem trazer digitados o nome e o cargo da autoridade que as expede, abaixo do local da assinatura".

      A assinatura não é dispensada. Dispensa-se apenas o nome e o cargo, não a assinatura. Já caiu na banca CESPE. 


      FONTE: (MANIPULAÇÃO DE TEXTOS, FILEMON FÉLIX, 2013).


    • IC BERSERKER  Mensagem pode mesmo ser  utilizada pelo  Presidente do STF? No manual só diz Chefe do Poder Executivo e Legislativo, não menciona o Poder legislativo


    • Esta questão é fácil de ser respondida.

      A letra (A) está incorreta porque o memorando, na verdade, segundo o Manual de Redação Oficial, tem a seguinte característica: "sua característica principal é a agilidade. A tramitação do memorando em qualquer órgão deve pautar-se pela rapidez e pela simplicidade de procedimentos burocráticos". 

      Em (B) o correto é "devem constar do cabeçalho ou do rodapé do ofício as seguintes informações do remetente: – nome do órgão ou setor; – endereço postal; – telefone e endereço de correio eletrônico".
      Em (D) a informação correta sobre exposição de motivos é: "o expediente dirigido ao Presidente da República ou ao Vice-Presidente para:
      a) informá-lo de determinado assunto; b) propor alguma medida; ou c) submeter a sua consideração projeto de ato normativo. Em regra, a exposição de motivos é dirigida ao Presidente da República por um Ministro de Estado. Nos casos em que o assunto tratado envolva mais de um Ministério, a exposição de motivos deverá ser assinada por todos os Ministros envolvidos, sendo, por essa razão, chamada de interministerial".
      Em (E) a resposta correta é "a mensagem, como os demais atos assinados pelo Presidente da República, não traz identificação de seu signatário".
      A resposta correta é a letra (C).
    • Esta questão é fácil de ser respondida.

      A letra (A) está incorreta porque o memorando, na verdade, segundo o Manual de Redação Oficial, tem a seguinte característica: "sua característica principal é a agilidade. A tramitação do memorando em qualquer órgão deve pautar-se pela rapidez e pela simplicidade de procedimentos burocráticos". 

      Em (B) o correto é "devem constar do cabeçalho ou do rodapé do ofício as seguintes informações do remetente: – nome do órgão ou setor; – endereço postal; – telefone e endereço de correio eletrônico".

      Em (D) a informação correta sobre exposição de motivos é: "o expediente dirigido ao Presidente da República ou ao Vice-Presidente para:

      a) informá-lo de determinado assunto; b) propor alguma medida; ou c) submeter a sua consideração projeto de ato normativo. Em regra, a exposição de motivos é dirigida ao Presidente da República por um Ministro de Estado. Nos casos em que o assunto tratado envolva mais de um Ministério, a exposição de motivos deverá ser assinada por todos os Ministros envolvidos, sendo, por essa razão, chamada de interministerial".

      Em (E) a resposta correta é "a mensagem, como os demais atos assinados pelo Presidente da República, não traz identificação de seu signatário".

      A resposta correta é a letra (C).


    ID
    281011
    Banca
    CESPE / CEBRASPE
    Órgão
    ANEEL
    Ano
    2010
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    Os itens a seguir apresentam trechos, sucessivos e adaptados, de um
    texto publicado no jornal O Estado de S.Paulo em 26/3/2010.
    Supondo que tais trechos possam compor uma correspondência
    oficial, julgue-os com base nas normas para a redação de
    comunicações oficiais.

    Embora 227 milhões de pessoas tenham conseguido sair das favelas, desde 2000, elas abrigam ainda 827,6 milhões de habitantes em todo o mundo. No Brasil, o número de moradores de favelas diminuiu 16%, passando de 31,5% da população para 26,4%, enquanto a média, nos países latino-americanos, é de 19,5%.

    Alternativas
    Comentários
    • 4.3 Grafia dos numerais em textos técnicos
      .
      .
      A mesma regra é válida para as percentagens, utilizando-se a expressão “por
      cento” ou o símbolo “%” conforme o numeral seja veiculado por uma ou mais palavras:
      quinze por cento, cem por cento, 42%, 57%. O símbolo, entretanto, deve vir grafado
      imediatamente depois do algarismo, sem qualquer espaço em branco.


      Especificamente para a transcrição de numerais acima do milhar, pode-se recorrer
      tanto à aproximação do número fracionário quanto ao desdobramento dos termos
      numéricos: 23,6 milhões ou 23 milhões e 635 mil.


      Fonte: MANUAL DE ELABORAÇÃO DE TEXTOS (SF)
    • Pois é, o que o colega disse acima vale apenas para textos técnicos redigidos no Senado Federal.

      Não há, no Manual de Redação da Presidência da República, trecho que fala que a escrita de numerais precisa seguir a regra acima ao se redigir uma comunicação oficial.

      E acrescento:

      Lei Complementar 95 de 1998

      Art. 11. As disposições normativas serão redigidas com clareza, precisão e ordem lógica, observadas, para esse propósito, as seguintes normas:
      II - para obtenção de precisão:
      f) grafar por extenso quaisquer referências a números e percentuais, exceto data, número de lei e nos casos em que houver prejuízo para a compreensão do texto;

    • O comentário acima esta incorreto. Há sim este dipositivo na redação oficial.
      Item Certo.
    • Acho que dizer que existe sim o dispositivo no Manual de Redação da Presidência, mas não apontar exatamente o capítulo ou subcapítulo, e nem se quer colocar uma citação do trecho que trata do assunto, não ajuda muita coisa...
      Eu também não achei o dispositivo que o colega afirma existir. Se alguém puder indicar o capítulo ou página, eu agradeço!

    • Eu tinha marcado errado por conta de "latino- americanos" estar grafado com este espaço depois da vírgula.
    • pra mim essa questão está ERRADA

      de acordo com o Manual de Red Oficial

      o texto : No Brasil, o número de moradores de favelas diminuiu 16% - deveria ser escrito dezesseis porcento
    • "(...) diminuiu 16%, passando de 31,5% da população para 26,4% (...)." Não entendi o cálculo. Desde quando passar de 31,5% para 26,4% é diminuir 16%??? Se alguém entendeu por favor me explique. 

    • Realmente, compartilho da frustração dos colegas. Mas eu marquei errada por não aceitar a primeira vírgula do texto. O lugar natural do adjunto adverbial é no final da frase, razão pela qual, quando nessa posição, ele prescinde de vírgula. Caso deslocado, ele pode ou não vir separado por vírgulas, dependendo de seu tamanho.

      OBS.: Há gramáticos que exigem que o adjunto adverbial, quando deslocado, seja sempre separado por vírgula independentemente do tamanho. Essa a orientação do concurso para diplomata organizado pela CESPE.


      Logo, a frase correta, a meu ver, deveria ser: "Embora 227 milhões de pessoas tenham conseguido sair das favelas desde 2000,..." (sem vírgula antes do "desde").

    •  Certo 

    • Vamos analisar as seguintes orações: "Embora 227 milhões de pessoas tenham conseguido sair das favelas, desde 2000, elas abrigam ainda 827,6 milhões de habitantes em todo o mundo. No Brasil, o número de moradores de favelas diminuiu 16%, passando de 31,5% da população para 26,4%, enquanto a média, nos países latino-americanos, é de 19,5%."

      Houve muita discussão sobre o uso dos numerais no texto acima, mas não há no Manual de Redação Oficial uma reflexão sobre o uso desta classe gramatical. Ao analisar as orações, percebemos que não há problemas sintáticos. A vírgula presente antes de "desde 2000" serve para reforçar a pausa presente na oração.


      A resposta está correta. 

    • Pessoal,

      No trecho: "desde 2000" O correto nao seria:Desde o ano 2000 ?

      Abraco a todos!



    • MARCOS, O NÚMERO CORRIDO (sem ponto) JÁ POSSUI PRESUNÇÃO DE ANO, NÃO PRECISARIA DO SEU DETERMINANTE.


      GABARITO CERTO
    • Eu acho errado, pois fala sair da favela, o que é sair da favela. acho que a palavra pode dar duplo sentido...


    ID
    281014
    Banca
    CESPE / CEBRASPE
    Órgão
    ANEEL
    Ano
    2010
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    Os itens a seguir apresentam trechos, sucessivos e adaptados, de um
    texto publicado no jornal O Estado de S.Paulo em 26/3/2010.
    Supondo que tais trechos possam compor uma correspondência
    oficial, julgue-os com base nas normas para a redação de
    comunicações oficiais.

    Há uma clara relação entre urbanização e desenvolvimento nas grandes cidades dos países emergentes, mas sempre acompanhada de diferenças sociais decorrentes da incapacidade de vencer desafios como a ampliação da infraestrutura e dos serviços, o gerenciamento de situações de risco, garantias de segurança pública e de proteção ao meio ambiente.

    Alternativas
    Comentários
    • Certo,
      O trecho atende perfeitamente as normas para redação oficial tanto na concordância como na pontuação.
    • Errei a questão por achar que faltou PARALELISMO SINTÁTICO:

      Há uma clara relação entre urbanização e desenvolvimento nas grandes cidades dos países emergentes,

      mas sempre acompanhada de diferenças sociais

      decorrentes da incapacidade de vencer desafios

      como

      a ampliação da infraestrutura e dos serviços,

      o gerenciamento de situações de risco,

      (as) garantias de segurança pública e de proteção ao meio ambiente.


      POR FAVOR, se estiver errado, postem também um recado.... muito obrigado!!!

    • A vírgula supre esse (as) é um assindeto.
    • uma clara relação ... emergentes, mas sempre ACOMPANHADA...

      HÁ (verbo haver com sentido de EXISTIR) não caracteriza ORAÇÃO SEM SUJEITO?

      Logo, ACOMPANHADA não deveria estar concordando em gênero com CLARA RELAÇÃO.

      Alguém poderia me ajudar?
    • SERÁ QUE NÃO DEVERIA HAVER UMA VÍRGULA APÓS A PALAVRA "DESAFIOS" ? QUEM PUDER AJUDAR,AGRADEÇO !

    • Concordo com o colega que falou sobre o paralelismo sintático. De fato o paralelismo não foi obedecido. Quando ao assíndeto, creio que não é um raciocínio correto, já que caso ocorresse seria para todos os complementos.
    • Perfeito!
      Questão certíssima!
      O paralelismos foi sim respeitado! 
      a ampliação, o gerenciamento, que são garantias de segurança pública e de proteção ao meio ambiente.
      Há uma clara relação entre urbanização e desenvolvimento nas grandes cidades dos países emergentes, mas sempre acompanhada de diferenças sociais decorrentes da incapacidade de vencer desafios como a ampliação da infraestrutura e dos serviços, o gerenciamento de situações de risco, garantias de segurança pública e de proteção ao meio ambiente.
      "garantias de segurança pública e de proteção ao meio ambiente" é aposto explicativo!

      Muito inteligente esse examinador!
    • Eu jurava que essa questão estava errada, contudo o comentário do John me fez ver o item por outro ângulo, embora não concorde totalmente com seu comentário.
      Vou analisar o paralelismo do último trecho:
      “ ...de vencer desafios como a ampliação da infraestrutura e dos serviços, o gerenciamento de situações de risco, garantias de segurança pública e de proteção ao meio ambiente.”
      Os temos separados entre vírgulas estão completando “como”. Então vamos lá. Basta ir completando:
      I-... de vencer desafios como a ampliação da infraestrutura e dos serviços
      II- ... de vencer desafios como o gerenciamento de situações de risco
      III -... de vencer desafios como garantias de segurança pública e de proteção ao meio ambiente.”
      Diante disso, apenas não concordo com o John quando diz que “gerenciamento de situações de risco” é aposto.
      Acredito que se trata continuidade da enumeração dos termos explicativos que completam “como”.
      Questão que vai pra um mural em minha sala.
      Valeu John.
    • Pessoal,

      Mesmo com os dois últimos comentários, continuo não concordando com o gabarito, pois para que não houvesse quebra do paralelismo seria necessário o disposto:

      Há uma clara relação entre urbanização e desenvolvimento nas grandes cidades dos países emergentes, mas sempre acompanhada de diferenças sociais decorrentes da incapacidade de vencer desafios como a ampliação da infraestrutura e dos serviços, (como) o gerenciamento de situações de risco, (como as) garantias de segurança pública e de proteção ao meio ambiente.

      Pode não parecer, mas a falta do artigo definido "as" na última parte é motivo sim para preocupação. Tanto é verdade que caso não façamos isso nas redações, perdemos pontos.

      De qualquer forma, estamos diante de uma banca que é conhecida pela sua inconsistência quando o assunto é a cobrança do conteúdo.

      É por isso que peço aos céus todos os dias que a banca do meu concurso não seja o Cespe!

      Bons estudos!
    • na minha opinião a questão está errada pela quebra de paralelismo. Ou se fosse aposto, pela falta de um melhor esclarecimento para evitar várias interpretações diferentes.

      As comunicações oficiais devem ser claras, portanto há erros de paralelismo no texto ou falta de esclarecimento, tanto é verdade que estamos tendo todas essas discussões sobre a questão. 

    • EM SE TRATANDO DE TERMOS QUE DESEMPENHAM A MESMA FUNÇÃO SINTÁTICA, A PREPOSIÇÃO NÃO É OBRIGADA A ENTRAR EM PARALELISMO... A OBRIGAÇÃO FICA SOMENTE PARA O ARTIGO. 

      Ex.:
            -   Gosto de maçã, banana, morango, melancia...
            -   Gosto de maçã, de banana, de morango, de melancia...
            -   Gosto da maçã, da banana, do morango, da melancia...


      COM A CRASE FICA MAIS EXÓTICO, OBSERVEM:

      -  Todos os investimentos direcionados a saúde, educação, habitação, lazer e segurança pública são de grande necessidade pública.
      -  Todos os investimentos direcionados a saúde, a educação, a habitação, a lazer e a segurança pública são de grande necessidade pública.
      -  Todos os investimentos direcionados à saúde, a educação, a habitação, o lazer e a segurança pública são de grande necessidade pública.
      -  Todos os investimentos direcionados à saúde, à educação, à habitação, ao lazer e à segurança pública são de grande necessidade pública.


      NO PRIMEIRO CASO SÓ TEMOS A PREPOSIÇÃO.
      NO SEGUNDO CASO TEMOS O PARALELISMO DA PREPOSIÇÃO.
      NO TERCEIRO CASO TEMOS O PARALELISMO DO ARTIGO.
      NO QUARTO CASO TEMOS O PARALELISMO DO ARTIGO E DA PREPOSIÇÃO.





      GABARITO CERTO
    • QUESTÃO MUITO SÚTIL, PARABÉNS AO EXAMINADOR.


    ID
    287923
    Banca
    CESPE / CEBRASPE
    Órgão
    DETRAN-DF
    Ano
    2009
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    No que se refere à correção gramatical e adequação da redação
    oficial, julgue os próximos itens.

    Utilizado para o envio antecipado de documentos, o fax pode ser arquivado tal como recebido, desde que substituído pelo documento original no prazo de 3 meses.

    Alternativas
    Comentários
    •  

      Se necessário o arquivamento, deve-se fazê-lo com cópia xerox do fax e não com o próprio fax, cujo papel, em certos modelos, se deteriora rapidamente.

    • Galera, questão errada!

      O fax (forma abreviada já consagrada de fac-simile) é uma forma de comunicação que está sendo menos usada devido ao desenvolvimento da Internet.
      É utilizado para a transmissão de mensagens urgentes e para o envio antecipado de documentos, de cujo conhecimento há premência, quando não há condições de envio do documento por meio eletrônico.
      Quando necessário o original, ele segue posteriormente pela via e na forma de praxe.
      Se necessário o arquivamento, deve-se fazê-lo com cópia xerox do fax e não com o próprio fax, cujo papel, em certos modelos, se deteriora rapidamente.



      Fonte: MANUAL DE REDAÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

      Bons Estudos
    • Questão ERRADA, pois o documento enviado via fax é só uma antecipação do documento original a ser enviado posteriormente e brevemente.

    • "Utilizado para o envio antecipado de documentos, o fax pode ser arquivado tal como recebido, desde que substituído pelo documento original no prazo de 3 meses."

      Gabarito: ERRADA

      Pessoal, quem teve ou tem aparelho de FAX, sabe que o papel sofre degradação de forma muito rápida. Ele meio que escurece com o tempo e perde muito a qualidade das informações grafadas nele. Muito mais degradável do que o papel ofício ou A4.

      Para o caso desta questão, o correto é arquivar a cópia da xérox do FAX e não o arquivamento do próprio FAX.


    ID
    291775
    Banca
    CESPE / CEBRASPE
    Órgão
    Instituto Rio Branco
    Ano
    2008
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    Considerando o seguinte requisito: “A redação oficial deve
    caracterizar-se pela impessoalidade, uso do padrão culto de
    linguagem, clareza, concisão, formalidade e uniformidade”
    (Manual de Redação da Presidência da República, 2002),
    cada um dos itens seguintes apresenta um fragmento de texto que
    deve ser julgado certo se atender ao citado requisito, ou errado,
    em caso negativo.

    Nas últimas décadas, assistimos à uma evolução significativa dos esforços de promoção e proteção dos direitos humanos. Em muitos aspectos o mundo melhorou em relação ao que era a sessenta anos. Essa mudança tem tudo que ver com uma maior consciência a respeito da necessidade de reconhecer e respeitar os direitos humanos para todos.

    Alternativas
    Comentários
    • "(...)em relação ao que era HÁ sessenta anos." É o correto.
    • Nas últimas décadas, assistimos a uma evolução significativa dos esforços de promoção e proteção dos direitos humanos. Em muitos aspectos o mundo melhorou em relação ao que era sessenta anos. Essa mudança tem tudo  a  ver com uma maior consciência a respeito da necessidade de reconhecer e respeitar os direitos humanos para todos.

      : )
    • O erro está na segunda parte: "tem tudo que ver" ... Não culto, nem formal, nem impessoal...  :-)
    • Não precisa nem ler o resto da afirmativa, pois, de início existe um erro de colocação de crase "...assistimos à uma evolução significativa dos esforços  ..."
    • Eu passei despercebida pois tenho o hábito de ler rápido, corrigindo os erros automaticamente...acrescentando as correções na leitura que faço...kkkk...muito obrigada gente pelo ABRIR DE OLHOS!...vou estar mais atenta...kkk
    • É apenas impressão minha ou vcs também acharam que o texto não tem nada de impessoal? "Nas últimas décadas assistimos (nós)". Além disso achei o texto sem clareza e ao mesmo tempo redundante: "reconhecer e respeitar os direitos humanos para todos. " Direitos humanos para todos a meu ver é redundante.
    • Além de erros ortográficos e de acentuação, o texto usa uma linguagem coloquial que não é aceita na Redação Oficial.
    • Sim, Fábio.
      Deveria ter uma vírgula.
      Adverbial de grande extensão deslocado.
    • O texto apresentado mostra erros contrários às regras de impessoalidade, uso do padrão culto de
      linguagem, clareza, concisão, formalidade e uniformidade exigidos no Manual de Redação da Presidência da República. 

      Vemos que a regência do verbo assistir está correta quanto ao uso da preposição, porém está errado quanto ao uso da crase, pois se há a presença do artigo indefinido "uma", então não é necessário o uso anterior do artigo definido "a". Há erro quanto ao uso do "a" em "...ao que era a sessenta anos". O uso do "a" é para futuro, e neste caso, o termo se refere ao passado, sendo usado então "há". Está errado o uso do "que ver", que prejudica a clareza do texto. 


      A alternativa é incorreta. 

    • trata-se de um texto jornalístico

    • Ola Pessoal!

      Entre todos os erros apresentados..acredito que o mais perceptivel seria o a 60 anos...Tempo passado/decorrido! 

      Correto:Há 60 anos..

      Espero ter ajudado!


    • Globo e vc, tudo a ver hahaha

    • ALGUNS ERROS NOTADOS:

      1 assistimos deveria ser assiste-se para estar de acordo com a Redação Oficial impessoal

      2 Não há crase antes de artigos indefinidos. Deve ser "a uma evolução"

      3 DE promoção e DE proteção (paralelismo sintático)

      4 Em muitos aspectos (VÍRGULA)

      5 Há 60 anos

      6 ERRO "Tem tudo que ver" que não é preposição, deveria ser "a ver"


    • ...assistimos... (já começou mal) não perdi tempo e taquei E

    • Gabarito: errado

      --

      há = tempo passado.

      a = tempo futuro.

    • Ninguem comentou outro erro:

      necessidade de reconhecer e (de) respeitar os direitos

      Necessidade implica "DE" em ambos os casos.

      Faltou um de...


    ID
    291778
    Banca
    CESPE / CEBRASPE
    Órgão
    Instituto Rio Branco
    Ano
    2008
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    Considerando o seguinte requisito: “A redação oficial deve
    caracterizar-se pela impessoalidade, uso do padrão culto de
    linguagem, clareza, concisão, formalidade e uniformidade”
    (Manual de Redação da Presidência da República, 2002),
    cada um dos itens seguintes apresenta um fragmento de texto que
    deve ser julgado certo se atender ao citado requisito, ou errado,
    em caso negativo.

    A legislação sobre os direitos humanos têm-se ampliado tanto na temática como na abrangência geográfica. Hoje os direitos humanos é reconhecido como universais, interdependentes, inter-relacionados, indivisíveis e mutuamente sustentáveis.

    Alternativas
    Comentários
    • A legislação sobre os direitos humanos tem se ampliado tanto na temática como na abrangência geográfica. Hoje os direitos humanos são reconhecidos como universais, interdependentes, inter-relacionados, indivisíveis e mutuamente sustentáveis.

      : )
    • Questão do Seu Creisson essa eim...
    • Uma das principais características da redação oficial é a correção gramatical, então se temos erros de concordância,por exemplo, a questão está definitivamente errada.
    • Para ajudar um pouco...

      T e M = SINGULAR


      T ê M = PLURAL

    • Errado

      Hoje os direitos humanos é reconhecido como universais


      Hoje os direitos humanos são reconhecidos como universais

    • cadde o erro ?

    • ta de sacanagem comigo ne ? esse é o erro da questão ?

    • Gabarito: Errado

      A questão possui dois erros de concordância. Vejam:

      "A legislação sobre os direitos humanos têm-se ampliado..."

      Quem tem se ampliado? A legislação, por isso, devemos utilizar tem, sem acento, pois está no singular.

      Têm --- plural.

      Tem --- singular.

      "Hoje os direitos humanos é reconhecido como universais, interdependentes, inter-relacionados, indivisíveis e mutuamente sustentáveis."

      Quem é reconhecido? Os direitos humanos, por isso a forma correta deveria ser "são reconhecidos...", pois a concordância deveria estar no plural.

    • Gabarito: Errado

      Há dois erros de concordância na questão.

      Primeiro erro: A legislação sobre os direitos humanos têm-se ampliado...

      Quem tem se ampliado? A legislação, por esse motivo deve ser escrito "tem se", sem acento.

      Têm --- plural

      Tem --- singular

      Segundo erro: Hoje os direitos humanos é reconhecido como universais...

      Quem é reconhecido? Os direitos humanos, por esse motivo deve ser escrito "hoje os direitos humanos são reconhecido como universais", para fazer a concordância no plural.


    ID
    291781
    Banca
    CESPE / CEBRASPE
    Órgão
    Instituto Rio Branco
    Ano
    2008
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    Considerando o seguinte requisito: “A redação oficial deve
    caracterizar-se pela impessoalidade, uso do padrão culto de
    linguagem, clareza, concisão, formalidade e uniformidade”
    (Manual de Redação da Presidência da República, 2002),
    cada um dos itens seguintes apresenta um fragmento de texto que
    deve ser julgado certo se atender ao citado requisito, ou errado,
    em caso negativo.

    A América Latina está ciente de como os direitos políticos e civis é essencial. Grande parte da região suportou por anos ou, em alguns casos, por décadas regimes ditatoriais ou autoritários em um passado não muito distante. Dessa forma, temos total compreensão do valor dos direitos civis e políticos por cujos nossos povos lutaram.

    Alternativas
    Comentários
    • A América Latina está ciente de como os direitos políticos e civis são essenciais. Grande parte da região suportou por anos ou, em alguns casos, por décadas regimes ditatoriais ou autoritários em um passado não muito distante. Dessa forma, temos total compreensão do valor dos direitos civis e políticos pelos quais nossos povos lutaram.

      : )

    ID
    291784
    Banca
    CESPE / CEBRASPE
    Órgão
    Instituto Rio Branco
    Ano
    2008
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    Considerando o seguinte requisito: “A redação oficial deve
    caracterizar-se pela impessoalidade, uso do padrão culto de
    linguagem, clareza, concisão, formalidade e uniformidade”
    (Manual de Redação da Presidência da República, 2002),
    cada um dos itens seguintes apresenta um fragmento de texto que
    deve ser julgado certo se atender ao citado requisito, ou errado,
    em caso negativo.

    A promoção dos direitos políticos e civis também abrangem a luta contra o racismo e todos os jeitos de discriminação. De fato, como se afirmou em resolução originalmente proposta pelo Brasil, a democracia e o racismo são incompatíveis. A plena igualdade de gênero deve permanecer um tema central nas sociedades.

    Alternativas
    Comentários
    • A promoção dos direitos políticos e civis também abrange a luta contra o racismo e todos os tipos de discriminação. De fato, como se afirmou em resolução originalmente proposta pelo Brasil, a democracia e o racismo são incompatíveis. A plena igualdade de gênero deve permanecer um tema central nas sociedades.

      : )
    • Discordo em parte com o colega acima. Vejamos:

      A promoção dos direitos políticos e civis também abrangem (esse verbo pode concordar tanto com o substantivo promoção* como com direitos políticos e civis, flexionando-se nesse caso em plural) a luta contra o racismo e todos os jeitos (essa palavra foi empregada na forma conotativa e nosso manual de redação não admite esse emprego. O mais adequado aqui seria, como mencionado pelo colega, tipos e também poderíamos usar formas) de discriminação. De fato, como se afirmou em resolução originalmente proposta pelo Brasil, a democracia e o racismo são incompatíveis. A plena igualdade de gênero deve permanecer um tema central nas sociedades.

      O correto seria:

      A promoção dos direitos políticos e civis também abrange ou abrangem a luta contra o racismo e todas as formas de discriminação. De fato, como se afirmou em resolução originalmente proposta pelo Brasil, a democracia e o racismo são incompatíveis. A plena igualdade de gênero deve permanecer um tema central nas sociedades.
    • Creio que o companheiro rômulo se enganou quanto à concordância.

      Apenas admite-se a concordância com o segundo termo se ocorrer sujeito partitivo, percentual..

      O verbo abrangir deve ficar no singular, concordando com " a promoção"
    • Concordo com o Samuka! 
      Este e um dos artificios utilizado pelas bancas com o intuito de confundir o candidato:

      -NUCLEO DO SUJEITO NO SINGULAR, SEGUIDO DE ADJUNTOS OU COMPLEMENTOS NO PLURAL.
    • O que vocês me dizem de  "A plena igualdade de gênero deve permanecer um tema central nas sociedades" ?
      Não deveria ser  "A plena igualdade de gênero deve permanecer como um tema central nas sociedades"?
    • A promoção   ...     abrange
          SUJ          verbo
      O verbo "abrange" deve concordar com o núcleo do sujeito "promoção" (que está no singular). Para Confirmar o emprego no singular o sujeito vem com o artigo "O". Seria "abrangem" se fosse "As promoções".

      O erro está em “... todos os jeitos de discriminação".“Jeito” é palavra empregada na forma conotativa e para estar de acordo com o manual de redação deveria ser utilizada a linguagem culta.O correto seria “tipos” ou “formas”. Como afirmaram os colegas.
    • Não sei se tem haver com o texto acima, mas, na gramática de Mazzaroto. Diz que o verbo se flexiona a quem se quer dar êfase.
      Ex: Um bando de estudantes batucava na escola (ênfase ao UM BANDO)
            Um bando de estudantes batucavam na escola (ênfase aos estudantes)
      -No caso do coletivo (bando) ser seguido de substantivo (estudantes).
    • Colega Kêcia mas muito cuidado, pois no caso citado " de estudantes" está preposicionado, e o sujeito NUNCA pode vim preposicionado. Só caberia concordar com " Um bando".
    • Resposta: Errada.



      Questão que evolve concordância; vejam sugestão de correção: 


      As promoções dos direitos políticos e civis também abrange a luta contra o racismo e todos os tipos de discriminação. (...)
    • Senhores, se me permitem um outro olhar sobre a questão, a igualdade entre gêneros é sim base da constituição, mas não é plena, Tratar os desiguais na medida de suas desigualdades não é tratar com igualdade plena. Exemplo disso a cota para negros. 

    • ...todos os jeitos de discriminação. - TERMO COLOQUIAL

      PODERIA SER: ...todas as formas de discriminação ou todos os tipos de discriminação.

    • já é a segunda questão que vejo isso, acho que na doutrina cespiana sujeito composto é verbo no singular e ponto final.


    ID
    291787
    Banca
    CESPE / CEBRASPE
    Órgão
    Instituto Rio Branco
    Ano
    2008
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    Considerando o seguinte requisito: “A redação oficial deve
    caracterizar-se pela impessoalidade, uso do padrão culto de
    linguagem, clareza, concisão, formalidade e uniformidade”
    (Manual de Redação da Presidência da República, 2002),
    cada um dos itens seguintes apresenta um fragmento de texto que
    deve ser julgado certo se atender ao citado requisito, ou errado,
    em caso negativo.

    A liberdade política e o progresso social está intimamente ligado. Um indivíduo não pode participar de forma integral da vida política de seu país sem o acesso apropriado à alimentação, à educação e à saúde. Ao mesmo tempo, é crucial, para a justiça social o respeito aos direitos individuais, a liberdade de opinião, às leis e ao direito de escolher o próprio governo.

    Alternativas
    Comentários
    • Logo no início do parágrafo é possível constatar um erro...  a liberdade política e o progresso social ESTÃO intimamente LIGADOS.
    • A liberdade política e o progresso social estão intimamente ligados...

      ...respeito a+os direitos individuais, a+a liberdade de opinião, a+as leis e a+o direito de escolher o próprio governo..
    • A liberdade política e o progresso social estão 1 intimamente ligados. Um indivíduo não pode participar de forma integral da vida política de seu país sem o acesso apropriado à alimentação, à educação e à saúde. Ao mesmo tempo, é crucial para a justiça social o respeito aos direitos individuais, à liberdade de opinião, às leis e ao direito de escolher o próprio governo.

      ¹ - Verbo posposto a sujeito composto: concordância gramatical
    • Além de estar com vários erros de Prtuguês, conforme apontado pelos colegas, o texto transgride a impessoalidade.
    • Completando mais um pouco!
      Existem casos em que o sujeito composto anteposto (caso acima) admite o verbo no singular:

      A) Quando os nucleos do sujeito sao sinonimos ou quase sinonimos
      ex: Medo e pavor faz (fazem) a pessoa ver fantasmas

      B) Quando os nucleos do sujeito estao dispostos em sequencia gradativa
      ex: Uma paixao. um amor, um carinho torna (tornam) a mulher a melhor das criaturas

      C) Quando os nucleos do sujeito sao dois infinitivos, ocorre apenas o singular. Contudo, se exprimirem ideias opostas, ocorrera apenas o plural.
      ex: Amar e sonhar faz parte da vida de todos
      ex: Amar e odiar fazem parte da vida de todos

    • Resposta: ERRADO
       “A liberdade política e o progresso social   está   intimamente ligado...”
                                   SUJ                                         VER
      Se o SUJEITO estiver ANTES do VERBO, o verbo concordará no plural com todos os elementos.
      Ex.1.: Ouro Preto e Mariana SÃO cidades históricas.
      Ex.2.: A secretária, o funcionário e o gerente CHEGARAM.

      Forma correta: "A liberdade política e o progresso social estão intimamente ligados..."


    ID
    315442
    Banca
    FCC
    Órgão
    TJ-AP
    Ano
    2011
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    Clareza e correção, imprescindíveis na redação de correspondência oficial, estão presentes em:

    Alternativas
    Comentários
    • a) Em atenção à solicitação recebida por este departamento, vimos informar a V. Exa. que serão tomadas as devidas providências, bem como encaminhadas as informações dentro do prazo estipulado, como requerem os objetivos de transparência e agilidade no cumprimento de nossas funções. (correta)
       
      b) As Comissões Legislativas que se encarregaram de avaliar os projetos elaborados por deputados dessa bancada sugeriram que sejam submetidos a maiores esclarecimentos, no sentido de se ampliar sua participação na área abrangida por eles, a serem encaminhados por escrito.
       
      c) A Vossa Excelência, ilustre e nobre Deputado, encaminhamos reivindicações dos moradores deste município, que diz respeito àmelhoria efetiva de estradas da região, facilitando o acesso e o transporte de bens produzidos para comercialização nas cidades vizinhas.

      d) Como se tratavam de situações calamitosas, causadas por chuvas torrenciais, provocando deslizamentos de morros, soterramento de pessoas, inundação de casas, sem os remédios para controlar eventuais epidemias, vimos solicitar a liberação das verbas do município contra catástrofes.

      e) Aproveitamos o ensejo para esclarecer à Vossa Senhoria que mister se faz enfatizar as conclusões apostas neste parecer, porque, quando se iniciarem os trabalhos desta legislatura, irão aparecer, sem dúvida, as origens desta crise em que se mergulhou recentemente.
    • Ficar atento para o que a questão fala: Clareza e correção. Não há o pedido de impessoalidade.

      A letra "b" não há clareza no final do trecho: ... que sejam submetidos a maiores esclarecimentos, no sentido de se ampliar sua participação na área abrangida por eles, a ser encaminhadas por escrito.
    • Pra mim essa questão não tem resposta certa pois a A contém trecho sem concisão no final. "(...)como requerem os objetivos de transparência e agilidade no cumprimento de nossas funções."
      É óbvio que um servidor público tem que seguir o famoso  LIMPE! Não precisa estar escrito que ele deve ser assim em todo memorando ou ofício.
      Se a questão não cobra implicitamente as outras regras de redação oficial, fica difícil acertar uma questão!
    • Olá (:
      Só uma pequena correção ao comentário esclarecedor do colega Felipe, é proibida a crase antes de pronomes de tratamento, ficando assim "e)...para esclarecer a Vossa Senhoria..."
      E penso que outro erro da letra d) é a repetição de termos semelhantes, ferindo a concisão: "...
      tratavam de situações calamitosas, causadas por chuvas torrenciais, provocando deslizamentos de morros, soterramento de pessoas, inundação de casas,..." Não são necessário tantos termos pra demonstrar a gravidade da situação.

      Sucesso!
    • Também acho que todas as questões estão erradas. A letra A não mostra a qual documento faz referência a resposta, não demonstra clareza.

    • A questão pede que seja marcada a alternativa correta referente a clareza e correção.

      A letra B não demonstra clareza, pois falta elementos de coerência. A letra C está incorreta porque usa indevidamente os termos "ilustre e nobre". A letra D está incorreta devido à ordem indireta da oração. A letra E não está redigida de forma clara e concisa.


      A alternativa correta é a letra A. 

    • Conjugação do verbo vir no presente do indicativo: Eu venho - Tu vens - Ele/Ela vem - Nós Vimos - Vós vindes - Eles/Elas vêm.

    • pelo amor, povo, esta pedindo a errada e nao a certa, falta de concisao, esta na A.

    • acredito que todas estão erradas!

    • Jorge Concurseiro,

      a questão pede a alternativa na qual estão presentes Clareza e Correção.

      Não entendo o motivo de a alternativa A estar certa.

    • Dentre todas as alternativas a letra A é a mais correta.

      A letra B contém erro de portugues (ser encaminhadas)

      A letra C sequer é redação oficial (encaminahda por moradores...).

      A letra D contem erro de portugues (viemos).

      A letra E é a pior, mal escrita toda ela...

       

      LOGO, sobrou a letra A que é bem escrita, porém poderia ter sido cortado o trecho final. 

       

    • Não que seja muito difícil, mas essa questão mercia vídeo didático do QConcursos. 

       

      Não tem como indicar comentário.

       

      Lamentável.

    • Letra A.

      Observemos as letras b, c, d e e:

      b) Errada. Falta concisão.

      c) Errada. Falta impessoalidade e objetividade.

      d) Errada. Falta clareza e correção.

      e) Errada. Falta clareza e correção.

      Questão comentada pelo Prof. Bruno Pilastre


    ID
    315919
    Banca
    FCC
    Órgão
    Banco do Brasil
    Ano
    2011
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    A redação inteiramente apropriada e correta de um documento oficial é:

    Alternativas
    Comentários
    • Questão que envolve o conhecimento sobre redação oficial: as características da redação oficial, o uso do pronome de tratamento, a concordância em relação ao pronome de tratamento e, ainda, questões a respeito correção gramatical.
       
      A alternativa (A) apresenta um texto pessoal demais para uma redação oficial: quem escreve, refere-se a si mesmo de forma inadequada. Veja que o texto não é apropriado para um documento oficial.
       
      A alternativa (C) apresenta problemas de concordância verbal. A correção gramatical é necessária em um documento oficial.
       
      A alternativa (D) apresenta a expressão "do nosso ponto de vista pessoal", isto é, uma redundância totalmente inadequada. Além disso, o texto apresenta expressões coloquais demais e uma estrutura confusa para um documento oficial.
       
      A alternativa (E) apresenta, principalmente, um erro quanto à concordância do pronome de tratamento: usou-se o "vosso" em referência ao pronome "Vossa Senhoria", quando o correto seria usar "seu": o pronome de tratamento faz concordância com a 3a pessoa.

       
    • Eu acertei a questão, mas na minha opinião deveria ter uma vírgula depois da  palavra "texto" e depois da palavra "extraordinária" para separar uma oração intercalada.
    • Concordo com Rodrigo, a letra B está menos errada, pois faltou a inclusão das vírgulas.
    • Correta letra B.
      a) Não pode ir crase antes de pronome de tratamento, falta o artigo "os", os nossos problemas salariais.
      b) Correta.
      c) Pessoalidade (estou)
      d) aqui neste (pleonasmo), o correto é conjugar faltou, pois concorda com o sujeito, um grande número de servidores, que esta no singular.
      e) Do nosso ponto de vista pessoal (pleonasmo) e pessoalidade.
    • Confusão foi CRIADA  e não criado, na alte. E
    • também concordo que faltaram as vígulas na letra B, pra mim passível de anulação.
    • a) Além dos outros erros já citados, em "recebidos em vosso gabinete" o correto seria "recebidos em seu gabinete"

    • RODRIDO XAVIER,

      A ausência de vírgulas na alternativa b está correta, haja vista tratar-se de termo interferente no qual o uso das duas vírgulas é facultativo. A única exceção seria para o caso de termo interferente explicativo, no qual o uso das vírgulas é obrigatório, o que não é o caso dessa alternativa.

    • Virgulas facultativas sempre são uma casca de banana.

    • Assinalei B por ser a menos errada. A pontuação está correta, mas achei muito estranho o trecho "pessoal especializado em serviços gerais". É o mesmo que dizer "o Dr. é médico especialista em clínica geral". Oras, então não é especialista coisa nenhuma, cara pálida! Faltou coerência (na minha modesta opinião). Mesmo assim é a opção melhorzinha.
    • A questão apresenta alternativas em relação à escrita de um documento oficial. Ao analisar as alternativas, percebemos que apenas uma apresenta clareza, formalidade, dentro das normas gramaticais de concordância e regência. Na letra A além do uso incorreto da locução verbal "poder estar sendo" (uso de dois infinitivos) há falta de concordância entre "reivindicações" e "recebidos". Na letra C há falta de coerência no uso do pronome oblíquo "lhe", além do uso de uma linguagem coloquial imprópria. Na letra D há falta de concordância verbal e uso impróprio de termos como "problemas de pessoal". E a letra E está incorreta porque há repetição de termos ("ponto de vista" é pessoal, não precisa usar o termo novamente) e falta de concordância entre "confusão" e "criado".


      A resposta correta é a letra B.

    • A letra B é a menos errada, faltaram vírgulas. Mas a correta resposta é a letra B.

    • Só para complementar o que já foi dito nos comentários.

      Na alternativa A, além do erro de usar crase antes de pronome de tratamento e de usa o pronome de 2° pessoa vosso quando deveria ser o de 3º pessoa SEU.

      É possível constatar ainda falta de concisão no trecho a seguir:

      "...e esperamos poder estar sendo recebidos em vosso gabinete..."

      O CERTO seria: ...e esperamos ser recebidos em seu gabinete...

    • Eliminei pelo uso do gerundismo nas alternativas a, c.

      Pode???

    • A] crase errada [regra gera, não se usa crase antes de pronome de tratamento, salvo nos casos de senhora ou senhorita]   |  Ademais, o verbo deverá estar na 3ª pessoa do singular.

       

      B]

       

      C] muito lindo e esperto (FERIU A IMPESSOALIDADE)

       

      D] Verbo no singular (Um grande número de servidores FALTOU)

       

      E] “Do nosso ponto de vista pessoal”  [feriu a impessoalidade]   |   verbo deve ficar na 3ª pessoa do singular

    • B.

      Na alternativa A, além do erro de usar crase antes de pronome de tratamento e de usa o pronome de 2° pessoa vosso quando deveria ser o de 3º pessoa SEU.

      É possível constatar ainda falta de concisão no trecho a seguir:

      "...e esperamos poder estar sendo recebidos em vosso gabinete..."

      O CERTO seria: ...e esperamos ser recebidos em seu gabinete...

    • a menos ruim = B-)

    • Letra B.

      a) Errada. Falta concisão e objetividade, além de haver desvios de morfossintaxe.

      c) Errada. Há falta de impessoalidade.

      d) Errada. Há desvios de morfossintaxe.

      e) Errada. Por fim, falta impessoalidade.

      Questão comentada pelo Prof. Bruno Pilastre


    ID
    316252
    Banca
    FCC
    Órgão
    TRE-RN
    Ano
    2011
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    A redação de documentos oficiais deve pautar-se por impessoalidade, clareza, concisão e pelo uso correto da norma culta. Todas essas qualidades são respeitadas no seguinte trecho:

    Alternativas
    Comentários
    • O Rodrigo deve ser nordestino, porque não notou o "avexado"; isso é regionalismo (não apropriado para redações oficiais)
    • Na letra C, tem um erro que passou despercebido. Em questões como estas, olhem se o verbo concorda com o sujeito.

      O critério metodológico (...) estão ESTÁ sendo preparados PREPARADO (...)
    • ÒTIMA EXPLICAÇÃO RODRIGO :)

      VALEU!

      BONS ESTUDOS.
    • a) sinto-me, minha (pessoalidade), avexado (regionalismo), por que (porque), as vítimas (às vítimas)

      b) destinada (destinados- refere-se aos membros), apurou (apuraram)

      c) estão (está- refere-se a critério)

      e) erros de coesão e coerência
    • Nordestinos tem mesmo a mania de falar certos jargões, eu como nordestina reconheço isso,  mas fala assim como qualquer pessoa de outro estado. Pois todos os estados tem seus regionalismos. Mas dá pra fazer bem a distinção do regionalismo, caso se leia o texto com atenção, coisa que o cara colega gaúcho não o fez.
    • a) Como Deputado da Bancada Estadual, sinto-me avexado por que porque não estou podendo atender com mais prontidão e benefícios as vítimas dessa implacável seca, que teve motivos alheios à minha vontade para não conseguir isso.

      b) Membros da Comissão Técnica destinada a averiguar a distribuição de favores em troca de votos,apurou apuraram que o Presidente do Conselho de Agricultores do Estado afirmou ao seu Vice de que ele poderia estar sendo investigado por desvio de verbas. Erros gramaticais.

      c) O critério metodológico de escolha dos participantes das equipes de atendimento à a vítimas de desastres naturais estão sendo preparados, tendo em vista que é importante observar a correspondência entre tais desastres e o atingimento de pessoas nessa situação.


      e) O Instituto Benefício para Todos deverá estar sendo será convidado para fazer parte de uma campanha destinada a angariar donativos, que os quais se espera sejam suficientes para atender a todos os desabrigados da enchente;, conforme estipulado pela Coordenadoria, que foi considerada de relevante interesse social.

      Ausência de impessoalidade e erros gramaticais.

      • d) Este setor do Governo Estadual, responsável pelo atendimento a vítimas de desastres naturais, elaborou um plano geral de assistência a ser encaminhado às entidades que colaboram nesse atendimento, para a adequada efetivação dos trabalhos nas ocasiões de calamidade pública.

      Marquei corretamente a letra D, não obstante, tenho dúvidas se a última vírgula não atrapalharia a clareza da informação. Gostaria que comentassem o exposto. Obrigado.
    • Caro Rogério Barcellos,

      Também fiquei um pouco intrigada com o uso dessa vírgula, todavia percebi que se trata de uma inversão sintática, de modo que esta foi a leitura que fiz:

      • Para a adequada efetivação dos trabalhos nas ocasiões de calamidade pública este setor do Governo Estadual, responsável pelo atendimento a vítimas de desastres naturais, elaborou um plano geral de assistência a ser encaminhado às entidades que colaboram nesse atendimento.

      Assim o emprego da vírgula está correto, uma vez que nesses casos a mesma é de uso facultativo.

      Se estiver equivocada, por favor me corrijam!
    • Por se tratar de Redação Oficial, o texto deve respeitar as normas estabelecidas no Manual de Redação da Presidência da República. 

      A letra A está incorreta porque o autor apresenta opinião sobre o assunto, o que contraria a regra da impessoalidade. A letra B está incorreta porque há falta de concordância entre o sujeito e o verbo (o verbo "apurou" deveria estar no plural, para concordar com o núcleo do sujeito "Membros"). Além disso, falta vírgula antes de "destinada". A letra C é da mesma ordem, porém o verbo está agora no plural e o sujeito no singular. O texto da letra E não está claro, tendo um grande erro na locução verbal, que une futuro com gerúndio com particípio ("deverá estar sendo").


      Desta forma, a alternativa correta é a letra D. 

    • Regionalismo + crase


      Deus no comando sempre!

    • Letra D.

      Vamos aos itens que não respeitam os princípios da Redação Oficial.

      a) Errada. Falta impessoalidade.

      b) Errada. Falha na pontuação (o que gera problemas à clareza).

      c) Errada. Falta clareza e correção gramatical.

      e) Errada. Falta objetividade e clareza (por pontuação).

      Questão comentada pelo Prof. Bruno Pilastre


    ID
    316429
    Banca
    FCC
    Órgão
    TRE-RN
    Ano
    2011
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    A redação de documentos oficiais deve pautar-se por impessoalidade, clareza, concisão e pelo uso correto da norma culta. Todas essas qualidades são respeitadas no seguinte trecho:

    Alternativas
    Comentários
    • a) Este setor do Governo Estadual, responsável pelo atendimento a vítimas de desastres naturais, elaborou um plano geral de assistência a ser encaminhado às entidades que colaboram nesse atendimento, para a adequada efetivação dos trabalhos nas ocasiões de calamidade pública. (CORRETA)
        b) O Instituto Benefício para Todos deverá estar sendo SERÁconvidado para fazer parte de uma campanha destinada a angariar donativos, que se espera-SE QUE seja suficiente para atender a todos os desabrigados da enchente; conforme estipulado pela Coordenadoria, que foi considerada de relevante interesse social. 
        c) Como Deputado da Bancada Estadual, sinto- me avexado porque não estou podendo NÃO PODER atender com mais prontidão e benefícios as vítimas dessa implacável seca, que teve motivos alheios à minha vontade para não conseguir isso.   POR FORÇA MAIOR
        d) Membros da Comissão Técnica destinada a averiguar a distribuição de favores em troca de votos (ERRADO: SUJEITO SEPARADO DO PREDICADO POR VÍRGULA) , apurou APURARAM que o Presidente do Conselho de Agricultores do Estado afirmou ao seu Vice de que ele (ELE QUEM? O PRESIDENTE OU O VICE? FRASE AMBÍGUA)poderia estar sendo investigado por desvio de verbas.
        e) O critério metodológico (SUJEITO) de escolha dos participantes das equipes de atendimento à vítimas de desastres naturais estão sendo preparados ESTÁ SENDO PREPARADO, tendo em vista que é importante observar a correspondência entre tais desastres e o atingimento de pessoas nessa situação LETRA A
    • Gostaria de saber se " a vítima " está correto.
      Não seria : ás vítimas? 
    • Jorget foi perfeita em seu comentário, porém acredito que na alternativa "d", não estaria errado a concordância de apurou, pois esse concordaria com comissão...

      d) Membros da Comissão Técnica destinada a averiguar a distribuição de favores em troca de votos, apurou que o Presidente do Conselho de Agricultores do Estado afirmou ao seu Vice de que ele poderia estar sendo investigado por desvio de verbas.

      ou

      d) Membros da Comissão Técnica destinada a averiguar a distribuição de favores em troca de votos, apuraram que o Presidente do Conselho de Agricultores do Estado afirmou ao seu Vice de que ele poderia estar sendo investigado por desvio de verbas.





    • Regilania

      ...atendimento a vitimas de desastres naturais...

      Neste caso ocorre o uso apenas da preposição "a" pedida pela palavra ATENDIMENTO.
      Esta também correto: ... atendimento às vitimas de desastres naturais... , já neste caso
      há o uso da preposição "a"( pedida pela palavra ATENDIMENTO) + determinante "as" concordando com "vitimas" ocorrendo sinal indicativo de crase.

      Espero que tenha entendido.
    • Correta letra A.
      b) Erro de regência.
      c) Pessoalidade e regionalismo.
      d) Falta clareza.
      e) Erro de crase.
    • Correta A, pela  impessoalidade, clareza, concisão. Em todas as outras alternativas há o uso do "gerundismo".
      Em com gerúndio. Evite as formas em se tratando de, em me vendo chegar, em sendo eleito, em conquistando o governo, etc. Proceda da maneira mais usual:tratando-se de, vendo-me chegar, sendo eleito, conquistando o governo. E seja sempre comedido ao recorrer ao gerúndio.
    • Letra A.

      b) Errada. Falta objetividade e clareza (por pontuação).

      c) Errada. Falta impessoalidade.

      d) Errada. Falha na pontuação (o que gera problemas à clareza).

      e) Errada. Por fim, falta clareza e correção gramatical.

      Questão comentada pelo Prof. Bruno Pilastre


    ID
    347011
    Banca
    MOVENS
    Órgão
    IMEP-PA
    Ano
    2010
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    A redação ofcial é a maneira pela qual o Poder Público redige atos normativos e comunicações. Dessa forma, NÃO deve ser característica da redação ofcial a

    Alternativas
    Comentários
    • Gabarito B é aquilo que não pode ser levado na confecção de correspondências oficiais.

       

      1.1. A Impessoalidade

              A finalidade da língua é comunicar, quer pela fala, quer pela escrita. Para que haja comunicação, são necessários: a) alguém que comunique, b) algo a ser comunicado, e c) alguém que receba essa comunicação. No caso da redação oficial, quem comunica é sempre o Serviço Público (este ou aquele Ministério, Secretaria, Departamento, Divisão, Serviço, Seção); o que se comunica é sempre algum assunto relativo às atribuições do órgão que comunica; o destinatário dessa comunicação ou é o público, o conjunto dos cidadãos, ou outro órgão público, do Executivo ou dos outros Poderes da União.

              Percebe-se, assim, que o tratamento impessoal que deve ser dado aos assuntos que constam das comunicações oficiais decorre:

              a) da ausência de impressões individuais de quem comunica: embora se trate, por exemplo, de um expediente assinado por Chefe de determinada Seção, é sempre em nome do Serviço Público que é feita a comunicação. Obtém-se, assim, uma desejável padronização, que permite que comunicações elaboradas em diferentes setores da Administração guardem entre si certa uniformidade;

              b) da impessoalidade de quem recebe a comunicação, com duas possibilidades: ela pode ser dirigida a um cidadão, sempre concebido como público, ou a outro órgão público. Nos dois casos, temos um destinatário concebido de forma homogênea e impessoal;

              c) do caráter impessoal do próprio assunto tratado: se o universo temático das comunicações oficiais se restringe a questões que dizem respeito ao interesse público, é natural que não cabe qualquer tom particular ou pessoal.

              Desta forma, não há lugar na redação oficial para impressões pessoais, como as que, por exemplo, constam de uma carta a um amigo, ou de um artigo assinado de jornal, ou mesmo de um texto literário. A redação oficial deve ser isenta da interferência da individualidade que a elabora.

              A concisão, a clareza, a objetividade e a formalidade de que nos valemos para elaborar os expedientes oficiais contribuem, ainda, para que seja alcançada a necessária impessoalidade.

      1.2. A Linguagem dos Atos e Comunicações Oficiais

              A necessidade de empregar determinado nível de linguagem nos atos e expedientes oficiais decorre, de um lado, do próprio caráter público desses atos e comunicações; de outro, de sua finalidade. Os atos oficiais, aqui entendidos como atos de caráter normativo, ou estabelecem regras para a conduta dos cidadãos, ou regulam o funcionamento dos órgãos públicos, o que só é alcançado se em sua elaboração for empregada a linguagem adequada. O mesmo se dá com os expedientes oficiais, cuja finalidade precípua é a de informar com clareza e objetividade.

    • Letra(b) Uma das características da redação oficial é a formalidade , que não importa em um padrão culto da língua , mas sim o uso do padrão culto da mesma


    ID
    348772
    Banca
    FGV
    Órgão
    CODESP-SP
    Ano
    2010
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    Com base no Manual de Redação da Presidência da República, analise as afirmativas a seguir:

    I. O padrão culto nada tem contra a simplicidade de expressão, desde que não seja confundida com pobreza de expressão. De nenhuma forma o uso do padrão culto implica emprego de linguagem rebuscada.

    II. Não existe propriamente um “padrão oficial de linguagem”; o que há é o uso do padrão culto nos atos e comunicações oficiais. O jargão burocrático, como todo jargão, deve ser evitado, pois terá sempre sua compreensão limitada.

    III. A linguagem técnica deve ser empregada apenas em situações que a exijam, sendo de evitar o seu uso indiscriminado. Certos rebuscamentos acadêmicos, e mesmo o vocabulário próprio a determinada área, são de difícil entendimento por quem não esteja com eles familiarizado. Deve-se ter o cuidado, portanto, de explicitá-los em comunicações encaminhadas a outros órgãos da administração e em expedientes dirigidos aos cidadãos.

    Assinale

    Alternativas
    Comentários
    • Gabarito - C

         A clareza deve ser a qualidade básica de todo texto oficial, conforme já sublinhado na introdução deste capítulo. Pode-se definir como claro aquele texto que possibilita imediata compreensão pelo leitor. No entanto a clareza não é algo que se atinja por si só: ela depende estritamente das demais características da redação oficial. Para ela concorrem:

              a) a impessoalidade, que evita a duplicidade de interpretações que poderia decorrer de um tratamento personalista dado ao texto;

              b) o uso do padrão culto de linguagem, em princípio, de entendimento geral e por definição avesso a vocábulos de circulação restrita, como a gíria e o jargão;

              c) a formalidade e a padronização, que possibilitam a imprescindível uniformidade dos textos;

              d) a concisão, que faz desaparecer do texto os excessos lingüísticos que nada lhe acrescentam.

              É pela correta observação dessas características que se redige com clareza. Contribuirá, ainda, a indispensável releitura de todo texto redigido. A ocorrência, em textos oficiais, de trechos obscuros e de erros gramaticais provém principalmente da falta da releitura que torna possível sua correção.

              Na revisão de um expediente, deve-se avaliar, ainda, se ele será de fácil compreensão por seu destinatário. O que nos parece óbvio pode ser desconhecido por terceiros. O domínio que adquirimos sobre certos assuntos em decorrência de nossa experiência profissional muitas vezes faz com que os tomemos como de conhecimento geral, o que nem sempre é verdade. Explicite, desenvolva, esclareça, precise os termos técnicos, o significado das siglas e abreviações e os conceitos específicos que não possam ser dispensados.


      Fonte- MANUAL DE REDAÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA
    • Redação Oficial: O Padrão Culto

      É importante destacar que a obrigatoriedade do uso do padrão culto na redação oficial decorre do fato de que ele – o padrão culto – está acima das diferenças lexicais, morfológicas ou sintáticas regionais, dos modismos vocabulares, das idiossincrasias linguísticas, permitindo, por essa razão, que se atinja a pretendida compreensão por todos os cidadãos.
       
      Lembre-se de que o padrão culto nada tem contra a simplicidade de expressão, desde que esta não seja confundida com pobreza de expressão. O uso do padrão culto não implica o emprego de linguagem rebuscada, tampouco dos contorcionismos sintáticos e figuras de linguagem próprios da linguagem literária.
       
      Dessa forma, pode-se concluir que não existe propriamente um “padrão oficial de linguagem”. Existe, sim, o uso do padrão culto nos atos e comunicações oficiais.
       
      É evidente que, nestes expedientes, há preferência pelo uso de determinadas expressões e pela aplicação tradicional no emprego das formas sintáticas, mas isso não implica, necessariamente, que se consagre a utilização de uma forma de linguagem burocrática. O jargão burocrático, como todo jargão, deve ser evitado, pois terá sempre sua compreensão limitada.
       
      A linguagem técnica deve ser empregada apenas em situações que a exijam, sendo fundamental evitar o seu uso indiscriminado. Certos rebuscamentos acadêmicos, e mesmo o vocabulário próprio a determinada área, são de difícil entendimento por quem não esteja com eles familiarizado. Deve-se ter o cuidado, portanto, de explicitá-los em comunicações encaminhadas a outros órgãos da administração e em expedientes dirigidos aos cidadãos.

      http://professorfabianosales.blogspot.com/2011/08/redacao-oficial-o-padrao-culto.html
    • Cópia literal do Manual de Redação:
      I - Tópico: 1.2. A Linguagem dos Atos e Comunicações Oficiais Lembre-se que o padrão culto nada tem contra a simplicidade de expressão, desde que não seja confundida com pobreza de expressão. De nenhuma forma o uso do padrão culto implica emprego de linguagem rebuscada, nem dos contorcionismos sintáticos e figuras de linguagem próprios da língua literária. II - Tópico: 1.2. A Linguagem dos Atos e Comunicações Oficiais Pode-se concluir, então, que não existe propriamente um "padrão oficial de linguagem"; o que há é o uso do padrão culto nos atos e comunicações oficiais. É claro que haverá preferência pelo uso de determinadas expressões, ou será obedecida certa tradição no emprego das formas sintáticas, mas isso não implica, necessariamente, que se consagre a utilização de uma forma de linguagem burocrática. O jargão burocrático, como todo jargão, deve ser evitado, pois terá sempre sua compreensão limitada. III - Tópico: 1.2. A Linguagem dos Atos e Comunicações Oficiais A linguagem técnica deve ser empregada apenas em situações que a exijam, sendo de evitar o seu uso indiscriminado. Certos rebuscamentos acadêmicos, e mesmo o vocabulário próprio a determinada área, são de difícil entendimento por quem não esteja com eles familiarizado. Deve-se ter o cuidado, portanto, de explicitá-los em comunicações encaminhadas a outros órgãos da administração e em expedientes dirigidos aos cidadãos.

      Todas as alternativas estão corretas!

    ID
    350602
    Banca
    CESPE / CEBRASPE
    Órgão
    IEMA - ES
    Ano
    2007
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    Em cada um dos próximos itens, é apresentada uma situação
    hipotética, seguida de uma afirmativa a ser julgada, acerca de
    redação de correspondências oficiais.

    A chefe do departamento de pessoal de uma autarquia pública quer redigir documento para solicitar reparo de maquinário de informática utilizado no setor de atendimento ao público. Nessa situação, a chefe deve encaminhar ao setor competente requerimento formal, feito em seu próprio nome, na terceira pessoa do discurso, para não ferir o princípio da impessoalidade, que rege o serviço público.

    Alternativas
    Comentários
    • Requerimento é um documento utilizado pelo signatário para pedir a uma autoridade pública algo que seja justo ou legal, do seu ponto de vista. No caso apresentado, deveria ser redigido um memorando, documento usado para comunicações no âmbito interno da organização.
    • Não é necessariamento obrigatório que esteja na terceira pessoa para que seja impessoal
    • A questão apresenta 2 erros:

      O 1ª ERRO é o tipo de expediente citado, REQUERIMENTO. O expediente adequado seria o MEMORANDO, que é utilizado para comunicações eminentemente internas, entre unidades administrativas de um mesmo orgão. 

      O 2ª ERRO é quanto a afirmação de que o texto deveria ser redigido em 3ª pessoa para nao ferir o princípio da impessoalidade. Isso não é todo correto. É certo que o texto deve ser escrito na 3ª pessoa, mas isso nada tem a ver com com o princípio da impessoalidade, mas sim com a concordancia pronominal.

      O Manual de Redação da Presidencia da República, na sua pagina 9 afirma:

      "Os pronomes de tratamento (ou de segunda pessoa indireta) apresentam certas peculiaridades quanto à
      concordância verbal, nominal e pronominal. Embora se refiram à segunda pessoa gramatical (à pessoa com quem se
      fala, ou a quem se dirige a comunicação), levam a concordância para a terceira pessoa. É que o verbo concorda com o
      substantivo que integra a locução como seu núcleo sintático:

      “Vossa Senhoria nomeará o substituto”;
      “Vossa 
      Excelência conhece o assunto”.
       
      Da mesma forma, os pronomes possessivos referidos a pronomes de tratamento são sempre os da terceira
      pessoa: “Vossa Senhoria nomeará seu substituto” (e não “Vossa ... vosso...”)."

    • Errado.



      Não é obrigatório apenas, estar em terceira pessoa, o texto formal. pois deverá concordar com as normas de concordância pronominal.


    ID
    350605
    Banca
    CESPE / CEBRASPE
    Órgão
    IEMA - ES
    Ano
    2007
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    Em cada um dos próximos itens, é apresentada uma situação
    hipotética, seguida de uma afirmativa a ser julgada, acerca de
    redação de correspondências oficiais.

    Mário, analista de meio ambiente e de recursos hídricos do IEMA, precisa encaminhar à direção do instituto parecer técnico sobre o impacto ambiental de determinada obra estadual. Nessa situação, Mário pode redigir o documento de modo informal, sem se preocupar com a linguagem padrão, visto que, no serviço público, a exigência de formalidade na redação de documentos restringe-se às correspondências externas.

    Alternativas
    Comentários
    •  A exigência de formalidade na redação de documentos atinge tanto as correspondências externas quanto as internas (princípio da impessoalidade).
    • Questão errada, outra responde, vejam:

      Prova: CESPE - 2013 - TCE-RO - Analista de Informática

      Disciplina: Redação Oficial

      Na redação de expedientes oficiais, deve-se obedecer à norma culta da língua, prescindindo-se de uma linguagem específica administrativa, embora se possa utilizar linguagem técnica quando necessário.

      GABARITO: CERTA.


    • Errado.




      Conforme o MRPR, deve ser devidamente FORMAL, tanto os textos internos quanto os externos.

    • informalidade não é permitida

    • Gabarito: errado

      --

      Como toda correspondência oficial, o parecer deve respeitar os atributos da redação oficial.

      Parecer

      É a opinião fundamentada, emitida em nome pessoal ou de órgão administrativo, sobre tema que lhe haja sido submetido para análise e competente pronunciamento.


    ID
    384040
    Banca
    MOVENS
    Órgão
    MDIC
    Ano
    2009
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    Assinale a opção correta quanto às técnicas de redação ofcial.

    Alternativas
    Comentários
      •  
      • alternativa letra B.
      • ERRO
      • c) Concisão, clareza e informalidade (FORMALIDADE) são características fundamentais da redação ofcial. 

    • Gabarito: B

      a) Errada - A adoção de linguagem restrita a determinadas áreas técnicas garante a qualidade do texto ofcial e maior compreensão do assunto tratado. (O texto precisa ser compreendido - clareza, Concisão).

      b) Correta  - Busca-se a uniformidade das correspondências ofciais ao adotar-se uma postura impessoal nos textos.

      c) Errada - Concisão, clareza e informalidade são características fundamentais da redação ofcial. (Formalidade).

      d) Errada - Visto que a dignidade é pressuposto para que se ocupe qualquer cargo público, é necessária sua evocação por meio do vocativo nas comunicações ofciais. A exemplo disso, deve-se usar expressões como Digníssimo ou D.D antes dos nomes dos destinatários. (Nem todos os documentos possuem vocativo).


    • A) Errado . Neste caso iria se restringir o alcance da publicidade inerente as comunicações oficiac , por isso é desaconselhado o seu uso

      B) Correto

      C) Errado . A formalidade sim seria característica fundamental da redação oficial

      D) Errado . Segundo o MPPR , se a dignidade é pressuposto de exercício do cargo público , não deve ser mencionada como forma de tratamento 



    ID
    394651
    Banca
    CESPE / CEBRASPE
    Órgão
    Correios
    Ano
    2011
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    Tendo em vista as normas que regem a redação de correspondências
    oficiais, julgue os itens seguintes.

    O emprego da linguagem técnica, com a utilização de termos específicos de determinada área do conhecimento, deve ser privilegiado em expedientes destinados a órgãos públicos.

    Alternativas
    Comentários
    • Gabarito: errado.

      A clareza deve ser a qualidade básica de todo o texto oficial, o que irá possibilitar imediata compreensão pelo leitor . Quando forem indispensáveis ao texto, os termos técnicos, as siglas e as abreviações devem ser usados de forma explicativa, esclarecendo o leitor exatamente do que se trata.
    • ERRADO. Como devemos sempre facilitar o entendimento da comunicação a qualquer cidadão, a  linguagem técnica só deve ser utilizada quando for realmente exigida, evitando utilizá-la indiscriminadamente, para evitar que pessoas que não estejam familiarizadas com os termos técnicos também possam compreender o texto.
    • GABARITO ERRADO.

      O Manual de Redação Oficial diz:

      "A linguagem técnica deve ser empregada apenas em situações que a exijam, sendo de evitar o seu uso indiscriminado."
    • Veja o que diz o Manual da Presidência.
      A linguagem técnica deve ser empregada apenas em situações que a exijam, sendo de evitar o seu uso
      indiscriminado. Certos rebuscamentos acadêmicos, e mesmo o vocabulário próprio a determinada área, são de difícil entendimento por quem não esteja com eles familiarizado. Deve-se ter o cuidado, portanto, de explicitá-los em comunicações encaminhadas a outros órgãos da administração e em expedientes dirigidos aos cidadãos.
      Errado.
    • Questão errada, outra responde, vejam:

      Prova: CESPE - 2013 - TCE-RO - Analista de Informática

      Disciplina: Redação Oficial

      Na redação de expedientes oficiais, deve-se obedecer à norma culta da língua, prescindindo-se de uma linguagem específica administrativa, embora se possa utilizar linguagem técnica quando necessário.

      GABARITO: CERTA.


    • O emprego da linguagem técnica ( DEVE SER EVITADO APENAS, mas não é proibido seu uso)

    • GAB:ERRADO

      Uma questão que responde essa:

       CESPE / CEBRASPE - 2012 - PC-AL - Delegado de Polícia

      Em comunicações oficiais, a linguagem técnica deve ser empregada apenas em situações que a exijam, devendo ser evitado seu uso indiscriminado, a fim de se garantir a máxima clareza e concisão. certa


    ID
    394657
    Banca
    CESPE / CEBRASPE
    Órgão
    Correios
    Ano
    2011
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    Tendo em vista as normas que regem a redação de correspondências
    oficiais, julgue os itens seguintes.

    Nas correspondências oficiais, a informação deve ser prestada com clareza e concisão, utilizando-se o padrão culto da linguagem.

    Alternativas
    Comentários
    •  Resposta: CERTA


      Com base no manual de Redação Oficial da Republica

      Concisão:

      A concisão é antes uma qualidade do que uma característica do texto oficial. Conciso é o texto que transmitir um máximo de informações com um mínimo de palavras.

      Clareza:

      A clareza deve ser a qualidade básica de todo texto oficial . Pode-se definir como claro aquele texto que possibilita imediata compreensão pelo leitor. No entanto a clareza não é algo que se atinja por si só: ela depende estritamente das demais características da redação oficial: Impessoalidade, formalidade e padronização, uso do padrão culto da linhuagem, concisão.

    • Para complementar o comentário anterior:

      Os princípios básicos de toda redação oficial são:
      1. Impessoalidade
      2. Clareza
      3. Concisão
      4. Uniformidade
      5. Padrão Culto da Língua
    •  Gabarito - Certo

      Clique no mapa abaixo para ampliá-lo:

       

       
        
    • Gabarito: CERTO

       

      A linguagem da correspondência oficial prima pela clareza, concisão, com uso do padrão culto.

    • Comentário: Devido ao caráter impessoal, os textos oficiais têm a finalidade
      de informar com o máximo de clareza e concisão. Sendo assim, requerem o uso do
      padrão culto da linguagem.

      Gabarito: Certo.
       

    • CERTA

      De acordo com o MRPR, os textos oficiais, por terem caráter impessoal, devem ser redigidos em conformidade com o padrão culto da língua, o que não invalida o emprego da linguagem técnica, que pode ser usada, comedidamente, em situações que o exijam.

       CESPE - 2013 - TCE-RO - Analista de Informática - Na redação de expedientes oficiais, deve-se obedecer à norma culta da língua, prescindindo-se de uma linguagem específica administrativa, embora se possa utilizar linguagem técnica quando necessário. CERTA.


    ID
    452119
    Banca
    CESPE / CEBRASPE
    Órgão
    PC-TO
    Ano
    2008
    Provas
    Disciplina
    Redação Oficial
    Assuntos

    Considere que, no estado do Tocantins, um delegado de polícia tenha encaminhado ao secretário de segurança um expediente do qual se tenha extraído o seguinte trecho.

    Conforme solicitado por Vossa Excelência, comunico que está sendo averiguado a hipótese de envolvimento no assassinato de pessoas com quem a vítima mantinha transações comerciais. Ressalto que foi de grande valia vossa participação no caso em questão.

    Em face dessas considerações, julgue o item abaixo.

    O trecho em questão atende às orientações de redação oficial e às normas gramaticais.

    Alternativas
    Comentários
    • "Conforme solicitado por Vossa Excelência, comunico que está sendo averiguado a hipótese de envolvimento no assassinato de pessoas com quem a vítima mantinha transações comerciais. Ressalto que foi de grande valia vossa (Sua) participação no caso em questão. "

      A redação oficial deve caracterizar-se pela impessoalidade, uso do padrão culto de linguagem, clareza, concisão, formalidade e uniformidade

      Embora o pronome de tratamento se dirija à segunda pessoa, toda a concordância deve ser feita com a terceira pessoa. Usa-se Vossa, quando conversamos com a pessoa, e Sua, quando falamos da pessoa
    • Quanto a informalidade o texto está perfeito. Acontece que houve equívoco ao usar o termo "vossa". Esta se falando da pessoa, dessa forma usa-se o sua.
    • Na minha opinião, o erro está na palavra averiguado, que não concorda com o complemento. O correto seria "averiguada a hipótese de envolvimento...".

      No que se refere ao emprego do vossa, acredito que não há erro, pois o delegado está falando com a própria pessoa, embora não pessoalmente. O sua seria cabível se ele estivesse falando a respeito do secretário com uma terceira pessoa, o que não é o caso. 

    • Concordo com o primeiro comentário.

      O pronome de tratamento concorda com o verbo na 3ª pessoa. Quando se referir à 3ª pessoa, o pronome é precedido de "sua":

      Sua Majestade, a rainha da Inglaterra, chega hoje ao Brasil.
      e não..
      Vossa Majestade, a rainha...

      Ao se dirigir a uma autoridade, você usa o "Vossa". Ex.: Vossa Excelência foi muito útil na resolução do problema. 

      Ao se dirigir a outra pessoa, referindo-se àquela mesma autoridade, você usa o "Sua". Ex. Sua Excelência, o deputado José, foi muito útil na resolução do problema. 
       

    • "...Conforme solicitado por Vossa Excelência, comunico que está sendo averiguado a hipótese de envolvimento no assassinato de pessoas..."

      Não seria averiguadA.

      Haveria erro de concordância na palavra averiguado? Alguém poderia me ajudar nesta dúvida?

      O que está sendo averiguado? A Hipótese


    • Além do erro de concordância já aludido pelos companheiros ,deixo também registrado que ,não obstante o pronome de tratamento Vossa Exclência  ser de 2a pessoa ,este leva o verbo e os pronomes possessivos à 3a pessoa .Exemplo:Vossa Excelência tem manifestado sua opinião
    • Resposta :
      "Comentado por Garofolo há 6 dias.
      "...Conforme solicitado por Vossa Excelência, comunico que está sendo averiguado a hipótese de envolvimento no assassinato de pessoas..."

      Não seria averiguadA.

      Haveria erro de concordância na palavra averiguado? Alguém poderia me ajudar nesta dúvida?

      O que está sendo averiguado? A Hipótese"

      Eu acho que a palavra AVERIGUADO refere-se ao ENVOLVIMENTO e não a HIPÓTESE,  e acredito que a parte final da redação(Ressalto que foi de grande valia vossa participação no caso em questão) não parece estar de acordo com  uma Redação Oficial. Mas como não sou um profundo conhecedor me corrijam se estou equivocado...
    • Acredito que a informação é tão dúbia que não se sabe se dela podemos concluir  que o destinatário  foi importante para ajudar a investigação ou está envolvido no crime, por ser um documento oficial me parece informal ou equivocado, além de mal escrito, enfim.
    • Utliza-se Vossa Excelência para Secretário de Estado?
      Se alguém puder confirmar.... obrigada
    • Respondendo a questão da colega.
      Todo primeiro e segundo escalão do Poder Executivo recebe o tratamento de Vossa Excelência. Portanto, Secretário de Estado recebe sim esse tratamento.
    • Bem, concordo com o primeiro comentário, mas vou adicionar algo mais. O problema também está no uso inadequado do vosso, mas a explicação é que, ao  termos "vossa senhoria, vossa, excelência... como destinatário, devemos usar todos os pronomes de referenciação a eles na terceira pessoa: seu, sua, lhe...; vosso é pronome possessivo da segunda pessoa do plural. E sempre vai estar relacionado ao pronome pessoal do caso resto "vós" de segunda pessoa do plural. oK?

      Também, há erro, como já colocado, na parte:  averiguada a hipótese de envolvimento no assassinato ....

    • Haveria erro de concordância na palavra averiguado? Alguém poderia me ajudar nesta dúvida?

      Acredito que houve erro de concordância sim, deveria ser averiguadA, já que existe um determinante: A hipótese...
    • "Ressalto que foi de grande valia vossa participação no caso em questão."

      Faltou clareza nessa oração!
      Participação de quem?

      O delegado se dirige ao Secretário, logo. deve se dirigir usando VOSSA, portanto, o erro não está aqui!
      Pessoas mantinham transações comerciais... mas a ajuda delas foi de grande valia?

      Além do quê, temos um erro de concordância no averiguado.


    • "São de uso consagrado:

              Vossa Excelência, para as seguintes autoridades, entre outras.

      Presidente da República;

      Vice-Presidente da República;

      Ministros de Estado;

      Governadores e Vice-Governadores de Estado e do Distrito Federal;

      Oficiais-Generais das For